Dois irmãos

Dois irmãos Milton Hatoum




Resenhas - Dois Irmãos


201 encontrados | exibindo 151 a 166
1 | 2 | 3 | 11 | 12 | 13 | 14


Letícia 09/07/2018

Trechos
Na vida de Omar aconteciam lances incríveis, ou ele os deixava acontecer, como quem recebe de mão cheia um lance de aventura. E não há seres assim? Pessoas que nem carecem buscar o lado fantasioso da vida, apenas se deixam conduzir pelo acaso, pelo inusitado que assoma nas ventas.
comentários(0)comente



vanessa 17/11/2016

conta a história de uma família destruída pelo sofrimento da mágoa e dos atritos. um livro profundo e pesado. leitura proveitosa e intensa. adorei.
comentários(0)comente



Raquel.Chiaradia 19/12/2016

Orgulho para a literatura nacional
Uma obra envolvente e tão bem escrita que os acontecimentos parecem reais, tanto que tive vontade de entrar na história e intervir em vários momentos.
Leitura fluída e fácil, porém com aspectos psicológicos complexos e pesados, tendo tudo para agradar o leitor que gosta de obras profundas.
comentários(0)comente



Ellen Macedo 12/01/2017

Uma história de mãe
Fantástico! Demorei a iniciar em Milton Hatoum mas agora que li Dois Irmãos me arrependo. O autor tem um texto maravilhoso, empolgante e que nos prende do início ao fim. E com uma linguagem que fala fundo ao nortista e, neste livro, em especial as mães. Quem nunca foi como Zana? Super recomendo esta história intensa e envolvente.
comentários(0)comente



Gláucia 29/08/2010

Família em cacos
Gosto de romances deste tipo, regionalista, mescla um pouco da história, cultura e a formação da Manaus do século XX. O narrador faz parte da trama como filho da empregada; já no futuro, vai desfiando os fatos ocorridos em sua infância. A família, de origem árabe, é composta pela mãe, os irmãos gêmeos, uma irmã e mistura predileção materna, intrigas, incesto, inimizade eterna, arrependimento, paternidade duvidosa. Uma história forte, me lembrou um pouco Lavoura Arcaica de Raduan Nassar.
comentários(0)comente



Eliana 23/06/2014

Nâo gostei!
Muito regionalista!
comentários(0)comente



Vida Literária 09/02/2019

Dois Irmãos: A Queda de Uma Família
O romance exala um aroma que inibe o leitor, principalmente aquele que já passou por leituras semelhantes outrora. A literatura já nos presentou com narrativas notáveis quando o assunto é drama familiar. Machado de Assis, por exemplo, escreveu a história de Pedro e Paulo, Eça de Queiroz apresenta a nobreza da família Maia, Gabo inspira o leitor com a família Buendía em Cem Anos de Solidão. Outros escritos, como a Bíblia, relatam a história de Caim e Abel e Esaú e Jacó. No entanto, não há vocábulo que melhor exprima o romance em comparação do que “semelhante”, pois, sem medo, Milton Hatoum vai até a última potência para descrever o esmorecimento de uma prole, a sensação de tensão é ininterrupta, os conflitos são diversos, tudo isso, narrada de uma forma fluida e elegante.

Resenha completa no blog!

site: http://vidaliteraria.net/irmaos/
comentários(0)comente



Kláustria 16/10/2016

(...)
“Como está diferente daquele montanhês que vi no Rio”, comentou Halim, mirando a imagem do filho.
“O montanhês é o teu filho” disse Zana. “ O meu é outro, é esse futuro doutor em frente do Teatro Municipal”
Irmãos de sangue, gêmeos, Yin e Yang que não encontram descanso. Separados ainda jovens por decisão do pai, Omar e Yaqub tornam-se homens em mundos irreconciliáveis. O primeiro superprotegido pela mãe, extrovertido e popular; o segundo reservado, estudioso e com a obrigação de ser forte e responsável. E em meio a eles, literalmente, e desequilibrando as coisas, os pais. Estes vivem às turras, mas também consumidos pela paixão despertada ainda na juventude. Complicações suficientes? Espere até conhecer Rânia e seus sentimentos enviesados pelos irmãos, Domingas e sua servidão e o nosso narrador-personagem que, inserido na vida dessa família intensa - e em busca de descobrir seu elo nesse enredo - vê seu destino depender das decisões ruins dos outros, pouco tendo como lutar contra isso.
Milton Hatoum construiu uma narrativa que mexe com nossos brios, nos faz associar passagens da vida dos irmãos com as nossas (quem tem irmãos sabe que conviver é difícil, muitas vezes), principalmente se você é o mais “sério” da família...
Inevitável não sentir um ranço por Omar, sentir dó de Yaqub e depois mudar de opinião.... No entanto, a vida é assim, não é? A gente busca a aceitação, o equilíbrio, um pouco de doce em meio ao amargo... O perdão. E se não for possível, aprende a viver do jeito que dói menos, porque alguns equilíbrios parecem ser inalcançáveis.
comentários(0)comente



Elexandra 15/05/2013

Sobre preferências, ódio e a ausência do perdão
Tendo a Manaus de meados do século XX como cenário, Dois Irmãos trata da mais que tumultuada relação dos gêmeos Omar e Yaqub. A saúde frágil de Omar ao nascer fez com que ele recebesse mais atenção da mãe, Zana e com que seu pai, Halim, se enciumasse. Essa preferência declarada prejudicou também a relação dos dois irmãos, que desde a infância disputavam tudo. A primeira disputa séria entre os irmãos tem Lívia como pivô, uma garota pela qual ambos se apaixonam. Quando no baile dos jovens, Zana ordenou que Yaqub levasse sua irmã Rânia para casa, ela indiretamente favoreceu Omar. Yaqub, entretanto não demora a dar o troco: durante uma sessão de cinematógrafo, acontece uma pane no equipamento e as luzes se apagam. Quando voltam a se acender, as lâmpadas mostram Lívia beijando Yaqub no rosto, o que enfurece Omar que se vinga cortando o rosto do irmão com uma garrafa quebrada.

É este incidente que marca a virada da história: Yaqub é enviado ao Líbano e Omar permanece sob os cuidados da mãe. Tudo para evitar que continuassem a brigar. Ao voltar, o primeiro revela-se um excelente matemático e o segundo um jovem inquieto e indisciplinado. E, enquanto o mais velho prospera, mais o caçula apronta. Acabando por tornar-se um boêmio.
Apresentando avanços e recuos no tempo, essa narrativa não tem uma cronologia linear, mas isso de forma alguma atrapalha ou confunde a leitura. Os problemas são revelados aos poucos, conforme o narrador deles se lembra, o que ajuda a manter o mistério e a tensão da trama.

Outro tema muito importante desenvolvido com maestria por Hatoum é a condição do imigrante. A perda da pátria e da identidade traz à tona mais uma diferença brutal entre os gêmeos: Yaqub se sente deslocado em casa, como um estrangeiro. Omar, por outro lado é muito apegado à casa de seus pais.

Com uma prosa cheia de personalidade, rica, consistente, elegante e, às vezes crua, Milton criou uma obra envolvente, surpreendente e, por que não dizer convincente. Pois, ao terminar de ler o livro me senti como se tivesse lido as memórias de alguém real, e não de um ser inventado.

Mais em http://clickdragmagazine.com/sobre-preferencias-odio-e-a-ausencia-do-perdao/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Fran 05/05/2016

Uma família disfuncional em uma narrativa fascinante!
Dois Irmãos relata a história de uma família disfuncional descendentes de libaneses e ambientada em Manaus. Acompanhamos essa família desde sua origem, seus conflitos e ressentimentos. Tem como pano de fundo uma parte da história do Brasil em uma crítica sutil ao regime militar e também nos aproxima da cultura manaura nos fazendo sentir estrangeiros em nosso próprio país.

Narra a trajetória dos irmãos gêmeos Yaqub e Omar e o ódio surgido entre os dois desde muito cedo. E se isso por acaso te faz recordar alguma novela de gêmeo bom e mau esqueça, essa história é muito mais complexa e nos traz diversas nuances. Por mais que em alguns momentos iniciais do livro o leitor possa tender para o lado de algum personagem, logo percebemos que ambos tem seus erros e acertos e que ninguém ali é inocente.

Temos um narrador muito próximo a família e que observa todos os acontecimentos que marcam a vida deles. Trata-se de uma narrativa que por muitas vezes é cruel e incomoda, mas que também, em certos momentos, consegue ser tão terna e delicada que nos leva a emoção. Os personagens são ricamente desenvolvidos, eles são palpáveis e a complexidade dos seus sentimentos e ações nos enreda. O leitor compra essa realidade.

O ritmo do texto é perfeito e envolve o leitor. Hatoum consegue te prender desde o primeiro parágrafo tornando as relações cotidianas muito interessantes. Talvez por conseguir expor tão bem uma cultura e experiências que são tão próximas ao autor pelo fato de que ele também descende de libaneses e é manaura.

Há também no livro uma crítica social muito interessante, ao menos eu a compreendi assim, quando fala dos indígenas e se percebe sua escravização e exploração. Em diversos trechos do livro o autor nos chama a realidade dessa questão e se você for um leitor curioso basta uma pequena pesquisa para perceber que estas questões não mudaram muito. Esse livro relata um período antes e durante o regime militar e percebemos o quanto essa questão permanece atual.

Outro ponto que me marcou foi ter a oportunidade de conhecer uma cultura que para mim é completamente estranha. E preparem-se para desfazer estereótipos, pois o que temos aqui nesse livro, além de elementos já propagados e esperados da cultura amazonense, é a efervescência urbana de Manaus e como a cidade é vibrante e ativa. Como ela viveu períodos conturbados de nossa história. Mais um livro para minha lista de livros para entender o Brasil.

O autor nos envolve nessa saga familiar tão profunda e emocionante. Ele nos provoca sensações: asco, ternura, revolta e compaixão. Uma escrita tão rica e bem desenvolvida e que explica tão bem por que Milton Hatoum é conhecido por ser um dos melhores escritores vivos em nosso país. Tenho certeza que sua obra vai se perpetrar como clássica de nossa literatura e seus livros serão estudados. Ele já se tornou um dos meus autores preferidos.

Milton Assi Hatoum nasceu em Manaus é escritor, tradutor e professor. Ensinou literatura na Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e na Universidade da Califórnia em Berkeley. Escreveu quatro romances: Relato de um Certo Oriente, Dois Irmãos, Cinzas do Norte, Órfãos do Eldorado, além do livro de contos A Cidade Ilhada.
comentários(0)comente



Sueli 13/03/2010

Comentário...
Este foi o primeiro livro que li do Hatoum e confesso que adorei seu estilo. O livro relata a trajetória de uma família marcada pelo ódio entre dois irmãos gêmeos, tendo como cenário a cidade e a cultura manauara. Foi eleito pelos críticos literários como um dos melhores romances dos últimos anos e foi publicado em outros 11 países.
comentários(0)comente



Ana Paula 28/12/2016

Não dá pra voltar no tempo...
O livro conta a história de Yakub e Omar, dois irmãos gêmeos que foram separados ainda na infância, separação que teve influência durante toda a vida dos dois.
comentários(0)comente



Polliana 28/10/2016

Dois irmãos
Com certeza foi uma maravilhosa escolha ler Dois irmão do Milton Hatoum, uma obra única com personagens inesquecíveis e personagens femininas fortes, uma narrativa que nos transporta para Manaus em meados do século 20, um recorte histórico do crescimento e desenvolvimento de Manaus, o eixo central do romance é a relação dos irmãos gêmeos yaqub e Omar, uma narrativa repleta de surpresas.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



201 encontrados | exibindo 151 a 166
1 | 2 | 3 | 11 | 12 | 13 | 14