Dois irmãos

Dois irmãos Milton Hatoum




Resenhas - Dois Irmãos


201 encontrados | exibindo 31 a 46
3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 |


cecilia.mendonca.583 08/01/2017

Impactante!!!
A história é forte, densa e , apesar de ficção, bem real.
Da primeira a última página, a escrita do Hatoum e te leva por uma Manaus já esquecida cuja pobreza continua a mesma e não te deixa largar até a última palavra!!!
comentários(0)comente



Helena Frenzel 25/11/2013

Achei que o contexto histórico poderia ser melhor explorado neste romance, senti falta de uma crítica mais refinada e de personagens mais marcantes. A história orbita os conflitos de uma família girando em torno de dois irmãos, maioria das vezes dos conflitos de um deles só, mas é um livro relativamente bem escrito (linguagem trabalhada) e, no geral, diria que é bom, vale a pena ler.
comentários(0)comente



Foco na Leitura 28/11/2013

Dois Irmãos
Quando você começa a ler esse livro, nada é o que parece, dois irmãos, seus pais, a babá e a irmã cheia de mistérios...
Os irmãos são totalmente iguais, minto, só fisicamente. Por conta disso, os dois não se dão bem.
Yaqub, o certinho, adorado pelo pai. Omar, o baladeiro e mulherengo, adorado pela mãe.
Mas essa história tem um narrador que não está alí por acaso, Nael, filho da empregada, quer descobrir, juntando os fatos que viu ou que sua mãe ou outra pessoa contou, quem é o sei pai, Yaqub ou Omar?
Todos escondem esse segredo e nada é o que parece, será que Nael é filho do baladeiro que não gosta nem um pouco da presença do menino dentro da casa? Ou será que ele é filho do Engenheiro Yaqub que mesmo longe da casa lembrava do menino, trazendo presentes e mandando lembranças.
Lembre-se que nada nesse livro é o que parece.
Você vai torcer para que Omar se dê mal, outrora torcerá para que Yaqub se dê mal.

Leia esse livro e viaje para Manaus com essa família que esconde segredos e demonstra, muitas vezes o ódio um pelo outro.
comentários(0)comente



Amanda 11/08/2010

Além de tratar do tema corrente da inimizade ente gêmeos, Dois Irmãos fala de reconhecimento, de mães que preferem um dos filhos, de casamentos arranjados, da cultura árabe, da ditadura, de incesto e de como famílias felizes não dão boas histórias.
comentários(0)comente



Gabriella 07/09/2016

"'Louca para ser livre.' Palavras mortas. Ninguém se liberta só com palavras. Ela ficou aqui na casa, sonhando com a liberdade sempre adiada. Um dia eu lhe disse: ao diabo com os sonhos: ou a gente age, ou a morte de repente nos cutuca e não há sonho na morte. Todos os sonhos estão aqui, eu dizia, e ela me olhava, cheia de palavras guardadas, ansiosa por falar."

Quem me dera um dia escrever um terço do que Hatoum escreve...
"Dois irmãos" era um de meus livros favoritos da vida mesmo antes de ser: ao ler a resenha soube que seria uma leitura que acalentaria o coração ao mesmo tempo em que inquietaria a alma.
Palavras não são bastantes para descrever a magnitude desse livro. É uma dessas obras que faz a gente sentir um orgulho imenso da nossa Literatura.
Gratidão, Hatoum!
comentários(0)comente



Drika 11/01/2017

Belíssima literatura
Além de contar a perturbada história dos gêmeos: Yaqub e Omar, também mostra outros pontos importantes: um pouco da história do Amazonas e de Manaus durante o regime militar, o lindo amor de Halim por Zana : "Sessenta e tantos anos não escondem toda a beleza dessa mulher, dizia ele" (p.127) e as complicações na trajetória da família . Adorei o narrador e como ele foi se desenvolvendo durante a história.
Enfim... Amei ....Achei muito interessante a escrita do Hatoum, que escritor fantástico, estava louca pra ler um livro dele...
comentários(0)comente



Nat 02/04/2016

the treta never ends
Ganhador do prêmio Jabuti 2001 de Melhor Romance, dois irmãos conta a saga dessa família disfuncional onde o ódio entre os gêmeos Yaqub e Omar delineou todos os demais relacionamentos: a mãe Zana que dá mais atenção a um do que o outro, o marido Halim que se sente deixado de lado, a filha Rânia que se reusa a namorar e casar, a empregada Domingas que fica grávida e ninguém se interessa em saber quem é o pai da criança, e esse filho que vai crescendo e vira o narrador da história.
Coisas que achei interessantes no livro: a narrativa ocorre em Manaus, lugar pouco explorado na nossa literatura, no período de 1910 a 1960, mostrando seu crescimento e um pouco da Ditadura Militar; o livro não é linear, ou seja, a história vai e vem, do passado muito antigo para um passado mais recente e depois volta mais um pouco o que normalmente me deixa confusa, mas nesse caso não; a escrita do Hatoum é muito interessante; a história dos imigrantes libaneses, porque normalmente lemos sobre portugueses ou alemães; a história do professora Laval.
O que não gostei: toda essa atmosfera de ódio, onde você leitor é sempre levado a esperar pelo pior, mas esse pior nunca vem (imaginava que efetivamente um mataria o outro); as ações de Yaqub contra o irmão, para mim, eram totalmente previsíveis e esperadas, condizentes com toda a personalidade dele traçada ao longo da narrativa; senti falta do aprofundamento ou da finalização de algumas histórias, como o que realmente aconteceu com Yaqub nos seus anos de Líbano e quem era a pessoa por quem Rânia se apaixonou; falta de ação na história, que credito a forma como Nael narra.
Acredito que não gostei tanto da história mais pela história em si, todo esse ódio, que acaba criando uma repulsa no leitor, do que a escrita do Milton Hatoum em si, que é fluida e envolvente. Acho que essa aversão ao tema é uma genialidade do autor, afinal ele conseguiu me fazer sentir algo muito forte pela sua história. Dei três estrelas.
comentários(0)comente



Luís Henrique 14/05/2011

Dois Irmãos
Estou, ultimamente, procurando autores brasileiros. A cada novo livro nacional que leio encontro um novo e fascinante Brasil.
O Livro de Hatoum não me agradou por ser mais um bom livro brasileiro; me encantou por ser um ótimo livro. Uma narrativa leve, mas densa. Uma história antiga, de intrigas de irmãos, mas atual.
Uma construção sutil de um personagem-narrador, que cresce ao contar a história de uma família de imigrantes libaneses na amazônia, do ponto de vista de um integrante postiço desta casa: o filho da empregada. Daí vem a imparcialidade do narrador que muda de lado algumas vezes.
Uma busca pelos culpados, seus supostos dilemas, ciúmes, amores e outras fraquezas nos deixam ligados todo o tempo.
comentários(0)comente



Cheiro de Livro 09/01/2017

Dois Irmãos
A história de rivalidade entre dois irmão gêmeos é o que norteia o ótimo livro de Milton Hatoum. Tinha devorado a história de Yaqub e Omar há mais de década e resolvi rele-lo antes que a minissérie da TV Globo entrasse no ar. Posso dizer que o livro é mesmo tão bom quanto lembrava.

São vários os elementos que me encantam na narrativa, o primeiro é a ambientação. Não é sempre que se tem uma história brasileira passada na região norte, muito menos uma história urbana. Hatoum usa como pano de fundo as mudanças urbanísticas de Manaus entre as décadas de 1950 e 1970, e isso dá todo um charme, é um brasil pouco contado. O segundo é o narrador, uma testemunha ocular de só parte do que conta, o restante ele ouviu aqui e ali e vai montando um pequeno quebra-cabeça dos acontecimentos que vai enredando o leitor ao poucos, uma delicia.

O livro pode se chamar “Dois Irmãos” e é inegável que a rivalidade entre eles é o que move a história, mas papa mim esse é um livro sobre Zana e Halim. Um casal apaixonado que teve nos filhos a sua danação. A adoração de Zana pelo Caçula, os cuidados das mulheres da casa comum beberão irresponsável chegam a dar raiva, em muito momentos queria sacodir Zana e tentar fazer com que ela visse o mal que estava fazendo. Já Halim e sua incapacidade de contrariar a mulher, de se impor diante do Caçula ou mesmo de Yaqub é paralisante. O casal é trama central, é esse amor, essa paixão e a eterna vontade de que os filhos se reconciliassem é o tema central do livro.

É bem mais simples odiar Omar do que Yaqub, isso é inegável, mas nenhum dos dois joga muito limpo e sabermos só parte das histórias, só o que o narrador ouviu dizer deixa o leitor com a sensação de que está escolhendo o lado que o narrador quer que ele escolha. O retrato dos gêmeos é feito cheio de manipulação e, talvez por isso, seja tão interessante.

Agora com todas as cenas frescas na cabeça, todas as brigas, as festas e todo um vocabulário libanês misturado com manauara aguarda a série da TV Globo, espero que façam jus ao ótimo livro.

site: http://cheirodelivro.com/dois-irmaos/
comentários(0)comente



Jefferson Vianna 01/03/2019

Um livro que ecoará por um bom tempo na minha memória...
Extasiado, é assim que eu me sinto após finalizar a leitura de “Dois irmãos”, um romance incrível e envolvente escrito por Milton Hatoum. Trata-se de um livro narrado em primeira pessoa, cujo narrador principal convida-nos a adentrar na história de uma família originária libanesa, residentes em Manaus no início do século XX. Uma família desestruturada devido os conflitos de dois irmãos gêmeos, Yaqub e Omar, incapazes de um ato de perdão que poria fim a um emaranhado de problemas familiares e extrafamiliares. O modo como Hatoum constrói cada personagem, permite-nos a apreciação de sentimentos diferenciados, que oscilam entre o amor e o ódio, visto que os detalhes, seja na ambientação e/ou na descrição dos personagens envolvem o leitor, que busca por respostas e anseia pelo desfecho da narrativa. O livro é fluído, muito bem escrito e emociona a todo instante, a escrita de Hatoum apesar de densa tende a ser poética e cheia de personalidade, capaz de seduzir e emudecer. O desfecho é simplesmente tocante e apesar do silêncio a última cena deste livro ecoará por um bom tempo na minha memória. Fascinante! Trechos/frases selecionadas: “A vida vai andando em linha reta, de repente dá uma cambalhota, a linha dá um nó sem ponta.” e “Mas as palavras parecem esperar a morte e o esquecimento; permanecem soterradas, petrificadas, em estado latente, para depois, em lenta combustão, acenderem em nós o desejo de contar passagens que o tempo dissipou. E o tempo, que nos faz esquecer, também é cúmplice delas. Só o tempo transforma nossos sentimentos em palavras mais verdadeiras.” Leitura recomendada!
comentários(0)comente



Francine 02/05/2009

Simplicidade
É um livro perfeito, como todo romance deve ser. Você se prende na história, não consegue parar de ler. Poderia ser um livro comum, mas é especial, e curiosamente, apesar de não ter grandes artifícios, é uma daquelas histórias inesquecíveis, de tão simples e intensas. Amei!
comentários(0)comente



Ryllder 17/01/2017

O tempo tudo consome
Estava namorando este livro a alguns meses,mas sempre adiava a leitura. Depois que iniciei,hesitava em deixá-lo.Primeiro livro de Milton Hatoum que tive o prazer de ler,e com certeza não será o último.A impressão mais forte que a obra me causou foi como é caso perdido nossa luta contra o tempo e suas consequências.Excelente leitura.
comentários(0)comente



Gustavo 24/01/2018

Dois Irmãos
Contado pela visão do filho da empregada, conhecemos a história de uma família disfuncional e recheada de problemas.

Ele se sente invisível aos olhos dos moradores da casa, mas apresenta cada personagem de forma bastante vívida e tece comentários e suas impressões sobre cada um deles.

Yaqub e Omar, gêmeos que apenas viveram em harmonia dentro do ventre materno, disputam a atenção de Zana, uma mãe possessiva, ciumenta, vingativa e que quer somente o amor dos filhos para ela. Halim, o pai, obcecado pela esposa, não dá a devida atenção aos filhos, mas no fundo, é um dos personagens mais corretos da trama. Domingas, a mãe do narrador, trabalha e mora com a família desde o início do casamento e sofre tanto com as brigas dos irmãos, quanto a própria mãe. E não podemos deixar de lembrar de Rânia, a irmã caçula que também nutre sentimentos tóxicos pelos familiares.

É difícil achar algum personagem que tenha só qualidades ou só defeitos... Quer dizer, o Omar, em minha opinião é um bosta!

Outro personagem cativante da história é a cidade de Manaus e seus arredores. O autor apresenta bairros, rios, construções, lagos, pessoas e costumes dessa cidade que é ao mesmo tempo uma metrópole, mas mantém costumes de cidade pequena do interior.

Milton me conquistou fácil através da sua escrita maravilhosa! Já estou selecionando mais livros do autor para ler!
comentários(0)comente



Domingos Coelho 24/02/2015

Livro muito bom, de fácil leitura. Para quem mora em Manaus, é um passeio pela cidade e pela história da mesma também. A alternância da linha temporal da estória ficou muito bem escrita, ajudando bastante na construção dos personagens.
comentários(0)comente



Erika.Almeida 27/04/2017

Constituição do psiquismo a partir do laço com o outro
Em tempos de supervalorização dos aspectos biológicos, Dois Irmãos, de Milton Hatoum, sublinha a subjetividade e os efeitos do laço com o Outro na estruturação psíquica.
comentários(0)comente



201 encontrados | exibindo 31 a 46
3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 |