Bloodchild

Bloodchild Octavia E. Butler




Resenhas - Bloodchild


31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


André 18/09/2020

Não sou escritor, mas imagino que contos devem ser bem difíceis de serem escritos. Vc tem que fazer a estória ter todo sentido e ser completa em tão poucas páginas. E lendo Bloodchild só consigo ficar maravilhado com a habilidade da Octavia Butler, pq é um conto espetacular. Vc consegue interpretar vários temas na leitura e tenho ctz que pensando mais no livro nos próximos dias vou ter novas leituras da obra. Ao final do ebook tmb tem uns comentários da autora sobre a obra que são bem interessantes. Leitura recomendada até pra qm não é fã de sci-fi.
comentários(0)comente



Beatriz 31/08/2020

Perdida
Perdida X mil,nem sei o que eu li.
Fiquei tão perdida nas palavras dessa autora que terminei o livro como se eu não tivesse lido nada.
comentários(0)comente



wendelwonka 10/08/2020

Meu primeiro contato com Octavia Butler e já quero mais. Conto excelente e q todo fã de sci-fi vai curtir. Se graça na Amazon ;)
comentários(0)comente



Matheus 31/07/2020

Mais um obra incrível de Octavia Butler
Uma história perturbadora e fascinante. É incrível como, em poucas páginas, a autora consegue debater tantos temas de grande importância.
comentários(0)comente



Mateus 26/07/2020

Conto muito bem escrito e com uma ideia interessante. Não vejo a hora de ler mais da autora.
comentários(0)comente



Macshime 22/07/2020

Short but certainly full of meaning! You can read it in a day!
comentários(0)comente



Sakurazuka 15/07/2020

É uma história interessante, pretendo ler mais dessa autora
comentários(0)comente



Mirella | @booksaquarius 05/07/2020

perturbador;
esse conto foi a coisa mais bizarramente genial escrita que eu já li na minha vida.
comentários(0)comente



Vanessa 25/06/2020

Coloquei esse livro na tbr da #MLI2020 mas logo que comecei a ler vi que não era o momento certo. Finalizei a leitura por ser curtinho, mas não entrar na história. Fora isso, gostei das reflexões que o livro trás e fiquei curiosa pra ler algo mais da autora.
comentários(0)comente



nalewbs 23/06/2020

Meu primeiro contato com Octavia E. Butler...
...não poderia ter sido melhor. Uma história curta mas que, na visão da autora, não tem nada de superficial. A princípio, pode parecer apenas uma ficção com uma parte bastante desconfortável mas, lendo o que a própria autora escreveu sobre a obra, fica muito mais fácil compreender os temas complexos que ela abordou. Octavia diz que escreveu para conseguir lidar com um desconforto/medo específico sobre um inseto. Uma situação, que muitos julgariam trivial, foi o que alimentou sua criativade para escrever Bloodchild. Vale a pena ler essa história e, no fim dela (na versão para o Kindle tem) o que a autora escreveu sobre.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Júlia 11/06/2020

Eu fui ler esse conto com altas expectativas, porque eu já tinha lido outro livro da Octavia Butler (Kindred) que eu também peguei com altas expectativa que foram sumariamente superadas. E, bem, preciso admitir que aconteceu a mesma coisa de novo. Eu estou profundamente abalada e maravilhada.

Esse livro está (estava?) de graça na Amazon e eu corri para baixar assim que apareceu nas sugestões depois de ter comprado um outro ebook. Como eu percebi recentemente que leio muito menos ficção científica do que eu gostaria, passei ele pro topo da minha lista mesmo sem ter ideia do que se tratava. Só de ver a sinopse logo antes de começar já saquei que o negócio ia ser bom. E foi melhor ainda!!!! É uma história tão disparatada que só podia tar certo com uma autora maravilhosa que nem essa.

O texto é absolutamente impecável. Eu raramente leio um conto que eu gosto e saio satisfeita com o final: sempre me deixa um gosto de quero mais, sentindo que algum ponto do enredo ou da construção do universo ficou meio solto. Nesse caso, eu achei perfeito. Obviamente, um universo como aquele poderia ser explorado infinitamente, mas funcionou do jeito que ficou. Tudo é minimamente explicado e o que não é explorado não deixa um buraco na narrativa. A gente sabe o que a gente precisa saber para aquela história fazer sentido.

Outra coisa que eu tendo a não gostar muito: descrições muito gráficas de cenas violentas ou sangrentas. Mas, de novo, a Octavia Butler FEZ DAR CERTO. A intenção era a aflição e funcionou perfeitamente.

E os temas desse conto são inúmeros. Me chamou a atenção que a autora, na nota ao fim do livro, já fala logo de cara que não entende porque as pessoas insistem em dizer que aquela é uma história sobre escravidão. Eu acho que tem vários elementos que justificam sim essa interpretação, eu mesma ficava pensando nisso durante a leitura. Mas ver ela dispensar isso tão plenamente e ainda afirmar que via o conto como uma espécie de história de amor me fez pensar.

Gan tem medo de carregar os ovos da T'Gatoi, mas ao mesmo tempo ele faz uma escolha no final. As outras opções eram péssimas, mas elas existiam. Ele sente carinho, compaixão, amor por uma alienígena que exerce um poder muito concreto sobre ele e a família dele. Ao mesmo tempo, ele e os outros humanos ganham benefícios também muito concretos com essa relação: os ovos que ampliam o tempo de vida, um planeta para viver, ter uma família para si. Sem uma relação harmoniosa entre todos, as duas espécies seriam extintas. Então, será que esse amor que Gan sente é necessariamente impossível? Será que é possível para T'Gatoi vê-lo como algo além de um mero carregador de ovos?

Reformulando a questão: uma vez que se admite que há uma assimetria intransponível em uma relação, o sentimento entre esses dois seres deixa de ser real? E se o domínio não fosse de alienígenas sobre humanos, mas, por exemplo, de homens sobre mulheres? É possível amar o próprio opressor?

Sei lá, acho que é muito fácil descartar o diálogo final entre o Gan e a T'Gatoi como um caso de Síndrome de Estocolmo. Para mim, me parece ser mais complexo do que isso. Porque às vezes, como uma mulher heterossexual, eu também me sinto em uma situação inescapável, em que nenhuma das opções também não me parecem lá muito boas: se eu me apaixono por um homem, o meu sentimento deixa de ser real por estar apoiado numa estrutura de opressão? O amor entre os personagens do conto não é romântico, isso fica claro, mas eu não consegui deixar de ver um paralelo ali. E, talvez ironicamente, o fato dela ter trocado os gêneros (é o homem que carrega os filhos da fêmea) só reforçou essa minha leitura com um enfoque maior nessas questões. É como se a história falasse: a questão não é o gênero em si, mas a relação de poder estabelecida a partir dos corpos.

Ao mesmo tempo, também não consegui deixar de ver um paralelo entre os vermes corroendo o corpo do humanos para a sobrevivência da espécie Tlic e os colonizadores correndo as terras colonizadas para a sobrevivência do sistema capitalista.

E devem ter um milhão de outras leituras possíveis. Porque uma boa história é isso, não é mesmo? Vou ficar séculos pensando nas diferentes maneiras de interpretar todas as possibilidades desse texto, mesmo quando a autora explica exatamente o que ela tinha pensado (aparentemente, era sobre insetos que colocam larvas ao picarem humanos nas florestas tropicais da América Latina).

Leia esse conto, por favor, mas leia durante o dia. Eu li à noite e quase não consegui dormir.
Natalia dcs 16/06/2020minha estante
ótima resenha. parabéns.




Lena 30/05/2020

Complexo
A história é arrepiante, mas causa reflexão sobre nossa própria existência e objetivos.
comentários(0)comente



Angelica.Lima 28/05/2020

Um conto bem perturbador que mostra uma relação de interdependência e até mesmo de um certo conformismo diante de uma nova realidade.

Se você tiver estômago vale a pena a leitura kkk
comentários(0)comente



literaaadfo 08/05/2020

Anos atrás um grupo de terráqueos foi embora da terra para viver em um planeta distante, agora eles vivem com os Tlic, uma raça que estava prestes a ser extinta, até que tais terráqueos chegaram e fizeram um acordo para que portassem os filhos dos Tlic. Gan é um garoto humano que já nasceu nesse planeta diferente, ele não teve escolha, mas agora se pergunta se realmente quer engravidar de um filho de outra espécie e, talvez, sacrificar a própria vida.

Bloodchild foi meu primeiro contato com algo em inglês escrito em outro século, de ficção científica e de quebra também foi meu primeiro contato com Octavia E. Butler e, felizmente, deu tudo certo!

Esse conto de 31 páginas possui um universo brilhantemente construído e que tem uma facilidade de ser compreendido genial! Octavia coloca nesse conto várias questões importantes para serem debatidas, além de, claro, fazer uma reflexão sobre como seria se homens cis engravidassem.

Octavia consegue fazer em poucas páginas o que poucos autores fazem em livros inteiros, sinto que se esse conto fosse maior eu conseguisse entender melhor as personalidades e motivações dos personagens, fora isso o que vemos aqui é um universo brilhantemente construído para chocar e fazer o autor refletir.
comentários(0)comente



31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3