A Escrava Isaura

A Escrava Isaura Bernardo Guimarães




Resenhas - A escrava Isaura


158 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Frans 05/07/2020

A escrava Branca.
Este é o típico romance brasileiro do final do século XIX. Doce, açúcarado e floreado. Tão doce que chega até a enjoar.

A história de Isaura se constitui uma saga. Uma santa imaculada. Comparada com as fadas e sereias mas que por falta de sorte o destino a fez branca e escrava.

Educada e refinada parecendo mais senhora que escrava, fez com que o público leitor da época a tomasse por estima e pudesse sentir por ela empatia, sentido junto à Isaura as agruras do cativeiro, coisa que seria impossível se a personagem fosse uma escrava típica, negra ou mulata.

Este livro é um grito contra a escravidão... Porém este grito foi sussurrado bem baixinho com muito cuidado e muita educação nos ouvidos da elite escravocrata.

Tanto assim que acabou sendo um romance largamente aceito e tornou-se um sucesso da noite para o dia consagrando Bernardo Guimarães como escritor. O romance caiu até nas graças de Dom Pedro II que o leu e deu seu aval.

É um livro que deve ser lido por amor a literatura, por respeito a história dos escravizados no Brasil e para que nos tornemos pessoas melhores e mais empáticas ao sofrimento do próximo.

Ah e Prepare-se para odiar Leôncio, o Satanás na terra.
comentários(0)comente



Lorena.Beatriz 30/06/2020

Com uma linguagem mais rebuscada, temos a escrava Isaura, muito bem diversa e exótica da escravidão, condenada ao seu Senhor algoz, e à um amor proibido. Simplesmente um livro com desfecho impressionante.
comentários(0)comente



Bárbara 29/06/2020

Muito bom.
Eu não concordo com alguns pontos da leitura, mas definitivamente é uma estória emocionante e bem construida.
comentários(0)comente



Niara 23/06/2020

Reflexões...
A história tem todas as características do Romantismo. Trata da salvação de uma escrava, mas me trouxe algumas reflexões. Não consegui concluir se o livro trás uma reflexão acerca da escravidão, da situação do escravo, ou se enfatiza as diferenças entre brancos e negros.
Isaura era tão bela e pura por ser branca, ou o autor quis levar à reflexão do tipo "e se os escravos fossem brancos"?
É difícil para mim chegar a uma conclusão, mas confesso que pesa mais a ideia da "pureza branca".
comentários(0)comente



Urbano.Aires 19/06/2020

Amei a história, apesar de ser uma versão resumida, não tirar a emoção e atenção da leitura.
comentários(0)comente



Naine 14/06/2020

Recomendado para que está iniciando o hábito da leitura, uma história bem curtinha rapidinho você termina.
comentários(0)comente



Lua 13/06/2020

A Isaura
É um clássico da literatura brasileira.
É um livro rápido e com a escrita é boa.
A história do livro me choca muito. Não me agrada a narrativa. O sofrimento de fato não me agrada, obviamente.
comentários(0)comente



Nathali.Mateus 07/06/2020

Narrativa extremamente enfadonha e, devido à época, racista.
comentários(0)comente



Leonardo.Rodrigues 02/06/2020

Importante para compreender a história literária do Brasil
A Escrava Isaura foi um romance publicado no período Romântico e segue à risca as convenções do Romantismo. Assim como, na minha opinião, O cortiço de Aluísio de Azevedo é um marcante exemplo do Naturalismo por ter praticamente todas as características de tal escola literária, o romance de Bernardo Guimarães, que conta a história da branca, bela e virtuosa Isaura, pode ser um ótimo exemplo para se definir as principais características do Romantismo.
O casal protagonista é extremamente idealizado. Isaura é dotada de todas as boas características que uma mulher pode ter: beleza, instrução, educação, formosura, e a lista de adjetivos não acabam mais, da mesma forma que Álvaro, seu par romântico, também o é. Pelo contrário, o grande vilão Leôncio carrega na bagagem inúmeros defeitos e falhas de carácter. Assim, percebe-se o maniqueísmo e a dualidade entre o Bem e o Mal na obra.
A instância narrativa do romance também é interessante. Como o narrador é onisciente, conhecendo tudo sobre o que se propõe a contar, conseguimos imergir mais facilmente na história. Sua característica marcante de conversar com o leitor é, como dizem, a cereja do bolo, pois o leitor consegue se familiarizar com o narrador e com a narrativa.
Além disso, o livro tem uma linguagem simples com uma história bastante curta. Uma ótima leitura de fim de tarde.
comentários(0)comente



Layla 29/05/2020

Um novo olhar sobre o livro
Essa foi a minha terceira tentativa com este livro, tentei ler durante o inicio e o final da minha adolescência e não tinha gostado principalmente por causa da linguagem se tornou uma experiência tão ruim que estava abandonado na minha estante, até que fui convencida a dar uma chance a essa leitura e que surpresa tive ao reler, me envolvi muito com a história, que leitura deliciosa. O autor antiescravagista vai deixando suas críticas no romance de forma brilhante e ácida, além de seus posicionamentos contra o capitalismo e a alta sociedade brasileira, críticas essas atemporal que podemos levar para diversas situações atuais. A forma que ele escreve colocando primeiramente as reviravoltas e o ápice antes de qualquer explicação é incrível como também a forma que ele as explica como se estivéssemos conversando pessoalmente com ele. Outro fato que achei brilhante para ele dado a época em que foi escrito foi a construção da protagonista assemelhando-a com princípios físicos e intelectos de qualquer dama da alta sociedade afim de compadecer o leitor da época acerca da escravidão de forma sublimar. Para concluir, o olhar maduro que tive ao reler essa obra ajudou bastante a gostar da mesma, por isso foi uma surpresa para mim ter mudado de opinião para com a obra. Um conselho: se não gostar de um livro, abandone, no futuro você pode tentar novamente e ter uma visão completamente diferente do que você tinha uma década atras.
comentários(0)comente



Tielli 24/05/2020

Um bom romance clássico para leitura!!!!!!
Gostei!!!!!
comentários(0)comente



Fernando 18/05/2020

Guimarães sabe conduzir o leitor pela narrativa, sendo empático e articulando com o mesmo, tal qual um dançarino.

Ademais, apesar dos conceitos da época - as quais normatizam a escravidão e principalmente a relação objetal para com a mulher - o livro tem bom enredo e de fácil entendimento.
comentários(0)comente



Bruna 17/05/2020

A escrava Isaura
O romance é uma história incrível de aquecer o coração e também para refletir sobre como as pessoas eram tratadas dependendo d a cor de sua pele e do status que carrega, como as pessoas podem ser terríveis, invejosas,oportunistas imorais, mas também que a pessoas com um bom coração e lutam com todas as foças por aquilo que acreditam sem mudar quem elas são.
comentários(0)comente



ultragicomedia 08/05/2020

Ao que parece, sofrimento de preto não sensibiliza
Apenas um livro escrito com o intuito de sensibilizar as pessoas em relação à escravidão trazendo uma escrava branca
comentários(0)comente



158 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |