Enders

Enders Lissa Price




Resenhas - Enders


102 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Juan Florêncio 11/01/2014

Viciante! Não tem outra palavra que defina melhor o enredo dessa história.
Há pouco menos de um ano atrás, em meio a febre distópica que tomava conta do mercado editorial, Lissa Price teve seu primeiro livro lançado no Brasil. Starters, que parecia ser apenas mais um fruto da modinha distópica, mostrou-se um fenômeno nas livrarias e de crítica, repetindo o alvoroço que causou nos Estados Unidos, onde havia sido lançado meses antes. O plano de fundo continua sendo uma sociedade futurística com uma organização social extremamente frágil e cheia de rupturas. Um seleto grupo dos habitantes desse senário vive com uma extravagante situação econômica enquanto outros não têm o que comer ou onde viver. Até aí, tudo normal. Entretanto, a autora conseguiu fazer um apanhado de particularidades que fizeram da história, no mínimo, um caso peculiar em meio às outras obras do gênero.

Em um futuro não muito distante, os Estados Unidos foi devastado por uma guerra que usou, sobretudo, armas biológicas. Esse evento ficou conhecido como guerra dos esporos, e exterminou pessoas entre os 20 e 60 anos, que não receberam proteção adequada por não serem consideradas pelo governo prioridades. Quando os conflitos cessaram, havia uma grande população de jovens e idosos na região. Esses primeiros passaram a ser designados como starters, e em geral vivem subjugados, sem casa, família, dinheiro e nem mesmo, o que comer. Esses segundos foram denominados enders, e por conta da idade, ocupam os melhores empregos e cargos, e por consequência, formam a massa rica dessa sociedade.

Ao passar do tempo, uma empresa oferece esperança para os starters. A Prime Destinations, criou um método que permite ajudar tanto starters como enders. O método consiste em uma troca de corpos. A troca consiste na instalação de um microchip na cabeça de um starter, que em conjunto com métodos tecnológicos faz com que um Ender assuma o controle do seu corpo e passe um tempo como uma espécie de hóspede. Ao término do aluguel, o starter pode voltar para a sua vida, porém, com o pagamento do serviço. Essa oferta atrai vários starters de Los Angeles, palco dos acontecimentos do livro, entre eles, Callie, uma órfã que vai em busca do serviço para ajudar seu irmão doente. O que a garota não imagina, é que ela passará por muitos apuros e descobrirá que o trabalho de alugar corpos, envolve uma trama perigosa a qual ninguém, se quer, desconfia.

É assim que começa a trama do primeiro livro da série. No fim do mesmo, Callie causa junto com alguns dos seus recém adquiridos amigos uma grande confusão com a Prime, ganhando um grande inimigo e pondo em risco a sua própria vida. Enormes ganchos foram deixados no primeiro volume para serem descobertos apenas nesse segundo e, infelizmente, último volume.

Se Starters era uma obra de leitura facilmente fluida graças a ação e as descobertas sempre instigantes, Enders consegue se sobressair a isso, sendo quase capaz de transportar o leitor de seu local de leitura para a intensa e acalorada confusão que se organiza pelos quatro cantos de Los Angeles. Desde o primeiro capítulo a narrativa já começa explosiva literalmente, devo dizer e segue nesse ritmo até a última página do livro. O velho, antigo dono da Prime Destinations, começou uma caça aos Starters, para vende-los a grandes líderes de outros países, e conta com o apoio de todos os Enders nessa missão. Para evitar que isso aconteça, Callie procura métodos de afundar ou ao menos atrapalhar o máximo que puder os planos do seu grande inimigo. E é no meio dessas tentavas que ela acaba encontrando novos aliados, amigos, amores e por consequência, inimigos.

Callie é uma daquelas personagens que facilmente consegue fãs no mundo da literatura. Justamente por ser um tipo que foge ao estereótipo da garota adolescente. Forte, audaciosa e sem medo, a personagem surpreende em todas as suas ações e consegue sempre chamar a atenção para si. O romance nesse volume está mais latente, e a protagonista enfrenta desilusões e novos sentimentos se formando. É sensacional a mistura de amor com um ambiente rarefeito e cheio de perigos.

Lissa Price consegue com maestria nessa finalização de saga mostrar o quão boa como escrita ela é. Enders consegue ser impecável em todos os aspectos, os personagens são fortes e muito bem construídos, a narrativa se torna cada vez mais sólida e fluida, bem como as novas histórias que vão surgindo e as reflexões causadas a partir do conteúdo do livro são a cada página mais provocativas. É muito difícil largar o livro, e não porque Lissa abusa do suspense ou de fazer com que coisas aconteçam em um capítulo e as consequências disto só sejam reveladas no próximo, e sim, porque o livro é simplesmente magnífico.

Infelizmente, Lissa Price resolveu ser inédita até no número de exemplares de sua série, formando uma duologia. Enders fecha com chave de ouro essa série que particularmente, não deixou a desejar em nenhum aspecto. Segundo o The Hollywood Reporter, alguns estúdios já estão brigando pelos direitos de adaptação do livro. Vamos torcer para que seja verdade, e se não for, sempre podemos reler e nos maravilhar com esses personagens únicos e cativantes que saíram da pena de Lissa Price, e não vão sair tão cedo da nossa memória.

site: http://asasliterarias.com/
Larissa 13/01/2014minha estante
Eu já estava ansiosa, mas você conseguiu piorar minha situação kkk


Taina 14/01/2014minha estante
Muito boa a resenha! Aonde você conseguiu comprar o 2º? Já lançou?


rose 14/01/2014minha estante
Muito bom o primeiro, não vejo a hora de ler o segundo. Mas já lançou no Brasil???


Juan Florêncio 14/01/2014minha estante
Oi, meninas. Fico feliz que tenham gostado da resenha. O livro chega às livrarias em Fevereiro. Fiquem ligadas.


Any 14/01/2014minha estante
gostei da resenha ,conheci o primeiro livro Starters na Bienal , e estou hiper ansiosa para ler o segundo .bjinho


PriPriii 19/01/2014minha estante
Perfeito.Amei sua resenha.


Ellen 13/02/2014minha estante
Resenha muito boa, reflete bem a minha opinião. Terminei de ler o livro hoje, mas só espero que, seja qual for o estúdio que adapte o livro, arranje um ator à altura para representar o Hyden. :)


Carolina 05/03/2014minha estante
Não li a resenha mas me apaixonei por você! Passa wpp, gato? kasjhdkhasldjhasd


Jehpintrix 02/12/2014minha estante
N estou gostando do livro. :(


Raissa Heidi 21/03/2015minha estante
Tanto os dois volumes quanto o conto me conquistaram, mas o final do livro me decepcionou... achei meio normalzinho... Meio final de filme de ação adolescente.




Fernanda 04/02/2014

Resenha: Enders
Resenha: “Enders” é a continuação de Starters de Lissa Price, publicado pela Editora Novo Conceito. Assim como o primeiro volume este também prende a atenção do leitor do início ao fim e cria perspectivas sensíveis e surpreendentes. Starters se mostrou bastante promissor e o desfecho se concretiza com várias perguntas sem respostas, expostas justamente para serem analisadas neste segundo e último livro. Felizmente a autora conseguiu realizar atos magistrais, com reviravoltas dignas para agradar os leitores.

Callie Woodland é uma protagonista sensacional. Mesmo! Desde o começo mostrou ter uma personalidade forte e cheia de princípios. Quando procurou a Prime Destinations foi para ajudar o irmão doente e desde então se mantém focada para achar a melhor solução de ver todos ao seu redor em segurança e claro, tirar o chip de sua cabeça. É impossível não simpatizar com seu jeito. E um dos pontos positivos é poder observá-la fazendo as coisas e saber que ela tinha mesmo potencial para aquilo.


CONFIRA A RESENHA COMPLETA NO BLOG SEGREDOS EM LIVROS:

site: http://www.segredosemlivros.com/2014/02/resenha-enders-lissaprice-novoconceito.html
Álexx' 10/02/2014minha estante
Curtam:
Pensamentos de um Starter
https://www.facebook.com/pages/Pensamentos-de-um-Starter/276437032470765




naniedias 15/02/2014

Uma decepção!
Muito Fraco!

Já leu Starters? Não?
É totalmente possível ler esse segundo livro sem ter lido o primeiro, mas não recomendo.

É no primeiro livro que a autora explica alguma coisa sobre a sociedade em que vivem seus protagonistas. A autora já não fala muito no primeiro (mas é o suficiente para que o leitor não se sinta totalmente perdido), e no segundo não fala absolutamente nada.

A verdade é que eu não gostei desse segundo livro (como você talvez já tenha percebido pelo "muito fraco" ali em cima).
Me decepcionei em vários sentidos.

Eu li Starters e achei o máximo a história!
Não acho que o livro seja distopia, por motivos que expliquei na resenha do primeiro volume, mas como uma ficção-científica juvenil eu fui arrebatada não só pela deliciosa narrativa da autora, como também pelos seus personagens, mas principalmente pela realidade alternativa que ela criou.
Tendo gostado tanto do primeiro, eu realmente esperava coisas grandiosas para esse segundo livro - não apenas uma aventura gostosa de ser lida, mas também maiores detalhes sobre o mundo da protagonista Callie.
Infelizmente, não foi o que encontrei. Nem uma boa aventura, nem as explicações por mim tão aguardadas.

Primeiramente, quero falar do que é bom, porque há coisas boas no livro.
Para começar, a edição da Novo Conceito merece elogios! A editora manteve o padrão do primeiro livro e arrasou nessa continuação. Gostei demais. Não só a parte gráfica ficou belíssima como o trabalho editorial (tradução e revisão) também ficou muito bom.
Além disso, a editora também montou um kit muito bacana, com um pen drive em formato de cartão que achei o máximo!

A autora também não deixou a peteca cair no quesito narrativa. A escrita de Lisa Price continua tão gostosa e atraente quanto no primeiro livro.
Parece que a autora faz com que a história deslize pelas palavras que colocou no papel - tornando a leitura extremamente agradável e também muito dinâmica! Lissa Price, por favor, continue escrevendo - porque é uma delícia ler.

Qual o problema, então?
Na verdade, estamos falando de problemas. No plural mesmo.
A coisa já não começa bem no título. Pode me chamar de chata, mas o título para mim é algo que faz todo o diferencial em um livro (em conjunto com a capa e a sinopse é o que me faz comprar um livro que eu ainda não conheço e do qual não ouvi falar! Portanto, considero o título um ponto de extrema importância).
Não que o título seja ruim! Ainda mais para quem leu o livro anterior. Enders se encaixa perfeitamente com o título do primeiro livro, Starters, mas não encaixa em mais nada com a trama! Parece que a autora quis usar o título apenas para combinar mesmo com a primeira história. E por que não gostei disso? Porque foi frustrante demais...
O título sugere uma maior participação de Enders... ou talvez até mesmo a história sendo contada do ponto de vista de outro personagem, agora um Ender (a primeira história é contada em primeira pessoa por Callie, a protagonista adolescente).
Porém, isso não é verdade. O segundo livro também é protagonizado por Callie, que é responsável por narrar sua própria história, e quase não há participação de Enders.

Em seguida, os personagens.
De maneira geral, são os mesmos do primeiro livro, mas retratados de uma maneira menos interessante. A protagonista novamente é Callie e alguns personagens continuam, enquanto outros novos são inseridos. Mas tirando a própria Callie e um novo personagem que aparece, todos os demais ficam super apagados e isso me desagradou bastante. E não só isso. Os próprios protagonistas não são retratados de uma maneira interessante, mas de forma bem superficial.
Por exemplo, achei péssima a maneira como Callie trata seu irmão mais novo. Ela é superprotetora demais, não dá espaço para o irmão. De certa forma, já era assim no primeiro livro, mas no segundo isso é intensificado. Sem contar que ela ora parece se preocupar demais, ora parece esquecer completamente o irmão em prol de estranhos. Devo dizer que achei bem estranha a maneira que ela interagiu com seu irmão mais novo (pelos acontecimentos de cada história, não tive essa impressão em Starters).

A grande decepção do livro, porém, ficou mesmo por conta do enredo.
Ai, ai, Lissa, como você pôde estragar uma história tão promissora?!
Em se tratando de um segundo livro numa série distópica, esperava que houvesse mais detalhamento das questões sociais que envolvem a sociedade retratada no livro. Como já mencionei antes, não consigo ver esse livro como uma distopia, mas como uma ficção-científica. Ainda assim, porém, eu queria mais detalhes, já que a realidade na qual Callie vive é tão diferente daquilo que conhecemos.
Ansiava por saber um pouco mais sobre a história daquela sociedade, o que foi e como se deu a Guerra dos Esporos e qual a extensão dessa guerra! E não só a parte histórica... na verdade, considero que até mesmo na questão de funcionamento da sociedade no presente me deixou curiosa. Não há menção do governo que a controla, da realidade cotidiana dos cidadãos, de como as questões de saúde, educação, desigualdade social, emprego e tudo mais é tratada (ou até mesmo sentida) pelas pessoas. Na verdade, o mundo todo ao redor de Callie é bastante obscuro. É como se não houvesse nenhuma luz, somente trevas, e Callie carregasse uma pequena vela, suficiente apenas para mostrar ela mesma e alguns detalhes ao seu redor (mas detalhes que são praticamente sombras desfocadas). Essa foi a minha sensação com a leitura.

Mas ainda assim, com tudo em falta, eu pelo menos esperava uma atitude da protagonista em relação à quebra do regime desigualitário que subjulga os Starters sem família (questão que foi apontada, deve-se dizer, no primeiro volume!).
Só que não encontrei nada disso. Nem as explicações que esperava, nem a atitude que poderia ter valido a pena.
Nada!
O livro se fia em uma trama completamente sem sentido, que mal é capaz de manter sua conexão com a história que nos introduziu ao mundo dos Starters.

Confesso que passei a maior parte do livro dizendo coisas do tipo "mas isso não faz o menor sentido", "por quê?" e "Oi?".

No final das contas, o livro não conseguiu mesmo me conquistar, embora eu tenha gostado tanto do primeiro. Esperava coisas completamente diferentes e o que encontrei não foi capaz de me agradar nem um pouco.
O mais frustrante de tudo é saber que esse é o último livro da série. O primeiro livro é ótimo e o segundo não deveria existir... mas eu queria - e muito - que algumas questões fossem desvendadas. É realmente uma pena que a série seja finalizada sem dar vazão às milhares de perguntas que se formaram em minha mente.

Portanto, leiam o primeiro livro, que é bem bacana, mas já sabendo que o segundo não irá responder às perguntas deixadas pelo primeiro. Se você for curioso (e como um bom leitor, tenho certeza que é!), irá se frustar bastante com Enders.
A bem da verdade, se fosse você nem perderia meu tempo lendo o segundo. Leia o primeiro, aproveite os contos que a autora publicou e finge que Enders não existe. Acho que vale mais a pena.


Nota: 3


Leia mais resenhas no blog Nanie's World!
Guillermo 30/03/2014minha estante
Concordo plenamente com o seu comentario! Amei muito Starters, mas Enders deixou muito a desejar! Achei o final completamente previsivel, o que eu acho completamente frustante; gosto de reviravoltas e finais impactantes que me façam lembrar do livro por muito tempo! Pena que isso não aconteceu.
Discordo de uma coisa na sua resenha: não gostei da escrita de Lissa Price. Tem algo que me incomoda profundamente na maneira que ela escreve. Os diálogos são... sei lá, infantis demais, como aqueles que você escreve nas suas redações de 5º ano, muito mecânicos, longe da maneira que se fala na vida real.
Além disso, achei que várias coisas não eram necessárias para a história, como aquele período em que a Callie fica presa com o Hyden e o Michael naquele local onde são submetidos a vários testes... Completamente dispensável para o enredo. E uma coisa que eu estava LOUCO para saber mas não foi esclarecido: os motivos da Guerra dos Esporos! Alem disso, queria saber o que aconteceu nos outros países também, não só da vida nas cidades citadas no livro (nem nelas não foi muito bem explicado)
Enfim, esse livro se tornou uma enorme frustação para mim.
P.s.: faz um bom tempo que não vou no seu blog, tenho que me atualizar por lá! Rsrs


Jehpintrix 02/12/2014minha estante
A história é boa, mas a autora não soube construir os personagens e as falas são muitos rasas...




Laísa 03/12/2014

Fraco
O Livro em si possui reviravoltas interessantes, porém no fim se tornou algo previsível, vago e superficial.
comentários(0)comente



Aline Prates 27/05/2014

Enders era um livro do qual que tinha muitas expectativas, era umas das sequências que eu mais aguardava, pois eu simplesmente caí de amores por Startes, foi uma distopia que me conquistou. E o final do primeiro livro é alucinante. Porém o que encontrei em Enders foi algo bem diferente do que eu estava imaginando.

Após os eventos de Starters, Callie está tentando reconstruir sua vida junto com seu irmão Tyler e seu amigo Michel, mas as coisas não são tão fáceis assim. Callie descobre que o Velho ainda pode acessar seu chip e ele tem outros planos para retomar o poder. Agora Callie precisa descobrir uma forma de deter o Velho, pois todos os que contém chips correm perigo. Em meio a essa caçada Callie irá descobrir que nem todos são o que parecem.

Enders me provocou sentimentos diversos, e foi muito difícil fazer uma resenha para esse livro.

Apesar da narrativa da Lissa continuar viciante e maravilhosa, acho que ela pecou em diversos aspectos no livro, mas o que me incomodou de verdade foi a descaracterização de alguns personagens e os simples desligamento de outros, que foram muito importantes no primeiro livro. A autora percebeu que não havia mais espaço para alguns personagens, principalmente levando em conta o rumo que ela deu para trama e simlpesmente tirou-os de cena, e outros ela quis enquadrar nesse novo rumo, mas para isso era acabou mudando a essência deles e tentou explicar isso de forma bem incoerente, acho que ela quis fazer uma grande revelação, que para mim acabou não sendo surpresa nenhuma, pois logo percebe-se onde ela queria chegar.

Acho que a Lissa, quis fazer uma super grande reviravolta na história a acabou metendo os pés pelas mãos, talvez eu tenha amado Starters demais e esperado que Enders fechasse com chave de ouro.

Outra coisa que senti falta foi uma explicação mais detalhada da Guerra dos Esporos, achei que a autora entraria com mais informações e falaria como tudo aconteceu, como as pessoas reagiram e etc, mas isso não aconteceu.

Uma coisa é fato, não posso negar, a autora tem o dom de envolver os leitores e criar ótimos mistérios, ela sabe prender o leitor em uma teia de acontecimentos e num ritmo frenético, que faz com que seja impossível largar o livro, mas acho que a conclusão foi bem insatisfatória. E Embora que recomende Starter e Enders, pois são distopias com conceitos bem interessantes, eu recomento que não se crie muitas expectativas.

É uma duologia agradável, mas vá com moderação.

site: http://alinenerd.blogspot.com.br/2014/05/enders-lissa-price.html#.U4U7SfldWpc
comentários(0)comente



Lorena.Oliveira 23/06/2015

Resenha - Enders - Lissa Price
Li inúmeras críticas sobre o livro, e fiquei triste, mas como sou teimosa resolvi ler assim mesmo, já que tinha adorado o primeiro.
Achei dinâmico e cheio de reviravoltas, a leitura é fácil e acabei em um dia. Torci muito pelos personagens, e gostei de ver uma mocinha superando seus limites e fraquezas, Callie se mostra extremamente corajosa, e faz qualquer coisa pela família e amigos.
Fiquei curiosa em saber o que causou a guerra dos esporos, e como era a sociedade antes disso, esse assunto fica meio esquecido, também queria saber o que aconteceu com o plano inicial de Hayden, se ele conseguiu ou não por em prática, mas também não foi mencionado. E claro, algumas cenas eram bem previsíveis tipo “A não me diga”. Ainda estava eufórica e o final me deu um banho de água fria, esperava bem mais!
No geral, não é uma leitura desagradável, mas não é um livro que vou reler, nem chegou perto de me marcar como o primeiro.
A história renderia fácil mais um livro ou dois, pena que a autora não soube aproveitar!
Deia 23/06/2015minha estante
Senti a mesma coisa que você Lorena, a autora poderia ter feito uma trilogia e explicado melhor a guerra dos esporo, sem falar que alguns personagens ficaram meio esquecidos...Uma pena que ela não soube aproveitar.




Ju Cirqueira 14/03/2014

A duologia Starters chega gloriosamente ao fim
Ao final do Livro 1, a autora deixou um gancho gigantesco para o Livro 2, sinalizando ao leitor que a protagonista Callie não estava lá tão segura quanto ela imaginava e que a destruição do prédio da Prime Destinations - empresa que alugava secretamente os corpos de Starters para Enders – não significava o encerramento das atividades realizadas lá, nem muito menos a derrota de seu presidente, o Velho.

Aterrorizada pela constante voz em sua cabeça, Callie precisa fazer algo para se certificar de que o Velho não volte a controla-la ou fazer mal a outros Starters. Além das ameaças e provocações do Velho em sua cabeça, Callie também ouvia a voz de seu falecido pai, o que não deveria ser possível, deixando-a ainda mais perturbada. Após a explosão que matou uma Starter dentro de um shopping, quase na sua frente, Callie sabia que se continuasse ignorando o Velho em sua cabeça coisas piores poderiam acontecer, e o pior, os próximos alvos poderiam ser Michael e até mesmo Tyler, seu irmãozinho. Então pressentindo a ameaça à flor da pele, Callie concordou em se encontrar com o Velho, desconfiando de que seu objetivo obviamente fosse fazer uso do chip em sua cabeça, o único chip alterado capaz de matar.

Ao invés do Velho, quem lhe encontrou primeiro foi Hyden, um Starter desconhecido que praticamente “sequestra” Callie com o objetivo de salvá-la do Velho. De início esse personagem inusitado causa muita desconfiança, mas aos poucos vai ganhando a confiança da Callie ao passo que revela coisas sobre si mesmo e sobre a Prime Destinations. E é aí que a aventura começa! Callie desvenda muitos outros mistérios sobre o projeto dos chips, o controle dos Starters e os verdadeiros planos do Velho, em uma correria frenética para fugir e tentar salvar outros Starters que possuem chips – chamados de “Metais” – do controle do Velho.

“Enders” consegue ser ainda mais eletrizante que “Starters”. Os novos personagens que entram em cena são tão misteriosos e encantadores quanto os próprios protagonistas. Ação é o que não falta! Callie se mostra uma protagonista excepcional, corajosa, destemida, cheia de esperança e encantadora! O que me conquistou nesta sequência foi que Lissa não errou na mão, tudo está muito bem comedido, todas as cenas de ação entrelaçadas com as cenas de afeto e descobertas, todas as peças do quebra-cabeças se encaixam perfeitamente, uma após a outra até o desfecho central. Temos a impressão de que cada detalhe da construção do mundo distópico de Lissa Price foi muito bem calculado e convence o leitor de forma muito natural.

site: http://nuvemliteraria.com/2014/03/resenha-enders-lissa-price/
Henning 03/04/2017minha estante
terminei de ler agora
vi gente falei mal dese livro
eu gostei muito
e o velha o grande vilão
quem diria que poderia ser
eu ate desconfiei pensei não poder ser kk





Luiza 02/09/2016

Ótimo
Não melhor que o primeiro mas eletrizante
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Gabriel 10/02/2015minha estante
Você poderia ter avisado que tem spoiler. :D


Rafael Palone 10/02/2015minha estante
Não achei que tem spoilers. Tomei cuidado até para não dar spoilers do primeiro livro. Mas, já que reclamou, coloquei o alerta de spoiler. :)


Gabriel 11/02/2015minha estante
Valeu




Ana Luiza 13/02/2014

É hora de tirar as máscaras
Callie Woodland conseguiu o que queria. A Prime Destinations foi fechada e nenhum Starters terá seu corpo alugado para Enders ricos novamente. Helena, a última inquilina de Callie e mais uma vítima da Prime, deixou metade de sua fortuna para a garota e seu irmão Tyler, que juntamente com Michael, vivem uma vida mais que confortável na mansão da falecida Ender. Mas ter dinheiro e pessoas que se importam com seu bem estar não quer dizer que a batalha de Callie acabou. Ela pode ter saído das ruas, mas muitos jovens como ela ainda vivem na miséria. E apesar da Prime Destinations não existir mais, o Velho ainda está a solta e todos os Starters que alugaram seus corpos ainda estão com chips na sua cabeça, o que lhes confere o apelido de Metais. E a maioria deles não está em boa situação.

“- Você não gostaria de estar em meu lugar, Callie. Consegue imaginar alguém que detesta o próprio corpo? Sou prisioneiro dentro dele. (...)
- Todos os Metais são prisioneiros. Até conseguirmos derrotar seu pai.” Pág. 88

Grande parte dos Metais perdeu o dinheiro que ganhou na Prime, sendo que outra grande maioria nem chegou a receber. E a situação desses jovens se revela ainda pior quando o Velho prova para Callie, de maneira dramática e sanguinária, que ainda pode controlar os Metais e, inclusive, transformar os chips em suas cabeças em bombas. Com a voz do inimigo novamente em sua cabeça, Callie sabe que precisa agir. Entretanto, não será uma tarefa fácil. A garota descobre que não pode tirar o chip da sua cabeça sem se matar no processo, mas quando escuta a voz do pai na sua cabeça novamente, ela sabe que tem que ir até o fim.

A caminho de um encontro face a face com o Velho, Callie é abordada por um misterioso garoto, que já salvara sua vida antes e que afirma que está fazendo o mesmo novamente. Hyden, como é chamado o Starter, revela que é filho do Velho e que ajudou a criar parte da tecnologia relacionada aos chips. Entretanto, assim como Callie, ele está em guerra com o pai, que sempre fora um homem horrível para o filho. Hyden não sabia das pretensões do pai quando o ajudou a criar os chips e, depois de ver o que ele fez, ficou decidido a acabar com tudo. Entretanto, o garoto sabe que o fim da Prime não é o fim do pai. O Velho pretende vender a tecnologia dos chips, assim como os Metais, para grupos terroristas estrangeiros.

“- É tudo por causa do dinheiro, então? Você não está fazendo isso porque acredita em alguma coisa?
- As pessoas fazem qualquer coisa por dinheiro. – Ele examinou suas unhas. – Ainda não percebeu?” Pág. 254

Determinados a impedir o Velho, Callie aceita se juntar a Hyden nessa batalha, que por sua vez tem ao seu lado Ernie, seu guarda-costas Middle, e Redmond, o cientista que ajudara Callie e Helena no passado. Enquanto decidem exatamente o que fazer, Callie e Hyden começam a juntar os Metais e levá-los para seu esconderijo, onde estão fora do alcance do Velho. Logo Michael se junta a eles, apesar de Hyden ter levado o garoto e Tyler para outro lugar seguro, longe de Callie. Quando as coisas parecem começar a melhorar, tropas do Velho invadem o esconderijo e todos os Metais são sequestrados, assim como Redmond, e Ernie é ferido. Agora sozinhos, Callie, Hyden e Michael tem que se virar para encontrar o Velho e todos os Metais. Ao visitar a antiga casa, Callie encontra provas de que seu pai pode estar vivo, mas nas mãos de seu inimigo. Disposta a descobrir toda a verdade, Callie precisa ver além das mentiras e máscaras não só do Velho, mas também daqueles que ama e que a cercam. Ninguém é realmente quem parece ser e até onde a garota conseguirá ir? Em que ela deverá confiar? Nessa batalha pela verdade e pela liberdade, falhar não é uma opção.

“- Ela é a neta de Helena. Prometi que a encontraria.
- Entendo – disse ele, com as mãos nos bolsos. – Mas você tem que entender uma coisa: nem todo mundo quer ser encontrado.” Pág. 62

Li “Starters” (resenha aqui) há mais de um ano e amei o livro, que se tornou favorito. O final foi simplesmente perfeito, com apenas uma ponta solta, e me deixou sem palavras e louca pelo próximo livro. Entretanto, Lissa Price deveria ter ficado apenas em “Starters”. “Enders”, o segundo e último volume da duologia “Starters”, foi uma boa leitura, mas como continuação e final da duologia, foi péssimo. Enquanto o primeiro volume traz uma história irresistível, personagens cativantes e um pouco de crítica social, o segundo livro peca nesses e em outros aspectos. A trama foi extremamente óbvia, as “surpresas” não são nada que não se podia prever e não há nenhuma inovação ou algo que faça o livro se destacar. Não gostei do seguimento da trama, que não tem um desenvolvimento natural, e os acontecimentos parecem forçados. O final foi previsivelmente feliz e sem sal, consigo pensar em outros inúmeros desfechos satisfatórios, nenhum parecido com o real.

Os personagens perderem seu brilho, principalmente a protagonista. Callie se tornou uma sentimentalista chata e tive vontade de enforcá-la diversas vezes. Os outros personagens também foram óbvios, nenhum deles ultrapassando as impressões iniciais, a maioria tendo o mesmo comportamento do primeiro livro. Não sei o que aconteceu em “Enders”, mas todos os personagens pareciam meio mortos e tontos, sempre sendo pegos de surpresa, como se eles tivessem perdido aquela chama que os tornava tão convincentes e cativantes no primeiro livro. Algo que me irritou bastante nessa falta de profundidade dos personagens foi como os bonzinhos eram sempre bonzinhos e os maus sempre maus. Ninguém é 100% de alguma maneira, então odeio quando autores colocam heróis e vilões perfeitos que só demonstram parte de sua natureza, como se bondade e maldade fossem distintos como água e óleo. Nesse ponto, a autora chegou a ser contraditória. Callie dizia o tempo todo que estava disposta a fazer tudo para proteger as pessoas e se livrar do Velho, mas ela sempre parecia pegar o caminho mais fácil, que sempre acabava não levando-a onde ela queria. Diferente da protagonista do primeiro livro, a Callie de “Enders” chega a ser um pouco covarde, que só fica reclamando das situações em que se mete e que não faz nada se ninguém der um empurrãozinho.

A narrativa em primeira pessoa da autora estava novamente perfeita, mas a protagonista e muitos outros aspectos do livro me irritaram tanto que a narrativa foi irrelevante para minha opinião final. A sensação é de que Price se perdeu completamente nesse livro. Ela é mais uma boa autora com a “síndrome da continuação”. Estou cansada de ler bons livros que acabam sendo ofuscados por continuações medíocres. Lissa, assim como outros, ficou tão preocupada em escrever mais um volume que acabou pecando muito na história em si. “Enders”, como um livro único, seria uma boa obra. Mas como é a continuação e último volume de uma duologia, ele é decepcionante e frustrante.

Sobre a edição, pelo menos, não há reclamações. A tradução estava perfeita e a diagramação excelente, não encontrei nenhum erro. O tamanho e tipo da fonte também estavam bons. A capa é lindíssima e combina perfeitamente com a história. Fico feliz que escolheram essa a original (ao lado), que é horrível. Apesar de não ser tão grosso assim, o livro me surpreendeu com seu peso, que é bem mais leve do que eu esperaria para suas 285 páginas.

“- Quer dizer que... você sentiu pena de mim?
- Não. – Os olhos dele encontraram os meus. – Eu me apaixonei por você.” Pág. 257

site: http://mademoisellelovebooks.blogspot.com.br/2014/02/resenha-enders-lissa-price.html
comentários(0)comente



Sadako 10/12/2015

Não recomendo. Não mesmo.
Diferentemente de Starters, que foi razoavelmente divertido, Enders é uma decadência sem fim. Enquanto o primeiro livro tinha falhas, o segundo é a própria falha em forma de história... Não sei o que houve com Price na transição de uma obra para a outra, mas ela sofreu um retrocesso palpável em suas habilidades como escritora.

Suas sentenças estão tão pobres de emoção que podem ser comparadas a livros que leio obrigada pelo meu curso. Tudo soa não natural, forçado, quebrado, bagunçado e os diálogos não são convincentes. Mesmo não sendo escritora, peguei-me pensando coisas como “isso ficaria escrito melhor de tal forma” incontáveis vezes.

Price também não sabe criar palavras que não pareçam ridículas no mundo retratado em seu livro. Zype? Zing? Z-mail? Chamar a internet apenas de páginas? É claro que isso não interfere na história em si, mas é bem chato ficar encontrando essas ofensas durante a leitura.

Callie, que foi uma protagonista quase decente em Starters, se torna burra, chata, inconstante e extremamente egoísta. Um exemplo de estupidez foi aparecer em área perigosa com roupas caríssimas e deixar a bolsa de lado enquanto conversa com um estranho. Gente? Mesmo quem nunca morou na rua não faz tais coisas! Sem contar as diversas vezes que se pôs em perigo desnecessariamente.

Outra coisa que me irritou bastante foi o fato de ela simplesmente não conseguir formar uma amizade “comum” com rapazes. Sempre, sempre, sempre tinha um fundo romântico em seu relacionamento com eles! O que é incrível, contando que, além do chip alterado, ela não tem absolutamente nada de especial.

O seu primeiro “namorado”, com quem ela teve ótimos momentos no primeiro livro, é tratado com uma frieza sem tamanho no início de Enders, pelo motivo explicado em Starters: ele também era um Metal (termo genial para se referir aos adolescentes que tem chip), ou seja, ela não teve um caso com ele, mas com o Velho. RIP †

As motivações e atitudes de Callie também são bem incoerentes. Ela se preocupa tanto com o irmão que o deixa aos cuidados de qualquer um que aparece e sai pelo mundo dando uma de super-heroína. E o que dizer de Michael, seu amigo de infância e primeiro interesse amoroso? Ela nunca deixa claro o que quer ou não com ele.

As reviravoltas na história aconteciam em um piscar de olhos e um arco parecia ser jogado em cima do outro sem dó. Como novos problemas despontando a cada instante, não existia fluidez nas transições. Além disso, os vilões eram quase onipresentes e os mocinhos tinham habilidades mais convenientes que o cinto do Batman.

Personagens surgiam, desapareciam e não lembro o nome de ninguém! Para ser bem sincera, tive que pesquisar nomes e termos escrevendo esta resenha – e eu tenho memória invejável. Com isso, entendo que foi tudo tão tedioso que sequer me causou sentimentos negativos. Não houve “má impressão” porque impressão alguma foi deixad-- Do que estávamos falando mesmo? Ah, sim... Enders!

O final é bem ruim. Há, outra vez, acontecimentos extremamente “apropriados para o momento”, é corrido, muitas perguntas não são respondidas e não há conclusão real. A sensação que tive foi de tudo estar acontecendo ao mesmo tempo e, no parágrafo seguinte, uma calmaria perturbadora ter atingido a obra.

A Guerra dos Esporos? O livro não explica porque aconteceu ou contra quem lutaram e, na verdade, não me importo, mas creio que muitos iriam querer uma explicação. Eu, por outro lado, gostaria de saber como tanta coisa ocorreu no momento certo, da forma certa e quando tudo parecia perdido SEM FELIX FELICIS.

site: http://www.nankindust.com.br/2015/11/resenha-starters-enders.html
Eve 25/02/2016minha estante
Super me identifiquei com a sua resenha! Ainda nem terminei, mas estou odiando.




Melian 04/03/2014

Achei fraquinho
A temática é boa, o primeiro livro até me deixou interessada, mas a verdade é que falta um "algo a mais".
A escritora não dá muita ênfase nos ápices, não me prende na leitura. Mas mesmo quis terminar a serie. Achei que poderia fechar melhor que começou, mas segue a mesma linha.
Fah 06/03/2014minha estante
Senti a mesma coisa que vocÊ. Starters foi ótimo, penso que talvez ela pudesse ter acabado no primeiro livro... afinal com essa continuação a história ficou fraca e previsível!




Vinicius 24/02/2014

Não Confie em Ninguém além de você mesma.E,em seguida,questione essa confiança
Callie já superara os acontecimentos anteriores e com a destruição da Prime finalmente poderia viver em paz com seu irmão usufruindo de sua herança deixada por Helena daquele momento em diante tudo seria diferente mas foi ai que ela se enganara...

Novamente sua vida muda quando acontece uma explosão no shopping e um garoto misterioso aparece de repente e a protege,o Velho entra em contato utilizando do chip para falar em sua mente.

Com uma ameaça a seu irmão e a Michael,Callie decide ir a um determinado local para se encontrar com o velho porém é sequestrada pelo garoto estranho que a protegera no shopping seu nome é Hyden, um metal assim como ela (pessoas que tem o chip na cabeça).

Agora ela teria que lutar contra o velho sem ter a menor ideia de como faria isso,pois estava presa ao chip correndo o risco de ser rastreada ou controlada por ele mas acaba encontrando uma pista em sua antiga casa nas coisas de seu pai com essa descoberta isso poderia mudar tudo, porém Ninguém é realmente o que parece,Callie descobrira isso da pior maneira quando as verdades sobre as personagens vem a tona mudando completamente o rumo da estoria.

Para os fãs de suspense ou de starters iram amar essa história,particularmente eu li em um dia pois é realmente incrível...
Suzana 24/02/2014minha estante
Até deu vontade de ler ^ ^




aprigio 13/02/2014

Cansativo
Enders e uma distopia que continua do exato ponto do primeiro livro intitulado Starters, que e infinitivamente superior. Em Enders a protagonista Callie continua sua luta para se livrar do chip que há em sua cabeça e lutar por sua vida a de seu irmão e a do seu Amigo Michael. O livro apresenta altos e baixos, há a introdução de alguns personagens que acrescenta o desenvolvimento da estória, principalmente a de um jovem e se revelará diversos segredos do mesmo. A narração continua a mesma, a facilidade do texto e a falta de algo mais complexo, porém o ritmo e mais lento, achei que embora se inicie num ritmo legal, com o passar das páginas o livro meio que se perde um pouco, fica repetitivo e em momento algum há um clímax digno de fim de estória e pior o livro apresenta um final lógico, acho que seria o final realmente mais lógico e aceitável para um documentário ou algo realmente real, na verdade foi um fim bem .... Sem fim, ficou devendo. Michael não ganha o destaque que achei que ganharia e o novo par de Callie tem uma revelação interessante, mas e outro que ficou devendo como algo a mais. O livro não e ruim, de forma alguma, só carece de um texto mais bem escrito com resoluções que realmente sejam plausíveis, pois achei que a solução que foi dada pela autora para algo tão complexo que e um mundo pôs guerra e um mundo de interesses industriais ridícula, acho que ela não tem o menos conhecimento sobre o ramo e não tinha a menor capacidade criativa para um desfecho cheio de clímax, acho incrível como não há clímax no livro.
comentários(0)comente



Luan 06/04/2014

Com ritmo frenético, fim da duologia não corresponde ao primeiro volume!
Essa resenha conterá spoilers do primeiro livro, caso contrário não terá resenha – rs. Depois que Callie conseguiu por um fim na Prime Destination, tudo aparentemente parecia se encaminhar para um final feliz. No entanto, o bombástico fim de Starters deixou muitas dúvidas e uma certeza: preciso muito ler o próximo livro. Em Enders, Callie continua lutando contra o Velho, que vez ou outra está em sua cabeça, fazendo uma verdadeira luta psicológica com a protagonista.

Não bastasse isso, Callie passa a viver com uma dúvida: era seu pai falando com ela no fim do último livro ou era mais uma armação do Velho? Em meio a toda essa tormenta, Callie conhece um novo personagem: Hyden. Ele será quase que o protagonista do encerramento da duologia de Lissa Price.

Michael, o amigo, e Tyler, o irmão, seguem presentes, mas sem grande destaque. Em especial Tyler, que é radicalmente jogado para escanteio. Assim, Callie e o misterioso Hyden embarcam na aventura que dará um fim na história. E, esperemos, um final feliz. Enfim que agora Callie enfrentará um jogo de muitas mentiras e verdades e reviravoltas. E, o esperado confronto com o velho. Assim como foi o primeiro livro, este também será de muita correria para conseguir dar um fim aos chips.

Eu esperava ansioso pela continuação da série. Não escondo que fiquei bastante apegado à história criada por Lissa. A trama da venda de corpos, a luta de alguns Enders em acabar com a Prime... realmente me convenceu. Mesmo que, como disse na resenha de Starters, a história tenha sido bastante superficial. Em Enders, vemos um Lissa Price buscando um pouco mais de profundidade em seus personagens, mas de forma geral, a superficialidade ainda existe. Muitas das coisas acontecem fácil e rapidamente. Às vezes, parece que ela está brincando com o leitor.

Mas a escrita dela, que já era boa, conseguiu ficar ainda melhor – claro, só tendo que melhorar o aprofundamento e detalhamentos. E de Enders, como diz o título, o livro não tem nada. Bem, os Enders existem, de fato, mas o destaque não é neles. Segue sendo na Callie e nos demais Starters. Ficou confuso, mas também não afetou a leitura, que isso!

Bem, ao fim da história, eu não sei ainda o que eu achei do segundo e último volume. A leitura foi frenética, uma vez que tem acontecimentos e viradas a todo o momento. Tem ação e a leitura não fica monótona. Eis um grande ponto positivo da autora, ela sabe prender com uma história que não fica parada. Porém, em alguns momentos me sentia frustrado pelo caminho que a história tomava.

Eu esperava outro desenrolar. Não sei se ela foi pelo caminho mais fácil e obvio, mas não foi o melhor, eu creio. O desenvolvimento da história teve alguns clichês e casos que não fechavam. Ficou corrido. Ficou bastante comercial. Isso é preciso reconhecer. Mas eu, como um quase fã da história, realmente esperava que Enders me surpreendesse.

Veja, não estou dizendo que o livro é ruim. Não é, e sim, gostei da construção dele. Só achei que ela optou por um caminho mais fácil, tanto pra ela, como pra vender a obra.

O fim não surpreendeu, mas foi aceitável e ainda deixou abertura para acreditarmos que a história possa voltar a ser explorada.

Pela história em geral e algumas viradas que realmente me agradaram, dou quatro para Enders. E fico curioso para ler uma nova história de Lissa... tomara que venha mesmo. E que venha também uma adaptação para o cinema, cujo fato dizem estar prestes a acontecer.
comentários(0)comente



102 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7