As Pupilas do Senhor Reitor

As Pupilas do Senhor Reitor Júlio Diniz




Resenhas - As Pupilas do Senhor Reitor


25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Lívia 21/05/2018

Comovente e divertido
Adoro a literatura portuguesa e sou fã confessa de Eça e Saramago. Dessa vez, decidi dar chance a um livro esquecido há muitos anos em minha estante cujo autor para mim, até então era desconhecido.

Foi uma grata surpresa. O livro é uma delícia, apesar de se arrastar e prolongar em alguns pontos. Mas isso não o desqualifica e é até bastante aceitável, pois os autores precisavam disso para prender seus leitores, afinal, esse livro foi publicado primeiro em folhetins, a novela do século XIX.

O livro permeia as características tipicamente românticas com uma trama que se desenvolve numa aldeia no interior de Portugal e traz à tona o desenlace do amor de dois irmãos por duas irmãs, permeado de desdobramentos infelizes mas com um final feliz. Ao redor disso, tem-se a típica população de cidadezinhas de interior, com beatas fofoqueiras.

Foi uma leitura deliciosa, ótima para um fim de semana, feriado ou para aquela ressaca literária depois de uma leitura pesada.
comentários(0)comente



Ler é Literário 09/04/2018

Olá literários e pessoas apaixonadas por livros em geral!!!
Tudo bem com vocês??

Recentemente por conta da faculdade tenho tido a oportunidade e a necessidade de ler alguns livros clássicos de várias áreas da literatura, sendo que o livro de hoje que vou falar pra vocês é um clássico da literatura portuguesa.

"A pequena sentada junto de uma pedra informe e musgosa, folheava com atenção um livro [...]"

As Pupilas do Senhor Reitor é um livro publicado inicialmente em formato de folhetim, ou seja era lançado um capítulo de cada vez no jornal, e que por causa de seu sucesso acabou um ano depois sendo publicado em formato de livro mesmo. A edição do livro que está sendo usada pelo blog é da Editora Ática, mas existem outras editoras que já lançaram o livro também. Escrito pelo português Júlio Dinis, ele é um dos romances representantes da terceira geração da literatura portuguesa que traz tanto algumas características ultrarromânticas mas também é considerada como pré-realista.

"Margarida conservou-se por algum tempo silenciosa. Depois, por uma dessas resoluções, que são raras em caracteres como o dela, mas, enérgicas quando chegam a formar-se, disse com uma espécie de desespero, revelado nas palavra, no gesto, nos movimentos, e tomando com ímpeto as mãos da irmã, que apertou convulsivamente na suas:
- Por quê? Queres sabê-lo? Porque o amo."

O livro traz a história de duas irmãs que são típicas camponesas: Margarida, conhecida também por Guida e sua irmã Clara. Margarida é filha do primeiro casamento de seu pai e Clara é filha do segundo casamento do mesmo, porém a primeira por ter se tornado órfã de mãe foi criada pela madrasta que a tratava mais como uma empregada. Mesmo assim ambas irmãs cresceram muito amigas e gostavam uma da outra, e Margarida por ter um coração bondoso não chegou a odiar a madrasta. Porém, após a mãe de Clara vim a falecer ambas acabam se tornando pupilas do Sr. Reitor (para quem não sabe, reitor representa o que seria o pároco de uma igreja para nós atualmente).

"Clara possuía um coração excelente, mas faltava-lhe cabeça para superintender nos negócios da casa; por isso pedira a Margarida que os gerisse ela e lhe deixasse ir gozando a apetecida liberdade dos seus dezoitos anos.
O pároco, por tutor das suas órfãs, sancionou e dirigiu com seus conselhos [...]"

Mas além das duas irmãs que nos são apresentadas, também temos no livro os dois filhos do Sr. José das Dornas: Daniel e Pedro. Enquanto Pedro tem o talento para o trabalho braçal, Daniel acaba por ser um rapaz que não tem esse talento para a vida do campo e por isso quando seu pai pede auxílio ao Reitor o mesmo acaba recomendando que este mande o menino para os estudos.

"É verdade. O pequeno é fraquito e decerto não pode com o trabalho do campo, mas... para que queres tu o dinheiro, José? Acaso não terás alguns centos de mil-réis ao canto da caixa para pôr o rapaz nos estudos? Não pode fazer dele um lavrador? Fá-lo padre, letrado ou médico, que não ficarás pobre com a despesa."

Apesar do livro ter como enfoque nesses quatro protagonistas, a mesma se liga por causa de dois deles: Margarida e Daniel que vieram a ter uma amizade quando novos e que na verdade era um romance de infância.

"[...] passou facilmente o braço pelo pescoço da pequena Guida, e pousou-lhe na fronte um beijo que ainda nem sequer a fazia corar."

Porém, ambos são separados na juventude e é a partir da volta de Daniel que o enredo vai se desenrolando, e se tornando algo que toma proporções que coloca cada personagem em perspectivas opostas uns dos outros e em situações um tanto complicadas.

[...]

LEIA MAIS DA RESENHA NO BLOG

site: http://lereliterario.blogspot.com.br/2018/04/resenha-47-as-pupilas-do-senhor-reitor.html
comentários(0)comente



neia 15/02/2018

joca, joquinha obrigada por escrever esse livro e nos presenteado
Eu tenho a mania de ler todos os começos dos livros que chegam a minha estante, e tem vezes, que fazendo isso me apaixono de tal maneira pelo que li que não consigo parar, foi o que aconteceu com esse livro, que livro maravilhoso é esse minha gente!!! Gostei muito da maneira que Julio Diniz escreve, fazendo observações que nós já nos pegamos fazendo da vida, dos fatos que acontecem, o humor usado é genial, tem um diálogo nesse livro, que ri muito!!! Termino esse livro com uma vontade enorme de marcar um café com o autor e conversamos e agradecer muito pela pela obra que nos deixou!!
comentários(0)comente



J R Corrêa 09/02/2018

As Pupilas do Senhor Reitor
A trama de As pupilas do senhor reitor, de Júlio Diniz, é simples e bem ao gosto romântico. É a história amorosa de duas jovens órfãs, Margarida e Clara, com dois rapazes, Daniel e Pedro.
comentários(0)comente



Luiza 27/11/2017

As Pupilas do Senhor Reitor
Um dos objetivos da minha lista de leitura é não me manter presa a uma época ou país, então, ao ver As Pupilas do Senhor Reitor (e, confesso, na falta de outros títulos que se sobressaíssem mais que este) não me demorei a escolhe-lo.

José das Dornas é um lavrador abastado de uma área rural portuguesa do século XVIII que possui dois filhos: Pedro, que, em resumo, é a quem se destina os negócios do pai, e Daniel, que de tudo lhe é diferente do irmão.

Preocupado com o futuro do mais moço, José das Dornas pede conselho ao reitor da paróquia local, e acaba por decidir fazer Daniel seguir o caminho eclesiástico. Em uma tarde porém, o padre vê o menino no campo com uma menina, os dois a passar a tarde em brincadeiras de criança e Daniel à fazer promessas de amor duradouro à pequena pastora.

O reitor, um tanto injuriado com a descoberta, convence José das Dornas a mandar o menino para estudar medicina no Porto, de onde volta, anos depois, formado em medicina e sem nenhuma lembrança da jovenzinha com quem brincava no campo.

Ao voltar, Daniel tem sua vida cruzada com a de Clara e Margarida, duas jovens moças que ficaram sob tutela de padre Antonio após o falecimento dos pais. Daniel apaixona-se pelos jeitos de Clara, que está noiva de seu irmão mais velho, e, vendo todo o desenrolar da trama enquanto sofre calada, está Margarida, a pastorazinha que, desde pequena, nutre por Daniel um amor que o tempo e o desabrochar difícil da vida adulta não deixou esquecer.

Se a trama lhe parece digna de novela das seis, não a toa que ela foi adaptada por duas emissoras (TV Record em 1970 e SBT em 1994). Escrito em 1867, As Pupilas do Senhor Reitor é uma história bonitinha que fica no limiar entre o espírito romântico e a mentalidade realista que produziu tantas boas obras em Portugal.

A leitura não é difícil, especialmente se você tiver a mão um (abençoado) aplicativo que lhe um bom dicionário (tradicional ou de sinônimos). Na verdade, esses pequenos percalços linguísticos me fez aproveitá-la ainda mais (e, de quebra, me forneceu boas pausas durante a leitura).

O livro é gostoso, tem desafio certo para quem deseja se aventurar na literatura portuguesa. Já pegueis outros títulos do autor para procurar.

site: http://www.oslivrosdebela.com/2017/11/as-pupilas-do-senhor-reitor-julio-dinis.html
comentários(0)comente



Dani 12/04/2017

É um livro leve se de ler, com ares de novela das 18h; em algumas partes eu realmente imaginei alguma cena bem novelística mesmo, com certo humor (a parte do arsênico).
Além disso, o autor conversa com o leitor - coisa que eu particularmente adoro - e também se utiliza de metalinguagem para descrever suas escolhas de narração.
Gostei bastante, e não esperava nada desse livro; simplesmente peguei porque estava sobrando na minha estante e o título me deixou minimamente curiosa.
Recomendo para uma leitura leve e interessante :)
comentários(0)comente



Momentos da Fogui 20/11/2016

Momentos da Fogui
Leia a resenha no blog:

http://foguiii.blogspot.com.br/2016/02/as-pupilas-do-senhor-reitor-julio-dinis.html

site: http://foguiii.blogspot.com.br/2016/02/as-pupilas-do-senhor-reitor-julio-dinis.html
comentários(0)comente



Mayda Ribeiro 26/08/2016

As Pupilas do Senhor Reitor
Maravilhoso.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Fogui 29/03/2016

As Pupilas do Senhor Reitor - Júlio Dinis
Título original: As Pupilas do Senhor Reitor
Autor: Júlio Dinis
Editora: Ediouro
Ano: 1997

Escrito em 1866 no formato de folhetim, fez muito sucesso na época por ser publicado em capítulo no Jornal do Porto. Segundo alguns críticos, o texto foi dirigido à classes populares, baseado em costumes rurais, por isso de todo o sucesso que fez.

Na realidade acredito que o sucesso se dá pelo romantismo exacerbado, nas idas e vindas, nos conflitos entre o campo e a cidade, e no amor de infância que perdura até a vida adulta...

Quer ler a resenha completa e muito mais, visite o blog Momentos da Fogui:

site: http://foguiii.blogspot.com.br/2016/02/as-pupilas-do-senhor-reitor-julio-dinis.html
comentários(0)comente



Nat 23/02/2015

Clara e Guida são duas irmãs, órfãs, que vivem em uma aldeia portuguesa do século XIX, e seu tutor é o reitor. Guida ou Margarida namora Daniel das Dornas, mas quando o relacionamento é descoberto pelo pai dele, José das Dornas, o jovem é enviado ao Porto para estudar medicina. 10 anos depois, Daniel volta já médico para a aldeia. Margarida agora é professora e Pedro, irmão de Daniel é noivo de Clara. Margarida continua apaixonada, mas Daniel esqueceu o amor de juventude graças aos costumes viciosos da cidade. Encantado por Clara, ele começa a tentar conquistá-la e a moça o estimula, até perceber que a situação não terá um final feliz. Quando ela resolve dar um basta, Pedro os surpreende, mas Margarida salva a pele da irmã e acarreta para si um escândalo. Mas Daniel, vendo sua atitude abnegada, se recorda do antigo sentimento e tenta conquistá-la novamente.

Esse foi um dos poucos livros que bateram com a descrição do tema, porque eu e minha mãe não temos o mesmo gosto para leituras (ela ama Shakespeare, as únicas obras dele que gosto já li para desafios passados; ela adora Morro dos Ventos Uivantes e apesar de não suportar essa história, também já li ano passado) Nem sei como lembrei desse livro, acho que foi por falta de opção. Então, lembrei que a novela (homônima de 1994) havia se baseado em um livro, aí fui buscar e achei essa publicação da Martin Claret. Como eu vi a novela antes de ler o livro, sei como tudo acontece e como termina, não tive nenhuma surpresa. A leitura foi meio arrastada porque sou meio traumatizada com romances portugueses, mas gostei.

site: http://ofantasticomundodaleitura.blogspot.com.br/2015/02/as-pupilas-do-senhor-reitor-julio-dinis.html
comentários(0)comente



Matheus Valei 20/06/2014

Romance Pastoril
Já conhecia essa história,pois o SBT fez uma novela baseada nessa obra de Júlio Dinis em 1995,eu tinha apenas 5 anos e depois reprisou a novela em 2007,fazendo muito sucesso.Uma história doce,delicada,leve,mas com ensinamentos importantes para o nosso cotidiano,para a nossa vida.
comentários(0)comente



Aline 04/02/2014

Literatura Portuguesa.
Mais um livro com texto condensado.
José das Dornas lavrador tem dois filhos Pedro e Daniel. Pedro forte segue os passo do pai na roça, Daniel fragil prepara - se para entrar no seminario com ajuda do Reitor. Porem, o Reitor percebe a aproximação de Daniel com Margarida, uma das suas pupilas, então José das Dornas envia Daniel para estudar na capital. Daniel volta anos depois, doutor e muito diferente. Durante este tempo Pedro noiva com Clara, outra pupila do Reitor e irmã de Margarida. Com a chegada de Daniel Margarida fica feliz e acredita que vai ter o mesmo futuro da irmã, casar. Porem, Daniel não a reconhece e acaba se apaixonando por a noiva do irmão.

Romance bem novela.
comentários(0)comente



Rafaella 17/01/2014

Um dos livros que eu mais reli quando era adolescente. Traz uma sensação boa de ler, uma saudade de não sei o que...

Preciso reler agora, depois de adulta, para lembrar o motivo de gostar tanto dele.
comentários(0)comente



Verônica 19/01/2013

Esse é para as (ou os) que gostam de histórias românticas, leves, sem exageros, do tipo “água com açucar”. Sem dúvida As Pupilas é um dos melhores livros que já li. Mas não me encantei de primeira, demorou mais de um ano desde o dia em que o comprei num sebo e para ter coragem de lê-lo. Na verdade eu nem sabia direito porque tinha comprado, parecia um daqueles livros meio maçantes de literatura clássica e que eu não tinha animo para ler. Mas quando o peguei não quis mais largar. Sabe aquelas histórias românticas sobre você conhecer alguém na infância, parece que iam viver juntos para sempre, mas algo os faz se separarem. E daí muito tempo depois os seus destinos voltam a se reeencontrar, mas ai....ele já não lembra dela! E ela morre de vergonha de chegar perto dele pois ele virou um rapaz muito atraente e que chama a atenção de muitas garotas, e ela é só uma pobre rapariga. Bem, acho que em algum lugar você já deve ter visto historia parecida, principalmente naqueles filmes americanos que adoram abordar o tema “Como esses dois vão ficar juntos?”. São histórias divertidas, mas eu prefiro esse doce livro do português Julio Dinis. É muito cativante a sua história de Margarida, Clara e Daniel. Leitura recomendada para os que gostam do gênero.
comentários(0)comente



25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2