Rosa de Papel

Rosa de Papel Diana Palmer




Resenhas - Rosa de Papel


15 encontrados | exibindo 1 a 15


Suelen Mattos 29/07/2011

Um índio TDB..... *suspira*
OMG!!! Eu realmente fico sem fôlego quando leio um livro de Diana Palmer. Ela tem um jeito único de escrever. E o modo como os personagens são feitos..... ainda não vi nada igual. Esses mocinhos têm a pegada. Mas você pode pensar: vários mocinhos têm pegada. Verdade. Mas as pegadas de um mocinho de Diana Palmer são diferentes. E como não poderia deixar de ser, Tate não é diferente. Ele é um típico mocinho de Diana Palmer: sexy, alto, forte, lindo, teimoso, armado e perigoso. Ele é o chefe de segurança de Pirce Hutton (Uma Vez Em Paris), tem contatos em todos os lugares e já trabalhou em missões que não podem ser mencionadas (até poderia — mas aí Tate teria que matá-los depois). Então já viram, né?! Ele se sente responsável por Cecily, já que é uma espécie de tutor, e acha que o que ela sente é só uma paixonite. Como bom mocinho honrado, não quer abusar "do sentimento de gratidão que ela não pode evitar sentir". Claro que com Cecily o buraco é mais embaixo, mas até que tudo se resolva acontecerão muitos encontros e desencontros. Adicione a isso uma periguete que quer esse índio TDB só pra ela e está formada a receita para o sofrimento da mocinha. Em certo momento Tate pisa na bola (alôôôu: mocinho de Diana Palmer na área) e quando ele coloca uma coisa na cabeça é difícil de tirar. Eita homem teimoso. Mas ele sofre um bocado pra conseguir Cecily de volta, então a gente até perdoa o rapaz. E por falar na mocinha, acho que toda a convivência com Tate começou a afetá-la no final da história, porque aí foi a vez dela de bancar a cabeça-dura e não enxergar o que estava bem à sua frente. Claro que se Tate se comunicasse melhor muita coisa poderia ser evitada, mas qual seria a graça do livro, não é verdade???

Essa é uma leitura que vale à pena, pois a história é muito boa. Não chega a ser meu livro favorito da série, mas com certeza é um dos meus favoritos de Diana Palmer. Super recomendado!!!


Quer ler a resenha completa, e saber mais sobre outros personagens de Diana Palmer que aparecem por aqui, além de ver a relação completa da série Hutton??? Visite o blog ROMANTIC GIRL:

http://su-romanticgirl.blogspot.com/2011/07/diana-palmer-rosa-de-papel.html



Cris Paiva 29/07/2011minha estante
Eu li o livro anos atras, e fiquei doidinha no cabelão do Tate! Ate hoje sou tarada em indio de cabelo comprido por causa dele! Kkkkkk


Suelen Mattos 29/07/2011minha estante
kkkkkkk Cooom certeza, aquele cabelão..... uiuiui.
O próximo índio cabeludo de Diana Palmer será o Jon Blackhawk. Mal posso esperar pra ler o livro, hehe!!!


julia 29/07/2011minha estante
adorei a resenha..como sempre muito bem colocada e humorada..rs
disse tudo!bjsss




07/03/2011

Êita indiozinho teimoso!!
Esse livro vale à pena pelo protagonista.
O mocinho é um belo nativo americano, cabeça dura.
Eita indiozinho teimoso!!!
kkk

E a mocinha Cecily, não é a típica menininha ingênua e submissa.
Ela é obstinada, determinada, decidida, forte, inteligente, destemida...
Sofreu o diabo nas mãos de seu padrasto, quase foi estuprada inúmeras vezes, mas foi salva pelo índio cabeça dura.

Tate então foi seu tutor, ela logo se apaixonou perdidamente por ele, ele por ela; porém, como tutor, achava q precisava manter distância, ele se sentia responsável pela segurança, pela vida de Cecily, e acreditava q não podia se "aproveitar" da paixão q ela nutria por ele.

Tate fugiu dela de todas as formas possíveis, se apegou às desculpas mais esfarrapadas para manter total distância, mas vcs sabem, é impossível matar o amor verdadeiro, e mais cedo ou mais tarde, o inevitável encontro explosivo entre esses 02 corpos apaixonados acontece.

Como coadjuvante está Colby. Um figuraça! O cara é uma piada. E sei q o último livro dessa série é dele, mal posso esperar pra ler. Deve ser ótimo!

Recomendo.

Fogui 09/03/2011minha estante
Bom, não posso dizer muita coisa, além do obvio. Porque, ainda não li este livro. Mas como fã da DP, devo imaginar a estrutura do romance, que deve ser igual aos que já li...




Sweet-Lemmon 02/02/2012

Talvez a primeira e mais importante coisa a ser dita a respeito de Rosa de Papel é que Tate Winthrop é um chato. Ele simplesmente não sabe o que quer. Ou sabe e fica fazendo doce. O interesse por Cecily é óbvio e intenso porém como ela é uma jovem branca e ele um índio, Tate não quer “se misturar”. A pureza da raça é quase uma obsessão de Tate. Porém, se Cecily se mostra interessada por qualquer outro homem, ele fica todo nervosinho! Afe!

A estória começa quando Tate salva a então adolescente Cecily de um padrasto bêbado e abusivo. Tate passa então a ser uma espécie de tutor de Cecily. Não precisa nem dizer que a jovem acaba se apaixonando por ser protetor, né?

Como toda a estória de Diana Palmer, esta aqui também tem seu grau de “vamos deixar o leitor com raiva” mas não é nada muito exagerado não. Como eu disse, Tate é um chato, mas ele não é necessariamente grosso.

***************************

“Tinha que te-la e que danassem as conseqüências! Inclinou-se e a ergueu nos braços como um tesouro precioso, e a carregou de volta à poltrana e acomodou-se com ela. O coração ameaçava explodir para fora do peito. A mão pressionava a face de Cecily contra o ombro coberto pela camurça, enquanto mais uma vez inclinava a cabeça e se apossava dos lábios carnudos antes que ela pudesse falar.”

*********************************


A estória é divertida e romântica, com um interessante plano de fundo sobre os nativos norte-americanos. Além disso, Rosa de Papel tem uma mocinha bem interessante e da qual gostei muito. Obviamente ela é jovem e ingênua porém não é boboca demais. E o mais importante: ela não aceita servir de capacho para um índio tão temperamental. A amizade dela com Colby Lane é uma das melhores partes do livro. Honestamente, me pergunto o que aconteceu com Colby entre esse livro e Forasteiro (livro em que é o protagonista)...

O livro tem um pouco aventura e política (com a já citada questão indígena) . As cenas de ação são um pouco tolas. Não sei se foi intencional mas os bandidos pareciam ser muito bobalhões. Porém o que interessa mesmo é o romance. Não diria que este é um livro HOT mas a atração e a dinâmica sexual entre Tate e Cecily é quase palpável. Os dois têm uma ótima química e as cenas de romance são muito boas. E além da questão indígena tem o dilema dele ser o tutor dela, fazendo com esse seja um amor quase que proibido, o que, vamos combinar, dá um tempero especial ao romance, né?


Rosa de Papel é uma bonita estória de amor que faz a gente sentir um tiquinho de raiva mas depois provoca suspiros no final.

Ah, não posso deixar de mencionar como Washington DC e Dakota do Sul são "super" perto no livro. É praticamente como ir logo alí na esquina. Será que titia Palmeirão andou tendo algumas lições sobre distâncias com a Gloria Perez?


Recomendo.

A Edição
Infelizmente, a edição da Harlequin possui alguns errinhos de revisão: nomes foram trocados e aparentemente existe um erro com a idade de Leta, mãe de Tate. É dito que ela tem 44 anos. Porém, Tate tem 36! Ela deu à luz aos 8 anos de idade?! Apesar desses erros, não percebi nenhum corte/edição na estória.




Inter- Relações e Outros ’detalhezinhos’ :


Colby Lane é outro que (re) aparecerá em várias outras estórias da autora. A estória dele é contada em Forasteiro [Hutton & Co 6]
Pierce Hutton teve a estória contada em Uma Vez em Paris [Hutton & Co 1]

Menções de:

Micah Steele: O Último Mercenário (The Last Mercenary) [Soldados da Fortuna 6]
Marcus Carrera: Doce Desejo (Carrera's Bride) [HT 28]


A Série
Hutton & Co é uma série dentro do “Universo Homens do Texas”. Recomenda-se ler os livros na ordem certa, pois as estórias são seqüenciais.
Livro 1- Uma Vez em Paris; (Pierce Hutton & Brianne Martin)
Livro 2- Rosa de Papel; (Tate Winthrope & Cecily Blake)
Livro 3- Lorde do Deserto; (Phillipe Sabbone & Gretchen Brannon)
Livro 4- A Última Chance; (Marc Brannon & Josette Langley)- editado pela Nova Cultural. Não existe uma reedição da HQ
Livro 5- Agonia e Êxtase; (Cord Romero & Maggie Barton)- editado pela Nova Cultural. Não existe uma reedição da HQ
Livro 6- Forasteiro; (Colby Lane & Sarina Carrington)


Leia a Resenha completa com os links ativos e outras capas, no meu blog:

http://umaconversasobrelivros.blogspot.com/2012/01/rosa-de-papel-de-diana-palmer-hutton-co.html

comentários(0)comente



Fogui 26/07/2011

Hutton & Co. 02
Rosa de Papel – Diana Palmer

É incrível como a Diana Palmer gosta de indiozinhos teimosos, sempre há um desses exemplares em seus livros. Mas, acredito que Tate seja o mais cabeça dura de todos eles.

Cecily por sua vez é uma fofa, apesar de quando se sente ultrajada, perde a paciência e toma atitudes extremas e engraçadas. Outra coisa importante sobre ela é sua incapacidade de rejeitar ou de dizer não a Tate e suas investidas sexuais.

Adoro quando ela não acredita nele e o faz sofrer, horrores, com a rejeição, DEZ!!! Também amei, quando ela é seqüestrada por Colby Lane e Pierce Hutton. Ela fica tão indignada com o seqüestro, que nem percebe o estado lamentável que Tate se encontra.

Como não podia deixar de ser a reconciliação deles é adorável.

Tenho percebido, mesmo que tardiamente, que a DP tem o habito de nos apresentar em seus livros personagens coadjuvantes, extremamente, cativantes. Com a intenção de fazer com que nos apaixonemos por este e queiramos ler o livro. É o que acontece com Colby Lane neste livro, ele é adorável e irresistível. Danadinha essa DP!!!

RECOMENDADÍSSIMO!!!

ADORO!!!
Cris Paiva 31/05/2011minha estante
nossa, eu xinguei tanto nesse livro!! Me deu até vontade de atacar o mocinho a tesouradas e acabar com aquele cabelão dele. No final não precisei fazer isso, mas morri de vontade!


02/06/2011minha estante
kkk. Também senti vontade de detonar o cabelão do cabeça dura. Mas não sou tão boazinha como a Cris, não seria com tesouradas. Eu rasparia tudo, não deixaria nenhum fio pra contar a história. Ele foi tão rídiculo, tantas vezes...eu achava q era o mínimo q ele merecia! Indiozinho teimoso!!!


Fogui 02/06/2011minha estante
Gente, calma!!!! Coitado do indiozinho... o cabelo é importante pra cultura dele, tem muito significado... e as duas bonecas querem mutilar o coitado... sem violência, por favor!!! rs.


Suelen Mattos 25/07/2011minha estante
kkkkkkkkkkkkkkkkkk Só rindo com vcs, hehe. Esse é o efeito que titia Palmeirão causa na gente, com suas histórias, hehe. Eu vou começar a ler essa versão da Harlequin agora. Será bom reencontrar o Tate, hehe!!!


Fogui 17/02/2012minha estante
A única que nos entende é a Suelen, valeu!!!




Monie 02/05/2020

Mostra como os nossos preceitos ou preconceitos podem interferir em nossas vidas e nos impedir de alcançar a felicidade! Um índio puro e uma moça loira, ela o ama e não esconde os sentimentos. Ele não pode se unir a uma moça tão diferente dele. Se tiver um filho algum dia terá de ser puro como ele.
comentários(0)comente



Dani A. 24/08/2020

Um mocinho que quebra a cara bonito...
Aqui mais um clássico da titia palmeirão, mocinho índio Lakota que coloca a mocinha branca Cecily sob sua proteção desde nova, e por mais que ela o ame e deixe isso bem claro, ele por questão de não querer se 'aproveitar' e por não querer misturar o seu sangue, por fidelidade a raça, tenta de todas as formas se distanciar dela. A trama inteira deles fica nesse impasse, a mocinha o querendo e ao mesmo tempo se conformando a uma vida solitária sem ele e o mocinho tentando a todo custo evitar a mocinha, resistir a atração entre eles, mas de vez em quando têm seus momentos de fraqueza e isso é mostrado quando é aflorado sua possessividade e ciúmes, além de ter a presença de uma rival da mocinha no meio, ou seja, tudo bem clichê, porém confesso que mesmo a trama não sendo muito sólida e tendo muitas coisas comuns de livros antigos de banca que me incomodam, como o machismo e pensamentos retrógrados, eu me vi entretida até 80% do livro, pois realmente o casal têm muita química e o mocinho índio têm um bom apelo, mas achei que o final acabou tendo cenas desnecessarias, o livro poderia ter bem menos páginas, e a questão da parte de 'ação e mistério' foi totalmente descartável, poderia ter focado só no romance, não gosto quando a autora insere ação nos seus romances.
Mesmo sendo um livro que poderia ter encurtado pela metade, confesso que curti a trama paralela da mãe do protagonista e do amigo da mocinha, a química entre o casal, os rompantes de independencia da mocinha, as cenas que valorizavam a importância da família e a cena do reencontro da mãe do mocinho com seu antigo amor (nunca irei esquecer kkkkkk), porém não é o tipo de livro que eu leria novamente, esse tipo de trama soa ultrapassada para mim, prefiro romances mais intensos e consistentes.
DANIROMA 24/08/2020minha estante
Adoro os romances da titia Palmeirão


Dani A. 24/08/2020minha estante
Eu gostava bastante, mas acho que por a maioria serem antigos, eu acabo torcendo o nariz quando releio atualmente....


DANIROMA 25/08/2020minha estante
Sim Dani, eu entendo, o mundo mudou, nós mudamos e também torço o nariz para muito romance que adorava na adolescência Aff




Faby Dallas 04/12/2009

Diana Palmer
Faz parte da serie Hunter e Cia.
Gostei, mas como falei sou suspeita pra falar da Diana, mas gostei sim, ele é durão, acho que dessa série é o que mais demora a aceitar o seu amor pela Ceci, mas como todo homem da Diana quando reconhece isso, pronto ai faz a felicidade da mocinha, tem tbm conflitos sobre a origem dele, segredos que ele descobri no decorrer do livro, e ela doida de quatro por ele.
Gostei sim.
Nota: 8.
comentários(0)comente

Cris Paiva 05/03/2010minha estante
Eu amo esse indio da Diana!!! Indio gostosão com cabelo na cintura é tudibão!!! Melhor que isso só se for um lobisomem quileute! Afff....




Mariii ð» 26/09/2009

Incrível !
Esse livro foi o último de uma pilha enorme que eu tinha colocado em ordem para ler. Seu nome não tinha me chamado atenção - coisa errada a se fazer julgar sem conhecer- até que finalmente comecei a ler. Um dos melhores livros que eu já li, é aquele livro que te consome, que você quer chegar logo no final.
História de amor impossível, que vai se tornando possível ao desenvolver da história.
Lindo!!!
comentários(0)comente



Nina 07/04/2012

Confesso que não sei se terei palavras para descreve-lo, mas tentarei.
Primeiramente eu amei a capa do livro.Logo na primeira pagina, mais exatamente nas primeiras linhas voce entende o porque do nome do livro e adorei.Conheço muitas estorias que mereciam o titulo.
O livro conta estoria de Cecily, uma adolescente branca de 17 anos que mora com o padrasto (a mãe morreu à alguns anos) e é apaixonado por um indio lakota chamado Tate.Cecily esta sempre atras dele e ele fugindo pois nao queria misturar o puro sangue lakota com o sangue branco.O padrasto de Cecily é um homem nojento e Tate a salva dele.Cecily cresce ainda amando Tate e se torna antropologa e é ae que a estoria fica boa.
Adorei Cecily.É uma mulher forte e do tipo que nao consegue sentar e deixar tudo acontecer por si so, ela tem que fazer algo, sempre. É determinada e tem uma personalidade forte, não importa o quão ameaçadora é a pessoa, ela enfrenta ( principalmente Tate ).Apesar de Tate deixar claro que não a ama Cecily nunca desiste dele.Mesmo sabendo que apenas em seus sonhos Tate correspondera, ela nao consegue se envolver com outra pessoa.Ela o ama a cima de tudo.
Me apaixonei por Tate nas primeiras 5 paginas rs. Ele tem um humor ironico e sarcastico que eu adorei rs.É o tipo de homem que protege de todas as formas as pessoas que ama.É determinado, tambem é grosso e estupido, mas uma pessoa maravilhosa,luta constantemente contra a tração por Cecily, pois acha que se envolver com ela seria tirar vantagem dela (¬¬) .
Na mesma proporção que amei Tate e Cecily (sem falar em Leta, Colby e outros personagens) odiei o padrasto de Cecily, e olha que ele nem aparece de fato na estoria, é apenas mencionado, mas o odeio com todas as minhas forças, voces entenderam o por que ao ler o livro.
A estoria é bem escrita e a Diana descreve tão bem os sentimentos de cada personagem que você é capaz de senti-los.Fiquei muito triste ao acabar de ler o livro, queria mais, porem ele acabou com tudo esclarecido e nao teria mais o que escrever rs.Diana definiu tão bem cada personagem, seus sentimentos e as reações a cada situação que tenho a sensação que são amigos que partiram e estou com saudade.

"....Vê a pobreza à sua volta e não empina o nariz diante dela.Arregaça as mangas e faz tudo para abranda-la..."
(Pag 103 Colby descrevendo a Cecily o tipo de pessoa que ela é)
comentários(0)comente



Milla Ribeiro 05/01/2014

MUITO BOM
Um livro muito bom mesmo, dá a sensação de estar dentro da história e aquele gostinho de quero mais. Só posso dizer que DIANA PALMER arrebentou.
comentários(0)comente



Nana Mendes 25/01/2011

Homens Diana Palmer
Esse livro é muito bom, uma leitura deliciosa com personagens muito interessantes. Mais um maravilhoso romance da nossa rainha DP.
comentários(0)comente



Lariane 05/04/2010

Livro maravilhoso... com algumas pequnas falhas da autora... mas lindo demais!
comentários(0)comente



Jois Duarte 02/02/2012

Cecily, como toda mocinha de DP, é sofredora, passou por situações difíceis com um padrasto nojento, mas foi salva por Tate - que poderia ter um nome indígena com o significado de "oh, grande cabeça-dura"-, que tomou pra si a tarefa de cuidar dela, inclusive financeiramente... o que faz com que Cecily chute o pau da barraca quando descobre esse pequeno detalhe.

A obsessão de Tate quanto a sua linhagem me irritou demais. E depois quando descobriu certas coisas sobre seu passado ficou todo melindrado querendo brigar com Deus e o mundo... devia era ficar contente, meu filho!

E o que dizer dos coadjuvantes que são super legais, compreensivos, mas que quando chegam em seus livros são uns cabeças-ocas?! Nem Freud explica...


Pedrita 15/05/2014

Que livrinho mais sem graça. Eu não consegui sentir emoção nenhuma, nem o amor dos mocinhos, nem quando ela corria perigo, nem quando o índio delícia (tenho que admitir) faz cagadas, nada, nunca. E não achei tãão característicco da Diana, porque o mocinho nem fez tantas burradas como os mocinhos dela costumam fazer... No entanto, simpatizei com a mocinha... Tenho que admitir, a mocinha no final é bem típica mocinha da Diana Palmer que se rende à um arrependimento e palavras doces do mocinho.

Mas sinceramente? Achei perda de tempo ler esse livro... Simplesmente porque não te envolve.
comentários(0)comente



Momentos da Fogui 22/09/2016

Momentos da Fogui
Leia a resenha no blog:

http://foguiii.blogspot.com.br/2015/01/serie-hutton-co-02-rosa-de-papel-diana.html

site: http://foguiii.blogspot.com.br/2015/01/serie-hutton-co-02-rosa-de-papel-diana.html
comentários(0)comente



15 encontrados | exibindo 1 a 15