Retalhos

Retalhos Craig Thompson




Resenhas - Retalhos


212 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


maria 20/11/2009

Minhas Impressões.
Consegui vencer meu medo e encarar que eu precisava deixar Craig seguir seu caminho..

O que sinto neste exato minutinho, que fechei a ultima pagina, é saudade. ( chorando ).

É uma leitura deliciosa, e como é minha primeira aventura em quadrinhos, estou realmente apaixonada, acredito que tenha começado em grande estilo, porque este livro é sem duvida uma obra prima.

“É o que chamo de literatura” Jules Feiffer.

Desenho magnífico, texto magnífico, não é possível distinguir o que mais te envolve, se são as imagens ou o conteúdo.

Os relatos são tão, emocionais, delicados e ao mesmo tempo intensos, sincero, real, trágico, tão cheio de dor e de amor.

Assim como são nossas lembranças da infância. Sabe aquele corredor da casa da sua Avó, que levava aos quartos, que quando você era criança, chegava a ser assustador de tão grande que era e, de repente anos depois você volta naquela casa da sua infância e nota que o corredor tinha apenas 04 portas... Tudo é exageradamente grande aos olhos de uma criança...

É uma historia que mergulha em tantas situações de confronto, aborda tantas verdades escondidas, tantas inseguranças, tantos ritos de passagens, a colocação do mito da caverna, muito bem exposto e explorado. Nossa!

Divertido, enriquecedor, dinâmico!

“As linhas da minha fuga, agora serviam de lembranças".

"Quando voltávamos para a cama às fadas já tinham ido!
Não era a Sininho!"
Mandark 20/11/2009minha estante
Linda resenha! Já me deu vontade de ler novamente! Vc conseguiu com suas palavras captar toda a mágica do livro! *.*


kassya 20/11/2009minha estante
Parece que nossas estantes estão trocadas, eu lendo o que voce gosta ( A Estrada da Noite ) e voce lendo o que estou acostumanda. Bonita Resenha. Fiquei morrendo de vontade ler!


laura 15/02/2010minha estante
Você gostou desse, deveria ler persepolis, e muito bom tambem.


Fah 27/09/2011minha estante
Só tenho que concordar.


Kalci 04/01/2013minha estante
Conseguiu me deixar profundamente triste com uma pagina em branco!



Lane @juntodoslivros 21/02/2013minha estante
Achei essa história maravilhosa.
Retratando cada pedacinho importante de sua vida e dar novamente vida a ela.
Leitura envolvente, com um tom melancólico.
Me pergunto se Craig não chegou a ver Raina novamente.
E se essa história é totalmente verídica.
Alguém sabe me dizer?


Victoria Addams 10/03/2013minha estante
Chorei muito no final desse livro.

Eu queria saber o que aconteceu com a Raina...


Rafaela 25/01/2014minha estante
Eu li tudo em um dia e chorei boas partes do livro. Entendi o quanto os bons livros nos incentivam a viver e nunca desistir de nós mesmos.


Jac13 26/08/2015minha estante
O livro é realmente lindo...Acabei de terminar depois de 3 horas sem parar é não me decepcionei com nada :)




F. Pierantoni 03/02/2012

Retalhos
Espiei Retalhos pelas estantes por algum tempo antes de comprá-lo. Talvez fosse uma antipatia com o traço. Ou com o preço. Mas comprei. E adorei.

Retalhos é uma graphic novel autobiográfica. Como um todo, fala sobre crescer. Em pormenores, fala de muita coisa. Fala da vida numa cidadezinha coberta de neve nos Estados Unidos, da dificuldade de ser aceito, do peso de uma criação religiosa, da relação fraterna… E do primeiro amor.

O livro é poético e tocante. As páginas transbordam de sentimento, puxando você cada vez mais fundo. Seja narrando acontecimentos sérios ou banais, o autor narra tudo com incrível delicadeza.

Demorei um pouco a me adaptar ao estilo de desenho, mas o traço de Craig logo me conquistou. Seus personagens são expressivos e seus quadros poesia em forma de desenho. Acho que só um autor que vivenciou a própria história poderia representá-la de maneira tão profunda.

Retalhos merece todos os elogios e prêmios que recebeu. Ainda sou novato no campo das graphic novels, mas, até agora, essa foi a melhor que li. E recomendo que leia também.

--

Gostou da resenha? Quem sabe você também goste do meu livro.
Descubra novos mundos em O Diário Rubro.

http://odiariorubro.com

site: Conheça o livro e leia os primeiros capítulos
Alex BS 27/06/2012minha estante
Comprei esse mês passado e estou ansioso para ler. Ao contrário de você, acho que o que mais me fez me aproximar da obra foi o traço. Espero gostar da história tanto quanto você. Parece ser excelente!




Mandark 30/08/2009

Indescritível para mim...
Sem palavras para expressar como cada página desse livro me marcou com uma profundidade inacreditável! Cada pedaço dele, cada página, cada ilustração... Cada pensamento do autor, cada lembrança, cada momento... Cada passo, cada detalhe... É um livro que simplesmente não dá vontade de largar nunca. Parece que ele toma conta de você! Eu fiquei completamente apaixonado pelo final. Fascinado pela obra inteira. Me identifiquei com cada pedaço da história, com muitas situaçõe, com tudo! Não tem como não se encantar com o livro! Fascinante mesmo! Mais que recomendado para todo mundo! Um livro para ler e reler pelo menso uma vez por semana... Um livro para manter do lado da cama, para ler toda vez que se sentir desanimado ou triste... Um livro para perceber que não estamos sozinhos... Para entender que alguém no mundo consegiu expressar através de palavras e ilustrações o que muitas vezes fica entalado na garganta e enchendo nossas mentes... E que querem sair, mas não tem oportunidade... Um livro que tornei parte de mim!
maria 13/11/2009minha estante
Nossaaaa. vou ter que ler!!!



Júnior 30/01/2010minha estante
Depois dessa, vai para a listinha ^^


Raphaella 17/02/2010minha estante
Mais uma que terá que ler esse livro!


Clarissa 22/07/2010minha estante
"Um livro para perceber que não estamos sozinhos... Para entender que alguém no mundo consegiu expressar através de palavras e ilustrações o que muitas vezes fica entalado na garganta e enchendo nossas mentes..."
Eu não conseguiria dizer melhor. Sinceramente, é uma história fantástica, triste e tocante ao mesmo tempo. Em suma, excelente (:


gabriella 19/01/2014minha estante
Terminei o livro agora, e... é incrível, excelente! não esperava gostar tanto.




janíssima 03/06/2009

Amor
Os desenhos são absurdamente incríveis, dão voltas e voltas na poesia e na fofura e depois se mostram implacáveis, expressivos e vivos. A história é verdadeira, flui como todas as verdadeiras histórias deveriam fluir e as cenas de amor são lindas, com uns arabescos que sintetizam os sentimentos.
Gostei bastante e li numa única tacada (:
comentários(0)comente



C r i s 26/10/2011

O problema desse livro é o personagem principal, que vem a ser o cara mais panaca do mundo. Ele não tem personalidade definida e é desconcertantemente sem atitude. O livro nao deixa de ser um entretenimento, para quem, como eu, gosta de histórias em quadrinhos, visto que as ilustrações são ótimas e a história tem lá seus pontos altos, que vem a ser as insinuações bíblicas e os questionamentos em torno disso, mas me pareceu uma descarga de dor de cotovelo de um homem medíocre.

Para quem quer um romance complexo em HQ, recomendo Kiki de Montparnasse.
comentários(0)comente



kassya 03/12/2009

Minhas impressões
O mundo esta em constante movimento é preciso crescer, mesmo quando não estamos preparados para isso, as historia se completam, e à medida que caminhamos deixamos marcas por onde passamos, mesmo que elas sejam temporárias.

Retalhos.

Assim é feita nossas historias, costuradas com a vida de outras pessoas, entrelaçadas com nossos medos e nossas descobertas. Cada pedacinho da colcha que tecemos, representa um momento que vivemos, sejam eles bons ou não. A única certeza que temos e que eles são nossos e foram emendados dia após dia pautado nas nossas escolhas, nas nossas decisões.

São retalhos emendados porque não podemos simplesmente refazer ou ter um tecido intocável, por menor que seja o pedacinho do pano ele estará fazendo parte da nossa colcha, afirmando o que costuramos. No fim, todos têm uma bela colcha de retalhos que um dia deixamos pra trás.

Como minha primeira historia em quadrinhos, acredito que tive muita sorte, esse é um livro belíssimo, que assim que eu terminei entreguei ao meu filho para ler. É uma historia que vale a pena ler, a historia é permeada por diversos sentimentos, veja meu histórico de leitura.

“De qualquer forma eu havia encontrado uma forma bem mais fácil de escapar. Eu tentava sonhar”.

“Às vezes ao acordar as sobras dos sonhos são mais atraentes que a realidade”.
maria 03/12/2009minha estante
Nossa, belissima resenha. Me deu ate saudade. Gostou?


Matheus Lins 05/12/2009minha estante
Excelentes paralelos entre o título da obra e a narrativa.


Fills 24/10/2017minha estante
Indico O Soldador Subaquático, do Jeff Lemire. Vende na Amazon e outras lojas virtuais.


Marquinhos 20/04/2018minha estante
Primeira HQ? que legal! teve uma ótima primeira vez então?




Guilherme 28/12/2009

Um dos livros mais bonitos que já li. Naturalmente a história da vida do protagonista ajuda, mas a sensibilidade dele, traduzida tanto no ritmo da história como no traço, torna o livro uma grande obra de arte.
comentários(0)comente



Josias 04/07/2009

Obra comovente
Eu li. E reli. E reli outras vezes (na verdade, estou em minha quinta leitura, desde que o comprei!)

Li am primeira vez em seguida à publicação de uma crítica sobre a obra no jornal "O Globo" no caderno "Prosa e Verso". O que me atraiu a ler a resenha e correr para comprar e devorar essa belíssima obra foi a página que o jornal publicou, justamente a cena em que Raina, a paixão adolescente de Craig, descreve cada elemento que compõe a bela colcha de retalhos que ela fez e com a qual o presenteou... É simplesmente linda a cena! A forma da narrativa visual, incluindo a colcha como cenário/página!



Craig Thompson, com essa bela e delicada obra, presenteia-nos, seus leitores, com imagens bonitas, inicialmente simples, mas com muito impacto narrativo.



Ainda mais com os questionamentos religiosos que o personagem (o próprio autor) enfrenta e suas conclusões... Bela obra, de uma coragem admirável!



comentários(0)comente

Mandark 30/08/2009minha estante
Cara... Realmente... Mal acabei de ler... Já estou aqui com ele na mão para reler... =]




lucascp 08/11/2009

Mindblowing
Você já terminou de ler algo e achou TÂO bom que queria, no mesmo instante em que terminou, começar de novo?

As narrativas normalmente tem um ritmo de progressão, e atingem a catarse pouco antes do fim, para depois finalizar. Retalhos começa já muito bom e não tem altos e baixos, apenas melhora, até a catarse ocorrer, no momento em que fecha-se o livro e sente-se vontade de reler.

Retalhos é indescritivelmente bom. Li um exemplar emprestado, e quero comprar o meu apenas para poder emprestar para os outros, e deixar na cabeceira para reler de quando em quando antes de dormir. É uma daquelas poucas coisas que depois de achar, você se sente realmente feliz por isso.

Indispensável.
comentários(0)comente



Tauana Mariana 24/01/2014

<3
Das HQ`s que eu li até agora (e não li muitas, confesso) essa já é a minha preferida. Uma história linda e triste. Talvez, triste não, mas verdadeira. A mais dura e cruel realidade.

Craig, o protagonista da história é um menino tímido, maltratado na escola e integrante de uma família de cristão fervorosos. A HQ inicia na [epoca de sua infância, uma época em que ele começou a ser amedrondato pelas consequências dos pecados. Ainda menino, ele sempre pensa no que Deus irá pensar, que Deus irá castigar. Com uma infância sofrida, ele só queria dormir e desenhar, mas depois de uma aula de catolicismo, só queria encontrar o céu.

Ele cresce, e em um dos acampamentos da igreja, encontra uma turma de ~excluídos~, assim como ele. Nessa turma, ele conhece Raina, a menina por quem irá se apaixonar e viver uma linda e breve história.

Com o fim do acampamento, os dois passam a se corresponder por cartas por algum tempo, até que Craig resolve viajar e passar duas semanas na casa de Raina. Chegando lá, é acolhido pela família da moça, conhece seu irmãos, passa a viver a sua rotina e ganha uma linda colcha de retalhos que Raina fez para ele. Essa é a parte mais lindinha da HQ, pois os dois beijam-se pela primeira vez, declaram-se apaixonados e dormem juntos. Assim, conhecem-se e descobrem-se, em um amor pleno.

Mas ambos sabem (de alguma forma) que aquela relação não se estenderá para além daqueles dias. Craig volta pra casa, sente falta de Raina, e tenta suprir essa ausência com ligações. Mas, com o passar dos dias, ela vai sentindo necessidade de afastamento, de tempo, de espaço e diz que não está pronta para um relacionamento à distância. Finaliza a ligação dizendo: "você é um amigão, eu te amo". Craig não contesta a decisão da menina, e depois de algumas ligações para saber de Raina, liga pela última vez para dizer adeus. Junta todas as carta, fotos, fitas, tudo que Raina lhe deu e coloca fogo. Só não tem coragem de queimar a colcha de retalhos, então a coloca em um saco plástico e guarda num quartinho de sua casa.

Após isso, Craig começa a perceber as contradições presentes na bíblia, e acaba perdendo a sua fé. Sai da casa dos pais, vai para a cidade grande, trabalha, conhece pessoas, descobre bibliotecas e cresce. Em um dos natais que passa em casa, ele reencontra a colcha de retalhos, e isso lhe remete aos tempos em que passou com Raina. Em uma conversa com seu irmão, ele comenta que às vezes vivemos coisas que parece que não aconteceram, mas o nosso consolo é que outra pessoa também viveu aquilo, provando que tudo não era sonho, mas algo real.

A história também nos faz refletir sobre a família, principalmente sobre os irmãos. Vendo a dedicação e o companheirismo que Raina tem com os irmãos adotivos, protegendo-os e defendendo-os da maldade do mundo, ele percebe que, na verdade, nunca defendeu seu irmão mais novo, e que, depois de crescidos, os dois viraram dois estranhos. Voltando pra casa, após a visita a Raina, ele passa a conversar e querer "conhecer"o irmão mais novo.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



wallace_thx 21/03/2010

Inspiração
Foi em uma semana de Outubro de 2009 que eu fiquei sabendo que haveria uma palestra na Fnac Pinheiros,a palestra era de Gabriel Bá e seu irmão Fabio Moon, eles iriam falar do lançamento de "The Umbrella Academy" no Brasil. ta mas o que isso tem a ver com "Retalhos"? Tudo, depois da palestra eu peguei um encartezinho que tinha os próximos eventos que seriam realizados na Fnac, e la estava "Fnac Pinheiros Dia 13, Terça ás 19h - Fórum HQ O Quê? Bate Papo com Craig Thompson" juntamente com a capa de "Retalhos" e uma pequena resenha.
Bom como gosto muito de HQ decidi acompanhar todas as palestras desse "Fórum HQ O Quê?", então dia 13 la estava eu na Fnac para ouvir um cara que eu nunca vi na minha vida falar de uma HQ que provavelmente eu nunca iria comprar. Ele estava la sentado, bem magrinho, meio tímido, e começou a responder as perguntas feitas pelos gêmeos Bá e Moon. O fato é o cara disse tudo que já me disseram antes, mas do jeito que ele colocou as palavras naquele momento me influenciou e muito, quando ele disse para nós espectadores "Xeroquem seus trabalhos e dê para as pessoas" ele disse o que eu queria ouvir e naquele momento me fez ver o caminho. Chegando em casa não consegui dormir, eu queria desenhar e xerocar e mostrar pra todo mundo, e foi assim que começou...bom, acho que não estou aqui pra falar dos meus desenhos, e sim da obra, então vamos começar.
Depois de toda essa história ai em cima, eu não comprei o livro, tava sem dinheiro nenhum, mas juro que fiquei doidinho pra levar um pra casa. Bom alguns meses depois comprei o livro (ALELUIA!) e simplesmente comi o mesmo, li em horas, poderia até classificar como minutos. A história de Craig sua infância, adolescência e a descoberta do amor por Reina é simplesmente REAL. Isso mesmo, o que faz desse livro o que ele é, é a realidade nele contida, se Craig tivesse inventado tudo isso o livro não seria metade do que é. Por ser a mais pura verdade dos dias de Craig muitos leitores acreditam que suas histórias são parecidas com a vida de Craig, e até são mesmo, eu mesmo achei que Craig estava em minha cabeça quando escreveu esse livro, afinal ele ama uma pessoa que vive longe, e arrisca tudo para passar alguns dias la e ver como será, um típico romance natural. Infelizmente tem um fim não muito feliz e ele mesmo disse em sua palestra que perdeu o contato com Raina.
O mais curioso é que o livro me influenciou a fazer meus fanzines com a palestra, e com o tempo eu fiquei desanimado novamente, e só foi eu ler as poucas 500 e tantas paginas que a vontade veio novamente e eu completei uma de minhas histórias, mesmo sabendo que é apenas um livro, e que é apenas um diário de um cara que eu nunca conheci e nunca vou conhecer, esse livro significa muito pra mim.

(OBS: LEIAM)
comentários(0)comente



Iriz 18/10/2013

É muito amor pra um livro só! Dos que li esse ano, ele é um dos destaques. Foi o primeiro livro em quadrinhos que li, era novo lá na biblioteca e eu fui a primeira a pegar. Peguei achando que ia detestar e pela espessura achei que não ia chegar na metade... Me enganei, e que engano! acabei apaixonada, viciada e fiquei com muita dó de ter terminado ele. Depois virou sucesso hehe, todos queriam, até teve lista de espera. Super recomendo!
Fills 24/10/2017minha estante
Indico O Soldador Subaquático, do Jeff Lemire. Vende na Amazon e outras lojas virtuais.




Matheus Lins 26/06/2009

http://battlenerds.wordpress.com/2009/06/26/retalhos/
Craig Thompson cresceu numa família pobre e extremamente religiosa, num ambiente de opressão e de temor a Deus, forçado a dividir a cama com o irmão até a adolescência, vítima frequente de bullying escolar e da intransigência de seus pais, que nunca lhe deram direito a ter uma opinião. Isso, somado à lavagem cerebral religiosa pelo qual passou, tornaram-no um crente fervoroso, fazendo-o renegar o seu dom para o desenho e se dedicar a uma vida “em Cristo”.

Todavia, num retiro para jovens cristãos (que mais se assemelhava a uma confraternização entre os mauricinhos da cidade, pra ser honesto), ele se depara e socializa com um grupo de párias tão deslocados quanto ele; e, entre eles, uma jovem chamada Raina lhe chama a atenção. Expressiva, jovial, vívida e independente, em muitas maneiras a sua total antítese. Tais como dois corpos de cargas opostas, eles se atraem, num relacionamento que afetará ambos profundamente.

Retalhos se assemelha a Fun Home no sentido de se tratar de uma auto-biografia com ênfase evidente em determinado aspecto da vida do autor; enquanto que em Fun Fome a relação de Alison com o pai é o foco, em Retalhos é a relação entre o protagonista (o autor) com seu primeiro amor (Raina, a moça na capa) que é abordada com mais profundidade.

Além disso, em comum as duas HQs também apresentam numerosas idas e vindas no tempo, costuradas por narrativas sólidas e engajantes, onde cada recapitulação (ou “flashback”) funciona para justificar as ações no presente por um viés psicológico ou para realçar certos traços comportamentais dos personagens e/ou seus estados de espírito. Notar-se-á, por exemplo, como a relação entre Craig e o irmão é retratada de forma intensa no começo da livro e gradativamente deixada de lado, culminando numa espécie de metalinguagem narrativa – conforme os irmãos, na vida real, distanciaram-se, a interação entre os dois, na HQ, também.

Retalhos se trata de uma obra densa (são mais de 592 páginas), rica em metáforas e mensagens, que merece ser lida e relida várias vezes para ser apreciada em sua plenitude; lá fora, a obra venceu três prêmios Harvey (Melhor Artista, Melhor HQ e Melhor Cartunista), dois Eisner (Melhor Escritor/artista e Melhor HQ) e diversos outros, reforçando o recnhecimento ainda que tardio dos quadrinhos como mídia adulta em potencial.

No Brasil, foi editado pela recém-formada Cia das Letras., subdivisão da Companhia das Letras dedicada exclusivamente a quadrinhos alternativos, com um preço de capa bastante atrativo de R$49,90, baratíssimo para uma obra com quase 600 páginas de arte, papel de qualidade e excelente diagramação.
comentários(0)comente



Cy 23/09/2017

"Esses humanos estão aprisionados desde a infância"
Título original: Blankets
Publicação original: Top Shelf Productions, EUA, 2003
Esta edição: Cia das Letras, Brasil, 2009.
--

História autobiográfica, no melhor estilo romance de formação, saída diretamente das entranhas de Craig Thompson e contada, ao mesmo tempo, de forma sutil e forte.

Thompson vai falar sobre o complexo período entre a infância e o início da fase adulta: sua relação com os pais e o irmão mais novo - com quem dividiu uma cama durante anos, - sobre o bullying sofrido na escola, os abusos, sobre a influência da religião em sua formação (e o quanto isso teve de positivo e negativo), e, com uma sensibilidade tocante, sobre Raina e o tal do Primeiro Amor. Dificilmente o leitor não vai conseguir se relacionar com ao menos uma dessas facetas. São retalhos de uma vida que poderia ser a de qualquer um de nós.

O traço do Craig é um espetáculo, os quadrinhos são riquíssimos em detalhes, em emoções, em sensibilidade, e o projeto gráfico como um todo só enriqueceu ainda mais o romance. Não deixa dúvidas do motivo de ser uma graphic novel tão premiada.

Duas reflexões que mais me marcaram durante a leitura: o "Sagrado" (fora do contexto religioso) e o poder de um "Adeus" para o nosso crescimento - seja o adeus a uma pessoa, a objetos (sagrados) da infância, de um relacionamento, por exemplo; o adeus a um lugar, ou até mesmo um adeus àquilo que deixou de ser sua verdade ou perdeu sua sacralidade. Trabalho extraordinário.
Michelle Trevisani 13/12/2017minha estante
Adorei a sua resenha! Também li esse livro e fiquei com os mesmos sentimentos e achei super legal a analogia que você fez sobre o poder de um "adeus". Muito boa!




212 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |