Adeus, Por Enquanto

Adeus, Por Enquanto Laurie Frankel




Resenhas - Adeus, por enquanto


28 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Dani 22/03/2018

Adeus, Por Enquanto, Laurie Frankel
Sam Elling é um talentoso programador, que desenvolveu um algorítimo capaz de revolucionar a tecnologia mundial. O programa que criou consegue encontrar a alma gêmea do usuário, com uma margem zero de erro. Por ser tão bom, ele acaba encontrando a sua mas, por ser mesmo bom, é ruim para os negócios de onde a empresa trabalha e Sam é demitido.
Porém, quando sua namorada - a alma gêmea - Meredith perde a avó, uma pessoa muito querida, ele acaba por usar novamente esse algorítimo, dessa vez para outro fim. Seu novo projeto serve para entrar em contato com as pessoas que se foram, de certa forma; ele acumula informações de conversas passadas e é capaz de reproduzí-las, de forma que o usuário possa trocar mensagens com essas pessoas, recebendo respostas totalmente parecidas com o que elas responderiam se estivessem aqui.
Adeus, Por Enquanto possui uma narrativa muito agradável, que logo me prendeu. O início do livro é realmente doce e meloso, pois foca bastante no romance perfeito de Sam, mas conta com diálogos realmente bem construídos e afiados, até que a estória entra em seu foco principal.
A partir daí o enredo prende bastante, pois você sabe que não pode sair coisa boa daí, mas ao mesmo tempo torce para que o protagonista tenha sucesso e tudo mais. É uma história realmente sensível, principalmente por combinar as de vários personagens além dos principais. Por causa dessa base que o romance usou, a perda de pessoas amadas, comecei a desenvolver um certo medo de sofrer isso, mas agora que o livro acabou não estou mais me sentindo tão assim HAHAHA
Foi uma leitura realmente interessante e envolvente, principalmente porque consegue ainda equilibrar esses temas lacrimejantes com um humor inteligente. Houve alguma reviravolta que me chocou por não esperar, e deixou o livro mais pesado, mas não fiquei com a sensação de que o estragou. O final não traz uma mensagem reconfortante sobre esse tipo de perda, pelo menos eu não senti que fez isso, somente que isso faz parte da vida, no entanto isso não é algo ruim uma vez que não há mesmo uma fórmula mágica que faça a dor passar.

site: http://blueunendlichkeit.blogspot.com.br/2018/04/adeus-por-enquanto-laurie-frankel.html
comentários(0)comente



Luiz Fernando 02/04/2017

Sobre "Adeus, por enquanto"
Sam é um programador de mão cheia que depois de criar um algorítimo se apaixona por Meredith uma colega de escritório. Logo que Livvie avó de Meredith morre Sam na tentativa de cessar a saudade e a dor da perda da sua namorada pela avó cria um algorítimo, um programa capaz de projetar a imagem da avó falecida; isso é possível depois
que Sam tem acesso à emails e vídeos trocados por elas ao longo de suas vidas. O primo de Meredith, Dash acha o programa genial e logo propõem que Sam e Meredith lancem o programa no mercado o que os rende muitos usuários que querem viver a experiência de rever os entes falecidos graças a ciência da computação. Apesar do software gerar certa paz de espírito aos usuários dos entes queridos falecidos também trás discussões por parte da imprensa e dá igreja que acredita que o programa desenvolvido por Sam é um desrespeito aos mortos. Logo o programador vai virar refém do seu próprio software.
comentários(0)comente



Nanda 08/04/2016

Quando você ama alguém, você quer que esta pessoa esteja sempre ao seu lado. Porém, a vida acontece e com ela a morte. É assim que Meredith se sente quando sua avó falece. Seu namorado Sam desenvolve um software para que ela possa superar, onde ela consegue conversar com a avó por meio de e-mails e chamadas no Skype. Mas o destino às vezes prega peças e Sam precisa se tornar um usuário do próprio programa.

Faz muito tempo que li esse livro e recentemente peguei para ler de novo. Lembro que quando comecei muitos disseram que eu ia chorar. E chorei, muito. Adeus, por enquanto não é uma história que segue os padrões convencionais. Cada página era uma surpresa para mim e foi um tanto doloroso acompanhar a história de Sam e Meredith.

A história tem um quê bem nerd, com todas as programações e softwares. Mas o foco mesmo é a dificuldade que todos nós temos de dizer adeus. É difícil se despedir de alguém que esteve ao seu lado desde que nasceu, como foi com Meredith. E é igualmente difícil quando se trata de alguém com quem você construiu uma vida, como foi com Sam. Porque, afinal, quem gosta de despedidas?

Sejam elas longas ou um breve até logo, dependendo da profundidade da relação é duro, é dolorido e é difícil de superar. E isso que me deixou apaixonada pela história. As pessoas que passaram a utilizar o programa da RePose queriam muito superar ou apenas pedir desculpas por não estarem presentes quando o outro precisou. E ainda manter viva a lembrança de quem é especial para nós. O medo de esquecer coisas que podem parecer insignificantes é enorme.

A narrativa é bem poética, com a inserção de cartas e e-mails trocados pelo casal. Sem contar a quantidade infinita de quotes maravilhosos que ela proporciona. Ela ensina sobre o tempo e como devemos fazer com que cada milésimo de segundo valha a pena. Porque quando nos dermos conta, ele já passou e talvez tenhamos perdido a oportunidade de fazer algo memorável.

Apesar da morte estar presente no livro, ele também fala muito sobre a vida. E como nós tendemos a esquecer da vida real, ficando apenas no mundo online. Fica clara essa dependência da tecnologia e como a vida passa por nós e muitas vezes não percebemos. É uma crítica ao mundo moderno e o que ele fez com as pessoas. Ao mesmo tempo é uma reflexão.

Adeus, por enquanto é uma história preciosa, sobre como o amor pode vencer barreiras e como nós temos que superar, não importe quando ou como. É um livro que vai fazer você chorar, isso é fato, mas é uma história linda.

site: http://www.entrelinhascasuais.com/2015/05/resenha-adeus-por-enquanto-laurie.html
comentários(0)comente



Anderson 22/03/2016

Desde que li a sinopse desse livro algo me interessou, a abordagem da perda do seu grande amor ( que apesar de ser um tema batido, rende histórias maravilhosas). Apesar de uma premissa incrível, "Adeus por enquanto" decepciona. Para começar esse livro não é sobre um casal como tudo indica, esse livro fala sobre RePose, um serviço virtual criado pelo protagonistas para pessoas de luto se comunicarem com seus entes queridos falecidos através de projeções. Quando comecei "Adeus, por enquanto" criei a expectativa (baseado no título e na sinopse) de que a autora desenvolveria uma grande história de amor e o quão foi decepcionante o casal desse livro: totalmente sem graça. Se você espera um romance envolvente e/ou água com açúcar: esse não é o seu livro. O casal protagonista não funciona e em nenhum momento conseguiram me cativar . A verdade é que os protagonistas são pequenos diante dos destaques do livro: os coadjuvantes. Eles salvam o enredo e conseguem manter o mínimo interesse pra você querer continuar (ou pelo menos não desistir). A narrativa é boa, fluida na maioria das vezes, o que se torna outro ponto positivo.
O final é satisfatório, mas assim como tudo nesse livro, não marca e fica na mesmice.
Quando acabei esse livro fiquei a sensação de que perdi um pouco de tempo, já que em nada me acrescentou (e nem tão divertido foi).
E foi com a sensação de alívio que eu me despedi de "Adeus, por enquanto " com satisfação
Jade 10/01/2017minha estante
Comecei ler hj, mas gostei da sua sinceridade na resenha! Quando eu terminar venho comentar oq achei




Laís 16/03/2016

“Não é milagre, nem vida após a morte, é apenas ciência da computação.”

O que você faria se pudesse manter contato com uma pessoa falecida?

Sam Elling é programador em um site de relacionamentos, e sua função é encontrar para cada cliente seu o par ideal, mas, ironicamente, sua própria vida amorosa é um desastre. Até que um dia ele consegue desenvolver um algoritmo perfeito para ligar almas gêmeas que funciona incrivelmente bem, e é aí então que conhece Meredith Maxwell.
A empresa em que ele trabalha começa a perder clientes e Sam é demitido por criar um programa bom demais. Sem emprego, ele decide se dedicar ao seu relacionamento com Merde (apelido carinhosamente dado por ele), mas mesmo apaixonada ela ainda sofre com a ausência da avó recentemente falecida. Devido às circunstâncias, Sam desenvolve um programa para que Meredith possa ter uma última conversa com sua avó.
Ele reúne todas as informações digitais que Livvie possuía – e-mails, conversas por vídeo, páginas que visitava, etc. – e cria uma projeção para responder exatamente como ela faria em vida. Só que, novamente, o programa funciona bem demais e Meredith não consegue parar de usá-lo, até que tem a ideia de oferecer esse serviço para outras pessoas com a mesma dor.
Junto à eles nessa inovadora empreitada, está o primo de Merde, Dash, e assim nasce RePose a empresa que permite que as pessoas conversem com seus EQFs (ou Entes Queridos Falecidos).

Mas o que poderia acontecer se tudo mudasse e Sam e Meredith não pudessem mais viver seu grande amor?

“Adeus, Por Enquanto” é, inevitavelmente, um romance diferente, que foge à regra. Não me fez chorar, mas me fez pensar na vida e nas perdas e em como a tecnologia pode querer, de algum jeito, mudar o curso natural das coisas.

Laurie Frankel aborda um tema bastante interessante e digno de reflexão. Até que ponto deixaremos a tecnologia interferir em nossas vidas? Seria isso um novo começo? O fim da história é meio decepcionante, confesso, mas o desenrolar, mesmo sem grandes surpresas, é agradável de se ler (além de ter uma capa linda).

Obrigada por esse livro, Laurie!
comentários(0)comente



Débora 10/02/2016

Adeus por enquanto

Sinopse:

A talentosa autora de Atlas do amor inova em seu segundo romance, no qual conta a história do jovem casal que estendeu seu amor para além dos limites da vida. Não é milagre e nem magia, é pura ciência da computação. Graças ao software que Sam Elling, um divertido programador do MIT, desenvolve, torna-se possível conversar com projeções perfeitas de pessoas queridas que morreram. Assim, ele ajuda sua namorada a superar a perda recente da avó, mas não esperava que um dia fosse precisar se tornar usuário de seu próprio programa.

Sinopse via Skoob

Resenha:

"Adeus por enquanto" é um livro sem grandes surpresas (Na verdade sem surpresa nenhuma), a própria sinopse do livro conta de fato tudo que vai acontecer na história e então o leitor não se pergunta "o quê" e sim "como" . Não vou falar sobre os personagens porque essa é uma das poucas coisas que você ainda tem para descobrir rs.
O livro aborda um tema muito delicado, a morte de pessoas e como seus entes queridos reagem à perda delas. Imagino que para alguém que tenha perdido alguém que amava muito, ler esse livro vá mexer muito com os sentimentos.
A princípio a idéia de um software onde você pode conversar com projeções ou receber email, SMS de pessoas queridas que morreram me pareceu muito estranho e uma forma de intervir no processo natural da morte, mas depois que a leitura começou a fluir fui entendendo como esse programa ajudou as pessoas no processo do luto e como a amizade entre os usuários e os envolvidos com o software os ajudou a enfrentar esse momento tão difícil. Me fez refletir sobre a vida e a morte.
Confesso que abandonei o livro porque estava achando chato e depois me forcei a terminar, e no fim das contas posso dizer que foi melhor do que eu imaginei.

site: http://blogromanceliterario.blogspot.com.br/2016/02/adeus-por-enquanto.html
comentários(0)comente



Malu 13/11/2015

Adeus, por enquanto.
Confesso que estava com um pé atrás quando ganhei esse livro. Estava na minha wishlist, mas eu não estava com vontade de ler, principalmente porque quando lia resenhas na internet, nenhuma delas disse que era bom.
E, realmente, esse livro foi uma grande decepção - que seria muito maior se não tivesse lido as resenhas -. Os personagens não convencem, e você sente raiva deles.
As coisas não se desenvolvem, e tudo acaba parecendo ser fácil de se resolver. O romance dos dois é muito mal escrito e você não sente nada quando as coisas que deveriam ser tristes acontecem. Eu não gostei desse livro, e não recomendo, mas cada um tem seu gosto, certo?
Eu dei duas estrelas porque tem momentos no livro que você se sente confortável lendo, mas esses momentos não compensam o resto. Além disso, essa capa é maravilhosa, convenhamos.
comentários(0)comente



Ana 22/09/2015

Eu tenho essa péssima mania de escolher livros pela capa e pelo título, sem nem sonhar em olhar a sinopse do livro. Então não preciso nem falar que me surpreendi antes da metade do livro. Sam trabalha na sede de um destes sites de relacionamentos, e ele desenvolveu um algoritmo certeiro em apontar almas gêmeas – até mesmo encontrou a sua assim, Meredith (ou Merde). E eu achei que o livro continuaria assim até o final. Mas o sucesso de seu algoritmo coloca a empresa que ele trabalha em risco; afinal, ninguém continuaria pagando um site de relacionamentos após ter encontrado sua alma gêmea.

Enquanto ele aproveita o desemprego para visitar sua namorada, a avó dela morre e, ao ver Meredith afundada no luto, sem perspectiva de se recuperar, decide usar seu grande cérebro nerd para desenvolver um software capaz de criar e-mails a partir do rastro digital de sua avó. (Eu achei isso genial e 100% possível?!) Mas Merde não está satisfeita com uma troca de e-mails com sua avó morta, agora acostumada a não precisar nunca lidar com a perda, ela insiste que Sam desenvolva a possibilidade de gerar conversas em vídeo. Assim nasce RePose (ou Dead Mail), um serviço para que as pessoas possam manter contato com seus eqfs (entres queridos falecidos) e aliviar o processo de luto.

Daí você vem e grita: Você acabou de contar o livro todo?! Não. Apesar de Sam e Meredith serem os personagens principais, o ponto focal do livro não é seu relacionamento (apesar do livro ser considerado um romance) e nem a relação de Meredith com sua avó. A verdadeira questão do livro é o dilema que RePose os impõe sobre a ética, os benefícios e os malefícios que este tipo de serviço e o processo de perda e luto.

Apesar do tema denso (recorrente nos últimos livros que tenho lido), a leitura é igualmente leve. Entretanto, Laurie consegue transmitir efetivamente os varios sentimentos envolvidos nos diversos estágios do luto. Apesar de parecer um enredo razoavelmente “pacato”, a história apresenta algumas surpresas que mudam completamente o rumo da história e mantém o ritmo da leitura acelerado.

Recomendo para: Quem busca uma leitura rápida, mas profunda, que aborda temas complexos com densidade e leveza.

site: http://quasemineira.com.br/2015/03/adeus-por-enquanto/
comentários(0)comente



Pâm Possani 19/09/2015

Estar de luto ou ficar com a tecnologia?
Lá vou eu começar de como eu cheguei a esse livro. Editora Seguinte (no caso, Paralela), Bienal do Livro de São Paulo, 30 de Agosto de 2014. UAU! Só não me pergunte o horário, que foi algum período entre as 10h e as 14h. Eu lembro que achei essa capa muito "Como eu era antes de você" e muito, mas MUUUUITO cheia de spoilers. Só de olhar pra capa eu pensei "SPOILER". Acho que isso é meio difícil de negar. O precinho também ajudou. Poderia estar mais barato, mas estava bom.. Acho que R$14,90, não me recordo muito...
Enfim!
Vamos a história.
Sam Eilling é um programador muito inteligente que trabalha em uma empresa para encontros online. O que vamos combinar: não funciona. As pessoas mentem o tempo todo em questionários, falam de coisas que na verdade nem gostam... Bem. E se houvesse um programa que, através de suas atividades online, descobrisse exatamente a sua alma gêmea? Impossível? Não para Sam. Totalmente a prova de erros. E por que, então, não testar exatamente com ele? Que nunca funcionou e nada dava certo, romanticamente falando?
O problema foi que deu certo. Deu incrivelmente certo, e ele acabou conhecendo Meredith (a autora poderia ter mudado o apelido, porque "Merde", gente?), uma moça que trabalha no mesmo prédio, a pouca distância. E eles são perfeitos juntos. Até que a avó da moça morre, e ela perde todo o brilho no olhar.
Para ajudar a amada, através de conversas e arquivos anteriores de email e arquivos em vídeo, Sam cria um algoritmo (ou seja, um programinha de computador) para que a moça possa conversar com a avó... Ou melhor, uma projeção do que ela era. Diminuindo a dor, ajudando a lidar com a saudade e a perda recente. Isso ajuda muito Meredith, e Sam está sempre disposto a fazer algo. E é aí que eles começam a passar isso para mais usuários, criando aí o revolucionário "RePose", o programa de computador em que você conversa com os mortos, causando problemas, mas também muitas saudades. Mas é isso ou tecnologia? Pode o amor continuar além da vida? Como seria se você pudesse conversar novamente com aquela pessoa especial que morreu? Como seria poder manter uma conversa e ela se lembrar de tudo que vocês conversassem? E o seu período de luto? Você ainda estaria aprendendo a lidar com aquilo ou é apenas uma distração para quando deitar a cabeça no travesseiro. Aprendeu a dizer adeus?

site: http://www.interruptedreamer.com/2015/09/resenha-adeus-por-enquanto-de-laurie.html
comentários(0)comente



André Martis 09/09/2015

Tinha tudo pra ser, mas não foi.
Assim que li a sinopse do livro fiquei ansioso pra ler (ainda mais com essa capa maravilhosa)
O que acontece é que o livro não conseguiu me emocionar em nenhum momento. O primo da Meredith (do qual não me recordo o nome) foi o único que conseguiu me cativar, os demais personagens são extremamente cansativos, principalmente a Meredith. Enfim, esperava mais desse livro, talvez seja só comigo, mas não consegui me encantar com absolutamente nada nesse livro.

Ps: Com exceção da capa
Ãllison 09/09/2015minha estante
Já pode criar um blog


André Martis 10/09/2015minha estante
Foi só pra participar do sorteio :|




Eu Conto Um Conto 28/07/2015

Esse livro poderia ser um amigo real (carne e osso) de tão especial que é. Preparem os lencinhos e o coração ao lerem Adeus, por enquanto. É encantador e emocionante.

"Sempre odiei quando as pessoas dizem 'Ela é a melhor coisa que já aconteceu comigo'. Uma pessoa não é um evento - pessoas não 'acontecem'. Você não é a melhor coisa a acontecer comigo. Você é a melhor coisa a acontecer no universo. Você é a melhor coisa que existe ou já existiu. Eu nem sabia que existia felicidade como essa." (Página 147).

Adeus, por enquanto é um romance que foge à regra e merece mil pontos positivos só por esse detalhe. Leiam com a mente aberta e tentem captar tudo que o livro tenta nos passar como mensagem.

site: http://eucontoumcontoblog.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Claudio Rosa 15/04/2015

Leitura que surpreende
Bem o que dizer desse livro?
Em primeiro lugar que ele é o tipo de livro que a gente tem vontade de abandonar no início, mas depois não quer largar mais até terminar. Um romance bem fora dos padrões comuns que sem dúvida alguma daria um bom longa metragem. Não vou contar o enredo porque tem gente que não gosta de ler depois que sabe do final ou do que se processa na trama, o que posso dizer é que trata-se de uma história de amor diferente que envolve o uso das redes sociais e programas de computador. Gira muito em torno do moderno, mas sem abrir mão da clássica história de amor. Indico sua leitura.
comentários(0)comente



Rafael Palone 13/03/2015

Quando eu recebi o livro Se Eu Ficar, junto dele veio um pacote de lencinhos. É como se o livro estivesse apontando pra você e falando: "Ei, moço, você vai chorar. Eu fui escrito com esse objetivo". O livro Adeus, Por Enquanto, de Laurie Frankel, não precisa distribuir lencinhos para deixar claro que estamos lidando com uma história mórbida. Todos os elementos mórbidos já estão na composição do produto.

1) A capa: um homem (com sombra) e uma mulher (sem sombra), sentados de costas um para o outro, separados por uma árvore. A árvore, segundo o dicionário de símbolos, representa um ciclo: vida, morte e recomeço. E, bem no meio das folhas, uma frase bem chamativa: E SE O AMOR CONTINUASSE ALÉM DA VIDA?
2) Os comentários no verso do livro: o primeiro faz referência ao livro Um Dia, de David Nicholson, reconhecidamente triste. O segundo já é um alerta ao leitor para que ele prepare os lencinhos de papel.
3) A sinopse: conta toda a história do livro, mas termina com uma frase coringa. "Os dois têm certeza que não podem viver sem o outro. Mas o que acontece se um deles é obrigado a isso?".

Ok. Tudo bem. Mais um livro triste.
Mas, sabe qual é o problema? Adeus, por enquanto não é um livro triste! Não acontece nada do que a capa e a sinopse do livro indicam pelo menos nos primeiros dois terços do livro. E, pior ainda, quando acontece é quando o livro cai em ruína. Uma história excelente, com uma premissa interessante, que perde-se com um final que já é dado de bandeja ao leitor na própria sinopse do livro.
Mas, vou deixar um pouco meu incômodo de lado para falar da história. Sam é um nerd da computação que conhece Meredith por meio de um aplicativo de relacionamentos que ele mesmo desenvolveu. A fórmula que ele criou funciona tão bem que Sam é demitido, já que os clientes usavam apenas uma vez, encontravam o par ideal e não acessavam mais. Tudo bem, pelo menos ele arranjou uma namorada.
O namoro de Sam e Meredith amadurece de maneira bem rápida, já que os dois personagens têm mais de 30 anos - apesar de que a autora narra de um jeito que parece que eles têm uns 19 ou 20 anos. Está tudo indo bem, dentro do possível, até que a avó de Meredith morre.
A autora soube desenvolver o luto da personagem muito bem. Ela lembra da avó o tempo todo, associa qualquer imagem com algum gosto ou comentário dela. Incomodado com a situação da namorada, Sam decide oferecer uma frase de consolo nem um pouco usual: "Eu acho que consigo trazer sua avó de volta".
Então ele cria um programa de computador que reúne toooodo o banco de dados da falecida (desde conversas no facebook até video-ligações) e responde automaticamente de acordo com a reação dela em cada reação. Vou fazer uma comparação bem infeliz, mas vamos lá: o programa é como se fosse aquele robô Ed. Se você nunca conversou com o Robô Ed, clique aqui e entenda do que eu estou falando. Ou seja, todas as respostas que o programa/avó diz estão pré-programadas de acordo com o que ela responderia se estivesse viva.
A primeira reflexão é: será que nós, seres humanos, somos tão previsíveis assim? Será que tudo que nós depositamos nas redes sociais é suficiente para gerar um banco de dados que nos represente? O livro afirma que sim. E o projeto de Sam e Meredith expande-se, outras pessoas começam a usar para conversar com seus entes queridos falecidos (EQFs), mesmo sabendo que não passa de uma máquina.
O desenrolar da história a partir daí é genial. É uma dura crítica a todo esse apego que nós temos com os meios eletrônicos e como um computador, às vezes, desperta mais emoções em nós do que uma pessoa de verdade (eita!).

Toda minha revolta no começo da resenha é porque eu confesso que fiquei muito chateado em ler este livro tão bacana sabendo o final. Não só porque tal fato acontece - não vou dar detalhes, caso alguém ainda não tenha sacado o que vai rolar -, mas também porque isso não se desenvolve de uma maneira interessante. A parte III do livro (dividido em três partes) é insuportável, tão mórbida e irritante que até os lencinhos de papel são dispensáveis.
Rúbia 13/03/2015minha estante
Não é meu gênero preferido, mas, justamente quando li sua sinopse numa livraria, mas precisamente a frase que destacou, me despertou muito interesse na leitura.




Bella Nine 17/01/2015

Mórbido demais
Sam é um programador de software extremamente criativo e talentoso. Ele trabalha em uma empresa que desenvolve um site de relacionamentos. Sim, como aqueles que você vê a propaganda na televisão, algo do tipo E-Harmony. Vendo que o número de usuários tem caído, é pedido aos programadores que desenvolvam novas ferramentas para melhorar o site e seus relacionamentos no ciberespaço. Acontece que Sam é fenomenal naquilo que faz e desenvolve um programa que é capaz de as pessoas encontrarem as suas almas gêmeas. Sim, o software vai além de reles respostas bobas em páginas sociais como Facebook, encontrando outras pessoas que de fato são parecidas com você. Claro que para isso, ao menos o que diz no livro, o programa precisa xeretar e-mails das pessoas, uma certa invasão de privacidade. Mas, tudo bem, a coisa toda é um sucesso, inclusive para seu criador que conhece o amor de sua vida, a publicitária Meredith, que trabalha para o mesmo site.

O software de Sam é tão brilhante que os usuários que passaram a utilizá-lo, assim que passam a viver o relacionamento no mundo real, simplesmente descadastram-se do site, dando muitos prejuízos para o seu criador. Desta forma, Sam é mandado pro olho da rua, junto de sua maravilhosa criação.

Quase que ao mesmo tempo, a avó de Meredith, Livie, falece de maneira inesperada. Tanto a neta, seu primo Dash e seus muitos familiares ficam arrasados com a perda. Todavia, dá a entender que Merde – como o namorado a chama carinhosamente, apesar de significar merda em francês – parece sentir ainda mais a ausência de sua avó e, com o coração dilacerado pela dor da amada, Sam consegue inventar algo ainda mais brilhante do que o software de namoro. Ele junta todas as informações de Livie, no ciberespaço, assim como as inúmeras chamadas de vídeos e e-mails enviados para a neta, e recriou teleconferências para que Meredith conseguisse realizar a transação entre o luto e a continuidade de sua vida habitual.

Acontece, que na minha cabeça a coisa toda fosse parar por aí e o romance em si fosse ocorrer e desenvolver-se de uma vez por todas. Não, isso nunca aconteceu. Meredith conta a Dash sobre o invento de seu namorado e os três fundam a empresa RePose, para aqueles que não conseguem dar adeus àqueles que amam.

De verdade, o enredo todo é uma depressão sem igual. A ideia das pessoas viverem eternamente em luto, vivendo uma realidade totalmente irreal, nesse chat do além, sério, a coisa toda é muito mórbida. As pessoas só falam de morte e se prendem ao software como se fosse mais importante do que seguir em frente. Eu sei, cada um tem o seu próprio tempo para vo0ltar ao normal. Mas o que era para ser uma coisa temporária, simplesmente passou a ser algo primordial.

Tenho apenas que dar o braço a torcer para as reações dos muitos personagens que se vêm perdidos sem a pessoa querida entre os vivos. Cada um reage de uma maneira; um compõe músicas para a mãe, outra grita com o vídeo chat do marido e diz o quanto ele foi um parceiro filho da puta. E as pessoas são realmente desse jeito; alguns choram por meses, até anos, outros simplesmente precisam dizer o quanto a vida delas foi uma droga ao lado dessa pessoa. Seja como for, todos nós temos reações únicas.

Eu não posso classificar ao certo esse livro porque, para ser sincera, ele não funcionou comigo como eu imaginei que funcionaria. Eu fiquei bastante “perturbada” com toda esse enredo mórbido e depressivo. Eu não gosto dessa ideia de estender o luto e das pessoas não conseguirem se desprender dos mortos. Eu acho sim que o luto é peça fundamental para que as pessoas transitem entre a morte e a vida. O que eu não aceito são as pessoas acharem que viver em uma mentira, em uma extensão da vida de um morto é muito mais interessante do que o novo presente.
comentários(0)comente



Eduardo 20/12/2014

Minha opinião: Adeus, Por enquanto de Laurie Frankel é um livro com uma proposta maravilhosa, personagens muito bem construídos e uma História interessante. Porém eu acho que a narrativa é muito lenta em certos momentos, e, em algumas partes, a história perde o foco, ressaltando situações desnecessárias.
Li esse livro em duas sentadas, mas o que mais me fez querer continuar lendo-o foi a intrigante genialidade do protagonista e sua criação. Logo no inicio do livro, Sam inventa um software capaz de achar sua alma gêmea em segundos. Porém, eu acho que a autora não soube fazer essa mudança de tópicos- do amor para morte-, pois a mudança é muito brusca e muito mal executada.
Um livro que tinha uma temática suave e tranquila no inicio, se torna em algo pesado e melancólico, quando a avó da mais nova "alma gêmea" de Sam, Falece.
Eu acho que a proposta aqui era magnífica, imagina, falar com os mortos! Porém o livro teve um desenvolvimento muito drástico e mal trabalhado.
Em meios de "conversaão" com os mortos e uma história que foca o desenrolar da morte de um ente querido na vida de uma pessoa, Adeus, Por Enquanto, para mim, cumpre seu papel em certos modos.

Narrativa : 3 Estrelas Personagens: 4 Estrelas
História: 3 Estrelas Nota Final: 3 Estrelas



Sigam e visitem o site para mais críticas e notícias sobre literatura

site: http://historiasinacabaveis.blogspot.com.br/2014/12/critica-adeus-por-enquanto.html#more
comentários(0)comente



28 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2