O Corvo

O Corvo Edgar Allan Poe



Resenhas - Edgar Allan Poe † O Corvo


6 encontrados | exibindo 1 a 6


Matt 14/01/2019

De todas as adaptações desse aclamado poema melódico, a de Machado de Assis é a que mais me encanta, por suas particularidades e liberdades poéticas. Devo fazer menção honrosa à adaptação de Milton Amado, que traz uma linguagem modernizada.
comentários(0)comente



Helô 02/11/2018

Melhor terror clássico
Esse é o tipo de livro que o autor expõe sua opinião sobre o assunto e explica porque tem medo,fazendo ele ser único .
comentários(0)comente



Na Literatura Selvagem 18/12/2016

O corvo diz: Nevermore...
Considerado um dos poemas mais famosos da literatura clássica moderna, O corvo, escrito por Edgar Allan Poe ganhou uma versão em ebook que pode ser encontrada no site da Editora Darkside Books, e você pode baixá-la gratuitamente. Além da versão original em inglês, o ebook nos presenteia com duas de suas incríveis traduções, uma delas pelo grandioso Machado de Assis e a outra por Fernando Pessoa, e eu não saberia dizer qual das duas é mais fiel à narrativa em sua língua original [meu inglês não é dado a essas coisas], mas em ambas percebemos o cuidado estético de tradução, a fim de passar ao leitor a essência soturna do poema.

Edgar Allan Poe foi um dos grandes nomes da literatura americana, escreveu poesia, contos policiais e de horror, sendo mais reconhecido por estes últimos. Teve uma vida breve regada a infortúnios, que acabam por se espelhar em sua obra. Sua morte até hoje é cercada de mistério devido à situação calamitosa em que foi encontrado na rua, dias antes de falecer num hospital...

leia mais em

site: http://torporniilista.blogspot.com.br/2016/05/o-corvo-diz-nevermore.html
comentários(0)comente



Maria - Blog Pétalas de Liberdade 25/10/2016

Resenha para o blog Pétalas de Liberdade
Sobre a história: o poema traz um narrador que perdeu sua amada, e numa noite ouve barulhos parecidos com batidas na porta, mas quando abre a porta, só vê a escuridão da noite. O barulho persiste até que ele percebe que sua origem é na janela, e vai abri-la, sendo surpreendido por um corvo, o dono das batidas, que entra pela janela aberta.

Até aí, tudo bem, mas talvez vocês saibam que corvos são animais considerados inteligentes, capazes de aprender a realizar algumas tarefas, entre elas, "falar" como um papagaio. Então, eis que o narrador começa a conversar com o corvo, mas parece que aquela ave só sabe dizer uma frase: "Nunca mais!". E o diálogo acaba não seguindo o rumo que o narrador gostaria.

Já mencionei certa vez que admiro muito quem consegue juntar a narração de uma história com a criação de versos e de poesia, e só por isso "O Corvo" já me agradou. E com uma premissa interessante, o que tive foi uma leitura rápida mas marcante.

A edição traz duas traduções: a de Machado de Assis (escritor brasileiro que viveu entre 1839 e 1908), que me pareceu usar um vocabulário mais rebuscado ao traduzir, mas também usou alguns termos mais interessantes; e a segunda versão que foi feita pelo poeta português Fernando Pessoa ( 1888 - 1935) que me passou a impressão de proporcionar uma leitura mais fluida, o que pode ter ocorrido por eu já estar familiarizada com a historia.

Após "O Corvo" em sua edição original e com as duas traduções, há um artigo de Charles Baudelaire (tradutor das obras de Poe e "um dos principais divulgadores de sua obra na Europa"), que fala um pouco sobre o escritor, desde a aparência e o formato de sua cabeça, tão reproduzida em ilustrações, até sobre aspectos de suas obras, e por estar participando do "12 meses de Poe", foi possível concordar com várias partes do que Charles Baudelaire diz, além de ir identificando os contos a que ele estava se referindo ao longo da leitura do artigo.

Além disso e de ilustrações bem interessantes feitas por ilustrações de Édouard Manet, há mais alguns extras que não vou comentar para não tirar a graça para quem ainda vai ler. É uma ótima edição, com uma capa super bonita, diagramação com letras, margens e espaçamento de bom tamanho (aspecto que pode variar dependendo do dispositivo em que se está lendo) e uma boa revisão.

E é isso! Fica a minha recomendação de leitura para quem é fã do autor e para quem ainda não leu nada dele mas quer conhecer sua escrita (uma dica: leia o poema mais de uma vez, ficará mais fácil captar detalhes e aproveitar a leitura).

site: http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/2016/10/resenha-o-corvo-edgar-allan-poe.html
Bruno.Oliveira 12/04/2017minha estante
ficou bom mais gostaria que alguem fizessem o resumo do texto muinto obrigado :)






Mick 31/07/2015

Um clássico do horror!
"O Corvo" de Edgar Allan Poe, publicado pela primeira vez em 1845, é um trágico e assustador poema sobre um corvo que assombrosamente aparece como um (espírito?) a bater na porta de um homem que está perturbado com a perda de seu amor Lenore.

Essa edição da DarkSide é sensacional. Uma edição bilíngue, o original em inglês e as duas traduções, a portuguesa de Fernando Pessoa e a brasileira de Machado de Assis e uma análise de Poe feita por Charles Baudelaire, seu tradutor e um dos principais divulgadores de sua obra na Europa, acompanhadas das ilustrações de Édouard Manet.

O corvo é um poema aparentemente simples, que tem uma variedade de interpretações óbvias. No entanto, cada leitor pode tirar algo diferente do poema. Eu gostei de ler esse poema! Ouvir também o audiobook no youtube é muito legal! A literatura produzida por Edgar Allan Poe é um marco na literatura fantástica universal!
comentários(0)comente



Francielle 29/08/2013

Quoth the Raven, "Nevermore.
Essa edição e-book deluxe da DarkSide traz o texto original de Edgar Allan Poe em inglês, as traduções de Machado de Assis e Fernando Pessoa, introdução por Bruno Dorigatti, análise por Maria Clara Carneiro, análise por Charles Baudelaire e ilustrações de Édouard Manet.

Quoth the Raven, "Nevermore.

Não leio poemas com tanta frequência, mas Robert Frost e Edgar Allan Poe são os que leio com mais frequência e mais gosto. Um clássico da literatura mundial e um dos poemas mais famosos da literatura americana, "O Corvo" nos apresenta o desespero e a escuridão da alma de um homem ao perder sua amada Leonora. O poema tem tom sombrio e atmosfera sobrenatural, características comuns nas obras de Poe. A musicalidade de "O Corvo" é linda, é impossível negar a genialidade de Poe com as palavras, daí a grande dificuldade de traduzir The Raven. Em qualquer tradução se perde a musicalidade, a sonoridade do poema. Se você consegue ler em inglês, sugiro que baixe esse e-book da DarkSide, que apresenta o texto original e as duas traduções mais famosas da língua portuguesa: de Machado de Assis e Fernando Pessoa.

"Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,With such name as 'Nevermore.' "

5/5

PS: Não sei vocês, mas agradeço muito aos grandes nomes da literatura e do cinema por meus medos de animais. Poe me fez ter medo de Corvos, Alfred Hitchcock de pássaros, Steven Spielberg de tubarões e dinossauros. Thank you guys!

Love always,
Francielle

site: http://www.theserialreader.com/2013/06/resenha-o-corvo-edgar-allan-poe.html
comentários(0)comente



6 encontrados | exibindo 1 a 6