Humilhados e ofendidos

Humilhados e ofendidos Fiódor Dostoiévski




Resenhas - Humilhados e Ofendidos


58 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Teteu 16/11/2020

Um livro sobre a importância de amar e de perdoar.
Quão grande é o nosso anseio em sermos insultados, humilhados e ofendidos. Esperamos por isso, simplesmente para ter o prazer de odiar.

Certamente é um dos melhores livros que já li em minha vida. A habilidade de Dostoiévski em replicar a humanidade me espanta.
Sempre adorei filosofia e psicologia e o nível dos debates que o livro pode causar é altíssimo, incrível, como nunca experimentei antes.
Recomendo pra todos!

Li esse livro para um trabalho de português e fiz uma resenha em forma de vídeo. Caso vocês queiram, podem dar uma olhadinha através do link que vou deixar logo abaixo. Espero que gostem!
https://youtu.be/VAxtaMrYBTA
Ananias 17/11/2020minha estante
Ah, agora fiquei com vontade de ler... sou muito fã de Dostoiévski


Teteu 18/11/2020minha estante
Obrigado, é realmente incrível! Vc vai amar. Caso queira ver mais um pouco sobre o livro, eu fiz uma resenha. Li esse livro como trabalho de português e fiz um vídeo. Vc pode dar uma olhada pelo link q deixei na resenha.




Liliane.Santos 09/11/2020

Dostoiévski...
Este é um livro que quando começamos a ler não temos como parar. É uma história bem melodramática, que mostra o desenrolar dos personagens humilhados e ofendidos por um vilão, um ser desprezível.
"Os traços do rosto tinham uma expressão maldosa: lia-se neles o desejo de ferir, se picar, de maltratar, de morder."
"Parecia-me estar em presença de um animal asqueroso, de uma aranha que devia ser esmagada"
comentários(0)comente



Vinícius 01/11/2020

Mais Uma Obra de Arte
Falar de mais um livro de Dostoievski é como reviver cada cena retratada na obra. Um romance excepcional onde a condição de pobreza se mistura com a solidariedade e o amor ao próximo, mesmo em meio a intrigas e muitas vezes rudeza de alguns personagens. As vinte primeiras páginas já nos deixam extasiados. Depois do desenrolar da história já nos mostra o grande autor, para mim um dos maiores de todos os tempos, que foi o Dostoievski. A descrição de cada personagem e dos acontecimentos nos fazem não querer parar de ler. A história paralela inicial se entrelaça com a principal de forma magistral. Sem spoilers, mas uma obrar que vale a pena ler.
comentários(0)comente



pamypam 05/09/2020

Não entendi muito bem
Acho que um pouco mais de maturidade literária me faria bem com relação a esse livro. Mas, mesmo assim, foi incrível conhecer um pouco mais desse autor e me afeiçoar à Nelli.
comentários(0)comente



Jaqueline 02/08/2020

Prosseguindo na leitura em ordem cronológica da obra de Dostoiévski, encontrei nesse livro uma proposta bem diferente de "A Aldeia de Stiepântchikov e Seus Habitantes". Enquanto este possuía a comicidade como característica marcante, temos em "Humilhados e ofendidos" uma história de amores idealizados que, ao serem escolhidos, levam a ruína àqueles que acreditavam que poderiam ser felizes com as suas escolhas. Embora a história hoje (e aos meus olhos) tenha ganhado um ar novelesco, senti-me comovida com as constantes humilhações desnecessárias que muitos personagens passaram, ora por orgulho, ora por vaidade dos outros. Dentre as personagens, Ivan Petróvitch foi marcante, pois, mesmo adoentado, tentava a todo custo ajudar e proteger aqueles que via como vítimas da tirania de um príncipe egoísta e mesquinho.
Citando Dostoiévski: "É preciso sofrer pela felicidade futura, comprá-la a peso de novos tormentos. O sofrimento purifica tudo".
Cabe a nós, após lermos este livro, refletirmos se para alcançarmos a tão almejada felicidade realmente é necessário passarmos por sofrimentos, humilhações e ofensas como os apresentados no livro.
comentários(0)comente



Ginete Negro 01/08/2020

Enredo muito bom
Não é ainda o Dostoiévski "profeta", da fase cujos livros se tornaram universais, mas há aqui muito desse Dostoiévski. As grandes cenas, as angústias, discussões e plots frenéticos.

Resenha no blog: https://umaloucadoslivros.blogspot.com/2020/07/resenha-humilhados-e-ofendidos.html?spref=fb&fbclid=IwAR07D2rs05ybu2_fyS_yuStRPqd__I9cn1dRUctJwLP-h5fURBfSX6bXPG0&m=1 (em colaboração).
comentários(0)comente



Lucas 24/07/2020

Entre nossas humilhações e ofensas...
Quantos de nós nunca nos sujeitamos a situações que nos degradam, humilham e ofendem o nosso ser e, mesmo cientes de tal situação, continuamos a nos iludir e fantasiar com um futuro melhor? Humilhados e ofendidos são todos, mas ainda existem os que humilham e ofendem com um ar de superioridade, intocáveis devido ao prestígio que a sociedade corrobora e perpetua. O livro é, assim, uma síntese das relações humanas, de sua gênese aos dias atuais, revelando a eterna dialética entre opressores e oprimidos. Maravilhosa leitura. Além disso, mais alguém lê o nome dos personagens de livros russos como :Alennfsjirkfneisid e afins?
comentários(0)comente



Steph Mostav 19/06/2020

Gente humilhada, ofendida e oprimida
São muitos os paralelos entre Humilhados e ofendidos e Gente pobre, não só pela posição dos dois na carreira do Dosta (um deles foi seu romance de estreia, o outro o romance do retorno após os anos aprisionado). Ambos tratam de questões sociais em Petersburgo, ou ainda, da análise psicológica que os efeitos dessas questões sociais tem sobre os personagens. Nos dois casos, são personagens que representam a "gente oprimida" pela miséria, pela fome, pelo trabalho exploratório, pelas calúnias contra as quais não podem responder com dignidade porque não estão em posição de privilégio. Em um dos trechos do livro, o protagonista Vânia, que tem muitos traços autobiográficos, é questionado a respeito dos temas dos livros que escreve: por que ele fala de pessoas pobres, funcionários falidos, porões sujos e não a respeito do esplendor e da beleza dos salões da elite russa? A resposta do personagem é simples, mas nos diz muito a respeito do projeto de literatura do autor: entre a "alta esfera" ele só encontra o tédio e não há nada o que ele possa fazer por eles, porque já tem tudo. Já os miseráveis, os endividados, os doentes e famintos eram (e ainda são) excluídos da literatura, ou representados através de caricaturas que não os mostram como pessoas complexas, dotadas de ideias, sentimentos e contradições. Outro elemento autobiográfico é a resposta de Vânia à crítica que ele sofria por se "esgotar literariamente" e perder sua saúde ao escrever em prazos apertados e sem tempo para corrigir os desleixos: ao contrário de escritores abastados (como Turgueniev), ele dependia do dinheiro das publicações para sobreviver. Humilhados e ofendidos tem uma coleção de personagens memoráveis que certamente inspiraram suas obras futuras: tanto o ingênuo e irresponsável Aliocha quanto o teimoso velho Nikolai Serguiêitch, a tenaz Nelli, que sofreu tantas injustiças ainda criança, Maslobóiev, o tipo malandro e o personagem mais interessante do livro, o príncipe Valkóvski. Como antagonista, ele cumpre muito bem o papel: é dissimulado, egoísta, interesseiro, cruel e até sádico e protagoniza todas as melhores cenas do livro, de confronto direto ou indireto com sua figura cínica, sua ausência de moralidade e sua lógica individualista e contrária à toda tentativa de mudança na sociedade. Meu capítulo preferido, o décimo da terceira parte, é inteiro dedicado ao diálogo entre o príncipe e o protagonista. Ainda que não tenha a maturidade de estilo e profundidade temática dos seus cinco grandes romances, Humilhados e ofendidos não deixa de merecer todos os elogios. É meu décimo livro lido do Dosta e é impressionante: o cara não erra uma.
comentários(0)comente



Marcelo.Alencar 19/06/2020

Livro que te faz sentir
Não sei o que dizer: é só sentir! O livro é veia, coração! É tão grandioso que me vi em lágrimas!
Inesquecível!
Gratidão por Dostoiévski, é o que sinto agora!
comentários(0)comente



gabi 14/06/2020

humilhados e ofendidos
o que eu mais gostei sobre esse livro é do quanto que ele abre debate sobre o orgulho. eu, particularmente, sou muito orgulhosa e esse livro me fez abrir os olhos e, parece meio óbvio, perceber que eu não vou viver pra sempre e o quão fútil o orgulho humano realmente é quando o fim chega.
comentários(0)comente



Marcos 11/06/2020

Expiação do sofrimento
Narrado por um jovem romancista, Vanya (Ivan Petrovich), que acaba de lançar seu primeiro romance, que tem uma semelhança óbvia com o primeiro romance de Dostoiévski, Gente Pobre, consiste em duas linhas de enredo gradualmente convergentes. Um deles lida com a amiga íntima de Vanya e o antigo objeto de desejo, Natasha, que deixou sua família para morar com seu novo amante, Alyosha. Alyosha é o filho santo, mas tolo, do príncipe Valkovsky, que espera ganhar financeiramente casando Alyosha com uma herdeira, Katya. As maquinações cruéis de Valkovsky para acabar com Alyosha e Natasha fazem dele um dos "tipos predadores" mais memoráveis que Dostoiévski criou.

A outra trama se concentra em uma órfã de 13 anos, Nellie, que Vanya salva de uma casa abusiva ao levá-la para o apartamento dele, e cuja história da mãe falecida, de certa forma, é paralela à de Natasha.

A expiação do sofrimento é tema deste romance, com sua trama e personagens tragicamente emocionantes.
comentários(0)comente



Eric 11/06/2020

Antes de te matar, Dostoiévski humilha nossos sentimentos
Como descrever essa narrativa? Esse é um dos maiores problemas que tenho ao terminar alguma obra do Dostoiévski. São tantas emoções que nos apetecem o coração, com esses personagens tão sofridos e ludibriados pela vida. Em Humilhados e Ofendidos, o autor traz a história de cinco pessoas que foram vítimas de um destino cruel, ao qual causou feridas incuráveis no orgulho e no coração.

A maestria de Dostoiévski para narrar vidas em situações de total desprezo social é incrível. Aqui vamos deparar com pessoas que perderam tudo o que tinha na vida devido aos infortúnios de um homem maldoso. Simbolizando toda a supremacia que os mais ricos exercem sobre os mais pobres, o Príncipe com certeza é um dos inimigos mais célebres de toda literatura mundial. Suas ações são extremamente calculadas para conseguir atender todos os seus interesses, não importa o quanto humilhante será para vítima sofrer essas consequências.

O orgulho ferido, abandono, desprezo, doenças, o amor não correspondido, aceitação paternal e a redenção são os temas muito bem retratados por Dostoiévski, o qual nos mostra ao final da história que o alicerce principal que mantém aqueles miseráveis esperançosos é o amor que dedicam entre si.

Nelly é o reflexo de uma vida que procurou esmaga-la o tempo todo. Ela não consegue compreender a bondade do Ivan, pois todos ao seu redor tentou de alguma forma ludibria-la. Como cachorrinho que é espancado diversas vezes e não sente confiança em humano algum, essa personagem se mantém insegura e melindrosa até sentir a confiança de que existem pessoas em meio aquele caos que somente querem a ajudar sem nada em troca. É em seu plot que as denúncias sociais são feitas, as quais revelam uma vida pobreza extrema e exploração.

Dostoiévski consegue construir psicológicos bem realistas. O autor nos mostra a dualidade da fragilidade do homem vs a resistência em manter uma aparência em prol do orgulho. E em seu desfecho deixa claro que em certos momentos essa pretensão pode conduzir a pesares inconsoláveis.

Por fim, Humilhados e Ofendidos é um livro maravilhoso, proporciona diversas reflexões e comprova mais uma vez a engenhosidade de Dostoiévski em escrever histórias que ultrapassam os tempos e ainda são tão necessárias. Recomendo muito!!
comentários(0)comente



Josy 08/06/2020

Sofrido, porém lindo!
Assim como diz o título, o autor expõe friamente os sentimentos humanos e os arrasta na lama da amargura, humilhados e ofendidos. Do medíocre ao leviano, os personagens vão se relevando e conduzem o leitor por suas vidas inúteis e baratas com suas reflexões existencialistas.
Só posso dizer que sai arrasada dessa leitura. Fiquei apaixonada pela literatura russa, mas não recomendo ler vários livros dela seguidos (como eu fiz), pois isso pode leva-lo a depressão.
comentários(0)comente



Eduardo Fonseca 16/04/2020

Ahhhhh Dostoiévski!!! Eu nem sei explicar o porquê mas não consigo deixar de ler um livro seu de tempos em tempos... como temas pesados e até tristes podem proporcionar um prazer tão grande através de suas palavras???!!! Como é fácil se sentir em São Petersburgo!!!
Daniel 16/04/2020minha estante
Ah agora fiquei curioso, pra quem nunca leu nada do autor vc recomendaria qual?


Eduardo Fonseca 16/04/2020minha estante
Olá, sugiro começar com o Jogador, não é tão pesado e é mais divertido, mas depois sugiro um mega clássico, na minha opinião, Recordações da Casa dos Mortos.... fica tranquilo, que, se você gostar, você encontrará os outros "caminhos de Dostoiévski... Grande abraço


Daniel 16/04/2020minha estante
Ah entao vou começar pelo jogador, vou ver se é bão mesmo hehehe




André 16/04/2020

Uma obra profundamente cativante, que nos prende o tempo inteiro. O final é absolutamente fantástico. Embora não seja considerado uma de seus maiores romances, Humilhados e Ofendidos acentua o aspecto social e humanista da obra de Dostoiévski.
comentários(0)comente



58 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4