1Q84

1Q84 Haruki Murakami




Resenhas - 1Q84


84 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


03/04/2018

O segundo volume continua nos mesmos moldes que o primeiro, com a narrativa intercalada entre Aomame e Tengo. O diferencial nesse volume é que a coisa vai ficando cada vez mais cabeluda e bizarra.

O Povo Pequenino que é mencionado de leve no primeiro volume ganha mais destaque aqui, mas ainda assim eles continuam sendo um mistério. A tal da seita religiosa também é mais trabalhada, mas nada é definido ainda. Eu continuo perdida, mas a leitura é extremamente prazerosa, então por mais que nada seja esclarecido, você não se irrita com a enrolação.

Fiquei tão dentro da história, que durante uma tempestade forte que teve em São Paulo esses dias, lembrei automaticamente do Povo Pequenino. Também senti toda a tensão da Aomame ao executar sua última missão. São detalhes assim que diferenciam um grande autor dos demais.
comentários(0)comente



Fabio Shiva 18/02/2018

maratona
Desde que li o autobiográfico “Do Que Eu Falo Quando Eu Falo De Corrida”, no ano passado, fiquei curiosíssimo para ler alguma obra ficcional de Murakami. Por isso foi de uma escandalosa abundância o Universo ter me presenteado, através do querido amigo Carlinhos Santos da Silva, justamente com a mais aclamada ficção de Murakami, “1Q84”.

Não se trata de uma trilogia, mas de uma única história, com cerca de 1.000 páginas, dividida em três volumes. Li os dois primeiros volumes com atenção quase que exclusiva (coisa rara para mim, que geralmente leio três livros ao mesmo tempo). Acabei ficando um pouco cansado do estilo, e intercalei com “São Bernardo” de Graciliano Ramos, que curiosamente é o mais perfeito oposto que posso imaginar para “1Q84”. E agora por fim termino a leitura do terceiro volume, com muita gratidão por essa leitura e a sensação de que é muito difícil definir ou delimitar a obra de Murakami.

A história de “1Q84”, ao meu ver, é uma típica história japonesa de amor, bem no estilo de “Musashi” de Eiji Yoshikawa, com muitos desencontros e frustrações. A originalidade de Murakami é situar o romance de Aomame e Tengo no mundo paralelo de 1Q84, onde existem duas luas no céu e um Povo Pequenino usa e abusa da magia em rituais secretos. Então existe um toque de suspense, de ficção científica (ou realismo fantástico) e até um sutil senso de humor.

Não gostei muito das contínuas repetições, bem ao gosto dos mangás e animes (mas que não me parece ser uma característica da literatura japonesa em si, pois o já citado “Musashi”, cujas mais de 1.700 páginas li duas vezes com grande entusiasmo, não incorre nesse tipo de repetição, apesar de ter sido publicado originalmente como folhetim). Em alguns trechos achei a prosa bem nefelibata, e se não soubesse se tratar de um autor consagrado, teria considerado como erros decorrentes de inexperiência. Mas como foi Murakami que escreveu, talvez eu é que não tenha captado a mensagem.

Por outro lado, gostei imensamente do rico universo imaginário do autor, principalmente quando comecei a lê-lo como se fosse poesia, e não prosa: foi como se uma porta secreta se abrisse e revelasse (não por acaso) novos mundos. E Murakami também tem algumas frases que fazem a gente refletir e crescer, como por exemplo:

“Um escritor só se aperfeiçoa com o ato contínuo de escrever.”
*
“O corpo é um santuário (...) independentemente do que se cultue nele”.
*
“As pessoas que não sabem pensar são justamente as que não sabem escutar o que os outros têm a dizer.”
*
“Se você fizer algo incomum, não importa o que seja, alguém sempre vai ficar bravo.”

Gratidão!


site: https://www.facebook.com/sincronicidio
Rosangela 30/06/2018minha estante
To no 1 volume e o cara se repete muito e parece q tem fetiches porq repete sempre aquela cena kkkkkk


Fabio Shiva 30/06/2018minha estante
Oi Rosângela! Rarara, depois quero saber o que você achou!!!


Rosangela 01/07/2018minha estante
N sei se vou ler o 2, as repetições do 1 ja me irritou


Fabio Shiva 03/07/2018minha estante
Então é mesmo bem provável que não goste do 2, querida!




Rafael 16/01/2018

Surpreendente
Murakami expande o enredo do primeiro livro com muita qualidade e deixa o leitor curioso pra saber o desfecho.
Muito bom.
comentários(0)comente



Nina.ONeill 03/08/2017

Melhor que o primeiro livro, porque o autor elabora sobre o mistério inicial oferecendo algumas respostas. Além disso há alguns acontecimentos marcantes que são satisfatórios de ler. A única coisa que me impede de dar 5 estrelas para esse livro é o conteúdo sexual um tanto moralmente esquisito que me deixa desconfortável, mas acredito que o desenvolvimento do enredo compensa isso.
comentários(0)comente



Honey 15/06/2017

Uau
Sério. Vários fatos que eu esperava que fossem revelados foram, e vários plot twists também, mal posso esperar pra ler o ultimo. É uma tensão, uma atmosfera estranha... Impossível explicar apenas sentir. Se você leu o primeiro e ta na duvida sobre ler o segundo, (o que é bem estranho porque se você terminou de ler o primeiro você QUER ler o segundo) leia sim, se você ta na duvida se vai gostar pelo menos você vai saber sobre o que é o livro da Crisálida de ar, e devo dizer que essa descoberta por tipo: "uouuuuu!"
comentários(0)comente



Mara.Sousa 05/04/2017

Quase não terminei...
Tenha paciência em alguns momentos, nesse segundo livro da trilogia eu quase perdi o pique de continuar a trilogia, mas depois melhora, tenha fé.
comentários(0)comente



isa.dantas 22/10/2016

A segunda parte da trilogia de 1Q84 segue o mesmo ritmo da primeira, mantendo o leitor grudado e tentando juntar as peças do quebra-cabeça. Vamos ver como Murakami encerrará essa história!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Adriana 18/07/2016

Segunda parte
muito bom, compartes que nos faz refletir....
Explica algumas coisas e vc fica morrendo de curiosidade para continuar a leitura....
comentários(0)comente



Taisa 29/02/2016

Que loucura! Podem falar qualquer coisa dessa série, menos que ela não é original, Murakami teve claramente suas influências na hora de escrevê-los, mas ele criou um enredo tão diferente que eu fico sem saber se estou maravilhada ou aturdida com tanta informação incomum.

O livro continua exatamente onde o outro termina (resenha aqui) e as narrações são intercaladas entre Aomame e Tengo. Eles continuam firmes em suas respectivas essências, ela foda, e ele.... ele sendo Tengo, não sei muito bem como definir esse personagem, ao mesmo tempo que é fraco dali a pouco já o acho forte, está sendo um tico desonesto e depois se mostra altamente íntegro, é indiferente, em seguida apaixonado. Tudo vai depender do que está interagindo com ele na cena, acredito que esse é o grande charme do Tengo, ele é real, não há uma característica que domine o tempo todo, ele é altamente humano. Mas os dois ainda compartilham o amor, amor esse que não permite que ambos se encaixem onde quer que seja.

O livro é cheio de metáforas maravilhosas, trás muitas reflexões sobre diversos aspectos como escolhas, religião, principalmente de como as aparências enganam e como uma situação contemplada de pontos de vistas diferentes pode ser julgada de maneira diferente. Houveram reviravoltas que eu não esperava, gostei de mudar de lado, mas no fim me senti em cima do muro, fiquei com a sensação que não há escolha nenhuma, nem certo nem errado. E isso não foi uma metáfora.

Esse livro me fez refletir sobre questões morais, sobre o que é certo, quem está certo e principalmente: há necessidade de alguém estar certo? No fim tudo se define à batalhas pessoais, o que cada um precisa fazer para poder se sentir uma pessoa melhor.

" ...Quanto mais nos esforçamos para nos tornar seres humanos perfeitos e bondosos, mas claro fica o propósito de a sombra querer se tornar negra, malvada e destrutiva."

Voltando ao livro, aqui começam as explicações sobre a Crisálida e Ar e o Povo Pequenino. O que falar disso? Viagem na batata completa e muito louca. Mesmo assim viajei junto, se é para comprar a ideia, comprarei, a única coisa que me incomodou foi uma certa pornografia bizarra que há, tentei digerir mas acredito que necessitarei do último livro para ela poder descer realmente goela à baixo.

As outras coisas sobre esse mundo maluco que ele criou sinto que não preciso de muitas explicações, ele narra tudo em uma velocidade tão dele, que as informações vão vindo, devagar, de forma leve mas perceptível, não me sinto na obrigação de exigir explicação de tudo, me vejo como os personagens: curiosa e assombrada na mesma medida.

"Não havia dúvidas: eram duas luas."

Não me sinto confortável ainda em indicar, pois não finalizei a série, mas acho que ela sempre merece uma chance. Certamente não é uma leitura do agrado de todos, mas se ela conseguir pescar você não haverá arrependimentos.

"...O tempo era curto, mas o problema é que Tengo não sabia onde ela se escondia.
- Ho, ho - disse o ritimista.
- Ho, ho - Disseram, em uníssono, as outras seis vozes."

- See more at: http://leiturasdataisa.blogspot.com.br/2016/02/leitura-1q84-livro-2.html#sthash.BbeN16kL.dpuf

site: leiturasdataisa.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Juliana 07/02/2016

Viagem literária
Gostei do livro 1, me deixou curiosa. Este livro superou expectativas, me deixou presa no suspense do mundo de 1Q84, onde, aos poucos se compreende o poder do Povo Pequenino e o papel de Aomame e Tengo, em meio a muito mistério e suspense. "Não havia dúvidas: eram duas luas."
comentários(0)comente



joabe.lins 22/01/2016

Impressionado com a imaginação desse escritor, recomendo muito
comentários(0)comente



Carol 27/12/2015

Chato!
Se o primeiro livro já foi arrastado, esse então se superou! Mais um livro de trilogia sem final definido, mais um livro extremamente detalhista sem necessidade. Muita viagem.
comentários(0)comente



Blackpantoja 03/09/2015

Que seja doce a dúvida a quem a verdade pode fazer mal
... Não precisamos de todas as respostas, mas um pouquinho mais não faria mal não é❓
comentários(0)comente



84 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6