Dezenove Minutos

Dezenove Minutos Jodi Picoult




Resenhas - Dezenove Minutos


39 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Leeh 10/09/2020

Um livro muito intenso, que te faz pensar muitas coisas. Demorei um pouco a ler pois é um livro que trata de um tema muito pesado e, infelizmente, muito comum nos dias atuais. Me coloquei no lugar dos personagens diversas vezes. Esse livro nos faz refletir muito sobre nossas atitudes em relação à outras pessoas. Como todos os livros da Jodi que li até hoje, esse também é excelente!
comentários(0)comente



Melina 27/08/2020

Não foi uma leitura fácil por causa dos temas tratados e do número de páginas.
Mas, foi uma experiência intensa.
O tipo de leitura que faz você questionar as escolhas e atitudes dos personagens a todo o momento e fica em dúvida se é correto entender ou sentir pena deles.
comentários(0)comente



Kayan 21/06/2020

Vamos falar sobre 19 min.
Não é um conto simples. Aviso que tem tantas partes incrivelmente reais, que você se identifica por ja ter visto/feito/sofrido aquela ação. Todos os personagens são importantes e todos os pontos de vista são debatidos nessa obra.
Não dá pra negar o trabalho perfeito que a autora realizou nessa obra, chega a ser assustador como esse livro descreve a vida mudando em 19 minutos.

Foram 19 minutos para entrar, puxar o gatilho e ser o culpado.

Mas no decorrer dessa obra você se questiona: Quem é o culpado?
comentários(0)comente



Marcela.Simao 22/05/2020

O ser humano deveria aprender a respeitar o próximo. Este livro deveria ser leitura fundamental nas escolas, em casa, pra família. É um mal que aflige muitas crianças. O bullying me chama atenção e me interessei demais, comecei a ler achando que seria uma leitura rápida, mas precisei parar varias vezes para tentar assimilar tantas informaçoes que possui no livro. É impossível não se comover com tudo. Esse caso é fictício, porem, depois da leitura fiquei pensando na quantidade de casos reais que estão espalhados por ai.


site: https://vidanaminhaestante.blogspot.com/
comentários(0)comente



Juliana @jaliagoraesuavez 07/05/2020

PARA REFLETIR
“Sterling é uma cidadezinha comum do interior, onde nada acontece – até o dia em que a quietude é abalada por um terrível ato de violência. Peter, um adolescente socialmente isolado, que há anos sofre bullying, um dia leva uma arma para a escola e abre fogo contra os colegas, matando dez pessoas.”

Essa é a premissa do livro Dezenove Minutos. Um livro forte, que apesar de ter mais de 500 páginas, li em 2 dias (porque estou trabalhando) de tão fluida que é a leitura.

Você se envolve com a história, com os personagens e quer entender porque Peter, um menino comum, de uma boa família, com uma boa vida, foi capaz de um ato tão bárbaro. E, quando você vai se informando de tudo que se passou com ele, você pensa se o que ele fez realmente se justifica, sabe? E se fosse com o meu filho?

Tanta maldade, tanta violência, tanta falta de amor....

O livro é narrado no passado e no presente para que a gente possa entender toda a dinâmica das relações e o porquê desse evento tão trágico que envolve não só o Peter, mas toda a cidade.

Os personagens principais são Peter e sua mãe, e sua melhor amiga Josie, filha da Alex, juíza da cidade. Eles eram amigos de infância que se separaram no ensino médio, um pela popularidade e outro pela exclusão.

Com essa mesma temática já li Precisamos falar sobre Kevin, mas enquanto Kevin foca muito na relação entre mãe e filho, esse foca muito nas relações familiares, no grupo, na vida escolar, no bullying. Achei que aqui a história nos aproxima mais dos personagens, nos faz entender melhor como funciona essa segregação, ainda que eu tenha terminado o livro sem saber se consigo justificar tal atitude de violência.

Teve, ainda, um aspecto no final, que me incomodou na história. Não quer entrar muito aqui para não dar spoiler e não atrapalhar uma leitura futura de vocês. Por isso, o livro não ganhou 5 estrelas.

Mas, espero que vocês leiam, conheçam essa história, se envolvam como eu e, depois, venham debater comigo.

Será que Peter estava agido em legítima defesa? Ele era uma vítima ou só mais um assassino? Fica a reflexão sobre esse tema...


site: @jaliagoraesuavez no Instagram
comentários(0)comente



Fernanda Pereira 24/04/2020

Triste retrato da sociedade atual...
Não consigo deixar de pensar que se as pessoas fossem prioridade na vida de todos, os pais teriam mais tempo para seus filhos ao invés do trabalho, a escola pensaria mais na formação moral de seus estudantes ao invés de conhecimentos acadêmicos, as pessoas se importariam mais umas com as outras...

Talvez isso seja um pensamento utópico, ou ainda que acontecesse não resolveria todos os problemas... mas acredito que boa parte das pessoas que chegam ao limite de tirar a vida de outra não sentiria essa "necessidade"...

O livro me fez pensar em quanto nossa sociedade cuida pouco das pessoas, e as impulsiona cada vez mais para longe daqueles que amam...
comentários(0)comente



Gih 22/03/2020

Sim, em "dezenove minutos, você pode cortar a grama da frente de casa, pintar o cabelo, ver um terço de um jogo de hóquei. Em dezenove minutos, você consegue assar pãezinhos ou que um dentista faça uma obturação no seu dente; pode dobrar as roupas lavadas de uma família de cinco pessoas." Assim como, "em dezenove minutos você pode se vingar."

Mas para Peter, a soma de todas as agressões físicas, verbais e psíquicas, ultrapassam dezenove minutos. Sua vida inteira se deu por esses ocorridos e como resultado, tivemos um garoto com medo, desprotegido, pois ninguém parecia disposto a entendê-lo e ajudá-lo, um sujeito que decidiu fazer justiça com suas próprias mãos.

A narrativa intercalada de passado e presente, apresentando uma visão aérea dos fatos, apenas contribuiu para entendermos a dimensão da catástrofe. Uma sequência de eventos de ameaças, bullying, humilhações, chantagens, rejeição, tudo isso constituiu a vida de Peter. 

Nunca li nada da autora, e como primeira experiência, posso dizer que foi incrível. Eu senti a dor de Peter, de seus pais, de Josie, mas também senti a dor de todas aquelas pessoas que estavam no dia do ocorrido e que perderam alguém importante. 

O final, com certeza foi surpreendente. 

O que fica em meus pensamentos, são como nossas palavras e ações interferem na vida das pessoas ao nosso redor, pois, para Peter, bastou apenas um segundo para decidir que já estava na hora de pôr um fim em tudo o que estava acontecendo. 

Uma palavra pode ser sua sentença de morte ou sua salvação. 
comentários(0)comente



Letícia 20/02/2020

quero ler todos os livros dessa mulher
é o segundo livro da Jodi que eu leio, e mais uma vez não me decepcionei. Apesar de os capítulos serem bem grandes, em nenhum momento me senti cansada da leitura. quanto mais eu lia, mais eu queria ler. nem parece que o livro tem tantas páginas! a escrita da Jodi é super fluida e me deixa entretida do início ao fim.
esse livro fala de um assunto muito sério e sensível, e eu fui capaz de me colocar no lugar de muitos personagens, apesar de não concordar com certas atitudes.
acredito que seja uma leitura muito enriquecedora nesse sentido de nos fazer trabalhar mais nossa empatia pelo próximo.
comentários(0)comente



Mah Nunes 15/10/2019

Dezenove minutos.
Em dezenove minutos vc pode fazer muitas coisas. Acabar com a sua vida e de mais dezenove pessoas.
Nunca pensei que fosse cair de amores por um menino que cometesse um massacre em 19 minutos.
Envolvente. Emocionante e muito inteligente.
comentários(0)comente



Rosângela 12/08/2019

Desonesto
Se o objetivo da escritora era não ofender ninguém, ela conseguiu. Nenhum dos personagens expressa qualquer opinião honesta. As opiniões no livro inteiro são as famosas "em cima do murro", seguras e falsas. É tanta maquiagem e romantização que você termina o livro e pensa: Tem certeza que morreu mais de 8 pessoas na história?
comentários(0)comente



Simone de Cássia 25/07/2019

Apesar de ser ficção esse livro me lembrou, em algumas partes, o sofrimento do ACERTO DE CONTAS DE UMA MÃE que relata a tragédia em Columbine. Ficção ou realidade, a dor e o sofrimento são imensuráveis, e não há como não se emocionar com toda a história. Confesso que no Columbine não, mas aqui me solidarizei muito com o Peter, o autor do massacre, por toda a vida de humilhação, exclusão e angústia a que foi submetido. E ainda que isso não justifique seus atos , pode muito bem explicá-los ( eu mesma tive vontade de fazer picadinho daqueles pestes babacas)... Só não consegui desenvolver empatia pela "mocinha" (ou não), a tal Josie...menininha chatinha, enjoadinha, bestinha. Também não "engoli" muito a explicação de uma atitude dela, mas, deve ser a tal licença poética. Enfim, é um bom livro; não tão bom quanto " A guardiã da minha irmã", mas é muito bom.
Riva 26/07/2019minha estante
O que eu mais gosto nos livros dela é que conseguimos ver (e entender) o ponto de vista de cada um dos personagens!!!!




Wania Cris 21/06/2019

Encantada com Jodi
O tamanho do livro assusta, mas a estória é tão envolvente, tão rica, tão delicada que flui deliciosamente. Infelizmente eu estava numa maré ruim de leitura, o que comprometeu a conclusão da obra, mas que bom que não desisti. Impossível não associa-lo a Precisamos Falar Sobre o Kevin, mas não há como compará-los, ambos são magistrais e analisam a estória por óticas semelhantes, porém diversas. Josi entrou no panteão de meus escritores favoritos e quero muito ler outro dela ainda esse ano. E que Deus me ajude...
comentários(0)comente



Mariana Eleutério 17/03/2019

Talvez o melhor da autora...
Minha leitura dessa semana - a qual geralmente escolho no final dos domingos, acabou por coincidir com um terrível episódio semelhante no nosso país. Claro, evitei de várias formas fazer intercâmbio das histórias, até mesmo pensei em deixa-la de molho por uns tempos, mas acontece do livro cativar bem nas primeiras páginas...

Somos apresentados a Juíza Cromer e sua filha adolescente. Mãe solteira, um pouco ausente, viciada na carreira e louca por Josie (filha). Josie, que apesar de sustentar a aparência de uma garota perfeita, está desmoronando aos poucos.
Do outro lado, temos Peter. O garoto que promoveu um massacre em sua escola. Peter e Josie já foram bons amigos, mas a chegada da adolescência fez com que a menina preferisse se relacionar com "o grupinho popular" enquanto Peter era tremendamente mal tratado. Há toda uma narrativa que transita entre o passado e presente, e podemos ver, claramente, o impulso para que o massacre acontecesse. É cruel, real e incômodo acompanhar o crescimento de Peter. Parece já ter saído do útero direto para os mais diversos tipos de abuso.
O livro tem alguns clichês, é certo. Mas não é algo que chega a atrapalhar, pois é um livro incrivelmente bem escrito. Eu não tinha me dado conta do tamanho dele até terminar, forma como a narrativa é fluida. Para mim, as expectativas, foram satisfeitas, sendo ainda mais emocionante do que supunha.
Bom, no mais, vi uma queda de ritmo quando estamos nos aproximando do final, o livro se torna um pouco moroso. Final que me deixa meio dividida.. Imagino que o caminho seguido foi o ideal, mas por motivos errados.
comentários(0)comente



FabyTedrus 29/07/2018

Dezenove Minutos - Jodi Picoult
UAU! Mais uma vez fiquei impressionada com a capacidade da Jodi Picoult de fazer com que eu me envolvesse e entendesse a fundo todos os personagens do livro, uma capacidade que poucos autores tem. É impossível dizer que o personagem é ruim ou bom, ele é humano e depois de conhecer ele tão bem pela descrição não tem como não chorar e ficar com o coração partido com alguns finais não tão felizes. O livro é a dissecação de um crime, um tiroteio na escola causado por um menino que sofreu bullying 'desde sempre'. E mesmo sendo um tema tão forte e também tão comum, afinal tem nunca sofreu com isso na escola?, é a forma como a autora trata tudo tão honestamente, sem ser piegas que deixa o livro simplesmente sensacional. Apesar de ter feito a leitura mais lentamente do que o normal, culpa da preguiça, e do livro ter capítulos enoooormes, posso dizer que foi um dos melhores livros lidos esse ano, e mais um que merece ser favoritado. Super recomendo, leiam, leiam e leiam! (Agosto/15)
comentários(0)comente



Ca Agulhari @literario_universo 12/06/2018

Que livro incrível!
Primeiro livro da autora Jodi Picoult que leio. E foi o suficiente pra me fazer apaixonar pela escrita dela. Ela é capaz de fazer você amar e odiar um personagem como se ele estivesse ali, do teu lado.

Não me lembro de ler recentemente um drama que fosse tão real e tão doloroso ao mesmo tempo. Como mãe, pude sentir nuances que talvez outros não sintam. Como alguém que já sofreu bullying, pude sentir na pele de novo o que é você ser ridicularizado apenas por ser quem é. Pude sentir um mix de raiva, de impotência durante a leitura que não pensei que existisse mais. O bullying deixa marcas profundas e há quem diga que você precisa ser forte, que você precisa saber ignorar, mas Peter assim como muitas pessoas e eu me incluo nessa lista não conseguem "simplesmente ignorar". Ao ler a sinopse você já sabe que Peter matou dez colegas. Mas lendo o livro você descobre todos os porquês. Você sente a rede de conexões se ligar e não é possível ignorar o que acontece a menos que lhe falte empatia. Podia parecer *só mais um livro sobre bullying* mas não é esse o caso. Ele é maduro, embora tenha personagens adolescentes, não é raso, não é teen, não é melodramático. É real, é cruel, é triste, é um tapa na cara da sociedade que acha que bullying é mimimi.

Se você é fã de dramas, se você é fã de livros com carga emocional, se gosta por exemplo de Liane Moriarty, é bem capaz que ame "Dezenove Minutos''. Mas esteja preparado porque você vai lidar com páginas e mais páginas de uma história coesa, cheia de personagens que parecem reais, que estão ali, morando do outro lado da tua rua. Amei vários, odiei outros, por Peter eu senti uma mescla de sentimentos. Você acaba repensando todas as suas opiniões quando você se depara com uma história que não é 8 ou 80: nesse livro não há simplesmente um assassino e suas vítimas. É tudo muito mais do que aparenta ser. Ir e voltar do passado pro futuro entre as personagens pode parecer maçante para alguns leitores mas essa habilidade da autora foi o que, na minha opinião, deixou a história tão perfeita. "Dezenove Minutos" está no meu TOP10 da vida e dificilmente acho que vou encontrar um livro que o supere. Recomendo!

Originalmente publicada em ''Universo Literário''

site: https://cagulhari.wixsite.com/universoliterario/universoliterario/
comentários(0)comente



39 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3