A Sociedade Cinderela

A Sociedade Cinderela Kay Cassidy




Resenhas - A Sociedade Cinderela


23 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Fernanda 18/06/2013

Resenha: A Sociedade Cinderela
Link da resenha no blog Segredos em Livros:

http://www.segredosemlivros.com/2013/06/resenha-sociedade-cinderela-kay-cassidy.html

Resenha: Em “A Sociedade Cinderela” somos apresentados a uma história dinâmica e contagiante. Aquele tipo de história onde você se sente comprometido de verdade com os personagens. Sabe aquela pessoa que não se sente confiante em nenhum lugar? Ou melhor... que vive nas sombras diante da sociedade? Essa é a descrição inicial de Jessica – Jess – Parker, uma menina de dezesseis anos que já mudou várias vezes de escola, fazendo com que fosse sempre tachada de “a garota nova”. Parece clichê né? Olha que daria um bom filme ao estilo adolescente, ao qual conhecemos as tramas e consequências das garotas boas e más, em busca de mais popularidade ou algo do tipo. É aquela trama que envolve intrigas, disputas e confusões entre colegas de escola. Mas acima de tudo chama a atenção para a parte de autoconhecimento onde cada uma aprende a se desenvolver melhor e a seu modo, se adaptar para uma nova visão de liberdade.

“Há momentos na vida em que você sabe que as coisas nunca mais serão as mesmas. Quando é chamado às raias da aventura e tem a chance de se libertar, sem inibições passadas, e reivindicar a vida que você nasceu para viver.” Pg.07

Eu adoro histórias que narram sobre sociedades secretas e esse, particularmente, chamou a atenção especialmente porque se tornou original sob vários ângulos. Primeiramente porque o tipo de sociedade citado é o oposto ao qual estamos acostumados a ler e depois porque, os próprios personagens se fazem irreverentes em um ambiente totalmente moderno. Essa “Sociedade Cinderela” é formada por garotas populares, poderosas, intensas e cheias de glamour. Elas, na verdade, só desejam utilizar todo esse poder para proteger as pessoas mais indefesas e de alguma maneira, fazer o bem ao redor delas. Na nova escola, Jess recebe um convite para fazer parte desse mundo encantado. Percebeu que o símbolo dessa sociedade é um sapatinho de cristal né? Mas será que tudo é tão encantado assim? A menina está achando que finalmente encontrou seu rumo e amigos dispostos a ficarem ao seu lado, independente do que possa acontecer, porém nem tudo é o que parece. A cada dia que passa, Jess fica mais assustada e confusa por causa de tantas responsabilidades.

"-Para se tornar uma verdadeira poderosa, é preciso se sentir completamente confortável com o que faz de você ‘você’. Deve se sentir confiante sobre quem é como pessoa. – Ela ticou acima a palavra Personalidade. – Precisa se sentir satisfeita consigo mesma. – Ela fez uma marca sobre Aparência. – E precisa entender seus pontos fortes e saber como usá-los a seu favor.” Pg. 69

Tudo mudou depois que Jess enfrentou a garota mais superficial e poderosa da escola. Lexy Steele era arrogante e pasava por cima de todos, sem ligar para as consequências. As coisas ficaram um pouco descontroladas, mas foi justamente por causa desta situação que Jess percebeu que poderia mudar algo em sua vida monótona e inútil. Vale destacar que havia também rótulos entre os grupinhos. As Cindys eram as meninas que faziam parte da sociedade, as Malvadas eram simplesmente o oposto, querendo causar somente tumulto e os Joviais são os alunos que não se encaixam em nenhuma turma.

“De várias maneira, brincar de Cinderela é como observar um acidente de trem em câmera lenta. Você fica morrendo de medo do que pode ver quando tudo acontecer, mas não consegue deixar de olhar. Principalmente quando se suspeita de que talvez você seja o trem.” Pg.90

Nesse ambiente, Jess vai aos poucos se transformando e se conhecendo mais, de acordo com cada desafio ultrapassado. O romance também é colocado de um modo sutil e fofo, fazendo com que o leitor se deleite com os acontecimentos compreendidos. Ryan aparece na trama para acrescentar um ar de magia e amor, e posso dizer, que no decorrer dos fatos, se torna impossível não se encantar por ele. Acredito que o ponto principal deste livro é o amadurecimento e a superação. Me senti super a vontade com a personagem principal e até me comparei a ela, no sentido de personalidade. Impossível é não se encantar por esta história. E vai dizer que a capa não é linda de sua maneira simples e cativante? A Galera Record está, mais uma vez, de parabéns pela excelente edição.

“Oh, querida Irmã, nós nos unimos a ti
Para celebrar essa grande ocasião.
Quando a hora chegar, e as batalhas vencermos,
Iremos nos reunir em comemoração.” Pg.130


Link da resenha no blog Segredos em Livros:

http://www.segredosemlivros.com/2013/06/resenha-sociedade-cinderela-kay-cassidy.html
comentários(0)comente



Camis 08/06/2013


Imaginem uma sociedade secreta formada apenas por garotas e destinada a proteger todas as pessoas que são oprimidas por valentões do colégio. Imaginem que essa sociedade secreta tenha influência nacional, e seus membros superiores sejam as mulheres mais poderosas do mundo. Agora imaginem que o símbolo dessa sociedade seja um sapatinho de cristal. Imaginou? Essa é A Sociedade Cinderela.

Jessica, ou Jess, vivia um inferno no colegial sendo a garota nova que “roubou” da poderosa Lexy Steele sua posição na equipe de líderes de torcida. A garota Steele podia ser o pior tipo de inimiga que alguém pode ter, e Jess sabia muito bem disso. Mas ela estava cansada de ser oprimida por Lexy sem revidar, e foi por isso que quando ela a viu atormentando a inocente Heather, Jess não aguentou e acabou se intrometendo na briga.

Mesmo que a discussão com Lexy tenha saído um pouco fora do controle, Jess não imaginava que no final iria tirar algo de bom da situação. Após ter enfrentado Lexy Steele publicamente, Jessica foi convidada para ingressar na Sociedade Cinderela. Um sociedade formada pelas garotas mais autoconfiantes e populares do colégio.

As Cindys são aquelas que fazem parte da sociedade, assim como Jess, e seu objetivo é um só: proteger os Joviais contra as Malvadas e os Vilões. Malvadas e Vilões são como as Cindys chamam os populares valentões e valentonas do ensino médio, é os Jovias são os pobres alunos que não fazem parte de nenhum dos dois grupos, apenas são as vítimas. Os mandamentos da sociedade são apenas dois: 1°) Proteja-se. 2°) Proteja os Joviais.

Será em busca de força para se proteger e proteger os inocentes, como Heather, que Jess vai passar por uma completa transformação. Ela contará com a ajuda das Cindys, é claro, para sair da defesa e partir para o ataque, deixar de ser a Jess sem autoestima, para se tornar a Jess confiante e poderosa. Com toda essa transformação ela também espera chamar a atenção de Ryan, o irmão gato de sua arqui-inimiga, que se encontra no grupo dos Encantados (os garotos bonzinhos que valem a pena).

Eu realmente não sabia o que esperar de A Sociedade Cinderela, já que as opiniões quanto a este livro são tão divergentes. Acho que talvez por ter lido resenhas que falavam que o livro era uma decepção eu tenha ficado com expectativas tão baixas que acabei amando o livro. Mas o fato é, adoro! Vi pessoas falando todo tipo de coisa sobre o livro ou sobre onde a autora pecou, mas em minha opinião A Sociedade Cinderela é tudo o que você pode espetar de um livro teen: leve, romântico, divertido, e bem humorado.

Ao contrário da maioria das personagens femininas atuais, Jess não é do tipo de garota retraída que se deixa abater por qualquer comentário maldoso e acaba lamentando sua vida inteira durante todo o livro. Nada disso. Jess é uma protagonista pela qual sentimos vontade de torcer. Ela é guerreira, tem um senso de justiça próprio, determinada, e que busca, durante todo o livro, provar o seu melhor. Nada de mocinha chorona! Apesar de que em certos momentos o drama é inevitável, e entendi perfeitamente a necessidade de um pouco de choro e desespero que a autora acrescentou.

A narrativa de Kay é bem suave, com um vocabulário simples e atual. Vemos no decorrer do livro inúmeras dicas que as Cindys dão uma para as outras que acabam atingindo o leitor, e vemos que essas dicas valem pro mundo real também. A Galera Record caprichou nessa capa lindíssima (que pessoalmente é ainda mais bonita), no entanto, encontrei alguns errinhos da revisão, mas que não diminuíram o meu ânimo de ler. Se você procura algo pra se distrair e se divertir, A Sociedade Cinderela é a dica perfeita, que com certeza vai te agradar. Mal vejo a hora de ler o próximo volume da série!

"- Para se tornar uma verdadeira poderosa, é preciso se sentir completamente confortável com o que faz de você você. Deve se sentir confiante sobre quem é como pessoa. – Ela ticou acima a palavra Personalidade. – Precisa se sentir satisfeita consigo mesma. – Ela fez uma marca sobre Aparência. – E precisa entender seus pontos fortes e saber como usá-los a seu favor. (Página 69)"

"- Para onde? – perguntei, depois de recuperar a voz.
- Para algum lugar público, assim terei de manter as mãos longe de você. – Ele colocou o câmbio automático em drive. – Mesmo que essa seja a última coisa que passe pela minha cabeça. (Página 156)"

http://nolimitedaleitura.blogspot.com.br/2013/06/the-cinderella-society-1-sociedade.html
Moniiqueta 12/06/2013minha estante
Ahhh adorei o quote final que vc postou na resenha só me deixou mais ansiosa ainda pelo livro..acabei de comentar no blog o quanto fiquei encantada pelo livro sua capa e sua sinopse..parece ser aquela leitura bem leve e divertida..nada de extraordinário a ser descoberto..
Super ansiosa para poder ler um livro fácil e leve e voltar aos tempos do colégio quando existiam os valentões kkkkk


Lets 12/06/2013minha estante
Ótima resenha! foi por ela que eu "descobri" esse livro e me interessei por ele. Quero muito ler!


Cathi 12/06/2013minha estante
Muito bom.


Carol 12/06/2013minha estante
Adoro suas resenha!
Estou ansiosa pra ler este livro e se nao ganhar na promo, com ctz vou comprar, mila!
beijooos


Karina Erika 13/06/2013minha estante
Parece ser mais um romance água com açúcar do colegial.Mas com um grande diferencial:A SOCIEDADE CINDERELA.E parece ser isto o que faz deste livro fugir da terrível "pluralidade" o tornando assim uma obra singular.A capa é linda mesmo.incrível.E eu fico feliz em saber que a personagem central,Jess,não é uma chorona/reclamona,por que,depois da Ever,de Para Sempre,a minha cota para aguentar tamanha chatice desceu para zero.

o último quote é ....sem palavra aqui...lindo,talvez resuma o que eu quero dizer!

amo suas resenhas!


Beth 14/06/2013minha estante
O livro é diferente ee gostei muito.


Rodrigo Lessa 16/06/2013minha estante
Que interessante! Adorei a resenha, estou conhecendo esse livro agora e ele parece ser muito bom. Nossa SOCIEDADE CINDERELA, um nome forte, até cheguei a pensar que todos eram Cinderelas haha, todos com sapatinhos de cristal, mas ai li a resenha haha.. Adorei. quero muito esse livro. Nossa, já quero ler o que vai acontecer nessa sociedade, nesse lugar secreto, adoro isso.


Thay Ribeiro 20/06/2013minha estante
Sou apaixonada por livros com adolescentes, então me interessei muito por esse.


Mih Fraga 22/06/2013minha estante
LINDA RESENHA *-*
É maravilhoso saber até que marcou como favorito. Porque pela sua resenha o livro me ganhou por inteira! Preciso de verdaadeeee e naaada muda isso, haha.
Super mais do que fofos os quotes :D
Ain, sério, sem palavras até.


DomDom 28/06/2013minha estante
Eu gosto bastante de livros com essa pegada bem teen. Geralmente são leituras bem leves e divertidas. E pela premissa do livro, diversão é o que não deve faltar. Gosto também quando a personagem não faz a linha "sou sofrida, sintam pena de mim". E creio que esse é um ótimo livro pra uma tarde bem despretensiosa.


Roberta 30/06/2013minha estante
Louca pra ler esse livro!


Laine 02/07/2013minha estante
Na verdade se eu tivesse tido um livro deste no meu tempo de escola, creio que teria sido mais fácil encarar os desafios. Mas, eu gostei e posso tirar o supra-sumo desta história e, ajudar minha filha que felizmente ou não, ainda irá passar por isso.


Lu_sJesus 02/07/2013minha estante
gostei. espero ganhar o livro e gostar dele tanto quanto gostei da resenha.


Marina 03/07/2013minha estante
não tinha visto ainda essa resenha mais assim que li adorei e espero que eu ganhe o livro !


Thaís 02/10/2013minha estante
Faz tempo estou com vontade de ler esse livro, realmente me interesso por livros que as pessoas não dão criticas positivas mas quando os leio vejo que não é bem assim e que o livro é bom sim.


Andressa 25/04/2015minha estante
Cheio de spoiler a resenha =/




* 02/05/2013

Logo de cara já vou lhe dizer que Sociedade Cinderela foi uma decepção.
Não se deixem enganar pela sinopse instigante, nem pela capa de menininha muito bem feita. O livro não é nem a metade da propaganda.

Jess é nova na escola, NOVAMENTE, pela nona vez. O trabalho de seu pai fez com que ela e sua família se mudasse muito, o resultado de tantas cidades e escolas diferentes é que ela jamais conseguiu se enturmar em nenhuma delas. E quando alguma amizade estava quase acontecendo, ela tinha que fazer novamente as malas, até que sua mãe engravida de forma inesperada, de gêmeos. Sem querer que os bebês vivam como nômades como Jess viveu a vida inteira a família resolve voltar a cidade natal de sua mãe, para que ela possa ter e criar os bebês perto de Nan, avó de Jess.

Mesmo sabendo que está será a ultima parada, ela ainda sente dificuldade em fazer amizades. Sua única diversão em todas as escolas por onde passou foi a equipe de líderes de torcida, e na escola nova não é diferente. Ela consegue entrar para a equipe, mas para isso uma pessoa foi deixada de fora: Lexie. A garota mais malvada que Jess já conheceu, e claro com o humor que a garota têm ela não iria deixar essa afronta barata. Ela revida tornando a vida de Jessica um inferno, e nossa mocinha estar apaixonada pelo irmão mais velho dessa vilã é só mais uma péssima ideia.

Depois de passar por várias humilhações que Lexie armou, Jess acaba ficando sem esperanças, até que uma carta é posta anonimamente em seu armário, onde contem um convite e um broxe em forma de sapato de salto alto. Que significa na verdade um passe para o clube das Cinderelas Modernas, que não estão unidas em busca de fadas madrinhas e príncipes encantos, mas sim na luta contra o mal.

É ISSO MESMO QUE VOCÊ LEU. Existe uma Sociedade Secreta de caráter mundial onde todas as mulheres mais importantes do mundo (Senadoras, atrizes, modelos, ícones da musica) se unem contra as malvadas: Mulheres que tratam as outras mulheres de forma ruim (ou melhor, que praticam bullyng com outras garotas). E uma das sub divisões dessa sociedade é dentro de um café, famoso por ter como dona uma ex-modelo, que é comandado por alunas do ensino médio, que tem como objetivo combater outra Sociedade Secreta chamada Atena(clube das malvadas). É aí que Jess entra. Ela é convidada a entrar na Sociedade como uma alfa em formação. Ela irá passar por uma transformação de visual (parte da fada madrinha) e terá aulas para aprender a ser mais forte e bem revolvida para lidar com as “malvadisses” sem ceder ao impulso de ficar mal. Ou seja, quando uma malvada te trata mal, você obviamente fica mal. O objetivo do clube é fazer com que você tenha capacidade de deixar a ofensa de lado e não se abater e para isso você tem que estar bem consigo mesma.

Até aí faz sentido pra mim. Quem nunca passou por uma situação difícil Arrumou uma desavença? E por mais que seja muito fácil falar, na vida real é difícil você não se abater com palavras negativas. Só não tirei todas as estrelas do livro pela mensagem que ele passa: Seja você mesma, se aceite e acima de tudo mantenha sua cabeça erguida em qualquer situação.

Mas todo esse treinamento é parte de algo muito maior. Proteger as Joviais (mistura das palavras jovens e normais), ou seja todas aquelas que não são nem Cindys (membro da Sociedade Cinderela) nem malvadas (membro da Sociedade Atena) dos ataques sofridos no ensino médio.
A trama é bem complexa, é eu sei não parece. Pela capa deduzi que este seria mais um livro água-com-açúcar de romance com final bonitinho, mas não é. A leitura discorre facilmente (embora eu tenha ficado entediada), mas acabei tendo que ler com mais atenção, para poder entender todo o esquema da Sociedade. Ela não é apenas mais um clube da luluzinha, e sim uma grande organização que tem membros no mundo inteiro, governada por uma organização maior ainda chamada ÍSIS, esta sim é recheada de atrizes, modelos e pessoas importantes. É ai que a leitura "pegou" pra mim. Eu levo super na boa uma história de vampiros, lobisomens, anjos e afins, mas não consegui encarar com seriedade uma sociedade mundial para proteger as garotas das "Malvadas", enquanto eu lia, a cada vez achava a ideia mais absurda. Não que uma história de vampiros, por exemplo, não seja, mas sinceramente eu acreditaria mais rápido se meu marido me contasse que é um vampiro do que em um convite para uma Sociedade Secreta desse porte. Enfim, quase todas as estrelas foram tiradas por eu achar a ideia absurda mais para ser digerida.

Outro ponto na trama que contou a favor e contra foi a parte do romance. Jess se apaixona por Ryan Steele, irmão mais velho da líder das malvadas do ensino médio, Lexie. O romance tinha tudo para ser a parte bonitinha do livro, mas mas começou e já apareceram os problemas conjugais. Qual é! O personagem do Ryan no começo era cativante, mas aos poucos "sua história de vida" começou a interferir demais na narrativa. Sua mãe morreu a alguns anos atrás em um acidente de carro, Lexie estava com ela e saiu apenas com alguns arranhões. Agora vocês já sabem o porque de metade dos problemas dessa família, e olha que ela tem problemas viu. Voltando para o romance, embora eu tenha achado bagunçado e forçado em alguns momentos, eu acabei gostando, um POUQUINHO dele.

Agora a pior parte. O livro tem um problema central, que eu não posso explicar, mas você e precisa saber que a meu ver a autora esqueceu sobre o que estava escrevendo e perdeu o fio da meada, porque ele não é resolvido no final do livro. A autora enrola, enrola, enrola e quando você vê esta na ultima página e sem respostas. Ok, eu sei que terá continuação, mas é inconcebível ela não resolver NADA do que ficamos matutando com a personagem principal o livro inteiro. E ainda por cima nem gancho para o próximo volume há no final. Lastimável, e uma grande perda de tempo, essa foi a sensação quando finalmente fechei o livro.

Essa é uma história onde temos muitos personagens, afinal uma Sociedade não é feita apenas de poucas pessoas, então não vou me demorar falando de muitos. Jess era o tipico bode expiatório e eu achei que ela lidou muito bem com isso, assim como também lidou muito bem com sua virada de vida. Não tenho do que reclamar da personagem. Ela é corajosa e paciente Qualidades necessárias nesta narrativa. Sarah Jane, é a líder das animadoras de torcida e fada madrinha, ou melhor dizendo, irmã mais velha (de Sociedade) de Jessica, uma personagem muito fofa, que deixa a história mais doce. Lá vamos nós para mais uma crítica. A família da personagem principal praticamente não aparece E DEVERIA APARECER, vai por mim.

Quanto ao final é como eu disse acima, não esperem muito, ou melhor: Não esperem nada!
Daniela 27/03/2015minha estante
Foi uma decepção para mim tb. Criei tanta expectativa, aguardei a oportunidade de adquiri-lo e enquanto lia continua dando chances do livro me surpreender...nada aconteceu. Achei a história mal construída... e o livro tem continuação, não sei pra quê.




Biah @garotapaidegua 03/05/2013

Jess é uma personagem meio desajeitada. Ela já mudou de escola tantas vezes que fica sempre muito difícil se encaixar, por isso ela mesma já se chama de 'eterna garota nova'. Porém em sua nova escola, além de se apaixonar pelo irmão mais velho de sua arqui-inimiga, ainda terá a chance de participar de uma sociedade muito especial, a Sociedade Cinderela. Nessa sociedade você tem a chance de mudar o visual e o guarda roupa em busca de seu estilo próprio, mas não é só isso. As Cindys tem o lema 'celebrar sua força, abraçar seu futuro, e ser extraordinária'. Mas não é só mudança de visual não. A missão das Cindys é séria: proteger os Joviais da influência das Malvadas, outro grupo de meninas, mas o objetivo destas últimas é manipular os outros ao seu bel prazer, o que não deixará a vida de Jess nem um pouco mais fácil.

Apesar de toda essa questão de Cindys e Malvadas, o livro não é mais uma daquelas eternas lutas entre o bem e o mal dramáticas que a gente conhece. Na verdade eu achei bem interessante a ideia da autora de fazer a comparação do bem como o mal no papel das Cindys e das Malvadas, sem falar que também existem os Encantados e os Vilões, respectivamente os rapazes bons e maus. E é bem divertido. Sabem como é, livros de High School tem um clima único, em minha opinião. Eu não sou de curtir muito esse tipo de livro por que é sempre meio bobinho, mas pela autora ter inserido esse contexto da luta do bem contra o mal desde a adolescência e sendo continuado na universidade e além, ficou diferente.

Eu só acho que a evolução de Jess dentro da Sociedade foi rápido demais e sem bons motivos, e isso me fez desacreditar um pouco na estória. Tudo bem, Jess estava destinada a algo maior, mas isso podia ter sido descrito de uma forma mais crível. Ficou muito atropelado e artificial. Alguns aspectos da relação entre ela e Ryan também ficaram forçados, mas mesmo assim eu gostei do relacionamento deles. Quero saber mais sobre como tudo vai se desenvolver mais pra frente. Jess fez alguns pontos no quesito romance ao não se arrastar aos pés de seu amado, como acontece em alguns livros.

Eu gostei muito do livro, apesar de tudo. Eu o li de uma 'sentada' só, e apesar de ir notando os 'defeitos' não parei muito tempo para analisá-los, seguindo em frente com a leitura o mais rápido possível. Não é um livro que vai lhe ensinar grandes lições, apesar de ter alguns toques legais para as meninas, mas é divertido e de fácil leitura. Então, leiam! É ótimo em seu gênero ;)

Resenha originalmente postada em www.garotapaidegua.com
comentários(0)comente



Vasya - A Corsária 29/01/2021

Se Empodere Enquanto Ofende Outras Mulheres
"Às vezes um ato de gentileza casual que parece não ser nada para você pode significar tudo para outra pessoa."


#28 - Primeiramente: Não recomendo esse livro, ele entrou na lista de "não recomendaria nem pro capeta" já sendo o terceiro em 2021 - esse ano promete porque estamos em janeiro ainda. Tudo nele e estupido e machista demais para o público em formação de pensamento (o famoso jovem adulto).

Segundamente: Eu queria escrever isso como aquele refrão "eu vou descer a lenha mas não vou descer do salto" mas no momento estou descalça - e com raiva - e parei pra pensar que se eu tivesse ganhando uma coxinha para cada "mas… puta que pariu que baboseira é essa" minha casa seria uma filial do ragazzo, então desculpe pelos xingamentos ao longo da resenha - não serão muitos.


Agora vamos a resenha

Quando comecei esse livro eu achei que ele seria pelo menos engraçado, queria ler ele desde 2014 então eu sabia que ele teria envelhecido mal - como qualquer livro desse anos alias - só que eu não achei que teria ficado tão podre pelo céus. Esse livro foi igual aos meteoros que caíram em cima dos dinossauros... um grande desastre. Nas primeiras páginas ele já estava me lembrando o esquadrão da moda e eu nunca gostei desse programa então vai vendo.

Enquanto eu lia aquela cena dela sendo aceita no grupo - que até agora eu não sei se era na verdade só uma seita de coach muito estúpida - eu não sabia se elas eram um grupo de fadas ou bruxas, já que elas estavam lutando contra o mal - não tem a cara de clube das wings???? - Serio, elas começaram a ser arma contra o mal e eu toda perdida... e pior, vou dizer, acho que esse livro tem continuação mas eu não vou ler já me torturei demais esse mês ou pra vida toda.

Acho que eu teria levado numa boa esse remake de como cães e gatos se não fosse tão ofensivo e machista. (falando nisso, vocês já assistiram esse filme? Ele é muito bom - na categoria dele, claro)

"Nada de conversa malvada. Você devia saber exatamente o que ele vê. Você é inteligente, engraçada e muito bonita. E tem um bom coração. Encantados sempre ficam com as garotas de bom coração. Pensei na Loura Falsa..."

Vocês querem saber quantas vezes ela chamou outra garota de loira falsa: 19 vezes
A troco de nada rapa!
Sem falar dos "peitudas" e as insinuações de que as outras eram menos inteligentes por vestirem roupa tal ou como elas eram vulgares por saírem com vários rapazes, que porra de sociedade e essa que quer da empoderamento mas deixa a líder pensar esse tipo de coisa (já vou falar desse lance da Jess ser a líder) quem deu a declaração bela, recatada e do lar fez seus mestrado encima desse livro porque puta que pariu que baboseira.

E outra coisa esse comentário aí de cima nem faz sentido, já que a própria Jess teve que fazer uma transformação para ele poder sequer ver ela, porque quando ela era só "inteligente" ninguém dava bola.
Sério, estou na duvida se o fato do Ryan se interessar nela só depois dela ser transforma faz dele um babaca ou um abutre social safado.

Eu realmente não sei quando o livro realmente começou ficar ruim, tenho os quotes do tipo "Lembre-se de como você se sentiu com elas quando for às compras, e não ceda à tentação só porque alguma coisa está ''na moda". Só está na moda para você se for adequado" isso não parece bacana? Futurista até... mas aí ela me solta umas pérolas do tipo "A conversa costuma ser artificial? Será que as garotas falavam sobre pedicures ou fofocas ou outras coisas fúteis? Essas eram as perguntas na minha cabeça." aí não dava, minha filha, a vida não é um filme estereotipado da netflix não, as mulheres conseguem ter um papo que vai além dessas coisas e se ela quiser só falar de pedicure e afins não quer dizer que são fúteis não.

E ainda reclamando do tipo de "garota ideal" - porque tem outro trecho que eu grifei pra reclamar - que coisa mais arcaica, deixa as meninas beijaram que elas quiserem sem colocar esse rótulo maldito, acho que a Jess seria mais feliz se não ficasse presa a isso, sei lá, ela e o Ryan poderia conversa sobre o relacionamento deles e conserta tudo de cara sem aquele drama do final "está com você e como esta de volta em casa’’ tu tem 17 anos menino e ainda mora na casa dos seus pais que papo é esse???????????????? e já queria dizer que sou contra essa frase desde que reli belo desastre a um ano.

Aí tem os joviais que até agora eu ainda não entendi de que caralhos eles tinham que ser salvos - elas deram uma explicação meio blé mas eu não engoli não.
"O que elas ganham mais tarde fazendo as Joviais de alvo? Eu entendo esse jogo de poder, mas é apenas uma questão de ego?" A principal só se faz essa pergunta no final do livro, passou o livro inteiro treinando pra guerra e nem sabia porque, que coisa mas nada a haver minha filha você é burra? E voltando a falar disso porque a Jess foi escolhida para ser a líder da geração delas das Cindy??? Gente não tinha ninguém mais qualificado? A outra lá estava treinando pra ser a nova chefe e pá... Jess aparece sem treinamento, sem saber o que está acontecendo e sem um fio de senso no corpo.
Achei patético… como todo o resto do livro.

Enfim, dei duas estrelas mas não recomendo… nem pro capeta!
comentários(0)comente



Ca Agulhari @literario_universo 26/01/2017

Abandonei, retomei e realmente, é uma porcaria.
Pensa em um livro fútil. Aí eleva à milésima potência se for possível. Que livro cheio de NADA! Uma história totalmente sem sentido que termina sem desfecho, PERSONAGEM MUITO chata, enredo totalmente viagem! A autora escreve bem mas a história é um lixo!
comentários(0)comente



Zilda Peixoto 15/05/2013

A Sociedade Cinderela

“Solicita-se sua presença no Moinho. Hoje, às 19 horas. Use o broche. A discrição é OBRIGATÓRIA”

Calma! Muito calma nessa hora! Não se precipite em aceitar qualquer convite que vá parar em suas mãos. Você pode se arrepender e entrar numa tremenda enrascada. Depois, não vá dizer que eu não avisei!

“ É devagar, é devagar, é devagar, é devagar, devagarinho...” é no ritmo de Martinho da Vila que iniciamos a saga de Jess em A Sociedade Cinderela. Com uma nova roupagem o livro promete ousar, reinventar o tradicional conto da Cinderela,mas não passa da largada. Frustrante, cansativo e terrivelmente enfadonho A Sociedade Cinderela é um livro que engana direitinho o leitor. Se prestarmos atenção a sinopse, com certeza, ela nos influenciará e com isso, o interesse pela leitura será momentâneo. A capa também é outro ponto atrativo. E só. Infelizmente, o leitor terá de passar pela leitura para avaliá-la mais detalhadamente.

O que sei é que fiquei muito furiosa durante a leitura e vou tentar conter meus impulsos. E nem sei o motivo de tanto alvoroço em torno do livro, já que por aqui esse livro era tão aguardado. Nada justifica, porém vamos tentar entender.

A narrativa mirabolante criada por Kay Cassidy vai contar a história de Jess, uma adolescente de 16 anos que já passou por nove cidade diferentes e por isso, não consegue se entrosar com ninguém pelas escolas que onde frequentou. Sendo assim, Jess carrega o status de Garota Nova. O que Jess mais desejava era ser aceita pelas garotas da escola, mas a Malvada Lexy está em seu caminho para ridicularizá-la a qualquer momento. O que Jess não contava é que sua vida estava prestes a mudar, graças a um convite enviado pela Sociedade Cinderela.

A Sociedade era um grupo secreto constituído pelas garotas mais populares da escola. E com grandes promessas de transformação também haverá o ônus dessa aceitação. Jess nunca imaginaria que deixar de ser “invisível” aos olhos dos outros exigesse tamanha responsabilidade.

Sabe aquela máxima: “Parece, mas não é”. É exatamente isso que caracteriza A Sociedade Cinderela. Aqui as irmãs malvadas do tradicional conto foram reformuladas e agora são apenas as Malvadas, as populares são intituladas Cindys. E não poderia faltar o príncipe que aqui são denominados por “Encantados” e os garotos maus são os temidos “Vilões”, e quem não se enquadra em nenhuma dessas posições são os “Joviais”, jovens que sofrem com as Malvadas e que as Cindys tentar salvar.

Feito as devidas apresentações o que posso salientar é: além da pouca criatividade na composição dos personagens a autora viaja completamente. Quando digo viajar é pirar mesmo. Kay inventa uma história sem pé nem cabeça. A ideia de formar uma sociedade onde as garotas de bom coração lutam pela igualdade de serem respeitadas (dentro e fora da escola) é até relevante. Mas, a maneira como a autora conduz a história é que é fantasiosa demais. Fez-me lembrar aqueles filmes juvenis onde adolescentes disputam a atenção dos meninos, onde loiras siliconizadas tomam conta do território, entre outros esteriótipos típicos desse tipo de narrativa.

O livro promete ser ousado e divertido, mas só fica na promessa. Não vejo significado algum em seu propósito. Nem como entretenimento A Sociedade Cinderela cumpre o seu papel. A ideia de transformar o mundo aliás, a escola, num espaço onde os populares e os “não-aceitos” possam viver em harmonia é extremante equivocado, já que para ser aceito você não precisa ser igual ao outro. E é nesse ponto crucial que a autora peca e muito. Em sua biografia Kay Cassidy diz ter sido ex-líder de torcida e ex-integrante de uma república de garotas e talvez, tenha sido esse um dos motivos para que ela criasse uma história tão superficial. Utilizando-se de sua experiência, a autora recriou o ambiente escolar com todas suas características.

A personagem Jess é uma garota muito passiva. Chata ao cubo. Sempre aceitando todas as humilhações que a Malvada Lexy impõe, enquanto Lexy e suas subordinadas representam o que há de mais superficial. A Sociedade Cinderela é como se fosse um manifesto feminino juvenil para o século XXI com uma proposta vaga, superficial e despropositada. Uma simples ida ao shopping center renderia mais frutos e pouparia meu tempo, já que para dar vida a tal sociedade a autora faz inúmeras referências a marcas de roupas, maquiagem, cremes e blá blá blá.

A autora só consegue atrair a atenção só no último capítulo. (um breve momento de palmas!!!) e só. O livro termina. Deixa para o segundo volume da série a grande mudança, ou quem sabe um desenrolar mais interessante ( é preciso crer!). Enfim, acho que sua aposentaria poderia ser adiada. Kay Cassidy teria sido uma excelente líder de torcida por mais alguns anos.

Os capítulos são medianos e talvez por esse motivo tenham sido tão cansativos. Li o livro em poucos mais de um dia e, só não li em poucas horas porque também não sou de ferro (precisava respirar e repetir inúmeras vezes: Força! Força! Vai que você consegue!)

O livro é narrado em 1ª pessoa e vamos acompanhando a jornada de Jess rumo à descoberta de ser aceita e o preço a ser pago por isso. Ryan, irmão da Malvada Lexy rouba a cena nos últimos capítulos tornando a narrativa um pouco menos tediosa, mas infelizmente ele não consegue salvá-la. No fim, Kay causa aquele frenesi só pra justificar a existência do próximo livro.

Em relação ao projeto gráfico não tenho o que reclamar. A capa do livro é fofa. Simples, porém estilosa. A revisão fizera um bom trabalho. A fonte utilizada é bem grande em relação aos demais livros da editora, dessa forma facilitam sua leitura. No mais, A Sociedade Cinderela fica apenas na promessa de ser um livro interessante.
Com uma proposta diferenciada, mas com um enredo fantasioso e mal elaborado Kay Cassidy poderia ter me poupado dessa experiência traumática.

*A Sociedade Cinderela é o primeiro livro da série The Cinderella Society.
* Livro cedido em parceria com a editora Galera Record.
comentários(0)comente



Jana Diglio 31/07/2020

Aquele típico livro adolescente, mas reflexivo!
Conta a história de uma sociedade secreta de meninas bonitas que ultrapassam o limite da vaidade própria e pensam no próximo. Saem do mundinho delas para se ajudarem e ajudarem o mundo a ser um lugar melhor, onde tenham equilíbrio nos poderes entre homens e mulheres (equilíbrio e não a mulher dominando). Lindo demais, adolescente mas super reflexivo!! Indico totalmente!!
comentários(0)comente



Leitora Viciada 16/12/2013

Um livro que atrai pela capa simples e ao mesmo tempo bonita. O sapatinho de cristal, famoso símbolo dos contos de fadas está diretamente ligado ao título do livro, A Sociedade Cinderela. Este dá ênfase à palavra Cinderela, mais enfeitada e cor de rosa. Cor se intensifica e vai além, presente de forma viva nas orelhas do livro. Nota-se claramente o público-alvo do livro: Feminino e adolescente. Ponto positivo, pois já facilita com informações básicas logo ao primeiro contato com o leitor/comprador.
A sinopse, mais longa que a divulgada na internet está nas orelhas. Atrás do livro contém um trecho sobre o convite: "Abri o cartão, com as mãos tremendo de medo e sentindo o leve vestígio do que eu costumava chamar de esperança, quando um pequeno broche de sapato de salto alto prateado caiu em minha mão". Além disso, uma citação de Becca Fitzpatrick (autora da série Hush Hush): "Girl Power, baby! Esse é o livro perfeito se quer acreditar que você pode conseguir qualquer coisa."
Analisando as informações superficiais, ponto positivo para as da capa e orelhas e ponto negativo para as detrás do livro. A capa realmente combina com a história e o texto da orelha define bem o que esperar dela. No entanto, a citação de Fitzpatrick não me convenceu totalmente, mesmo após ler a última página. O trecho extraído do livro referente ao broche é referente ao começo - uma das melhores partes.

Embora eu não seja adolescente - ou seja, não sou o público-alvo - eu adoro histórias feitas para essa faixa etária, e falou em feminismo ou Girl Power (Bons tempos das Spice Girls) eu corro para ler. ainda mais se a história for divertida, leve e com a coragem feminina, mesmo que discreta, estampada nas páginas. Personagens femininas fortes, que se superam, não desistem de suas metas e sabem a linha do quanto devem ou não depender de um rapaz.
Imaginava que A Sociedade Cinderela fosse muito engraçado, dinâmico e divertido, um contos de fadas moderno, mostrando como as mulheres dominam o mundo de modo secreto, praticando o bem e formando uma rede internacional gigante, complexa e forte. A autora acertou bem na ideia central, a base do enredo é exatamente essa, mostrar como as mulheres são subestimadas e podem utilizar dessa máscara para disfarçarem o enorme poder que detêm.
O problema do livro está na narrativa e no desenvolvimento do enredo. Creio que os ingredientes presentes são perfeitos para uma grandiosa história chick-lit, porém a autora errou na receita.

Foi um acerto a narrativa em primeira pessoa da protagonista Jess. Ela é engraçada, gostei da linguagem simples, bastante irônica e cheia de comparações e observações engraçadas. Interessante porque como ela não sabe nada sobre a Sociedade Cinderela, o leitor acompanha o seu ponto de vista, suposições e surpresas e aos poucos vai se consumindo por uma crescente curiosidade.
O erro é que, embora seja uma história fantasiosa, a autora peca quando tenta criar um ar de autenticidade, tenta convencer o leitor de que essa grande rede feminina existe. Ela poderia ter alcançado esse objetivo, se não tivesse se perdido.

Em primeiro lugar, o livro seria mais interessante se fosse mais curto. Sem cenas desnecessárias, situações que não acrescentam nada ao desenvolvimento das personagens ou da trama. Os capítulos também deveriam ser mais curtos, porque mesmo sendo um chick-lit, creio que capítulos menores e com finais com ganchos curiosos sobre os próximos causariam mais vontade de o leitor não pausar a leitura e ficar louco por prosseguir.
O começo do livro é muito interessante, verdadeiramente me senti curiosa sobre a Sociedade Cinderela e suas integrantes, as Cindys. Fiquei morrendo de vontade de descobrir como tudo funcionava e o porquê de Jess ser uma das Escolhidas. Termos básicos como Cindys, Malvadas, Encantados, Vilões e Joviais são apresentados. Realmente são classificações ao mesmo tempo infantis e primordiais para a compreensão. Depois a autora apresenta explicações críveis do motivo desses nomes bobos e faz sentido. Depois vamos descobrindo que muito mais está escondido e outras siglas e nomes surgem, principalmente ligadas às elites envolvidas no projeto, que possui uma organização oposta e rival.
As personagens são apresentadas, os núcleos aos quais pertencem. Dentre os principais temos a paixão de Jess, Ryan; a irmã do rapaz Lexy - justamente a arqui-inimiga de Jess! - uma das mais populares da escola; Heather, uma aluna que sofre bullying constante das meninas malvadas; e Sarah, a Fada-Madrinha (ou Irmã) de Jess. (Sim, outro termo bobo, mas que se enquadra perfeitamente.)
Até este ponto tudo flui, mesmo com capítulos longos.

Passado o suspense inicial sobre como as coisas funcionam, o livro mergulha na mesmice. Grupos e tribos comuns formadas por góticos, nerds, atletas, patricinhas, intelectuais, etc são mostrados, assim como a interação entre eles. Detalhe para como Jess não se enquadra em nenhum deles. Entretanto, a autora tentou deixar boa parte das explicações do meio para o final, mas até o leitor chegar nesse ponto, a leitura torna-se cansativa e os capítulos parecem ficar cada vez mais longos.
A rivalidade entre as Cindys e as Malvadas me passou a ideia de um conflito infantil, sem ação, morno e sem importância. Depois descobri que algo maior está por trás, um conflito fantástico e que de certa forma, pode mudar sociedades e até o mundo. Grandioso demais. Seria melhor se a autora tivesse explorado mais esse ponto, em vez de basicamente focar em rixas entre adolescentes que jogam bebidas umas nas outras.
A briga entre Jess e Lexy, que é muito mais que uma implicância entre garotas, poderia ter sido o auge do livro, porém suas discussões e disputadas caíram no marasmo e não inova em nada.
O romance entre Jess e Ryan demora a engatar e a princípio pareceu divertido, e até trouxe conflitos adolescentes interessantes - já que o rapaz possui um drama no recene passado. No entanto, chega a um momento em que eu senti falta de algo além.

(Por favor leia a resenha completa no blogue. Desculpe não colocá-la aqui por completo, mas tenho sofrido incontáveis plágios. Lá no blogue o script possui proteção anti-cópia.)

site: http://www.leitoraviciada.com/2013/12/a-sociedade-cinderela-livro-1-de-kay.html
comentários(0)comente



Júlia 12/03/2014

Fim!
Admito, comprei o livro pela capa, que é linda, e titulo, entretanto li sim algo sobre ele antes de comprar e o assunto me atraiu, sabe aquele história de sociedades secretas das universidades dos EUA, pois bem, se gosta disso esse é o livro.
A personagem principal sobre por ser nova na escola (sempre, foi ai que me identifiquei com ela *.*) e sofre por que a mais popular da escola "pisa nela", aquele história que vemos nos filmes e livros americanos sobre o Ensino Médio. Mas então ela é chamada para participar dessa sociedade e as coisas começam a mudar drasticamente em sua vida, começando com sua aparecia até ser reconhecida/vista pelo cara de seus sonhos...
Li criticas de outras leitoras falando que autora foi muito detalhista e que no fim não concluiu o livro, que deixou perguntas pelo ar, sem suas respectivas respostas. 1º acho que esse detalhamento foi sim necessário para se entender a sociedade secreta e dar sustentação para um possível continuação; 2º sim o livro abriu um leque de perguntas e as mesmas não foram respondidas, dando a entender que na verdade não era/é pra ser um único livro, mas pelo menos (na minha opinião) deveria de ter mais 2 livros para se desenvolver o que se iniciou no 1º (obviamente) e concluir no 2º e 3º livro. Tanto é que a ultima frase do livro nos faz acreditar nisso, em uma continuação.
Fiquei triste e decepcionada em saber que o livro não foi concluído devidamente e que ninguém sabe se exite ou existirá uma continuação, mas garanto que seria maravilhoso se tivesse, já que é uma história diferente das que estamos acostumados a ler, como: romance (só o romance), mitologia, mundo pós apocalíptico, contos de fadas.
Fica aqui meu pedido: PRECISO LER A CONTINUAÇÃO!!!!!!
GabriellaLGarcia 25/08/2016minha estante
undefined


manuella.rosasilva 15/11/2019minha estante
sim. realmente dei uma nota boa escorada numa possível continuação




Bia Rodrigues 09/05/2013

Terminei de ler esse livro faz apenas alguns minutos e já tive que vim escrever a resenha. Comecei a ler ele apenas a algumas horas atrás e a historia me cativou tanto que não consegui parar até chegar na ultima pagina.

"HÁ MOMENTOS NA VIDA em que você sabe que as coisas nunca mais serão as mesmas. Quando é chamado às raias da aventura e tem a chance de se libertar, sem inibições passadas, e reivindicar a vida que você nasceu para viver.
Relaxe. Esse não era, de forma alguma, um dia assim."

E assim que o livro começa, já te deixando curiosa. Jess é um personagem fácil de se identificar, pelo menos para mim (e acho que muitas pessoas que conheço). Ela é uma boa garota. Logico que ela tem defeitos, mas ela gosta de ajudar os outros e não gosta de injustiça, sente diversas inseguranças. Eu me identifiquei muito com ela em relação as inseguranças. Resumindo ela é uma adolescente normal.

A historia que a autora criou é boa, não é perfeita. A Sociedade Cinderela tem seus momentos chatos durante o livro, e tudo acontecem muito rápido nela e sem muitas explicações. Então a Sociedade em si foi o que me irritou durante o livro, porem a leitura fluiu muito bem porque a escrita da autora é boa.

Como vocês já sabem sou doida por romance, e acho que o romance foi o que tornou o livro bom para mim. Gostei do Ryan, é um bom personagem e realmente um garoto pelo qual não tem como não se apaixonar. Compreendo os sentimentos da Jess por ele rs
Outro detalhe que gostei bastante no romance deles é que não teve aquela coisa cliché de que o garoto popular só repara nela apos alguma mudança. Ele já mostrou interesse por ela por quem ela realmente era desde o inicio.

A parte boa da Sociedade Cinderela é o quanto ela fez a Jess evoluir, e eu gostei de ver a personagem amadurecer no decorrer da historia, ver ela superar suas inseguranças, criar confiança, ser ela mesma e enfrentar a vida de cabeça erguida.

Eu gostei do livro, recomendo para um fim de tarde onde você só esta querendo relaxar, a historia vai te envolver e distrair. Para as adolescentes é um bom livro para ajudar vocês nessa etapa difícil que é a adolescência.
comentários(0)comente



Thaisa 31/07/2013

"- Você é meu herói, Duckie"
Esse livro me conquistou de diversas maneiras. Aparência, sinopse, enredo: tudo.
Antes mesmo da página 10, temos duas citações (curtas e singelas) de Harry Potter, e para uma potterhead como eu, isso é como um empurrão na leitura.

O começo é clichê, Jess é uma garota que acabou de se mudar para a cidade, não tem amigos, é perturbada pela popular e é completamente apaixonada por um garoto bonito. Tudo parece normal, tudo parece certo para Jess. Até que depois de defender uma aluna comum de mais um ataque de Lexy (sua arqui-inimiga) ela recebe um convite. E logo depois é mais uma Cindy (ou membro da Sociedade Cinderela).

E Jess descobre que nossa sociedade está dividida entre, Malvadas e Vilões (mulheres e homens que só querem o mal), Cindys e Encantados (as mulheres e homens bons) e Joviais (aqueles que não se encaixam em nenhum dos grupos e que podem ser usando pelas Malvadas/Vilões).
E agora tem de passar por transformações (a la Fada Madrinha), melhora de personalidade, missões, salvar as Joviais e se proteger. Bem, isso tudo é muita coisa para quem só queria ter amigos, ser uma líder de torcida e possivelmente sair com Ryan (que por acaso É um Encantado, irmão de uma Cindy e de uma Malvada).

Durante a leitura não pude deixar de comparar com Diário da Princesa, mas não é nada demais. São detalhes que só deixaram a história melhor. A leitura é cativante e rápida (li em menos de um dia), Kay consegue passar boas mensagens ao leitor sobre confiança, além de muito Girl Power. Porque finalmente, Jess não é uma garotinha, ela não fica se remoendo, ela é forte. Ryan não é um príncipe, ele mesmo diz que tem vilania dentro dele. E Lexy pode ser do bem. E louca para saber mais do Alec no próximo livro. Sem clichês forçados.
Fora alguns dramas que achei desnecessários, ou como a autora fez alguns personagens virarem amigos do nada, eu amei o livro. Terminei o livro, louca por uma continuação (que prevejo estar distante).


(e estou só esperando meu Convite para a Sociedade Cinderela, morrendo de vontade de um encontro no Moinho.)
comentários(0)comente



Mariana Garcia 10/08/2013

A Sociedade Cinderela – Kay Cassidy – #Resenha | O Blog da Mari
O livro A Sociedade Cinderela foi uma agradável surpresa, esperava um conteúdo mais adolescente, como estou acostumada a ver em outros livros do gênero, mas acabei me deparando com uma história que vai muito além. O poder feminino como descrito na contracapa é realmente um ponto importante, mas a forma que a autora abordou outros temas como o bullying e a autoestima das garotas foi o que realmente me encantou na história. Assim que iniciei o livro tive um pouco de dificuldade de fazer a leitura “engrenar” e não sei dizer exatamente o porquê, pois quando me perguntavam a respeito do livro me via empolgada, querendo comentar sobre diversos momentos, principalmente em relação à forma que as garotas lidavam com o bullying.

A narrativa do livro é realizada em primeira pessoa e apesar de abordar temas atuais sempre faz referencias ao conto de fada, A Cinderela, amo esse tipo de referencia e achei incrível a forma que ela foi abordada no livro, pois a autora não se focou no trabalhado forçado da princesa e na busca por seu príncipe encantado – ainda que ele exista na história – mas na forma que ela poderia lidar com os comentários das malvadas. Os termos utilizados no livro – como cindys, malvadas, joviais, encantado – são bem adolescentes, mas como explicado durante a própria leitura, eles foram adotados pela Socidade de forma proposital para que seja fácil a assimilação das Cindys. E tenho que concordar foi muito fácil assimilar os termos, as atitudes e os personagens.

“A missão das Malvadas é dominar os Joviais e fazê-los realizar seu trabalho sujo. Nossa missão é proteger os joviais e, essencialmente, derrotar as Malvadas.”

Continue lendo a resenha no link abaixo:

site: http://bit.ly/19A1DLY
comentários(0)comente



Camila 27/08/2013

A magia dos contos de fada falhou..
Assim que bati os olhos no livro "A Sociedade Cinderela" meus olhos brilharam, primeiro pela capa linda e simples, segundo pelo nome. Quando vi o verso e também li a critica de Becca Fitzpatrick (autora da série Hush Hush) não tive duvidas de que me apaixonaria. Pois é, eu errei. O livro, que para mim, tinha tudo para ser aquele livro gostoso de ler, foi uma completa decepção.

Depois de mudar milhares de vezes e nunca conseguir fazer amizade alguma na escola, Jess Parker finalmente se estabelece na escola Mt. Sterling Norman. No primeiro dia de férias, a garota de 16 anos, encontra em sua mochila um cartão com um broche de sapatinho e um convite e é aí que tudo muda em sua vida.

Achei o livro cansativo, a fórmula poderia ter sido um grande sucesso se tivesse se atinado em determinados focos, como o relacionamento de Jess com Ryan, irmão de sua arquiinimiga, a “malvada” Lexy. Outra coisa que me incomodou bastante é a falta de descrição de personagens e cenário, por várias vezes o livro perde o fio da meada e um assunto super importante que é abordado no livro, fica sem explicação. O foco da obra é nas discussões (pra mim sem fundamento algum) das Cindys, uma sociedade secreta nada excitante. Enfim, a autora e ex-líder de torcida Kay Cassidy me decepcionou. O encanamento dos "contos de fada" dessa vez, não deu certo comigo. =/

site: http://manualdosvinte.blogspot.com.br/2013/08/resenha-sociedade-cinderela.html
comentários(0)comente



Ananda 21/09/2013

A sociedade secreta só de mulheres
Jess é uma adolescente de dezesseis anos que vive mudando de cidade por conta do trabalho do pai. Sua mãe fica grávida de gêmeos, volta para a cidade onde cresceu e toda a família vem junto. Jess, como muitas vezes em sua vida, é a novata do colégio. E como toda novata, ela ainda não tinha feito amigos e acaba sendo alvo das garotas más do colégio. A líder das malvadas, Lexy, faz de tudo para que a vida de Jess seja um inferno. Isso acontece pelo fato de Lexy ter machucado a perna logo no dia dos testes de líder de torcida, onde Jess acaba pegando o lugar dela. Além disso, Jess tem um paixonite por Ryan, o irmão mais velho de Lexy, que estuda no mesmo colégio que elas.

Tudo poderia ser horrível para Jess, mas algo inacreditável demais acontece em sua vida. Ela é chamada para uma sociedade secreta, onde as melhores e mais importantes garotas com grande potencial de liderança são selecionadas. A Sociedade Cinderela.
Agora, ela como uma Cindy, precisa descobrir uma forma de bloquear o poder das Malvadas, além de resolver o amor complicado com Ryan, tendo sua inimiga sempre à vista para proteger as indefesas Joviais (jovens que não são nem Cindy nem malvadas, mas se conhecerem seu potencial podem ser poderosas e não se tornarem um peão das Malvadas); descobrir seu estilo nas roupas, cabelo, maquiagem; e aprender a se tornar uma líder de verdade onde as garotas têm o poder, se quiserem, acreditarem e abraçarem o seu futuro.


A Sociedade Cinderela é um chick-lit de Kay Cassidy, e o primeiro livro da possível série de mesmo nome. Um livro mais voltado para o público adolescente, o que não é meu caso, e mesmo com esse título não tem muita coisa a ver com contos de fadas e essas coisas. Tem sim o Príncipe Encantado, a transformação de visual e fada madrinha.
Os personagens são legais, mas não me senti conectada à eles, nem com a Jess, que por sinal é bem humorada apesar dos pesares. Tem uma malvada rasa, uma fada madrinha tão calma que chega a irritar, um príncipe indeciso com síndrome de herói ("ai eu não sou herói", "não quero ser herói", "eu sou uma pessoa horrível", "você não conhece meu passado", "não se envolva"), quase um sapo e uma jovial que não conseguiu um destaque pela forma de agir depois que perde o medo, mas tentou chegar lá.

O começo é um pouco parado, mas no momento em que Jess é escolhida para a Sociedade, a história começa a engrenar. Tem bastante informação sobre as Cinderelas serem das ÍSIS, as Malvadas das ATHENAS e outros termos/teorias que se você não prestar atenção nessas partes e ler com cuidado, ou você não entende nada ou entende e esquece. Se tiver a continuação desse livro (o que é bem provável pela deixa no final), espero que não acrescente mais informações, porque senão acaba sendo um livro cheio de conteúdo teórico, sem necessidade e deixa de ser um livro para entreter e de leitura leve e rápida.
Mas enfim, o livro é bom. Nele você vai conhecer algo improvável como uma sociedade super secreta de mulheres que trabalham para a proteção dos fracos e oprimidos e que visam o bem da humanidade com trabalhos (tipo a ONU), doações, ações e incentivos para acreditar em si mesma e descobrir o que há de melhor em você.

Citações:
"Por duas horas, me serviram mais água com gás do que eu podia consumir (com minha bexiga doendo como prova), sofri mais insultos velados nas mãos de um hair stylist sádico do que com Lexy era capaz de proferir em uma semana e tive cada centímetro do meu cabelo puxado, torcido, cortado, coberto, melecado e até arrancado.
Resumindo, nunca estive mais feliz em minha vida." pág 92

"Podia não estar fazendo um grande sucesso depois da minha transformação (se tivesse, Ryan não estaria orgulhoso por me ter ao seu lado?), não estar conseguindo manter em dia minhas tarefas do MTC ou não estar conseguindo descobrir como combater o aumento no número de novos integrantes das Malvadas. Mas eu ainda era eu: a Boa Samaritana e Voluntária, defensora das causas que valiam a pena e pessoas que precisavam de ajuda." pág 230

site: http://www.cadernodeanotacoes.com.br/2013/06/a-sociedade-cinderela-kay-cassidy.html
comentários(0)comente



23 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2