Novelas inacabadas

Novelas inacabadas Jane Austen




Resenhas - Novelas Inacabadas


10 encontrados | exibindo 1 a 10


Mary 11/08/2020

Sanditon?!
Este livro nos apresentas histórias novas que a Jane Austen estava escrevendo quando morreu e não pode publicar, assim como alguns textos que estava revendo de livros já prontos...
Não foi nada além do que já conhecia do trabalho dela, não foi algo que me fez pensar "que livro!" ou "que história!", mas ainda assim são muito bons!!!
comentários(0)comente



Brielle 28/07/2020

Apesar do livro dizer claramente que são Novelas Inacabadas, a gente não deixa de sentir a sensação de vazio querendo um final que nunca vamos possuir. Ótimo livro, mesmo assim.
comentários(0)comente



Pâmela 09/07/2020

Sanditon tinha tudo pra ser um sucesso
Eu gostei muito da leitura de Sanditon.
Segunda história deste livro.
O último romance, inacabado, de Austen.
Achei as personagens interessantes e a narradora irônica na medida.
Charlotte sempre afiada nas observações em relação às figuras de Sanditon, me deixou com vontade de saber o que seria desta história caso tivesse sido terminada.
Recomendo a leitura aos que tem interesse na obra completa de Jane Austen.
Não recomendo aos que se sentiriam mal em não poderem ler o final da narrativa.
Nos resta apenas imaginar :)
comentários(0)comente



Queila.Noemi 05/05/2020

E aí...
Mesmo sabendo que as histórias não tinham fim, fiquei muito triste com isso. É terrível ter que contar somente com a imaginação do que poderia ter acontecido. ?
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Miranda 05/03/2020

Recomendo se você for muito fã da Jane Austen
Pedro Luiz Viegas 08/03/2020minha estante
Nem conheço...




Quatro mulheres e um livro 08/04/2016

Os Watsons e Sanditon.
Hoje, venho falar sobre os dois fragmentos de histórias escrita por Jane Austen intitulada como Novelas inacabadas: Essas duas novelas eram inéditas no Brasil até 2013, quando foram publicadas pela editora Nova Fronteira em um único volume. Para os leitores apaixonados por Jane Austen, assim como eu, teremos a oportunidade de deliciarmos uma vez mais com sua narrativa e seus personagens.

Essas novelas possuem o estilo literário denominado romance de costumes muito utilizado por Jane Austen, que faz uma sátira moderada aos modos e crenças da sociedade britânica por meio de bailes, visitas e fofocas. As narrativas são envolventes
e com personagens marcantes.

Os Watsons é uma novela breve com apenas dois capítulos. Mas repleto de acontecimentos, que envolvem a bela e refinada Emma Watson. A filha mais nova de clérigo viúvo, muito doente e com uma situação financeira desfavorável. Emma teve que retornar a casa paterna, após vários anos morando com sua tia rica, sem um dote generoso. Por esse motivo ela torna-se um peso para a sua família. Principalmente em uma época que o casamento era considerado status social e a única alternativa para a mulher.

Não é bem assim, mas você sabe que devemos no casar. Eu passaria muito bem sozinha uma boa companhia e um baile agradável de vez em quando seriam o bastante para mim, se alguém pudesse permanecer jovem para sempre, mas nosso pai não pode nos sustentar a vida inteira, e é muito desagradável ficar velha e pobre e ridicularizada.

Ela chega às vésperas do acontecimento mais importante da vizinhança, o primeiro baile de inverno, onde ela será apresentada a sociedade local. Durante o baile, ela teve contato com a família Osborne, a família mais importante da região, o Sr. Howard, sua irmã Sra. Blake e seu filho Charles. E não podemos esquecer o galanteador Tom Musgrave.

Nessa novela, o baile será o eixo na narrativa tanto que a contagem dos dias está relacionada com a data do baile. E todos os acontecimentos mais importantes ocorrem nele, e ao mesmo tempo nos revela o perfil da sociedade local em suas pequenas atitudes. Comparado com os outros trabalhos essa novela apresenta um tom mais melancólico na narrativa.

Sanditon foi o último trabalho inacabado de Jane Austen, fazia dois anos que ela estava muito doente e foi durante os períodos de melhora, que os dozes capítulos que compõem essa novela foram escritos. Essa história tem com pano de fundo o balneário de Sanditon, que estava começando a estabelecer, tendo com principais investidores os antigos e respeitáveis moradores locais, a Lady Denham e o entusiasmado Sr. Paker que faz de tudo para atrair público a Sanditon.

A história começa quando o Sr. Paker e a Sra. Paker estão em busca de um médico para o balneário e ao retornarem de Londres eles sofrem um pequeno acidente próximo à propriedade da família Heywood, que os socorrem e os acolhem por duas semanas. Em agradecimento aos cuidados recebidos, o Sr. Parker convida Charlotte, a filha mais velha dos Heywoods para conhecer e beneficiar dos ares medicinais de Sanditon. Durante a viagem, Charlotte ouve o Sr. Parker falar sobre a cidade e seus amigos. Mas através dos pensamentos de Chalotte, que vamos conhecemos a verdadeira personalidade dos amigos do Sr. Parker, principalmente de Lady Denham.

A narrativa ganha vida com a chegada dos irmãos do Sr. Parker, que estão sempre enfermos, como eles mesmo diziam invalidos. a doença parece ser mais psicológica do que corporal. Eles vão Sanditon para arrumar um local para a Sra Griffiths e as três jovens que estão sobre os seus cuidados.

Mesmo estando doente Jane Austen não perdeu o humor em escrever essa novela Que relata a desconfiança que alguns personagens possuíam dos médicos. E acreditavam que uma boa alimentação, exercícios e a utilização de tratamentos mais naturais eram suficientes para manterem saudáveis. Muitas vezes utilizavam métodos extremos como as irmãs do Sr. Parker.

Rompemos definitivamente com a súcia médica. Consultamos médicos após médicos em vão, até nos convencermos de todo de que eles não podem fazer nada por nós e devemos confiar no conhecimento que temos de nossas precárias constituições se quisermos obter qualquer alívio.

Para muitos pôde parecer estranho ler historias que não foram finalizadas. E não ter certeza o que vai ocorrer com os seus personagens favoritos, pode deixar alguns leitores desesperados, quando se chega ao final de um capítulo e não ter o próximo, deixando aquele gostinho de quero mais.

Na verdade é uma experiência muito interessante, pois podemos ver a maturidade da escrita do autora. Só não indico esse livro para quem nunca leu Jane Austen, por essas novelas estarem inacabadas. Acredito que o leitor não vai aproveitar o universo fascinante proporcionado por Jane Austen. Mas quem quer se aventurar fique a vontade de viver essa experiência.


site: www.quatromulhereseumlivro.com.br
comentários(0)comente



Coruja 02/06/2014

Trabalhos mais maduros de Jane Austen, os dois romances que foram publicados nessa edição - Sandition e Os Watsons são inéditos no Brasil. E eram inéditos para mim também, que os conhecia de nome, mas nunca os tinha tido em mãos.

Talvez seja um tanto estranho ir atrás de ler uma obra que não tem final, cujo desenvolvimento, de uma forma geral, está incompleto. Como uma leitora amante de tudo o que Austen escreveu, contudo, não poderia me furtar a esse comichão de conhecer tudo o que ela escreveu, independente de ela ter terminado ou não.

Os Watsons começa o volume. A bela, gentil e delicada Emma Watson retorna para casa depois de anos sob a guarda de uma tia rica – agora que esta se casou, não a quer mais e onde antes havia a expectativa de terminar como uma herdeira (numa seqüência parecida com a de Frank Churchill), agora ela é apenas mais uma irmã entre outras quatro de uma família pobre com um pai hipocondríaco.

A despeito disso, sua beleza consegue chamar a atenção de Lorde Osborne, o principal membro da sociedade local. E isso é mais ou menos tudo.

São apenas dois capítulos e confesso que eles me deixaram com a impressão de um dos romances góticos com que a própria Austen tanto brinca em A Abadia de Northanger. A irmã mais velha que serve de primeira anfitriã para Emma, Elisabeth, não me inspirou muita confiança e pelo que sabemos das outras duas irmãs; tampouco elas parecem particularmente boa companhia. Lorde Osborne é meio que uma nulidade, mas isso é o de menos – segundo se conta, os planos da escritora eram de juntar Emma com o pároco da propriedade dos Osborne e não com o próprio lorde.

Só que temos tão pouco de Mr. Howard, o pároco – que mal abre a boca e faz qualquer ação muito digna de nota – que não dá para prever exatamente como esse relacionamento vai acontecer.

Some-se a isso o fato de que no planejamento original, Mr. Watson morre e Emma fica à mercê do irmão mais velho e da cunhada, que têm uma boa renda, mas não são exatamente generosos.

Há muito, muito pouco para perceber como a coisa toda se desenvolveria, mas esses dois capítulos têm seus momentos. Tom Musgrove é um cafajeste cômico, Lorde Osborne é profundamente antissocial (de uma maneira bem mais esquisita que a de Mr. Darcy) e tenho a impressão de que entre esses dois personagens, muitas situações de ridículo para Austen escaramuçar poderiam se seguir.

Emma, por outro lado, me faz pensar muito em Anne, de Persuasão, com sua bondade e delicadeza inatas – especialmente na cena em que faz a alegria do pequeno Charles no baile que abre o livro.

Diz-se que Austen teria começado o livro em sua época morando em Bath, abandonando-o quando da morte do pai, uma vez que a situação de sua protagonista tornara-se dolorosamente parecida com a sua.

Sandition, por outro lado, teria sido a última obra em que ela trabalhou, tendo sido abandonada por causa da doença e subsequente morte da autora. É mais bem acabada que Os Watsons - além de ter mais capítulos (onze), a história parece mais polida, mais focada na verve de humor habitual de Austen. A protagonista do romance, Charlotte, parece-me mais simpática e humana que Emma, com uma aguçada percepção da sociedade ao seu redor e uma boa disposição para rir-se inclusive da própria situação.

Sandition é um balneário à beira mar que está começando a crescer como destino de férias graças aos investimentos de Mr. Parker e Lady Denham. Ainda há muito caminho até que o local se torne ‘da moda’ – que é a grande ambição dos dois – mas é um local agradável, com uma geografia privilegiada e Charlotte parece contente com sua visita ao local. De uma forma geral, contudo, o resort é mais um ideal do que realmente aquilo que desejam seus investidores.

O elenco de personagens vai do bonachão e prestativo Mr. Parker, aos seus irmãos absurdamente hipocondríacos (e esse parece ser um tema algo recorrente a partir de Emma), à inteligente e mesquinha Lady Denham e seu sobrinho um tanto maluco de ler romances, Sir Edward – que decidiu ter aptidão para ser vilão gótico e aspira a se tornar o infame Lovelace, de Clarissa.

A história tem um ritmo rápido e um foco interessante em questões de comunicação e propaganda – o resort tem por principal promoção o boca a boca, seja o pessoal, seja por cartas, há algumas confusões por conta desses diálogos epistolares. Infelizmente, o livro termina exatamente quando o herói da história, o irmão mais novo e enérgico dos Parker, Mr. Sidney, chega – e pelo que sabemos dele das cartas de Mr. Parker, tenho a impressão que ele e Charlotte se dariam muito bem.

As duas narrativas são interessantes – não apenas pela forma como podemos entrever o processo de escrita de Austen, mas também pelo potencial que ambas possuem. Outros autores, inclusive da própria família da autora, escreveram continuações e fiquei razoavelmente curiosa para encontrá-las.

Até lá, nos fica a tarefa de tentar imaginar por nós mesmos como elas avançariam – um exercício bastante agradável entre uma releitura e outra dos romances acabados de Austen...
comentários(0)comente



Mariana 01/01/2014

Seja Jane Austen por um dia
Sou suspeita para escrever sobre Jane Austen, pois sou fã incondicional de todos os seus livros. Ambas as histórias são similares ao que ela sempre costumou escrever, são envolventes e cativantes. Do tipo que me faz viver o que esta escrito como se fosse minha realidade, me faz ter vontade de conhecer melhor como se vivia na época e como seria ter o que os personagens tinham.
Apesar de não terem sido finalizadas e por terminarem deixando aquela de vontade de ter mais uma página, ambas me permitiram imaginar o meu melhor final para cada uma. É como ter a permissão de escrever a continuidade do livro e ser por um momento Jane Austen de verdade.
Recomendo o livro a todos os fãs como eu.
comentários(0)comente



10 encontrados | exibindo 1 a 10