Par Perfeito

Par Perfeito Eleanor Prescott




Resenhas - Par Perfeito


29 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Vanessinha 20/07/2018

Ideal para morrer de rir
Fala de problemas contemporâneos de forma muito engraçada. Risadas garantidas.
comentários(0)comente



LT 19/07/2018

Oie! Como sempre, trago uma resenha simples, mas um pouco diferente, dividida em duas partes, sendo a primeira sem spoilers e a segunda contendo apenas isso, às vezes de forma mais leve, às vezes não. Vou sempre sinalizar bem, mas para aqueles que não gostam de spoilers, atenham-se aos avisos.

Sem mais delongas, sigam-me os bons!

[Parte I – sem spoilers]

Encontrar o par perfeito, é mais difícil do que imaginamos. Por isso, Audrey e Mesa Para Dois, sua agência de relacionamentos, está aqui, para ajudar todos aqueles que tem a dificuldade de encontrar seu amor.

Porém, Par Perfeito não conta apenas a história de Kate, uma das inscritas em Mesa Para Dois, que vê seu relógio biológico prestes a parar e torná-la em uma mulher que ninguém quer. Conta também a história de Audrey, a proprietária, Alice, sua funcionária, e Lou, melhor amiga de Kate.

Cada uma delas possui uma dificuldade diferente em relacionamentos amorosos, e se vêem perdidas por serem mulheres com mais de 30 anos que ainda buscam por um parceiro. No decorrer da trama, independente da idade do leitor, é quase impossível não se simpatizar pela história ao menos de uma delas.

Temos aqui um chick-lit bem tranquilo, bom pra dar risadas e se apaixonar – por John? –, e ainda renovar as esperanças perdidas por tantos de buscar um amor verdadeiro por apenas lidar com decepções.

E me atrevendo um pouco mais: se você gosta de A. C. Meyer, Carina Rissi, Vanessa Bossso – só as brasileirinhas, ai meu coração – e Colleen Hoover, pode começar a adicionar na sua lista Eleanor Prescott.

[A PARTIR DAQUI, LEIA POR SUA CONTA E RISCO!] - [Parte II – com spoilers]

Caso você já tenha lido “Par perfeito" continue aqui comigo, mas se você não leu o livro e não curte spoilers, não recomendo ler essa segunda parte, pule direto para o fim da resenha, no entanto, se continuar por aqui, fica por sua conta e risco!

Que livro mais amorzinho esse! Sou suspeita para falar, já que chick-lit é um dos meus gêneros favoritos, mas que história realista! Nos dias atuais, vemos muitas mulher solteiras, e não generalizando, várias pensando que o tempo para ter bebês está ficando para trás, isso, sem contar as que preferem ter o quanto mais tarde puderem.

Vi em cada uma – Alice, Audrey, Kate, Lou – um tipo de mulher diferente. Uma mais delicada, outra mais desesperada, outra nem aí pra vida, a outra, apaixonada. E surpreendentemente, todas elas, em uma só. Mas o mais importante: cada uma recebendo o "John" que merecia, aliás, que homem!

Creio que o livro merecia uma sequência, contando como elas ficaram com seus pares no fim, se casaram, se tiveram filhos, os serviços, tudo!

[Finalizando]

Se tem uma mensagem que gostaria de deixar para as várias Alices, Audreys, Kates e Lous que existem, é que o amor está aí, você apenas pode estar procurando no lugar errado, ou no tipo de pessoa errada. Os filhos, eles vem quando for a hora, assim como o amor.

Com uma escrita leve, corrida, e transbordando amor, esse livro levar apenas cinco estrelas, é pouco!

E não menos importante: TODA FORMA DE AMOR É VÁLIDA!

Mas, e vocês? Já leram? O que acharam de “Par perfeito”? Caso não tenha lido, se interessou? Deixem seus comentários, vamos adorar!

Por enquanto, é só! Espero que tenham gostado. Um beijo, e até a próxima!

Resenhista: Dara Mendes.

site: http://livrosetalgroup.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Lisse 23/04/2018

Cura pra ressaca <3
Depois de um longo tempo em que a ressaca literário foi minha companheira, agora consegui engrenar uma leitura que me deixou com o coração aquecido e recordar como é bom pegar um livro bom. Já olhava pra ele muitas vezes no catálogo do Ubook (veja aqui) e finalmente tomei coragem em começar. Foi a melhor coisa que fiz!

Dando uma olhada no Goodreads descobri que esse é o livro de estréia da autora Eleanor Prescott. E que bom que escreveu, porque Par Perfeito é um chick-lit muito gostosinho e que mexeu com minhas emoções por se tratar de uma agência de relacionamentos e não ser nada clichê. Bom, pelo menos eu não achei. Foi uma leitura bem refrescante. 

Nessa história contada em terceira pessoa vamos percorrer a vida de alguns personagens, mas a principal delas é a Alice, uma mulher que acredita que sabe bem quando duas pessoas estão destinadas a ficar juntas. Ela trabalha para a Audrey que é bem conhecida no ramo por ser bem sucedida na agência Par Perfeito, mas sente que a patroa a odeia. Mas Alice não liga para isso, pois tem certeza que seu objetivo maior é: deixar os clientes satisfeitos em seus encontros, e o faz muito bem. 

Quote: "Como se esperasse o momento certo, a plateia se inclinou para a frente em tensa expectativa, preparando-se para descobrir os segredos esquivos para se encontrar o Par Perfeito."

E em paralelo temos duas amigas inseparáveis: Kate e Lou. Kate está muito frustrada de que nenhum encontro progrede para um relacionamento duradouro e decide contratar os serviços da Par Perfeito, visto que a última palestra da Par Perfeito que assistiu encontrou Alice e foi convidada a se inscrever no pacote premium da agência. Em contrapartida, Lou é totalmente cética de que isso vá funcionar, já que sua tática em relacionamento é outra. Ela vai de cabeça e não se importa se será duradouro ou não. 

Quote: "Durante toda a sua vida as pessoas a haviam chamado de sonhadora. Alice concordava. As coisas eram muito mais excitantes quando coloridas por um pouco de fantasia. Era a vida real, só que melhorada com photoshop."

Cada capítulo é contado sobre o ponto de vista de um desses personagens, deixando a leitura bem abrangente e como se fôssemos parte do que cada um deles está passando, bem dentro da cabeça deles e adoro isso. Cada personagem tem sua própria história de vida nesse livro, mas também se relacionam com outros de um jeito bem legal. 

Quote: "A vida fica muito mais divertida quando abrimos as portas do coração para surpresas."

Alice quer manter o emprego que acha que é sua vocação na vida. Audrey tem um pequeno problema pessoal dentro da empresa que não pode deixar que ninguém saiba, mas tenta á todo custo através de John fazer com que se torne realidade, além de uma inimiga de peso. Kate quer encontrar seu par perfeito, mas tem padrões muito elevados no seu conceito. Lou apesar de ser muito alto-astral, tem problemas que precisa consertar, como o conceito que tem sobre si e o tipo de relacionamento que se envolve. E John, que além de ser um dos mais bem personagens masculinos bem construídos que já vi, é também o dono de um carisma fantástico. 

Quote: [...] Não que eu tenha algum problema com os homens nem nada disso. É só que eles são como os ônibus. Ou seja, você espera durante séculos e quando finalmente aparece um, está lotado. E aquela velha história de que logo atrás vem outro vazio… bem, isso é só um mito, certo?"

Não gostaria de contar mais nada além disso para não estragar a boa experiência que ele livro pode proporcionar. Mas acredite quando digo que essa capa não faz muito jus a toda carga positiva que esse livro tem em espalhar a mensagem de acreditar no amor, ter bons conceitos sobre relacionamentos, mas principalmente acreditar em si mesma. A capa americana é muito mais bonita e de uma sutileza...

Amei muito Par Perfeito e espero que a Editora Valentina possa traduzir o outro livro da autora: Could It Be I'm Falling Love. 

Quote: " O Daily Post diz que nos próximos anos a Grã-Bretanha terá uma epidemia de solteiras. Aparentemente, teremos um futuro sombrio, com mais horas de trabalho, aposentadoria mais tardia e sem nenhuma das coisas boas, como bebês, família e um marido para complementar nossa previdência. Estou te dizendo, Lou, Sex and City não era comédia: era um alerta!"
comentários(0)comente



Thai 10/02/2018

Tem um final lindo
Ainda estou a procura de um livro chicklit que me faça tentar segurar o riso, como os livros da Sophie ou Um Amor de Detetive de alguma autora que não lembro. Tirando isso, o livro só começou a ficar interessante depois de uns 5 capítulos, a leitura fluiu bem e é impossível não sentir empatia pela Alice ou no decorrer do livro ter ranço da Audrey

O final é lindo, fofo e romântico assim como todos os chicklits, e o mesmo acontece com relação ao "mocinho" do livro, já quero um

comentários(0)comente



Coisas de Mineira 27/01/2018

Sabe aquele ditado que diz “Nunca julgue um livro pela capa” - deveria servir para títulos também !

Já tem um tempo que eu solicitei a parceira Ed. Valetina o livro "Par Perfeito" de Eleonor Prescott esse Chick lit foi o livro de estreia dessa autora, nesse estilo literário e fez muito sucesso nos EUA.

Em Par Perfeito somos apresentados a uma agência de casamentos com o nome de “Mesa para Dois” e vários personagens que vão compondo a trama que se desenrola por capítulos narrados por pessoas diferentes, mostrando assim os sentimentos e sonhos de cada um deles, mas não deixando de focar na principal personagem - Alice Brown.



Casamenteira por profissão, Alice, acredita que todos os clientes da empresa "Mesa para Dois" devem ser entendidos e direcionados á aquela pessoa que realmente os completa, mesmo que para isso ela não mande para o encontro o tipo de pessoa que o cliente descreve como seu estilo.

Sonhadora ela acredita que cada pessoa tem sua outra metade e tende a viajar olhando para a janela enquanto monta os casais em sua cabeça e sonha com o dia em que encontrara o cara certo.

Audrey a dona da empresa é uma mulher com quarenta anos ou mais, que apesar de ter criado uma agência de casamentos bem sucedida, nunca encontrou sua felicidade. Kate é uma jovem de 30 anos que se tornou cliente da Mesa para Dois acreditando que conseguira achar seu par ideal. Já Lou (melhor amiga de Kate) aposta que "saindo a caça" pode achar o cara legal, porém enquanto isso não acontece - ela vive uma noite de cada vez.



Comecei a ler Par Perfeito achando que iria me identificar de cara, amo Chick lit, porém me peguei parando a leitura várias vezes e não conseguindo sair das primeiras cinquenta páginas por muitos dias. Simplesmente não consegui criar nenhum tipo de empatia pelos personagens ou me identificar com nenhuma de suas características, a narrativa ficava tão cansativa ao longo dos capítulos que eu me perdia totalmente em quem era quem.

Então eu parava pensando que a leitura ficaria menos difícil depois de algumas páginas e eu começaria a não me perder tanto nas mudanças de narrativa. E isso até aconteceu em alguns capítulos e a partir da página 100 eu consegui entrar na história e até mesmo gostar de alguns momentos, por exemplo a parte em que a Alice diz que usar roupas chiques e salto alto dava ela a impressão de parecer um travesti. Mas eram poucos os momentos que conseguia me divertir com a leitura e achar que o livro estava fluindo, em outros eu somente queria que acabasse, e como eu raramente abandono uma leitura, continuei firme e forte torcendo para um final de parar o coração.

Não teve o final de parar o coração :(, mas tiveram cenas marcantes e realmente uma ideia do final de cada personagem, alguns bons e outros não, para quem fez por merecer, fiquei feliz pelo desfecho da Alice e abismada pelo da Audrey de quem tomei uma antipatia desde as primeiras vezes.

Talvez eu não estivesse no clima desse livro ou por eu ter achado que seria mais o lado romance da personagem e menos sobre seu trabalho e todas as picuinhas ao redor que a história acabou não me convencendo. Só sei que se avaliasse meus livros com notas esse não teria passando de 2,5 em 5, mesmo com o trabalho incrível de diagramação da editora e forma simples de escrever da autora.

Por: Leh Pimenta
http://www.coisasdemineira.com/2015/02/leitura-par-perfeito-de-eleonor-prescott.html
comentários(0)comente



Carolina DC 02/01/2018

"Par Perfeito" é um romance leve e delicioso que gira em torno de duas personagens completamente diferentes, mas igualmente intrigantes: Alice e Kate. Alice é uma mulher com mais de 30 anos de idade, que trabalha na agência de relacionamento Mesa para Dois, onde a chefe é Audrey Craknell, uma mulher de 51 anos de idade que é ultraconservadora, totalmente fofoqueira e sem noção.

Durante uma palestra de Audrey chamada "O segredo para encontrar o seu par perfeito?", Alice conhece Kate e imediatamente sente uma simpatia por ela. Alice é o tipo de pessoa que acredita sinceramente no que faz e dedica-se de corpo e alma para encontrar o par perfeito de seus clientes. Kate tem 33 anos de idade e acredita que está atrasada no seu "cronograma de relacionamentos". Afinal, em breve será tarde demais para ter filhos e como uma assessora de imprensa que trabalha diariamente até tarde, não tem tempo de procurar sozinha sua alma gêmea.

"-Toda mulher com mais de 30 e solteira pensa no assunto. É só nisso que pensamos. Se até os 35 você ainda não arrumou um cara e engravidou, já pode pular logo para o final da história e reservar um quarto de solteiro no asilo." (p. 11)

Kate também simpatiza com Alice e a contrata para a função de cupido, mas com uma lista bem restrita, pois ela sabe bem o que quer. Conforme Alice vai apresentando homens com o perfil escolhido por ela, Kate vai avaliando suas prioridades e se dando conta que precisa amadurece e reavaliar suas opções de vida, incluindo as amizades que manteve durante todos esses anos, como sua melhor amiga Lou. Lou é o oposto de Kate: aventureira, descompromissada e vive um dia de cada vez.

Em paralelo a história de Kate, temos a história da própria Alice. Alice é a melhor funcionária da agência, mas não é reconhecida. Audrey a acha desmazelada, descuidada e tem uma implicância fora de série em relação à protagonista. Alice acaba se encontrando em meio a duas confusões: uma profissional e uma pessoal. E precisa avaliar o que deseja para seguir em frente.

Alice é uma personagem carismática. De jeito simples, mas muito dedicada e honesta, ela conquista os leitores com seu jeito tímido e ao mesmo tempo entusiasmado quando se trata de seus clientes. Kate destaca-se de forma diferente. Ela é uma mulher que o leitor consegue se identificar ou identificar alguém conhecido. Uma mulher que precisa conciliar a vida pessoal e a profissional, mas que ainda não encontrou o equilíbrio. Kate acredita que sua lista do homem dos sonhos é perfeita, mas falta autoconhecimento para reconhecer o seu par perfeito.

Lou também representa muitas mulheres que acreditam se rebelar ao não se encaixar nos padrões da sociedade, mas que na verdade tem medo de assumir o que desejam e quem realmente são. Audrey é uma personagem com inúmeras camadas, pois sua personalidade traz uma complexidade única. Em alguns momentos temos a impressão de que ela parou no tempo e não sabe se ajustar ao mundo em que vive; em outros ela parece uma jovem romântica e delirante e existem também aqueles momentos em que sua crueldade surge e atinge a todos ao seu redor.

Par perfeito é uma história doce sobre o encontro de almas gêmeas. É uma história que fala de amor, de amizades, de segundas chances, recomeços e finais felizes. Cada capítulo é narrado através da perspectiva de um dos personagens, o que enriquece ainda mais o enredo.

Em relação à revisão, diagramação e layout a Editora Valentina realizou um ótimo trabalho. O livro é cheio de detalhes internos que enriquecem ainda mais a obra.

"Como iria saber que ganhar o primeiro prêmio podia ser mais complicado do que simplesmente ser feliz? Mas, na realidade, as coisas nunca eram pretas ou brancas. Dizem que há sempre um lado positivo na tristeza, Alice disse a si mesma. E, agora, sabia que existia também um lado feio na alegria." (p. 320)

site: http://www.viajenaleitura.com.br/
comentários(0)comente



Arca Literária 29/03/2017

resenha disponivel a partir do dia 04/04 no link http://www.arcaliteraria.com.br/par-perfeito-eleanor-prescott/

site: http://www.arcaliteraria.com.br/par-perfeito-eleanor-prescott/
comentários(0)comente



Ivanice 01/06/2016

Gostei dos protagonistas (maduros e com personalidades fortes) e da história de fundo, mas achei que o livro se prolongou demais em algumas coisas sem importância e não foi a fundo de outras mais importantes. O que era para ser uma história leve e divertida, ficou deprimente e chata em muitas partes. Minha personagem preferida foi a Alice, honesta, romântica e com um ótimo intuito de casamenteira e o que aconteceu com a Audrey no final foi muito abrupto e nada plausível na minha modesta opinião.
comentários(0)comente



Anna 22/05/2016

Ruim demais!
Personagens estereotipados, diálogos infantis e desconexos, história desestruturada. Eu não gostei do livro, e não recomendo.
comentários(0)comente



Sel 21/01/2016

Não, obrigada
Realmente não gostei. Enredo fraco, personagens estereotipadas, meloso ao extremo. Se a autora escrever outro direi a quem me indicar: não, obrigada!
comentários(0)comente



Carol D. Torre 03/10/2015

Eu sou apaixonada por chick lits, eles sempre conseguem te fazer sentir melhor, seja porque o dia não está bom assim, porque você está entediada ou porque você está no meio de uma ressaca literária. Mas não se enganem, não é fácil achar um bom chick-lit, principalmente depois de ler Sophie Kinsella, tanto que estava meio desanimada nos últimos tempos porque todos que li nos últimos meses simplesmente não conseguiram atingir minhas expectativas. Ainda bem então que Par Perfeito apareceu! A estória da Eleanor Prescott é super diferente de todos os chick-lits que já tinha lido e mesmo não sendo daquele tipo que te faz rir alto, conseguiu me conquistar e me proporcionar algumas horas de muita diversão.

Como eu disse, Par Perfeito não se parece com nenhum livro do gênero que já tenha lido e o motivo é até bem simples: a narrativa. Nunca tinha lido um chick lit que tenha vários narradores diferentes - e protagonistas também! Já estou acostumada com esse tipo de narrativa em outros gêneros, mas nunca imaginaria que isso poderia funcionar em um chick lit, isso porque nesse tipo de livro ter uma protagonista carismática e forte é de extrema importância. Mas - surpresa! - funcionou sim, e muito. Se destacar e ser diferente hoje em dia é cada vez mais difícil e a Eleanor Prescott conseguiu fazer isso e fazer isso com qualidade. Adorei a experiência!

Falando sobre protagonistas, para mim esse foi um dos grandes pontos altos do livro. Adorei poder ter personagens tão diferentes como protagonistas da estória e poder ver o tema principal do livro (que se alguém ainda não percebeu, é o amor) de diferentes pontos de vista. No entanto fica bem claro durante a leitura que a Alice é a grande protagonista do livro e não poderia ficar mais feliz com isso, já que ela é a melhor personagem dentre todas. Mas também gostei muito da Kate e achei interessante ter ponto de vista de uma personagem tão detestável quanto a Audrey. Uma coisa muito legal é que o livro é todo sobre - na sua grande maioria - mulheres fortes e cheias de personalidade.

Mas o livro não está livre de ter o seu defeito e ele está exatamente no romance. Não me entendam mal, curti muito também essa parte da estória (afinal, sou uma boba romântica), mas algumas decisão simplesmente aconteceram rápido demais e simplesmente não pareceu algo natural e plausível. O que é uma pena, já todo o resto é realmente muito bom.

Tirando esse pequeno porém, eu super recomendo Par Perfeito para qualquer fã de chick lit ou para qualquer pessoa que estava atrás de um livro gostoso de ler e divertido. Foi uma ótima surpresa e agora eu vou com certeza atrás de outros livros da Eleanor Prescott. Podem aguardar resenhas!

site: http://rehabliteraria.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Nana 02/09/2015

Franquinho
Ai, com esse me decepcionei..
Poxa, adoro comédia romântica, mas essa não gostei, faltou comédia.
O romance que era para ser água com açúcar, tinha muito açúcar.
comentários(0)comente



João 19/08/2015

A coisa está feia!! Kate já passou dos trinta e até agora nada de um namorado!
Desiludida com os homens ela procura ajuda na agência de relacionamentos "Mesa para Dois".Nessa agência trabalha Alice,uma moça com um péssimo gosto pra se vestir mas com um talento excelente pra encontrar um par perfeito para seus clientes.Mas Alice tem uma pedra em seu caminho:Audrey,sua chefe cinquentona,não suporta Alice e seu maior sonho é demitir a pobre moça.
Audrey também tem uma inimiga mortal:Sheryl,dona de uma agência de relacionamentos rival e que tem um par de seios capaz de chamar a atenção de qualquer homem.
Lou é a melhor amiga de Kate e diferente da amiga o que ela quer dos homens é sexo.
E no meio de toda essa loucura aparece John,um homem que arrasa corações por onde passa.

Dizer que esse livro é bom seria pouco!!
O livro é fantástico!!
Divertido,bem-humorado me fez dar muita risada com as situações em que os personagens se envolvem.A autora me prendeu do começo ao fim do livro com seus diálogos divertidos e personagens bem construídos. Não tem como não gostar.
Agora entro na questão chick lit.Esse gênero de leitura é voltado para as mulheres.Mas falando francamente:desde quando um livro tem gênero?
Acho que as pessoas deviam julgar os livros apenas se são bons ou ruins!!
Não acredito nesse tipo de coisa de leitura voltada para homens,ou mulheres ou adolescentes e bláblablá.
Pra mim o que realmente conta é a diversão que um livro traz.Não importa se é pra um gênero ou outro.Se fosse seguir esse padrão teria deixado de ler muitos livros excelentes.Ainda bem que sigo só um caminho:leio qualquer tipo de livro.
Esse livro foi uma das minhas melhores leituras do ano.
Viva o chick lit!!!
Excelente leitura!


Amanda Ribeiro 01/06/2015

Doce e leve
Alice é uma casamenteira que trabalha em uma agência de relacionamentos e tem uma chefe que, digamos, não é a pessoa mais simpática do mundo, pra não dizer coisa pior. Ela é super romântica e acredita em amor verdadeiro. Por isso se dedica ao máximo quando clientes como a adorável Kate procuram seus serviços em busca do grande amor da vida. Porém, Kate está procurando o Homem Perfeito (coisa que todas as criaturas do sexo feminino deveriam saber que não existe) e é dever de Alice mostrar a ela que nem sempre o que a gente quer, é o que precisamos realmente. Alice ainda precisa encontrar seu próprio parceiro ideal. É aí que se envolve numa complicação ao olhar com olhos que não deveria para o "marido" maravilhoso de sua chefe rabugenta.
A Alice é extremamente fofa. Me deu a sensação de que o mundo seria um lugar melhor se pessoas como ela existissem aos montes. Só que em alguns momentos da aquela vontadezinha de entrar no livro e gritar: "menina, não seja tão ingênua! Fala umas verdades na cara dessa sua chefe jararaca!!"
A chefe em questão, Audrey, é realmente detestável, principalmente em relação ao modo como trata Alice. Mas, ao decorrer da trama, vai dando pena dela e a gente consegue ver que tudo o que ela precisa é de companhia e carinho.
Kate e sua melhor amiga, Lou, são praticamente opostas. Enquanto Kate é viciada em trabalho, comportada e sonha em construir sua própria família padrão americano, Lou é festeira, pega geral e quer é beber, beber e beber mais um pouco, se for possível. Ela detesta o fato de Kate ter contratado uma empresa de relacionamento para arrumar um marido. Gostei muito de Kate. Ela é super gente boa e traz a tona inseguranças que muitas mulheres também sentem.
Os personagens masculinos não me convenceram muito. Me apaixonar pelo mocinho é uma parte muito importante. Porque aí eu me envolvo mesmo, entro na estória e acaba ficando mais fácil curtir o livro. Infelizmente, isso não aconteceu dessa vez.
De qualquer forma, as personagens femininas foram muito bem construídas e a autora conseguiu trazer a tona uma verossimilhança sólida. Deu aquela impressão de que eu poderia conhecer qualquer uma daquelas mulheres na vida real.
O livro é narrado em terceira pessoa e a escrita da autora flui com facilidade. Assim, a leitura se torna super rápida e ideal pra quem quer relaxar ou está de ressaca literária. Não tem grandes dramas e o final é bem previsível.
OBS.: Achei que o final não ficou muito bem amarrado. O que aconteceu com alguns personagens não foi relatado e uma certa senhora detestável, Sheryl (rival de Audrey), só fez merda o livro todo e não recebeu castigo nenhum no fim das contas.
Bom, é um livro que não lerei novamente mas recomendo para quem curte um chick-lit tranquilinho.
Beijinhos ?
comentários(0)comente



Claudia 25/02/2015

Comecei a ler e logo achei que ia ser super divertido, com tiradas espertas, etc. Aquela personagem Lou, adorei, mas infelizmente bem secundária e não apareceu muito. Mas então me decepcionei, um livro muito previsível. Eu adoro romances, adoro essas histórias que sei que acontecem apenas em livros, e é por isso que eu leio, mas sério, como uma pessoa se apaixona por outra por apenas ver que ela foi esculachada na frente de um bando que não se importou? Acho que faltou mais "razão" para Alice e John formarem um par, faltou um "quê". Pra mim, não foi um bom livro, ficou longe de ser, simplesmente não desceu.
Sel 18/07/2015minha estante
Concordo! A autora criou "esteriótipos" e não personagens. Tentando encaixar as várias faixas etárias e "tipos" de leitores: a mulher de trinta ingênua e sonhadora/a de trinta workaholic/ a "periguete" que no fundo só quer um amor pra chamar de seu/a da terceira idade solteira e amarga mas que tem um sonho de amor...Blargh! Achei fraco, condescendente, uma decepção.Não recomendo. E sinceramente ser apaixonada por chick lit e escrever bem o gênero, tem uma grande distância. :(




29 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2