Destino Mortal

Destino Mortal Suzanne Brockmann




Resenhas - Destino Mortal


28 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Yasmin 24/09/2014

Surpreende. Divertida e sombria a trama é criativa e instigante. Ótimos personagens.

Confesso que conheci Suzanne Brockmann quando a editora Valentina, no ano passado recém-chegada ao mercado, anunciou que lançaria a nova série da autora por aqui e por curiosidade fui atrás de conhecer a autora e seu estilo. Só de a autora trazer militares nos papéis principais já gostei, mas tinha receio de que fosse mais romance do que tudo e por isso aguardei ansiosa por esse lançamento para tirar logo essa dúvida. E sim, depois de poucas horas de leitura divididas em dois dias posso dizer que tem sim muito romance, mas não da forma que está pensando, é complicado explicar como uma pessoa como eu, que não gosta de romances, gostou muito de uma história coalhada de romance, cenas absurdas, divertidas e carregadas de conteúdo adulto. Conheçam Destino Mortal, primeiro da série Destiny.

A sinopse fala bastante de uma das pontas que dá início da trama e do enredo por trás dela, mas vamos para uma outra parte. Sim, Shane vai fazer parte dos testes do Instituto Obermeyer, mas isso é apenas o começo. Do outro lado da trama temos Mac, uma mulher de 27 anos que atingiu 50% do uso de seu cérebro. Na história de um futuro não tão distante os Estados Unidos enfrentam uma das piores depressões tanto econômica quanto social. A sociedade decai em um espiral de preços altos, desigualdade social, governo corrupto e outros problemas como polícia ineficaz e controlada por terceiros. É ai que entra o Instituto e sua pesquisa. Eles pesquisam e estudam o cérebro e pessoas que podem acessá-lo mais do que os 10% visto em pessoas comuns. Mac é uma das poucas que pode acessar 50%, Stephen, outro membro da equipe também e o Dr. Bach chegou aos 72%, um dos únicos homens capaz disso, eles são Maiorais. Com esse acesso ao cérebro eles podem curar seus próprios corpos, ordenar o envelhecimento ficando sempre com a mesma idade física e aparência, assim como desenvolvem certas capacidades, como sentir emoções, conduzir objetos com a mente, penetrar na mente dos outros e muitas outras habilidades. O grupo tem tido trabalho com uma nova droga que vem varrendo as ruas, e sempre estão capturando novos viciados que enlouquecem causando destruição. A Organização que produz a droga usa o sangue de pessoas como Mac para produzir a droga, sangue de pessoas com maior capacidade mental, Maiorais. O de Shane chega aos 17% por isso será testado como futuro Maioral. E aí entra Nika, de apenas 13 anos e cujo cérebro já chegou aos 20% e por isso foi sequestrada. Correndo contra o tempo o grupo precisa encontrá-la antes que ela seja torturada das piores maneiras possíveis para a Organização conseguir a droga. E para piorar o grupo enfrenta dúvidas quando Shane consegue aumentar a capacidade mental de Mac. O que está acontecendo? Ele é um Maioral ou apenas um condutor? Como eles conseguirão encontrar Nika a tempo? Seus poderes podem ser maiores do que o próprio Bach?

Ficou longo, mas sinto muito, foi preciso para você sentir a história. É a partir dessa trama que Brockmann desenvolveu sua história. Uma história inovadora e perspicaz, bem construída e bem narrada, mas para jovens adultos e adultos O livro tem um lado sexual forte, não é erótico, longe disso, mas tem bastante cenas quentes, linguajar aberto sobre sexo e discussões envolvendo o assunto. Vale lembrar que a forma que Brockmann optou por usar é bastante leve e divertida, não é humor, não vá confundir tom leve e divertido com uma trama engraçada, porque não é. É sombria, triste e forte em vários sentidos, mas marcada por personagens vívidos, que passam por situações que divertem o leitor pelo clima que passa e por suas cabeças duras, que cativam e entrelaçam o leitor nos instigando, nos fazendo rir, mas também quase chorar até o fim sem nem perceber.

Mac é uma cabeça dura de marca maior, mas tem bom coração e passou por tanta coisa ruim na vida que é surpreendente a força que ela tem até nos momentos de fraqueza onde age de cabeça quente. Shane também é ótimo, ficamos curiosos para conhecer o misterioso passado o protagonista, que é sincero, inteligente, também teimoso e sofre até hoje por sua escolha. Falando dos personagens secundários, é impossível não gostar de todos. Bach, Elliot, Stephen, até Anna e Nika. Bach é uma figura inteligente e única, um dos melhores, adorei o doutor. São todos ótimos, assim como os antagonistas são terríveis e brutais, um choque para o leitor essas partes. Com uma ambientação forte e imersiva é impossível não sofrer com os personagens e sentir por eles.

O fim foi ótimo, uma conclusão cheia de ação e tensão, que mantem o leitor preso até o derradeiro ponto final. Com algum alento claro, mas também com tristeza. Estou curiosíssima para saber o que vem por ai e mesmo não gostando de livros com um lado mais sexual eu adorei a trama criada por Brockmann e é impossível não gostar e torcer por seus personagens. Isso sem falar da premissa criativa, um futuro não tão distante e o lado científico intrigante da trama que explora o cérebro e suas funções de forma tão criativa e perspicaz.

Leitura rápida, que flui de forma natural graças a uma narrativa cativante e cadenciada, ao mesmo tempo marcada por emoções fortes, pesadas e tristes e por sentimentos bons, amizade e amor. Suzanne Brockmann me surpreendeu com seu universo complexo de escuridão e beleza contrastantes. A edição da Valentina como sempre surpreende, fonte ótima, tradução cuidadosa, capa bem imaginada e que surpresa! O conto que antecede o primeiro livro falando sobre o incidente que fez Shane ser expulso dos SEALS e colocado na lista negra do governo que trouxe tanto problema para ele está no final do livro. Um conto importante que demonstra a atenção, qualidade e compromisso da editora com o leitor. Uma história que (...)

Termine de ler o último parágrafo em:



site: http://www.cultivandoaleitura.com.br/2014/05/resenha-destino-mortal.html
comentários(0)comente



Blog MDL 21/06/2014

Tão viciante quanto a própria droga Destiny.
Em uma sociedade em colapso e em recessão, o Instituto Obermeyer trabalha incansavelmente para encontrar uma forma de combater os terríveis efeitos de uma poderosa droga conhecida como Destiny. Comandado pelos doutores Bach, Mac e Diaz, o instituto se dedica também a encontrar pessoas com o potencial de desenvolver um alto índice neural e que por consequência, são capazes de executar coisas extraordinárias através do poder de suas mentes. Mas essa não era uma tarefa fácil, pois além de terem que enfrentar a descrença da população no trabalho que eles realizavam e os problemas causados por aqueles que “coringaram*”, um grupo de alto escalão conhecido como Organização estava raptando meninas especiais para utilizá-las como fonte de um ingrediente na fabricação de Destiny.

Tomando para si a responsabilidade de resgatá-las, os Maiorais – como são conhecidos aqueles que já completaram seu ciclo de aprendizagem dos poderes neurais – dão início a uma caçada que se torna cada vez mais difícil e complexa. Ainda mais porque cada um deles está tendo que enfrentar os seus próprios demônios que parecem cobrar vida. Mac que o diga, pois foi só conhecer o ex-Nave SEAL que os seus sentimentos cuidadosamente protegidos começam a sair do controle impedindo-a de pensar e agir com clareza. Mas para Shane as coisas também não estavam sendo fáceis, já que para tentar ter uma chance com a mulher que ele se encantou, ele precisa abrir mão de sua incredulidade e aceitar a existência desse universo oculto que por mais que parecesse ser formado por heróis, também era palco para a subexistência de pessoas cruéis e sem o menor escrúpulo.

Quando iniciei a leitura de “Destino Mortal” eu estava em um estado de distanciamento do livro que me é pouco característico. Acredito que o principal causador disso foi a consciência de que apesar do livro tratar de algo inteiramente novo para mim, entremeado a essa originalidade havia também as cenas sensuais que tanto me deixam insatisfeita atualmente. No entanto, por sorte tive uma agradável surpresa ao constatar que apesar da autora ter inserido cenas e diálogos de cunho mais sexual, ela fez isso de modo até discreto se equiparamos a sua história com a de outros autores do gênero. Isso por si só já a fez crescer em meu conceito, mas vê-la desenvolvido o romance e a sensualidade ao mesmo tempo em que trabalhava as emoções dos personagens e os expunha de modo puro, foi o que realmente me conquistou.

Ainda mais porque todos os seus personagens carregam consigo uma carga dramática que torna todos os sentimentos deles ainda mais reais em face as possibilidades aterrorizantes que rondam suas mentes quando novas informações a respeito do que pode estar acontecendo com as meninas raptadas são descobertas. O mais interessante é que apesar dos assuntos do coração sempre cobrarem uma solução mais rápida e efetiva, em nenhum momento eles deixam de focar no que é realmente importante e trabalham com afinco para encontrar uma forma de libertar as garotas. Sobre esse plote, posso dizer que é de embrulhar o estômago todas as situações que a autora expõe através dos olhos de Nika. Ela que é uma menina com imenso potencial, se ver forçada a viver coisas tão tenebrosas torna impossível a tarefa do leitor não se sentir aflito por ela.

Mas o melhor de tudo é que Brockmann trabalhou cada detalhe do seu enredo cheio de sutilezas de forma que ela nem posterga, nem se apressa. As coisas se desenrolam de maneira tão satisfatória com relação a esse timing que até me senti mal por não desenvolver empatia pela maioria dos seus personagens. Já que com exceção de Dr. Elliot e Nika, os demais sempre me deixavam chateada de alguma forma. No entanto, quero deixar claro que isso não afeta de maneira muito pronunciada a boa construção do livro como um todo, visto que nos demais aspectos a autora foi realmente maravilhosa e soube trabalhar de modo bastante claro uma teoria que a princípio pode parecer meio louca. Sinceramente? Mal posso esperar para ter o próximo livro da série em mãos!

* Na obra, a autora transforma o nome coringa (sim, ela faz referências ao Batman) em um verbo para se referir aos efeitos da droga Destiny.

site: http://www.mundodoslivros.com/2014/06/resenha-destino-mortal-por-suzanne.html
comentários(0)comente



Coisas de Mineira 20/02/2018

Não conhecia nenhum dos trabalhos da autora Suzanne Brockmann, somente inha lido algo rapidamente sobre a chegada de uma de suas séries ao Brasil pela editora Valentina e que o livro escolhido era "Destino Mortal" o primeiro da série (Destiny), uma mistura de ficção cientifica, romance e distopia em uma narrativa explosiva. E que o livro trabalhava com uma ideia totalmente original. Como iria solicitar um novo livro para resenha, acabei pedindo a Carina para me indicar uma leitura pelo twitter e não foi que ela me indicou "Destino Mortal". Já tinha lido algo por cima sobre o livro e ainda tive essa indicação não perdi tempo e o solicitei na primeira oportunidade que tive.

O livro começa com um enredo confuso e uma ideia genial. A autora me surpreendeu positivamente, pois simplesmente ela criou um mundo totalmente intrigante e personagens de tirar o fôlego que fazem o leitor fica sem ar a cada momento que seus caminhos se cruzavam. As primeiras cinquenta páginas foram confusas, até pensei em abandonar a leitura, pois estava achando tudo muito cansativo a autora teve que introduzir um mundo de informações para dar continuidade e desenvolver o conteúdo e fazendo com que muita informação fosse jogada nas paginas de uma forma difícil de ser absorvida. As páginas passaram e a narrativa ganhou um rumo mais autêntico e dinâmico com a apresentação dos personagens e a ideia de um governo corrupto, cidadãos que foram obrigados a arranjar uma forma para conseguir as premissas básicas de sobrevivência como falta de segurança, saúde e trabalho indisponível a todos, alem é claro da mão de ferro governamental e mesmo que o romance fosse o foco principal, não tirou o brilho do resto da historia.

A cada trecho que lia, queria mais, e a cada novo personagem apresentado sentia que precisava de novas informações que dariam um novo rumo àquela história, porque eu já estava quase completamente certa de que a autora iria me surpreender com algo totalmente novo ao decorrer da história e mesmo tendo essa certeza ainda era surpreendida com suas ideias.

Suzanne descreveu personagens fortes, capazes de usar uma parte importante de seu cérebro que os faziam ter alguns superpoderes que me lembrou das histórias em quadrinhos que meu irmão lia para mim quando criança (e que ele ainda coleciona), mas sem ser uma copia deles e sim uma referencia dos personagens.

E como alguns livros que eu li, esse também teve sua parte que ficou marcada em minha memória:

*A melhor delas foi a forma como a mocinha é apresentada como a personagem principal Mac, ela não tem nada de fenomenal, magra por causa dos treinamentos para a agência a qual trabalha, acha que todos os caras só querem ficar com ela por causa dos seus poderes, ela nem é de parar quarteirão.

*A descrição que a autora realizada através da visão do mocinho bonitão, o EX- Seal Shane Laughlin.

*A forma como eles se conhecem em um bar, Shane Laughlin estava nele para ver se conseguia ganhar alguma grana jogando sinuca porque não tinha mais, e Mac entrou porque queria uma bebida. Quando Shane chegou perto da Mac, ela fez cara de “sai fora, não estou a fim de companhia”. Eu a adorei, porquê deu a impressão de cara que a personagem era muito marrenta, e o Shane insistente.

Enfim, o livro foi uma delícia inusitada que tive muita dificuldade de descrever para vocês, queria colocar aqui o que achei sem contar nada de importante da leitura ou estragar alguma surpresa que a autora disponibilizou para o leitor. Acho que consegui mostrar o tanto que gostei sem contar nada. Espero que gostem!!!

Por: Leh Pimenta
Site: http://www.coisasdemineira.com/2015/08/resenha-destino-mortal-destiny-01.html
comentários(0)comente



luzuanon.appromances 13/06/2014

Destino Mortal é um livro para adultos, mas não aconselhável para cardíacos. Suzanne Brockmann, criou personagens bem marcantes, que me prendeu do começo ao fim!

A história é bem complexa e difícil de explicar em poucas linhas, mas a premissa é a seguinte: Uma sociedade do futuro um grupo psicologicamente poderosíssimo trabalha discretamente para eliminar das ruas um tipo de droga que pode rivalizar com as habilidades da equipe do Instituto Obermeyer. Muitos são capazes de desenvolver habilidades como a telepatia, a telecinesia, cura acelerada, não envelhecimento, etc . Embora possa parecer complicado, a autora conseguiu tornar a trama bem simples de entender, personagens marcantes que sobressaem aumentando ainda mais o valor da história, junto com boas cenas de ação, paixão, suspense paranormal e a ousadia da autora!

Mac faz parte da equipe do Instituto, uma mulher com um passado traumático, muito "marrenta", não se apega a nada só tem como prioridade suas missões até que conheceu Shane Laughlin um homem inteligente, corajoso e divertido. Ele era um SEAL por causa de um mal-entendido foi motivo para uma dispensa desonrosa da marinha, sem emprego candidatou a um programa de seleção no Instituto Obermeyer.

O desenvolvimento de relacionamento desses dois é muito complexo e interessante. Por conta de um dos poderes Mac não acredita nas intenções de Shane, ele tem um longo caminho a percorrer. Mac precisa da ajuda de Shane, e ele encontra a oportunidade perfeita para se aproximar mais dela. Significa, que há uma grande quantidade de cenas de sexo, embora o casal principal não seja os únicos que se destaque nesta história, outros atravessam por momentos de auto conhecimento (risos).

Nem todos os momentos são felizes. Alguns são repletos de tristeza e sofrimento, meninas estão sendo sequestrados e torturados. A partir daí, cabe a equipe do Instituto Obermeyer tentar localizar o local do cativeiro o quanto antes e libertar todas das ações desumanas que sofrem. A prioridade deles é uma menina de 13 anos com grande capacidade neural e papel fundamental a desempenhar e os criminosos não pode descobrir.

Os personagens interagem entre si de modo que as suas histórias ficam entrelaçadas do começo ao fim do livro. Confesso que durante a leitura, Mac me irritou causando certa antipatia. Contudo, foi difícil escolher qual deles era favorito que aparecem no livro: Mac, Shane, Joseph, Elliot, Diaz, Ana, Nike são carismáticos ao extremo.

Achei toda a história muito bem contada, nota-se que a autora tem talento para a coisa e que pensou em um mundo futurista um tanto assustador. A escrita é fluída e dinâmica e é possível perceber a construção de fortes personagens, mas que em alguns aspectos são bem vulneráveis.

Apesar das mais de 500 páginas, e um bônus sobre o real motivo do desligamento de Shane, da marinha a história não termina aí. Gostei muito desta minha estreia com Suzanne Brockmann e quero continuar a ler mais livros dela. A curiosidade advém do motivo de querer saber qual o rumo das personagens e quais será as próximos missões da equipe do Instituto Obermeyer.

Nem sei o que falar da capa, sinceramente, achei maravilhosa. Não tenho preferencia se o livro é impresso em folhas brancas ou amarelas. Sobre a revisão, diagramação, a editora está de parabéns. Para leitores que gostam de livros paranormal, a leitura é indicada.

site: http://www.apaixonadaporromances.com.br/2014/06/destino-mortal-da-suzanne-brockmann.html
comentários(0)comente



Leituras e Delírios 31/01/2018

Destino Mortal seria o primeiro volume de uma série escrita pela Suzanne Brockmann, publicado pela Editora Valentina aqui no Brasil, porém após uma pequena pesquisa no site da autora descobri que ela talvez não vá dar prosseguimento a série. O que me deixou p da vida, acho que quando alguém se propõe a fazer algo que envolve expectativas ela tem a obrigação de ir até o final, até para não deixar coisas em aberto como aconteceu aqui.

Em um futuro onde há uma grande crise mundial que atingiu em cheio dos Estados Unidos, há grande fome, desemprego, etc. existem pessoas que tem poderes especiais adquiridos através da integração de áreas do cérebro não exploradas, essas pessoas são chamadas Maiorais. Shane Laughlin, um ex - SEAL está com problemas financeiros, depois de ser expulso da Marinha e ser colocado na lista negra, ele não consegue arrumar emprego e sua última opção é aceitar o convite do Instituto Obermeyer para participar de pesquisas. Em sua última noite, Shane resolve arrumar companhia e conhece Mac em um bar, o que ele não sabe é que Michelle - Mac - Mackenzie não só trabalha no Instituto, como também desenvolve um trabalho contra uma nova droga que leva as pessoas a loucura além de lhes dar poderes especias: o Destiny.

O que me deixa mais chateada com a autora é que essa série tinha muito potencial, a narrativa é mais adulta, é sensual, tem cenas bem desenvolvidas, personagens fortes e com ação na medida certa. A escrita da Suzanne também é maravilhosa, não é extensa, nem cansa o leitor com muitos detalhes desnecessários, muito pelo contrário, ela consegue envolver sem entediar quem está do lado de cá.

Mac é uma mulher com um passado marcado pela violência, ela é uma vítima e se culpa pelos poderes que possui.Ela não quer se envolver emocionalmente com ninguém, pois acha que esse sentimento não é real. Quando conhece Shane, ela logo sente algo inexplicável e não só a nível emocional, a nível físico também.

Shane, por sua vez, é aquele personagem muito conhecido como florzão! Ele é todo grande, mas no fundo é um ursinho de pelúcia. Também tem um passado sombrio e honrado que o levaram a ser expulso da Marinha. Quando conhece Mac está desesperado, prestes a agarrar o que ele acha ser sua última chance e quando eles tem uma noite quente tudo que ele pode pensar é nela.

Confira a resenha completa no blog!

site: http://www.leiturasedelirios.com.br/2017/11/destino-mortal-suzanne-brockmann.html
comentários(0)comente



Felipe Miranda 01/09/2014

Destino Mortal - Suzanne Brockmann por Oh My Dog estol com Bigods
Sempre presei pela sinceridade e transparência em minhas resenhas. Da mesma forma que deixo bem claro os motivos que me fizeram não gostar de alguma obra, faço questão de explicar o por quê de ter morrido de amores por outra. Solicitei Destino Mortal pela curiosidade que se instalou após a leitura da sinopse porém admito que procrastinei o livro por quase um mês. Talvez a capa tenha me sugerido coisas que constantemente me afastam de certas obras e, convenhamos, não há leitor que não se assuste com mais de 550 páginas brancas. Até os acostumados com tramas extensas hão de concordar de que um livro como esse requer um tempo que muitas vezes não temos.

A sensação que me consome nesse exato momento é a de arrependimento por não ter dado uma chance mais cedo para a obra de Suzanne Brockmann. Poucas vezes afirmei isso em minhas resenhas porém não há saída: Destino Mortal foi a melhor leitura de 2014 até agora. A autora não pecou em absolutamente nada, meus olhos e mente simplesmente não detectaram um deslize ou exagero, não há o que se por ou tirar. Cada personagem é dotado de uma problemática pessoal tão interessante a ponto de você não saber quem é o protagonista. A escrita deliciosa e envolvente da autora mantém um ritmo tão frenético (incluindo os momentos de não-ação) que devorei 550 páginas em dois dias. Vocês sabem o que isso significa? Geralmente leio 300 páginas em 4 dias. Tenho convicção de que leria 30 sequências se a autora resolvesse levar a série tão longe assim.

A trama é ambientada no final do século XXI onde uma nova droga está literalmente fazendo a cabeça de seus usuários. Seu nome? Destiny. Quando bem recebida a substância ilícita afeta uma parte do cérebro responsável pela regeneração e desenvolvimento imediato de capacidades mentais, porém a maioria das pessoas acabam com seus cérebros fritados em um surto mortal ao primeiro contato com a droga.

Diante disso temos os dois lados da moeda: O Instituto Obermeyer trabalha no rastreamento de pessoas especiais, são homens e mulheres que utilizam mais que 10% de sua capacidade mental e podem vir a desenvolver poderes e habilidades extraordinárias. A organização empenha-se no treinamento e exercício pesado para a obtenção de tais resultados além de tentar combater e socorrer os usuários de Destiny que surtam nas diversas partes da cidade. O lado corrupto e maligno do enrendo é a Organização, um grupo de alto escalão responsável pela produção e distribuição de Destiny. O interessante é que a droga é feita a partir de hormônios liberados pelo medo. Não um medo qualquer mas um medo que vêm de garotas sequestradas e mantidas em cárcere privado numa sangria mortal que envolve estupro e condições desumanas.

O Instituto Obermeyer é comandado pelo Dr. Bach, um sujeito com uma integração neural de 72%. Dá pra imaginar? O que torna a estória apaixonante são as habilidades que cada um adquire de acordo com seu nível cerebral: capacidade de cura, leitura de pensamentos, telecinesia, telepatia, poder de atração, sonhos projetados, controle do fogo. Enfim são super poderes dignos de qualquer herói de histórias em quadrinhos, filmes ou animação. É impossível não desejar ter alguma dessas habilidades em algum momento da leitura. As pessoas com integração neural super avançada recebem o nome de Maiorais e as pessoas comuns são Fragmentos ou Minorais.

Situaram-se? Pois bem. Anna Taylor teve sua irmã Nika sequestrada. A garota de 13 anos desapareceu sem deixar rastros e nenhum contato foi feito. Quando os computadores do Instituto Obermeyer detectam que Nika cultivava uma capacidade cerebral de 20% não restam dúvidas para o Dr.Bach e sua equipe. A Organização está por trás do ocorrido. Começa então uma corrida para localizar a garota e salvar não só sua vida como as de outras meninas em perigo.

Como eu disse no início dessa enorme resenha, cada personagem mantém uma problemática pessoal interessante. Shane Laughlin é um ex-tenente expulso da Marinha por desrespeitar ordens diretas de superiores, ele agora está na lista negra e impossibilitado de arranjar qualquer emprego decente. Quando um anúncio o classifica como um potencial recruta para testes de laboratório do Instituto Obermeyer, ele não pensa duas vezes em se candidatar a vaga de emprego. Afinal, eles não se importam com lista negra alguma. A grande questão é: Shane Laughlin passou a noite transando com a Maioral Michelle Mac e ela está relutantemente o evitando de todas as formas possíveis. Sabe aquele casal que a gente realmente torce? Entre tapas e beijos definiria bem esses dois. Além de serem donos de personalidades fortes e opostas, Shane e Mac me deram uma página inteirinha que marquei como quote. Se puderem dar uma observada corram para a página 306 e concordem comigo. Trata-se de um dos trechos mais lindos de todos.

Outro Maioral que me fez perder o fôlego foi Stephen Diaz. O cara simplesmente leva a regra de celibato a sério há 15 anos reprimindo uma paixão avassaladora por seu colega de trabalho, o Minoral Elliot. Vocês não tem ideia do desenrolar desse relacionamento. O erotismo está super presente na trama porém da forma mais bem colocada possível. E se essas relações íntimas potencializem os poderes neurais dos Maiorais? É lindo, excitante e de tirar o fôlego. De longe o romance gay mais original e cheio de adrenalina. O Dr. Bach se envolverá com Anna Taylor durante todo o processo de busca de Nika. As invasões do doutor na mente de Anna os colocarão em uma situação tão íntima que a atração será a consequência menos perigosa de todas.

Eu poderia escrever incontáveis parágrafos descrevendo a genialidade de cada personagem e aspecto da trama mas minha intenção não é que você me odeie. As reviravoltas e surpresas são tão constantes que seria um absurdo eu não comentá-las ou escrever algo curto e sem profundidade. Se você leu até aqui só tenho a te agradecer. Espero que tenha te convencido a se apaixonar por essa loucura que é Destino Mortal. Acho que deu para perceber minha empolgação com o livro, não é mesmo? Te desejo as mesmas sensações ao lê-lo.

site: http://www.ohmydogestolcombigods.blogspot.com.br/2014/09/resenha-destino-mortal-suzanne-brockmann.html
comentários(0)comente



Cris Paiva 06/09/2014

Quando eu comecei a ler, não estava muito no clima, achei que não ia gostar desse aspecto futurista da historia, e que iam enfiar umas tecnologias meio malucas no meio, enfim, comecei a ler o pé atras, achando que ia ser uma derrota e que ia perder o meu tempo com um livro chato.

Tá, achei isso só nas primeiras páginas, depois engrenei na leitura e só larguei quando cheguei na última página.

O mocinho, Shane (que aliás é um daqueles mocinhos de verdade, como há muito não via), foi desligado com desonra dos SEALs e agora está na maior pindaíba, com os seus últimos trocados no bolso, e se inscreveu para participar de umas experiências em uma organização meio estranha.

Organização essa na qual trabalha a mocinha, Mac, que é uma mulher pra lá de estranha, e não tem cara nenhuma de mocinha. Os dois se encontram em um bar, onde o Shane pretende ganhar mais uns trocos, enganando otários na sinuca. Os dois clicam logo de cara e tem uma noite daquelas!! Mas a Mac descobre que ele vai trabalhar de cobaia no mesmo lugar que ela, e foge correndo.

Mas não tem jeito, o Shane vai atras dela e os dois se envolvem em uma investigação sobre o desaparecimento de meninas, ligados a produção de uma droga mortal chama Destiny, e pessoa que toma essa droga vicia a tal ponto, que a unica cura conhecida é a morte. E a organização por tras dela é mais mortífera do que qualquer organização terrorista conhecida.

Mac tem ao seu lado uma boa equipe formada por Maiorais, pessoas com intelecto tão superior ao nosso que foram capazes de desenvolver poderes telecinéticos e telepáticos que ajudam no combate a esse tipo de crime, pois a droga que eles combatem tem como efeito colateral, além do efeito de rejuvenescimento, uma piração total da pessoa, que desenvolve o mesmo tipo de poderes que os Maiorais, mas um pouco mais descontrolados, como soltar fogo pela bunda, por exemplo.

Tá, eu apaixonei total no Shane, mas detestei a Mac! Não sei como que uma pessoa que trabalha numa organização como a dela, e salva vidas das pessoas, é tão descontrolada como ela? A mulher não tem limite nenhum, ela sai por ai fazendo cagada e esperando que dê tudo certo. Minha vontade era acertar a cara dela com o meu tamanco de madeira pra ver se botava juízo naquela cabeça oca. O mulherzinha irritante!! Não sei como que o Shane ficou parado na dela, não deu para entender.

Minha sorte é que o livro é muito mais que apenas a Mac, tem os personagens secundários que roubam a cena legal! Como o sr. Príncipe Encantado da Disney, o dr. Josheph Bach; o gostosão fortão Stephen Diaz e o seu interesse romântico, o médico nerd Elliot, e a irmã de uma das meninas sequestradas, Anna. Boa parte da historia se desenvolve em torno deles, então deu para engolir as histerias neuróticas da Mac sem jogar o livro na parede.

Tem até uma historinha-brinde no final que explica o porque da saída desonrosa do Shane dos Seals, que alias, de desonrosa não tem nada. Aproveitem!
Elis 07/09/2014minha estante
Acabei de comprar esse livro!! hahaha
Vai subir na lista porque estou precisando de Shane na minha vida agora!


Cristine 22/09/2014minha estante
é tão difícil achar um livro com uma mocinha decente..
as autoras ficam tão preocupadas em fazer o mocinho perfeito que esquecem da mocinha, e fazem umas criaturas que pelo amor de Deus, nada salva!!




Carol M 10/01/2018

Destino Mortal
Suzanne Brockmann é autora best-seller de vários e vários livros, e é muito bem-conceituada no mundo literário. Porém, esse é o primeiro livro dela que leio. ‘Destino Mortal’ é o primeiro livro da série Destiny, e se passa em um futuro nos Estados Unidos, é um livro que transita entre a nossa realidade atual e uma ficcional futurista.

A narrativa é construída atrás de muitos olhares, todos os personagens que integram o grupo principal do enredo têm histórias próprias, apesar de estar tudo entrelaçado. Gostei muito da construção dos personagens, todos eles tiveram uma linearidade e a autora soube dar tempo ao tempo para conhecermos e nos apegarmos a eles.

O único ponto negativo, e que realmente foi um tanto pesado pra mim, é que a história demora muito pra se desenvolver, acredito que ao mesmo tempo em que ela trabalhava na construção dos personagens, deveria ter trabalhado no enredo principal. Porém senti que em alguns momentos ele é deixado em suspenso, ou se torna repetitivo, transformando assim o final do livro denso, rápido e com uma conclusão fraca.

Mas falemos dos pontos positivos então, quando comecei a ler pensei “Ó Céus, mais um livro se super-heróis, estilo X-Men”. Porém não se trata disso, pois os Maiorais não são superpoderosos só porque nasceram assim, tem toda uma questão cientifica por trás, e muito bem explicada e elaborada, então achei um tanto original (na medida do possível).

Outro ponto relevante, é que Suzanne Brockmann, conseguiu trabalhar com temas muito pesados mesmo em um universo futurístico, várias vezes me vi fazendo um paralelo entre a ficção e a realidade, e como alguns absurdos existem na vida real e não vemos acontecer.
No geral foi uma leitura muito boa, porém muito extensa e densa em algumas partes que, para o desenrolar do tema principal, se tornam um tanto repetitivas e irrelevantes.

E vocês, qual foi o último de ficção que te fez refletir sobre a realidade? Conte aqui nos comentários!

Até a próxima!

Para essa e outras resenhas, acesse o link abaixo

site: www.blogcontracapa.com.br
comentários(0)comente



Ana Luiza 13/11/2017

Em um futuro sombrio, uma garota é sequestrada para fabricar uma poderosa e perigosa droga chamada Destiny. Um grupo de pessoas com poderes especiais, chamadas de Maiorais, tentam encontrá-la, enquanto um deles, a esquentada Mac, se envolve em uma paixão tórrida com o ex-marinheiro Shane. Com um início rápido, meio e final arrastados, Destino Mortal foi uma boa leitura, apesar de não tanto quanto eu esperava. A leitura foi demorada, mas interessante. A autora criou um universo intrigante e perigoso, assim como personagens marcantes.

O romance dos protagonistas é clichê e repetitivo, mas o mistério e tensão envolvendo um perigoso cartel de drogas é intrigante e garante um bom suspense e ação a história. Com muita sensualidade, drama e adrenalina, Destino Mortal pode agradar fãs de romances sobrenaturais e fantasia urbana, que não se importam com tramas com mais de 400 páginas. O livro, apesar de não ter sido a leitura rápida que eu esperava, conseguiu me cativar a ponto de querer dar mais uma chance para a autora. Eu com certeza leria outra obra da Brockmann e quero conferir a continuação de Destino Mortal, caso ela saia.

LEIA A RESENHA COMPLETA E VEJA FOTOS DO LIVRO NO BLOG:

site: http://www.mademoisellelovesbooks.com/2017/11/resenha-destino-mortal-suzanne-brockmann.html
comentários(0)comente



Lu 26/05/2020

Bom, só algumas ressalvas.
Foi ótimo, gostei muito da leitura, algumas partes são eletrizantes. Mas algumas coisas deixaram a desejar. O fato de Bach e Anna não terem se resolvido e ela ter uma noção distorcida dele no final. O vai e vem de Shane e Mac. O único casal que foi absolutamente perfeito, foi Elliot e Diaz. Em resumo, foi muito bom, agradável. Ansiosa para a sequência que pelo visto, não sairá tão cedo. (Aparentemente os fãs estão esperando desde 2014). Recomendo a leitura.
comentários(0)comente



Raffafust 17/06/2014

Nunca li nenhum livro de J.D Robb, então, por esse motivo todas as comparações feitas com " Destino Mortal" não influenciaram minha leitura. Logo no início a autora nos avisa que é mais um livro dela falando sobre os SEALS americanos , já li muitos livros sobre eles por causa de Osama Bin Laden, mas ainda não havia lido nenhum dela.
Logo no início Destino Mortal já começa com muita ação, sabemos que um viciado em Destiny ( uma droga poderosa) está coringando dentro de casa, ou seja, surtando. Esse termo " Coringar" que não por acaso vem do personagem mais doido das histórias do Batman, é falado no livro várias vezes, já que muitos viciados na droga coringam e perdem o controle de si. Ao contrário de muitas drogas que conhecemos, a Destiny rejuvenesce o usuário e é bem cara, fazendo com que muitas pessoas já tenham vendido bens materiais para continuar usando a. A tal droga é criada pela Organização que ganha rios de dinheiro prometendo com ela a juventude e força além do normal.
Conhecemos um grupo de Maiorais , pessoas que são treinadas em um Instituto para deterem os surtos dos usuários e também estudar os poderes que pessoas que primeiro são Potenciais mas mais tarde se tornam Maiorais tem, dentre eles o de cura. De acordo com os estudos eles tem um cérebro poderoso , que ajuda a curar e agir de forma acima da média de um ser humano normal.
O livro tem muitos personagens mas o foco é mais em Mac, uma Maioral que se envolve emocionalmente com Shane, um ex Seal expulso por mal comportamento e lindo como todo bom protagonista. Os dois vão protagonizar cenas hots durante o livro fazendo com que a gente torça para o casal que faz de tudo para estar longe um do outro mas vê que é quase impossível. Para se ter ideia, Shane quando a conhece até a chama de feia, diz que a beleza dela não está no corpo por ter peitos achatados mas sim no olhar e que ela é muito pequena. Com o tempo, pelo jeito, ele descobre - como dizem - que são nos menores frascos que tem as melhores fragrâncias já que vai ficar " viciado" nela.
No Instituto Obermeyer ( chamado de IO boa parte do livro) eles vão ter encontros, desencontros e muitas cenas calientes para nossa alegria!
Por outro lado, também conhecemos a história de uma menina de 13 anos chamada Nika, ela sumiu e está sendo procurada pela irmã Anna desesperadamente, a princípio nem sabemos se a menina está viva e nos impressionamos com as atitudes mercenárias dos policiais que cobram até para a irmã preencher uma ficha relatando o sumiço.
Ao longo da história Nika aparece - e muito - para o leitor, e vemos que foi sequestrada para estudarem sua mente . Quem a sequestrou também pegou um monte de meninas para ver se elas de verdade são Maiorais. Não vai ser fácil se livrar do tal cativeiro e reviravoltas vão acontecer a todo instante, inclusive muitas das cenas com sua irmã Anna são bem emocionantes.
Os demais protagonistas também completam com perfeição essa história que me deixou com a pulga atrás da orelha querendo saber mais detalhes ( sim, o livro tem continuação!). Diaz , unha e carne com Mac, é um personagemq eu gostei muito. Assim como Dr. Joseph Bach o chefe da equipe de Mac ( que na verdade se chama Michelle Mackenzie) e Diaz.
Com um final que me deixou querendo um pouco mais, aguardo ansiosa a parte 2! Gostei muito da escrita da autora.
comentários(0)comente



ricardo_22 30/06/2014

Resenha para o blog Over Shock
Destino Mortal, Suzanne Brockmann, tradução de Renato Motta, 1ª edição, Rio de Janeiro-RJ: Valentina, 2014, 536 páginas.

O ex-Navy SEAL Shane Laughlin já está sem alternativas quando consegue um emprego para participar de um teste no Instituto Obermeyer, uma fundação que trabalha com atividades secretas. Quando chega ao local, Shane não demora a descobrir sobre a existência de pessoas com habilidades especiais que conseguem acesso a regiões inexploradas do cérebro. Essas pessoas são conhecidas como Maiorais e devem passar por treinamentos para explorar seus poderes de forma consciente.

Mas a sociedade norte-americana está um verdadeiro caos e um grupo de pessoas descobriu que uma droga conhecida como Destiny pode ser uma alternativa muito lucrativa. A droga não apenas oferece a juventude eterna, como também transforma qualquer pessoa em um Maioral. O que poderia ser ótimo para todos, na verdade se trata de um grande perigo e apenas pessoas do Instituto Obermeyer podem ajudar.

“A dor quase a fez desmaiar. Ela gritou um pouco mais e soluçou, acompanhada por um coral de gritos que ecoavam pelas paredes. O que ele espetara em seu braço beliscava, queimava e parecia uma ferroada; ela percebeu que ele estava dando pontos em seu braço, espetando e puxando uma agulha através da sua pele. O que ele enfiara em seu braço continuava lá dentro, com um pedaço espetado para fora” (pág. 94).
Antes de iniciar a leitura de Destino Mortal não tinha consciência do que poderia encontrar, a não ser a mistura de suspense, fantasia e sensualidade. Tudo levava a crer que se tratava de um tipo de enredo, por isso que encontrar absolutamente o contrário se tornou uma grata surpresa e a experiência foi a melhor possível, apesar de encontrar sim pontos desagradáveis.

Os pontos agradáveis, no entanto, chamam a atenção ainda no início, com grande destaque para a ótima e viciante escrita de Suzanne Brockmann, que inclusive interage com o leitor, mesmo em uma narrativa em primeira pessoa. Além disso, o suspense é muito bem explorado, por isso sempre a necessidade de prosseguir com a leitura e assim desvendar os mistérios.

Mesmo com tais pontos positivos, de certa forma a autora exagera na quantidade de informações, que são de fato importantes para a compreensão, mas também causa confusão para o primeiro livro da série Destiny. Destino Mortal é um raro caso em que algumas coisas poderiam ser exploradas com mais calma e outras, em especial as habilidades de cada personagem, deixadas para futuros volumes.

Isso acontece porque a série é basicamente a união de vários pequenos detalhes, que juntos tornam tudo muito complexo. O que dá para dizer é que alguns dos personagens de Brockmann possuem habilidades especiais relacionadas ao intelecto e divididas em vários níveis, o que motivou a criação da já citada droga que dá nome à série.

Outra coisa que pode ser confusa é a importância do sexo para o enredo, já que não se trata de um elemento descompromissado e justamente por isso as cenas extremamente quentes são tão frequentes quanto bem escritas. O sexo, diferente do imaginado a princípio, se torna o ponto forte da obra, que seria inferior e até mesmo cansativa com a ausência desse detalhe tão natural.

site: http://www.overshockblog.com.br/2014/06/resenha-254-destino-mortal.html
comentários(0)comente



Clã 10/08/2014

Clã dos Livros - Destino Mortal
Num futuro após a segunda grande depressão que arrasou com o sistema econômico dos EUA, abrindo um gigante abismo entre os ricos e os pobres, Destiny, uma droga que promete manter as pessoas sempre jovens, circula entre os que ainda conseguem se manter econômicamente. Altamente viciante e perigosa, a droga estimula partes do cérebro nunca usadas e faz com que quem usa, desenvolva poderes telecinéticos impressionantes.

O Instituto Obermeyer (IO), investe em treinamento para pessoas que apresentam níveis de interação neural maiores do que o normal. Essas pessoas desenvolvem naturalmente poderes, sem precisar da droga.

Shane Laughlin, é um ex- Seal em busca de emprego. Estar na lista negra do governo dos EUA e sem nenhum dinheiro no bolso realmente não ajuda. Com a depressão horrível, é quase impossível conseguir algum trabalho, então ele resolve se arriscar no Instituto Obermeyer, onde disseram que ele seria um potencial. Mesmo sem saber bem do que se trata, e com receio de virar uma cobaia, ele resolve arriscar.

"O pior é que estar na lista negra de corporações ligadas ao governo significava que ele nunca mais conseguiria arrumar emprego. Não seria contratado nem pelos poucos que ainda tinham um restinho de fortuna, depois da última queda na economia mundial; eram as pessoas que precisavam de segurança particular para protegê-los das coisas apavorantes que se moviam pela noite.Shane simplesmente não era bem-vindo."

Porém, como não sabe se ficará confinado por muito tempo, decide ir em busca de uma noite de prazer e encontra Mac, uma mulher que o surpreendeu de muitas maneiras.

Michelle Mackenzie é uma maioral do IO. Apesar de ter muitas habilidades, como a sedução irresistível, ela ainda precisa treinar outros poderes. Decidida e um pouco arredia, costuma resolver seus problemas sozinha. Tem um passado traumático que prefere não expor. O sexo para ela, além de prazeroso, auxilia na cura de seus ferimentos, por isso, naquela noite precisava encontrar um bom par.
Ao se deparar com o ex-Seal Shane, surpreendeu-se com a energia liberada por ambos. Nunca sentiu-se assim com ninguém antes, mas descobrir que ele era um potencial que se apresentaria no IO no dia seguinte, foi como um balde de água fria.

Como os dois conseguirão lidar com a forte atração dentro do ambiente de trabalho tão tenso como o IO?

"Mac pensou novamente em Shane e no que ele jamais poderia representar para ela; refletiu sobre o que ele jamais podria significar em sua vida, mesmo que ela mandasse tudo as favas e passasse os próximos dois anos com ele na cama, todas as noites."

O livro é fantástico! Do tipo Uauuuuuuu!

A droga é poderosa e causa efeitos diferentes em cada usuário e a maneira como é conseguida a sua matéria prima é assustadora e repugnante, fazendo com que todos que estão no IO queriam exterminar os traficantes da Organização (nome da quadrilha que sequestra pessoas para pegar a matéria prima e comercializa a droga ).

Alguns maiorais (pessoas com grandes habilidades) muito interessantes e muitos potenciais (pessoas que podem desenvolver habilidades) em treinamento, aparecem ao longo do enredo. Além disso, acompanhamos a história de vários personagens e seus conflitos.

Com um enredo intenso, repleto de ação, sobrenatural, drama, um pouco de humôr, sexo e romance, o livro é maravilhoso e não tem nada de lento, mas o início pode ser um pouco confuso, já que são muitas informações novas, porém rapidinho a gente se localiza e curte. O enredo é muito bem amarrado e nos prende do início ao fim, apesar das 534 páginas.

Para os apaixonados pela Irmandade da Adaga Negra, enfim... encontramos outra série no ponto

site: http://cladoslivros.blogspot.com.br/2014/08/resenha-destino-mortal-livro-1-da-serie.html
comentários(0)comente



CAMILA 03/09/2014

Intenso... Emocionante ... Sexy....
Primeiramente vou me desculpar com meus seguidores aqui do blog, pois essa resenha deveria ter saído na sexta mas infelizmente, ou poderia dizer felizmente, não sei ainda... Mas não consegui porque ainda não havia terminado a leitura de Destino Mortal. Não se preocupem, não é porque achei o livro tedioso ou chato, pelo contrário Amei!!! E a medida que as páginas iam acabando, meu coração ficava apertado imaginando o quanto sentirei falta dessa emocionante, intensa e quente história. Antes imaginava ser um romance sobrenatural, onde cada livro contava a história individual de cada personagem e quando fui lendo e vendo que estava completamente enganada, fui tomada por uma adrenalina sem explicação, onde me via torcendo por cada personagem e suas particularidades.

Inicialmente nos deparamos com Shane, um ex-SEAL da marinha, sem rumo e sem eira, que não tem nada no mundo, a não ser poucos dólares em sua conta bancária. E do outro lado temos Mac, uma mulher forte, com poderes extraordinários que deixaria qualquer um ao seus pés. Conhecida como Maioral, Mac é uma das pessoas especiais que fazem parte do IO (Instituto Obermeyer), onde vivem e são diferenciados pelo nível de habilidades que conseguem utilizar do cérebro, dentre elas a autocura. Achou complicado? Pois tenta imaginar a escola de pessoas especiais do X-Men. Isso mesmo, foi a primeira coisa que me veio a mente. Mas antes de vocês aprofundarem a imaginação e pensar que o IO tem um manda chuva prostrado em uma cadeira de rodas, como o Prof. Xavier, podem tirar essa imagem da cabeça, porque lá temos o Maestro, ultra, mega poderoso (e para completar gato) do Dr. Bach. E ainda por cima, para completar esse trio de Maiorais, conhecemos também Dr. Dias.

O trio de maiorais são responsáveis por recrutarem pessoas tão especiais quanto eles, que são chamadas de "Potenciais", que com o treinamento devido no IO, podem se tornar Maiorais um dia. E ao mesmo tempo, tentam combater de todas as maneiras seus arco inimigos da Organização, que também querem encontrar tais "Potenciais", mas com objetivos mais perversos: criar fontes para a produzir em larga escala uma droga chamada Destiny. Um individuo sob o efeito de Destiny é praticamente um monstro com poderes sobre-humanos, capazes até de cuspirem fogo pela boca. Dá pra imaginar uma coisa dessas???

E quando a gente pensa que só isso já é problema demais para os nossos Maiorais, a autora coloca em nossos braços outros temas ainda mais fortes, como: sequestro, romances complicados entre Maiorais e Potenciais, bandidos asquerosos, traumas conflitantes ..... Ufa!!! Deu para entender o porquê não consegui resenhar esse livro antes? Porque simplesmente é muito bom e queria economizá-lo e só posso dizer que: Não vejo a hora para ler a sequência!!!

Amei tudo! Amei os casais que se formaram, suas descobertas e principalmente o que fizeram para que o amor prevalecesse. E claro como adoro os filmes da Marvel e super-heróis, amei o fato de que a história tem um pouco disso, com batalhas emocionantes, suspense, aflição e tudo mais. E se me perguntam se indico a leitura? Claro que sim, mas já aviso que o livro é tenso e contém teor adulto, apesar de imaginarem o contrário. E foi esse "teor adulto", que fez com que me interessasse ainda mais pela história.


site: http://www.leituraseloucuras.com.br/2014/08/destino-mortal-destiny-livro-01-suzanne.html?showComment=1409715795050#c1047892348190324407
comentários(0)comente



Literatura 11/11/2014

Vício intensivo

Quando peguei Destino Mortal nas mãos e vi as comparações com a Série Mortal de J.D.Robb, foi óbvio que aquela coceirinha interior de leitor inveterado começasse a me corroer Tentei largá-lo de lado, fingi que não o via, tentei correr desta história afinal de contas tinha um monte de livros na minha lista. Mas não resisti muito tempo e poucos dias depois estava mergulhado nesta trama viciante. Mais que o próprio Destiny que dá nome a série.

Calma que eu vou explicar. O cenário desta série de ação e distopia é um mundo em crise, tomado por uma grande depressão econômica. Nele, os ricos encontraram uma forma de não irem a bancarrota. Criaram o Destiny, uma droga poderosa, capaz de oferecer a juventude eterna e poderes mentais que nenhum humano é capaz de imaginar. E o pior é que esta nova droga, nas mãos de um cartel sinistro, começa a produzir este veneno em alta escala.

Para combater essa epidemia, o ex-SEAL Shane entra em um programa do Instituto Obermeyer para fazer parte dos Maiorais, um grupo de treinamento que acessa a partes inexploradas do cérebro e aprendem técnicas ancestrais, conseguindo despertar poderes e usá-los de forma responsável. Ou seja, os mesmos poderes de quem utiliza o Destiny, só que sem os perigos da droga experimental.

E romance, tem? Tem pegação sim! Michelle, uma das agentes mais poderosas dali tem um segredo. Shane bagunçou a sua vida em uma noite de sexo totalmente selvagem e agora ela não sabe como lidar com isso.

site: Leia mais em: http://www.literaturadecabeca.com.br/resenhas/resenha-destino-mortal-vicio-intensivo/#.VGHhXvnF-VM
Djeih 29/11/2014minha estante
Oi ! Acabei de ler este livro e me apaixonei ! Estou doida atras de noticias sobre q continuação, sabe dizer quando esta previsto de sair o vol 2 ?




28 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2