O Silêncio das Montanhas

O Silêncio das Montanhas Khaled Hosseini




Resenhas - O Silêncio das Montanhas


214 encontrados | exibindo 16 a 31
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 |


Valério 28/11/2014

Compilação
Khaled Hosseini tem o dom de comover com histórias tristes, aguçando a sensibilidade de seus leituras com situações de grande injustiça, que incomodam e tendem a refletirmos quanto à pequenez de nossos problemas, face à difícil vida que muitos levam do outro lado do mundo.
Assim foi com "O Caçador de Pipas" e também com "Cidade do Sol" (na minha opinião, seu melhor livro).
Também presenciamos a mesma habilidade neste livro e temos o coração trespassado de dor e piedade.
Contudo, o livro se mostra na verdade uma reunião de várias histórias.
Parece que o autor tinha vários esboços de história. Não conseguiu desenvolvê-los para transformá-los em livro e resolveu juntar todas estas histórias incompletas em um único livro, tomando apenas o cuidado de criar um link entre todas as histórias. Assim, o protagonista de uma história era um tio distante do protagonista de outra, que era mãe adotiva do protagonista de outra história, que alugou a casa de outro protagonista, que era chofer de outro protagonista, e assim sucessivamente, em aproximadamente umas dez histórias compiladas.
A leitura fica um pouco cansativa, pois não chega a lugar nenhum. O autor poderia ter feito um livro de contos. Assim, pelo menos, não criaria a expectativa - não satisfeita - de um desfecho único e centralizador para a história.
No fim, fica a sensação de que faltou algo, que a história não está completa.
comentários(0)comente



Eduardo 21/08/2013

Poderia ter sido melhor
O livro é aquém do esperado, muitas histórias que se ligam mas que acabam deixando o leitor confuso, quando você começa a se apegar a algum personagem a história acaba. A história central que permeia as outras é interessante, mas o tempo todo você fica esperando por algo que não acontece e acaba por não empolgar e o deixa uma sensação de que não foi o suficiente, que poderia ter sido melhor...

No final das contas não é um livro ruim mas que poderia ter sido melhor do que foi.


João 24/07/2013

O Silencio das Montanhas narra história de dois irmãos separados
cruelmente na infancia.Confesso que ja de inicio gostei do livro
com o pai de Pari e Abdullah contando uma história
pros dois dormirem.E tudo segue muito bem até que Pari é separada
do irmão.Ai na minha opinião a espinha dorsal do livro que era
história dos dois irmãos se perdeu completamente.A partir dai vão aparecendo outros personagens narrando sua vida.Todos se entrelaçando com a história de Pari e Abdullah.Só que pela quantia de personagens e a rapidez com que passam os anos(são seis decadas),eu não consegui
me prender a nenhum deles.Diferente dos outros livros do autor em que voce praticamente vive a vida dos personagens esse não dava tempo de voce criar laços com eles.Repito:o livro é ótimo,mas fiquei com aquela impressão de ter lido varios contos em vez de uma história só.
Alias cada narrativa daria um livro visto que todas tem enredos muito interessante.Destaque para a narrativa de Parwana.Só a narrativa dela ja daria um excelente livro.
O autor coloca aqui a mesma escrita excelente dos outros,mas acho que
a trama principal que poderia emocionar ficou meio de lado
só tendo destaque no começo e no final do livro.
Não deixa de ser uma excelente leitura mas que não deixou aquela vontade de ler de novo.

Sueli 27/07/2013minha estante
João, depois Cidade do Sol, eu fiquei com medo desse autor. E, a sua resenha serviu de desculpa para eu não sair desesperada e comprar esse livro.
Vou deixar para depois, ok?
Abraços


João 27/07/2013minha estante
A escrita dele continua excelente Sueli mas não curti o estilo dessa vez:muitos personagens pra pouco livro.Talvez se fosse um livro mais extenso em que desse pra se aprofundar mais na vida de tantos personagens.




day 24/06/2013

maravilhoso livro!!
Sou suspeita a falar dos livros do Khaled Hosseini
Desde que li o caçador de pipas me apaixonei pelo estilo dele.
Livros tocantes,fortes e cheios de emoção.
Em o silêncio das montanhas não poderia ser diferente.
O livro é um misto de histórias de personagens que se entrelaçam na mesma história.
O ponto principal do livro são os irmãos Abdullah e Pari.
Irmãos que perderam a mãe cedo,e foram viver com a madrasta e o pai.
Pari é vendida pelo pai ,e criada por uma família rica...
Pari ainda é muito criança...
quando saí do afeganistão com a mãe adotiva para morar na frança.
Abdullah nunca esqueceu a irmã...Pari sente durante toda sua vida uma ausência ...
O livro conta a história de Nabi ( meio tio de abdullah e pari)
de markos um médico grego
e de mais personagens que nos fazem nos sentir próximos de suas realidades.Pois são personagens que como nós ,têm que fazer escolhas na vida e arcar com as consequências de suas escolhas.
É um livro que nos faz rir,chorar,sentir raiva...
Um misto de emoção e arrebatamento foi o que senti.
recomendo a leitura,é maravilhoso!!
LidoLendo 04/07/2013minha estante
Oi Day!! O que acontece com os irmãos na infância é um grande spoiler! Coloca aviso!! :) Tbm adorei o livro!




Edna 13/08/2013

A alma do meu irmão
O Silêncio das montanhas nos remete ao passado sem delimitar o presente e o misterio do futuro que apesar de não conhecermos trabalhamos em prol de inumeras mudanças no sentido de melhorarmos e esquecemos muitas vezes que o interior é que deve ser trabalhado como pessoas, como ser humano que somos. Khaled Hosseini nos prende desde o inicio nesta grande obra sem alterar seu dom de superar as espectativas de quem o lê.Maravilhoso Khaled é o que posso dizer.
comentários(0)comente



Anderson 17/12/2013

Um silêncio depois de um livro!
O Silêncio Das Montanhas de Khaled Hosseini, me decepcionou de um jeito muito grande, pois pra quem leu as suas duas obras magníficas, deve ter notado que o livro é muito cheio de voltas, muitos personagens sem ligações, variações cronológicas ao extremo e muitos diálogos, que com seus detalhes chega a nos confundir, Khaled Hosseini sabe criar personagens únicos com enredos muito hipnóticos, mas no Silêncio Das Montanhas, o livro começa perfeito com uma historia de duas crianças sendo separadas pelos próprios pais, Pari e Abdullah, e logo vem um outro personagem contando sua historia que deixa o livro apaixonante, Nabi, mas a partir do 4º capítulo o livro fica inacreditavelmente chato e confuso, esse livro nunca vai chegar aos pés dos seus outros trabalhos, mas ainda fica a esperança de um dia ele retornar com um livro genial como foi o Caçador De Pipas ou A Cidade Do Sol!
comentários(0)comente



Rosa Maria 10/07/2014

As cores de um mosaico
Não é um romance. É uma novela. Não possui um único conflito.Possui vários.
Não importa o local .Pode ser na Grécia ou no Afeganistão...
O importante são as pessoas. A grandeza do ser humano , seus medos e suas verdades .
Não existe um protagonista. Todos os personagens são únicos, importantes e protagonistas de suas histórias.
A cada capítulo Khaled apresenta um ser e uma vida.Retalhos que vão formando um mosaico .
É um convite a uma viagem onde o passado é fator decisivo no futuro.
comentários(0)comente



Natielli 29/07/2013

Emocionante
Muito mais do que uma história entre dois irmãos, o que para alguns é considerado como "fora de roteiro" na verdade são as várias vidas, histórias envolvidas partindo apenas de uma relação fraternal.
O grande vilão dessa narrativa é o tempo e o mundo talvez.
A verdade sobre o que faz vc ser alguém, em que momento da sua vida voce vai decidir, mesmo sem querer, o seu enredo.
Mas a grande questão mesmo, é a vida que passa, e quantas vezes não é vivida. E quanto perdemos? E quanto ganhamos?
Uma história de reflexão sobre familia, amor e egoísmo.

"(...) o tempo é como um encantamento. A gente nunca tem o quanto imagina."

Antes de ler o livro, compre uma caixa de lenço de papel.

:)
comentários(0)comente



Tiago 13/08/2013

Achei as história paralelas desnecessárias, poderia ter sido diferente se ele tivesse dado uma conclusão a elas... e o final foi desanimador quando eu penso que ele escreveu "O Caçador de Pipas" e "A Cidade do Sol" . Espero que ele volte com a formula antiga.
comentários(0)comente



Nai 28/08/2016

Levemente frustrante...
Khaled fez com que meus olhos e coração se voltassem para os afegãos. Li os dois livros anteriores e as historias me tocaram mas O silêncio das montanhas, definitivamente, foi a obra mais enfadonha que já li dele e, quando cheguei ao final me senti muito aliviada!
comentários(0)comente



Douglas 18/06/2013

Diferente sim. Encantador sempre.

Bem, acredito que algumas pessoas tiveram o receio de ler essa obra de Khaled Hosseini devido aos comentários que "não é tão bom assim quantos os outros dois livros" ou que "segue várias histórias ao invés de uma" ou que "esperava mais deste, Hosseini não é mais o mesmo". Bom quanto a isso eu discordo totalmente. Realmente esse livro embarca em várias histórias, mas isso não tira o encanto e o poder de Khaled Hosseini em sua narração, é como se tivéssemos O Caçador de Pipas interligado com A Cidade do Sol, seriam duas histórias diferentes, mas nem por isso deixaria de ser encantador, certo?

O bom desse livro é que tudo faz sentido, eu diria que Hosseini quis inovar um pouco, testar um meio diferente, ou desafiar suas capacidades de autor, e ele conseguiu com sucesso mostrar que mesmo através de tantos personagens, ele consegue dar uma identidade narrativa a todos eles e fugir de uma época a outra com precisão e muito talento.

A história começa na aldeia de Shadbagh, onde Abdullah e a irmãzinha Pari possuem um laço muito forte um com o outro, até porque o irmão trocava sua fralda e acompanhou tudo de perto, coisa que o pai Saboor não tinha a sensibilidade de fazer, e mais trabalhava pra manter o sustento da família em um local tão pobre, ao mesmo tempo que a madrasta Parwanna também não se importava muito, se importando mais com seu filhinho legítimo Iqbal, sim a mãe legítima de Abdullah e Pari já estava morta.

E nisso tudo, acontece um fato, que dá a engrenagem na história, e assim quando a gente pensa que vamos continuar acompanhando tudo, a história muda para Nabi, o tio deles por afinidade, o irmão de Parwanna, que vinha com o carro chique do patrão levá-los a Cabul de vez em quando. E assim começa a contar como foi a vida do tio e com o seu patrão, e depois muda para a vida de um conhecido do tio, e depois para uma poeta a quem Nabi se apaixonou, para depois voltar aos personagens principais passado algum tempo, e nisso tudo interligando fatos e gerações, parentescos, para contar melhor a experiência de cada um. Eu diria que Khaled quis mostrar o poder do tempo, das coisas, das atitudes que podem mudar uma vida toda.

O bom de tudo isso, é que mesmo tendo esses mistos de histórias, elas não deixam de ser tão emocionantes e tão palpáveis ao realismo que Khaled Hosseini consegue fazer com maestria nos outros dois livros.
Os outros dois romances traziam várias emoções em uma única história. O Silêncio das Montanhas trás várias emoções em várias histórias, mas junto disso, o peso do tempo, da vida e das atitudes que podem mudar tudo, definir uma vida. E depois de terminar o livro você percebe que leu uma história só, uma história do tempo de uma geração de família que no meio desses desencontros, encontraram seus objetivos e razões para seguir em frente.

Não tenha medo de encarar a obra, Hosseini é Hosseini e seu brilhantismo como provado nesse livro não deixa de encantar leitores, nem que ele passe a escrever de ponta cabeças.
comentários(0)comente



Lugmara 06/12/2014

O Silêncio das montanhas
Desta vez, Khaled resolveu nos brindar com não uma, mas várias histórias de afeganistãos.
Mais do que nos mostrar um estilo de vida e uma cultura, ou os sofrimentos e dificuldades de um país devastado por guerras, Khaled nos mostra como nossas escolhas afetam o rumo de nossas vidas e a de quem nos rodeia. Trata-se ainda mais, do peso que essas escolhas provocam na alma. Será que conseguiremos carregá-lo?
comentários(0)comente



Mary 21/06/2017

Esperava mais
"O tempo é como um encantamento. A gente nunca tem quanto imagina."
A história fala sobre dois irmãos muito ligados, Pari e Abdullah, que foram separados ainda na infância. No início gira em torno da história deles, mas depois são contadas histórias sobre personagens secundários que têm pouca ligação com os irmãos, e eu fiquei o livro todo com esperanças de que no final todas as histórias se juntariam de verdade. Algumas dessas histórias foram pouco ou nada relevantes.
O primeiro livro que li do autor foi O caçador de pipas, que mexeu muito comigo. Quanto a este, digo que é diferente, não é bem o que eu esperava. Para quem leu O caçador de pipas e sabe toda a carga emocional que ele tem, O silêncio das montanhas nem chega perto.
Apesar disso, é um livro que recomendo, pois é sensível, tem uma boa história e deixa uma boa mensagem sobre a passagem do tempo. Entretanto, se você nunca leu nada do Hosseini, talvez seja melhor começar por outra obra do autor.
comentários(0)comente



Dudu 30/07/2013

Esplêndido
Esplêndido. Esse é o adjetivo que cabe a esse livro; O auto inovou na narrativa da historia sob varias óticas dos personagens.Comprei o livro na expectativa deste ser como os outros anteriores, que o autor lhe mantém refém do drama pessoal dos personagens protagonistas, mas me surpreendi com a nova formula de narração bem amarrada das historias. O livro fala sobre perdas, família,amor, oportunidades perdidas,sonhos. Na minha opinião o melhor livro do autor.
comentários(0)comente



Prof. Angélica Zanin 09/05/2014

O grito afegão
É difícil indicar esta leitura, até porque trata-se de um livro difícil de ler. O narrador não é linear, assim como o tempo não é cronológico o que acarreta uma certa dificuldade na sequência da leitura. Claro que através de seus personagens e de suas experiências entramos em contato com a cultura afegã e com todas as dificuldades que este povo enfrenta e enfrentou em um passado não muito distante. É possível também conhecer personagens que, mesmo longe de suas origens, ainda se preocupam e se comprometem com seu povo e com sua realidade.O autor faz isto com sua obra, utiliza-a com sabedoria e generosidade em favor de seu povo. As duas "Paris" são marcantes, sensíveis e sobreviventes, mas a que me marcou profundamente foi Nila Wahdati de origem afegã(paterna) e francesa(materna)que ao fugir do Afeganistão com sua filha "adotiva" justificou-se assim a um repórter francês:"Mulheres que veem seus desejos suprimidos e seus sonhos desfeitos, e ainda assim-e isso é o pior de tudo- nós as vemos sorrindo e fingindo não estarem absolutamente frustradas. Como se tivessem vidas invejáveis. Mas quem olhar mais de perto vai ver o olhar indefeso, o desespero, e como isso desmente a aparência de bom humor. É bastante patético. Eu não queria isso para minha filha."
comentários(0)comente



214 encontrados | exibindo 16 a 31
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 |