Como Dizer Adeus em Robô

Como Dizer Adeus em Robô Natalie Standiford




Resenhas - Como Dizer Adeus em Robô


61 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Lizia.Yohanna 23/06/2021

Uma garota robô que protege um coração de ouro
É um Young adult até legal, tem todas as características do high school norte-americano: as panelinhas, os romances, o bullying, o livro do ano, o baile de formatura com certeza é uma leitura que agradará o público mais adolescente. A narrativa é fluida, tem alguns plot-twists na história que revelam questões mais profundas que ajudam a entender o comportamento de alguns personagens e alguns são de cortar o coração. Mas alguns fatos são tão absurdos que por mais que eu tenha voltado na leitura para tentar entender ainda assim não compreendo, acho que se fosse contado da perspectiva do Jonah eu pudesse ter assimilado melhor. Os pais de Bea principalmente a mãe me causava uma espécie de ranço gigantesco até mais da metade do livro e mesmo depois que descobrir os reias motivos dela ainda não consegui aceitar o jeito que ela tratava a filha. No final não espere um casal fofo junto porque apesar de falarem muito sobre romances no livro o foco principal é as descobertas e aceitação dos personagens, foi um final basicamente como eu imaginei que seria mais ainda esperava um pouco mais de felicidade para Bea e principalmente para Jonah já que sua história ficou toda em aberto. Enfim foi um aprendizado como toda leitura é mais não pretendo reler um dia.
comentários(0)comente



Flavia 18/08/2013

Inesquecível....
Beatrice Szabo, ou Bea, é uma jovem de 17 anos, filha única, e acredita que as cabeleireiras da Islândias são as pessoas mais felizes do mundo. Ela é bem solitária pois vive se mudando de cidade e de escola devido às ambições de seu pai, com quem ela se dá bem melhor do que com sua mãe, então ela não se apega a nada nem ninguém já que logo vai se afastar e deixar tudo pra trás, como sempre. Baltimore é seu novo lar após ter deixado Ithaca e desde essa última mudança, Bea notou que sua mãe estava se comportando de forma muito estranha, principalmente após um episódio em que as duas encontraram um gerbil (um tipo de esquilo) e o pobre logo morreu. A mãe de Bea aprontou um escândalo de tão sentida que ficou (o que nos leva a suspeitar sobre sua sanidade já que ela não era apegada nem nunca tinha visto o bicho na vida), mas a menina se mostrou super fria e indiferente com o ocorrido. Por isso, Bea além de ser tratada com muito descaso por ela, foi considerada como sendo alguém insensível, sem coração, uma robô feita de lata...

Na nova escola, Bea faz algumas amizades. Ela conhece ASUE (Anne), Tom, Tiza, Walt e especialmente Jonah Tate, de quem tem uma aproximação maior.
Jonah também é muito frio e solitário... além de viver sendo alvo de risadas na escola desde a 3ª série devido a sua aparência que lembra um fantasma, leva a vida com a filosofia de que deve ser invisível. Sua história de vida não é muito feliz já que perdeu a mãe e o irmão gêmeo deficiente. Ele vive com seu pai, que é muito rico e lhe dá tudo que ele precisa, exceto o mais importante: o amor fraterno...

Bea e Jonah são bem parecidos... são solitários, tímidos, insatisfeitos com tudo que estão em torno deles, e passam a ficar ainda mais curiosos um com o outro devido ao The Night Lights, um programa de rádio que adentra a madrugada e funciona como uma terapia em grupo, cujos ouvintes participam e embarcam num "Tapete Voador", usando codinomes para se abrirem e desabafarem sobre o que os afligem, compartilharem seus medos, preocupações, sonhos, desejos e o que mais quiserem falar. Bea participa como Garota Robô, e Jonah, o Garoto Fantasma, apelidos que, de certa forma, os definem. O relacionamento dos dois ultrapassa as barreiras da amizade e vai além do que poderiam imaginar... e sentir... Bea acredita que Jonah sofre em silêncio, principalmente quanto revelações sobre o irmão dele começam a vir a tona, e ela está disposta a ajudá-lo, só resta saber se o garoto vai permitir...

Narrado em primeira pessoa, "Como dizer adeus em robô" é um livro que traz uma história super original e carregada de emoção em que temas fortes como bullying, solidão, depressão, problemas familiares e psicológicos são abordados de uma forma crua, melancólica mas ao mesmo tempo com muita doçura. A leitura é fácil e fluída, delicada mas muito ácida.
O amor aparece como algo diferente do que estamos acostumados, mostrando que por mais que aparente ser algo forte, é muito frágil. É algo inexplicável e surpreendente...
Bea é uma personagem que apesar de ter problemas e ser insensível, consegue ser muito humana e me senti muito próxima a ela. Jonah, ao contrário dela, é uma incógnita. Ele é imprevisível, misterioso e bastante complexo. Não tente entendê-lo, nem duvide de sua capacidade... Os demais personagens, por mais que sejam secundários, são muito bem construídos, desde os pais de Bea, os alunos da escola e até o locutor e os ouvintes peculiares do The Night Lights. Com certeza alguém irá se identificar com algum deles.

A parte física do livro é admirável. O telefone (meio de comunicação com o programa de rádio) da capa é em alto relevo e os capítulos tem divisões onde as páginas são cor-de-rosa trazendo o mês em que os acontecimentos se iniciam. As páginas são brancas e a fonte tem um tamanho perfeito. A diagramação é de encher os olhos, de tão caprichada. Durante as conversas no programa, os nomes dos personagens também são destacados em rosa.

Com um final imprevisível e que com certeza vai arrancar lágrimas dos mais sensíveis, "Como dizer adeus em robô" é o tipo de história que carrega uma beleza extrema, que não deve ser lida de forma superficial jamais. Deve ser apreciada e sentida aos poucos, pois fica na memória e deixa saudade ao acabar...
comentários(0)comente



Vinícius 13/06/2013

www.o-livreiro.com
Beatrice Szabo está acostumada a se mudar de cidade em cidade para acompanhar o pai em seu desejo incessante de progredir na carreira acadêmica. Como resultado, ela aprendeu a não ficar muito ligada a algo ou alguém; já que é certo que ela terá que deixá-lo em algum momento. Quando Bea e sua família se mudam para Baltimore, ela sabe que, afinal, não tem muito com que se preocupar; especialmente porque está em seu último ano antes da faculdade, e em breve poderá ficar finalmente sozinha (longe da mãe que parece não a querer por perto e que a acusa constantemente de não ter coração, de ser uma robô).

Mas o que Beatriz não esperava era que, ao conhecer Jonah Tate (também conhecido como Garoto Fantasma), um jovem quieto e observador, sem um amigo desde a terceira série e que esconde uma mágoa intensa e uma perda profunda, o gelo em seu coração fosse começar a se dissipar… Jonah e ela constroem um laço forte enquanto compartilham segredos, madrugadas ouvindo um programa de rádio chamado The Night Lights, gostos, angústias e planos, mas, apesar disso, Bea não consegue fazer com que a tristeza que parece cingir Jonah desapareça por completo — no fim, Bea será capaz de ajudá-lo ou ele, como um fantasma, está destinado a desaparecer?

"A arte perdeu significado. Tudo perdeu. Ele está incompleto e nunca mais poderá ser inteiro."

***

Como Dizer Adeus em Robô (Galera Record, 2013) me conquistou de tal maneira que, ao relancear os olhos pela última frase, parei, encarei o teto e pensei que talvez pudesse relê-lo já, agora; que, talvez, pudesse retornar imediatamente para mais uma viagem a bordo do Tapete Voador, ouvidos a postos para mais uma madrugada imaginária, permitindo minha mente vagar desperta pelo The Night Lights. Conclui, fechando o livro e com os olhos ainda marejados, que já sentia falta dos personagens, embora tivesse acabado de me despedir deles.

Bea, como narradora, cumpre seu papel muito bem. Natalie Standiford a criou de modo que o leitor se sinta próximo dela, simpático às suas dores e problemas e que a veja como alguém tangível, e não só-mais-um-personagem-impossível-de-um-livro. Jonah, por sua vez, é complexo em demasia e sua personalidade não agradará todo mundo. Você pensa que o entende, pensa que sabe o que ele fará, quem é, mas não — e isso é o melhor e o mais triste. A relação entre o casal principal abre caminho dentro de uma trama rica e belamente construída, cheia de matizes, e é no sentimento de que tudo é verdadeiro e real que Como Dizer Adeus em Robô se sobressai.

"— Por que está com tanto ciúme? — perguntei. — Não é como se você fosse meu namorado nem nada. Você é?
— ”Namorado” é uma palavra tão idiota — falou Jonah. — Não, não sou seu namorado. Achei que estávamos muito além disso. O que somos não pode ser descrito por palavras triviais como “namorado” e “namorada”. Até mesmo “amigos” não chega nem perto de descrever."

O elenco deste livro foi um dos mais completos que li nos últimos tempos. Desde Anne Sweeney, Tom, Walt, os pais de Jonah e Bea aos peculiares ouvintes assíduos do The Night Lights, todos são soaram incríveis para mim — alguns menos caracterizados que outros, menos explorados, porém, bons ainda assim. A morbidez, a melancolia e as sutilezas intrínsecas à escrita de Natalie foram aspectos marcantes e singulares, pelos quais acabei me apaixonando por completo e sem reservas. Além disso, a narrativa fácil da autora contém um toque interessante de bizarrice, envolto em ironias cheias de deboche.

Se você pretende ler essa obra, sugiro que o faça tarda da noite, relaxado; o vento batendo em seu rosto, o barulho da cidade enfim se apaziguando. Sugiro que também não a leia apressadamente, com avidez — correndo o risco de perder sentidos implícitos nas entrelinhas —, já que ela precisa ser apreciada. Não apenas lida, porque, sem dúvida, não seria suficiente.

Como Dizer Adeus em Robô é um romance único, que fala de um tipo diferente de amor — um tipo mais raro e que não se prende às convenções — e, no geral, é uma representação da razão da própria vida: nos magoa, nos conforta e nos muda. Muito embora não detenha nenhum elemento de sobrenatural em suas páginas, esse livro contém, contudo, magia; porque, afinal, a maior magia não é nossa imaginação?
Brubs 24/07/2013minha estante
Perfeita resenha!




Henri B. Neto 24/09/2013

Resenha: ''Como Dizer Adeus em Robô'', de Natalie Standiford
Para começo de conversa, eu vou ser bem sincero com vocês. E com isto, eu quero dizer que eu não esperava nada deste livro. Não, isto não é verdade. A verdade é que eu sabia muito pouco sobre ele (quase nada), e o que encontrei nas páginas de ''Como Dizer Adeus em Robô'' simplesmente foi o oposto do que eu estava supondo que iria encontrar. E, ao mesmo tempo em que constatar isto foi meio que chocante, também foi maravilhoso.
.
''Afinal, o que estava esperando?'', você deve estar se perguntando. E eu respondo: eu realmente não sei. Sério. Pelo título, eu imaginava que o livro fosse ser, sei lá, um romance bonitinho e engraçadinho sobre uma menina apática que finalmente encontra a sua cara metade. O que, sob uma óptica bastante destorcida e doentia, pode até ser. Mas ele não é SÓ isto. Quero dizer, mesmo agora, depois de semanas após ler ele, ainda não sei se posso classificar esta história como um romance em seu estilo mais genuíno. Uma história de amor? Sem sombra de dúvidas. Mas um romance? Não mesmo!
.
Mas não me julguem. Afinal, nem Bea (nossa garota Robô) ou Jonah (nosso garoto Fantasma) sabem o que possuem. Eles não são namorados, mas também não só apenas amigos. O que eles possuem, é grande demais para qualquer tipo de classificação social pré-determinada. Ao mesmo tempo em que são muito semelhantes, os dois são completamente diferentes. Bea aprendeu à ser uma Wallflower com a vida. Sempre se mudando de uma cidade para outra por causa dos pais, a garota se forçou à apenas observar as coisas. Mesmo que, em alguns momentos, ela queira exatamente o que outras garotas de sua idade querem. Já Jonah... É mais complicado. Muito mais complicado. Assim como Bea, ele também é um Wallflower. Mas enquanto ela seria - em uma escala imaginária - uma ''wall'' de nível 2 indo para o 3, ele seria do nível 12. No mínimo, e sendo bastante carinhoso com o rapaz!
.
Aliados à estes dois protagonistas completamente fora dos padrões, nós temos uma escrita bastante diferente. A narrativa da autora, além de simples é levemente pretensiosa. Mas de uma forma gostosa, e completamente não forçada. Cada parágrafo é carregado de sarcasmo e humor negro, mas isto não agride ao leitor de forma alguma, muito pelo contrário. Mesmo sendo um livro estável e sem reviravoltas constantes, ele te leva através das páginas sem que você se dê conta.
.
Se eu pudesse classificá-lo, eu diria que ''Como Dizer Adeus em Robô'' estaria bem próximo aos Sick-lits, os queridinhos do momento. Mas, mesmo assim, acho que seria meio errado. Ele é diferente demais, único demais, e ao juntá-lo com outros deste mesmo gênero, sinto como se tivesse tirando toda a identidade que ele possui e que transborda em cada palavra. Só sei que eu ri bastante. E chorei bastante também. E não esperava chorar ao chegar no final dele. Mas, eu chorei, e muito, então tinha que compartilhar com vocês. Prepará-los para o que podem encontrar.
.
Enfim, sinto que escrevi demais, e não disse nada com nada. Estou sendo confuso, pois ele é um livro confuso... E esta que é graça toda. Se eu entregar qualquer outra coisa, por menos que pareça, acho que estaria quebrando um pouco da magia que ele possui. Na minha cabeça, esta é uma daquelas histórias onde você precisa saber o mínimo possível - para poder se surpreender à cada virada de página. E ele te prende do início ao fim - de uma forma completamente estranha e não convencional. E põe não convencional nisto! Tudo o que eu posso dizer é: Leia o livro. Se surpreenda. Julgue os protagonistas. Fique com vontade de abraçá-los. Julgue os coadjuvantes. Ria e Chore. Sem arrependimentos.
.
Henri B. Neto
''Na Minha Estante''

site: http://naestante-henribneto.blogspot.com.br/2013/09/resenha-como-dizer-adeus-em-robo.html
Dany 30/07/2014minha estante
Concordo plenamente e muito obrigado por fazer esta resenha chorei ao me identificar com seus sentimentos e devo dizer que voce tem razão Como dizer adeus em robo nao é um livro comum é pra mim meu bem mais precioso ,logo no começo consegui me ver sentir e ate mesmo respirar pela pele "metálica" de bea ,e nunca tive tanta raiva de galinhas até o momento em que sua mãe começou a usa-las nos ouvidos.
Enfim para mim este livro é minha alma e agradeço a Deus por ter criado Natalie Standiford ,agradeço a ela or Jonah ,Buck ,Bea Walt e até mesmo as Annes ,e honestamente gostaria que ele parasse de ser divulgado que nao fosse lido por aqueles que nao podem compreender sua linda e triste imperfeiçao.
Sei muito bem o quão egoista este pensamento é mas para mim eu gostaria que ele continuasse sendo meu como a um doce segredinho.
Isso é tudo e obrigada




Bel 10/08/2021

Vamos viajar em um tapete voador?
Mais uma das indicações de um bookstagram (@leiturasdanico) que deixa o coração quietinho! O final acabou comigo ?

"Com um toque melancólico, o livro conta a singular ligação entre Bea e Jonah. Eles ajudam um ao outro. E magoam um ao outro. Se rejeitam e se aproximam. Não é romance, exatamente mas é definitivamente amor. E significa mais para eles do que qualquer um dos dois consegue compreender? Uma amizade que vem de conversas comprometidas com a verdade, segredos partilhados, jogadas ousadas e telefonemas furtivos para o mesmo programa noturno de rádio, fértil em teorias de conspiração. Para todos que algum dia entraram no maravilhoso, traiçoeiro, ardente e significativo mundo de uma amizade verdadeira, do amor visceral."
comentários(0)comente



Anna 21/03/2021

White people problem....
Eu acho que não entendi direito o problema desse livro. O que exatamente eles estavam sofrendo?
É um livro adolescente, bonitinho, com uma personagem principal desajustada e um moleque chato, que sofre desde a 3° série sem tentar melhorar.
E eles não se ajudam, não aprendem nada novo, não tentam nada, nem saem para conhecer vários lugares legais... Tipo nada.. é só white people problem sabe... Aí como minha vida adolescente é difícil, aí meus pais estão se separando e eu sofro, aí não tenho amigos e quando eles se aproximam eu fujo.. aiaiai....Livro ruim!
comentários(0)comente



Lola 09/08/2020

Não sei bem o que dizer. Esse livro me despertou muitas sensações. Eu chorei e ri e tive vontade de abraçar certos personagens. Impliquei com outros e me chateei com certas coisas.
A escrita é muito boa e a "realidade" da história, mesmo que algumas coisas pareçam coisa de novela, é surpreendente
Não era o que eu esperava, mas foi uma surpresa muito boa.

Personagens: 9.8/10
Enredo: 9/10
Escrita: 10/10
Tradução: 7/10 (não acredito que colocaram "mais" em vez de "mas" em algumas frases, além de erros de digitação - acho -, mas nada muito grave, dá pra entender deboas)

Nota geral: 4.5/5
comentários(0)comente



Mari.Vasconcelos 21/01/2021

Muitos dramas...
"Talvez ele apareça para um de vocês e lhes dê algo de que precisem. Ajude-os a sair da depressão ou impeça o sol de vê-los chorando. Muitos de vocês acreditam em fantasmas. Eu já os ouvi dizer isso. Meu irmão é um fantasma agora. Se ele os assombrar, vocês têm sorte."
comentários(0)comente



Barbara Sa 18/06/2013

Resenha Como Dizer Adeus em Robô - Blog Segredos Entre Amigas
Blog - www.segredosentreamigas.com

"Você pode amar alguém desse jeito também. Amar uma estranha,
uma estranha que também é uma amiga".
Bonequinha de Luxo

Com essa citação somos levados ao mundo de Bea e Jonah. Ela: BeatriceSzabo, uma jovem acostumada a mudar de cidade todos os anos devido ao afinco do seu pai por procurar sempre o melhor lugar para ensinar. Ele: Jonah Tate, um jovem conhecido como fantasma no colégio, e que está sempre tentando fugir e/ou se esconder de todos. Parecia impossível que eles se dessem bem... Bom, parecia.

Bea não entende porque Jonah quer se esconder do mundo e está disposta a fazer de tudo para que ele saia do seu casulo, Jonah vê em Bea uma amiga, logo de cara, e está disposto a levá-la para o seu casulo - e por favor, pensem nisso no bom sentido. A principio a moça é cercada pelos populares, jovens que abominam Jonah e não entendem por que ele ainda está na escola, mas o rapaz está disposto a tirá-la das garras desses maníacos, e consegue.

A relação de amizade entre Jonah e Bea começa aos poucos, mas já se percebe o quanto é verdadeira. É perceptível, também, o amor que um sente pelo outro. Confesso que fiquei um tanto confusa quanto a esse sentimento, o sentimento era forte o suficiente para ser sentido por namorados, mas ao mesmo tempo era um amor confidente e maleável, como o de um amigo ou irmão. Em meio a esse turbilhão de sentimentos dos dois temos segredos sendo revelados e partilhados; tudo isso torna a leitura mais interessante.

Como dizer adeus em robô é um daqueles livros que clama para ser lido, um daqueles livros que te prendem de cara e não te fazem querer largá-lo, um daqueles livros que te faz buscar o final, mas ao mesmo tempo torcer para que ele demore a chegar. Os personagens cativam de cara, Jonah e Bea são tão opostos e tão parecidos, os pais de Bea são tão doidos e tão apaixonados, o pai de Jonah é tão imbecil e tão... imbecil. Somos jogados em um turbilhão de sentimentos e não queremos sair deles. Cada novo capítulo é como uma dose de adrenalina na veia e nos joga a mais um e mais um, quando damos por nós estamos perdidos em meio a história.

Com uma mistura de elementos em uma ficção bem real, Natalie consegue prender seu leitor de tal forma que ficamos ansiando por outras obras dela. Não posso deixar de falar da diagramação, que incentiva muito a leitura. O rosa traz um ar doce ao livro, enquanto o preto trabalha a tristeza que nele contém. A autora soube balançar bem entre essas sensações, não cheguei a chorar - e olha que sou bem manteiga derretida -, mas passei a noite pensando sobre a história e pensando na melhor forma de indicá-la para você.

Confesso que não fiquei feliz com o final, mas ao mesmo tempo gostei da ideia da autora de nos deixar imaginando o que pode acontecer, ou talvez, sei lá, ficar ansiando por um próximo volume. Certa vez me disseram que existem três tipos de livros: 1) Você lê e se sente feliz com ele, então o guarda na estante; 2)Você lê e o achar maravilhoso, então indica a alguém; 3)Você lê e não consegue tirá-lo da cabeça, então presenteia alguém com ele por que quer que o mundo conheça essa história. Só não coloco esse livro na terceira categoria por que ele é bonito demais para sair da minha estante.
comentários(0)comente



Zilda Peixoto 20/06/2013

Como Dizer Adeus em Robô
Uma das tarefas mais difíceis para um leitor é expressar com precisão o quanto um determinado livro pode mexer com suas emoções. Sendo assim, esboçar em poucas palavras o efeito causado por “Como dizer adeus em robô” é algo praticamente impossível.

Ao longo de 344 páginas, Natalie Standiford nos apresenta uma história emocionante e muito original para falar de amor. Deixando de lado os recorrentes clichês ao falar de bullying, amizade e solidão, a autora discorre sobre a fragilidade dos relacionamentos entre pais e filhos.


"Há uma separação entre pais e filhos que não deve ser violada quando as crianças são pequenas. As loucuras adultas dos pais são particulares. São perturbadoras e difíceis de entender. Mas, em algum momento, as crianças ficam espertas, as loucuras começam a vazar e os pais são revelados em toda sua humanidade e imperfeição."

Narrado em 1ª pessoa o livro conta a história de Beatrice Szabo (Bea- a garota robô) e Jonah Tate(o garoto fantasma). Ambos têm um motivo peculiar para se intitularem dessa forma. Apesar de Bea não concordar com tal denominação, ela adota o codinome e passa a se indagar a respeito sobre como demonstra suas emoções. Bea está acostumada a mudar frequentemente de cidade e, por isso não estabelece vínculos com ninguém. Suas amizades tem prazo de validade e assim, ela vai levando uma vida solitária.


"A experiência me dizia que poucos caras curtiam palitos sem peito com cabeçonas redondas como pirulito e cabelo escorrido, a não ser que, por algum milagre, fosse a definição regional de bonitinha. Se isso existisse, eu ainda não encontrara essa região em particular."

Seu relacionamento com a mãe é algo extremamente delicado devido à inconstância emocional de sua mãe. O mesmo não ocorre com o pai com quem mantém diálogos, apesar de sua ausência cada vez mais frequente.

Recém-chegada a Baltimore Bea conhece Jonah, denominado por seus colegas desde a terceira série por Garoto Fantasma. Jonah é um garoto muito tímido e observador que possui uma aparência muito frágil. A identificação de ambos é imediata já que todos os dois demonstram certa insatisfação com o mundo que os cercam. Bea e Jonah começam a construir uma relação de amizade muito forte. E tal aproximação se dá a partir do momento que ambos passam a ouvir e participar do programa de rádio The Night Lights, um programa que se inicia à meia noite e que começa a fazer parte da vida dos dois.

A bordo de um Tapete Voador, Bea e Jonah são convidados a conhecer cada um dos personagens que dão vida ao programa. O The Night Lights é como se fosse uma válvula de escape para cada um dos ouvintes que participam. Uma espécie de terapia de grupo onde cada um expõe suas aflições, devaneios e todo tipo de sentimento. Nele Jonah pode utilizar o codinome sem que tenha que se expor verdadeiramente fazendo com que Bea fique ainda mais intrigada.

Bea e Jonah são dois adolescentes que estão passando por uma fase de muitas mudanças. O último ano colegial, a dúvida sobre qual faculdade cursar, entre outros fatores que desestabilizam o emocional de cada um. Natalie soube conduzir a história de Bea e Jonah com muita maestria inserindo elementos marcantes que tornam a narrativa singular. Os diálogos entre os ouvintes que participam do programa são incríveis e bem inusitados. O seu tom mórbido e melancólico traduz um perfil disforme do que estamos acostumados. Bea e Jonah são personagens marcantes, mas os personagens secundários colaboram com o sucesso da narrativa.

"Como dizer adeus em robô" é um livro que envolve o leitor desde o início. Com uma narrativa singela e ao mesmo tempo mórbida, a autora nos convida a refletir sobre questões importantes e fundamentais na vida de cada um de nós. Caracterizado como um romance o livro apresenta uma forte carga dramática sem deixar de lado a leveza quando necessária.


"— Por que está com tanto ciúme? — perguntei. — Não é como se você fosse meu namorado nem nada. Você é?
— ”Namorado” é uma palavra tão idiota — falou Jonah. — Não, não sou seu namorado. Achei que estávamos muito além disso. O que somos não pode ser descrito por palavras triviais como “namorado” e “namorada”. Até mesmo “amigos” não chega nem perto de descrever."

Natalie nos apresenta uma forma diferente de representar o amor. Como dizer adeus em robô descreve de maneira peculiar o quanto somos frágeis. Até que ponto estamos dispostos a amar o outro, a nos aceitar como somos e fazer algo que nos possa libertar de certas conveniências. O leitor irá se identificar facilmente com qualquer um dos personagens, sejam por um dos protagonistas ou pelos demais personagens que compõem a narrativa.

A diagramação do livro é outro ponto favorável a destacar. Os capítulos são iniciados por meses do ano. Neste caso, Agosto quando se inicia o ano letivo. Apesar das folhas brancas, a editora utilizou um tom de rosa bem forte para contrastar com o branco. O resultado ficou muito bonito. A fonte utilizada também facilitou a leitura tornando-a bem agradável.

"Como dizer adeus em robô" é uma leitura crua, forte, doce e triste. É o tipo de leitura que deve ser feita com cautela para que o leitor possa abstrair toda a emoção contida em suas páginas. Não é uma leitura difícil. Pelo contrário. É uma leitura de fácil compreensão, porém com uma linguagem mordaz.

Ao final o leitor é pego de surpresa. Quem espera previsibilidade da parte da autora irá se decepcionar porque é exatamente o contrário que a autora nos reserva. Assim como realmente é a vida, não é mesmo? E por esse motivo eu apreciei ainda mais a narrativa de Natalie.
Como dizer adeus em robô é um livro para ser lido, relido e apreciado. Leitura recomendada e sem contra indicações.
comentários(0)comente



Samilly 15/06/2020

Esperei demais dele... Criei expectativas.
A decepção veio com esse livro. Eu esperei tanto dele, vi falando bem, mas não me arrebatou, me deixou com sentimentos péssimos. Uma leitura leve, que flui rápido, mas esperei mais e nem tinha.
comentários(0)comente



Rafa 15/03/2015

Arrastando as Alpargatas
Não me lembro mais como conheci este livro, sei que me apaixonei pela capa com lombada cor de rosa e me arrisquei. Não posso dizer que foi um preferido, mas é uma história bem legal, com alguns diferenciais.

Bea e Jonah são adolescentes que se comunicam através de um programa de rádio noturno. Através de apelidos, eles conversam junto com os outros ouvintes da rádio, num programa beeem diferente. Nele eles "viajam" no tapete mágico, uma viagem mental, onde eles se encontram em lugares diferentes.

Nesse mesmo programa, existem alguns personagens bem peculiares, desde idosos até "loucos". E os dois adolescentes desenvolvem um relacionamento através dele.

O que me decepcionou um pouco foi a falta de ação do livro, nada realmente acontece, além da construção da amizade dos dois. Geralmente, eu adoro histórias de relacionamentos, porém, faltou, sabe? Faltou construção para ser ótimo.

Foi uma leitura que passou um pouco batida, não se ateve na cabeça. Ainda assim, não é um livro ruim. Talvez se eu tivesse lido num período mais sensível, teria adorado e me identificado. De qualquer forma, na época em que li, achei difícil me relacionar, gostar e torcer pelos adolescentes.

Se você tem esse livro na estante, eu não trataria como prioridade, mas também não se desfaça do livro, leia e tire suas conclusões. Quem sabe ele sirva melhor para um outro público ou uma pessoa com vivências diferentes das minhas.

site: http://www.arrastandoasalpargatas.com
Mila.Diniz 17/09/2017minha estante
undefined




Vivi Soares 18/06/2020

livro fofinho! merece 5 estrelas
comentários(0)comente



Kimo 12/02/2020

Excêntrico e tudo para mim
Não sabia o que me esperava nesse livro, li ele sem expectativas nenhuma, e agora ele se tornou um dos meus favoritos. Não fazia ideia do quanto precisava ler isso agora, do quanto meu ser necessitava de cada uma dessas palavras.
A Beatrice é uma protagonista incrível e que me fez acompanhar sua história com gosto, sempre me animando com sua visão de mundo inusitada e com suas conclusões completamente fora do normal. Minha garota robô feita de carne e sangue. Tão viva, tão cheia de vida.
Foram tantas coisas, tantas emoções, não sei por onde começar a explicar e nem vou tentar; cada um deveria descobrir por si o que essa história o faz sentir.
Me senti em casa com ela, aconchegada, meio nostálgica e contemplativa.
É uma história sobre buscar, sobre encontros e perdas. Uma história real, com personagens reais, com um final real e inevitável. Estou tentando buscar uma forma de expressar tudo e não consigo, acho que nunca vou conseguir.
Estou simplesmente grata aos ensinamentos da Garota Robô e do Garoto Fantasma, grata por ter presenciado essa história, por ter ido com eles para festas feitas para pessoas do futuro, por ter passeado no tapete voador, por ter chorado e rido e sentido raiva.
Com certeza um dos meus favoritos agora.
comentários(0)comente



Leiturasdamarina 24/04/2020

Como dizer adeus em robô
Uma leitura diferente de todas que já fiz. Uma escrita leve, fluida, mas que fala de assuntos tão complexos: amizade, amor, bullying, auto-estima, família... não espere um final clichê. Essa história, definitivamente, não tem nada de clichê. Mas, é um livro que eu recomendaria. As pessoas precisam entender (e respeitar) que todos temos sentimentos; nem sempre sabemos demonstra-los da melhor forma, mas isso não significa que eles não existam..que somos robôs ????
comentários(0)comente



61 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR