Antes da Forca

Antes da Forca Joe Abercrombie




Resenhas - Antes da Forca


24 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Luan 02/08/2014

Não tenho o que reclamar!!!
Confesso que tenho de vontade de sentar ao redor de um fogueira na companhia de Cachorrão, Barca Negra, Sinistro, TulDuru, e Rudd Três Arvores, são personagens que eu gostaria de conhecer na vida real, compartilhar uma refeição, historias e experiencias. Eu senti isso poucas vezes, e em relação a poucos personagens. Por isso meus sinceros parabéns a Joe Abercombrie pelo livro, e pela habilidade indiscutível na criação de personagens.

No segundo livro de serie temos momentos tensos e críticos em todos os núcleos da historia.

Collem West está em Angland atuando no estado maior do Marechal Burr,
fodido, congelado, e ainda designado a tarefa mais complicada de todas, auxiliar e aconselhar nada mais nada menos do que o espalhafatoso príncipe Ladisla no comando do seu regimento com 10mil soldados.

Inquisidor Glokta está fodido, é tudo que eu tenho a dizer, fodido até o pescoço, cercado de inimigos, pessoas perigosas, traidores, e uma legião do imperador de Gurkul acampada nos portões de Dagoska.
Mas o sacana é inteligente e ardiloso!!! Ahhh como eu gosto desse banguela, manco e sádico!!!!

O grupo de Homens Nomeados do norte está encurralado entre, o exercito de Bethod e os Shankas no norte, e a porra da União no Sul. Adquiri um imenso respeito pelo grupo, Três Arvores é um homem pra ser seguido!!!

O inusitado grupo formado por Bayas, Quai, Logen,Pé Comprido e Ferro está indo em direção a borda do mundo. Descobri que não haveria nome mais perfeito para Ferro, se não Ferro!!! Vemos Logen Nove Dedos mostrar seu lado carismático e cheio de empatia, alias o desgraçado é um baita de um líder, sob esse aspecto podemos entender como e porque aquele bando de Homens Nomeados seguiam Nove Dedos!!! E qualquer fã de bárbaros o adora, e mais ainda o Nove Sangrento, e que sangrento nesse volume da serie!!!

Temos algumas explicações dos fatos, entendemos qual é a missão de Bayaz, mais ou menos a origem de Ferro Maljinn, um pouco das tramas oportunas no centro do governo da União, e acima de tudo e talvez a coisa que eu mais goste nesse livro: a circunstancialidade. Todos são o que são devido aos caminhos de suas vidas.

E meu amigo se prepare para muito sangue e um belo estomago forte, eu não sou dado a enjoos fáceis ou mesmo aversão, mas confesso que me arrepiei em algumas cenas.

Livro ótimo, autor bom, personagens incríveis e uma trama legal, Antes da Forca é uma dica que dou a todos fãs do gênero.

- eu responderei suas perguntas!!
- Então diga: Pra que servem os Mamilos?
comentários(0)comente



@APassional 04/07/2014

Antes da Forca * Resenha por: Rosem Ferr * Arquivo Passional
Ninguém será poupado ao ousar aventurar-se no mundo perverso criado pelo genial Joe Abercrombie.

Onde os justos não prosperam, Rá!

Neste livro 2, a saga de nossos anti-heróis prossegue exatamente do ponto em que os deixamos no livro 1. A União enfrentará portanto duas frentes de batalha: ao Norte, os Clãs selvagens de Bethod e ao Sul, O Império de Gurkhul e o poderoso Profeta feiticeiro com seu exército de adeptos, “Os Cem Palavras”, treinados na Arte Superior e violadores da 2ª Lei.

Portanto o bicho vai pegar, e tratando-se de Abercrombie pega mesmo, pois ele não tem nenhum tipo de apego com suas personagens, e irá testá-las nos limites mais absurdos, aliás não há limite, de modo que é uma leitura para quem tem nervos de aço.

Batalhas sangrentas, viscerais, violentas, insanas, total gore, não recomendado a estômagos delicados.

A genialidade do autor fica evidente no domínio que detém da trama, adotando enredos totalmente diversos, que interligam-se apenas quanto a mesma motivação: ao Norte, o regimento militar e as agruras da guerra correlacionadas à escolha do Tenente West, que conflituam entre a honra e a sobrevivência; ao Sul, sob a fenomenal presença de Glokta [que excelente personagem], o desenrolar da estratégia política, o jogo de poder, as manobras de trafico de influência, traições, assassinato, tortura, chantagem, corrupção; e Bayaz, que “aparentemente” ruma ao outro lado do mundo, para buscar um artefato capaz de salvar a União de seu maior inimigo vindo do Sul, nos mostrará uma outra face e com ela a verdadeira motivação pela sua busca.

Muitas surpresas e em sua maior parte pouco agradáveis...

A intercalação desses três enredos nos faz saltitar entre mundos, ora no inverno nórdico, ora no úmido e tórrido clima praiano sulista, ora nas exóticas terras além mundo com a história dentro da história da Irmandade dos Magos, que aos poucos Bayaz vai revelando a Jerzal, Ferro, Logen, Quai e Pé Comprido, que também enfrentam opositores cruéis em sua jornada, contudo seu maior obstáculo será o desenvolvimento da tolerância, do respeito, da coragem e do sacrifício, ou seja, vergarem-se sobre si mesmos. Hummm difícil...

Creio que o maior trunfo deste segundo livro seja a maestria com que Abercrombie desenvolve suas personagens, a forma como se transformam, se humanizam ou desumanizam no decorrer dos acontecimentos é impressionante e de verossimilhança assustadora, o que nos remete a muitas reflexões, de modo que a violência empreendida para tanto é quase lúdica. Hahaha! Se apertar o livro escorre sangue.

Ponderações quanto ao amor, dor, apego, confiança, honra, amizade, família, hierarquia, medo, ganancia, poder, gratidão, lealdade são exploradas com uma sutileza extraordinária através de diálogos fluentes, diretos, ácidos, irônicos, extremamente pertinentes e nos garantem muitas gargalhadas.

Assim preparem-se para muita adrenalina, surpresas, sustos, indignação, medo, paixão, mistério, ação, aventura, repulsa, reflexão, Abercrombie sem dúvida desponta como um dos melhores autores de Fantasia da atualidade.

Já salivando pelo Duelo dos Reis? A Arqueiro adivinhou e colocou em anexo nas ultimas folhas um trecho para te instigar ainda mais Ehhhhhhhhhh!

Excelente Leitura!
By Rosem Ferr.:.

Resenha publicada no Blog Arquivo Passional em 02/07/2014.

site: http://www.arquivopassional.com/2014/07/resenha-antes-da-forca-joe-abercrombie.html
Wagner 21/08/2014minha estante
Acabei de ler o livro, adorei sua resenha, perfeita.
Ao fim do primeiro livro meu preferido era o Nove Dedos Sangrento!!! mas agora Glokta é meu preferido ahahahahah sensacional ele. Estou no aguardo do livro 3 se a arqueiro demorar muito como nesse acho q vou comprar inglês mesmo ahahahah abraços.




Carolina Durães 16/07/2014

"Antes da Forca" é o segundo livro da trilogia "A Primeira Lei" de Joe Abercrombie, publicado no Brasil pela Editora Arqueiro. A trama é desenvolvida da mesma maneira do primeiro livro: a narração é feita em terceira pessoa e os capítulos alternam entre os personagens e as localizações.
Começamos a leitura acompanhando Cachorrão e o bando rumo à cidade de Ostenhorm e West em Angland junto com o Marechal Burr, o príncipe Ladisla, Poulder e Kroy. Esses dois núcleos apresentam abordagens diferentes sobre a iminente guerra. Enquanto os guerreiros do Norte são mais diretos, até mesmo considerados selvagens, os soldados da União seguem protocolos, elaboram planos e até mesmo tentam dar atenção as idiotices do príncipe Ladisla. O encontro e a convivência desses dois grupos é muito bem construída, com situações repletas de discordâncias, mas também de entendimento sobre o bem maior.
Já Glokta foi enviado para Dagoska para investigar o desaparecimento de seu antecessor. Lá, ele precisa lidar com mais intrigas, traições, mentiras e planos mirabolantes e tentar descobrir quem é o traidor. Seria Carlot dan Eider, a mestra da Guilda dos Mercadores? O general Vissbruck, encarregado pela defesa da cidade? O Lorde governador Vurms e seu filho Korsten dan Vurms? Ou quem sabe, seria Haddish Kahdic, o representante do povo? São tantas as opções que Glokta terá que dormir de olhos bem abertos....
Isso sem comentar a situação terrível do povo em Dagoska e de um grupo de mercenários liderados por Nicomo Cosca presentes no local. A falta de apoio de seus superiores, a opressão do povo, a falta de verba e os Gurkenses à porta são apenas mais alguns dos problemas que Gokta terá que enfrentar.
Temos ainda a grande jornada de Bayaz que envolve Jezal, Logen, Malacai e Ferro. Uma jornada misteriosa com um grupo tão inusitado e improvável que tem grandes chances de dar errado. Esses personagens vão enfrentar tormentas climáticas, lutas e desafios sobrenaturais. Uma aventura única com o objetivo de salvar o mundo.
Falando em desafios sobrenaturais, em "Antes da Forca" teremos um maior contato com os temíveis "comedores", a origem dos Shanks e muitos outros detalhes envolvendo os primeiros Magos. Vamos conhecer a história de Bayaz e Khaul e também a história de Ferro, desde a sua origem até o interesse de Bayaz nessa guerreira.
A escrita de Joe Abercrombie continua viciante! A maneira como ele descreve os cenários e as situações, a interação entre os personagens, as personalidades fortes e marcantes. Tudo isso acrescenta uma sensação de realismo à história, permitindo que o leitor se imagine no meio dessas batalhas.
Um dos detalhes interessantes dessa obra é a construção dos personagens. Não existem mocinhos e bandidos. Existem pessoas que tomaram decisões equivocadas ou que possuem um código de honra diferenciado, ou seja, personagens humanizados. Não existe uma linha separando os personagens bonzinhos dos malvados. As circunstâncias criam o caráter de cada um deles. Se Glokta não tivesse sido feito prisioneiro, se Logen não tivesse perdido todos que ama, se Ferro não tivesse sido escravizada... São tantos "e se" que moldaram cada um deles. São essas nuances que enriquecem o livro.
Uma personagem que ficou apagada foi Ardee. Ela quase não apareceu e quando surgiu, teve alguns momentos de donzela em perigo que não foram tão impactantes quanto a sua presença em "O poder da espada".
Para os fãs do gênero, a trilogia "A Primeira Lei" é obrigatória. Uma história maravilhosa, com personagens cativantes, um enredo perfeitamente construído e uma escrita deliciosa.

"Já tinha visto muitos mortos, claro, mais do que seu quinhão, mas jamais ficava confortável perto deles. É fácil transformar um homem em carcaça. Ele conhecia mil formas de fazer isso. Contudo, tão logo você o faça, não há como voltar atrás. Num minuto existe um homem, todo cheio de esperanças, pensamentos e sonhos. Um homem com amigos, com família que veio de algum lugar. No minuto seguinte ele é lama". (p. 10)

site: http://www.acordeicomvontadedeler.com/
Luan 22/07/2014minha estante
Eu adoro essa citação, e mais ainda os momentos filosóficos do Cachorrão.


Carolina Durães 23/07/2014minha estante
Oi Luan, tudo bem?
Eu também adorei os trechos do grupo do Norte rs... O senso de honra deles, o modo como pegam um no pé do outro. Um dos núcleos favoritos do livro.


Luan 24/07/2014minha estante
Com toda certeza é meu núcleo preferido do livro! É muito legal ver a amizade bruta entre eles, o respeito e admiração... até mesmo Barca Negra tem seus méritos rs rs rs rs, e mais legal ainda saber que tudo isso foi devido a capacidade de liderança carismática do Logen. Aliás gostei muito do Nove Dedos nesse livro, que se mostra mais profundo, conhecedor, e um líder nato, capaz de furar até a barreira de ódio da Ferro.


Carolina Durães 25/07/2014minha estante
Realmente é o núcleo que mais prende a atenção no livro! Tem a mistura certa entre valores morais e sarcasmo rs..




Raniere 17/09/2014

Um livro marcado por reviravoltas
Um ano! Este foi o tempo que eu e vários leitores ansiosos esperamos para ler Antes da Forca, continuação de O Poder da Espada, primeiro volume da trilogia A Primeira Lei, de Joe Abercrombie. E posso dizer, com toda a franqueza do mundo, que a espera foi muito bem recompensada com este excelente livro.

Um pequeno resumo da sinopse (e relembrando o fim do primeiro livro):

Nesta continuação, vemos Luthar, Logen Nove-Dedos, Ferro, Quai, Pé Comprido e Bayaz, o Primeiro dos Magos, atravessando terras sombrias e impérios destroçados, para chegar à Borda do Mundo e conseguir A Semente. Neste grupo, como vimos em O Poder da Espada, todos os personagens são muito diferentes, um dos outros, e para sobreviver a esta jornada, eles terão que vencer estas diferenças e desconfianças, para trabalharem juntos. Porém, Bayaz, já no primeiro livro, escondeu a verdade sobre muitas coisas desta jornada (incluindo o que é A Semente), além do seu passado como discípulo de Juvens e as rixas entre os três irmãos. Como os cincos viajantes vão confiar uns nos outros e continuar viagem se o homem que os reuniu guarda segredo sobre esta, e eles nem sabem pelo que estão lutando?

Simultaneamente, Sand dan Glokta (que eu, pessoalmente, adoro), ex-soldado e torturador da Inquisição, é obrigado a ir até Dagoska, lutar uma batalha já perdida contra os grukenses que, no passado, o torturaram, deixando-o deficiente, desfigurado, manco, sem dentes e com dores constantes, para o resto da vida.

Já no norte, West está lutando contra os soldados de Bethod. Porém, enquanto o inimigo tem soldados experientes, West conta com um exército de nobres que não entendem nada de batalha, só quer buscar honra e não o respeitam, por ele ser de classe social inferior. Além destes problemas, West tem que proteger o Príncipe Ladisla, herdeiro do trono da União, um monarca mimado que não entende nada de liderança e está acostumado a todos fazerem sua vontade, mandado para batalha para, após esta, voltar para o Reino como um guerreiro e ganhar um pouco mais de respeito do povo, que o acha incompetente.

Não esquecendo, também, dos sobreviventes do antigo grupo de Nove-Dedos: Cachorrão, Três Árvores, Sinistro, Barca Negra e Tul Duru, desertores do grupo de Bethod, que planejam se unir à União e derrotá-lo.

Antes da Forca é um livro mais sombrio do que o primeiro, e mais revelador. Nele, além de conhecermos o passado de alguns personagens e do próprio Universo criado por Abercrombie, vemos personagens amadurecendo, sendo forçados a tomar decisões que nunca tomariam, em quaisquer circunstâncias, amigos virando inimigos e inimigos virando amigos.

Com personagens fortes e interessantes, à maneira de cada um, Abercrombie nos prende com um suspense intrigante, batalhas épicas alucinantes e intrigas políticas, e vai dando, de pouquinho em pouquinho, a verdade por trás de cada personagem. Porém, ai invés de satisfazer, estas pequenas doses aguçam a ânsia por saber mais. Antes da Forca me fez ficar agoniado em muitas partes, me fez rir bastante em outras, e também me deixou triste em certas cenas. E é maravilhoso quando um livro pode causar todos estes sentimentos no leitor!

Enfim, eu indico fortemente este livro para os fãs dos livros de Geroge R.R. Martim, Raymond E. Feist, Terry Brooks e Tolkien. Esta série é maravilhosa, e vale cada dia de espera pelo próximo volume!


site: https://www.facebook.com/EncontrosLiterariosRJ
comentários(0)comente



João Vitor Gallo 27/09/2014

O segundo livro da trilogia "A Primeira Lei", sendo o predecessor dele o também fantástico livro, O Poder da espada.

A ação se divide em 3 núcleos principais: com os nórdicos e West combatendo as ameaças do norte de Berthod; Sand dan Glokta e seus práticos tendo de se virar em uma cidade ao sul que se prepara para tentar aguentar a invasão do Império Gurkhul enquanto tenta achar respostas para o desaparecimento do Superior anterior da cidade, o que põe ele em um angustiante trabalho com poucos recursos para aguentar um cerco contra um inimigo muito mais poderoso e com traidores por todos os lados da cidade; e o núcleo que vai com o mago Bayaz em busca de um artefato importante, sendo integrantes do grupo escolhido pelo Primeiro dos Magos, Jezal, Ferro, Logen, Quai e Pé Comprido, que vão passando pela decadência do primeiro Império até a Borda do mundo em sua jornada.

O interessante do livro é a sua ação contínua, mas que não fica enjoativa, pois é intercalada com capítulos dos diferentes núcleos do livro, indo de uma situação tensa até um capítulo mais ameno ou mesmo um ainda mais tenso, mas que só deixa com mais vontade de ler a história. Também apresenta muito mais da história da formação da União e dos mistérios que cercam o Primeiro dos Magos, também sobre Ferro e Logen. Aliás, é quase obrigatório comentar na resenha aquele que talvez seja o principal ponto forte do livro, o desenvolvimento e humanização dos personagens. O autor se aprofunda muito mais na personalidade deles, seja aumentando ainda mais o cinismo e amargura do Glokta (personagem fantástico, diga-se de passagem), seja evoluindo alguns na sua jornada ou mesmo mostrando novas facetas de outros personagens, como no caso de West.

Com clima de intriga e conspiração, tensão política e batalhas sangrentas esse livro se sai ainda melhor que o antecessor, e certamente é uma ótima pedida pra quem é fã de fantasia ou mesmo de um bom livro.
comentários(0)comente



Aline Coelho Cury 04/10/2014

Antes da força #2
Aviso que não sou especialista no estilo desse livro, mas irei expor minhas impressões sobre o livro.
O livro basicamente me mostrou como determinado povo era antes e durante de uma guerra sem fim, motivada pelo controle do poder e pela dominação dos territórios. A Guerra é entre a União (vários reinos sob o domínio de um Imperador) e Bethod (Um guerreiro Nórdico que se aliou a uma bruxa e um mago - esses estão descumprindo a primeira lei e a principio vencendo várias batalhas).

O livro não nos apresenta a versão de Bethod, na realidade ele nem aparece, só escutamos falar que seu exercito esta em tal território etc. Sobre a bruxa e o mago eles também não aparecem só são citados pelos guerreiros como os motivos de tudo que está acontecendo. As vezes ficava me perguntando o porquê disso. Percebi que mais uma vez a definição de mocinho e vilão ficou em aberto, talvez porque nesse contexto de guerra não fosse mesmo possível saber quem as pessoas realimente fossem.

Lendo consegui ter uma noção geográfica do território em disputa, mas com certeza se tivesse um mapa teria me ajudado bem mais. Mais um vez os capítulos foram revezados entre os guerreiros Nórdicos que estão lutando ao lado da União e o agente da Inquisição Glokta e seus ajudantes (torturadores), eles trabalham para o imperador (procuram e investigam traidores da união).

Muitas são as reflexões dos personagens sobre a vida e a morte, elas me chamaram atenção. Eles dizem que a morte é a grande niveladora social, porque quando ela chega todos ficam iguais. E na guerra pode-se morrer pela mão de um homem ou pela ação da natureza (mudanças climática, falta de alimentos etc).

Ao longo do texto somos informados sobre estratégias de combate, o que um exército precisa ter para ser bem sucedido; o que geralmente acontece com os familiares dos perdedores; como é ser líder numa guerra; a motivação de cada um para estar envolvido na guerra, em muitos casos vingança ou busca pelo prestigio; a desmistificação do herói, já que na realidade eles são os que sobrevivem; alianças e amizades incomuns por necessidade na hora da batalha ou depois dela; também somos informados sobre o passado mitológico desse povo (sua tentativa de explicar a origem da guerra); a postura no campo de batalha caso queira sobreviver. Enfim são tantas informações que minha mente ficou a mil.

No final os personagens se perguntam como ficará sua vida após essa guerra, já que muitos sempre viveram em constantes batalhas.

site: http://leiturasvidaepaixoes.blogspot.com.br/2014/09/antes-da-forca-joe-abercrombie.html
comentários(0)comente



dani 14/09/2014

Antes da Forca Joe Abercrombie
Quando li O Poder da Espada fiquei encantada com os personagens e a trama apresentada, todas as alianças e reviravoltas me deixaram mais que ansiosa para a continuação e talvez isso não tenha sido tão bom.
Ok, não posso culpar apenas minha ansiedade, esse livro passou por vários contratempos comigo, logo no início da leitura tive uma rotina de trabalho intensa, o que atrasou muito a leitura, depois começou a bienal, momento em que também não li muito, então ele me deixou com a sensação de ser um livro mais lento do que realmente é, mas não o redime de passar um pouco pela síndrome do segundo livro, sendo claramente uma preparação e uma ambientação para o que está por vir.
Sabe aquele momento em um jogo quando as peças se armam para só então realizarem as jogadas e os ataques, foi essa a impressão que Antes da Forca causou, no primeiro livro foram apresentados os personagens, as situações e o enredo em que tudo se desenvolveria, agora neste segundo podemos acompanhar o desenrolar da trama, o caminho que todos tomam e a tensão aumentando, porém por ser um livro intermediário seu ritmo é mais lento e não há grandes desfechos.
Como anteriormente o foco da narrativa muda entre os grupos de personagens dando uma perspectiva geral do que está acontecendo com cada um, vimos West no exército tentando se preparar para a guerra contra Bethod, os nórdicos estão em uma jornada para se aliarem a União também contra Bethod, Bayaz está com Jezal, Logan e Ferro em uma expedição em busca de algo que pode mudar o rumo de todas as guerras, e Glokta foi enviado para uma cidade visando investigar uma suspeita de traição e conter a guerra com os gurkenses. As situações vão se desenvolvendo, mas diferente do primeiro elas não se ligam tanto, são mais independentes umas das outras, porém é possível perceber que o autor está encaminhando todos para um grande acontecimento final, e com essa escolha de variar a narrativa a história paira sobre esses núcleos e ajuda o leitor pois evita que haja um desgaste do grupo tratado e proporciona uma visão melhor de todos os acontecimentos.
O ponto que mais me agradou neste segundo livro foi o tratamento despendido para os personagens, não apenas eles foram aprofundados ou evoluíram, mas sim passaram por mudanças que marcaram cada um deles, é possível ver a humanização começar a surgir naquele que não sentia mais nada, o esnobe aprender que a vida pode ser mais que as aparências, os supostos selvagens mostrarem mais civilidade que os homens dos reis e o que era então um exemplo de comportamento liberar traços obscuros de sua personalidade, máscaras começarão a cair e é possível ver a real natureza das pessoas e como o ambiente e os fatores da vida podem alterar alguém.
Sim, esse pode ter sido um livro mais lento, mas deu uma boa continuidade a história e enriqueceu os personagens por quem já tenho uma grande afeição. Resta-me esperar o desfecho dessa série que gosto tanto.

site: http://vintecincodevaneios.blogspot.com.br/2014/09/livro-antes-da-forca-joe-abercrombie.html
comentários(0)comente



Ju Zanotti 28/04/2015

Denso, ágil e brutal!
Para que um livro de Aventura/Fantasia seja considerado excelente ele precisa conduzir o leitor e informá-lo coerentemente sobre o universo a cerca do qual a história está inserida. No primeiro livro da trilogia "A Primeira Lei" fomos apresentados e perfeitamente inseridos neste universo. Em O Poder da Espada compreendemos as nuances dos jogos de poder, a política e todo o contexto da história. Já em "Antes da Forca" a história se torna mais ágil e o verdadeiro objetivo da narrativa começa a se tornar claro. Neste segundo volume acompanhamos a inteligência e as estratégias dos personagens, a narrativa nos apresenta o início da jornada dos heróis e em momento algum somos deixados à deriva, isso faz brotar aquele sorriso de esperteza que é tão característico na fantasia, principalmente quando nos identificamos com cada um dos personagens. Antes da Forca é brilhante sem a pretensão de ser.

Apesar disso a história é bastante cansativa no início, ganhando fôlego e propósito lá pela página 160. Acredito que esse foi um dos fatores que mais me fizeram enrolar, além do fato de que eu ainda não me livrei do meu bloqueio para histórias do gênero. O que me fez persistir na leitura foi o visível talento do autor em desenvolver seus personagens. O crescimento de cada um deles é visível a cada passagem e isso é de longe a melhor parte do livro mesmo levando em consideração a alta qualidade desta história. Esta narrativa não refere-se apenas a guerra, mas também aborda algumas mudanças que as relações humanas e as adversidades causam na vida de cada um. Me sinto na obrigação de aplaudir Abercrombie de pé diante de sua incrível capacidade de criar personagens tão humanos.

"Devemos perdoar nossos inimigos, mas não antes de serem enforcados."

A narrativa em terceira pessoa acompanha vários pontos de vistas e diferentes frentes de "batalha". Isso nos ajuda a ter uma maior percepção do que acontece em todo o entorno do universo criado pelo autor. A grande variedade de personagens e suas diversificadas personalidades torna a narrativa abrangente, faz com que compreendamos diferentes olhares para as mesma situações. E o mais interessante é que Abercrombie não se perde, sua narrativa linear conduz o leitor, e como já disse não nos deixa a deriva. A lógica contida na história é perceptível e clara, o autor não utiliza de um vocabulário rebuscado, o que ajuda ainda mais na absorção de todo o contexto. E mesmo ressaltando a densidade e parcimônia da narrativa ainda assim é uma história que não deve ser abandonada ou relegada.

Como é comum ao gênero o autor é bastante descritivo, o que não é ruim já que este recurso se torna necessário para a melhor compreensão e absorção do leitor quanto ao universo da narrativa. Porém, notei que este é um ponto falho do autor, ele se delonga demais e muitas vezes me dispersei de suas descrições durante a leitura. Isso não chega a prejudicar a história, mas poderia ser melhor trabalhado futuramente. Na verdade diante do brilhantismo desta obra isto se torna uma agulha no palheiro.

A a diagramação foi bem trabalhada e apesar da fonte pequena e da simplicidade da edição eu gostei bastante do meu exemplar. A capa é uma das mais bonitas que já vi e representa a história perfeitamente. Enfim, Antes da Forca foi uma leitura, densa, difícil mas bastante interessante. Apesar de se estender no início ela acaba por se tornar ágil e prender o leitor em alguma parte de toda a jornada. A Editora Arqueiro está de parabéns e precisa continuar a publicar mais e mais livros do gênero.

Melhores Quotes:

" - Eu imaginaria que sua dor lhe desse empatia.- Empatia? O que é isso? - questionou Glokta e estremeceu ao coçar a perna dolorida. - É um fato lamentável, mas a dor só nos faz sentir pena de nós mesmos."

" - Para mim, não ter medo é ostentação de idiotas. Os únicos homens sem medo são os mortos, ou talvez os que vão morrer. O medo ensina a ter cautela e respeitar o inimigo e a evitar se exceder por raiva. Todas essas coisas tem seu uso, acredite. Todo homem que vale alguma coisa tem medo. O que importa é o uso que você faz dele."

" - Qualquer um pode enfrentar a facilidade e o sucesso com confiança. É o modo como enfrentamos os problemas e os infortúnios que nos define. A autopiedade anda junto com o egoísmo, e não há nada mais deplorável num líder. O egoísmo pertence às crianças e aos idiotas."
comentários(0)comente



Raife 24/01/2015

A balança entre a magia e a realidade tem um resultado medíocre.
Antes da Forca é uma bela continuação quando se fala de personagens. Abercrombie é competente em se aprofundar no passado e na síntese de seus protagonistas. Seus maiores trunfos são West, que vai do militar padrão e comportado para um homem que segue seus princípios chegando até a cometer o maior crime de um reinado monárquico. E Jezal, que basicamente vai de babaca para chato, ainda assim tendo mudanças em sua persona.
Agora é uma continuação medíocre quanto a todo o resto, narrativa. Por partes, a maioria os capítulos do grupo de Bayaz são na simplicidade da palavra: Chatos. Ele tenta repetir a fórmula do grupo do norte (aí sim ganha pontos) mas sem sucesso. O navegador é chato, o aprendiz é chato, Jezal é um chorão, reclamão, chato. Ferro sofre da síndrome de Sasuke (pra conhecedores de Naruto), fodona e sombria, não gosta de se relacionar. Um esteriótipo . E até o próprio Bayaz se mostra pouco interessante. O único deste núcleo que mantem o nível é Logen. A saga do grupo também é um problema, além de arrastada ela é mal esclarecida e o pior de tudo: Não tem propósito, não nos leva a lugar algum. Quem leu até o final sabe do que estou falando. Este foi um núcleo realmente cheio de problemas, e o livro perdeu com ele. Uma pena pois Glokta tem um bom plot que entretém o leitor tanto quando West e o grupo do Norte.
Glokta ainda é um personagem fantástico, mas será que ele segura a onda de um terceiro livro, não sei se vou ler O Duelo dos Reis. Abercrombie precisa melhorar seus diálogos, desenvolvimento de personagens femininas e principalmente narrativa.
comentários(0)comente



ricardo_22 04/04/2015

Resenha para o blog Over Shock
Antes da Forca, Joe Abercrombie, tradução de Alves Calado, 1ª edição, São Paulo-SP: Arqueiro, 2014, 496 páginas.

Apesar de O Poder da Espada não ser um livro ruim, algumas situações que incomodaram anteriormente me obrigaram a postergar a leitura de sua continuação, Antes da Forca. Algumas vezes por ter outras prioridades, outras apenas por receio de encontrar uma leitura cansativa. Hoje, mais de nove meses depois de ter o livro em mãos, posso dizer que não deveria ter enrolado por tanto tempo.

É bem verdade que o segundo livro de Joe Abercrombie não foi a leitura mais rápida dos últimos tempos, contudo foi possível se surpreender com um enredo mais convincente, cenas memoráveis e algumas explicações fundamentais para o entendimento deste universo. Ainda que também demore a mostrar ao que veio, quando isso acontece o envolvimento é quase imediato.

Dividido em duas partes, Antes da Forca começa já mostrando como os diversos núcleos narrativos estão formados e se preparando para as novas aventuras. Se em alguns núcleos o início chega a ser monótono, em outros isso definitivamente não acontece, como no caso de Sand dan Glokta.

Ao deixar claro desde o início o que esperar dessa personagem, o autor instiga uma relação mais próxima e por isso passei a contar as páginas para que Glokta voltasse a ser o centro das atenções. A certeza de que seus capítulos reservam sempre algo que ressalta a qualidade dessa personagem era apenas mais um motivo para considerá-lo excepcional. Uma personagem como poucas.

Enquanto isso, nos demais núcleos, são apresentadas batalhas sangrentas, elaboração de planos e revelações que começam a dar uma característica própria à trilogia A Primeira Lei. A união de personagens como Logen, Jezal, Ferro e Bayaz apenas engrandece as cenas protagonizadas por eles, afinal são fundamentais para o já citado entendimento. Sendo Bayaz, o Primeiro dos Magos, o grande responsável pelas explicações, fica fácil se sentir parte do grupo e ter o desejo de ir além das páginas do livro.

site: http://www.overshockblog.com.br/2015/04/resenha-318-antes-da-forca.html
Isa Gama 24/07/2016minha estante
Eu comecei o segundo livro hoje, e o Glokta era o meu personagem mais querido no primeiro, e acredito que continuará assim neste segundo. Adoro o jeito irônico dele, se não fosse por ele, não sei se teria terminado o primeiro livro...




Phelipe.Pompilio 14/06/2016

Resenha feita para o blog Bravura Literária.
Na sequência de O Poder da Espada, somos presenteados com uma história muito mais envolvente que a anterior.

Sand dan Glokta é enviado para Dagoska como o novo Superior da Inquisição, com a missão de descobrir o que aconteceu com seu antecessor, que desapareceu sem deixar nenhum vestígio. Além disso, Glokta ainda precisa enfrentar o conselho de Dagoska e impedir que os gurkenses tomem a cidade. Lembrando que tudo o que ele fizer terá que ser comunicado por escrito ao Arquileitor Sult.

Um pouco mais acima no mapa, lá no norte, o major West tem a difícil tarefa de proteger o príncipe Ladisla, que marchou junto do exército da União para impedir os avanços de Bethod e retomar o norte. Em sua jornada, West esbarra com um grupo de nórdicos que serão de extrema ajuda no decorrer da trama.

Enquanto isso, Bayaz e seu estranho grupo viajam para a Borda do Mundo em busca da Semente.

O Conselho Fechado de Dagoska: Haddish Kahdia, Carlot dan Eider, Sand dan Vurms, Korsten dan Vurms, General Vissbruck.
Um dos pontos mais fortes do segundo volume da trilogia é o desenvolvimento dos personagens e a introdução e maior participação de alguns que não foram muito explorados no primeiro livro, que é o caso de Collem West, Cachorrão, Rudd Três Árvores, Sinistro, Tul Duru e Barca Negra. A introdução e maior participação desses personagens dá uma bela guinada na trama. Fiquem atentos em Collem West!

O grupo de Bayaz, que possui uma gama diferenciada de personagens, é onde podemos notar um maior desenvolvimento. Jezal, após um acontecimento, começa a enxergar as coisas com outros olhos e muda (muito) a sua personalidade, o que o ajuda a criar uma conexão com os outros membros do grupo. Ferro também vai se desenvolvendo no decorrer da trama, mostrando um lado seu que não é muito comum. Malacus Quai se torna um personagem muito enigmático e curioso. Já o irmão Pé Comprido... Esse cara é um pé no saco! O grupo vai criando uma conexão mais forte e afetiva aos poucos. Os capítulos da viagem até a Borda do Mundo me renderam boas risadas, principalmente por conta de Nove Dedos.

"— Chega uma hora em que a gente precisa se prender a alguma coisa, não é? A confiança é assim, cedo ou tarde você simplesmente precisa confiar, sem ter motivos."
Nove Dedos é o personagem mais intrigante de todos, e fica mais ainda depois que descobrimos coisas do seu passado. É meu personagem favorito, mas não por causa das aparições repentinas do Nove Sangrento. Gosto muito da personalidade do Nove Dedos e das "experiências" que ele compartilha com Jezal.

Glokta continua implacável com seu humor negro. Irônico que só ele, Glokta faz piadas com sua deficiência e esbanja uma excelente maestria na hora de cumprir seus deveres. Seus práticos, Frost e Severard, aparecem pouco, dando mais espaço para as conversações entre Glokta e a prática Vitari, que guarda um belo segredo.

Em dado momento, coisas do passado começam a surgir em forma de histórias, muitas vezes contadas por Bayaz, mas também por outros personagens. Nesse segundo volume, nós descobrimos mais sobre a Primeira e Segunda Leis, sobre as guerras antigas que são citadas a todo o momento no primeiro volume e sobre a história dos antigos magos: Kanedias, Juvens, Glustrod, Khalul e alguns outros.

Como já foi dito na resenha de O Poder da Espada, Abercrombie consegue nos transportar para o mundo que criou. As descrições de construções, paisagens e até ruínas são muito bem elaboradas. Nesse livro podemos ter uma ideia de como o autor descreve as batalhas, e olha, o cara é bom! As lutas são descritas bem detalhadas e a estratégia de guerra é muito bem elaborada. Mais um dos pontos fortes.


site: www.bravuraliterariablog.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Amanda 19/02/2018

“Isso é guerra. A única honra é vencer”.
É muito difícil para um autor, especialmente para um autor tão novo, conseguir manter o padrão elevado em uma continuação. O que geralmente acontece é uma introdução grandiosa que não se sustenta ou uma introdução rasa que se salva por uma evolução de escrita. Bom, nenhum dos dois casos se aplica a Joe Abercrombie e, após um primeiro livro audacioso, ele nos entrega uma sequência ainda melhor para a trilogia A Primeira Lei.

Após os eventos de O Poder da Espada em que acreditávamos que os três personagens principais da trama, Jezal dan Luthar, Sand dan Glokta e Logen Nove Dedos, acabaram conectados na mesma história (eu esperava, pelo menos), eis que os caminhos tomam rumos bem diferentes e Luthar se vê arrastado em uma jornada épica com o mago Bayaz e seu aprendiz Quai, Ferro e o nórdico Logen, nenhum deles com muita vontade de ir ou certeza do que está fazendo. Enquanto isso, Glokta é enviado a Dagoska para uma investigação complicada.

Novamente devo dizer que Glokta rouba a cena do livro com seu humor ácido e instinto aguçado para mentiras. O superior da Inquisição em Dagoska desapareceu, levando Glokta a assumir o posto e investigar o que aconteceu com seu predecessor. Porém os problemas da cidade parecem infinitos e os gurkenses (inimigos de Ferro lá no primeiro livro) estão ameaçando tomar a cidade.

Os pontos de vista que envolvem a situação de Dagoska são os mais movimentados e interessantes não só pelo charme do inquisidor (risos), mas pela própria tensão que o autor soube criar e explorar. Guerras são sempre empolgantes, não é? A forma engenhosa e realista com que os acontecimentos são descritos é impecável.

Por outro lado, temos o estranho bando de Bayaz em busca da Semente. Paira a dúvida do quê exatamente é isso que estão procurando por um bom trecho do livro e toda a viagem até a borda do mundo é bem arrastada, com um ou outro ponto de conflito e nada mais. A típica jornada, amadurecimento dos personagens, dúvidas etc. Nada muito novo aqui, mas esse plot ainda rende alguns bons momentos, especialmente com Logen.

Bayaz, inclusive, me parece um tipo de mago bem diferente dos que encontramos na fantasia clássica. Nada de chapéu pontudo e ar paternal, mas sim um tipo muito mais humano e real. O Primeiro dos Magos ganha muito mais destaque neste segundo livro, bem como Ferro que rende boas risadas com seu jeito selvagem. Aliás, e que participação. É delicioso acompanhar a trajetória dela, que passou de alguns breves trechos no primeiro livro para uma enorme participação. Se antes ela já roubava a cena, agora ela praticamente pula do livro a cada menção. Excelente personagem feminina.

Todos os pontos da narrativa evoluem. Escrita, ritmo, construção dos personagens, diálogos, ação, tudo foi muito bem pensado e feito. Digno de um livro de desenvolvimento, tudo é caótico. Para todos os lados onde se olha há problemas e a situação é no mínimo irônica. Catastrófica. É aquele rir para não chorar.

Tudo indica um final magistral para a trilogia, se o autor conseguir resolver todos os problemas propostos e seguir costurando sua história como vem fazendo.

"As melhores lições nós mesmos nos damos."
comentários(0)comente



Luiza 29/10/2015

Antes da Forca
Quando você termina de ler O Poder da Espada, você sabe que, no segundo livro, conheceremos a guerra e alguns dos mistérios que envolvem a trama criada por Abercrombie. Pois bem, Antes da Forca te surpreende, e não só nesses dois aspectos.

Há duas guerras rolando na parada: uma ao Sul e outra ao Norte, e enquanto o massacre corre solto nas duas pontas do mundo, três dos personagens que conhecemos no primeiro livro da trilogia estão em viagem com o Mago Bayaz para um lugar conhecido somente como "A Borda do Mundo", onde pegarão alguma coisa que, de alguma maneira, acabará com essa guerra (de uma maneira não muito bonita imagino eu).

A narração é feita pelo ponto de vista dos personagens que conhecemos no primeiro livro, sendo que, em alguns momentos, os capítulos trazem mais de um ponto de vista da mesma jornada.

Jezal dan Luthar (que melhorou absurdos nessa parte da história), Loguen Nove Dedos (ainda disparando como meu personagem favorito) e Ferro Malijin (que, por mais incrível que pareça, está mais simpática), estão acompanhando o Mago Bayaz em uma jornada estranha, em uma terra mais estranha ainda, a caminho de algo que nenhum dos três sabe exatamente o que é. O que eles sabem, até agora, é que, por algum motivo, ele precisa de Ferro e de Logen... E que Luthar, de alguma maneira, também é necessário.

Sand da Gloka foi mandado pelo arquileitor Sult ao Norte do Mundo, para Dagoska, com a missão (desde o início fracassada) de impedir que a cidade caia nas mãos dos Gurkenses (povo que, por sinal, foi o que transformou Glokta no aleijado que ele é hoje).

West (amigo de Glokta e treinador de Luthar), foi mandado para o Norte, para lutar na guerra contra o rei nórdico Bethold. Para seu azar, ele ficou responsável pelo regimento comandado pelo mimado e sem um pingo de tutano na cabeça príncipe herdeiro Ladisla.

site: http://www.oslivrosdebela.com/2015/06/antes-da-forca-joe-abercrombie.html
comentários(0)comente



GETTUB 19/10/2016

Emocionante
ANTES DA FORCA é o segundo livro da trilogia A PRIMEIRA LEI, sequência de O PODER DA ESPADA, que resenhei há algum tempo aqui no blog. Gostei tanto do primeiro que resolvi ler o segundo (quem não leu a resenha do primeiro pode ler clicando aqui).

Uma das interrogações sobre essa continuação era se o autor iria conseguir manter os personagens que, para mim, ainda não tinham como ser classificados entre vilões e mocinhos. E o ABERCROMBIE conseguiu fazer isso com alguns deles, sim. Já outros, tiveram seus lados definidos e você vai ter a quem amar e odiar.

Alguns personagens passam por mudanças, graças às experiências vividas nas tramas que se desenvolvem ao decorrer desse segundo livro, como o arrogante Jezal, que, ao sair em viagem com companhias que ele detesta, terá que se adaptar, ou tentar, até chegar ao seu destino final: a borda do Mundo. Nessa jornada por terras estranhas e isoladas, muitos segredos vão sendo revelados a cada dia, principalmente sobre Bayas, o Primeiro dos Magos, o que acaba deixando várias dúvidas sobre ele e sobre acontecimentos passados no Tempo Antigo.

O humor ácido do autor virou sua marca registrada, ao menos nessa trilogia, o que torna a leitura agradável. Eu me peguei dando boas risadas enquanto os homens nomeados do norte e antigos companheiros de Logen se irritavam e ''soltavam o verbo'', o que pra eles é normal e rotineiro, já que vivem como selvagens e não ligam muito para os bons modos.

Preciso dizer que, sim, tem partes do livro que são arrastadas, o que me fez demorar um pouco mais em alguns capítulos, e isso pode ser relevante para algumas pessoas que não tenham muita paciência, mas compensa continuar e esperar pelos próximos. As partes das batalhas são eletrizantes demais, e quando começam, você não quer mais parar de ler, ainda mais que são muitas batalhas acontecendo ao mesmo tempo.

Seguindo a linha do primeiro livro, as intrigas, traições e assassinatos por interesses maiores continuam, e para isso contamos com nosso inquisidor, Glokta, que vai até outra cidade para investigar o assassinato de um outro inquisidor e, de quebra, enfrentar inimigos, que estão prestes a atacar e tomar a cidade. Nesse segundo livro, Glokta tem até momentos de bondade, o que não o torna melhor em nada, já que continua torturando e tramando contra quem ousar cruzar seu caminho. Ainda assim, ele consegue ser um dos meu personagens favoritos.

O fracasso de algo grandioso nunca é uma questão simples, mas onde há o sucesso e a glória também deve haver o infortúnio e a vergonha. A inveja chega sorrateira onde há o triunfo. A cobiça e o orgulho levam pouco a pouco a disputas, depois a rixas, e em seguida a guerras.

O final me surpreendeu. O autor vai e faz tudo ao contrário do que você fica esperando no decorrer do livro. Se você quer um livro com desfechos óbvios, este não será ele. JOE ABERCROMBIE é ótimo em surpreender. O livro tá super recomendado.

Preciso dizer que estou amando, amando acompanhar esta trilogia e, mais uma vez, não vejo a hora de ler o próximo e último livro.

RESENHA ESCRITA PELA GABRIELLA, DO GETTUB

site: http://www.gettub.com.br/2016/09/antes-da-forca.html
Kevenon 07/02/2017minha estante
undefined




Sofia Trindade - Fórmula do Amor 19/01/2016

Ao me deparar com "Antes da Forca" de Joe Abercrombie, segundo livro da trilogia A Primeira Lei, respirei fundo e pensei: Vamos ver o que temos aqui. O resultado foi impressionante e a leitura foi surpreendentemente agradável.
Quem acompanha o blog ou leu minha resenha sobre o primeiro livro sabe o quanto me senti incomodada com a leitura por diversos motivos. Com o segundo livro foi algo totalmente diferente e mesmo não dando cinco estrelas gostei muito do livro.

No segundo volume da trilogia vemos cenários de guerra para todos os lados. Continuamos acompanhando a vida dos três personagens principais: Glokta, Jezal e Logen, os dois últimos juntos em uma nova aventura. Podemos acompanhar também a vida de outros personagens, como: West, Ferro e os nórdicos, e amigos de Logen, Cachorrão, Três Árvores e Sinistro.

O primeiro livro da trilogia é a preparação e o anuncio de que muita coisa esta por vir. Já o segundo nos mostra o anunciado e surpreende quem não curtiu muito o primeiro volume da trama.
A escrita do autor ainda me incomoda em algumas partes, como nos detalhes e o desenvolvimento um pouco sobrecarregado, porém a adaptação com a mesma foi bem melhor e pude compreender que esse é o estilo do autor e que não é um sacrifício seguir sua forma de escrever.

O que mais me chamou a atenção na obra foi como o autor conseguiu se aprofundar mais no sentimentos dos personagens. Jezal sofreu uma transformação incrível ao ponto de deixar qualquer um em transe com aquele novo homem.
Nada é concreto nesse livro, ou seja, não podemos esperar soluções para guerras e aventuras pois somos introduzidos para mais guerras, aventuras e o pior: mistérios.

"Antes da Forca" foi realmente uma leitura agradável. Não esperava muito da obra, mas lê-la foi divertido e pude aproveitar melhor a trilogia,
Se eu tinha dúvidas de que Abercrombie poderia me conquistar agora eu tenho certeza de que ele pode, mesmo que nossa "relação" no começo não tenha dado muito certo.

site: http://formula-amor.blogspot.com.br/2016/01/resenha-antes-da-forca.html
comentários(0)comente



24 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2