Cidades de Papel

Cidades de Papel John Green




Resenhas - Cidades de Papel


1042 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Thata 13/05/2017

Bom mas confuso
Livro e bom mas tem hora que te deixa intrigado com alguns porques
comentários(0)comente



Júlia Raquel 09/05/2017

Cidades de papel, de John Green

“Quanto mais eu trabalho, mais percebo que os seres humanos carecem de bons espelhos. É muito difícil para qualquer um mostrar a nós como somos de fato, e é muito difícil para nós mostrarmos aos outros o que sentimos.”

Título: Cidades de papel
Autor: John Green
Gênero: Romance
Páginas: 368
Editora: @intrinseca

O livro começa contando a história de Quentin Jacobsen, um adolescente que esta prestes a se formar no colegial. E, há também Margo Roth Spiegelman, a vizinha de Q. (Sim, o protagonista também é chamado assim), que podemos considerar como ex amiga dele.
Quando crianças os dois passavam todo o tempo possíveis juntos, porém aos nove anos ambos se afastaram após um acontecimento marcante. A partir daí, já na adolescência, Quentin continuou sendo o garoto nerd, totalmente na dele, já Margo se transformou na estudante mais popular do colégio. Isso, obviamente, não o impediu de se apaixonar pela garota.

Eis que em uma noite qualquer, Margo invade o quarto de Q. e o convoca para ajudá-la em uma missão. Como nunca deixou de pensar na moça, ele aceita e cumpre uma lista repleta de tarefas em plena madrugada. Tudo está perfeito, até chegar à escola, na manhã seguinte, e descobrir que o paradeiro da enigmática garota é desconhecido. O problema é que esta não é a primeira vez que isso acontece, e ela não consegue tanta atenção assim. Nem de seus pais.

A aventura começa quando ele, com a ajuda de seus amigos, encontram pistas de onde ela pode estar e começam a segui-las. Ele tenta desvendar o enigma, ao mesmo ponto que faz descobertas sobre ele, ela, e ambos, chegando a conclusão que não a conhecia Margo como gostaria, ou imaginava. Uma jornada recheada de mistério que pode, ou não, levá-lo até ela.

A obra é dividida em três partes. A primeira é o dia, ou deveria dizer madrugada, entre Quentin e Margo; a segunda é o tempo em que a mesma esta desaparecida; e por último, a terceira parte, é quando ele decide procurá-la.

"Margo sempre adorou um mistério. E, com tudo o que aconteceu depois, nunca consegui deixar de pensar que ela talvez gostasse tanto de mistérios que acabou por se tornar um."

Sobre os personagens principais, posso dizer que Margo ao olhar de seus pais é uma adolescente que dá muito trabalho, e para Quentin ela só precisa de ajuda. Resumindo, cada personagem a vê de uma forma diferente. Já Quentin, por sua vez, entra totalmente de cabeça na caçada pela garota, o que certamente deve surpreender o leitor.

O livro é bem profundo e aborda, por exemplo, como temos a mania de romantizar pessoas sem ao menos conhecê-las, o que é o caso do personagem principal da trama. Ou, as diferenças do que achamos sobre algo, e o que realmente são. Diversas reflexões são garantidas do começo ao fim.

Não é o meu livro favorito do autor, mas não acho que seja uma leitura ruim. Simplesmente não ganha de “A Culpa é das estrelas” ou “Will e Will”, que em minha opinião são leituras fantásticas.

Mais resenhas no blog: www.paginasincriveis.blogspot.com.br/ ou Instagram literário: @lunaliteraria

site: https://www.instagram.com/lunaliteraria/
comentários(0)comente



Nádia 02/05/2017

#resenhapomarliterario Cidades de papel
" Só tenha em mente que às vezes o jeito como a gente pensa em alguém não é exatamente o jeito como essa pessoa é. As pessoas são diferentes quando você sente o cheiro delas e as vê de perto."
.
O adolescente Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que um belo dia ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo tornou-se um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava conhecer. É um livro bom, com trama envolvente. Mas não me apaixonei. Achei o enredo bem voltado para adolescentes, assim como o Teorema Katherine tbm. Apesar de quê, a metáfora da cidade de papel com a efemeridade vale a reflexão!

site: https://www.instagram.com/p/hMU3D0mvyu/?taken-by=pomarliterario
comentários(0)comente



Bompadre 24/04/2017

Chato!
Quando vi o autor, percebi que era o mesmo do lindo,apaixonante e dramático "A Culpa é das Estrelas"; não sei se foi por isso que esperava tanto desse livro, ou se ele é realmente tão ruim assim.
A história narra a vida de dois adolescentes que se conhecem desde crianças, Margo é uma garota misteriosa e complicada, que só pensa em si mesma; e Q um garoto inteligente e completamente apaixonado por ela.
Quando crianças os dois eram amigos, mas na adolescência acabaram se distanciando.
Em uma noite comum de Orlando, Margo aparece na janela de Q, e pede ajuda para cumprir uma lista de tarefas, o garoto ajuda e chega a pensar que era a oportunidade de voltar a se aproximar de seu amor.
No dia seguinte Q descobre que Margo sumiu e deixou algumas pistas de seu paradeiro, o garoto e seus amigos entram em uma busca por Margo por vários lugares dos EUA.
O livro é muito cansativo,parado, por ser um livro de John Green, esperava muito mais emoção e principalmente comoção. O final é simplesmente inesperado e desapontante algo que jamais imaginei.
Enfim, foi um dos piores investimentos e livro que já li!
Infelizmente não indico!
comentários(0)comente



Biahh da silva 21/04/2017

Realmente o final é surpreendente e um pouco controverso
John Green apesar de não ser um dos meus autores favoritos, gosto demais da maneira que ele escreve, no qual você leitor consegue entender completamente o que ele ta passado e querendo dizer na maioria das vezes, mas meu problema com John Green é o final que ele dá para as historias não que seja de todo ruim, mas é meio controverso a tudo que já aconteceu e ai chega no final e ta foi isso que aconteceu.
Isso aconteceu quando eu li A culpa é das estrelas que prefiro mil vezes o filme, e com cidades de papel, o único livro que consegui amar de paixão foi o quem é você Alasca? que é meu favorito, e cidades de papel você percebe bem que tem umas semelhanças com o quem é você Alasca, quem já leu vai saber do que estou falando, a menina super foda da escola, amiga dos mais sensacionais e querendo ou não meia popular, que de repente resolve dar uma de doida, e faz algo ou some, ou acontece algo que deixa digamos que pistas para traz, para aquele garoto que sempre foi apaixonado por ela, ou esta apaixonado e que é uma pessoa normal na medida do possível, que não se mete muito em confusão e resolve desbravar tudo para encontra-la, eu posso resumir os dois livros assim por que é o que acontece, claro que ambos são diferentes, as causas, e o desenvolvimento da historia, mas é isso sabe.
Eu não consegui gostar da Margot aqui no livro por justamente ela ser deste jeito, e as pessoas acreditarem nela assim mesmo, o Quentin é um personagem bacana mas se não fosse tao bobão, e ficasse no pensando em tudo de Margot a vida dele gira em torno dela, eu gostaria mais dele, o Radar, Ben e Lancey que são os amigos são assim magníficos personagens e super engraçados, mas querendo ou não faltou um final revolucionário para isso depois de tudo que digamos que aconteceu, mas enfim.
comentários(0)comente



Nina 12/04/2017

100% Adolescente
Mas é legal, faz a gente lembrar de como era a vida dificilmente fácil .... é engraçado apesar da parte psicológica .... gostei
comentários(0)comente



BPossatto 01/04/2017

Cidades de Papel
Sério, eu realmente tentei gostar desse livro! ?????

Depois de 10 dias entediada com essa leitura, conclui que #Cidadesdepapel é pessimo em todos os sentidos.
A história é totalmente parada e repetitiva.
Margo é uma pessoa extremamente egoísta... E o menino é nada mais que um bobão obcecado.
comentários(0)comente



Leleeh 31/03/2017

Nota 3
A história do livro é interessante só que chega a um certo ponto em que a leitura fica chata. Os personagens são bons. O livro é bom com exceção dessa pequena parte
BPossatto 01/04/2017minha estante
Terminei de ler hoje, depois de muito tempo.. Realmente concordo com tudo que você falou!




Bella_Sanguinete 30/03/2017

Muito romântico! <3
eu achei esse livro totalmente fofo, do início até o fim eu gostei muito, muito dele.
comentários(0)comente



Mah 26/03/2017

Cidades de papel? - Um sonho que virou realidade ou apenas papel mesmo?
Eu achei a história muito parada, tanto que abandonei-a, não aguentava mais o excesso de detalhes contidos naquele livro, de um modo geral não gostei.
comentários(0)comente



Gabriela Leite 25/03/2017

Não Recomendo
Olha, não vou pecar e dizer que o livro é de todo ruim. Não, foi bem construído, numa linguagem bacana e algumas passagens são divertidas. Basicamente são dois guris que se conhecem desde a infância e a mocinha se afasta do mocinho na adolescência. Esse ultimo que é o narrador da história passa o livro numa construção que fez da garota, que por sua vez, não desperta empatia nenhuma no leitor, trata-se apenas de uma guria riquinha, mimada, carente de atenção e que certamente deve ter algum distúrbio psicológico grave. No desenrolar do texto passei a ter empatia com a turma do personagem principal e me mantive na leitura do livro pela curiosidade de seu final, porém o climax da estória é uma verdadeira besteira (pra não dizer uma bosta) sem sentido nenhum, certamente seria mais interessante se fosse trágico, mas nem cômico é.

Enfim, pode render um filminho de sessão da tarde pra ver com crianças de 10 anos, mas que isso não creio. Iria ler o famoso "a culpa é das estrelas" do mesmo autor, mas to fora, vou ver somente o filme mesmo.

Editando: Vi o filme e achei uma otima adaptação, bem melhor que o livro e acho que conseguiram passar no final a lição que o Autor quis deixar no livro e que por certo não captei pela decepção com a Margot e seu final patético.
comentários(0)comente



arabella 22/03/2017

A nescidade de querer se sentir livre e estar fora desse contexto melancólico de vida,é o que leva a Margot a desaparecer, com isso uma história cheia de decorbertas por Quentin , começa.
comentários(0)comente



Roberta.Costa 22/03/2017

Interessante
Sou suspeita para falar do Green, pois ele escreve o tipo de historia que eu gosto, as histórias mais realistas , que acontecem no dia a dia .
O Livro conta a Historia de Quentin , um adolescente , Nerd, que é apaixonado por Margot desde que era crianças . Margot é uma menina misteriosa, que sempre gostou de solucionar e fazer mistérios. Certo dia Margot descobre a traição do namorado, e elabora uma vingança , ela conta com a ajuda de Quentin, após a realização da vingança Margot some, deixando pistas discretas pelo caminho. Quentin com seus amigos e as amigas de Margot vão atras dessas pistas para encontra-la .
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Letícia Graziele 02/03/2017

Resenha Cidades de Papel
É muito difícil para qualquer um mostrar a nós como somos de fato, e é muito difícil para nós mostrarmos aos outros o que sentimos.”

📚 Margo Roth Spiegelman, aquela pessoa que ouviria direito “pensava que você era diferente”, o livro todo você fica imaginando Margo junto com o Q, tenta ser ela, pensar como ela. Q cresce tanto ao longo do livro, ele é uma pessoa tão fofa, inteligente e mesmo com a grande obsessão de encontrar Margo que fica um pouco chata certa hora, é essa obsessão que se torna uma das melhores partes do livro, a viagem, ela mostra como a amizade dele, Ben e Radar é linda, como a amizade em si é linda e uma das coisas mais importantes da vida.
Ele é um tipo de livro que você tem relação de amor e ódio, então muitos quando chega ao final acaba não gostando, mas eu sinceramente amei, e meio que entendo como Margo se sentia, por mais egoísta que ela seja. O livro mostra como todos somos “comuns”, e que sempre acabamos arrebentando pequenos fios das pessoas ao nosso redor e com isso elas acabam se desmoronando por isso, ele faz refletir sobre como tratamos e pensamos sobre as pessoas. Enfim, eu amo a escrita de John, e em nenhum momento quis largar o livro pelo meio, recomendo que leiam.


site: https://www.instagram.com/garotaperdidanoslivros/
comentários(0)comente



1042 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |