As Batidas Perdidas do Coração

As Batidas Perdidas do Coração Bianca Briones




Resenhas - As Batidas Perdidas do Coração


196 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Fernanda 09/10/2014

Ainda não sei precisar,quais as reações esse livro me proporcionou.
Vamos ao resumo rapidão rsrs
Viviane é uma garota rica que convive com a perca recente do pai e, como consequência sua mãe vive dia e noite em depressão.
Viviane,é uma garota corajosa e responsável,e diante esse dilema,ela assume a responsabilidade de "chefe de família"
Já o projeto de galã, Rafael é aquele tipo, não se envolve emocionalmente com ninguém e assim como Viviane,o rapaz enfrenta um momento de luto

É claro que esse livro é um clichê,eufemismo a parte.E também,percebemos que o casalzinho vai se envolver.Embora,muita coisa venha a acontecer para atrapalhar a solidificação do aguardado" felizes e apaixonados".

Num apanhando geral,esse livro é bom.Mas longe de ser envolvente.
Os personagens são legais,embora ,sem aquele traço marcante.
A escrita fluiu de maneira facil,mas,não arrebata a mente e coração do leitor.
E pra quem gosta de cenas quentes,esse ,contém partes com o "adotado estilo"new adult leve,mas escrito com sofisticação .
Enfim,só lendo pra saber.
E deixando claro,que muito embora,esse não me deixou com gostinho de quero mais e nem envolvida na trama.Sei,que muitas pessoas vão se render.Gosto Literário é igual nariz,cada um teu o seu e ponto. Rsrsrs
Pati 14/10/2014minha estante
Eu também dei 3 estrelas, é bom, mas nao é perfeito, e esse negócio de ficar se lamentando e fazendo coisas destrutivas acho rídiculo, o ser humano sofre demais porque gosta disso, muito drama, os personagens nao me encantaram. Eu esperava outra coisa, e aí me vem o bad boy dos piores rsrrss, odeio gente fraca e autodestrutiva


bjs,

Pati


Fernanda 15/10/2014minha estante
"odeio gente fraca e autodestrutiva"...Então somos duas rsrsrs
E vou te contar, ando decepcionada com esses livros nacionais.Tá difícil,viu?
O que esta acontecendo com as nossas autoras?


Caroline 17/10/2014minha estante
Fernanda, concordo contigo. É bom, mas não é envolvente, não é apaixonante. Embora tenha sido um dos poucos new adult nacional que eu tenha conseguido terminar rsrs


Fernanda 17/10/2014minha estante
Exatamente, Caroline!
Mas, a questão new adult + nacional = dificilmente vá me agradar.
Penso q sou chata e exigente. Mas tenho refletido no quanto as autoras nacionais, fazem pouco da capacidade seletiva de seus leitores. Na maioria das vezes livros razoavelmente fraco.


Lud 09/11/2014minha estante
concordo! E pra falar a verdade não consegui termina-lo. Não gostei do meio do livro, apesar de achar interessante o começo. Me irritei com as referências musicais, achei a maioria de mal gosto, mas a verdade é que na altura que eu estava meu nível de paciência já tinha se esgotado. Não achei mal escrito, deixo claro, não gostei da história.


Fernanda 10/11/2014minha estante
kkkkkkkkkk Lud, estou aqui lendo o seu comentário e refletindo,como somos parecidas.Se um livro não cai na minha graça, ACABOU.
Não consigo seguir em frente,e acredite já me aconteceu isso com autores que eu amo.
mas,realmente,este aqui em especial é bem fraquinho, e outra coisa bem abordada,péssima escolha da trilha sonora.
bjs


Emi 02/01/2015minha estante
Meninas...leiam "A vida depois do amor"...


aninha.melo.357 25/01/2015minha estante
Para o genero, é um dos piores livros que já li, a narração é extremamente chata a do Rafael então... Achei que se tornou um amor forte muito rapido, em nenhum momento de fato comprei a historia de como tudo começou. Só teve uma parte do livro, quase no fim que eu achei que os protagonistas foram maduros e encaram a situação de uma maneira mais real.
Enfim, por muitas vezes abandonei e voltei a ler pq já tinha comprado e não gosto de deixar leituras pedentes. Não recomendo .


Maí 03/04/2015minha estante
Nossa! Sua opinião e a minha sobre este livro são praticamente iguais, rsrsrs. Achei a narrativa completamente chata, e por isso os personagens, que tinham tudo para serem legais, tornaram-se entediantes.




Pick a Book 26/09/2014

As batidas perdidas do coração
Sabe quando um livro te pega e não quer mais te largar? Então. "As batidas perdidas do coração" não me soltou de jeito nenhum. Ai não teve outro jeito a não ser me apaixonar. Um dia depois que li, e ainda penso nele. Vontade de ler tudo de novo.

A autora trouxe um livro com uma temática forte e com um assunto que eu nunca tinha visto ser abordado de uma maneira tão real. Eu ate queria falar mais sobre isso mas é spoiler...

Por falar em real, eu AMEI a escrita da Bianca. Parecia como se você estivesse em um bar e ouvindo uma pessoa te contar a historia dela. Um texto informal, as conversas com gírias comuns que a gente usa mesmo no dia a dia, nada de exagero. E isso me fez gostar do livro logo de cara. Amo quando as falas, os bate papos soam próximos a realidade. Tem autor que coloca as falas muito certinhas e não gosto. Ninguém fala do mesmo jeito que escreve pra.. Uma prova de redação, por exemplo. Se quer trazer o leitor pra dentro da história nada de frescura na hora dos diálogos, OK?

Todos os personagens são cativantes. Viviane com sua os roupas loucas e apesar de ser zilhionaria não jogava isso na cara de ninguém. Seu irmão, Rodrigo, uma comédia. Aqueles tipo de pessoa que tudo que fala tem uma brincadeira no meio, que dá vontade de ter como amigo. Lucas, um fofo. Lex um put@ de um amigo de verdade. Aquele que tá até na merda com você. E a Branca? Kkkk merece um livro só dela com muitas palavras inventadas e definições de me arrancar risadas. E deu pra sacar que o Bernardo é um fofo e provavelmente vai ser o romântico dos românticos (doida pra ler o livro dele) E o Rafa... AiAi o Rafa *corações saindo pelos meus olhos*. Louco, divertido, desbocado, apaixonado e lindo!!! To apaixonada de verdade.

A capa engana um pouco. Da a impressão de que é a história de um roqueiro. Talvez quem lê a sinopse e olha pra capa acha que vai ser mais uma história de banda e talvez aquela vida louca de artista. Nada disso. Tem sim uma razão pra aquela guitarra ta ali, mas não é nem de longe o foco do livro.

Uma linda história de amor com muita tragédia e superação. Sobre companheirismo e ate onde você iria para ajudar alguém. Confesso que a Vivi fez MUITO MAIS do que eu estaria disposta a fazer. Por mais que eu estivesse apaixonada não aceitaria entrar em uma situação desse nivel. A Vivi foi muito corajosa.

Não deixa o começo te enganar de que é so uma historia de "seguir em frente" após uma perda. Saiba que o começo é só a ponta da merda toda que acontece nessa história. Foi difícil, as vezes, acompanhar o sofrimento do Rafael sem derramar uma lágrima. A autora não focou só no romance e trouxe uma historia difícil, intensa e muito boa. Valeu a leitura. Eventualmente lerei novamente. Super recomendo.



Thattiani 17/01/2015minha estante
Existe continuação ?


Pick a Book 29/01/2015minha estante
é uma serie, mas não serão os mesmo personagens principais. O livro dois será lançado em Abril e será sobre o Bernardo. Em setembro tem do Lucas (acho) e ano que vem do Lex.


Babih - @capadura_cmole 08/03/2015minha estante
Também amei, é um lagrima é pouco pelas muitas que eu derramei ao longo do livro


Mônica 28/12/2015minha estante
Gostei do livro e ele está na minha listinha de compra. Recomendo




Queria Estar Lendo 02/07/2016

Resenha: As Batidas Perdidas do Coração
Abram alas para um New Adult incrível, senhoras e senhores! As Batidas Perdidas do Coração foi a melhor novela mexicana que eu já li, e digo isso no melhor sentido da palavra. Teve drama, teve um romance arrebatador, teve mais drama, mais desgraça na vida dos personagens, o romance continuou lindo, e foi real. Um romance ardente incrivelmente realístico. Que os céus abençoem a Bianca Briones, porque vou comprar até a lista de supermercado que ela fizer daqui pra frente!

Viviane e Rafael vivem realidades diferentes; ela é rica, ele é pobre. Ela é herdeira de um sobrenome aclamado, ele é só o barman de uma boate local. Ela ama Britney Spears e ele vive Johnny Cash. Mas a vida encontra maneiras inesperadas de unir corações predestinados, e a dor foi a ligação que ambos encontraram; a dor da perda. Viviane perdeu o pai. Rafael, quase toda a família. Se existe uma coisa que ambos entendem, é a dor irreparável de algo que se foi e nunca vai voltar. E é a partir daí que eles se aproximam.

"Um dia após o outro. Um dia após o outro. Um dia após o outro. É assim que a vida segue, enquanto você sofre, ri, chora, ama, perde. Ela não para."

Eu mencionei ali em cima o drama, certo? Tem muito drama. Pensa em dois personagens desgraçados pela vida. O Rafael, principalmente. Se você não sabe escrever drama com aquele toque de sutileza necessário, vira uma gororoba intragável. A Briones não teve isso; ela desenvolveu a história tão bem que eu me vi urrando, chorando e implorando pra que o casal encontrasse um final feliz. As Batidas Perdidas do Coração teve um timing tão incrível e bem calculado que encaixava o romance do new adult com aquelas remexidas no emocional, criando cenas quentes ao mesmo tempo em que também nos entregava cenas emocionalmente destruidoras.

"Uma porta imaginária se abriu entre nós. Não sabemos como começou ou quem a abriu. Simplesmente está escancarada e cabe a nós lidar com isso. Ou fechamos ou entramos. Não há meio-termo."

Viviane nunca enfrentou grandes desafios em sua vida até o momento em que perdeu o pai para o câncer. A mãe se torna uma figura instável e depressiva, o avô, super-protetor, e o irmão é o único gancho que Viviane ainda tem para se manter sã. Quando Rafael cruza o seu caminho, primeiro inesperadamente, para então tornar-se uma figura corriqueira, Viviane percebe que não tem escape; a atração entre eles foi muito bem desenvolvida. Eles se entendem, são simpáticos um com o outro, e se querem. É simples e imperfeito, mas quem liga? O livro nunca tenta te convencer de que é amor à primeira vista e a atração não soa falsa. Eles se desejam e a dor que os conecta é também um escape para o que o mundo lá fora tem a oferecer para a agonia que sentem. Viviane e Rafael são perfeitos um para o outro e você entende isso no que tempo em que eles começam a se entender.

Eu adorei a maneira com que a Briones criou essa tensão sexual entre o casal, mas também trabalhou o emocional deles tão bem. Viviane é uma garota órfã perdida, forçada a tomar decisões importantes, a amadurecer mais rápido do que estava acostumada. Ela é uma menina rica com o coração de ouro, mas também é uma mulher forte e decidida, com uma postura nada fragilizada. Ela perdeu o pai e o melhor amigo, mas ainda está vivendo. Ainda está ao lado do irmão, dos amigos e então de Rafael, que se torna algo mais com o tempo que se passa. Ela o ama, ela o deseja, ela quer estar ao lado dele conforme as semanas se vão e ele nunca sai da sua vida. Mas Rafael é tão ou mais instável do que ela pensava, e a determinação de Viviane entra aí para balancear os riscos e o medo que ele sente.


Rafael perdeu o pai, a irmã, os tios. Só lhe restou sua mãe e o primo - igualmente abalado pela perda - e um mundo que oferece soluções perigosas para quem quer se extasiar da dor. Rafael não é um santo e a história nunca mente a respeito dele; talvez por isso eu o tenha amado tanto. Ele buscou nas drogas, no cigarro e nas bebidas um escape para a sua dor, e então percebeu que Viviane talvez pudesse ser uma nova solução. Com ela disposta a estar ao seu lado e Rafael disposto a tentar, a obra trabalha maravilhosamente essa impotência que uma pessoa tem quando se deixa levar pelo mundo das drogas. Mesmo forte e aparentemente invencível, Rafael é só um fantoche quando o vício bate à porta, e talvez sua força e a força do amor que ele tem pela Viviane não sejam o bastante, não o tanto quanto ele achava que seriam. FOI TÃO LINDO. A realidade nua e crua que a Briones inseriu, ao mesmo tempo em que dava ao casal mais amor e paixão e momentos inesquecíveis. Amei cada nuance do Rafael, cada falha e cicatriz e perda irreparável. O menino nasceu pra sofrer, mas também está ali para aprender a viver com esse sofrimento. E o apoio que a Viviane dava, a força que ele encontrou em si mesmo depois disso, argh, foi tão maravilhoso.

"E, por alguns segundos, realmente esqueço de tudo. Eu a beijo como se fosse o bastante para me salvar. E talvez seja."

Os dois tinham uma química inegável, e as cenas dignas de new adult foram ó, parabéns. Ao mesmo tempo em que Viviane e Rafael se sobrecarregavam de dramas, eles também dividiam momentos leves e divertidos, com um bom humor irreverente e malicioso. Nem as declarações de amor mais melosas foram ruins para mim, para você ver como esse livro acertou o ponto de romance certo! Rafael ainda era o cara malandro, tatuado e perigoso, Viviane ainda era a moça doce e preocupada, mas ambos se tornaram algo mais juntos.

Os personagens secundários brilharam igualmente. Branca, Mila, Lex, Bernardo, Rodrigo, Lucas. Todos estavam ali pela Vivi e pelo Rafa, à sua maneira. Rodrigo e Lucas, principalmente, irmão da Viviane e primo do Rafael, que sofreram as mesmas perdas dos protagonistas e encontraram a mesma dificuldade de superação encontrada por ambos. A interação entre os dois criou uma amizade poderosa, mas eu preciso admitir que shippei. Shippei muito. Queria que Lucas/Rodrigo tivessem ficado juntos romanticamente, porque tinha muito espaço!

Graças aos céus não foi mais um daqueles clichês de NA que não aguento mais. Nada de uma só melhor amiga, nada de problemas de traição, nenhum drama clichê com um término de namoro. Tudo, absolutamente tudo nessa história, foi inesperadamente bom. Claro, tivemos os clichês, mas nada soou falso ou exagerado demais; o drama com a família da Viviane, uma perda inesperada para criar aquele clímax de desespero no fim. Até uma cena com arma apareceu - e oi que certa autora deveria ler esse livro e entender como se faz um sequestro bem escrito. A Briones conseguiu construir uma história de amor e superação, de dor e de separação, conseguiu dar verossimilhança a cada atitude e decisão tomada pelos protagonistas. A narrativa da Viviane era cheia de esperança e de força, a de Rafael era engraçada e em busca de uma luz. Ambos sombrios, ambos determinados a deixar essas sombras para trás.

"- Meu pai dizia que, quando descobrimos que estamos apaixonados, o coração fica tão assustado que pula um batimento, como se tivesse se preparando para todas as variações de velocidade que vai ter que enfrentar a partir daí. É o que ele chamava de "batidas perdidas do coração". Segundo ele, o coração nunca recupera o ritmo correto até se encontrar no peito de outra pessoa."

O final foi a melhor parte, o que, depois de passar com um trauma de decepção com Mentira Perfeita, foi um alívio. Livros de romance assim ou são muito bons ou perdem a mão e se tornam escorregões vergonhosos do meio para o fim. As Batidas Perdidas do Coração foi ótimo, foi lindo e foi inesquecível. Quem perdeu uma batida do coração graças a esse livro fui eu!
comentários(0)comente



pri alves 30/10/2014

desabafo
O livro narra a história de Viviane uma, menina de família rica, prestes a completar 19 anos quando seu pai falece vítima de um câncer de pulmão. E de Rafael, que há 4 anos perdeu seu pai em um assalto e agora perde de uma unica vez a irmã mais nova , seus tios e primo em um acidente de trânsito.

Em geral duas pessoas que não tem nada em comum além da dor e do luto, mundo diferentes, histórias diferentes e mesmo assim o sentimento nasce, cresce e não morre.

Uma história, com bons diálogos, protagonistas interessantes e personagens secundários muito bem construídos, se não bastasse isso, o livro é regado de músicas, cada capítulo começa com um trecho de uma música conhecida.

O livro, toca bem nesse quesito do luto e de como ele une as pessoas mesmo as mais improváveis, fala muito sobre família e aborda o tema das drogas. um romance arrebatador e com uma boa pegada sexual.

Gostei do livro e provavelmente irei recomendar a leitura.
Antes de lê vi muitas resenhas boas sobres ele, inclusive algumas dizendo que ele vinha para substituir o vazio deixado por belo desastre... desculpe rafa, até gostei de você mais falta muuuuuito para você ser um travis Madox.

agora o desabafo:

Eu sou super fã do gênero new adult mais acho que os autores estão se preocupando tanto em desenvolver bem as cenas sexuais (e estão conseguindo) que estão por muitas vezes deixando o desenvolvimento do romance de lado, não sei, acho que nos dois últimos meses devo ter lido uns 15 livros do gênero e só em dois a paixão entre os protagonistas demorou mais de 2 encontros para acontecer, legal eu adoro um romance arrebatador, mais um pouquinho de realidade não faz mal a ninguém, e porque o protagonista tem que ser sempre, lindo, forte, em 90% dos casos rico ou melhor, mtttt rico, com algum trauma de família e que é o deus do sexo??? a protagonista, tem que ter cara de inocente, pouca experiencia sexual? o cara que não se apega a ngm, mas depois que só olha para a garota, não a esquece e não pensa em mais nenhuma mulher??? são ciumentos, protetores, raivosos e esconde um lado carinhoso, fofo e amável... é impressão minha ou são todos descendentes do Senhor Gray??

Eu to implorando por algo um pouquinho diferente...:(
Emi 02/01/2015minha estante
Pri, leia " A vida depois do amor"...


Andressa 19/02/2015minha estante
Emi, qual o autor ?


Babih - @capadura_cmole 08/03/2015minha estante
È Grey, Amo de mais esse livros certo concordo que falta realidade, mas sair da realidade as vezes é ate legal




baunilha 26/08/2014

Então eu estou desde o dia 17 de novembro de 2014 segurando essa resenha. Isso porque a Bianca estava em negociação com editora Verus e combinamos de não postar nada até o lançamento do livro. E quer saber? Eu ainda não tenho o meu em mãos! Que triste, gente. Estou aqui sofrendo porque só vou ter na sexta-feira, na Bienal.

Aliás, ele é um dos livros mais vendidos no estande da Record!

É engraçado que sempre vejo as pessoas falando sobre este ser o livro de estreia da Bianca, quando para mim ele é o quarto livro. Antes eu li Sonhos de Avalon e Curvas para Cavill. Mas Batidas é seu primeiro livro New Adult, o que me deixa muito feliz porque ultimamente é um dos gêneros que mais gosto. Sim, eu adoro um drama, adoro essa tensão sexual que existe entre os personagens e principalmente, adoro um passado complicado.

Porém, no caso de Rafa e Vivi, eles não tem um passado ruim, eles tem tido dias muito difíceis desde que conseguem se lembrar. Ela acaba de perder o pai e durante sua doença teve que lidar com a depressão da mãe. Ele perdeu tios, primo e sua única irmã e essa nem é sua primeira perda na vida.

Nesse momento, a vida mostra a Viviane e Rafael que ela não escolhe quem vai sofrer. Ser rico ou pobre tanto faz. Uma hora você vai perder alguém na sua vida. E o dinheiro não vai te fazer sofrer menos.

É nesse contexto que o caminho desses dois personagens destroçados se cruza. Cada um está tentando passar por isso a sua maneira e dor em comum acaba os aproximando. Infelizmente, isso é só o começo.

Porque relacionamentos são assim. Você conhece alguém, se apaixona, mas não sabe o que vai passar com aquela pessoa. Nem sempre você sabe tudo sobre o passado dela, o que ela já fez e que demônios ela esconde dentro do armário. E é quando você descobre que precisa decidir o que fazer: correr ou lutar junto. Se corre, perde a chance daquilo que poderia ter sido. E se decide lutar junto Bem, você nunca sabe como é lutar a batalha do outro.

E As Batidas Perdidas do Coração é exatamente sobre escolhas. Sobre o momento de seguir e recuar. Estar ao lado ou estar longe. Enfrentar demônios ou se tornar um deles.

A história de Vivi e Rafa é contada em pontos de vista alternados e é recheada de música que é praticamente um personagem à parte. Cada capítulo começa com uma música que dá ao leitor o ritmo do que vem a seguir, que complementa todo um sentimento do personagem e nos prepara para os próximos acontecimentos. É como quando uma canção começa a tocar em um filme e você não sabe o que vai rolar, mas seu coração já se prepara para a dor, a alegria, o suspense E é justamente pelo suspense que não vou entrar em detalhes musicais. Vou deixar isso para vocês descobrirem sozinhos e se encantarem como eu.

Tá, mentira. Vou dizer que tem três músicas do Bon Jovi e essa sou eu, fangirl máxima dando ataques e faniquitos lendo. E eu juro por tudo que há de mais sagrado que não tive nada a ver com isso.

Estive acompanhando a história de Batidas desde que ele ficou pronto. Acompanhei desde que ele chegou na Verus e torci por dias enquanto esperava resultado. Eu sofri e me emocionei. Eu chorei com a capa. Depois com a revisão. E com o miolo pronto. Eu chorei quando escrevi um blub para a orelha. Então, não é como se eu pudesse dizer simplesmente que eu gostei do livro.

Eu amo esse livro com todas as minhas forças. Eu amo a Vivi e suas contradições de uma menina de 18 anos que cresceu à força e ora se comporta como mulher, ora como adolescente. Uma garota que percebe cedo demais que não pode controlar sua vida e acaba ficando obcecada por controlar tudo aquilo que consegue, como por exemplo, suas roupas. Que teve tudo o que o dinheiro pode comprar, que teve todo amor que alguém pode ter, mas a quem a vida escolheu bater e bater com força.

Eu sou apaixonada pelo Rafael que, com todos os seus esqueletos dentro do armário, se mostra humano, passível de erros e também de acertos. Esse garoto que já perdeu tanto que já não vê mais motivo para fazer a coisa certa, mas que descobre que seu equilíbrio pode estar em coisas que ele jamais imaginou.

Eu sou fascinada por cada um dos personagens secundários da história desde o avô Fernando que tem tudo para ser odiado até Lucas, Rodrigo e Lex, os melhores amigos que um cara como Rafa pode querer na vida. E Branca Bem, eu diria que se um dia você passar por alguma situação na vida, é melhor ter alguém como ela por perto.


site: http://leiturinhas.com/2014/08/26/as-batidas-perdidas-do-coracao/
De 07/09/2014minha estante
Fico feliz quando leio um romance bom e brasileiro.Também amei a história de Rafa e Vivi.Acho que Bianca deveria escrever uma história para cada amigo.Com certeza daríamos boas risadas com Rodrigo e Branca.


Andressa 19/02/2015minha estante
Mas vai ter De, em Abril sai o livro do Bernardo e da Clara e em Setembro o do lucas e lá pelo ano que vem o do Lex, só espero que ela dê uma palhinha sobre o Rafa e a Vivi nesses livros pra gente matar um pouquinho a saudade *-*


baunilha 24/04/2015minha estante
Andressa, o livro do Lex não está confirmado. Assim como a data de publicação do livro do Rodrigo, que pode não ser essa, ok!




Caroline 28/09/2014

Uma grata surpresa
Abro meus comentários dizendo que finalmente consegui passar das primeiras páginas de um new adult brasileiro. Já havia tentado alguns, daqueles que "todo mundo amou", mas sempre sem sucesso. Além de ter sido uma grata surpresa, As Batidas Perdidas do Coração me prendeu desde o começo com uma força impressionante.

Tem um quê de Romeu e Julieta, mas a estória toma seu próprio rumo. Viviane é uma garota rica que acaba de perder o pai e, já que sua mãe está em depressão, sente-se responsável por seu irmão e pela casa. Rafael é o Romeu da estória, mora na periferia, não se envolve emocionalmente com ninguém e também está passando por um momento de luto. Os dois, claro, vão se apaixonar, mas para que encontrem a felicidade terão que derrubar os imensos obstáculos que os esperam.

Dividindo o livro em duas partes eu diria que a primeira metade é um new adult leve, gostoso de se ler e não fica devendo em nada a nenhum best-seller do gênero. Os personagens são adoráveis e os diálogos são bem descontraídos e divertidos. Na segunda metade a tensão dá lugar à leveza, e alguns temas bastante sérios são abordados sem piedade. Não sei se foi a tragicidade de tudo, mas não consegui me envolver, ou talvez eu não tenha me permitido.

Gostei dos personagens, mas não me apaixonei. Não consegui me enxergar na pele de uma Viviane, por mais que torcesse pela felicidade do casal. Adorei os irmãos dos protagonistas, Lucas e Rodrigo, e a maneira como a autora envolveu tantos amigos e parentes na trama. O desenrolar da história acontece com fluidez, com um ritmo sempre confortável e prazeroso de leitura.

E o título!? Quanto amor! Ele tem um significado belíssimo que certamente vai ficar marcado em mim para sempre. A capa também é maravilhosa, mesmo que aparente contar uma história mais leve. Ela me passou a impressão de personagens músicos, o que não é o caso, apesar do livro estar recheado de letras de músicas incríveis.

Um dos pontos chaves para o sucesso que o livro vem tendo é a escrita, sem dúvidas. Por mais que a linguagem informal não seja meu xodó, não posso negar que a autora soube como usá-la a seu favor. Ela usa expressões e cacoetes do dia a dia, é a linguagem falada entre amigos posta no papel. No diálogos temos "vixe", "anram" e até "ó" (no sentido de "olha"); temos o uso da 2ª e 3ª pessoa usados em uma mesma frase, algo que normalmente me incomodaria (bastante!), mas como é justamente assim que falamos e como ela seguiu a mesma linha do começo ao fim, entrei no clima. Fora isso, não há um erro sequer de concordância verbal ou nominal, todas as vírgulas estão em seus devidos lugares, o trabalho de revisão de texto está impecável, digno de aplausos.

É um livro que fala de amizade, de família e de grandes perdas; fala de preconceitos e de superação; fala, especialmente, sobre não desistir das pessoas, de quem se ama, sobre acreditar. É uma bonita história de amor e levei um dia inteiro pensando em quantas estrelas daria. Não queria ser injusta, já que a estória está bem redondinha e prende o leitor como poucos livros o fazem, mas ao mesmo tempo gostaria de ter me emocionado, de ter mergulhado de cabeça, e isso não aconteceu. Senti falta também de um final mais lento ou de um epílogo. Parece que só ponho defeitos, não quero dar essa impressão, pois é, sem dúvidas, o melhor livro nacional do gênero que já li. Imperdível para todos aqueles que não dispensam um bom new adult.


3.5/5 Corações
4/5 Estrelas
comentários(0)comente



tiagoodesouza 29/10/2014

As batidas perdidas do coração | @blogocapitulo
Passou-se quase um mês desde que eu terminei a leitura de "Batidas" e ainda não sei muito bem o que falar do livro. Há muito a leitura de um nacional não me empolga tanto a ponto de favoritar. Se para o autor é terrível a expectativa sobre o que o leitor pensa do livro, para o resenhista é uma "tragédia" tentar - tentar! - colocar em palavras as impressões que ficam de um livro cinco estrelas.

Eu quis começar esta resenha dizendo "Que livro é este!". Mas isso poderia gerar uma ideia errada sobre o tipo de leitura que eu fiz. A princípio, pensei que "Batidas" não fosse muito diferente dos outros NA's que eu li. E se fôssemos dissecar toda a história, veríamos que os elementos estão todos lá; poderíamos taxá-lo pejorativamente de clichê. Então, teríamos de fazer o mesmo com os que vieram antes dele e com os anteriores. E os livros que nada têm a ver com NA também apresentariam similaridades com outros do mesmo gênero.

Com isso, não apreciaríamos história alguma.

É assustador como podemos potencializar e pensar que a nossa dor é a maior do mundo. Ela pode realmente ser a maior para nós, mas não é a única. Em qualquer lugar, existem pessoas sofrendo por perder alguém agora.
Página 33.

Bianca optou por nos apresentar Rafael e Viviane num momento desolador para ambos: a perda de pessoas queridas. Mas, assim como o primeiro momento em que eles se veem, o que temos naquelas primeiras páginas é apenas um vislumbre do que veremos mais pra frente, conforme a história vai crescendo e ganhando forma e força. A história ganha um potencial incrível quando Viviane aceita conhecer o mundo destruidor em que Rafael está metido.

A narrativa intercala o ponto de vista dos dois. Eu esperava ver uma garota mimada na personagem de Viviane. Ela faz parte de uma das famílias mais ricas de São Paulo, tem motorista particular. Praticamente, vive seu próprio reality show em casa, com câmeras por todo lado. Ela, porém, é uma jovem forte e determinada, apaixonada pela família e inspirada pelos ensinamentos do pai. Rafael possui algumas características semelhantes, porém seu lado mais sombrio é o que o difere de outros bad boys e o faz crescer.

Trechos de músicas conduzem o leitor em cada começo de capítulo. Eu li alguns ouvindo as músicas que os iniciavam e penso que Bianca acertou em cheio nas escolhas. Os capítulos são curtos, praticamente lidos no tempo das músicas. Livros com capítulos curtos normalmente me incomodam bastante. Fico com a sensação de que o autor estava com pressa e escreveu qualquer coisa. Não é o caso de "Batidas".

Tenho que comentar, porém, que eu me senti um pouco confuso com a apresentação dos personagens secundários e de apoio. Eu demorava um pouco para me localizar em qual parte da vida dos protagonistas eles faziam parte.

Com bastante tensão sexual e um final acelerado - acelerado, não corrido -, "Batidas" é um livro que fala do poder transformador que uma única pessoa pode fazer em nossa vida e em como nos momentos sombrios podemos tirar forças para nos reerguer como uma nova pessoa.

E é por isso que a leitura é muito mais do que recomendada.

- Meu pai dizia que, quando descobrimos que estamos apaixonados, o coração fica tão assustado que pula um batimento, como se tivesse se preparando para todas as variações de velocidade que vai ter que enfrentar a partir daí. É o que ele chamava de 'batidas perdidas do coração'. Segundo ele, o coração nunca recupera o ritmo correto até se encontrar no peito de outra pessoa.
Páginas 118 e 119.

site: http://ocapitulodolivro.blogspot.com.br/2014/10/as-batidas-perdidas-do-coracao-autora.html
Milena 29/10/2014minha estante
Estou doida pra ler esse livro, parece ser ótimo, gosto muito quando a narrativa intercala o ponto de vista dos dois protagonistas e amo histórias com trechos de músicas animando a trama.


Adriana 30/10/2014minha estante
Tiago, mais uma linda resenha.
Eu ainda não tinha lido sobre ele, mas amei. Também na sabia que era nacional, mas tenho lido muitos e gastado bastante.
Parece que o drama não é muito dramalhão. Adoro personagens que se conhecem numa situação dificil e que se ajudam para superar as dificuldades. E pra vc dar 5 estrelinhas deve ser meso imperdível.


Jess 30/10/2014minha estante
Esse livro esta dando o que falar, todas as resenha das quais eu leio estao falando super bem da historia. Estou bem curiosa para conhecer Rafael e Viviane, a narrativa parece se desenrolar muito bem. Sem duviada ja esta na minha lista!


Luana 30/10/2014minha estante
Só tenho lido coisas boas sobre esse livro e se você deu 5 estrelas realmente deve valer a pena. A história pode parecer clichê, como você disse, mas que atire a primeira pedra quem não gosta. Se for bem escrita ela sempre vai nos surpreender positivamente. Gostei bastante do fato dos capítulos serem alternados entre os personagens. Assim podemos ter a visão dos dois e entendê-los melhor. Fiquei super curiosa para conhecer a história do Rafael e da Viviane. E claro, é tão bom perceber que a literatura nacional vem ganhando cada vez mais espaço.




Psychobooks 03/09/2014

Resenha Dupla

Alba: Todo mundo que acompanha o site há algum tempo sabe que estamos superenvolvidas com o processo criativo da Bianca. Desde a criação da premissa até o desenvolvimento da história e seu ponto final.

Mari: Eu tenho uma ligação muito forte com "As Batidas Perdidas do Coração", o livro está repleto dos elementos que mais me agradam dentro do gênero e a escrita da Bianca é sensacional. Já aviso de antemão que não sou boa em passar meus sentimentos mais fortes em palavras, por isso foi difícil escrever essa resenha, nada do que eu disser aqui chega aos pés de demonstrar o quanto amo a história do Rafa e Vivi.

Alba: O livro do Rafa e da Vivi já é nosso quarto livro da Bianca, autora que brinca com gêneros de forma natural e sem perder sua voz narrativa. Já lemos fantasia, chick-lit e o "Batidas", que é New Adult. Acompanhar um processo criativo tão rico e ver finalmente a história ganhar as prateleiras é um orgulho pra gente. Então, bora lá saber qualé a do Rafa e da Vivi:

Conhecendo Viviane e Rafael

Alba: Rafa e Vivi são, à primeira vista, um casal clichê, onde o garoto pobre se apaixona pela menina rica e a família dela não fica muito feliz com a relação. Mas o clichê para aí, porque Rafa e Vivi são tudo, menos clichês.

Alba: Rafa está no hospital porque acabou de perder 4 membros de sua família. Um acidente de carro por causa de um bêbado ao volante levou seus tios, seu primo e sua irmã Priscila, de apenas 15 anos. Vivi também está no hospital. Seu pai perdeu a luta contra o câncer depois de meses de sofrimento.

Mari: Não se pode dizer que os dois tiveram uma vida ruim, eles tiveram seus dias felizes e tristes, juntos irão descobrir que a vida é dura para todos, independente da classe social. Você escolhe qual caminho seguir e tem de lidar com as consequências dos seus atos, sejam eles bons ou ruins.

Alba: A partir dessa apresentação conhecemos as dores e os anseios desses dois jovens que são tão diferentes e tão iguais.

Narrativa e fluência da escrita

Alba: A narrativa é em primeira pessoa sob a visão de Rafa e Vivi. Essa escolha de narrativa é bem pontual do gênero e Bianca acertou em cheio ao dar o tom de cada capítulo com a apresentação de uma música.

Mari: O ritmo de leitura é superacelerado, é preciso tomar cuidado para não passar a madrugada inteira acordado com o livro na mão e só perceber que o novo dia chegou quando terminar de ler a última página. Repito, cuidado: leitura altamente viciante.

Mari: Eu sou uma pessoa muito musical, cada momento da minha vida é marcado por uma banda ou canção, quando vi que a Bianca estava colocando trechos de músicas para abrir cada capítulo fiquei superanimada e torcia para que o gosto musical do Rafa fosse impecável. A escolha de cada música para abrir o capítulo foi cuidadosa e a Bianca conseguiu fazer com que me apaixonasse cada vez mais por sua história e personagens. No caso da Vivi, sua preferência musical é bem diferente da minha, mas sempre há esperança no fim do túnel. Cada trecho de música cria o clima perfeito para o capítulo que vai começar e derrete meu coração antes mesmo de começar a história.

Alba: Ao mesmo tempo em que essa narrativa é comum, ela também é bem complicada por conta da voz de cada personagem. É importante que o autor não se perca e que o leitor perceba qual visão está acompanhando sem a necessidade de voltar ao início do capítulo para se lembrar. É incrível a habilidade que Briones - coisa mais FOFA - tem ao trocar essas visões e dar ao capítulo o tom certo de cada um dos personagens. Rafa é marrento, sabe o que quer e ao mesmo tempo está perdido. Bianca mistura esses sentimentos ambíguos de forma a transformar Rafa num personagem inesquecível, cheio de defeitos e ainda assim adorável, porra.

Mari: A diferenciação da voz individual de cada personagem é muito importante em uma narrativa, nesse caso a cada começo de capítulo é indicado quem vai narrar aquele trecho, mas isso não seria necessário, já que cada personagem tem uma forma de falar, pensar e agir bem distinta.

Alba: Viviane parece uma boneca frágil. Seu mundo perfeito acabou de desmoronar e ela num primeiro embate parece até um pouco fútil, preocupada com a aparência. Mais uma vez entra a habilidade da Bianca na construção de seus protagonistas e a apresentação de choque que ela faz entre o que é de verdade e o que a pessoa quer que os outros enxerguem.

Mari: No começo do livro Vivi é uma patricinha irritante, ela me tirava do sério, mas a Bianca foi amadurecendo sua personagem, que deixou de ser uma garotinha mimada e se transformou em uma mulher forte e madura. Esse desenvolvimento foi feito paulatinamente, sem pressa, de forma crível, com seus progressos e regressões como acontece no mundo real.

Plano de fundo da história e sidekicks

Alba: Eu tenho um problema sério com a histórias da Bianca: não há personagens coadjuvantes, são todos protagonistas. Por isso resolvi usar o termo "sidekick", que é um personagem que tá lá, sempre pronto pra roubar a cena do protagonista. E em "As Batidas Perdidas do Coração" existem tantos personagens com essa caracterítica!
Rodrigo e Lucas são os responsáveis pelo primeiro encontro entre Vivi e Rafa. Rodrigo é o irmão mais novo de Vivi e Lucas é o primo de Rafa. Os dois têm a mesma idade e se apoiam na dor. As cenas mais engraçadas vêm deles.
Alba: Branca e Lex imploram por um livro à parte. Bernardo e Clara, também. São tantos personagens vivos e exploráveis que tornam todo o universo ainda mais rico e palpável.

Mari: Os personagens secundários não são meros acessórios, cada um tem seu papel importante dentro da trama e quando eles aparecem, é como a Alba citou acima, são capazes de roubar a cena dos protagonistas. Eu simplesmente amo a forma como a Bianca constrói seus personagens, a história do Rafa e da Vivi é apenas uma dentro do mundo fantástico que é a cabeça da Briones. Torço MUITO para que cada personagem secundário tenha sua vez de ser protagonista.

Alba: Todo livro no gênero New Adult tem um pé no drama e Bianca construiu o plano de fundo de Vivi e Rafa de forma maravilhosa e... Partindo o nosso coração. A história vai se avolumando, as coisas vão acontecendo e quando você acha que tudo vai se resolver e a autora cansou de dar um nó na sua cabeça - BUM - plot-twist à vista! (grita o marinheiro responsável pelo mirante!). Bianca nos dá uma rasteira e a história ganha novo rumo. É o tipo de história que você começa lendo achando exatamente pra onde está sendo levado, mas se vê boquiaberto com a criatividade de escrita.

Mari: Em linhas gerais o romance é um pouco previsível, mas a forma como ele acontece e as pedras que estão no caminho arrebatam o leitor, parte seu coração em pedacinhos para ir reconstruindo vagarosamente. Quando você pensa que já entendeu o Rafa ou a Vivi, a autora vem e te deixa de queixo caído com alguma atitude deles.

Hot, hot, hot

Alba: E como todo New Adult que se preze, "As Batidas Perdidas do Coração" têm algumas cenas pra lá de calientes, a ponto de deixar a Branca, uma das amigas da Vivi, sem palavras pra descrever tamanha gostosura do Rafa.
Bianca dosa com cuidado essas cenas, de modo que fiquem sexies sem serem vulgar. Quem curte uma pegada mais erótica nos livros, vai amar e suspirar por Rafa.


Vale a pena, meninas?

Alba: Muito, muito, muito! Eu e Mari temos um blurb na orelha do livro, acho que não tem uma forma mais contundente de indicar uma obra. É uma história sexy, tocante, cheia de reviravoltas e que vai te fazer suspirar a cada virada de páginas. Zerou o gênero New Adult.

Mari: 'As Batidas Perdidas do Coração' é uma leitura intensa e visceral. A Bianca não teve medo de explorar o lado mais sombrio dos seus personagens e construiu um romance sexy e terno. É uma leitura que deixa o coração apertado, mas também arranca sorrisos e suspiros do leitor.

"E agora, enquanto ela ressona baixinho, sou o cara mais feliz do mundo. Sexualmente frustrado e com uma puta dor no saco, mas feliz."
Página 184

"- Se você está com medo, é porque já está mudando. Mudar assusta. Você sabe que não é mais a garota que corria sempre para junto do seu pai. Você sabe que não pode ser essa garota, mesmo que queira. Então se tornar outra pessoa às vezes é melhor que querer algo que nunca mais vai acontecer."
Página 68

"- Meu pai dizia que, quando descobrimos que estamos apaixonados, o coração fica tão assustado que pula um batimento, como se estivesse se preparando para todas as variações de velocidade que vai ter que enfrentar a partir daí. É o que ele chamava de "batidas perdidas do coração". Segundo ele, o coração nunca recupera o ritmo correto até se encontrar no peito de outra pessoa."
Página 118 e 119


site: www.psychobooks.com.br
comentários(0)comente



De 07/09/2014

UAU!!!
Droga por ser tão emotiva!
Foi meio difícil fazer a resenha desse livro,sem me emocionar de novo.Batidas perdidas do coração,fala de perdas,perdão e superação.Fico pensando,da barra que é,quem tem,teve,ou conhece alguém próximo,com problemas de drogas.Um romance brasileiro bem intenso,conta a história de Rafa e Vivi,que se conheceram através da dor da perda de seus pais.E como dizem por aí,que os opostos se atraem...
Rafa,baterista,tatuado e barman se envolve com drogas por não aguentar a barra de perder o pai.Vivi,patricinha rica,doce, amável,otimista e que usa roupas caras e pijamas rosa de bichinhos.rss
A Atração é tão forte,que eles achavam que poderiam vencer qualquer obstáculo juntos,que o amor e o apoio da família e dos amigos eram suficientes.Rafa vê em Vivi a chance de se salvar e recomeçar e ela de curar as feridas e encontrar um grande amor.As referencias musicais,se encaixaram perfeitamente à história e me fizeram procurar no YouTube os cantores,as músicas e suas traduções dando mais realidade a cena,te levando do céu ao chão em muitos momentos,te fazendo rir e chorar ao mesmo tempo.Assim como eu,acredito que ao ler esse livro,você vai sentir seu coração perder algumas batidas.Recomendo muito!
comentários(0)comente



Niii 27/08/2014

Perfeito... Prepare-se para perder as batidas do seu coração
Minha opinião: Como sempre, eu não faço uma resenha gigantesca, porque eu odeio spoiler, até mesmo a sinopse eu não gosto de ler tudo, e sempre leio a metade e se gosto compro.

O livro tem páginas e achei que ia demorar pelo menos uma semana pra ler, mas o li em dois dias. Os capítulos são alternados entre Vivi e Rafa e em cada capitulo iniciado temos um trechinho de música, que eu amei! A diagramação é perfeita!

Nesse livro temos os personagens principais, Viviane e Rafael, que perdem pessoas da família que são muito próximos e que se unem por suas dores. Viviane é uma adolescente rica em um mundo diferente de Rafael, que é de uma classe mais baixa, e que tudo é diferente e se não fosse pelo destino, nunca teriam se cruzado.

Além de Viviane e Rafael temos outros personagens que eu achei magnifico, sim, magnifico, porque eu queria todos eles na minha vida, o irmão de Vivi e o primo de Rafa, as amigas da Vivi e os amigos de Rafa, citando aqui apenas o Lex, que em minha opinião deveria ter um livro sobre ele.

"Não escolhemos amar nossa família. Amamos e pronto. É uma extensão de nós. Um amor que nasce e morre com a gente. Mas um parceiro... Aquela pessoa que vai viver com você até o fim, é diferente. É muita coisa pensar em quanto você tem que amar alguém para tomar essa decisão e depois ter isso arrancado de você."

Tudo bem, depois de uma rápida apresentação dos personagens, temos uma história para destruir nosso coração, sim, destruir sim, e como diz a Bianca, perder uma batida do coração, porque eu perdi sim, em ler essa história, principalmente a história do Rafa e logo mesclando com a história da Vivi.

Infelizmente eu não posso falar mais da história, porque na contracapa e nas orelhas não tem muito sobre a história perfeita que você vai descobrir ao ler o livro inteiro... Geralmente em um ponto do livro sinto vontade de parar de ler um pouco e começar outro, mas esse eu tive vontade de chegar logo á noite e ter um pouco de silencio para terminar de ler, e as vezes eu não queria terminar de ler, por ser uma história linda, e as vezes eu queria terminar para saber se teria uma continuação. O livro mostra bastante sobre o preconceito entre classe social, tatuagens... essas coisas, e é uma reflexão, você fica pensando no assunto, mesmo quando o livro termina.

Quem gosta de New Adult, esse é um prato cheio e mais que isso, já que se passa do Brasil, acredito que me identifiquei ainda mais com a história.

Falando um pouquinho da Bianca Briones, ela é super simpática, MUITO tímida, e de uma simplicidade linda, que encanta todos. Esse é o primeiro livro publicado dela, e ela tem mais dois livros se eu não me engano para ser publicado e eu espero do fundo do meu coração que seja logo!

Comprei o livro dela no dia 23.08 na Bienal do livro e tive o prazer de tirar uma foto e de ganhar um autógrafo lindo. Desejo tudo de bom na sua vida Bianca e que você seja sempre pessoa simples e delicada que você é. Muito sucesso!

Bom, depois de essa resenha nem preciso dizer que eu recomendo o livro né?

Playlist:
Could be any harder The Calling
O anjo mais velho Teatro Mágico
Fix You Coldplay
Wonderwall Oasis
Cocaine Eric Clapton



site: http://amordelivros.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Sandi 28/11/2015

As Batidas Perdidas do Coração- Bianca Briones
Voltei a ler romances! Depois de umas férias das histórias de amor, retornei ao guilty pleasure desse gênero, acumulando nada menos do que quatro livros em menos de duas semanas. Dentre essa seleção, está As Batidas Perdidas do Coração, livro brasileiro (nacionalidade que, admito, leio bem pouco), o qual está fazendo bastante sucesso, principalmente devido ao seu recente spin-off. Infelizmente, mais uma vez comprovei que um new adult de sucesso nem sempre vem acompanhado com o carisma que um bom romance deve ter.

As Batidas Perdidas do Coração conta a história de Vivi e Rafa, dois jovens que se unem pela dor da perda de entes queridos. Porém, o estilo de vida e classe social totalmente opostos dos dois vão dificultar esse envolvimento amoroso.

Sinopse clichê? Sim. A menina rica que se apaixona pelo bad boy já foi recontada tantas vezes que autor que optar por esse plot realmente deve ser ninja em criar um enredo original. Porém, Bianca claramente se inspira em Química Perfeita da Simone Elkeles e todas as consequências do romance entre os protagonistas tornam-se bem previsíveis para aqueles que leram essa ou qualquer outra obra com o mesmo tema. Porém, por mais que esse plot deixe o livro bleh!, tenho que elogiar a capacidade de Bianca trazer uma boa dose de química ao casal e conseguir construir um bad boy carismático, que embora perigoso devido aos seus problemas, não é insano e desrespeitoso ao estilo Travis Maddox (sim, me matem!).

No entanto, em tempos de #meuamigosecreto é impossível não perceber o machismo contido na história e que, na minha opinião, é a grande ruína dos romances atuais. Embora Rafa trate Vivi de uma forma aceitável, é extremamente desrespeitosa a forma como ele despreza as demais mulheres que passaram em sua vida, como se fosse legal ser babaca com as ex agora que encontrou seu amor. E a cena com a hostess do bar? É muito estranha a forma como escritoras mulheres desprezam seu próprio gênero ao construir esse tipo de estereótipo.

O grande incômodo, porém, que tive com esse livro não reside nos fatos anteriores (que são suaves se entrarmos no mundo dos NAs) e sim, na overdose dramática non-sense que ele traz. Uma tragédia? Ok. Colleen Hoover está ai para mostrar que ser uma heart-breaking produz livros impactantes. Porém, Bianca exagera! A grande luta de Rafa, por si só já deu um plot muito interessante e poderia ser explorado em diversas outras nuances, porém a autora ao invés de trazer essa sutileza dramática, pesa a mão e produz desastres em série. Isso satura a história e faz com que ela perca a verossimilhança necessária para o leitor realmente se identificar com o casal.

Um romance para mim deve ser inesquecível. Tem que te fazer querer ser um dos personagens, te inspirar e fazer com que você acredite no amor que raramente existe aqui do lado de fora. As Batidas Perdidas do Coração realmente tenta, mas não consegui sentir nenhum descompasso em relação ao livro. Bóra ler mais uns romances para ver se encontro essa tal batida perdida.
MILA 18/03/2016minha estante
Nossa, amei sua resenha! Estou sentindo quase isso tudo que descreveu, mais também não terminei de ler o livro. Acho que o meu problema também está na linguagem dos personagens, não sei se vai entender o que quero dizer..




PorEssasPáginas 27/09/2014

A Cuca Recomenda: As Batidas Perdidas do Coração - Por Essas Páginas
Fiquei muito em dúvida se pedia ou não esse livro na nossa parceria com a Editora Verus. Por um lado, é um livro de uma autora nacional que é promessa do gênero e foi recomendadíssimo pelo blog Psychobooks. Por outro lado é um romance, ou sendo bem mais específica, um New Adult. Acho ótima a entrada de autores brasileiros nesse gênero que já é sucesso, mas é um tipo de leitura que sai um pouco da minha zona de conforto e que, até o momento, nas minhas leituras prévias, não me convenceu. No entanto, fui teimosa, a curiosidade venceu, e eu resolvi ler o livro. Como a própria autora o descreve, acredito que a melhor palavra para As Batidas Perdidas do Coração seja mesmo intenso.

Tudo é intenso nesse livro, desde os personagens, passando pela narrativa e chegando, finalmente, à reação do leitor. Foi só iniciar a leitura que me vi em uma montanha russa de emoções. Às vezes eu amava o livro, às vezes detestava. É meio complicado descrever a montanha de sentimentos que Bianca Briones desperta nessa leitura.

Nossos olhares se enfrentam. Ele é tudo que eu não quero agora e vice-versa. Mesmo assim, há exatos quarenta dias, por mais que nossos caminhos sejam diferentes, temos nos esbarrado nos cruzamentos.

O livro já começa com duas porradas (e, sim, vou falar palavrão nessa resenha, o livro é cheio deles o que é algo ótimo e dá vontade de falar palavrão): Viviane perdeu o pai para um câncer arrasador, enquanto Rafael perdeu quase toda a família ele, que já tinha perdido o pai alguns anos antes, agora vê sua irmã, tios e primo serem mortos em um acidente causado por um motorista bêbado, que sai impune do caso por ter as costas quentes. Enquanto Viviane vem de uma família rica, Rafael é de origem humilde e rala muito para viver. Duas pessoas extremamente opostas que se esbarram em um momento de extrema dor, no pior lugar do universo: um hospital. E aqui há a primeira incoerência do livro, apesar de não ser tão importante assim para a trama: se a família de Viviane é tão rica e a de Rafael é bem mais humilde, como seu pai e a família de Rafael morreram no mesmo hospital? Infelizmente sabemos muito bem que para cada tipo de pessoa (na verdade, de bolso), há um tipo de hospital.

Essa não é a única incoerência do livro, infelizmente. Há outras, algumas relevantes, outras não. Mas na verdade nem foram elas que me incomodaram e sim dois fatos: o primeiro, a falta de ambientação. Algumas (poucas) vezes é comentado no livro que a história se passa em São Paulo, mas se isso não fosse dito, eu não saberia, não sentiria. Há pouca (ou nenhuma) ambientação. O leitor não sente o clima da cidade, não percebe que está lá. Se não fosse dito que o pai de Viviane era o publicitário mais importante de São Paulo eu jamais saberia que é nessa cidade que o livro se passa; do jeito que ele foi escrito, poderia se passar em qualquer lugar, e sinto muito, para mim isso é uma falha. A ambientação é importante.

O segundo ponto que me incomodou foram as músicas. Cada capítulo tem uma música tema, um trecho citado logo no início, e isso é ótimo. As músicas também são muito boas e refletem o clima do livro. Então por que você está implicando tanto com isso, afinal? Porque há poucas músicas brasileiras e, sendo um livro brasileiro, eu esperava um pouco mais de valorização das nossas boas músicas. A primeira vez que uma canção brasileira é citada nessa estrutura dos capítulos é somente lá pelo capítulo 18, na página 87; eu quase dei pulos de alegria quando vi, mas infelizmente essas citações pouco se repetem. Não cheguei a contar, mas certamente não passa do número dos dedos das mãos, e o livro tem 80 capítulos! É muito pouco e isso me deixou decepcionada.

Mas falando agora da trama, excetuando-se esses pequenos problemas, Bianca Briones conseguiu dar um ótimo tom ao livro e de verdade encontrou a voz dos seus personagens. Os capítulos são intercalados entre Viviane e Rafael, e a escrita deles é extremamente diferente, até mesmo avessa, o que foi perfeito. Não é como em alguns livros muito aclamados por aí que você confunde os personagens, não mesmo! Assim como as personalidades de Rafael e Viviane são opostas, assim é a escrita dos seus capítulos: enquanto com Rafael temos porradas e mais porradas, com Viviane temos capítulos mais sensíveis, mas ambos são sempre carregados de sentimentos intensos. Falei que a palavra para esse livro era intenso, não falei?

Os quadros são fotografias de Johnny Cash. Eu não saberia dizer quem é se não estivesse escrito. Um deles é apenas uma imagem de Cash segurando um violão e mostrando o dedo do meio. Tão Rafa que é difícil não sorrir.
No outro, há uma imagem do cantor olhando para baixo, com fogo em volta e uma frase: I hurt myself today to see if I still feel. I focus on the pain, the only thing thats real.

A história foi me conquistando aos poucos, como acontece quando a gente se apaixona. E, na verdade, Bianca me conquistou primeiro com seus personagens secundários; foi a amizade do primo de Rafa, Lucas, e do irmão de Viviane, Rodrigo, que me emocionou pela primeira vez no livro. O romance de Rafael e Viviane, apesar de bem construído, só foi me conquistar quando o livro começou a fazer um ótimo paralelo com a história de Johnny Cash e June Carter. Aí eu me peguei com um sorriso no rosto e decidi que tinha sido conquistada. Mas o livro não acaba por aí, não é apenas uma história de amor em que os protagonistas se encontram e ficam juntos; é um livro sobre amor, paixão e cenas quentes (muito quentes, e muito bem escritas!), mas é, principalmente, um livro sobre dor e como lidar com ela. Há cenas verdadeiramente tocantes, que arrancam lágrimas e suspiros do leitor, e há cenas que arrancam socos de raiva. Confesso que fiquei com muita bronca do Rafael no final e não torci para que os dois terminassem juntos, apesar do livro ter encerrado com um bom final. Na vida real, porém, eu torceria para que o destino de Viviane fosse outro.

É incrível como a autora vai brincando com os nossos sentimentos à medida que a história se desenlaça e a reação que eu tive acima é prova disso. Eu comecei o livro gostando muito mais do Rafael e torcendo o nariz para Viviane, mas terminei abraçando Viviane e querendo dar um soco na cara do Rafael. Há uma boa parte do livro que fala sobre o assunto de drogas e violência, e nesse ponto a autora merece todos os elogios: as cenas foram incrivelmente bem descritas e o capítulo narrado por Rafael quando ele passa por uma crise de abstinência é um dos melhores de todo o livro e o que mais demonstra a habilidade de Bianca Briones como escritora.

A edição da Verus está boa; gostei da capa e do fato de que as letras que compõem o título são as mesmas utilizadas nos capítulos, sendo a de mão, mais delicada, de Viviane, e a de forma, mais bruta, para Rafael. No entanto, as notas de rodapé traduzindo todas as letras em inglês me irritaram um pouco, acredito que elas sejam desnecessárias para o tipo de leitor que esse livro vai atingir, um público que provavelmente conhece essas músicas e já sabe o que significam as letras. Já a fonte para o miolo é a mesma que a editora usa em outros livros e uma coisa que incomoda é que em todas as obras ela sempre parece meio apagada, fraca, e quando é noite fica sempre mais cansativa a leitura. Há várias citações no livro, que vão além da música e passam por cultura pop, e aí eu não sei se foi determinação da autora ou da editora, mas essa citações vêm sempre acompanhadas de explicações desnecessárias e desagradáveis, o que não é um serviço para o leitor, mas sim um desserviço à obra. Citações, ao menos ao meu ver, não devem ser explicadas; se o leitor não entender, é obrigação dele ir procurar. A sensação que dá é que o livro está chamando o leitor de burro explicando minunciosamente o que está acontecendo.

() me abraça tão forte que me sinto um gatinho nas mãos da Felícia, do desenho animado Tiny Toons ()

Mas, na verdade, não importa tanto se a leitura é desequilibrada, se às vezes você se pega odiando e amando na mesma intensidade o livro e os personagens. Talvez isso realmente seja o ponto e o encanto do livro, essa loucura, essa confusão de sentimentos. O que importa mesmo aqui é que se a autora consegue despertar tudo isso, é porque certamente você precisa ficar de olho nela e ler As Batidas Perdidas do Coração. Especialmente se é fã de romances.

site: http://poressaspaginas.com/a-cuca-recomenda-as-batidas-perdidas-do-coracao
Andressa 29/09/2014minha estante
Engraçado, não tinha me dado conta, mas tu tens razão quanto a ambientação. Não percebido qual era a cidade se o pai da Vivi não fosse o maior publicitário de SP. Quanto as músicas, não me apeguei muito a esse detalhe, de repente essas são as músicas favoritas da autora mesmo e ficaria difícil ela se restringir apenas a músicas brasileiras. Legal a sua resenha, um abraço!




Livros e Citações 06/01/2015

"Sentir me faz viver, e tudo o que eu quero é morrer."
Autora: Bianca Briones
Editora: Verus
Páginas: 406
Classificação: 3/5 estrelas

http://www.livrosecitacoes.com/resenha-verus-as-batidas-perdidas-do-coracao-bianca-briones/

As Batidas Perdidas do Coração é o primeiro livro de uma série onde cada livro girará em torno de um casal diferente. Nesse livro, somos apresentados a Viviane e Rafael, pessoas de mundo completamente diferentes mas que vão compartilhar suas dores um com o outro.

"Sentir me faz viver, e tudo o que eu quero é morrer."

Viviane é uma garota rica que nos últimos meses precisou enfrentar o câncer diagnosticado em seu pai e apoiá-lo enquanto lutava contra a doença, porém ele perde e agora ela precisa lidar com sua perda e a família desestruturada. Já Rafael vem sofrendo perda atrás de perda e tudo isso acarretou em ódio, uma raiva tão grande que ele decidiu aliviar toda essa dor nas drogas e ele pode até não ser rico, mas entende Viviane, e no momento isso é tudo que precisa. Com a química que há entre eles crescendo para algo mais, eles vão ensinar um ao outro que quando o coração perde uma batida é o sinal que o para sempre finalmente chegou para eles. Mas, talvez, simplesmente não seja o momento certo.

E esse é o trama praticamente clichê que permeia esse livro de tantas páginas, mas que em principio se arrasta em sua narrativa, com tão pouca trama a ser trabalhada que a autora se repete, sem excluir o fato que Rafa e Vivi são amor para a vida toda em três encontros, apesar de faltar toda essa química, mesmo com ambos narrando a obra, o que teoricamente torna fácil para o leitor se apegar aos personagens e entendê-los melhor, mas não em As Batidas Perdidas do Coração.

Sinceramente, eu adoro quando ambos os protagonistas narram, acredito que se forma uma ligação, mas apesar de tudo se encaixar entre Rafa e Vivi, a ligação entre leitor e personagens não ocorreu comigo e foram duzentas páginas desse romance superficial até chegar ao cerne da história e, sério, pedi arrego e precisei pausar a leitura, algo que raramente quase nunca ocorre.

"Não há dor que dure para sempre, mas, se durar, estarei aqui."

E talvez essa pausa tenha sim sido uma boa escolha, retornei a leitura e me senti melhor, é uma boa história e deixei de forçar para simplesmente deixar fluir. Claro que ainda fica o sentimento que não há nada em Rafael e Viviane, sequer uma caracteristica, que eu ja não tenha visto anteriormente em algum outro personagem, não que precise ter um chifre de unicórnio no meio da testa, mas Rafael e Viviane não possuem nada que os tornem singular para mim, memorável ao ponto de eu até pensar em reler o livro, já fico contente em conseguir finalizá-lo apesar da sensação de que suas quatrocentas páginas eram na verdade oitocentas.

Ainda assim, eu me apeguei há alguns personagens ao ponto de imaginar como serão as sequências e, entre trancos e barrancos, senti aquele arrepio que sempre aparece quando estou lendo algo especial, mesmo que ele não tenha durado muito. A ideia de um garoto que precisa lutar contra as drogas é boa, como ela chegou ao papel e evoluiu nem tanto. Mas, ainda fica o receio de indicar o livro, entretando destaco: eu sou minoria, o new adult de Bianca Briones é um sucesso, então não leve nada como verdade absoluta, dê uma chance, quem sabe você gosta, mas, se não gostar, faça diferente e deixe o livro de lado na primeira oportunidade, a vida é muito curta para perder com livros que você não se apaixone após a primeira metade.

"Eu queria que amar fosse suficiente."

site: http://www.livrosecitacoes.com/
comentários(0)comente



Mari - Pequenos Retalhos 17/03/2016

As batidas perdidas do coração
O livro vai alternar entre os pontos de vista dos personagens principais: a Viviane e o Rafael. Os dois se encontram pela primeira vez no momento em que perderam pessoas muito importantes das suas respectivas famílias. O problema é que cada um vive num mundo muito diferente do outro. Isso acaba trazendo vários conflitos. Eles passam a ser obrigados a conviver quando o primo do Rafael fica amigo do irmão da Viviane. Logo, a atração inicial acaba por se desenvolver em um amor. O problema é que esse amor é daquele tipo perdido, desesperador, até mesmo irreal. A construção dos personagens principais, que me pareceu interessante no início do livro, acaba se perdendo e por conta desse amor, os personagens acabam perdendo as suas características iniciais. O livro acaba retratando um acontecimento atrás do outro, sem que ao menos o acontecimento anterior tenha sido desenvolvido ou aprofundado. O que acaba ocorrendo é uma leitura De tragédia atrás de tragédia, sem que haja muita razão para isso. Acabei cansando dessa leitura, fiquei mais irritada do que envolvida pelos problemas dos personagens. Acredito que a ideia poderia ter sido melhor aproveitada, mas infelizmente o livro deixa a desejar.
Fran 30/03/2016minha estante
Mari, senti a mesma coisa, tudo aconteceu mto rápido, sem descanso algum para os personagens.




ValGouveia 13/10/2014

Perfeito
Viviane e Rafael se veem pela primeira vez no hospital. Ela, perdeu o pai para um câncer do pulmão (mesmo ele nunca tendo colocado um cigarro na boca). Ele, perdeu 4 pessoas da família, tio e tia, primo e sua irmã de 15 anos, em um acidente de trânsito, causado por um jovem bêbado.

O encontro entre os dois no hospital é breve, eles apenas se olharam. A visão que Viviane tem dele é de um rapaz "rebelde" com uma linda tatuagem na mão que sobe pelo braço. Rafael vê em Vivi, uma menina rica, uma patricinha, completamente fútil.

Depois de um tempo, eles se reencontram através de Rodrigo (irmão de Vivi) e Lucas (primo de Rafael), que participam de sessões de terapia em grupo para superarem as perdas que sofreram.

Vivi e Rafael se unem pela dor. Ambos são capazes de entender as dores e os sofrimentos um do outro. E aí nasce um grande amor.
Porém, isso tudo não é suficiente para que Rafael se livre de um vício terrível que passou a ter quando perdeu o pai há alguns anos.

" Nós não nos curamos conforme a vida passa, só nos iludimos achando que vai chegar aquele dia em que tudo será mais fácil. Então continuamos à procura do momento em que ficaremos bem, tendo a sensação de que estamos melhorando, quando na verdade só seguimos vivendo."


"O tempo é capaz de desfocar as nossas dores e nos distrair com a vida que segue, mas a dor nunca some por completo. Nós a colocamos em um arquivo do coração e evitamos mexer nelas."


Comecei a ler o livro porque vi várias pessoas falando sobre ele, o quanto era lindo e intenso. E não me decepcionei. Nunca tinha lido nenhum livro da autora e mais uma vez, uma autora brasileira me surpreendeu positivamente.

Mesmo tendo 400 páginas, a leitura é fluída. Os personagens, os acontecimentos nos prendem tanto, nos cativam de tal maneira, que não consegui parar de ler, enquanto não cheguei ao fim.
A história é narrada pelo ponto de vista de Vivi e Rafa. E meu Deus, o tanto que Rafa é fofo!! Não, Rafa não é fofo, Rafa é sexy. Muito sexy. E é marrento.

No início achei Viviane chata, meio fútil. Mas depois de um tempo a personagem amadureceu muito e passei a gostar muito dela.

A cada início de capítulo, a autora colocou trechos de músicas, o que tornou a história ainda mais linda. Eu que adoro música, cantava junto as que conhecia e as que não lembrava, parava para ouvir. O que fez que o livro se tornasse ainda mais lindo, porque percebi que a autora realmente vinculava as letras das músicas aos momentos vividos pelos personagens.

A capa do livro é um show à parte. Achei belíssima. Tudo a ver com Viviane e Rafa.

A criatividade da autora me encantou. Quando achei que a história estava indo por um caminho.....ela mudou tudo, pra muito melhor. Tornando tudo mais intenso, chocante.

"A vida é mais que uma sucessão de fatos ao acaso. Quando você acha que nada mais pode acontecer, é exatamente aí que tudo muda."


É uma história de dor, de amor, de amizade, de superação. Não é um romance "água com açúcar", não é uma história previsível. É um New Adult de tirar o fôlego. É uma história intensa que deixa o leitor com o coração apertado, mas que também arranca muitos suspiros.

Todos os demais personagens tem papéis super importantes na história. São muito bem trabalhados. E depois de terminar o livro, fui conversar com a autora pelo twitter, perguntar se teríamos mais livros com Viviane e Rafael. E sim! Teremos livros com os outros personagens (casais) da história. A Bianca Briones citou até um casal, que (acho) estarão no próximo livro a ser lançado, mas vamos aguardar!! Porque ela disse que outroS livroS estão vindo por aí

site: http://valgouveia.blogspot.com.br/
Babby 18/01/2015minha estante
Adorei a resenha e já coloquei na listinha. :*




196 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |