O Que Me Disseram as Flores

O Que Me Disseram as Flores Alane Brito




Resenhas - O Que Me Disseram as Flores


36 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3


Nathália Bastos 03/08/2017

Um romance lindo que tem muito a nos ensinar!
Ninguém lhe podia mostrar como seria de fato o seu futuro.

Um romance arrebatador, lindo, mas ao mesmo tempo triste também. Esse é um verdadeiro romance, que além de nos arrancar suspiro, ele também nos deixa tenso, com raiva e até mesmo triste, quase me desidratou por completa, e eu não poderia deixar de falar dele, pois uma coisa que ele em ensinou é: o orgulho nos cega, faz com que deixamos de enxergar a verdade e nos torna pessoas amargas. E convido vocês a conhecerem esse romance, ambientado na década de 30, mas com uma história de amor de perdura séculos.

Uma promessa feita antes mesmo de os pais de Ângela se casarem, onde seu pai e seu melhor amigo decidiram que sua amizade perduraria gerações, onde seus filhos seriam prometidos a casamento, isso é: se um tivesse um menina e o outro um menino, ambos deveriam ser prometidos a casamento um com o outro. Mas, isso não saiu exatamente como planejado, no início Ângela e Willian trocavam cartas, nunca se viram, apenas se conheciam por meio das cartas, mas para Ângela isso era besteira, pois ela não nutria nada pelo garoto e seu interesse era pelo irmão de sua melhor amiga, Filipe, com quem até namorou - escondido dos pais claro- até que seu pai diz que já estava na hora de Ângela e Willian se conhecerem e noivarem.

Determinada a desafia seus pais, Ângela decide que fará de tudo para que Willian a odeia e desista da ideia do casamento, mas, Willian é mais determinado e decidiu que não iria embora sem ao menos tentar conquista-la. Absurdos acontecem quando alguém esta tão focado a mostrar aquilo que não é só para afastar as pessoas, e foi que Ângela veio fazendo, ela tentou todas as artimanhas para magoá Willian, mas ele, mesmo sendo machucado aos poucos não se deu por vencido, com isso ele passou a entregar a ela todos os dias uma rosa, cada dia uma diferente, onde cada um tinha um significado, mas Ângela se tornou uma pessoa tão fria que fazia questão de jogar as rosas fora na cara dele.

Por mais que eu tratasse mal, ele retribuía com algo amável.

Como que alguém consegue se tão determinado e paciente para mostrar seu valor a uma pessoa que não faz a mínima questão de ver isso? É isso me deixou intrigada, Willian é um garoto tão bondoso que mesmo sabendo das intenções de Ângela ele fazia questão de mostrar sua paciência, sua determinação e sua bondade, Ângela fez com ele reconstruísse o seu jardim, para que pudesse prolongar a tal noivado, Ângela foi capaz de até sair com um outro rapaz na frente dele, mesmo todos dizendo que ela era prometida a casamento a Willian.

Não conseguia deixar de amá-la, não podia, não conseguia controlar isso. Via-se sim egoísta, pois temia demais a dor de perdê-la. Não queria, não aceitava ter que abrir mão dela. Precisava conquistá-la!

A cada ação, a cada tramoia que ela aprontada com Willian doía meu coração, é claro que depois de tanto ele mostrar que amava acima das coisas que ela fazia a ele, depois um bom tempo, Ângela foi reconhecendo seu valor e se apaixonando por ele, mas, como seu orgulho era muito grande, ela não admitia isso, demorou um bom tempo até que ela viu que ele decidiu a não cumpri com a promessa feita pelo seu pai e deixar-la. É como muitos dizem: você só reconhece e dar valor quando você perde, e foi o que ela sentiu a ver Willian desistindo dela, e é quando ela acorda e se vê entre deixar seu orgulho cegando o seu sentimento e deixá-lo partir ou deixar seu orgulho de lado e correr para os braços do seu amado.

Eu simplesmente não tenho palavras para descrever o quanto esse livro mexeu comigo, o quanto eu chorei, a minha vontade era de dizer: larga essa idiota e vem pra mim. Mas, por outro lado, a autora fez questão de mostrar o quanto orgulho faz mal, o quanto esse sentimento fere a alma.

E claro, não poderia deixar de dizer o quanto a escrita de Alane me surpreendeu, logo de inicio o livro já me prendeu, eu ficava ávida por saber o que iria acontecer que quase nem dormia - tanto que terminei o livro no dia da quadrilha na minha igreja kkk me escondi pra terminar antes de me apresentar -, não sei como falar da diagramação, visto que li ele em ebook, mas creio que o físico deve ser lindo. Alane conseguiu descrever muito bem o cenário, que passa no interior de São Paulo, e principalmente sobre os ambientes e costumes da época, visto que o livro se passa na década de 30, narrado tanto entre terceira pessoa e primeira pessoa, alguma partes são do diário de Ângela o que é interessante pois mostra pontos em que a narrativa não conta.

Enfim, eu super mega recomendo a leitura, não somente pelo bom romance, mas porque ele tem muito a nos ensinar. A Alane não é minha parceira, mas eu amei conhece-la, amei conhecer uma de suas obras e não poderia deixa-la de elogiar, espero que faça mais livro assim.

- Acho que me dei conta de que, antes de julgar que algo não é bom pra mim, devo dar uma oportunidade para que me prove o quanto pode ser especial. Nunca saberemos a capacidade que tem que tem de nos conquistar até que permitimos que mostre.

site: www.bibliotecalecture.com.br
comentários(0)comente



Cheli 08/08/2017

" Ouvi, filhos, a correção do pai e estai atento para conhecermos a prudência " Provérbios 3:13
Linda história... As vezes por orgulho, não damos ouvidos a quem mais amamos, aqueles que querem apenas o nosso bem, e quando nos damos conta, caímos na realidade tarde demais...
comentários(0)comente



apropagandista 05/09/2017

Resenha
Livro: O QUE ME DISSERAM AS FLORES
Por: ALANE BRITO (@alane.bri_to)
Editora: ARWEN (@editoraarwen)

?CAPA 5/5
Conheci duas capas deste livro, mas essa com toda certeza é mais encantadora, além de todos os detalhes entre flores e a moça que provavelmente é Ângela. As imagens tem um contraste suave, bonito, entre o campo e a personagem, a fonte elaborada em um tom azul que destaca de uma forma delicada. O tipo de livro para se ter na estante pela beleza e conteúdo. Capa muito bem feita, sem detalhes de imagem de má resolução, adorei.

? HISTÓRIA 4/5
Santa Capirava! Como odiar tanto uma personagem? Nunca achei que conseguiria nutrir tanto ódio por algum personagem como senti com Ângela, talvez fosse exatamente essa a intenção de @alane.bri_to e se foi: está de parabéns. Tanto que muitas vezes cheguei a cogitar largar a leitura (sim, não acredito que quase fiz isso, entretanto o ódio que sentia era grande demais).

Ao abrir um antigo diário, Raquel é levada a conhecer acontecimentos datados de 1933. E é ai que a história começa.

Ângela é uma moça com idade para casar, apaixonada por Felipe, e de repente se vê noiva em um casamento arranjado com William, um amor de pessoa. O temperamento forte de Ângela nos faz querer bater a cabeça dela numa parede quando se trata de William, pois o moço, mesmo com todo ódio que a mulher nutre por ele, ainda tenta convencê-la de que tudo pode dar certo. Ele não desiste dela mesmo nas circunstâncias mais idiotas do mundo nas quais eu já teria saído.

Uma proposta feita por Ângela leva William a reviver o jardim, coisa que faz com destreza, assim como pintura, seu hobby, e com o passar do tempo, mais o coração da mulher amolece, porém mesmo assim ela continua com o temperamento forte e frio.

Em meio à toda confusão de sentimentos de Ângela, entre o amor e o ódio, maturidade e imaturidade (imaturidade 100%), será capaz de nascer um amor?

Uma leitura rápida, pois você mesmo com toda a raiva não consegue ficar sem terminar e, nossa, o final é simplesmente surpreendente. Super indico a leitura
comentários(0)comente



Elis 21/04/2016

As vezes tenho um problema com as leituras, estou conhecendo o livro e de repente eu paraliso ele, e começo outro. E isso já aconteceu algumas vezes. E nesse caso, creio que foi por ficar meio perdida no começo da leitura, pois começa falando de uma família que vai se mudar, a adolescente não quer ir por causa dos amigos, mas acaba sendo forçada. Ao chegar lá, ela explora a casa e encontra um diário, que contém a história de Ângela e William.

O engraçado é que parei bem nessa hora a leitura e pausei por uns bons dias, até que outra leitura me fez largar o livro e quando retornei para esse, devorei a leitura, não consegui parar, li até as 4:20 hs da manhã e fiquei moída no outro dia. Não consegui imaginar dormir, sem descobrir o final.

A oportunidade de ler essa obra veio em parceria com a amiga Greice do Blogando Livros, como leio alguns e-books, estou resenhando esse como colunista dela. Amiga, obrigada por essa história que é do jeitinho que eu gosto, foi um prazer ler.

Enquanto lemos, vamos descobrindo que nossa protagonista é muito imatura e mimada. Está certo que ninguém gosta de ser presa a uma promessa feita pelos pais. No entanto a paixão e a juventude nos deixam com o coração na mão. E é aí que nos rebelamos. A história se passa na época em que tínhamos todas aquelas famosas regras da sociedade e esse foi o diferencial na leitura. Pois se fosse na época atual, creio que não teria como se dar algo assim.

William é cortês e realmente apaixonado pela mulher que conheceu através de tantos anos de correspondência, o nosso problema é que ele ainda não sabe da desistência da sua noiva. Quando vai a fazenda conhecê-la pessoalmente e descobre que ela deseja não assumir o compromisso, ele decide tentar conquistá-la, mesmo sabendo que ela não quer, por isso os atritos são muitos. Eu queria entrar na história e dizer, larga dela...e fica comigo (risos). E o engraçado é que penso que muitas de nós agiriam de maneira semelhante ou até quem sabe mais cruelmente, para se livrar desse enlace matrimonial.

Felipe, Lilian e Leonardo, tem papéis importantes na história, já que os mesmos estão ligados ao casal, cada um a sua maneira. Conforme vamos conhecendo suas personalidades, ficamos felizes e apreensivos, pois essa obrigação de Ângela, pode estar perto de se desfazer, quem aguentaria tantos empecilhos e desaforos? Somente William, não conheço outro homem capaz. E por isso o admiro, afinal ele usa a linguagem das flores como uma das armas para tentar conquistá-la.

E nesse quesito que percebemos o quão parecidos eles podem ser. Cheguei a me arrepiar agora, afinal estamos falando de um romance. E como todo bom estilo, temos vários problemas até que cheguemos a parte feliz ou posso dizer, ao final. E que final. Creio que seria melhor dizer, o final do diário de Ângela que foi diferente, nos deixou uma lição de que temos de viver o hoje e torná-lo o mais feliz possível, pois jamais saberemos o dia de amanhã.

E uma ação, sempre terá uma reação futura. Cuidado com o que faz, pois pode ser extremamente triste, colher certos frutos no futuro. A história se passa em Belo Parque, cidade fictícia, em Santa Catarina, com idas a São Paulo de William. As viagens de trem, a festa, o convescote (piquenique) e idas a cidade nos carregam no tempo.

A escrita da autora tem alguns empecilhos, como algumas partes que nos deixam um pouco confusos, mas nada que atrapalhe o entendimento, afinal após entrar na história, ela te prende de uma maneira que ela não te largar, qualquer erro acaba por passar despercebido. Não sei, se disse tudo que eu queria, mas vou ficando por aqui. Se lerem a obra venham comentar comigo, terei o maior prazer em falar dela. E bem deixo minha recomendação de leitura a vocês. Ainda mais as pessoas que adoram atritos e personagens que amam provocar uma briga.

site: http://amagiareal.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Vanessa Meiser 11/10/2013

balaiodelivros.blogspot.com.br
O livro é composto por três épocas, ou seja, o primeiro capítulo se passa no ano de 1912 na cidade de Belo Parque em Santa Catarina, o segundo capítulo se passa na época atual no Rio de Janeiro, logo após, no quarto capítulo retornamos no tempo parando no ano de 1933, novamente na cidade de Belo Parque.

No primeiro capítulo a autora nos apresenta os personagens precursores desta trama. São eles: Santiago e Elisa, casal que se apaixona ainda na adolescência e vive uma linda história de amor. Santiago tinha um grande e inseparável amigo, Afonso, seu companheiro desde a infância. Já com o casamento marcado, Santiago e Afonso fazem uma promessa de que seus futuros filhos se casarão um com o outro, e para isto contarão com a sorte de terem um menino e uma menina. O destino contribui com os amigos, Santiago tem uma menina, Ângela. Afonso tem um menino, William. Os dois crescem sabendo da promessa que seus pais fizeram e estão de acordo com ela, mas com o tempo algumas coisas acabaram por se modificar, William foi morar na cidade e Ângela continuou no interior. Com a distância, o sentimento de Ângela esfria e ela acaba por se interessar por um vizinho (Felipe), irmão de sua melhor amiga (Lilian). Ângela e Felipe estão apaixonados e ela tenta convencer os pais de que não quer se casar com William, mas Santiago e Elisa não aceitam a decisão da filha e não quebram a promessa, especialmente depois de Afonso ter falecido. Santiago acha que em respeito ao falecido amigo, deve manter o trato e casar seus filhos como era o desejo de ambos.

William chega à fazenda acreditando que sua prometida nutre por ele o mesmo sentimento que ele nutre por ela, mas é pego de surpresa quando se depara com uma linda jovem enraivecida e enfurecida disposta a tudo para afastar seu indesejado noivo e fazê-lo desistir do casamento. Ângela é mesmo capaz dos mais horríveis atos para chegar ao seu objetivo e ela está sozinha nesta empreitada já que sua família e seus amigos caem de amores por William assim que o conhecem, e não é para menos, William é o homem mais íntegro, correto e gentil que pode existir e está completamente apaixonado por sua noiva.

Com o objetivo de abusar do seu pretendente, Ângela o incumbe de fazer renascer um antigo jardim que ela ganhou do pai e que nunca moveu uma palha para que florescesse algo ali. Mesmo sem entender nada de jardinagem, William aceita o desafio e jura que fará dali um lindo jardim. E assim as flores, 'personagens' tão importantes, entram na história para ficar.

Bem, aqui eu apresentei para vocês os acontecimentos dos anos de 1912 e posteriormente os de 1933, mas vocês devem estar se perguntando onde exatamente entra a época atual não é mesmo? Pois bem, agora vocês conhecerão Raquel, a sobrinha/bisneta de Ângela (existe este parentesco? Acho que sim, hehe). Raquel é uma jovem menina que sai do Rio de Janeiro com seus pais e dois irmãos menores para morar na fazenda que os pais herdaram em Belo Parque - Santa Catarina. Ela está muito contrariada por ter que largar, casa, amigos e modernidade para morar no meio do nada em uma casa antiga. Porém chegando lá, resolve se aventurar e conhecer cantos da casa que em outras oportunidades não havia se interessado em conhecer, eis que então ela chega a um quarto secreto cheio de coisas antigas, rapidamente Raquel encontra um diário muito antigo, mas em perfeito estado, pertencente a uma certa Ângela que ela não faz ideia de quem seja. A curiosidade a vence e Raquel começa a leitura da história de amor mais visceral que ela (e nós) já viu na vida.

Me estendi na explicação da trama, mas é que eu precisava tentar fazer com que vocês entendessem o quão especial é esta história de amor.

Não é novidade para quem conhece o trabalho da Alane o quanto ela consegue nos emocionar com suas tramas tão bem escritas e elaboradas, onde tudo se encaixa perfeitamente bem. Quando recebi a proposta de ser a primeira a ler este livro que ainda nem foi publicado, já tinha a mais absoluta certeza de que ele entraria sem escala na minha seleta lista de favoritos, e realmente foi o que aconteceu. Fiquei ainda mais impressionada quando ela me confidenciou que, apesar de não ser sua primeira publicação, foi o primeiro livro que escreveu quando ainda era bem jovem. Algumas mudanças ocorreram de lá pra cá, mas a essência segue a mesma.

Em "O Que Me Disseram as Flores" o leitor vai rir, chorar, odiar, amar e torcer pela felicidade dos personagens principais. O livro nos pega de surpresa e nos arrebata por dentro por conta da forma como Alane sabe mexer com nossos sentimentos e ela sabe mesmo como fazer isto, mais uma vez eu digo, quem já leu O Trio entende do que estou falando.

Mais que um romance, "O Que Me Disseram as Flores" é uma lição de vida, sei que parece totalmente clichê o que eu acabei de dizer, mas é mesmo verdade, a trama vai além do esperado e nos deixa perplexo com o fato de que algumas atitudes impensadas, imaturas e irresponsáveis podem mudar nosso destino definitivamente.

É preciso dizer que AMEI, AMEI e AMEI o livro? Perfeitamente perfeito. Por favor editoras, publiquem de uma vez, o livro merece e precisa ser lido por todos!!!!!
comentários(0)comente



Aninha | @pactoliterario 18/05/2019

No ano de 1912, quando Santiago juntamente com seu amigo Afonso avista Elisa dentro da igreja se apaixona no primeiro instante. Ambos apaixonados um pelo outro e já com o casamento marcado, Santiago não se esquece de seu companheiro e acabam fechando uma promessa, seus filhos se casarão se eles tiverem a sorte de ter um menino e uma menina.

O destino acaba contribuindo a favor deles, Elisa tem uma menina chamada Ângela e Fernanda, a mulher de Afonso, tem um menino chamado William.

Os dois tem plena consciência sobre essa promessa e sempre a respeitaram, só que com o passar do tempo com William morando longe e ela morando na fazenda com seus pais, só a troca de cartas não basta e o sentimento que Ângela tinha por ele vai se esvaecendo.

Ângela acaba se apaixonando por Felipe, irmão de sua melhor amiga Lilian, o sentimento é recíproco, mas assim que Felipe fica sabendo da promessa, dá lugar para William, pois sabe que Santiago nunca dará a liberdade para Ângela namorar com ele.

Ela tenta de todos os jeitos avisar para William que não irá mais seguir com a promessa, mas seu pai acaba extraviando suas cartas e escrevendo em seu nome, então William não tem a mínima noção de que quando voltar para a fazenda encontrará uma Ângela enfurecida e que estará disposta a fazer tudo para que ele vá embora.

Ângela faz William de gato e sapato e a cada oportunidade tenta fazer algo de ruim para ele, confesso que só me simpatizei com ela nas 30 ou 40 páginas finais do livro, no resto eu fiquei com um ódio eterno dela, e até pensei que seria impossível gostar dela, mas por um milagre consegui o fazer no final.

William eu não tenho nada para reclamar, além de sua beleza, o homem é gentil, carinhoso, atencioso e todas as outras qualidades boas que um homem possa ter, simplesmente foi amor a primeira vista. Confesso que senti pena dele o livro todo, não merecia nem um pouco do desprezo da Ângela.

Ao decorrer do livro aparece vários personagens, mas o que mais marcou foi Leonardo, um rapaz que Ângela conheceu em um baile, e para fazer ciúmes em William, acabou por dançar com ele. Depois eles por acaso se encontram em uma loja e a partir daí Leonardo passa a frequentar a casa de Ângela, de início Santiago e Elisa acham que ele frequenta apenas para ter a amizade de Ângela, mas quando descobrem que ele, na verdade, é apaixonado por ela, passam a tomar as providências necessárias a respeito. Eu sinceramente odiei este personagem, a cada vez que ele aparecia eu ficava com mais raiva, juntava ele e a Ângela e eu quase parava a leitura, dois sem noção junto, mas Leonardo conseguiu se superar.

Lembrando que só conhecemos a história desses personagens por causa de Raquel, que no tempo atual, é obrigada a se mudar do Rio de Janeiro para a fazenda, por ordem de seus pais. Ela começa a explorar a casa e acaba por encontrar o diário em que Ângela escrevia antigamente.

Em um todo, O Que Me Disseram As Flores foi uma experiência maravilhosa, o livro me trouxe um turbilhão de sentimentos diferentes e isso foi ótimo, estava esperando um livro que me despertasse tantas emoções.
Alane arrasou na história, completamente incrível, não pecou em nada, só tenho que parabeniza-la por isso.
A editora Arwen também arrasou na diagramação, no tamanho da letra, e na capa, consegui ler em meu tablet sem nenhum problema.

Resenha postada originalmente no blog Pacto Literário.

www.pactoliterario.blogspot.com.br
www.instagram.com.br/pactoliterario
comentários(0)comente



Paraíso das Ideias 29/12/2015

Olá galerinha! Tudo bem com vocês?
Hoje venho contar para vocês sobre um livro intenso que li no mês passado, "O que me Disseram as Flores" da nossa parceira Arwen.
Nele encontramos duas histórias sobre duas adolescentes, separadas por séculos: Rachel e Ângela.

Rachel está mudando com seus pais para a fazenda da família, como toda adolescente da metrópole, não está satisfeita em deixar sua vida habitual para viver no campo. Ao chegar na fazenda Rachel encontra um diário, que nos revela a história de Ângela Marques.


Em 1909, Elisa e Santiago conheceram-se, e pouco depois, acabaram se casando. Alguns dias antes de seu casamento, Santiago firma uma promessa com Afonso, seu melhor amigo, seus filhos, quando crescerem casarão, eternizando a amizade dos pais. Ângela foi prometida a William antes mesmo de eles nascerem, e, quando Afonso morreu, Santiago ficou ainda mais determinado a cumprir a promessa que fizera ao amigo, obrigando Ângela a casar-se com William.


Mas claro que Ângela não aceita essa situação, quando criança trocava cartas com Willian, mas depois que se apaixonou por Felipe, irmão de sua melhor amiga, desiste de cumprir a promessa feita por seu pai.


Willian não sabendo da desistência de Ângela, nutri seu amor por ela durante anos, e quando chega a cidade para conhece-la, para sua decepção Ângela o ignora e começa a trata-lo com desprezo e muitas vezes crueldade.
''O que ela insinuava não saber era que essa batalha pouco a pouco se tornava mais difícil de ser vencida. Suas palavras pareciam flechas em chamas o atingindo, causando-lhe uma dor lancinante em sua alma. Era inexplicável ver a mulher por quem nutria tanta afeição tratá-lo como um ser insignificante, como se ele não tivesse sentimentos, como se fosse imune aos golpes quase mortais em seu coração.''
Ângela quer que Willian desista de se casar com ela, por isso apronta muito, o faz e gato e sapato, humilha, maltrata, destrata. Em muitas vezes tive vontade de esganar a Ângela, por fazer o Willian sofrer e mesmo assim, ele sempre esteve disposto a realizar seus caprichos e vontades, tentando conquistar o coração de sua amada.

Em um emaranhado de emoções o leitor vai rir, chorar, odiar, amar e torcer pela felicidade dos personagens principais. O livro nos pega de surpresa e nos arrebata por dentro por conta da forma como a autora soube mexer com nossos sentimentos. Eu gostei do livro, conseguiu me prender com a narrativa, os cenários, figurinos, diálogos, são muito bem descritos fazendo nós leitores nos transportar para o passado.

Mais que um romance, "O Que Me Disseram as Flores" é uma lição de vida, sei que parece totalmente clichê o que eu acabei de dizer, mas é mesmo verdade, a trama vai além do esperado e nos deixa perplexo com o fato de que algumas atitudes impensadas, imaturas e irresponsáveis podem mudar nosso destino definitivamente.

site: http://paraisodasideas.blogspot.com.br/2015/12/resenha-o-que-me-disseram-as-flores.html
comentários(0)comente



Clube do Livro 15/11/2015

Lindo, sensível e poético
Um diário pode guardar grandes histórias, revelar alguns segredos e sentimentos muito particulares de quem o escreve.
Imagine encontrar um Diário de quase cem anos e junto a ele diversos outros objetos que anunciavam terem pertencido a uma jovem que vivera a mais linda história de amor que se possa imaginar.

Estava tudo ali, nas páginas daquele Diário. E foi quando Raquel abriu aquelas páginas datadas a 1933, que adentramos na bela história que nos conta o livro "O que me disseram as flores".
..
Ângela havia sido prometida em casamento, antes mesmo de nascer. Isso, por conta de um acordo do seu pai com o melhor amigo. Juraram que assim que tivessem filhos (menino e menina), os casariam.
A menina cresceu sabendo dessa condição, tornou-se uma linda e teimosa jovem, sempre relutante em aceitar o casamento arranjado. Para ela, era inaceitável que os pais não permitissem que ela própria escolhesse com quem se casaria. Jamais aceitaria! Estava convencida disso.
Já o noivo, cresceu feliz com a escolha do pai, sonhando com o dia que finalmente conheceria Ângela, por quem aprendeu a nutrir grande amor.
Quando enfim conhece o noivo, que apareceu na Fazenda onde morava para passar algum tempo, conhecer a noiva e formalizar o pedido de noivado, Ângela faz de tudo para provocá-lo, humilhá-lo a fim de que ele fosse embora e desistisse daquele acordo.
(Confesso que tive raiva da personagem por muitas vezes, tamanho carinho e amor que o noivo tinha para com ela e sua forma fria de tratá-lo).

Porém, ao conviver e conhecer melhor o belo jovem William, o coração de Ângela começa a dar sinais de fraquejar com seus planos.
Você entende a linguagem das Flores? Ele diz para era. Em uma das cenas mais lindas descritas no livro.
Cada flor tem um significado especial para o casal e a simbologia que aquelas flores representam constituiu grande esplendor a esta obra.
O caso é que ao contrário de Angela, o jovem William entrega-se ao sentimento, não esconde o grande amor que o toma por completo.
Além do amor de William por Ângela temos outros amores e desamores nesta obra. Alguns não correspondidos, outros libertadores, alguns dos mais perigosos que se possa imaginar, daqueles que beiram a loucura.




"O que me disseram as flores", foi simplesmente um dos livros mais lindos que já li. Isso porquê é de uma beleza e poesia ímpar. Delicada, e ao mesmo tempo provocadora, a obra nos desperta sentimentos contraditórios e muito humanos.
Senti o amor de William por Ângela. Senti doer em mim cada palavra de desdém por ela proferida até que enfim entendesse e aceitasse aquele grande amor em sua plenitude, até que... (não posso revelar rsrs).
..
O livro é simplesmente apaixonante, e também viciante. Não recomendo que o leia à noite se não quiser virar a madrugada acordada(o) (Fica a dica).

Resenha Amanda Bonatti

site: http://clubedolivro15.blogspot.com.br/2015/11/resenha-o-que-me-disseram-as-flores.html
comentários(0)comente



Gramatura Alta 28/09/2015

Tocante
Hoje, promessas de casamento entre filhos de famílias diferentes, para confirmar a amizade ou para selar negócios, não possuem o mesmo peso que há cem anos atrás. E, mesmo nessa época, elas quase sempre causavam a tristeza do casal diante da incompatibilidade sentimental. Não é diferente entre Ângela e William. Prometidos em casamento pelos pais, Santiago e Afonso, o casal entre em conflito já nas primeiras páginas da obra de Alane Brito.

Ângela é apaixonada por Felipe, e mais tarde por Leonardo, e se recusa a casa com William. Mas este, é apaixonado por Ângela, devido à troca de cartas quando adolescentes e após. Mas o que William desconhece, é que quem respondia as cartas era Santiago, com medo do desafeto do jovem por descobrir que Ângela o renegava. Na verdade, não existe um real motivo para a antipatia da Ângela por William. A sensação que passa, é que ela recusa o interesse afetivo apenas por birra, para manter sua vontade de escolher quem deseja para esposo.

Entretanto, William é perseverante e insiste na conquista da moça. Mesmo tendo que suportar humilhações e respostas da língua afiada de Ângela. Ela, para desmotivá-lo, promete se casar caso ele consiga cultivar um jardim estéril com flores. Ele, obviamente, parte para a tarefa julgada impossível por Ângela.

"Ângela arregalou os olhos, levando as mãos à boca, vendo-o despencar. Quando, enfim, chegou ao chão, ela aguardou que se levantasse. No entando, ele não se movia. Chegou a descer um pouco para verificar seu estado à distância, mas acabou dando meia volta e correu, se trancando no quarto."

O que me disseram as flores, aproveita o velho ditado das paixões trocadas. Lilian ama William, que ama Ângela, que ama Felipe. Quando Felipe descobre da promessa feita pelas pais dos jovens, ele desiste do amor de Ângela e se conforma. Ela, ao invés de tentar gostar de William, começa a usar Leonardo como interesse romântico. E aí, entra outra dura lição da vida.

Às vezes, amamos uma pessoa que se recusa a aceitar o sentimento. Por mais que façamos, não recebemos em troca aquilo que oferecemos. O que nos resta é prosseguir nas tentativas, com a vã esperança de conseguir moldar o coração da pessoa amada, mas nem sempre conseguimos, e o que recebemos em troca é apenas a indiferença ou a compreensão, o que machuca da mesma forma. Também às vezes, a pessoa amada não merece o amor oferecido, e, nesses casos, não há esperança para a conquista. O melhor que se faz, é retomar o caminho para longe desse sentimento.

"Sem dizer nada, ele deu-lhe as costas e saiu portão afora. Ângela ficou parada no mesmo lugar, consternada. Só quando percebeu as suas roupas se encharcarem por causa da chuva foi que tomou a iniciativa de entrar em sua casa. Correu para o quarto e arrancou o vestido, se encolhendo dentro da banheira vazia e chorando amargamente."

Cabe ao leitor descobrir, nas páginas do livro, a qual dos dois casos Ângela pertence, e se William conseguirá o que tanto almeja. Além dessa lição, existe uma outra, mais dramática de se aprender. Não se deve brincar com os sentimentos de uma pessoa. Eles são o que possuímos de mais pessoal e bonito. Mas, se golpeados com promessas que se tornam vazias diante da realidade, esses sentimentos podem se transformar em algo odioso e doentio. E o resultado dessa transformação, pode ser definitivo para o destino das pessoas envolvidas.

Por fim, existe a mais dura lição: mesmo quando conseguimos compreender o que sentimos, quando, finalmente, enxergamos o quanto a pessoa que nos ama faz falta em nossa vida, quando deixamos o sentimento por essa pessoa sair do fundo do coração e aceitamos o que não queríamos enxergar, e podemos finalmente ficar lado a lado, pode ser tarde demais. A vida é breve para todos e não se deve desperdiçar nenhum momento, nenhum sentimento, nenhuma ligação, por capricho, orgulho ou qualquer sentimento negativo.

Assim, O que me disseram as flores entrega uma história cheia de lições sobre escolhas difíceis, que não podem ser desfeitas e que entregam o destino de quem abusa da individualidade de forma triste e definitiva.

site: http://thehouseofstorie.blogspot.com.br/2015/09/resenha-o-que-me-disseram-as-flores.html
comentários(0)comente



Thállyta 15/02/2018

Lindo!
O livro se inicia no ano de 1909, na cidade de Belo Parque, Santa Catarina.
Somos apresentados a Santiago Marques, filho de um dos fazendeiros mais promissores da região.

"A família Marques era respeitada por toda a aristocracia do sul do Brasil. De certo, tanta importância transformou Santiago em um dos partidos mais disputados, o que acabou por trazer à sua vida uma rotina enjoativa, no seu próprio conceito. Não comparecia à metade dos bailes aos quais era convidado, não se interessava em dançar com as mesmas moças que persuadiam em conquistá-lo e nem nas mesmas conversas sobre política e o tamanho das propriedades com os filhos dos ricos da cidade."

Também conhecemos Afonso Dantas, melhor amigo de Santiago.

"Ambos eram da mesma classe social - o pai de Afonso possuía também uma grande fazenda, mas o jovem sonhava com o Bacharelado. Sempre adiava os planos, mas jurou a si próprio que, no próximo ano, se mudaria para São Paulo, onde cursaria Direito. De modo oposto, Santiago não conseguia se enxergar de outra maneira, a não ser como o futuro administrador das propriedades de seu pai."

Em uma manhã de domingo ambos estão numa missa, ate que Santiago vê uma moça muito bonita, chamada Elisa.

"- De onde saiu aquele anjo?!
- Que coisa, Santiago! Só hoje você reparou nas estátuas do altar?
- Não aqueles! Estou falando da moça atrás do senhor Almeida!
- Ah, sim, ela... é nova aqui. Chegou há duas semanas. [...]
- Caro Afonso Dantas, quero lhe comunicar que seu melhor amigo está apaixonado.
- Isso é realmente novo! Sinceramente pensei que seu coração só servisse para bombear sangue.
- Preciso falar com ela hoje mesmo!"

Santiago sai da missa um pouco antes com Afonso, para tentar falar com Elisa, porém quando a vê ela já está indo embora numa charrete. Ele corre e grita por ela, porém ela se distancia cada vez mais.
Santiago vai sempre à cidade, na esperança de rever aquela bela moça, até que em uma sexta-feira, ao acompanhar a mãe, vê Elisa entrar em uma perfumaria. Claro que foi atrás dela!

"- Agora, se me permite dizer, acabo de confirmar o que eu sentia de tão grande por ti - continou Santiago.
- Como sente algo por uma pessoa que mal conhece?
- Meu coração me alertou que eu estava diante de alguém que mudaria a minha vida. Confesso senhorita Elisa, estou loucamente apaixonado por ti."

Quase um ano depois do primeiro encontro, Santiago e Elisa iriam se casar. Afonso volta de São Paulo, onde finalmente estava cursando o curso que tanto almejava, e arrasta Santiago para comemorar seus últimos dias de solteiro, pescando.
É aqui que descobrimos que fizeram uma promessa, a qual será o motivo da história que estamos prestes a conhecer.

"- Promessa? Espere um minutinho, deixe-me tentar lembrar... ah, sim... claro! Não sou de voltar atrás. Está tudo confirmado, com toda certeza. Meu filho se casará com sua filha ou minha filha com o seu. [...]
- É assim que vamos eternizar nossa amizade. Eu não consigo pensar na hipótese de não dar certo."

No próximo capítulo somos levados à época atual e conhecemos Raquel.
Os pais de Raquel resolveram se mudar para uma fazenda, mas ela não está nada feliz com isso e tenta de todas as formas convencê-los de que isso é uma bobagem. O que já sabemos que não dará certo.

"[...] É um absurdo eu ter que deixar meus amigos, minha escola, absolutamente tudo só para me mudar para uma... uma roça!"

Eles então se mudam para a Fazenda Pinheiros.
Raquel percebe que nunca tinha observado direito o quanto o lugar era lindo, e resolve explorar a casa na qual agora iria morar.
Ela encontra um quarto, e nesse quarto um diário, o qual pertencia à Ângela Marques. E é por esse diário que iremos conhecer a linda história que a autora quis nos contar.
Ângela é filha de Santiago e Elisa e tem um irmão mais velho, Gerson.
Por conta da promessa de Santiago e Afonso, Ângela é a prometida de Willian Dantas, o filho de Afonso. Eles se comunicam através de cartas, já que William mora em São Paulo.
Mas ela se apaixona por Felipe Albuquerque, irmão de sua melhor amiga, Lílian. Como poderia ter um relacionamento com ele com esta promessa que seus pais insistem em cumprir?
Isto a faz tentar de todo modo convencer os pais a cancelar esta promessa, sem revelar sua relação com Felipe. Ela até parou de mandar cartas a William e disse ao pai que só mandaria outra se fosse para comunicar o cancelamento da promessa. Também parou de receber as cartas dele, porém após algum tempo, para sua surpresa, recebeu uma dizendo que ele iria à fazenda conhecê-la, e isto seria em dois dias.

"Essas surpresas só servem para que eu odeie ainda mais aquele parvo. Bom será tentar descobrir o que se passa naquela cabeça. Não o compreendo... Por que, mesmo assim, mesmo que eu o esteja ignorando, quer continuar insistindo com esse relacionamento que, se depender de mim, jamais vai existir?"

Ângela então começa a agir de todas as formas possíveis para fazer com que o noivo queira desistir da união.
Será que William, mesmo a amando muito, irá suportar tudo o que ela faz contra ele? Será que vai desistir de Ângela? E ela? Irá continuar com seu plano, ou acabará se apaixonando?
O Que me Disseram as Flores é um livro muito lindo e se tornou um dos meus favoritos.
Podemos entender os lados de cada um, seja amar alguém e não ser correspondido, seja ter que se casar com quem não se ame.
William sempre deixava flores na sacada do quarto de Ângela, e cada uma representava uma mensagem, desde "você é linda" a "te amo", creio que o título do livro seja por este motivo.
No decorrer da história somos apresentados a um personagem que irá "bagunçar" a vida dos noivos, personagem este que desde o início nos mostra que veio para causar problemas.
Amei a história da Ângela e do William, nos mostra que muitas vezes o orgulho é a única barreira que nos impede dar importância às pequenas coisas e assim poder conhecer a verdadeira felicidade, e que quando percebermos isso já pode ser tarde.
O final nos emociona muito, quando a gente acha que está tudo bem a autora destrói nosso coração.
Sem dúvidas leitura mais que recomendada, sei que irão amar assim como eu.

site: Resenha em: https://www.instagram.com/p/BfOGlDeglCV/
comentários(0)comente



Arca Literária 13/09/2017

resenha no link a partir do dia 15/09/17
http://www.arcaliteraria.com.br/o-que-me-disseram-as-flores-alane-brito/

site: http://www.arcaliteraria.com.br/o-que-me-disseram-as-flores-alane-brito/
comentários(0)comente



Letícia 08/11/2014

Você não pode perder um livro como este...
Olá meus queridos amigos, leitores e visitantes que estão a acessar o nosso blog pela primeira vez... Hoje estou aqui, passando mal... Não, não pensem que estou mal de saúde, na verdade isto é tão tóxico quanto, mas estou com uma ressaca literária que está a me tirar o fôlego e toda vez que me lembro desta história, as lágrimas vem aos olhos... Sem exageros!
Não sei se já conhecem o livro do qual irei falar hoje, mas se não conhecem... Sinceramente, precisam conhecer! Debrucei-me hoje a escrever esta resenha de uma forma que não desse nem um spoiler, mas é muito, muito difícil! Acho que já sabem de qual livro estou a falar, não é? O nome é O que me disseram as flores e a autora é Alane Brito.
Alane nasceu em Ibotirama na Bahia e se formou no segundo grau aos 16 anos. Na vida adulta, Alane se casou e atualmente mora em Feira de Santana, dedicando o seu tempo à família e aos seus livros, para a nossa alegria! O que me disseram as flores é o segundo livro da autora que, em 2012, lançou O trio. Não sei, não posso dizer porque ainda não li O trio, mas para mim, vai ser difícil superar a magnitude de O que me disseram as flores. Por quê? Simplesmente porque é um livro mais do que bem escrito e com um enredo tão incrível que você não consegue de desprender das páginas.
Tive a oportunidade de conhecer Alane por sermos colegas de Editora e então, decidimos realizar uma troca literária para que pudéssemos conhecer a obra uma da outra. O carisma dela me ajudou muito na hora de concretizar a troca e eu achei a capa do seu livro muito sugestiva, afinal, o que as flores poderiam dizer?
Quando ele chegou, fiquei na maior ansiedade para começar a ler, mas estava super atarefada e no começo, não podia me dedicar muito ao livro... Porém, logo no início fiquei presa a história... Sempre que podia corria ler uma página ou duas e ficava ansiosa pelo que iria acontecer, mas, quando aliviou... Terminei o livro em duas noites!
O que me disseram as flores relata a ida da atual família Marques para a antiga fazenda onde seus ancestrais moravam. Raquel, uma garota de cidade grande, não quer ir de jeito nem um, mas é vencida pelos pais e quando chegam, fica deslumbrada com a magnitude de sua nova casa, mesmo que não dê tais demonstrações. Na confusão da mudança, ela acaba encontrando um quartinho secreto onde vários pertences estão guardados e ao bisbilhotar, acaba encontrando um diário antigo de uma Marques que até então, não conhecia. Ângela era seu nome e a curiosidade leva Raquel a começar a ler o diário e é aí que somos transportados para Belo Parque, 1933, onde uma garota rica foi destinada a casar-se com um rapaz antes mesmo de seu nascimento.
Ângela foi prometida a William por causa da amizade de seus pais e quando Afonso morre, Santiago está mais do que certo que é a coisa certa a se fazer: cumprir o último desejo do amigo e também seu desejo. William é um rapaz lindo, apaixonado e da cidade grande que virá a Belo Parque a fim de confirmar o noivado com Ângela que nem suporta a ideia de ter que se casar contra a vontade, já que se diz apaixonada por Felipe Albuquerque, o irmão de sua melhorar amiga, Lilian.
Assim, decidida a acabar com esta promessa, quando William chega à cidade, Ângela decide fazer de sua vida um inferno, começando por se livrar do anel de noivado que ele lhe dera, enterrando-o em seu morto jardim nos fundos da propriedade. Ângela age como uma menina rica e mimada, mas William está convicto de que pode conquistá-la e por isso decide ignorar todas as suas rudezas.
Logo, os amigos de Ângela, Lilian e Felipe, decidem ficar do lado de William e se tornam aliados imprescindíveis na empreitada do jovem rapaz, porém, Ângela a cada dia se torna mais irritadiça e obstinada a não se casar. Como forma de embromar o rapaz, ela lhe pede que cultive seu jardim e quando este estiver florido, ela se casará com ele, mas estava certa de que conseguiria fazê-lo ir embora antes disso, por isso o pediu.
William, com todo o seu bom coração, começa a fazer a difícil tarefa incumbida pela noiva e conhece seus piores dias na companhia da mesma. Nós, leitores, temos vontade de pegar Ângela pelos cabelos a todo momento e fazer ela parar de ser tão mimada! As descrições de Alane também nos envolvem de uma maneira que ficamos aflitos esperando o próximo passo da mente engenhosa de Ângela.
Uma das partes que mais gostei, foi quando ela, audaciosa, empurra William sem querer da escada. Eu até me senti mais aliviada por saber que ele apenas sofreu alguns danos, mas fiquei extremamente feliz por vê-la sofrer com seu próprio veneno com medo de que o tivesse matado... E essa, meus amigos ,é apenas uma das ínfimas coisas que ela faz para ele. Já puderam imaginar a pessoa, né? Apesar disso, ficamos torcendo para que William consiga domar esta megera que no fundo, só precisava parar de ser tão orgulhosa.
Ângela usa as pessoas, manipula a situação e não se dá por vencida nunca. Sempre tem uma resposta na ponta da língua, o que em muitos momentos fazem seus pais ficarem de queixo caído. Eu gostei muito dessa marcação na personalidade dela, assim como na de William que é sempre íntegro e bondoso. A coadjuventação do livro também é impecável, não tem como não nos apaixonarmos pela doce Lilian e seu coração enorme, ou mesmo por Felipe. Por isso, posso apenas dizer que Alane conseguiu transcender as barreiras do real e do imaginário, pois quando estamos lendo, parece que realmente estamos a ler a história de uma pessoa de verdade, com todos os altos e baixos que realmente acontece na vida real.
Adorei o ambiente, o espaço e tempo da história, pois são delimitados com maestria. Não há lacunas ou dúvidas, se você se perder, pode voltar algumas páginas porque pode ter lido com sono e esquecido, mas se voltar, vai encontrar. O tempo psicológico e o tempo cronológico são coerentes. O espaço varia e a narração de Alane nos faz imaginar cada lugar com mínimos detalhes, mas sem ser cansativo e desgastante, algo que considero de suma importância. A narração é em terceira pessoa e o narrador é onisciente neutro, porém, também seletivo. Ele, ora narra de cima, ora narra da periferia, ora narra de frente, dando-nos uma visão mais totalizadora da situação.
É interessante também ressaltar que o livro é in media res, para quem não sabe, um livro in media res se inicia no presente, há uma projeção ao passado e uma sequência futura. Este estilo de narrativa foi consagrada em romances como O morro dos Ventos Uivantes e assim como neste livro, o in media res funcionou muito bem em O que me disseram as flores, na verdade, arriscar-me-ia a dizer que este é o seu diferencial. A história não teria a mesma magia se não o fosse.
Como pontos negativos, não tenho muito o que falar, talvez alguma ortografia que passou aqui e outra ali, mas isso de forma alguma prejudica a obra que, a meu ver (olhar de leitora e de escritora), é mais do que bem escrita.
O Enredo é mágico, divino! Confesso que há muito tempo não sentia tanta emoção ao ler um livro, ou mesmo chorava (ok, um dos únicos livros que me fez chorar foi O morro dos ventos Uivantes, ops, acho que todo mundo sabe que sou apaixonada por este livro!), mas eu chorei neste... Alane chega a ser brilhantemente cruel! Extremamente envolvente e só por isso consigo perdoá-la pelo desfecho desse livro... Como disse, vou parar por aqui antes que jorrem spoilers... E eu não posso lhes tirar o sabor desta leitura!
Recomendo esta obra a todos que gostam de uma trama envolvente e conseguem sentir nas coisas mais simples do dia a dia. Recomendo este livro para um momento em que você precise de inspiração para seguir em frente, pois aqui, tenho certeza de que tirará muitas lições, muitas das quais levará para todo o sempre! Concluindo este meu relato que já está deveras longo, posso, sem sombras de dúvidas, dizer que este livro é um dos melhores que já li na vida! Sem exageros!
Alane Brito chegou com tudo em minha vida de leitora para ocupar um lugar especial ao lado do meu coração de leitora e agora é, com toda certeza, uma das minhas escritoras favoritas!
Estou esperando o próximo!!!


Até mais meus queridos e não deixem de conferir esta obra!

"Sem embromações, caminhou até ela, mas ao abri-la, viu que não tinha nada. "É por causa da chuva".O desapontamento obrigou-a a cogitar em uma justificativa." (p.163)

site: http://eraumavezlivrosecia.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Lua 31/10/2014

Conversando com as flores
Em um cenário campestre e a primeira vista muito simples, se desenrola uma história forte e surpreendente que através de um diário é revelada a Raquel que está furiosa por ter que se mudar da cidade, deixar os seus amigos e a vida badalada de uma adolescente nos dias atuais para viver uma fazenda no meio do nada. Repleta de lágrimas, sorrisos, tragédias e... amor. Ângela é filha de um importante fazendeiro que em sua juventude fez uma promessa ao melhor amigo e precisa cumpri-la, o que sua filha discorda veementemente... Já que a promessa trata-se de sua mão estar prometida em casamento ao filho do amigo do seu pai, um rapaz chamado William que aprendeu a amá-la através das cartas envidadas desde sempre um para o outro e pela força da promessa dos seus pais.
Porém, depois de alguns anos Ângela exige que o pai conte a William que ela desistiu do casamento. Achando que está apaixonada por seu amigo Felipe ela se recusa a aceitar a promessa que acha um absurdo! Mas o Pai é firme e continua afirmando que ao rapaz que está tudo bem, até que ele decide vir a fazenda, e é assim que a verdadeira trama desse romance se inicia, provando a quem lê o que a força de tantos sentimentos são capazes de fazer.

Quando o personagem de Willian é apresentado na história ele imediatamente encanta! É um gentleman... Daqueles que vemos em conto de fadas e é por ser tão educado que Ângela assume como missão de vida odiá-lo e fazer a sua vida uma infelicidade só! Por não aceitar tanto carinho e até mesmo a devoção de William, por ele não responder às provocações infantis e até mesmo covardes que ela o submete, ela sente que o ódio (ou pelo menos ela acha que é) e tenta fazer de tudo para que ele desista dela, do casamento e de tudo o que ele um dia sonhou em relação a uma vida junto a ela... E é nessa hora que ela faz um pedido capcioso: Fazer com que ele plante uma pequena parte de um jardim estéril que ela possui. Ele aceita.
A temática principal do livro são as flores e o que elas revelam a Ângela sobre o grande amor de William, através da linguagem das flores e como não quero entrar em detalhes para que o encantamento que eu senti em relação a isso se repitam em vocês!

Planos, cenas e palavras torpes são como flechas que Ângela mira direito no coração de Willian. Tentando sempre dissuadir as ideias loucas de Ângela, sua amiga Lilian se frustra enquanto tenta pôr juízo na cabeça da amiga que é deveras impetuosa.
Muitas coisas acontecem e outros personagens são apresentados e tem o seu papel bem explicado na história, principalmente Felipe (irmão de Lílian) e Leonardo que surge despretensiosamente mas que se revela uma peça chave para a evolução de Ângela como personagem.
Bom, iniciando a minha análise da história e da minha experiência de leitura eu posso afirmar que esse é um dos melhores romances de época que já li, e dos atuais ao lado de O Pássaro da Samanta Holtz esse certamente lidera!
O que me disseram as flores trata de amor, amizade, integridade, ódio, amadurecimento e muitas outras coisas essenciais e que nos proporcionam lições que ficam para sempre. São livros assim que todos nós deveríamos ler de quando em quando e eu simplesmente amei ler esse nesse momento!

Amo ler livros aonde são contadas histórias dentro de outras histórias e nesse livro temos 3 cronologias diferentes apesar que apenas uma delas se torna central no livro. No início fiquei meio confusa, mas essa sensação logo passou quando a trama começou a se desenrolar.

Sobre os personagens o que eu tenho a dizer é: Como eu já disse, não tem como não amar o William, mas dá uma aflição quando ao invés de explodir com a situação, ele simplesmente releva... Apesar de entender o lado da Ângela, que está sendo obrigada a casar com alguém que não ama, fica difícil suportar tantas "maldades" que ela faz com o William, e acaba sendo difícil sentir simpatia por ela. Lilian, a típica amiga boazinha é daquelas que vive atrás da amiga, tentando fazer com que ela não faça tanta besteira. O Felipe é um cara íntegro que é simpático durante toda a história, mesmo quando precisa desistir do seu amor para ser correto ele é firme, achei fofo! Já o Leonardo... Bem é um personagem meio que controverso que odiei desde o início mas no final... bem, é necessário ler pra entender.
Ufa! A capa do livro é LINDA e a fonte usada foi bem diferente do que estou acostumada (não me recordo agora do nome, rsrsrs) e eu adorei, foi bem agradável durante a leitura, além das folhinhas amarelas, parabéns a Editora Literata! A escrita da Alane é super gostosa e fluida assim como no outro livro, apesar de serem tão diferentes e eu indico essa leitura sem dúvida alguma!Ah, e a ideia central do livro foi divina! Você com certeza vai refletir muito sobre o amor e sua força. É um livro emocionante! Parabéns Alane e que venham muitos outros livros maravilhosos para abrilhantar a nossa literatura nacional e as nossas vidas!

site: http://luahmelo.blogspot.com.br/2014/10/eu-li-41-o-que-me-disseram-as-flores.html
comentários(0)comente



Paula Juliana 28/10/2014

Resenha: O Que Me Disseram as Flores - Alane Brito
http://overdoselite.blogspot.com.br/2014/10/resenha-o-que-me-disseram-as-flores.html

''À tarde, ela resolveu sentar-se numa das poltronas da varanda para ler um livro (...). Todavia, as letras perderam o sentido quando ela viu Willian cruzar o portão e se aproximar. Sua respiração saiu trêmula num momento e seu coração acelerou devido à bela figura diante de si. Fingia não ter notado, mas ele sempre lançava olhares curiosos, fitando-a de modo penetrante, como se a perscrutasse.
O livro já parecia nem existir em suas mãos. Era o noivo dono absoluto de sua atenção.''

Quando fecho meus olhos, sou capaz de assistir essa história passando como um filme em minha mente! Vocês tem ideia de quanto isso é gostoso? Terminar uma obra literária, e permanecer na história por horas depois, ainda sentindo, cada uma das emoções que a narrativa trouxe para você! Preciso ser sincera aqui, me sinto emocionalmente melancólica, Parece que sofri algum acidente de trem... Ou fui atropelada de alguma forma! Nada poderia me preparar para essa leitura LINDA! O Que Me Disseram as Flores da autora Alane Brito, é incrível. É emocionante! Tocante! Muito Bonito! Com uma mensagem, que fica por muito tempo agarrada ao seu coração!

ORGULHO!
Uma história que mostra o poder que o Orgulho e a teimosia pode ter na vida de uma pessoa!
Pode o amor sobreviver a tudo? Pode ele ser machucado, pisado,chicoteado e permanecer ileso? Belo, forte e bonito? Alane Brito aborda isso e muito mais nessa obra.

Por meio da história de Ângela e William somos transportados para outra época, e descobrimos o poder do amor, da amizade, bem como também o que o orgulho e a teimosia podem causar na vida das pessoas.

''Meu filho se casará com sua filha ou minha filha com o seu. Daqui mais algum tempo quem junta os trapos com uma mulher serei eu. Aí procriaremos e você e eu seremos mais que amigos!''

Tudo começa com dois amigos em 1912.
Santiago se apaixona forte e loucamente a primeira vista por Elisa. Acha a mulher de seus sonhos e sua futura esposa. Para firmar ainda mais o valor da amizade com seu melhor amigo Afonso, eles fazem uma promessa. Essa que pode mudar a vida das futuras gerações!

Os filhos de Santigo e Afonso iriam se casar! Santiago teve Ângela. E Afonso teve William.

De repente somos trazidos de volta na obra para os dias atuais. PRESENTE!
Apresentados a Raquel, que estava muito chateada por ter de sair do Rio de Janeiro, para ir morar na fazendo de sua família, uma fazenda que leva a história de gerações e gerações em suas terras, na pequena cidade de Belo Parque.

Raquel nunca deu valor aquele lugar, mesmo quando ia visitar, nunca se prestou a dar atenção para as paisagens bonitas, nem para a bela casa e seus cômodos. Resolveu conhecer, e foi em uma das suas buscas que achou um velho diário. O diário de Ângela Marques.

Então viajamos novamente.
Voltamos no tempo e embarcamos em 1933.

Para a história de Ângela e William.
Lembram da Promessa?
Ângela não estava feliz. Ângela não concordava com essa história de casamento. Ângela queria ser capaz de escolher seu destino por si só.

''Ela é realmente... Maravilhosa - disse William.
- Eu sei - disse sério. - A Ângela é muito temperamental as vezes... Com o tempo verá que é encantadora, por... Por mais austeras que possam ser suas palavras...''

Ela conversa com seu pai, diz que não quer se casar, que não vai se casar e pede para que William seja logo avisado sobre suas intensões. Porém, seu pai não avisa o jovem, e ainda se faz passar pela moça, em suas trocas de cartas com William. Resultado! William não sabia que Ângela era contra o casamento. Ele estava apaixonada pela moça, tinha sido a vida toda preparado para esse destino, e estava contente e feliz em aceita-lo. Assim quando chegou a cidade, não poderia ficar mais decepcionado ao descobrir que vinha sonhando com esse amor sozinho.
Mas William é obstinado e não ia desistir de conquistar o coração da moça.

''Entende a linguagem das flores?
- Certamente. Por quê? (...)''

E é ai que começa a batalha!
William fazendo de tudo para conquistar Ângela e Ângela fazendo de tudo para que William desistisse dela!

''O que ela insinuava não saber era que essa batalha pouco a pouco se tornava mais difícil de ser vencida. Suas palavras pareciam flechas em chamas o atingindo, causando-lhe uma dor lancinante em sua alma. Era inexplicável ver a mulher por quem nutria tanta afeição tratá-lo como um ser insignificante, como se ele não tivesse sentimentos, como se fosse imune aos golpes quase mortais em seu coração.''

E haja coração para aguentar as reviravoltas dessa história!
Ângela é horrível! Sério! Ela faz ele comer o pão que o diabo amassou! Ele sofre, ela pisa nele, em seus sentimentos, ofende, usa quem tiver que usar, fala o que tiver que falar para atingir seus Objetivos. Eu queria entrar no livro e dar uma boa surra nela! Não, não sou violenta... mas essa mocinha me tirou do sério! William é um santo! Não sei ainda como ele não desistiu/explodiu/ou entrou em uma depressão profunda! William ganhou não só o meu amor como o meu respeito! Ele é um homem lindo, gentil, honrado e simplesmente apaixonante!

'' - Você não é humano?
-Hm... Minha futura esposa provavelmente é a imagem de um anjo verdadeiro, talvez eu precise ser algo mais que um simples homem - disse, piscando um olho.''

Algumas vezes quando lia um livro que a mocinha sofria muito, eu pensava como séria se os papéis fossem trocados, se quem fosse o incompreendido, traído e maltratado fosse o homem ali e não a mulher. Se eu ia sofrer menos, entender menos, ou até me divertir (#MalvadaEuSei), mas a autora me mostrou que não, fiquei com tanta pena de William, queria defender e proteger ele com todo o meu coração.
Ângela não é uma má pessoa, ela tem ações terríveis, mas ela tem seus motivos, ela quer ter o poder de escolha na sua vida, acha que essa imposição não pode faze-la feliz. Ela acaba nem dando uma chance para ele. É um jogo de gato e rato. Ela sofre, ele sofre, o leitor sofre e é incrível, porque podemos ver a transformação que o amor faz com ela, podemos ver que determinados atos podem mudar tudo, aprendemos muito com a história.

Amei a forma que a autora escreveu, dialetos e palavras, amei os cenários, amei os personagens secundários. Felipe, o primeiro amor de Ângela e seu altruísmo, amizade e carácter. Líliam a melhor amiga de Ângela com seu bom coração e sua ingenuidade. Amei odiar Leonardo, que foi criado como se fosse o ser mais importante do mundo.
E amei loucamente William. Cada vez que ele presenteava sua amada com suas flores e conversava com ela tentando chegar em seu duro coração usando essa linguagem, eu simplesmente me desmontava um pouco! #Alecrim #NuncaVouTeEsquecer

'' '' Eu não consigo me controlar mais! Fiquei tão triste com a notícia que William me deu que, horas depois, eu ainda sinto meu coração apertado e, pelo que parece, essa sensação está aumentando mais e mais. Ele vai amanhã. Eu não quero. Temo perder minhas forças e desistir de tentar lutar contra o que sinto. Que consequências isso teria?''...''

As flores conversaram comigo! E Bem... me disseram muito! A cada palavra dita e não dita, a cada lágrima e sorriso escondido, a cada lição de amor, perseverança e amizade, cada segredo mostrado em seu diário de vida, cada aperto no meu peito, O Que Me Disseram as Flores me conquistou, me levou a lágrimas, me fez refletir, vai deixar saudades e é um livro para ser lido com muito amor e atenção em suas palavras, ações e mensagens.

''- Acho que me dei conta de que antes de julgar que algo não é bom pra mim, eu devo dar uma oportunidade para que me prove o quanto pode ser especial. Nunca sabemos a capacidade que tem de nos conquistar até que permitimos que mostre.''

Paula Juliana

site: http://overdoselite.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



36 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3