Revelação

Revelação Drew Karpyshyn




Resenhas - Revelação


9 encontrados | exibindo 1 a 9


Victor 14/10/2013

Vale a pena!
Sou fã da série Mass Effect e quanto vi esse livro sendo vendido, confesso que não coloquei muita fé. Porém, para minha surpresa, fui absorvido pelo maravilhoso universo construído pela Bioware, com diversos detalhes, descrições e revelações (motivo do nome) de personagens e história da mitologia de Mass Effect.

Recomendo muito esse livro, tanto para fãs do game quanto para fãs de uma boa literatura de ficção científica. Espero sinceramente que a editora lance os outros livros dessa série que conquistou tantos fãs pelo mundo.
comentários(0)comente



Jctomaz 09/01/2015

"I'm commander Shepard and this is my favorite book on the Citadel."
Devo confessar que livros baseados em games não me despertam interesse algum. Digo isso sendo um gamer há anos. Minha maneira de ver a questão deste gênero parte da premissa de que não preciso ler algo que eu posso vivenciar de maneira mais imersiva jogando, ou seja, uma experiência mais completa. Porém, fiquei extremamente feliz ao encontrar Mass Effect: Revelação para que pudesse rever os meus conceitos.
O livro é excelente para aqueles que já sejam fãs da trilogia Mass Effect, inclusive acho que alguém que não tenha jogado ainda os games não vá se sentir muito interessado no que é proposto no livro, já que é um prequel do que já foi visto nos jogos e a narrativa não se preocupa muito em explicar a fisionomia das raças que vão aparecendo durante a história, por exemplo, mas funciona muito bem preenchendo lacunas que foram abertas durante os games.
No geral Revelação é uma ótima pedida para a legião de fãs, assim como eu, da série Mass Effect por poderem experimentar um pouco do universo expandido dessa incrível saga.
comentários(0)comente



Saleitura 28/10/2013

Ficção científica. Em 1926, Hugo Gernsback fundou a revista Amazing Stories e criou o termo scientifiction (combinação da palavra ciência e ficção) que posteriormente foi atribuído a este tipo de literatura, que anos mais tarde revelou nomes como Isaac Asimov, Arthur C. Clarke e Robert A. Heinlein. Os temas abrangidos por este gênero são os mais variados, tendo a ciência como base, seja de forma mais realista ou puramente fantástica ou fantasiosa.

Entretanto, há um subgênero da ficção científica que define melhor a franquia de Mass Effect: space opera. Caracterizada principalmente por situar-se no espaço exterior ou planeta distante, com tecnologia futurista que permite as viagens e batalhas espaciais e a interação (amistosa ou não) com as diversas raças alienígenas, este subgênero ficou associado as grandes sagas do cinema como Star Wars, Star Trek, Tropas Estelares, etc. Então se você gosta deste tipo de literatura vai apreciar bastante este livro, e a trama poderá agradar também quem não é fã habitual.

(imagens)

Mass Effect é uma franquia de games (Mass Effect, Mass Effect 2 e Mass Effect 3) desenvolvida pela BioWare para X-Box 360, Windows PC e Playstation 3, que mistura características de RPG Eletrônico e Tiro em terceira pessoa. A história do jogo se passa no ano de 2183, e o jogador assume o controle do soldado de elite Shepard (Primeiro Oficial do Capitão David Anderson – personagem principal deste livro) que é mandado em missões de exploração pela galáxia. O título Mass Effect faz referência a tecnologia presente no jogo, que permite a viagem pelo espaço: os retransmissores de massa.

A história de Mass Effect: Revelação se passa 18 anos antes da história do jogo. Apenas pouco mais que uma década, após o primeiro contato com a tecnologia prothean, uma raça alienígena que todos consideram extinta, que deixou um legado tecnológico que permitiu as viagens estelares e outros avanços, a raça humana faz parte da comunidade espacial. Porém, recém-saída de uma guerra contra os turian, a humanidade é vista com desconfiança pelas demais raças. E o incidente com a base de pesquisa, localizada no planeta Sidon, só aumenta o clima de animosidade existente.

Na trama do livro, acompanhamos os meandros das investigações do tenente Anderson, que se vê envolvido em uma trama de conspiração, mistérios e assassinatos que podem abalar a frágil relação da humanidade com as outras raças, e levar a um conflito espacial em larga escala.

O desenvolvimento da trama é muito dinâmico, mesclando ações de combate, relações pessoais e resolução dos mistérios. O leitor que não conhece o universo de Mass Effect pode se sentir meio deslocado no início, entretanto ao longo da trama os principais elementos são bem explicados, e ao final, se sente completamente inserido nesta ambientação.

O final do livro é emocionante, e percebemos o conflito do tenente Anderson entre o dever para com a Aliança, e seu lado pessoal com a Kahlee Sanders. Como é proposta do livro, o final da trama liga ao evento principal do primeiro jogo de Mass Effect, e como o papel do Espectro turian Saren é essencial, e explica muito bem as motivações do personagem e o porquê ele faz tudo o que fez no primeiro jogo. Ficou com curiosidade? Eu também, então é uma boa pedida ler o livro e conhecer mais sobre esta premiada franquia.

Resenha feita por Marcelo Daltro
https://www.facebook.com/marcdaltro

site: http://saletadeleitura.blogspot.com.br/2013/10/resenha-do-livro-revelacao-mass-effect.html
comentários(0)comente



João Ricardo 25/03/2014

Do livro e seus aspectos.
"Mass Effect - Revelação" é um livro BOM para quem é "player" do game homônimo. Não estou insinuando que é necessário jogar para entender o enredo, pelo contrário, a trama é extremamente atrativa e prende o leitor. No entanto, na minha opinião o livro serve como "complemento" à história do game, logo mesmo Drew Karpyshyn sendo detalhista na descrição do cenário intergaláctico da Fronteira, quem não joga acaba perdendo a maior parte do incrível universo de "Mass Effect".

Quanto ao enredo do livro em si, atrevo-me a compará-lo com Star Wars. Parte de uma premissa simples para se tornar algo extremamente complexo, envolvendo astrofísica, física quântica, bio-robótica e outros elementos presentes no gênero Ficção Científica.
A escrita de Karpyshyn é extremamente cinematográfica e em várias passagens do livro você tem a sensação de estar jogando, principalmente nas partes de ação, muito presentes no livro.

Penso que um resumo é desnecessário pois limitarei ainda mais a riqueza do cenário de Mass Effect. Recomendo o livro para players do game. Recomendo também para quem não joga, mas com a esperança de que posteriormente venha a jogar para que possa desfrutar integralmente do universo proposto no livro.
comentários(0)comente



Leandro 20/10/2014

A humanidade submissa...
A trama do livro, se passa um pouco mais de uma década após os primeiros contatos com a então raça alienígena, chamada de Prothean. Está, por sua vez, é dita como já extinta, porém, deixaram um vasto rastro de tecnologia, onde esta, permitiu que povos diferentes começassem a utilizar das viagens estelares entre outras descobertas. A humanidade é a recém chegada nesse mundo estelar, após travar uma guerra com os turians. E com isso, ela ainda é vista de forma diferente pelo resto das espécies.

Tudo começa ficar pior do que já está quando a base de pesquisas localizada em Sidon, é misteriosamente atacada. O problema não fica sendo apenas o então ataque a estação e o desaparecimento das pessoas que ali estava, mas sim, o que as investigações irão começar a desenterrar sobre essa tal instalação.

A partir daí, o tenente Anderson, é escalado para liderar o grupo de investigação, tentando não deixar as relações entre os humanos e os seres estelares ainda pior.

Ao meu ver, esse livro será um tanto complicado de se ler para quem não é fã da série nos games ou desse estilo de ficção cientifica. Eu sou apaixonado por essa série. Zerei a trilogia criada para os games. Sendo um game melhor que o outro. A Bioware conseguiu construir cenários e personagens únicos e complexos, sem falar das tecnologias e diálogos. E ao meu ver, isso é que vai atrapalhar na leitura de algumas pessoas.

Para mim, que já conheço alguns dos termos usados, fiquei meio perdido em alguns momentos. É muito fácil você jogar o game e saber o que é uma bola de plasma saindo da arma Y e batendo no escudo da armadura X. Agora, ler a descrição de uma cena dessa, em um livro, as vezes chega a ser complicado, mas nada que faça você largar o livro e sair andando

O autor, Drew Karpyshyn, conseguiu criar uma trama dinâmica, devido a sua escrita. Apesar dos termos, muitas vezes, técnicos demais, isso não chega a ser um problema para a leitura. Muito pelo contrario. Ele, por muitas vezes, parece que entende da dificuldade de certos momentos na leitura e em outros, compensa, com capítulos extremamente excitantes, repletos de ação, emoção e suspense. E como todo bom livro, as reviravoltas acontecem, mesmo que, um tanto quanto previsíveis em determinado momento.

Os personagens foram bem construídos. É como eu disse, para quem já deu uma passada pelo game, fica fácil de identificar quando ele menciona um nome ou uma espécie. Para quem nunca chegou perto da trilogia, vai ser um pouquinho complicado em criar os personagens na cabeça. E não teria como mudar nada na trama. A única coisa que eu mudaria no livro, é essa capa. Achei fraca demais. Para um livro que está falando de um dos melhores enredos já criados para o mundo dos games, achei muito feia.

O desfecho do livro é muito bom! Liga e explica com exatidão os motivos pelo qual do espectro Turian, faz tudo o que fez no primeiro game da série.

Um bom livro para fãs da série e de ficção cientifica.
comentários(0)comente



Carlos 27/06/2015

A história, como referido na capa do livro, é uma "prequel" do enredo dos jogos.
Mantém-se fiel ao enredo dos jogos, apresenta algumas explicações e aprofunda algumas outras questões. Para quem gostou do universo do jogo, acho que vale a leitura. Eu gostei, pessoalmente.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Peagah 29/04/2017

Sem palavras
Como fã dos jogos, sempre tive vontade de ler este livro pois o jogo vai muito além do entretenimento, ele te apresenta todo um mundo, uma história que te prende a cada minuto, esse livro nos traz o mesmo, contando a história de forma cativante e que nos faz imaginar e querer viver neste universo, definitivamente entrou para os meus favoritos.
comentários(0)comente



Fernando 12/12/2019

Uma surpresa mais do que inesperada!
Foi uma bela surpresa para mim ler esse primeiro volume de Mass Effect. Confesso que na primeira vez que joguei o game o universo da série não tinha me cativado nenhum pouco. Pelo menos antes de eu ler essa obra.
Já quero começar pelo fato de que a história e os contextos tratados são muito interessantes e até filosóficos em determinados assuntos. Passando sobre temas como inteligência artificial, extinção da vida, relações intergalácticas, conflito entres nações e raças, instinto humano e definições criacionistas, esse primeiro volume já se mostrou um concorrente de peso para obras que tem temas espaciais como base.
Mas claro que temas interessantes não seriam suficientes sem uma boa escrita. E aqui entra a cereja do bolo: a forma como tudo é narrado é dinâmica, simples e viciante. Drew Karpyshyn está de parabéns pelo trabalho!
Além do mais, todos os personagens, sem exceção possuem uma personalidade própria e enriquecem a história ainda mais. Enfatizo aqui os personagens Saren e Skarr que são de tirar o chapéu, mas os humanos não ficam atrás em seus carismas e em determinadas partes do enredo, percebi uma pegada a lá exterminador do futuro, com um assassino implacável perseguindo uma “Sarah Connor” e um “Kyle Reese” intergalácticos.
Sem dúvida alguma, depois desse livro, meu PC vai voltar a rodar os jogos dessa série.
Virei o nariz na primeira vez e quebrei a cara. Isso sem dúvida não vai se repetir.
Leitura recomendada!
comentários(0)comente



9 encontrados | exibindo 1 a 9