A Lista do Nunca

A Lista do Nunca Koethi Zan




Resenhas - A Lista do Nunca


55 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Adri 17/02/2020

NADA É O QUE PARECE!
Resenha para o Desafio Skoob 2020

Depois de ler esse livro e voltar ao subtítulo do livro, “quando a ficção é tão assustadora quanto a realidade”, eu pensei: não sei se entendi o que esse subtítulo quer dizer!
Se você está procurando um livro com plot atrás de plot, pode ler esse aqui sem medo de se decepcionar.
Mesmo com essas recomendações eu ainda dei 2 estrelas na minha avaliação. Eis que, na minha interpretação, a autora tratou de muitos assuntos de modo totalmente irresponsável! Me incomodou muito, também, o jeito que ela adicionou elementos para justificar alguns panos de fundo da trama, para criar a base de certos personagens. Elementos esses que, também jogados de modo irresponsável, para mim, não adicionaram nada na narrativa, pelo contrário, atrasou o desenvolvimento da trama. Deu a impressão de que a autora quis demonstrar que pesquisou bastante para construir personalidades e caráteres, principalmente no quesito intelectual de certos personagens, mas, não sei, não me convenceu de todo. Achei que algumas coisas poderiam ter sido melhor abordadas també. Além do mais, me pareceu que a maior parte dos acontecimentos poderiam ser evitados se a tal Lista do Nunca, que dá título à obra, tivesse sido seguida corretamente! Como você desenvolve todo um protocolo de proteção e na primeira oportunidade joga fora? Mas entendo que se isso ocorresse não ia ter história, rs. Recomendo a leitura.
comentários(0)comente



simone 20/01/2020

quanto um ser humano pode aguentar? Até que extremos ele vai para sobreviver? Sarah passou por momentos horrendose situações absurdas na compreensão de qualquer, mas superou.....
Ela achava que tinha conseguido seguir em frente até o passado vir ao seu encontro.
comentários(0)comente



Carol - @nomundodesalem 07/01/2020

Resenha por @nomundodesalem

⁣Quando criança Sarah e Jennifer sofreram um acidente de carro que acabou tirando a vida de mãe de Jenny. Após o acidente as duas amigas se tornaram inseparáveis e criaram uma - obsessão - lista do nunca.⁣

Lista essa com o propósito de documentar tudo que oferece risco de vida.⁣
Porem quando as duas amigas vão para a faculdade, na volta de uma festa acabam sendo sequestradas.⁣

As meninas passam anos sendo torturadas dentro do porão do sequestrador.⁣

📄 ⁣

Após 10 anos do resgate, o sequestrador está prestes a ser solto e Sarah começa a investigar o passado em buscas de pistas - a principal, o corpo de Jennifer - para manter o sequestrador na prisão.⁣


A lista do nunca me pendeu do início ao fim, vale a pena a leitura.⁣
Foi um livro que adorei ler e com certeza já está na lista de livros para serem relidos num futuro próximo.⁣



Mais resenhas no IG: @nomundodesalem





site: https://www.instagram.com/nomundodesalem/
comentários(0)comente



Malini e Di Frota 25/09/2019

Café e Resenha
Havia quatro de nós lá embaixo nos primeiros trinta e dois meses e onze dias do nosso cativeiro. E então, de repente e sem qualquer aviso, éramos três. Apesar de a quarta pessoa não ter feito barulho algum nesses vários meses, o porão ficou muito silencioso quando ela se foi. Depois disso, durante muito tempo, ficamos sentadas em silêncio, no escuro, imaginando qual de nós seria a próxima na caixa.? (ZAN, pag. 7, 2013)

Algumas pessoas têm como regra não ler as sinopses dos livros para evitar que qualquer surpresa se perca. Eu não sou tão radical, mas compartilho dessa preocupação. Por isso, quando uma sinopse me cativa trato de esquecer seus detalhes o mais rápido possível, mantendo em mente apenas uma noção geral da trama. Quando fiz isso com ?A Lista do Nunca?, inesperadamente, prejudiquei a minha experiência.

Sarah e Jennifer são amigas desde crianças e graças a um acidente de carro compartilham uma paranóica obsessão por segurança. Porém - apesar de todas as precauções que tomam - as duas são sequestradas em seu primeiro ano de faculdade e mantidas acorrentadas em um porão por três anos, junto com outras duas mulheres, experimentando os mais cruéis tipos de tortura. Seu captor: um professor universitário da área de psicologia.

Quando comecei a ler ?A Lista do Nunca? eu estava sob a impressão de que o cerne da história seria o cativeiro de Sarah e Jennifer e que acompanharíamos o sofrimento das personagens ao seu lado. Porém eu estava enganada.

A história se passa dez anos depois de Sarah ter conseguido fugir e libertar as outras duas mulheres presas com ela e sua amiga. Seu sequestrador está preso, mas continua a lhe atormentar através de cartas enviadas da prisão. Ela também mantém-se em uma espécie de prisão, trancada em seu apartamento 24 horas por dia, onde trabalha, faz suas refeições (todas entregues pelo porteiro do prédio) e não tem contato com ninguém, com exceção de sua terapeuta, que realiza suas sessões a domicílio. Mesmo isolada do mundo, é assustador para Sarah descobrir que seu captor está prestes a ganhar liberdade condicional e é isso que a impulsiona a descobrir coisas que a polícia não foi capaz de descobrir há dez anos e que poderiam mantê-lo encarcerado para sempre.

Constatar que ?A Lista do Nunca? não focaria nos anos de cativeiro e sim na busca de Sarah foi uma decepção no início da leitura. Demorei até conseguir me envolver por estar presa à idéia de que a autora estava deixando passar os episódios mais intensos da trama, relevando-os ao segundo plano. Ainda assim, sua narrativa ágil e os capítulos curtos foram me conduzindo a entender que Koethi Zan optou por trilhar um caminho menos óbvio e com isso seu livro - que não conta a mais original das histórias - ganhou força, sendo capaz de provocar um impacto maior. A verdade é que o cativeiro dessas mulheres não teve fim com a fuga, pois, psicologicamente, elas continuam prisioneiras daquele homem. Tendo entendido o porquê de a história ser contada em um momento em que o cativeiro seria passado aprendi a apreciar o livro, sentindo todo o impacto daqueles momentos pontuais reservados a isso (especialmente as revelações finais). Ainda assim, confesso que me fez falta sentir algumas coisas acontecendo. Minha impressão geral é que este é mais o relato de uma vivência do que uma vivência em si.

Essa opção da autora fez com que a história perdesse em alguns aspectos, mas permitiu que ganhasse em muitos outros. O mais importante deles, permitir ao leitor compreender o quanto aquela experiência mudou essas mulheres. Por isso também é acertado que seja Sarah a nos contar essa história que a todo momento é invadida por lembranças do passado. Outra vantagem desta opção é conseguir mesclar momentos perturbadores com momentos mais leves e fazer com que o leitor se sinta compelido a continuar lendo por capítulos e mais capítulos ao invés de parar a todo o momento para recuperar o fôlego.

Acredito que nada pode ser mais assustador do que o que se imagina e que não explicar tudo ao leitor, deixando buracos para que ele tire suas próprias conclusões ao captar o que está nas entrelinhas, é uma das melhores ferramentas que um autor pode usar. Quando comecei a ler ?A Lista do Nunca? não percebi de imediato que estava diante de um desses livros. Ao fim, reconheci: essa é uma história forte, cujo texto não exprime toda a sua força, mas estimula o leitor a fazê-lo.
comentários(0)comente



Ma * Para Coisas Gigantes 12/09/2019

Achei um pouco exagerado
Um livro de suspense. Sarah sofreu um acidente de carro quando era adolescente, isso a tornou uma Jovem muito prudente com a sua segurança e também da Sua Melhor Amiga, no entanto mesmo com tantas precauções ambas sofrem um sequestro que vai marcar para sempre a vida de Sarah...Bom livro, o desfecho decepciona mas só um pouco
comentários(0)comente



Aninha | @pactoliterario 18/05/2019

Sarah e Jennifer são melhores amigas, depois que ambas sofreram um acidente de carro e a mãe de Jennifer veio a falecer, Jennifer foi morar com Sarah e as duas se tornaram o que nós chamamos de inseparáveis.

Para que não acontecesse mais nada de ruim em suas vidas, elas decidiram criar "A lista do nunca". Nessa lista tem todos os tipos de acontecimentos ruins possíveis, coisas que elas devem evitar a todo custo. Elas andam sempre preparadas para não acontecer nenhuma das situações que elas tanto temem.

Elas vão para a faculdade juntas e ficam no mesmo dormitório. Como sempre, toda precaução e cuidado é pouco para elas. Mas em um momento Sarah para pra pensar que elas são muito paranoicas em relação a lista, que passaram mais que a metade de suas vidas seguindo ela e deixaram de aproveitar muita coisa.

Nisso, ela tenta ser uma garota normal igual a todas de sua faculdade e chama Jennifer para uma festa, que recusa o seu convite, mas depois de muito convencimento, ela acaba aceitando. Elas saem totalmente preparadas para qualquer situação que possa acontecer.

Tudo ocorre bem durante a festa, o problema é quando elas saem da festa e entram dentro de um táxi. Acabam sendo sequestradas e levadas para um cativeiro.

Jennifer é mantida dentro de uma caixa, não podendo se comunicar com Sarah, a não ser por batidas. Sarah é acorrentada por correntes presa em uma parede. Assim, como Nathalie e Tracy, que estão ali há muito tempo. Elas foram sequestradas por Jack, um professor de psicologia em uma faculdade.

"Você só tem que deixar a dor tomar conta, como uma onda, várias vezes, até a maré levar essa onda para longe, lentamente, aos poucos."

Anos se passaram, agora Jack está preso, Sarah conseguiu fugir e depois levar Natalie e Tracy juntas. Porém, Jennifer está morta e Sarah se culpa, pois não teve a chance de conseguir com que sua amiga saísse daquele lugar viva. Ela recebe constantemente cartas de Jack, cartas com vários códigos e pistas.

Ela vive trancada dentro de casa, não saí de lá para nada, até mesmo trabalha dentro de casa. Ela chegou até a mudar seu nome para que não a reconhecessem mais. Mas agora ela tem um novo objetivo: encontrar o corpo de sua amiga Jennifer, e fará de tudo para que isso aconteça.

Mas vários empecilhos irão aparecer em seu caminho e ela irá descobrir coisas que nem o FBI conseguiu.

A Lista do Nunca é um livro que te prende e faz você querer saber cada vez mais sobre a história escondida por traz dos sequestros, das mentiras, de Jack. Fiquei bem ansiosa durante toda leitura, são muitos acontecimentos, a cada parte do livro é um acontecimento diferente. E o bom é que nós não nos perdemos durante a leitura do livro, pois a narrativa da autora é super bem explicada e fluída.

Confesso que nas partes em que narrava o passado, enquanto as meninas ainda estavam no cativeiro, eu ficava muito aflita, pois era muito real e eu sentia na pele as maldades que Jack fazia com elas, foram cenas horripilantes e muito reais. Dava uma angustia no coração só por pensar que as coisas que aconteciam no livro com elas, realmente acontecem na vida real.

Fiquei bem feliz por ter achado esse livro perdido entre muitos outros ebooks que eu tinha guardado aqui, foi uma leitura e tanto, que com certeza me forneceu bastante conhecimento para algumas situações que acontecem em nossa vida.

Resenha postada originalmente no blog Pacto Literário.

www.pactoliterario.blogspot.com.br
www.instagram.com.br/pactoliterario
comentários(0)comente



Gabrielly 03/01/2019

Impactante
Esse é um daqueles livros com o começo um pouco moroso, mas que a medida que as páginas avançam criam uma sensação de angústia e ansiedade para vê o desenvolver da história. A protagonista está em busca de respostas que só podem ser obtidas ao ter as memórias mais sombrias reviradas e expostas.
comentários(0)comente



Flávia Pasqualin 05/11/2018

A lista do nunca se tornou o hobby (ou obsessão) de duas amigas, Sarah e Jennifer, após sofrerem um acidente de carro. Com o propósito de documentar tudo aquilo que oferece um risco de vida, as duas se sentem seguras ao seguir a risca todas as anotações daquilo que deve ser evitado. Porém, seja por destino ou descuido, ambas acabam sendo raptadas por um homem sádico e, após três anos sofrendo todo tipo de tortura junto com mais duas prisioneiras, apenas uma das amigas consegue escapar com vida. Dez anos após o crime, o seqüestrador tem a possibilidade de conseguir uma condicional e Sarah, a sobrevivente, sente que é hora de enfrentar o passado e buscar respostas para questões que nunca foram respondidas para honrar a memória de Jennifer.
Apesar de uma ou outra ponta solta, o livro conseguiu me surpreender. À medida que a história avança, alguns universos vão sendo interligados e a tensão em busca de respostas aumenta. É um livro que deixa algumas questões em aberto, mas eu particularmente gosto disso, de criar as próprias teorias. Os personagens não são muito cativantes, mas não ao ponto de atrapalhar a narrativa. Gostei bastante do final, foi coerente com a proposta oferecida.


Jaque.Vitor 09/11/2017

Pesado
Eu achei bem escrito, muito movimentado no começo não dispersa muita curiosidade mas depois o livro fica bem tenso causa algumas sensações bem ruins referênte ao que aconteceu com as personagens, não é um livro leve. Mas eu gostei tudo faz sentido no final como a história é distribuída fiquei curiosa por mais algumas coisas que faltou no final que poderia ser resolvida com um epílogo mas é um bom livro sim.
comentários(0)comente



Maíra 25/07/2017

Interessante
O livro é interessante sim. Possui alguns temas até um pouco polêmicos como o cárcere privado, a tortura, o sadomasoquismo e seitas. O livro tem algo que me prendeu no início, me deixou ansiosa e curiosa para as próximas páginas mas depois deu uma esfriada. Da metade para o fim que voltou a ficar surpreendente de novo. Mas, pelo menos pra mim, o livro não terminou tão bem. Eu esperava por algo melhor... mais emocionante.
Mas, por não ser um livro extenso, valeu sim a leitura.
comentários(0)comente



Letícia Perdida nos Livros 17/06/2017

Resenha A Lista do Nunca
Confira a resenha completa aqui: http://garotaperdidanoslivros.blogspot.com.br/2017/06/resenha-lista-do-nunca-koethi-zan.html
--
O livro começa contando a história de duas amigas: Sarah e Jennifer (Jenny) que sofreram um acidente de carro quando ainda crianças, o que acabou tirando a vida da mãe de Jennifer, por isso foi morar com sua amiga. Logo após o acidente, elas decidiram criar a chamada “Lista do Nunca”, que consiste em uma série de regras para evitar uma catástrofe, ou seja, sempre se mantendo seguras.

Entretanto quando chegaram à faculdade com o passar do tempo ficaram um pouco menos “cuidadosas” digamos assim, causando um desastre na vida dessas garotas. Entrando em um táxi sem conferir direito se estavam no carro certo e acabam sendo sequestradas.

"Afinal, quais são as chances de justamente duas garotas tão entendidas em desastres serem suas vítimas?"

Logo, se passaram 10 anos desde o sofrimento passado no porão do seu sequestrador (Jack), porém ele está prestes a ser solto, e com isso Ssrah junta forças que não tinha, mesmo com medo do mundo, e começou a investigar a fim de mantê-lo na prisão, e a principal coisa que quer descobrir é (alguns podem levar isso como spoiler, mas acho que não): onde está enterrado o corpo de Jennifer?

O livro é narrado pelo ponto de vista de Sarah, vai de lembranças ao presente, mas em momento algum a leitura se complica, pelo contrário, muito rápida e viciante, lógico que temos que ir montando o quebra-cabeça, mas mesmo assim. Estou completamente apaixonada, é um tipo de livro que as pessoas ou odeiam ou amam.

site: http://garotaperdidanoslivros.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Inlectus 02/06/2017

É...
Um ser humano maldoso, é só alguém mais fraco ainda.
comentários(0)comente



Ronaldo 22/04/2017

O livro começa falando brevemente sobre a convivência de Sarah e Jennifer, duas amigas que após um acidente apegam-se tenazmente à lista do nunca, uma série de regras que visam fazer com se que se sintam seguras. Porém, quando abrem uma exceção entrando num táxi, elas são sequestradas pelo motorista. Assim que isso acontece o livro dá um salto no tempo e encontramos Sarah já com seus trinta e poucos anos, sofrendo de uma grave fobia social, até que a iminente condicional de seu sequestrador a faz querer tomar uma atitude e, para isso, precisa encarar as ruas novamente. É bem curioso acompanhar Sarah retornando ao mundo exterior, se aproximando das pessoas com hesitação e ainda presa às regras da lista do nunca, mas a autora poderia ter explorado esse seu trauma com muito mais profundidade. O livro faz algumas incursões no passado, narrando o período em que Sarah, Christine, Tracy e Jennifer ficaram presas no porão do sequestrador. Essas cenas permeiam toda a narrativa, são bem curtas, mas dão uma boa ideia dos horrores que as jovens passaram nas mãos de um sádico durante anos. A autora também fala um pouco sobre a vida pregressa de cada menina, desde sua infância até o momento em que suas vidas se cruzaram com a do sequestrador.
O livro tem um texto ágil, uma narrativa bem dinâmica, cheia de reviravoltas, tanto que as páginas corriam sem que eu percebesse. Mas o problema é que tudo é muito superficial. Não há muito esforço na construção dos personagens, algumas situações de tensão se resolvem rápido demais, não dá tempo de se envolver, e a investigação é muito corrida. Curti a leitura, mas o livro deveria ser melhor elaborado.

Resenha completa no no blog:
http://porquelivronuncaenguica.blogspot.com.br/2017/04/a-lista-do-nunca-koethi-zan.html?m=1
comentários(0)comente



Oescafandrista 21/01/2017

Trama rasa
Infelizmente não tenho boas coisas para escrever sobre a história do livro. Na minha opinião a história é rasa, com momentos densos muito fracos e soluções nada empolgantes.
Livro fácil de ser esquecido pois nada tem de memoravel.
Foi o primeiro que li no ano, dei a oportunidade a autora, mas infelizmente nao me convenceu.
comentários(0)comente



Renan.Souza 20/11/2016

Faltou algo
Um livro sobre cárcere, seqüelas de um sequestro, e uma pitada de sadomasoquismo. Li até o fim porque não gosto e interromper leituras mas não recomendo. Insinua-se um suspense onde não há.


55 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4