Metamorfose?

Metamorfose? Gail Carriger




Resenhas - Metamorfose?


80 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Fernanda 16/11/2013

Resenha: Metamorfose?
Resenha: “Metamorfose?” de Gail Carriger é tão divertido e cativante quanto Alma?. Muitas informações são repassadas neste enredo, de forma rápida e ao mesmo tempo completa. O principal destaque ainda está na narração descontraída da autora e da própria personagem principal, com seu inegável humor e pensamentos obstinados.

Alexia Tarabotti continua sendo sarcástica e irreverente. Agora está casada com Lorde Conall Maccon, que é um lobisomem alfa. Lady Maccon, além de esposa do conte de Woolseu e muhjah da rainha, ainda é uma preternatural, o que significa que ela pode anular os poderes de qualquer ser sobrenatural apenas com um toque. E que consequentemente é uma poderosa arma secreta da Grã-Bretanha. Que belo conjunto né?! E é verdade, pois esta parceria não poderia ser melhor, apesar das confusões que os cercam. Será que tudo ficaria mais tranquilo depois de casados? Óbvio que não. Na verdade, a aventura está apenas começando.

LEIA A RESENHA COMPLETA NO BLOG -

site: http://www.segredosemlivros.com/2013/11/resenha-metamorfose-gailcarriger.html
comentários(0)comente



Queria Estar Lendo 06/12/2016

Resenha: Metamorfose?
Publicado no Brasil pela editora Valentina, Metamorfose? é o segundo livro da série O Protetorado da Sombrinha, da escritora e arqueóloga Gail Carriger. Li o primeiro livro faz alguns anos, então quando iniciei a leitura de Metamorfose? a primeira coisa que me perguntei foi o porquê eu gostava tanto da série. E a resposta surgiu logo nas primeiras páginas: os livros são extremamente divertidos.

Alexia agora atende pelo título de Lady Maccon e precisa conciliar a vida de casada e Alfa fêmea com sua posição no Conselho Paralelo, sem esquecer é claro sua amizade com Ivvy e a preferência da mesma por chapéus de gostos duvidosos. Tudo isso enquanto usa longos vestidos da era vitoriana e acompanhada de suas indispensáveis sombrinhas.

Em Metamorfose? Maccon e Alexia precisam investigar um acontecimento que deixou toda a Londres sobrenatural apavorada: durante um período de tempo e dentro de determinada zona territorial, todos os seres sobrenaturais voltaram a ser humanos.

"Em geral, o Conselho Paralelo se encarrega de tratar das questões sobrenaturais com a Coroa. Enquanto o DAS ficava a cargo do cumprimento das leis, o Conselho Paralelo cuidava dos assuntos legislativos, do assessoramento político-militar e das ocasionais situações caóticas e delicadas."

Maccon, como líder do DAS (Departamento de Arquivos Sobrenaturais) e Alfa da alcateia, precisa descobrir o que gerou esse problema. Enquanto isso Alexia busca suas próprias respostas, pois afinal o ocorrido se parece e muito com o poder preternatural que ela possui, só que ampliado em uma potência inimaginável.

Não bastando todo este mistério sobrenatural, Lord Maccon recebe notícias sobre seu antigo bando na Escócia e precisa partir para resolver antigos problemas, deixando sua adorada esposa a cargo de toda a alcateia e cheia de problemas para resolver. Não é de se estranhar que quando a praga que humaniza os seres sobrenaturais parece seguir em direção a Escócia, assim como seu marido, Lady Maccon decida tomar um dirigível e ir alertar o mesmo.

E é assim que Alexia Maccon e sua comitiva composta por sua amiga Ivvy e seus chapéus horrorosos, sua irmã Felicity e seu eterno mau humor, a criada francesa Angelique, Tunstell, e Madame Lefoux acabam todas voando em direção a Escócia. E, é claro que se tratando de Alexia, a viagem não poderia ser um simples passeio. Não sem algumas tentativas de envenenamento ou quedas de dirigíveis para tornar tudo mais divertido.

"- Minha irmã compreende mal s coisas - disse Alexia, desculpando-se.
- E quanto a senhora? - questionou Sidheag.
- Ah, eu só me comporto mal."

Metamorfose? é um livro muito bem escrito, repleto de personagens interessantes e carismáticos. Alguns plots podem ter sido menos interessante do que outros, como o romance entre Ivvy e Tunstell, mas todos fazem parte de um grande cenário que compõe essa história tão divertida.

Confesso que estou um tanto quanto apaixonada por Madame Lefoux e tocada por sua história e situação, tenho grandes expectativas para ela mas não sei se elas serão correspondidas. Shippei muito ela com outra personagem, mas não vou revelar quem e deixar que vocês tirem suas próprias conclusões. Só digo que: QUERO. FAÇAM ACONTECER. POR FAVOR GAIL, NUNCA TE PEDI NADA!

Quanto ao casal Lady e Lord Maccon, os dois continuam tão apaixonáveis quanto no primeiro livro. Ou talvez até mais. Todos os comentários sarcásticos e espinhosos só mostram o quanto os dois se amam. É impossível não dar risada com as trocas de farpas e a maneira como ambos escolheram para demonstrar seu amor.

"- Puxa, eu tinha ouvido falar que seu casamento foi por amor, mas não achei que fosse possível.
Lady Maccon perguntou, aborrecida:
- E por que outro motivo alguém se casaria com ele?
- Ou com ela? - secundou-a Lorde Maccon."

O final do livro é surpreendente, mas não exatamente novo ou inesperado. Estou louca para ler Inocência? e descobrir como a história vai se desenvolver a partir disto. Mal posso esperar!

Se você quiser um livro engraçado com romance histórico misturado a sobrenatural, o Protetorado da Sombrinha é a melhor pedida. Humor, plots intrigantes, personagens bem desenvolvidos e carismáticos, elementos de steampunk, seres sobrenaturais e tudo isso ministrado com uma escrita maravilhosa.

Gail Carriger é uma cientista inovando com suas histórias, e vocês precisam experimentar suas invenções!
comentários(0)comente



Yasmin 12/12/2013

Continuação fabulosa, com mais desenvolvimento do steampunk e da trama central da série

Desde que conheci a série da autora Gail Carriger sempre soube que seria uma série diferente daquilo que eu esperava e quando a Valentina publicou o primeiro tive certeza disso. Se o primeiro livro não ressonou como o steampunk que imaginei, nesse segundo a autora muda o tom surpreendendo o leitor de forma elegante e audaz. Uma história ácida e astutamente construída.

A vida de Alexia como nova lady Woolsey ia bastante bem e sua nova função junto ao conselho da rainha a mantinha muito ocupada com as preocupações de sempre. Até o dia em que é despertada pela voz ressonante de seu marido, aos berros com alguém. Provavelmente alguma notícia que o conde não estava esperando, mas ela quer saber assim mesmo. Saindo de casa em tempestiva e sem deixar claro o que está acontecendo o conde desaparece rumo ao norte. Quando Alexia se inteira do problema no conselho e recebe tanto acusações, quanto autorização para descobrir o responsável pelo estranho evento que deixou vampiros e lobisomens momentaneamente de volta a suas formas imortais ela não imagina que teria de lidar com tantos problemas juntos. Desde um enorme regimento acampado em seu jardim de frente, passando pelo noivado de sua melhor amiga e a companhia inesperada da meia-irmã. Depois de conhecer madame Lefoux, uma inventora francesa que se porta de forma mais escandalosa que ela mesma e apurar não só com lorde Akeldama, mas com professor Lyall que seja lá o que for que está causando a mudança de estado dos sobrenaturais está rumando para o norte junto com seu marido, Alexia decide viajar para a Escócia rumo à antiga alcateia de Lorde Maccon. Com companhias até demais Alexia precisará de toda sua astúcia para descobrir não só os mistérios por trás do evento como quem anda espreitando sua vida. Surpresas, segredos e traições.

É a partir daí que a história se desenvolve. O universo criado por Carriger é ao mesmo tempo ousado e descontraído. A autora, no primeiro livro, ao mesmo tempo que desenvolveu uma trama intrincada narrou o lado trivial, desfocado da trama e que tornou a história bastante única. Nessa continuação a autora de forma sutil traz o foco para a trama e surpreende a todos mostrando a força de seu universo. Carriger possui um tom verdadeiramente vitoriano, nítido através de sua narração fluida e ácida. Ao desenvolver as intrigas e tramas da história aliada ao social de seus personagens a autora consegue algo único. A forma como ela entremeou uma conspiração a vida de seus protagonistas merece todo o destaque. Acima de tudo é necessário ressaltar que Carriger é uma escritora astuta e elegante, construindo a trama central de sua história de forma sutil. A singularidade de resolver intrigas, mistérios e desvendar segredos enquanto se saboreia uma bela xícara de chá é brilhante.

Alexia acima de uma protagonista em busca de desvendar os mistérios por trás da recente mortalidade dos sobrenaturais é uma lady vitoriana, que se inteira das fofocas cotidianas da sociedade, que se preocupa com chás e casamentos. Nesse segundo volume a gama de personagens aumenta assim como suas personalidades intrigantes e o lado steampunk ganha mais contorno justamente através dos novos personagens. Madame Lefoux chega para agregar não só o lado steampunk com suas invenções como a trama central, revelando contornos do que promete moldar as descobertas dos próximos volumes, mostrando uma trama central inteligente e bem intrincada.

O final é ótimo em diversos os sentidos, mas absurdo por outros. Fique muito brava, afinal se quando Alexia encosta em um sobrenatural ele se torna humano é claro que ela poderia sim engravidar! Homem é tudo burro ou o que? Aliás, a autora não podia usar esse tipo de trama para levar Alexia à Itália. É injusto, o casal estava tão mais divertido e harmonioso nesse volume... Agora é rezar para a editora lançar o próximo rápido.

Leitura rápida, divertida, que flui com naturalidade e instiga o leitor, sempre com surpresas e personagens realista. Gail Carriger acerta os pontos que precisava e encontra o equilíbrio. Um steampunk delicioso, criativo e inovador, escrito em uma prosa ritmada que cativará o mais variado tipo de leitor. A edição da (...)

Termine o último parágrafo em:

site: http://www.cultivandoaleitura.com/2013/11/resenha-metamorfose.html

comentários(0)comente



AndyinhA 23/02/2014

Trecho de resenha do blog MON PETIT POISON

Fiquei com dó de sair de um Alma? tão magnífico, envolvente, cheio de coisas misteriosas, uma personagem ousada para época e me deparar com o que está em Metamorfose? juro que em muitos momentos eu me perguntei se foi a mesma autora que escreveu, tudo estão tão, tão diferente. Não reconheci a Alexia e nem a escrita gostosa da autora.

O enredo foi chato, repetitivo e sem graça, não mostrou ao que veio e fico patinando no gelo, lia páginas e páginas e me perguntava ‘isso nunca vai sair disso’?, a autora deixou de explorar o lado sobrenatural de uma forma engraçada como fez antes para ser algo como detetive e não ficou bom.

A escrita lenta, arrastada e de um jeito de narra estranho e pesado me fazia querer dormir, era batata, pegava o livro, mal terminava de ler um capitulo e os olhos já pesavam, e isso foi a qualquer hora do dia que lesse. Os floreios, os personagens tudo estava errado.

Para saber mais, acesse:

site: http://www.monpetitpoison.com/2014/02/poison-books-metamorfose-gail-carriger.html
Sandra 05/12/2014minha estante
Estou lendo ainda e achando a mesma coisa, enredo chato, realmente nem parece a mesma autora, uma pena pois Alma? foi uma leitura muito prazerosa.




Blog MDL 16/12/2013

A agora Lady Maccon foi despertada de seu sono tão cedo que o horário era quase indecente – já que ainda não era noite. Revoltada com esse impropério de seu marido lobisomem, ela tenta inutilmente voltar a dormir – o que não ocorre graças aos gritos do Lorde Conall. Sem saber a razão para ele estar tão nervoso, ela tenta esquecer isso a medida que dá continuidade aos seus compromissos noturnos. Mas após fazer descobertas assustadoras e ter que lidar com um bando de lobisomens em seu jardim comandados pelo seu marido que desapareceu, Alexia decide que já está mais do que na hora de dar uma basta em tudo isso e ruma à Escócia junto com um grupo que passa a colecionar desmaios, beijos, enjoos e uma quantidade excepcional de roupas cafonas. Contudo, ao chegar ao castelo de Kingair ela se depara com uma alcateia incomum que além de guardar segredos antigos, precisa da sua ajuda para resolver alguns mistérios que se instauraram por ali e que ela mal pode esperar para solucioná-los.

Em ‘Metamorfose?’ a autora Gail Carriger teve a difícil missão de não só trazer uma história que se equiparasse em genialidade a ‘Alma?’, como também, que mantivesse as personalidades maravilhosas de cada um dos seus personagens. Confesso que tamanha responsabilidade me deixou receosa na mesma proporção que elevou as minhas expectativas a um nível alcançado apenas pelo dirigível que a Alexia passou tanto tempo tensionada a conhecer. Ainda mais porque eu sabia que a mitologia criada pela autora para a série lhe permitiria uma imensidão de possibilidades que deixaria o enredo desse – e dos futuros livros – seguro sem que fosse necessário um acréscimo que tornaria a história forçada ou sem nexo, mas que para isso seria essencial que Gail não esquecesse de trabalhar todos os pormenores do livro antecessor. Foram tantas as preocupações que senti antes de iniciar a leitura que só pude me chamar de tola ao fechar o livro e meus pensamentos gritarem: ela conseguiu me encantar outra vez...

Diferente do primeiro livro, nessa continuação, Gail trouxe a trama principal de ‘Metamorfose?’ logo nas primeiras páginas. O modo como ela fez foi bem original, já que envolve uma preternatural sonolenta, um fantasma cheio de pudor, um lobisomem nu... e um mistério grandioso – pelo menos, para alguém que está dormindo. Mas logo que Alexia desperta e põe suas engrenagens para funcionar, ela percebe que o que está acontecendo é muito simples: todos os seres sobrenaturais se tornaram humanos. Por si só, isso já é um problema, mas o grande mistério está concentrado em um ponto: O que está fazendo toda a sociedade sobrenatural ter perdido seus poderes? É nesse clima de tensão que a autora nos conduz por uma trama recheada de detalhes que são enriquecidos por um aspecto futurístico fornecido por uma sombrinha personalizada cuja única função que falta é a de proteger da chuva e uma máquina capaz de enviar mensagens através de um não tão complexo sistema.

Mais uma vez a autora explorou todas as facetas de Alexia. Como a personagem forte e sagaz que ela é, foi impossível não admirá-la diante de tanta impulsividade na hora de colocar ordem nas comunidades que ela se inseriu. O jeito ríspido, ácido e nenhum pouco delicado que ela tem de tecer comentários rendem boas gargalhadas ao leitor, principalmente porque eles são sempre certeiros e inteligentes. A Ivy que o diga, a coitada continua sendo fortemente criticada por suas escolhas estapafúrdias com relação a sua coleção pouco convencional de chapéus, ainda mais que agora temos a Madame Lefoux, uma dona de chapelaria com um gosto atípico para a moda – apesar de estar sempre elegante – e com uma inteligência que encantou de modo muito especial a Alexia. Não que a Ivy se importe, já que ela só tem tempo para pensar em um dos zeladores do Lorde Maccon, que junto com ela protagoniza cenas hilariantes.

Mas o que me chamou mesmo a atenção foi a maneira com que Alexia tomou as rédeas de todas os imprevistos que surgiram. Se não fossem todas as cenas pra lá de calientes que ela vive com o Conall, o lobisomem quase – eu disse quase – passaria despercebido na trama, já que apesar do nome dele ser citado constantemente, as cenas em que ele está realmente presente foram poucas demais para mim. Isso foi algo que me desgostou no livro, pois ele era um dos personagens que eu mais ansiava por ver nessa sequência e a ausência dele me incomodou sobremaneira. Além disso, o único ponto que me manteve cautelosa com relação a história, foi a narrativa de Gail Carriger. Não sei o que aconteceu, mas em ‘Metamorfose?’ senti a escrita dela mais lenta e eu demorei mais tempo a me envolver com o livro. De verdade, espero que isso não aconteça no terceiro de livro de ‘O Protetorado da Sombrinha’, pois esta é realmente uma história que eu amo e que eu anseio cada publicação. Contudo, peço que não se prendam a esses poucos detalhes negativos, pois essa é uma série que eu continuo indicando veementemente.

site: http://www.mundodoslivros.com/2013/12/resenha-metamorfose-por-gail-carriger.html
Ju Dias 29/06/2014minha estante
Alguém sabe se a previsão para o terceiro aparecer por aqui...;)




Susan.Kelle 02/07/2020

Guardo sempre um receio de livros steampunks.. E tb de livros sobre lobisomens e vampiros.. E de maneira geral também de romances de época. E então vem Gail Carriger junta tudo e ta-da. Espirituoso, gritante, engraçado, louco, enfim.. Nem sei dizer como isso deu certo, mas o segundo conseguiu ser muito melhor que o primeiro, tanto no enredo quanto no gancho. Ja estou louca pelo próximo.
Giulipédia 02/07/2020minha estante
Ai essa série é perfeita, é um melhor q o outro e vc se diverte em TDS eles ????




Raffafust 28/11/2013

Pode um segundo livro ser melhor que o primeiro?Bom, em se tratando dessa série, sim, é! Eu gostei de Alma? mas o segundo livro Metamorfose? é ainda melhor. Como se não bastasse a protagonista deliciosamente divertida continuar sendo Alexia Tarabotti, uma preternatural, que se defende como pode com sua sombrinha, usa roupas longas e não curte muito quando notam sua descendência italiana - tudo culpa de seu pai , de quem também herdou o nariz protuberante! - mas se casou com um lobisomem, ou melhor, com um tremendo macho alfa poderoso chamado Conde de Woolsey, que lhe proporciona uma noite de loucuras - não sei se rolam uivos da parte dele, não são citados - jogando sua camisola no chão e a beijando intensamente quando quer que a esposa cale a boca.
No entanto, apesar de cuidar da imensa casa do casal, e de implicar com a empregada lindona, ela se espanta quando lobisomens começam a acampar em seu jardim, e não sabe muito bem o que sente pelo grosso mas arrebatador major Channing, que em uma diálogo engraçado a confunde com a governanta e a trata com ironia para mais tarde descobrir que nossa protagonista é patroa!
Agora chamada de Lady Maccon, ela não sossega enquanto não descobre o porque de seu marido viajar as pressas, desconfiada de que algo de podre está rolando no reino da Dinamarca - ou melhor da Rainha Vitória, da Inglaterra - ela vai atrás da verdade.
Até porque nossa amiga está cansada da vida social ouvindo por exemplo Ivy contar que vai casar e quantas pessoas comentaram de seu noivado!
Atrás da verdade ela vai descobrir por exemplo que no mundo em que vive onde vampiros, lobisomens e fantasmas convivem em harmonia, algo vai fazer com que eles virem mortais e seu próprio marido vai lhe dizer que as suspeitas podem cair sobre ela.
Entre os mistérios da coroa e do DAS, a engraçadíssima Alexia vai nos matar de rir com as confusões que se mete e com seu jeito de encarar a vida, coisas de uma mulher sem alma. Mas com um coração grande, vide as cenas que tem ela e Lorde Maccon, adoro esse casal
Dani 17/08/2017minha estante
Também gostei mais desse do que do primeiro!!




Rafa 29/05/2020

Metamorfose?
Metamorfose é o segundo livro da série, precedido por Alma?. Neste segundo livro temos a Alexia em sua vida de casada e como muhjah, cargo que a Alexia exerce, que responde à rainha.
Está ainda melhor que o primeiro livro. E o final, meu Deus, já deixa a gente querendo começar o livro 3 na hora.
comentários(0)comente



Mandy 02/05/2020

Leitura fluída e personagens cativantes. A história terminou com um acontecimento muito importante. Agora o que me resta é ler o próximo livro.
comentários(0)comente



gariglio 17/03/2020

Metamorfose? Escócia e Atores
Se você quer ler um livro irreverente, divertido e cativante, bem... está no lugar certo.

Nossa querida Alexia se mostra tão sarcástica como sempre. Apesar disso, desde o princípio da obra venho perdido meu afeto pelo casal (e tem um novo casal preferido no páreo agora).

Entretanto, o enredo é envolvente, e conta com o aparecimentos de personagens maravilhosas e marcantes e o aprofundamento psicológico das que já apareciam anteriormente.

O lorde Maccon, por alguns mais conhecido como Conall, revela traços de sua vida até então jogados pra debaixo do tapete (e bem sorrateiramente).

E o final... sinceramente, me deixou genuinamente surpresa e extremamente ansiosa para engatar o próximo livro.

Se você quer personagens dramáticos, chapéus espalhafatosos (e uma chapeleira excêntrica que ganhou meu coração), sombrinhas como armas e muitos lobisomens de saia, não precisa mais procurar
comentários(0)comente



Quatro Amigas 30/11/2013

www.quatroamigaseumlivroviajante.com
Na sequência de "Alma?" Alexia agora é Lady Maccon e conselheira da rainha Vitória. Enquanto se adapta a vida de casada e de mujah (pessoa que trabalha para a coroa como elo de ligação entre os sobrenaturais e humanos), Alexia terá que lidar com mais um mistério nesse universo em que vive. Os seres sobrenaturais estão perdendo seus “dons” temporariamente e cabe a ela e seu esposo, Lorde Maccon, descobrirem o que está causando isso. Como se tudo isso não bastasse na vida da recém casada Alexia, seu esposo Lorde Maccon parte em uma viagem a Escócia para lidar com problemas em sua antiga alcateia. A viagem repentina de Maccon e os problemas com os sobrenaturais parece estar mais ligados do que Alexia gostaria de imaginar.

Terminei de ler meu exemplar Alma? e logo emendei na sequência "Metamorfose?" Porquê? Eu PRECISAVA saber mais da Alexia e do Lorde Maccon que me conquistaram com suas personalidades fortes e com cenas engraçadíssimas. "Metamorfose?" Nos mostra agora Alexia que antes era uma solteirona, casada com um dos melhores partidos da cidade, para horror de suas irmãs rs, e mujah da rainha Vitória. Alexia está no paraíso, né ? Tendo um homem como Lorde Connal Maccon e ainda participando ativamente do mundo “sobrenatural” como mujah, é tudo que ela pode querer. Tudo seriam flores se não fosse esse repentino “surto” de humanidade entre os sobrenaturais e a possibilidade desse surto está se dirigindo para a Escócia, local onde Lorde Maccon se encontra. Alexia então parte em viagem junto com sua irmã e fiel amiga para a Escócia, afim de desvendar mais esse mistério e de quebra se envolver em confusões e cenas engraçadas.

Preciso dizer que me apaixonei TOTALMENTE pela Alexia e pelo Lorde Maccon ? NÃO, né ??? Eles conseguem ser engraçados, irônicos e apaixonantes. Em "Metamorfose?" é tão legal ver a evolução do relacionamento deles e as peripécias que Alexia se envolve para descobrir o que está causando a “humanização” entre os sobrenaturais.

------------------------ CITAÇÃO ------------------------
"Ela levantou os edredons e olhou furiosa para o marido.
- O que está fazendo, seu danado?
- Agindo furtivamente, sua sapeca. Não pareço disfarçado ? - perguntou, zombateiro."
------------------------------------------------------------------------

Gail consegue nos envolver em seu mundo SUPER-SOBRENATURAL totalmente com seus personagens peculiares, suas histórias e seus diálogos ótimos. Um ponto positivo do livro é a diminuição de “informações desnecessárias” que existia em "Alma?". Eram tantos detalhes que nos deixava confusos e pensando no que seria útil em nossa leitura. Pontos Negativos, teve? teve sim ! Achei desnecessária a participação da irmã de Alexia nessa sequência, não contribuiu de nada para a história, sua fiel amiga Ivy, apesar de trazer cenas engraçadíssimas ao livro, também não tem lá seu papel importante na história. Também senti falta de mais interação de Alexia e Lorde Maccon, cenas mais românticas e diálogos deliciosos como os de "Alma?".

Li o livro todo na expectativa da solução do mistério e de que Alexia e Lorde Maccon aproveitassem mais seu tempo de casados e o final SIMPLESMENTE destroçou meu coração. Assim que terminei de ler, fiquei ABALADA EMOCIONALMENTE com o final. Senti UMA RAIVA TÃO GRANDE da Alexia e do Lorde Maccon que vocês não entendem, quis entrar no livro e socar a cara dele e dá uns tapas nela para ela acordar.

Então Galerinha se preparem para um final TOTALMENTE ABERTO e IMPACTANTE, com promessas de corações feridos e leitores traumatizados. Já estou ANSIOSA MASTER para a sequência da série que ainda não tem previsão no Brasil #chorandoapenas.


Título: Metamorfose ?
Saga: O Protetorado da Sombrinha #2
Autora: Gail Carriger
Editora: Valentina
Páginas: 320 Páginas
Resenha por: Mônica Oliveira
Classificação: 4/5

site: http://www.quatroamigaseumlivroviajante.com/2013/11/resenha-metamorfose-gail-carriger.html
comentários(0)comente



Priscila 17/02/2020

Super divertido
A continuação de "Alma?", o livro tem o mesmo estilo do antecessor: uma combinação maravilhosa de fantasia, suspense e romance, tudo com MUITO HUMOR (a melhor parte)! Que combinação! Em todos os gêneros, com ótimos jogos de palavras, escritos com muito inteligência e concatenação de ideias. Super recomendo se você gosta dessa combinação.
comentários(0)comente



Queds 25/07/2020

O início da leitura foi um arrastada, só empolgando na reta final , onde novamente pude me conectar e reencontrar o dinamismo do primeiro livro.

Vou falar sobre Metamorfose rapidinho, comecei a série em um desafio e este mês acabei de ler Eternidade, encerrando está série MaraviLinda.

Metamorfose foi o livro que eu menos gostei, achei a leitura arrastada, só empolgando na reta final , onde novamente pude me conectar e reencontrar o dinamismo do primeiro livro.

A Alexia é uma das personagens femininas que eu vejo muito bem construída. Ela é divertida, ousada e sincera. Gostei de ver ela mais auto confiante em Metamorfose.

O final conseguiu me surpreender, terminei com o coração apertado pela nossa mocinha, que nas situações mais absurdas tenta manter o decoro kkkkkkkk

Em resumo, achei o primeiro livro bem melhor.
comentários(0)comente



Almi 23/06/2014

Cada dia mais apaixonada por essa série
Diversas sensações definem o que eu estou sentido ao terminar de ler Metamorfose!
Alegria, raiva, tristeza e principalmente saudades. Que final foi aquele meu Deus. Desculpem gente, mais precisa comentar do final. Ansiosa demais pela continuação da série, que ainda não tem previsão de lançamento para o terceiro livro. Só quem leu vai entender o porque do desespero.
Pois bem, nesta continuação da série o Protetorado da Sombrinha, somos mais uma vez brindados com a escrita da Gail Carringer e com as aventuras de Alexia, que tem sorte de se meter em confusões por onde passa. Contudo, conta com a ajuda da sua inseparável sombrinha (totalmente repaginada e muito mais tunada), sua inteligência e sua língua afiada.
Nessa nova aventura, os sobrenaturais estão sofrendo um problema de humanização, isto é, estão se tornando humanos sem causas ainda explicáveis. Por isso, inicialmente, as suspeitas caem sobre Alexia, por causa da sua preternaturalidade. Além do fato de Alexia ter que lidar com o sumiço do marido e com uma viagem inesperada para a Escócia.
As discussões entre Alexia e Lorde Maccon continuam a acontecer mesmo depois do casamento, agora com direito a camisolas caídas no chão, mordiscadas constantes, e um pestanejar de cílios digno de Lorde Maccon. O que me chama atenção na escrita de Garringer são as cenas intimas que ela descreve, não são vulgares e te dão uma sugestão do que tá acontecendo entre eles sem se tornar chata. Ah e finalmente a nossa heroína anda de dirigível, o que não se sabe se foi uma experiência boa ou não para ela por causa de uns imprevistos.

site: http://minhasprimeirasimpressoes.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Krous 20/07/2020

Gostei mais do primeiro livro.
Pode ser precipitado fazer uma afirmação dessas tendo lido apenas 2 livros de uma série de 5, mas jamais irei enaltecer O protetorado da sombrinha pelo enredo sólido. A bem da verdade é que a história só funciona porque se apoia em personagens irreverentes, diálogos espirituosos e poucas páginas.

Infelizmente nem isso serviu para que eu curtisse Metamorfose? quanto curti Alma?. Não consegui ler com a mesma rapidez que o livro anterior porque não estava gostando de como as coisas se desenrolavam tampouco dos personagens e alguns diálogos.

Alexia e Conall são personagens que gostei bastante no primeiro livro. Enquanto aqui ele mal apareceu - e nas raras aparições estava sempre sendo desagradável com alguém ou querendo transar com a esposa ao invés de conversar com ela. - Alexia, como protagonista, teve bastante espaço. Mas a achei menos avançada, convicta de suas opiniões, independente.
Na verdade, ao redor da antiga alcateia do marido a achei bastante esnobe. Em sua passagem pela Escócia, a achei vergonhosamente xenofóbica com os habitantes de lá. A autora dar um ar cômico ao choque de costume entre ingleses e escoceses, mas preconceito não é engraçado. Infelizmente não se limitou apenas aos escoceses, os personagens britânicos também tinham pensamentos pouco agradáveis sobre a França.
E, olha, eu entendo que todos os europeus se odeiam e têm uma complicada história uns com os outros. Percebi que era isso que Gail Carriger queria mostrar, mas existe uma linha tênue entre respeito e grosseria e ela a ultrapassou.

Além do esnobismo, Alexia se mostrou uma péssima amiga.
Algo que reparei em livros de ficção histórico é como as protagonistas se dizem defensoras dos direitos das mulheres e de avanços femininos, mas parece que só desejam isso para si e nunca para as demais mulheres ao seu redor. Ivy se viu numa situação romântica muito parecida de Alexia - o partido era um bom rapaz, mas socialmente o casamento é condenável - e a opinião de Lady Maccon me surpreendeu por ser tão conservadora. Totalmente incoerente com tudo que a personagem mostrou até então.

Eu curti o plot romântico da senhorita Hisselpenny e até shippei o casal. Essas foram as poucas vezes em que dava para suportar a personagem. Eu gostava bastante da amiga de Alexia. No primeiro livro, ela trazia leveza com sua ingenuidade. Neste livro ela se mostra burra e inconveniente.

Me preocupa tremendamente o tipo de amizades femininas que as autoras de livros de ficção histórica têm. Suas personagens não conseguem ser uma mistura verdadeira como encontramos na realidade. Ou temos Alexias e Madame Lefoux da vida que rejeitam a vestimenta feminina, a feminilidade, querem independência, se interessam pela ciência, etc ou temos senhoritas Hisselpenny e Loontwill da vida que não se importam com nada disso, aceitam o papel da mulher na sociedade, só pensam em chás, tecidos e bons partidos e são extremamente fúteis.
Fico me perguntando se inserir personagens são unidimensionais é reflexo das amizades que essas autoras têm ao seu redor porque >eu< tenho muitas amigas que amam saias, compras, almejam a maternidade e não são bobas, burras nem fúteis.

Gostei da inserção de novos personagens, mas senti que a qualidade do livro caiu do primeiro livro pro outro e simplesmente perdi o tesão de acompanhar a série. O grande problema deste livro seria resolvido se Alexia e Conall tivessem conversado. A relação entre eles não estava legal aqui e piorou no último capítulo.
comentários(0)comente



80 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6