O Cavaleiro de Bronze

O Cavaleiro de Bronze Paullina Simons




Resenhas - O Cavaleiro de Bronze


44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Mariana 28/04/2019

O Cavaleiro de Bronze
Uma das minhas sagas preferidas!
As sequências não são tão boas quanto o primeiro livro e ao reler recentemente muita coisa me incomodou (como o machismo do Alexander). Engraçado como amuderemos e nossas opiniões mudam, ne?! Quando li pela primeira vez, anos atrás, não tinha levantado tantos questionamentos... mas enfim.
O livro se passa durante a Segunda Guerra em Leningrado - Russia, o que por si só já é bem interessante porque poucos livros abordam outros locais. A história é narrada pelo ponto de vista de Tatiane, que se apaixona pelo namorado da irmã. Tudo isso em meio a guerra, problemas familiares, fome, morte, frio, traições, fugas...
História intensa, são 4 livros ao todo, mas que vale a pena terminar p/ concluir essa looonga, as vezes repetitiva e irritante (rs), mas no fim das contas uma bonita história de amor!
Mariana 28/04/2019minha estante
Amadurecemos*


Geisa Kauana 18/08/2019minha estante
Adorei sua resenha! To querendo ler essa história há um tempo ja. Você poderia me informar a ordem certa dos livros?


Mariana 27/08/2019minha estante
Parte 1: Leningrado / Parte 2: O portão dourado / Parte 3: Tatiana & Alexander / Parte 4: The Summer Garden. O quarto livro não foi lançado no Brasil e não sei se será, mas a parte 3 já dá um final pra história :)


Geisa Kauana 27/08/2019minha estante
Muuuito obrigada!




Rubia 11/05/2018

Lindissimo....
Essa é daquelas histórias que vão ficar marcadas para sempre na minha memória, podem vir outros livros melhores, mas nunca substituirá o lugarzinho no meu coração desse aqui. Não tem como não amar esse casal, Tatiana é uma menina de 17 anos, que tem um coração maior que o mundo, só pensa nos outros e nunca em si, quando se apaixona pela primeira vez pelo Oficial do Exercito Russo Alexander ( o primeiro encontro deles é a coisa mais linda do mundo) ela percebe que precisa começar a pensar mais em si mesma.. Alexander não pode assumir esse romance por diversos motivos, mas em momento algum deixou de prestar ajuda para Tatiana e sua família, em um dos momentos mais horríveis da história, segunda guerra mundial, inverno em Leningrado. È chocante ler o que essas pessoas passaram na guerra, frio extremo e o minimo de comida... Esse é daqueles livros que te dão uma lição daquelas, de como reclamamos da vida sem motivo...uma das frases que mais gostei foi do avó da Tatia " a vida é tão imprevisível. É o que menos gosto dela, Se ao menos a vida fosse masi parecida com matemática" ....Enfim...leiam..só digo isso...
comentários(0)comente



Cris Paiva 29/03/2018

Uma recomendação de amiga é que você NÃO comece a ler antes de ter os três livros em mãos. Eu demorei uns 3 anos entre comprar o primeiro e o último livro (o precinho estava salgado e eu esperei umas promos boas), mas quando comecei devorei os livros rapidamente. Não dá para parar a leitura no meio da história e esperar até comprar o próximo. O desespero bate e você PRECISA saber o que vai acontecer com a Tatiana e o Alexander. Oh aflição dos diabos!!

O Cavaleiro de Bronze começa no dia da entrada da União Soviética na Segunda Guerra Mundial e a Tatiana tem o tarefa de pegar as economias da família e comprar todos os mantimentos possíveis para estocar no caso de ataque na guerra. Só que ela tem 16 anos e acha mais interessante tomar um sorvete no parque do que enfrentar filas imensas para comprar kolbassa (um tipo de linguiça calabresa). E ela está calmamente tomando o seu sorvete com o seu vestido francês brancos com flores vermelhas quando enxerga um soldado do outro lado da rua que não para de olhar para ela. É o Alexander, capitão do exército russo, que se apaixona à primeira vista pela Tatiana, e dessa maneira começa uma história de amor que vai passar por muito sofrimento e durar os três livros.
O Alexander a ajuda a conseguir os mantimentos que a família tanto precisa, no armazém do exército, mas infelizmente para isso, vai precisar apresentar Tatiana para o Dmitri, o pior melhor-amigo que alguém já teve a infelicidade de possuir. Eles a ajudam a levar as compras para casa, onde conhecem a família Metanova, inclusive a Dasha, irmã de Tatiana que já conhecia o Alexander e pensava que era namorada dele.
Alexander e Tatiana se veem então envolvidos em um triangulo amoroso, que a Tatiana não consegue romper, pois ao mesmo tempo que é apaixonada pelo capitão, ama profundamente a irmã e não consegue dizer a verdade e fazê-la infeliz. Junte a isso o cerco de Leningrado, as bombas, o racionamento, o trabalho exaustivo na montagem de tanques de guerra, a fome que cada dia mais corrói as entranhas, a morte rondando a tudo e a todos, canibalismo, e o assédio do escroque do Dmitri em cima da Tatia e você vai entender o porque dela não ter forçar para lutar pelo seu grande amor, o Shura (sim, a essa altura já ficamos íntimos e chamamos o Alexander de Shura e a Tatiana de Tatia).
O primeiro livro termina em uma parte agoniante, onde depois de quase um ano de cerco e de ter passado por todas as agruras possíveis e imagináveis, surge uma oportunidade única que a Tatiana agarra com suas últimas forças. Mas infelizmente esse ainda não é o final feliz pelo qual a gente torceu tanto, a história continua, e as desgraças não vão parar tão cedo.
comentários(0)comente



Lisa.Vieira 22/07/2017

Um cavalheiro de ouro
? R E S E N H A

?O CALALEIRO DE BRONZE
?Livro I - Leningrado
?Autora: Paullina Simons
?Editora Novo Século
?502 páginas

Oi amores, quero compartilhar com vocês as minhas impressões sobre o primeiro livro da saga O Cavaleiro de Bronze.

Ele é um romance histórico, com a Segunda Guerra Mundial como pano de fundo. A série toda vai se desenrolar durante esse período.

O tema principal é o romance entre Tatiana e Alexander, e todo o drama que eles vivem desde o primeiro momento em que se encontram.

Tatiana é uma jovem de 16 anos, a filha mais nova da família Metanova. Assim que a notícia de que a guerra irá estourar na União Soviética é anunciada, Tatiana é incumbida de conseguir mantimentos... Ela ainda não tem noção da atmosfera que se criará em torno dessa declaração de guerra e é com espanto que ela percebe que o caos mal está estabelecido. Ela vaga por Leningrado atrás dos mantimentos e é quando seu caminho se cruza com o soldado Alexander Belov.

O primeiro encontro do casal é a cena mais linda desse livro. A autora escreveu de uma forma quase mágica!

Alexander e Tatiana passam o restante do dia perambulando e se conhecendo e ele ajuda ela a conseguir o que precisa. Parece um sonho a forma como eles se encontraram. Mas quando Tatiana volta para casa acompanhada do soldado, uma bomba (metafórica) cai sobre eles. - Foi a primeira bomba de Leningrado!!

Não posso falar muito sobre o porque dessa mudança de ares, mas é dali em diante que o destino dos dois se torna complicado e eles percebem que o sentimento que estava brotando é impossível.

Mesmo com todos os impedimentos, Alexander não consegue se afastar de Tatiana e ela não tem forças para lutar contra o amor que se apodera de seu coração. É uma guerra perdida para os dois.

Cada olhar trocado, cada toque, respiração, diálogo... Tudo é precioso e muito lindo.

Além do romance, a autora descreve o drama que a guerra traz. Além de todo o pavor provocado pela violência, o racionamento de comida, a fome, as doenças, tudo o que de pior pode suceder nesse cenário, é contado através do martírio de Tatiana, sua família e amigos, e também por alguns vinlumbres do front, pelos relatos de Alexander.

Não posso deixar de falar de um personagem que me deixou absurdamente revoltada: Dimitri.
Esse é o antagonista do casal. Um lobo em pele de cordeiro. A autora realmente queria dificultar a vida de Alexander e Tatiana. Não bastava a família dela, a guerra... Não. Tinha que ter um inimigo escorregadio!
Odeio ele, mas não posso negar que é um ótimo personagem. Mexe muito com as emoções da gente.

Ao fim desse livro eu estava impactada por diversas razões; a escrita, o romance, o drama, os fatos históricos bem intrincados na narrativa, tudo impecável. O final é SURPREENDENTE e confesso que gostei muito do desfecho dado para uma personagem crucial do livro. Ela era o empecilho direto para a felicidade da Tatiana.

Eu recomendo essa série. Mas aviso que é uma montanha-russa de emoções... Vamos do amor ao ódio, da tristeza à felicidade, da angústia ao delírio. Prepare-se para adorar!

5 estrelas.
Nota 10.
Amo forte!

Facebook: Eu Li, vou te contar
Insta: @euli_voutecontar
comentários(0)comente



Nati Amend @livrosdanati 14/07/2017

O amor pode resistir a uma guerra?
Apaixonar-se pode ser simples. Pode ser leve. Às vezes, basta apenas um sorvete em uma tarde de verão. Era assim que deveria ter sido para a linda e inocente Tatiana, e o misterioso, mas valente soldado, Alexander. Essa resenha é para os que procuram um amor capaz de superar as maiores dificuldades da vida, sem desacreditar, sem perder forças, mesmo quando tudo o que se tem é apenas uma lembrança de quem você costumava ser.

Em “O Cavaleiro de Bronze” (que no Brasil conta com três livros reduzidos), Tatiana Metanova, de 17 anos, e sua família, dividem um pequeno cômodo na cidade de Leningrado (Rússia), onde trabalham e vivem em paz, mesmo com a proximidade da grande guerra. É neste cenário que os protagonistas se conhecem e descobrem um amor impossível. Alexander é, na verdade, o namorado secreto da irmã de Tatiana. Sim, temos um triângulo amoroso por aqui, o que não diminui em nada a beleza e a força desse amor. Mas essa história não é apenas um romance. É um relato de guerra.

Com a chegada do exército alemão a Leningrado, o caos toma conta das ruas e tem início o histórico cerco à cidade. Alexander é levado ao front e Tatiana enfrenta com sua família os horrores da guerra. A cada dia que passa, os suprimentos disponíveis aos moradores são reduzidos e o livro nos mostra como a vida dos personagens e dos cidadãos russos mudou para sempre. Somos atingidos por capítulos que retratam uma escassez e fome intermináveis, e presenciamos a luta diária pela sobrevivência. É impossível não se emocionar com essa narrativa, que em alguns momentos nos arranca lágrimas.

Para Tatiana, toda perda e sofrimento é superado pela sua incrível força de vontade em permanecer viva e reencontrar seu amor. Para Alexander, o único objetivo é manter sua amada a salvo. Um amor puro e capaz de iluminar a mais densa escuridão. Mas será que é capaz de vencer uma guerra?

site: https://www.instagram.com/livrosdanati/
comentários(0)comente



Ketlyn.Silva 08/04/2017

Tristeza...
Sabe aquele livro que você começa a ler e te prende pois isso aconteceu comigo muito triste você ver o sofrimento angústia a perda. É complicado você vê o que leva as pessoas ah se auto-destruir. A saga muito boa o enredo muito bom Admito que Admito que o final do livro me prendeu mais por que mostra a realidade consegui me transportar para aquele lugar lógico longe de mim estar naquele lugar naquela época mas incrível como a autora conseguiu passar a isso. Eu quis ler esse livro bem devagar e eu recomendo muito ele porque a história é magnífica.
comentários(0)comente



Roberta 17/02/2017

Um livro para perder o folego
Um livro lindo, arrebatador e surpreendente. Fala sobre a segunda guerra mundial,quando os nazistas entram na Russia. Dois jovens se apaixonam, ele soldado so exercito russo e ela uma estudante de uma família classe media. Tudo é deixado para trás e todos tem que se unir para poder sobreviver e guerra e ao inverno rigoroso. Recomendo muito, leiam, foi a melhor aula de Historia que ja tive na vida. Chorei, fiquei sem respirar e torci para que tudo desce certo, dentro das possibilidades dos personagens.
comentários(0)comente



Flávia 08/02/2017

A leitura proporcionada por Paulina, é talvez a melhor forma de viver a Segunda Guerra; de forma única, a autora consegue levar o leitor a vivenciar os dramas, os medos que as pessoas podem ter passado naqueles dias tão sombrios.

Alem do romance ímpar de Tatiana e Alexander, é possível conhecer um pouco do cerco da Cidade de Leningrado; como a cidade sobreviveu e como seus habitantes sofreram com escassez total.

É uma leitura envolvente, apaixonante, triste mas bela.

É o descobrimento do amor em meio a tanta dor. É a forma mais bela de superação através de todo o tudo de sofrimento.
comentários(0)comente



Edy Maddox 26/01/2017

NÃO SEI O QUE FALAR SÓ SENTIR
Esse livro despertou em mim sentimentos impares, este livro é tão singular, único, que é impossível descrever em palavras, só você lendo para saber.
Eu já terminei este livro faz algum tempo, mas não tava conseguindo fazer uma resenha por conta da minha ressaca literária. E ainda está sendo difícil falar sobre ele agora, pois ainda não li os outros que faltam e não sei como vai terminar e vejo que ainda tem muito choro pela frente, e é disso que eu gosto (sou masoquista kkjkkk), mas também tem felicidade. [...] Como é jovem e sem experiência Tatiana não conhece os horrores da guerra e nem sabe o que ela pode causar (mas ela vai descobrir logo),por isso ela está despreocupada e resolve comprar um sorvete e é agora que conhecemos nosso herói maravilhoso (*suspiros de uma pessoa totalmente apaixonada por esse homem*). Tatiana está sentada no ponto de ônibus comendo seu sorvete e quando ela olha para o outro lado da rua vê um soldado a observando e aí começa a nossa história que vai enfrentar várias coisas para enfim ficarem juntos. Eu amei tanto esse primeiro encontro deles, eu fiquei contando ele várias vezes para minha irmã, dizendo que nunca o crush ou oppa faz isso kkkkkkkkkk.
Tatiana e Alexander começam a conversar e você logo vê as faíscas saindo no ar, a química e a empatia entre eles é inevitável. Tatiana vê em Alexander um homem bonito e que é capaz de despertar nela sentimentos nunca sentido e por sua vez Alexander vê em Tatiana uma luz na sua vida escura e um balsamo para esquecer da guerra e dos horrores sofridos. Mas para viver esta história de amor eles iram enfrentar a família, a morte, fome, frio, entre outras coisas que você só irá descobrir se ler. Será possível um amor nascer na guerra? Num cenário de horror seria possível esse amor sobreviver? APENAS L E I A...

Quero falar que isso não é apenas uma história de amor entre dois jovens, mas também é uma história sobre família, os horrores da guerra, o crescimento forçado para enfrentar as situações da vida, força de vontade, a felicidade no meio da guerra, sobrevivência, nascimento de coisas bonitas e que ainda existe pessoas preocupadas com o outro mesmo com pouco para oferecer, mas também tem o egoísmo e todo o lado feio e mal do ser humano.
"Ela estava entrincheirada. Ela cavou uma trincheira chamada Alexander em torno de si, e não podia escapar. Tatiana vivia por aquela hora da noite com ele que a impulsionava para o futuro, e para os dolorosos sentimentos recém formados que ela não conseguia expressar nem compreender. Amigos caminhando ao luminoso anoitecer. Não havia mais nada que ela poderia ter dele, e não havia nada que ela desejasse mais dele além daquela hora ao final de seu longo dia, quando seu coração batia e sua respiração ficava mais curta e ela estava feliz."
link: http://www.primeiras-impressoes.com/2017/01/resenha-o-cavaleiro-de-bronze-parte-i-e.html
comentários(0)comente



Agnes 22/10/2016

Intocável. Inatíngivel.
Arrebatador! Nossa...Esse livro...Trouxe-me a uma realidade que eu nunca tinha sentido tão próxima, tão triste e miserável. Como somos abençoados por não temos a guerra ao nosso redor, por não passarmos fome e por não perdemos as pessoas que amamos por inanição!

Além de uma história de amor que supera todos os limites do possível, a narrativa desse livro leva-nos a Segunda Guerra Mundial. Viver em uma Leningrado (Rússia) prestes a passar por essa batalha e sentir como a família de Tatiana e Dasha irá passar por isso, mostra a vida de uma forma real, cruel, sem fantasias ou ilusões.

Nessa guerra nascerá um amor forte e ao mesmo tempo inatingível de Tatiana e Alexander...

Tatiasha..Ahh Tatiasha...Quantas vezes nós gostaríamos de encontrar o amor de nossas vidas, assim, somente com o olhar e como gostaríamos de ter a sua inocência:

"Era um dia perfeito. Por cinco minutos não havia guerra e era simplesmente um domingo glorioso num junho de Leningrado.
Quando Tatiana tirou os olhos do sorvete, viu um soldado, que a observava do outro lado da rua."

E nesse encontro temos o soldado, Alexander Belov....Que homem! Um personagem tão imperfeito e ao mesmo tempo tão correto. Forte, decidido, amoroso...Que usa de toda a sua fé para sobreviver:

‘'Debaixo do seu quepe marrom-escuro, ele tinha cabelos pretos. A juventude e o cabelo preto o beneficiavam, Tatiana pensou, quando os olhos dela encontraram os dele, que eram cor de caramelo – um tom mais escuro que o sorvete dela. Eram olhos de um soldado? Eram olhos de um homem? Eram pacíficos e sorridentes."

A partir desse encontro, ambos entregam-se ao amor de uma forma muito singela, doce...Há apenas o toque das mãos, o roçar dos braços...Um amor puro, que nasce dos pequenos gestos:

"Por um momento ou dois, Tatiana e o soldado olharam um ao outro, mas foi um momento muito longo. Estranhos, olharam um ao outro fugazmente, antes de desviar os olhos. Tatiana sentiu que podia abrir a boca e pronunciar o nome dele. Ela desviou o olhar, sentindo-se insegura e cálida."

"Dessa vez eles sentaram juntos, Tatiana na janela, o soldado com seu braço fardado sobre a parte de trás do assento dela.
Era realmente impossível olhá-lo de tão perto. Não havia como se esconder dos seus olhos. Mas os seus olhos eram o que Tatiana mais queria ver."

Mas como na vida nem tudo são flores, esse casal passará por muitas tribulações, dúvidas, pois antes de conhecer Tatia, Alexander já saía com Dasha, irmã de Tatiana, gerando assim muitos sofrimentos e incertezas e transformando a vida de Tatia para sempre:

"Em algum lugar, naquelas semanas, Tatiana perdera sua inocência. A inocência da honestidade fora embora para sempre, pois ela sabia que teria que viver no engano, a cada dia em verso e prosa, fechada entre as quatro paredes, na mesma cama, a cada noite quando os seus pés tocassem os de Dasha, viveria no engano. Porque ela se apaixonou por ele. Mas o que Tatiana sentia por Alexander era verdadeiro.
O que Tatiana sentia por Alexander era imune aos reclamos da consciência.’'

Certa desse amor por Alexander, Tania vai amadurecer, crescer nessa trama de uma forma surpreendente.

O Cavaleiro de Bronze conta o ordinário escondido por detrás de cada cena familiar; mostra a verdade e as consequências das escolhas que fazemos; mostra como é difícil perder, porém é necessário para ganharmos. Nada vem fácil...

"– 'Homem louco, você – ela disse carinhosamente. – O que você fazia brigando comigo lá em Kirov, sabendo que tudo isto já nos espreitava.
– Vociferando contra a minha fé – disse Alexander. – É a única coisa que eu faço,
simplesmente me recuso a ser derrotado."

Por isso ele deve ser apreciado aos poucos...

Sinta-se convidado a viver de perto o verdadeiro poder do amor em meio a uma guerra sangrenta e impiedosa.
comentários(0)comente



Raquel 30/09/2016

Um amor que sobreviveu ao frio da guerra.
Diante de tantas recomendações insistentes, decidi comprar os dois primeiros livros que formam o volume 1 da saga "o cavaleiro de bronze". Estamos no ano de 1941, o dia é 22 de junho; a guerra é a grande protagonista do livro que interfere, fere e mata os homens. Enquanto uma notícia no rádio informa as manobras de Hitler sobre a infernal União Soviética comunista. Tatiana quer apenas viver sua normalidade. Encarregada pelo pai de comprar o máximo de mantimento para guardar, ela decide colocar seu melhor vestido branco com rosas vermelhas, presente de aniversário aos 14 anos e uma sandália de salto alto.

Tatiana Metanova é uma jovem prestes a completar dezessete anos, pequena, com sardas encantadoras e um cabelo louro; divide um pequeno cômodo com sua irmã mais velha Dasha, seu irmão gêmeo Pasha, seus pais e avós. Com um mundo próprio e uma inocência típica de uma criança, percorremos as brancas ruas impregnadas pelo desespero. Enquanto a realidade desmorona ao seu redor, Tatiana decide sentar em um banco e tomar seu sorvete de crème brûlèe. Do outro lado da rua, um soldado do exército vermelho patrulha a cidade naquele inverno que a história iria relatar como o inicio do cerco de Leningrado que duraria 900 dias.

Impetuosa como só as guerras podem ser, a fome, miséria, decadência, desespero, medo, morte seriam abundantes. Enquanto o mundo cai aos pedaços naquele fatídico dia, nasce um estória que emociona e acalenta o coração do mais exigente leitor.
Com um sorriso perfeito, o soldado perguntou:

-Qual seu nome? Tatiana – ela disse, notando a leve barba em seu rosto, as linhas agudas do seu nariz, as sobrancelhas negras, e a pequena cinza cicatriz na testa (...). Tatiana - ele repetiu em sua funda voz. –Tania, Taneschka? –Tania – ela respondeu e estendeu-lhe a mão. (...) – Sou Alexander- ele disse. (...) – Tatiana. Um nome tão russo. – Alexander, também – ela disse e abaixou os olhos. (p.47)

Ao se debruçar sobre essa saga, prepare seu espírito para suportar grandes provações, derramar algumas lágrimas, sentir ternura com algumas atitudes, indignada com outras tantas e raiva com outras mais. O jovem e atraente soldado de 23 anos, com o ar misterioso, que exala confiança é o protagonista que fisga a atenção do leitor desde a primeira aparição, sendo desnecessário mencionar que o mesmo acontece com Tatiana. Ao virarmos as páginas e descobrir os segredos que envolvem o passado e o presente dos personagens, o coração fica pequeno. Sob a ótica da realidade cruel não só com a Rússia comunista da época, mas com os jovens que precisam esconder do mundo seus sentimentos.

Sempre acreditei que no momento das piores provações o ser humano oferece aquilo que tem de melhor. Tatiana sempre foi a jovem protegida pela família, diferentemente da sua irmã egoísta e até certo ponto frívola; protegida nesse caso não é mimada, já que toda a atenção vai o único filho varão, Pasha. Tatia é doce, inocente, e tem uma qualidade que falta em muitas almas mesmo na bonança: Compaixão. Ela prefere derramar suas lágrimas ao invés de provocá-la em alguém, sobretudo se esse alguém for sua irmã. Sente-se destroçada por não poder declarar seus sentimentos, mas morreria de remorso se fosse o motivo de desunião da sua casa. Conhecemos Tatiana no banco tomando sorvete enquanto o mundo vira de pernas pro ar e pensamos: menina levante-se daí, o mundo está em guerra, corre!!! mas acompanhamos suas caminhadas na neve para buscar o pão nosso de cada dia porque sua família assim a designou. Compaixão principalmente quando observa seus amigos do telhado definhar porque a ração não tem sido suficiente e mesmo com a fome anestesiando todos os outros sentidos, permite-se dá um pouco de mingau de aveia a vizinha porque precisa alimentar seu filho, ou ainda apenas confortar. Tatiana é a calmaria nas grandes tempestades da vida, é a força reserva quando todos morrem aos poucos por subnutrição, doenças... Tatiana não desiste da vida; não desiste de ser humana enquanto Stalin tenta transformar os russos em animais.

A autora consegue inserir tão maravilhosamente o contexto histórico do período, que fui imediatamente transportada para as ruas de Leningrado. Sofremos porque o primeiro amor, aquele que é colorido e imaculado, é maculado pela improbabilidade de florescer, seja porque o belo soldado é a paixão da irmã, seja pela família tão ausente aos sofrimentos da filha abnegada em servi-los. Tatiana tentava aquecer os duros corações, mas não deixou que o seu fosse transformado em gelo. Embora bondosa como anjo, Tatiana desabrocha em meio ao sofrimento e torna-se uma grande mulher, forte, resistente como ferro; a guerra foi o grande ensinamento da vida, a couraça que faria da doce protagonista, uma guerreira de carapaça resistente. Alenxader é misterioso, o que por si só é afrodisíaco, protetor, atencioso, mas sua estória de vida muito contribui para que o leitor o acolha, mas confesso que cada vez que ele maltratava o coração da pequena Tania, senti vontade de batê-lo, gritar e pedir para parar com tanta estupidez. É sufocante aquele triângulo amoroso! Talvez a Dasha não tenha despertado minha sensibilidade totalmente, mas odiei cada abraço que ela deu, cada vez que ela pedia para Tania subir no telhado, não consegui querê-la como Tatiana a queria... Não podemos esquecer do Dimitri, aquele asqueroso manipulador.

Cada um daqueles personagens que habitam aquele cubículo comunitário vão desaparecendo e o sentimento de ambos vão crescendo. É triste ler sobre a guerra, assim como é lindo ver como o amor floresce em meio a morte. A primeira parte é encerrada com a saída de Tania e sua irmã de Leningrado com a ajuda de Alexander. Uma leitura sensível com um toque de crueldade do inicio ao fim. Leia, você provavelmente está perdendo uma grande estória!!!

comentários(0)comente



Bárbara 27/09/2016

Enrolado....
Qdo eu demoro a terminar um livro, sei que está faltando aquele tempero, aquele conflito e aquela emoção..... demorou demais no mesmo assunto. Enquanto lia, sentia saudade dos casais que amo e me tiram o fôlego ! São eles: Jesse e Ava ( agitados, envolventes) e com corações extras:: Grey e Anastácia ( Intensos!Envolventes!)!!!Amoooo!
Agora a Tatiana e o Alexandre São super do bem, mas.... não prendeu como outros.
comentários(0)comente



Renata 28/08/2016

O Cavaleiro de Bronze
Para quem ama histórias ambientadas na Segunda Gerra Mundial, este é sem dúvidas o melhor romance a se passar neste período de guerra. Os protagonistas são de longe o casal mais real e intenso já retratados em um livro.
O Cavaleiro de bronze irá nos descrever com exatidão, como o amor pode sobreviver ao maior dos horrores, onde o desespero, frio, fome e o medo, se abateram no implacável inverno no qual a cidade de Leningrado foi submetida durante o cerco alemão.
comentários(0)comente



Lorena 15/06/2016

Lindo, maravilhoso, triste além das palavras!
Provavelmente o livro mais triste que já li.
Guerra, frio, fome, morte...
Guerra, frio, fome, morte...
Guerra, frio, fome, morte...
Guerra, frio, fome, morte...
Tudo isso num nível crescente a cada página.
Guerra, frio, fome, morte...
Amor.
No meio do mais absurdo e desolador dos cenários.
Amor.
E uma família sangue suga. E um amigo parasita.
E uma doadora universal e um soldado de coração nobre.
Amor.
Guerra, frio, fome e morte.
comentários(0)comente



San... 19/02/2016

Como li os três volumes dessa trilogia, vou comentar como se fosse um único livro. Romance extenso, forte. Embora hajam momentos um tanto implausíveis, mas que tornam o enredo delicioso, mostrando um amor cheio de energia, de força, de coragem e abnegação, um amor de milagres, há neste romance muito de uma realidade amarga, inconcebível e ainda assim inegavelmente verdadeira, a da segunda grande guerra. Mostra uma União Soviética devastada pelo poderio militar da Alemanha nazista, dando uma dimensão nada irreal da miséria vivida pelo povo russo, de um lado massacrada pelos nazistas e de outro sendo conduzida com mãos de ferro por um regime político infernal.Para quem aprecia um bom romance, para aqueles cujo coração ainda busca os grandes amores cinematográficos, é uma obra prima, recomendo.
comentários(0)comente



44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3