O Sal da Vida

O Sal da Vida Françoise Héritier




Resenhas - O Sal da Vida


60 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4


Fernanda 29/11/2013

Resenha: O Sal da Vida
Resenha: “O Sal da Vida” possui uma leitura leve, e não é pela quantidade de páginas, mas sim pela sutileza da obra, com um texto surpreendente, enérgico e inspirador. O enredo trata com graça poética acerca da vida, do tempo e de como distribuímos as atividades de acordo com a importância atribuída. Faz com que o leitor reflita profundamente diante das indagações da autora.

Françoise Héritier deixa claro diversos pontos que podem justificar – e muito bem – a vida que é bem aproveitada. Como se fosse uma lista ela narra as atividades que valem a pena ser vívidas novamente, nem que seja um momento breve ou mesmo insignificante.

LEIA A RESENHA COMPLETA NO BLOG:

site: http://www.segredosemlivros.com/2013/11/resenha-o-sal-da-vida-francoise.html
comentários(0)comente



Meici 08/04/2021

Esse livro traz uma reflexão sobre o que é importante na nossa vida. Mas não sobre objetivos e metas, mas aquelas pequenas coisas que vivenciamos no cotidiano que fazem a vida valer a pena, aquela brincadeira, aquele riso, aquela comida, aqueles momentos que ficam marcados sempre na nossa memória.
comentários(0)comente



Fran Ferreira 25/06/2020

Confuso e cansativo.
Eu realmente achei que o livro me mostraria grandes facetas pra vida, mesmo sendo os exemplos vividos pela autora, porém foi uma leitura que a maioria das coisas, eu teria que ter vivido em tal época pra sentir (sei que é pessoal). Em vários momentos tive que voltar parágrafos ou linhas pra entender o sentido, isso foi cansativo, sem contar a forma constante da leitura, em alguns momentos não sabia se era uma nova perspectiva de como a autora viveu o momento ou se era mais um adendo ao que ela estava contando, e nesses momentos, vinha a releitura do parágrafo ou linhas.
Comecei a ler, quando chegou na pág. 22 eu desisti e no outro dia com mais rock voltei a ler, e fui lendo de forma homeopática pra não cansar e mesmo assim, me cansei, li em apenas 1 dia.
Entendi o motivo de Françoise ter escritos os postais, o que ela queria que o amigo entendesse sobre si e a forma de como estava levando a vida, mas não rolou, não fluiu, talvez se na hora de lançar o livro tivesse separado os "exemplos", o livro se tornasse mais fácil de compreender.
Este é um livro leve que busca através das experiências pessoais da autora, fazer com o cada um de nós encontre nos momentos de nossa história, tanto bons quanto ruins, os feixes que nos formam.
Eu gostei de várias citações sobre filmes e afins, esses eu vou pesquisar mais e vou fazer a minha lista (aliás, me perdi com algumas palavras vindas antes ou depois dessas citações, a editora poderia ter colocado um glossário, mas enfim).
comentários(0)comente



Lolo 20/04/2020

Li pela segunda vez e é um dos meus livros favoritos. Vejo como um escape para quando você precisa se lembrar do sentido da vida. É sensacional!
comentários(0)comente



Rafa 25/10/2013

Resenha - O Sal da Vida - Françoise Héritier
O Sal da Vida nos apresenta em forma de prosa e poesia o sentido da vida, o que é tão magnífico fazer sem medo de errar, o que fazer para ser mais feliz do que se é... nesta pequena obra da autora francesa Françoise Héritier, publicado pela Editora Valentina no Brasil, nos capta a achar o verdadeiro sentido da vida através dos pequenos detalhes outrora vivido na infância.

Não se trata de uma história e muito menos de um conto, se trata de uma lista imensa com todas as coisas possíveis e não possíveis que venha significar o Sal da Vida para a autora ou mesmo para nós, quer dizer, a mesma deixa bem claro no começo do livro que é uma imensa lista de com todos os ingredientes que gera o Sal da Vida, todos os desejos, anseios, medos, amores, ilusões... A vida simplesmente!

Chegará um momento que o leitor poderá ficar fatigado de tantos ítens que a autora não desanima em nos fazer conhecer... Alguns ítens eu fiquei preocupado, até porque são bem arriscados para se praticar, outros até desconhecidos, já que pela idade e experiência da autora, ela vai muito além do que o leitor imagina. Eu gostei do livro porque a "história em si" nos ajuda a querer fazer coisas que jamais imaginaríamos e não damos tanto valor assim nos dias de hoje, por usar uma voz imperativa, o leitor fica curioso pela experiência e acaba optando por fazer o mesmo. Há até uma lista em branco no final do livro para que o leitor responda para si: o que representa o Sal da Vida para você? Achei isso genial.

O Sal da Vida para mim é reviver os momentos que um dia foram hedonistas, é poder brincar na chuva e achar isso normal, é o mesmo que dirigir na mão esquerda mesmo que isso seja errado, o Sal da Vida para mim é curtir intensamente a vida, fazer memorizar cada momento, especialmente o presente em que vivemos, ou que queremos reviver...

Um livro rápido de se ler, dinâmico com várias e várias folhas de ideias para nos atiçar, você pode ler o começo, o meio, ou o fim do livro que dará no mesmo, isso é demais, geralmente livros assim a gente guarda para sempre na memória. O que aprendi com o livro foi que a vida sempre será maravilhosa, claro que temos as coisas chatas da vida também, mas porque não transformar essas coisas chatas em coisas boas, pensar sempre pelo lado positivo é o que transforma o Sal da Vida em realidade. Fantástico!
comentários(0)comente



Ju 12/02/2014

O Sal da Vida
Vou presumir que o que está escrito na apresentação do livro seja real para começar essa resenha, ok, gente? rs... Fiquei um pouco confusa pelo fato da autora dizer que o texto é uma "fantasia" (e as aspas são dela). Logo depois, diz que ele tem uma história, o que me faz acreditar que o próximo parágrafo corresponde ao que aconteceu de verdade.

A inspiração para escrever O Sal da Vida veio quando a Françoise recebeu um cartão-postal de uma pessoa muito querida para ela, que começava assim: "Uma semana roubada de férias na Escócia.". Isso a fez pensar sobre quem estava roubando o que de quem; afinal, o normal seria todos termos direito a um tempo de descanso... Ou não? Para demonstrar isso, ela começou a listar as coisas que seriam o sal de sua vida. Aquilo que faz esse mundo ter muito mais graça.

O livro apresenta grandes listas divididas por datas, escritas durante dois meses, em que a autora divide com a gente coisas que fizeram parte de sua vida e que a transformaram em quem ela é. Ela não cita apenas coisas boas, e sim coisas que ela considerou que mereciam ser listadas: "sensações, percepções, emoções, pequenos prazeres, grandes alegrias, às vezes profundas desilusões e mesmo dores".

"Eu quis ir atrás da força imperceptível que nos impulsiona e que nos define."

Amo essa capa!! *-* Acho que vou acabar tirando o título do livro de tanto passar a mão nas palavras, elas têm uma textura diferente, como se fosse um corretivo. Como se o sal da sua vida realmente tivesse o poder de modificar completamente seu jeito de viver e de ver as coisas. A diagramação, como sempre, está perfeita e com pequenos detalhes fofos. A fonte usada é de um tamanho super confortável. O livro é curto e pode ser lido em poucas horas, mas a gente passa muito tempo refletindo sobre ele depois.

site: http://entrepalcoselivros.blogspot.com/2014/02/resenha-valentina-o-sal-da-vida.html
Sarah 14/02/2014minha estante
Bacana a premissa desse livro. Lendo a sinopse achei muito no estilo "auto-ajuda", mas sua resenha me fez me interessar mais. A ideia é bem legal, fiquei pensando aqui o que representaria meu sal da vida... Também gostei bastante da capa. E adorei tudo que vc escreveu no blog que seria seu sal da vida!


Juh 14/02/2014minha estante
Olá Ju!
Eu fiquei super curiosa pra ler esse livro quando ele foi lançado, mas acabei enrolando porque tinha medo de ser chato pelo fato de contar um pouco o Sal da Vida autora. Mas sua resenha me chamou novamente a atenção, ele parece ser um livro bem profundo e reflexivo. Amei o seu texto, rsrs, muitas das coisas que você citou já aconteceu comigo e as vezes paro e fico meditando, porque só o tempo de infância da gente é incrível? Mas acredito que é pelo fato de a criança encontrar a felicidade nas simples coisas. Me lembro uma vez que eu queria um bolo de aniversário que a minha mãe fizesse e que eu a ajudasse... Resultado: comi tanta cobertura enquanto ela fazia que não provei um pedaço sequer do bolo depois e hoje eu me lembro que foi um dos momentos mais felizes da minha vida!!! Ansiosa pra ler essa obra prima!
Beijos!


Thaís 15/02/2014minha estante
Oi Ju! Apaixonei pelo texto que você escreveu, parabéns! Apesar de ser mais nova que você eu tive a oportunidade de conhecer esses "sais da vida" sem internet e tecnologia. Achei muito interessante o livro, a capa é linda, morrendo de vontade de ler.




Dani.Giardin 13/07/2020

Interessante
Achei fofo para dar de presente à alguém. É um livro que nós faz pensar nas pequenas coisas que fazem parte do dia a dia e transformam nossas vidas.
comentários(0)comente



Raffafust 21/10/2013

"O sal da vida"é um daqueles livros que se lê em um dia, na verdade em uma tarde, é um livro delicioso para aquele dia em que se acordou de mau humor, com raiva do mundo ou triste porque acha que a vida não tem nada de bacana!
Aí entra a história da antropóloga Françoise Héritier, ela em uma escrita com um amigo diz a ele tudo que lhe dá motivos para achar que a vida é bela sim, e ela então chama os de "sal da vida" todo momento que é inesquecível e que claro, ela gostaria de repetir muitas vezes.
Como um email de uma amiga próxima, ou um bate-papo descontraído com algum familiar próximo, a autora nos faz lembrar de algumas coisas que ela cita e amamos e de outras que ela não coloca na extensa listagem mas que para nós faz todo o sentido!
No final do livro - que é curto mas na medida certa para nos animar! - ela deixa espaço para que façamos nossa própria listagem informando o que é o Sal da nossa vida, e para fazer uma resenha diferente resolvi colocar aqui coisas que me deixam feliz e que são o sal da minha vida!
* Viajar para Atlanta
* Comer chocolate
* Beijar meu namorado
* Chegar do trabalho cansada e ver meus pais me esperando
* Ser elogiada no trabalho
* Apresentar um evento literário
* Fazer resenhas de livros e críticas de filme
* Ir ao cinema
* Receber livros em casa
* Comprar livros
* Ir a Bienal
* Ir a um show de uma banda que eu ame muito
* Ver qualquer filme om Johnny Depp e Jennifer Aniston
* Ouvir a voz de Ricardo Darín em um filme argentino
* Comprar roupas
* Entrar em uma calça que estava apertada
* Receber uma ligação de alguém que ame
* Sair com minhas amigas mesmo que seja para dar uma volta na livraria
* Sair magra na foto
* Ouvir "Eu te amo"do namorado
* Dizer "eu te amo"para o namorado
* Ter amigas que são quase irmãs
* Ter um amigo que é mais do que um irmão

Ufa! Essas foram as que lembrei e vocês?
Adorei esse livro
comentários(0)comente



Felipe Miranda 09/01/2014

O Sal da Vida - Françoise Héritier por Oh My Dog estol com Bigods
Quando a antropóloga Françoise Héritier percebe que um grande amigo está roubando a própria vida se dedicando apenas as múltiplas responsabilidades de um árduo trabalho, por mais prazeroso que ele possa ser, e passa a escamotear tudo aquilo que gera o sal da vida, ela adentra em um jogo de sentimentos.

Certo, mas o que seria o sal da vida? Nada mais, nada menos que tudo aquilo que dá sentido a nossa existência, tudo aquilo que nos dá prazer, que nos faz feliz, que faz a vida valer a pena. Que dotou nossa vida de experiências até o dia hoje, o agora. As coisas bobas, pequenas, os sons, os ruídos, um toque, um beijo, uma lição, uma desilusão, sabores, uma lágrima de felicidade, um cachorro-quente com um amigo, aquela viagem de férias, um livro, um animal, um olhar. Tudo aquilo que sentiríamos falta se desaparecesse para sempre de nossas vidas.

Diante dessa observação ela vai listar tudo aquilo que foi, está sendo e pode um dia ser o sal de sua vida. O livro não se trata de uma ficção, mas sim de uma lista de lembranças repleta de sensações e significados grandiosos, por mais que seja composta de pequenos gestos e detalhes. As últimas páginas no livro são linhas em branco, um espaço para listarmos nossos próprios sais. O próximo parágrafo está repleto de sais que deixam, deixaram e vão continuar deixando minha vida muito mais sensível e repleta de bons momentos. Observem que poderiam muito bem ser dois parágrafos... Sim, me empolguei.

As expressões únicas da minha vó e da minha mãe, o desabafo mais difícil da minha vida, um eu te amo recíproco, uma tequila, uma água de côco, uma bala de menta. Cheiros que associo a pessoas específicas, um desconhecido na rua, amigos de infância e lasanha. Descer o morro montado numa tábua a sabe-se lá quantos quilômetros de velocidade, fugir de porcos em aulas de educação física, quase fazer um gol sendo um verdadeiro perna de pau, não pensar em nada e pensar demais em tudo. Dormir no ônibus, reagir a assaltos, ter medo, assistir filmes de terror com luzes do quarto acesas, não saber nadar, não saber andar de bicicleta. Matar alguém de cócegas, sempre ter assunto, palavras que fogem. Aquele livro devorado em questão de horas, e aquele livro que procrastinei por dias também, muitos valeram a pena mesmo assim. As tardes de risadas e conversas jogadas fora com os amigos, aquele filme visto sozinho no cinema, por que as vezes ficar sozinho também é beneficente. Aquela música que me faz querer voltar anos no tempo, aquele abraço que nunca se repetirá. Aquela matéria torturante que passei com esforço, o primeiro beijo, o último beijo, o pior beijo, o melhor beijo. Uma lambida, uma mordida, um arrepio. Viajar pelo simples prazer de ver as paisagens passarem pela janela, sentindo o movimento da vida. Um sotaque gostoso, uma risada gostosa, um conselho que salva. Ter um blog, ter uma gaveta cheia de bugigangas que não servem para nada mas que não consigo me desfazer delas, é, qualquer espécie de despedida me dói. Ser um imã para cachorros, sempre mandar e-mails para a chefe com um poema em cada um deles. Odiar falar ao telefone, cantar alto durante o banho e sonhar, sonhar, sonhar!

O livro é grandioso, mesmo sendo maçante em alguns momentos, faz sentido em qualquer ordem ou circunstância. A lista interminável da autora está repleta de sais comuns a qualquer um e de sais próprios, íntimos. De fato, um lembrete para celebrarmos a vida, a nossa existência, o amor.

site: http://www.ohmydogestolcombigods.com/2013/11/resenha-o-sal-da-vida-francoise-heritier.html
comentários(0)comente



Blog MDL 10/05/2014

Recordar os acontecimentos de nossas vidas é uma forma de revivê-los uma e outra vez sem jamais esquecer as alegrias, as tristezas, os sorrisos, as lágrimas, o tempero que faz a nossa vida tão peculiar e que nos torna especial em meio a uma multidão. Com relatos de seus próprios momentos a antropóloga Françoise Héritier nos mostra através de “O Sal da Vida” que cada um de nós possui tesouros que pertencem somente a nós. Sempre evocando imagens, ela traz um quê de poesia em seu livro que nos encanta, diverte e que nos faz refletir e viajar. Sua ode a vida e a existência é uma encantadora forma de não se deixar abater pela correria do dia a dia e pela mesmice que nos ronda constantemente. Apesar de curto, é um livro rico que tocará de forma muito particular a cada um de seus leitores.

E como não poderia ser diferente, deixo aqui o meu próprio registro. Espero que vocês se animem e também deixem os seus.

O Sal da Vida para mim é... sentir o cheiro da chuva e ouvir o seu gotejar, relembrar aquela partida de futebol com amigos cuja língua você não conhecia e que aconteceu em um país longínquo com pés descalços tocando a grama, admirar a grandeza criada pelo seu arquiteto favorito, sorrir de antecipação toda vez que o carteiro chega, desbravar lugares inóspitos e perceber que todo o cansaço para chegar até ali valeu a pena, beber água quando se está com muita sede, iniciar uma conversa com alguém sobre livros e notar que ao fim você fez um monólogo, magoar-se diante das injustiças feitas, ter um humor terrível quando se é acordado e ainda está com sono, saborear um café fresco em um dia particularmente frio, comemorar cada etapa conquistada no processo de aprendizagem de um novo idioma, acariciar um livro só porque gostou da sua textura, gargalhar com a forma doce que seu cachorro tem de chamar a sua atenção.

... confortar-se com o abraço apertado da sua mãe, admirar a coragem do seu pai, amar as suas irmãs de forma incondicional e apreciar suas peculiaridades, fechar os olhos para não ver o precipício pela janela do seu lado do carro, notar que finalmente sua alma achou o seu lugar quando sentiu a carícia do vento em território espanhol, ter a sensação de frio no estômago com o decolar do avião por saber que uma nova aventura lhe aguarda, tentar decorar a letra de uma música que você gosta muito, apaixonar-se por uma cidade de arquitetura encantadora e de pessoas ainda mais encantadoras, conhecer pessoas que lhe completam, brincar com as crianças de uma amiga e ter vontade de ter seus próprios bebês, dançar até o sol raiar e passar todo o dia posterior sem conseguir levantar da cama com dores pelo corpo, deliciar-se com o sabor rico do chocolate nos dias de TPM, rir de piadas que ninguém entende, ficar desesperada com o número de coisas que estão querendo sair do seu armário e ainda assim querer aquele suéter de cor bonita que viu na vitrine.

E ainda... passar noites de insônia na companhia de um bom livro, amar com fervor o personagem de uma história fictícia, comemorar quando encontra as palavras certas para dizer ou escrever, preocupar-se com o seu futuro, mentalizar a casa dos seus sonhos e fazer projetos arquitetônicos que nunca ganharão forma real, dormir no sofá porque não teve coragem de se levantar para ir para o quarto, fechar os olhos ao sentir a brisa do mar em seu rosto, corar ao receber um olhar de admiração de alguém que você própria admira, saber de cor todas as letras de sua banda favorita, ter poucos e bons amigos, querer fazer uma tatuagem mas nunca ter coragem de fazê-la, conservar um cabelo comprido e invejável, apertar os olhos para enxergar alguma coisa em um ambiente muito claro, fechar um livro com a certeza que ele lhe proporcionou uma experiência memorável.

site: http://www.mundodoslivros.com/2014/04/resenha-o-sal-da-vida-por-francoise.html
comentários(0)comente



Ericka 28/08/2020

É um livro leve, que nos faz lembrar dos pequenos momentos cotidianos que compõem a vida.
comentários(0)comente



Amy 16/12/2013

Introdução

A leitura de Sal da Vida foi um sopro de saudosismo. O livro aborda grandes motivos pelo qual viver é incrível. A autora aos poucos vai comentando sobre passagens da sua vida e de momentos que a marcaram. Alguns deles são muito universais, confesso que muitos deles pratiquei e foram experiências ótimas.

Narrativa

O formato do livro é muito prosa. Em muitas das vezes senti aquele tom informal e gostoso de ser lido em momentos de descontração. O livro pode ser considerado também um ótimo guia de dicas para ser ainda mais feliz.

A narrativa não é a tradicional, não haverá uma história. Sim uma coletânea de frases de momentos que trazem prazer e alguns itens são bem engraçados. O livro dá vazão ao leitor ousar, viver com mais intensidade e aproveitar tudo com bons olhos. Ela tem ótimos argumentos.

O que achei ainda mais interessante, é que no final do livro, você há uma lista em branco, onde o leitor poderá responder a sua representação do Sal da Vida.

O dinamismo do livro é fascinante.

Acabei por fazer o meu, aqui vai um trecho:

“Adoro poder andar na chuva, andar descalça, ter um dia ruim e no final dele se dar conta que o dia pode ter sido ruim, mas jamais anulará as minhas conquistas, viajar para lugares onde jamais imaginaria estar, viajar para lugares por onde sonhou a vida inteira e se encantar com cada rua que passa, aprender novas línguas, fazer novos amigos, aprender algo novo, tornar alguém feliz, tornar muitas pessoas felizes, sentir o cheiro de chuva, sentir o cheio da sua flor favorita, receber cartas de amigos distantes, conhecer pessoas novas através de cartas, ter o seu dia mudado por alguém distante, conseguir um sorriso, conseguir enfrentar um desafio mesmo que esteja com muito medo do que possa acontecer, se superar em algo que jamais pensou em estar fazendo, dormir bastante, passear de bicicleta ao som de Amy Winehouse, correr no mar, nadar até que seus braços não tenham mais forças, ganhar uma partida de tênis, perder uma partida de tênis sem se sentir um perdedor, andar a cavalo, estar perto de quem se ama, esquecer que está longe quando fala com alguém importante, perder a noção do tempo …”

Diagramação

A diagramação do livro é um atrativo e tanto. Inicialmente fui fisgada pela excelente capa da Valentina.

Considerações Finais

É um dos livros mais interessantes que li. É um livro indicado naquele dia em que você acha que nada está certo. Que está cansado ou preocupado por algum motivo. É impossível não abrir um sorriso, mesmo que tímido com o que o livro proporciona. O livro nos lembra do que é importante, os detalhes. Os detalhes fazem a vida cada vez mais feliz.

site: http://il-macchiato.com/?p=8580
comentários(0)comente



ricardo_22 06/01/2014

Resenha para o blog Over Shock
O Sal da Vida, Françoise Héritier, tradução de Maria Alice A. de Sampaio Dória, 1ª edição, Rio de Janeiro-RJ: Valentina, 2013, 108 páginas.

Para alguns, a correria do dia a dia não compromete o relacionamento com pessoas e coisas ao redor, no entanto a grande maioria ainda se sente afetada e se esquece de que a vida possui uma simplicidade que nos acompanha constantemente. Por isso que em O Sal da Vida a autora mostra que existem infinitas coisas que dão sentido a nossa vida.

Em sua obra, best-seller em países como França e Itália, a famosa antropóloga Françoise Héritier leva ao leitor um relato simples e cativante sobre coisas que se tornam inesquecíveis ao longo de uma vida. O interessante é que, diferente do que podemos imaginar, a autora não se foca apenas na infância ou em momentos de lazer, por exemplo, mas mostra que até o inimaginável pode reservar momentos prazerosos.

Ao longo da obra, diversos acontecimentos e situações são mostrados como o sal da vida de Héritier, ou seja, aquilo que dá sentido a sua vida. Construir uma maquete ou até mesmo se perguntar onde estava antes do nascimento – e não apenas o que acontecerá após a morte – são exemplos do que fazem a vida da autora valer a pena.

Mas o que é escrito por ela não necessariamente é o sal apenas de sua vida, porque ao longo da leitura, o próprio leitor se identifica e percebe, mesmo vivendo uma realidade diferente e consequentemente com sentidos diferentes, que no fim todas as pessoas são iguais e por isso a essência da vida é a mesma. Ao mesmo tempo em que essa identificação acontece, o leitor busca também encontrar o sal da própria vida, em uma experiência de muita reflexão.

site: http://www.overshockblog.com.br/2014/01/resenha-205-o-sal-da-vida.html
comentários(0)comente



Hora da Leitura 23/05/2016

Resenha: O Sal da Vida
Existe uma forma de leveza e de graça no simples fato de existir, que vai além das ocupações, além dos sentimentos poderosos e dos engajamentos políticos. É sobre isso que este livro fala. Sobre esse pequeno plus que nos é dado a todos: “O Sal da Vida”. Nesta meditação, nesta espécie de poema em prosa em homenagem à vida, totalmente íntimo e sensorial, a renomada antropóloga Françoise Héritier vai atrás das pequenas coisas agradáveis (às vezes nem tanto) às quais aspira o mais profundo do nosso ser: as imagens e as emoções, os momentos marcados de recordações que dão sabor à vida, que a tornam mais rica e mais interessante do que muitas vezes acreditamos que ela seja, e que nada nem ninguém poderá nos tirar, nunca, jamais!

Olá pessoal, como vocês estão? Espero que bem:) Hoje eu to aqui pra poder indicar este livro nada convencional para vocês.

O Sal da Vida é um livro bem atípico, se você está esperando ler uma estória construída por personagens, fatos, eventos e qualquer outro tipo de características do mundo literário, mantenha-se longe; porém, se você quer sentir aquele quentinho no peito, com risadas de canto de boca e um sentimento forte de nostalgia, então esse é o livro pra você.

A autora é na verdade uma antropóloga e através de um cartão-postal recebido de um amigo no qual ele dizia estar “roubando uma semana de férias na Escócia” a fez pensar no que consiste a vida e os prazeres que pertencem a ela, esse foi o estopim para que Françoise escrevesse esse monólogo será que podemos chamar assim? com todos os detalhes que dão o sabor à sua própria vida e como esses pormenores a temperam e a tornam tão única para ela.

Um ponto ruim do livro para mim foi a eterna listagem de assuntos e a falta de comentários sobre eles, as situações são citadas e você corre os olhos por tudo aquilo sem de fato apreciar porque é tudo muito rápido; e o ponto positivo é que é uma leitura muito rápida e gostosa, quando você pensa que começou já está no fim, se estiver com vontade de ler, aconselho a ler devagar, leia um capítulo por dia ou simplesmente deixe-o ali para quando a vida não estiver tão maravilhosa assim e você precisar dar uma colorida nela.

Que tal ir no link abaixo terminar de ler a resenha e fazer um comentário??


site: https://horadaleituraa.wordpress.com/2016/04/13/resenha-o-sal-da-vida/
comentários(0)comente



Rafa 24/05/2015

Arrastando as Alpargatas
Eu confesso que quando comprei esse livro, tinha a ideia errada sobre ele. Achei que iria encontrar uma narrativa "normal", com uma história, personagens, enredo...

Só que não. Esse livro é, na verdade, uma carta que a autora escreveu para um conhecido. Esse conhecido, um médico, abdica de vários aspectos de sua vida em nome dos pacientes. Então, ela escreve para alertá-lo de tudo que ele está perdendo na vida.

Nessa carta, à medida que os dias vão passando, ela vai lembrando de aspectos que fazem a vida ser feliz: o sal da vida.

Então, a proposta do livro não é contar uma história. Mas propor uma reflexão sobre o que faz da vida, a vida. O que nos traz felicidade, como encontrá-la no dia-a-dia.

Depois de prevenida sobre essa proposta do livro, gostei bastante desse listão. É o tipo de livro que te deixa inspirado para procurar no cotidiano coisas que te deixem feliz. É ótimo para ler na virada do ano, quando estamos inspirados na "renovação" que o ano novo traz. Além de ser um livro curto, que você pode voltar sempre que sentir que precisa daquele empurrãozinho para continuar.

site: http://www.arrastandoasalpargatas.com
comentários(0)comente



60 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4