Sonhos Com Deuses e Monstros

Sonhos Com Deuses e Monstros Laini Taylor




Resenhas - Sonhos De Deuses e Monstros


64 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Queria Estar Lendo 10/02/2015

Resenha: Sonhos com Deuses e Monstros
Estou encontrando dificuldades físicas e emocionais para redigir a resenha a respeito desta perfeição literária que foi Sonhos com Deuses e Monstros. Quando eu fechei o livro, quando finalmente percebi que "acabou, não tem mais, adeus Karou e companhia" não sabia se chorava ou se chorava. Por isso eu chorei. Esta resenha vai estar cheia de quotes do livro porque eu acabei com os meus post it marcando trocentos deles, e cheia de surtos. Os spoilers estão controlados, mas é bom você ter lido os dois primeiros volumes para entender.

A trama do livro é muito complexa. Tipo, muito complexa mesmo. A gente não só segue as quimeras como os serafins rebeldes, uma nova personagem que tem um papel crucial nesse fechamento da história, Zuze e Mik, os humanos que acompanham Karou nessa jornada perigosa, Akiva, Liraz, Ziri, agora no corpo do Lobo Branco, liderando as quimeras sem que elas saibam que seu verdadeiro líder está morto. TOO MUCH, sério! Sem falar nos capítulos enigmas, que a Laini intrinca com o decorrer da história pra te dar as respostas lá no fim. Essa mulher é um gênio!

"Quantos segundos são necessários para se perder tudo que importa?"

Os anjos vieram a Terra e toda a humanidade vai ser abalada pelo descobrimento de sua existência - tal como a certeza de que onde existem anjos, existem feras, e eles estão em guerra.

"O anjo respirou fundo e fez uma pausa antes de concluir, dramaticamente:- As feras... estão vindo atrás de vocês.E, com isso, os tumultos começaram."

Nas 560 páginas de Sonhos com Deuses e Monstros, acompanhamos a tensão desse pré-conflito. Vemos Karou e os quimeras recebendo auxílio dos serafins rebeldes, os Ilegítimos, que seguem Akiva em sua luta contra o general serafim Jael. Conhecemos Eliza e sabemos pouco dela, com exceção de seus pesadelos envolvendo monstros e cataclismas. Acompanhamos a querida Zuzana e seu namorado Mik, dois humanos "comuns" em meio a guerra de monstros e anjos, e deus do céu, Akiva e Karou. MEU SHIP, MEU SHIP TÃO QUERIDO TÃO SOFREDOR TÃO DOLOROSO!

"Fogo vivo. Assim eram os olhos de Akiva ao encontrar os de Karou: um estopim que acendia o ar entre eles. Ele estava olhando para ela. E, por maior que fosse a distância a separá-los, por mais que as coisas se colocassem entre eles - quimeras, serafins, todos os vivos, todos os mortos -, aquele olhar parecia um toque. Como raios de sol."

Não há pontos a serem reclamados a respeito deste livro. A Laini construiu, desde o primeiro volume, uma trama bastante detalhada e complexa, mas que foi se estendendo e se explicando e se entrelaçando a novas tramas de tal maneira que tudo ali fez sentido. Tudo. Nenhuma ponta solta, nenhum trecho que foi usado sem ter importância; Laini Taylor começou e finalizou a sua trilogia como uma mestra. E deuses da luz, ela soube bem como terminar!

"Como era possível saber se os instintos eram só esperança disfarçada, e se a esperança era na verdade desespero travestido de possibilidade?"
Tudo se desenrolou de maneira equilibrada. O romance de Karou e Akiva, delineado por momentos fofos, momentos de dor e momentos de pura perfeição. I mean, a mulher consegue me descrever uma cena simples de tal maneira que eu me vi estendida no chão chorando igual um bebê! Como COMO ela consegue? Qual o seu segredo, Laini? Pra quem você vendeu a sua alma?! EU QUERO SER IGUAL VOCÊ QUANDO CRESCER!

Eu não consigo falar sobre Karou e Akiva, aliás. Tentei e tentei aqui, mas tudo que saiu foi ASJKBGUOAGBAUOSGAUO porque é o que eu sinto em relação a eles. Toda a dor, todo o passado de Madrigal que seguiu para a Karou, toda a aproximação depois de tanto distanciamento e de tanta agonia, eles são lindos. O amor deles é lindo. E eu quero chorar.

"Surgido da traição e do desespero, em meio a feras hostis, anjos invasores e uma farsa que parecia uma explosão iminente, ali estava, de alguma forma, o começo."

Zuzana e Mik foram um show a parte. Tal como Karou e Akiva eram dor e amor, o casal humano era humor e momentos adoráveis. A interação entre eles e a interação deles com as quimeras, com os serafins e com a guerra ao seu redor, foi tudo muito coerente e agradável, porque os dois são uns queridos! Too precious for this world.

E então temos a Liraz. AGORA EU VOU FALAR DA LIRAZ, LICENÇA. Minha rainha serafim mal humorada poderosa e mortífera que don't give a fuck pra ninguém mas que se importa e quer proteger todo mundo e que perdeu o irmão e está toda corroída por essa dor, enquanto tem que lidar com a guerra que se aproxima e o fato de serafins e quimeras não se darem bem, mas ela estar começando a gostar deles (especialmente de um, mas eu não posso citar porque spoiler). LIRAZ DONA DA BADASSIDADE MAIS BADASS QUE EU QUERIA PODER ABRAÇAR E DIZER QUE AMO FORTE, mas não posso porque se alguém abraça a Liraz ela faz em picadinhos. Mozão da minha vida!

"O pouco que ela sabia sobre sentimentos era mais do que suficiente, obrigada, mas... Bem, ela não ia sair por aí falando sobre isto, mas havia alguma coisa na porta boa daquela dor em seu coração que a fazia querer envolvê-la com as asas e protegê-la do frio."

Ziri, meu querido Ziri, Ziri sortudo e tão quebradinho e tão sozinho e perturbado. No corpo de outra quimera, lutando para que ninguém descubra a farsa. O último dos Kirim cujo corpo se encontra enterrado, mas a consciência não, a sua alma nunca. Ziri meu amorzinho, dentro do corpo do terrível Lobo Branco, guiando um batalhão para a guerra. Eu não consigo explicar o quanto esse menino me machucou, porque ele é todo amor e delicado e querido e pobrezinho e eu precisava abraçar ele e a Liraz e a Issa e a Karou e o Akiva e a Zuze e o Mik e TODO. MUNDO. Esse livro pisa nos seus sentimentos, na moral.

"Segundo as lendas, quimeras nascem de lágrimas, e serafins, de sangue, mas neste momento eles são, todos eles, filhos do pesar."

Sonhos com Deuses e Monstros foi o fim de uma trilogia repleta de amor, de todos os tipos dele, e coragem e alegrias e tristezas. Laini Taylor conquistou um lugar no meu coração desde "era uma vez um anjo e um demônio que se apaixonaram, e isso não acabou bem" e continuará ganhando com o passar das páginas e dos livros. Porque o "era uma vez" dessa história não tem final feliz, mas tem o começo de um final feliz.

"Duas vezes minha filha, minha alegria. Seu sonho é o meu sonho, e seu nome é verdadeiro. Você é toda a nossa esperança."

Link original da resenha: http://migre.me/oBs5T
Thaís 10/02/2015minha estante
não poderia concordar mais! esse livro acabou meu coração, mas amei, amei! ainda não li a versão em português, porém espero que a tradutora tenha conseguido manter toda a qualidade do texto de laini taylor, toda a poesia e os sentimentos que me tocaram profundamente.


Karinaheitch 06/03/2015minha estante
Amei o livro, mas não consigo concordar com um final daqueles. Spoiler. Alguém sabe se haverá tipo um spin-off pra finalizar a ultima batalha, ou uma nova trilogia no mesmo mundo de Eretz?


Bia 10/03/2015minha estante
Depois de terminar esse livro só ficando de baixo do meu cobertor que INFELIZMENTE eu não divido com o Akiva!


Mariane.Emerenciano 06/08/2015minha estante
Acabei de terminar, estou meio aerea ainda. Concordo com tudo e mto mais do que foi dito. Um livro NUNCA, nunca me fez chorar tanto como essa triologia. E a saudade? Fiquei o dia inteiro evitando ler para não ter que ver o fim. Me apeguei tanto em cada personagem, senti suas dores como se fossem as minhas. E Karou e Akiva, aaah meus queridos Karou e Akiva! Com quem irei passar as noites em claro agora ? Meu portal para Eretz foi fechado , só o que me resta agora são lágrimas e saudades.
Me diz como um livro pode ter esse poder de te esmagar ? As lágrimas não param de rolar.
Era uma vez uma garota que lera um livro por engano, e entrou no mundo com Quimeras e Serafins.
Era uma vez uma garota, que ficou sem chão quando seu portal fora fechado.
deuses da luz! O que será que Karou e Akiva estão fazendo nesse momento? :,(




Padronizado 31/01/2015

RESENHA: SONHOS COM DEUSES E MONSTROS - LAINI TAYLOR
Com o início do ano, ganhei um grande presente da Editora Intrínseca: Sonhos com Deuses e Monstros! Basicamente desde o lançamento de Feita de Fumaça e Osso, acompanho a história de Karou, Akiva, e mais uns milhares de personagens.
A história toda é uma guerra entre "anjos" e "demônios", sendo estes, respectivamente, Serafins e Quimeras. Quimeras são considerados demônios por terem uma aparência estranha, mistura de homem e animal. Mas, Karou sendo uma Quimera e Akiva sendo um Serafim, podemos ver os dois lados da moeda.
Nesse desfecho impressionante, os Quimeras e os Ilegítimos precisam se unir para lutar contra o Domínio e Jael. O livro conta com muitas reviravoltas e vários personagens novos.
Laini Taylor inovou muito na história, criou diversos casos, personagens muito bem construídos e uma história criativa, diferente e extremamente encantadora com a trilogia Feita de Fumaça e Osso. Afinal, como não se encantar pela beldade de cabelos azuis? E a beleza dos Serafins? E a estranheza dos Quimeras?
Não posso falar muito sobre a história de Sonhos com Deuses e Monstros, pois é muito fácil de dar spoiler sobre os outros livros e até sobre esse, mas posso afirmar que você não irá se arrepender, se gostou dos dois primeiros livros da trilogia.

site: http://blogpadronizado.blogspot.com.br/2015/01/resenha-sonhos-com-deuses-e-monstros.html
comentários(0)comente



Karinefl 05/02/2015

Era uma vez, um Anjo e um Demônio que levaram a mão ao coração e deram inicio ao apocalipse
Eu estava esperando por esse livro a mais de um ano e meio, não via a hora de lê-lo desde que li o seu antecessor (Dias de Sangue e Estrelas), e enquanto o lia fiz o possível para não termina-lo... Eu ainda não estava pronta para deixar a Karou e o Akiva irem embora, ainda não estou! Quanto tempo será que eu tenho que esperar para reler uma trilogia?

Após o exército de Jael ter vindo a terra para conseguir armas de fogo, quimeras e serafins unem-se contra um inimigo comum. Essa aliança é muito parecida com a paz que Karou e Akiva sonharam muitos anos antes, enquanto ela ainda era Madrigal e ele ainda não tinha o apelido de Ruína das Feras. Mas será que essa aliança será só militar, ou será que devido a proximidade erros consigam ser perdoados e os dois possam finalmente ficar juntos?

Essa trilogia me acompanhou durante todo ensino médio, no primeiro ano eu li Feita de Fumaça e Osso logo que foi lançado no final do ano, e fiquei na expectativa pro lançamento de Dias de Sangue e Estrelas, que saiu durante o segundo ano, no final também e aí eu fiquei doida pra chegar logo Sonhos com Deuses e Monstros que acabou sendo lançado só após eu terminar o ultimo ano do colégio, o terceirão. Acho que por ter sido assim, com o lançamento do ultimo livro da trilogia parece que uma etapa se encerra na minha vida, como se terminar de ler Sonhos com Deuses e Monstros fosse a única coisa que faltava para fechar essa época. Não sei se é assim que quem acompanha uma série desde o inicio se sente quando ela termina, já que essa foi a primeira que eu consegui fazer isso, desde o primeiro livro esperando o lançamento do próximo, correndo para a lista de lançamentos de setembro da Intrínseca assim que saia (porque sempre era em Setembro que era lançado, bem na época das minhas provas)... Vai deixar saudade.

Mesmo três livros após ter conhecido sua escrita, ainda me surpreendo com como a Laini consegue transformar uma história complexa em uma leitura tão simples. Na série Feita de Fumaça e Osso a criatividade da escritora é surpreendente, ela consegue misturar anjos e quimeras - criaturas que eu nunca vi em nenhuma outra história - criando uma trama tão rica que chega a ganhar ares de mitologia e de sonho. Nessa série de escrita poética narrada em terceira pessoa, mas sempre pelo ponto de vista de um personagem, temos uma história em que anjos estão em guerra contra quimeras (criaturas parte humana e parte animal, como esfinge),mas o grande diferencial dessa história é que não é o bem contra o mal, e sim mal e bem misturados, mostrando que a generalização não é certa.

No inicio eu amava a Karou, a personalidade dela, mas aí foi revelado que ela era a Madrigal e eu não conseguia casar as personalidades. No inicio de Dias de Sangue e Estrelas ela me decepcionou, porém conseguiu me reconquistar no final, já em Sonhos com Deuses e Monstros eu senti falta dos comentários irônicos e dos cortes memoráveis da Karou, ela ficou mais séria e parece que perdeu parte da sua personalidade de Karou, e ficou mais Madrigal. O Akiva continua o mesmo Anjo fora do padrão que dá vontade de me jogar nos braços dele, só que ele também está mais sério nesse livro. Na realidade, parece que todos os personagens estão mais sérios, tomando decisões mais objetivas, como se eles realmente estivessem sentindo o peso da guerra, o peso do futuro na mão deles. Também temos o aparecimento de uma nova personagem nesse livro, no inicio eu não via muito sentido para ela estar ali, era só desperdício de capitulo para mim, mas ela conseguiu provar a que veio e vários outros personagens também ganharam mais destaque e importância, deixaram de ser somente uma sombra e se tornaram partes ativas da história.

Conhecendo a Laini como eu conhecia, sabendo que ela não tem medo de não poupar os personagens e os nossos corações (lembram-se como ela matou o Kishmish? Ou esmagou o coração logo no primeiro livro com a morte do Brimstone?), eu estava muito preocupada com o final desse livro, estava morrendo de medo que ela fizesse algo que quebrasse o meu coração, sempre que estava tudo dando certo, eu esperava que algo ruim acontecesse, e a escritora ainda resolveu fazer varias gracinhas ao longo do livro. Perdi a conta de quantas vezes meu coração quase parou nesse livro, quantas vezes eu gritei "não" ou derramei uma lágrima no meu quarto.

Fiquei com a sensação de que o final poderia ter sido melhor, poderia ter tido mais ação no livro, mais reviravoltas, mas os acontecimentos foram compatíveis com a história, não tinha como ser diferente e também poderia ter sido bem pior, então não vou reclamar

Sonhos com Deuses e Monstros foi o ultimo livro de uma série incrível que merece ser lida e relida varias vezes, e que de tão fantástica e maravilhosa merece que sua adaptação saia do papel para que possamos finalmente ver o seu universo único.

P.S.: Eu acho que nunca existiu um livro com tanto nome estranho por cm² de página.

site: http://diariodeumablogeira.blogspot.com.br/2015/02/resenha-sonhos-com-deuses-e-monstros.html
Amélia 06/02/2015minha estante
Também amo a série e concordo que o final poderia ter sido melhor.




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Tuts 25/09/2015

Mágica não resolve tudo.
O último livro da série é lindo! Começa um pouco confuso, mas consegue prender mais do que seu antecessor. Porém o final é meio mortinho. Não há grandes batalhas descritas, o suspense acaba não sendo tão impactante assim, mas o final me ganhou completamente. Aquela mistura de "deu tudo certo" com "temos muita coisa pela frente". Leva 4 estrelas bem merecidas!
comentários(0)comente



Cássia 09/02/2015

Gostinho de saudade...
Após um final eletrizante em Dias de sangue e estrelas, em Sonhos com deuses e monstros podemos vivenciar o início de um possível apocalipse; uma guerra entre os mundos. Não estou exagerando, pois Jael decide visitar a Terra ao lado de seus seguidores a fim de abastecer-se de armas e suprimentos do tipo para exterminar qualquer "fera" presente em seu mundo.

Dadas às circunstâncias, Karou e o "Lobo Branco" (ou Ziri, como vimos no segundo livro) precisam agir rápido para que os sobreviventes sejam poupados. E felizmente o destino dá uma mãozinha para eles e Akiva e Liraz aparecem na casbá para juntarem forças e exterminar Jael - dessa forma, inimigos mortais se unem com um único propósito. Zuzana e Mik acabam se juntando ao grupo, na expectativa de ajudar Karou da melhor forma possível - nós bem sabemos o que nossa protagonista passou nos livros anteriores.

Quando finalmente chegam a Eretz, o grupo acaba buscando abrigo na antiga caverna dos Kirins, o que acarreta em uma explosão de sentimentos da parte de Karou e Ziri, já que são os únicos sobreviventes da raça. E é na caverna onde tudo acontece, onde os sentimentos se afloram e os diferentes se unem. Essa parte foi uma das que mais me emocionou na narrativa, já que a autora soube lidar com as diferenças e particularidades de cada personagem, mas criando um elo entre eles.

E é nesse clima de "a união faz a força" que Karou, "Lobo Branco", Akiva e Liraz bolam um plano para convencer Jael a deixar a Terra. Mas é claro que a história como um todo não iria girar APENAS em torno disso. Vocês bem conhecem a tia Laini Taylor, né? Ela tem o dom de brincar com as palavras e enganar nossos desemparados corações. Aquele "esquema" de idas e vindas nos capítulos, alterando algumas vezes os personagens e cenários ainda continua, e é isso que faz a história ficar interessante.

Diferente dos dois primeiros livros, nesse terceiro volume podemos conhecer um pouco mais sobre Liraz, seus medos e suas vontades. Gostei bastante do destaque a autora deu para a personagem em questão. Ela ainda era uma incógnita para mim, e felizmente pude me apegar a ela por conta de tudo o que descobri. Ziri (independente do corpo) também me surpreendeu muito. Apesar da encenação ao ser o Lobo, suas atitudes foram bem pensadas e graças a ele algumas coisas deram certo.

Não sei se isso aconteceu só comigo, mas senti que a autora tirou um pouco o foco do romance entre Akiva e Karou e apostou mais nos demais personagens. Isso foi um ponto chave na história. A narrativa ficou mais "natural" e dessa forma podemos conhecer novos personagens - essenciais para o desenrolar da trama - e os velhos ganharam o destaque merecido.

As pontas soltas relacionadas aos personagens finalmente são fechadas. E é tudo tão maravilhoso, tão encantador, que eu não sabia como me sentir ao descobrir determinadas coisas. Sabem aquela história que fala sobre um pote de ouro no fim do arco íris? Encontrei o meu ao terminar a leitura dessa trilogia.

Eu estava cheia de expectativas e minha ânsia pela história só aumentava. E o que fiz? Li o livro devagar, porque eu não queria que acabasse! Tinha esperanças sobre tantas coisas e quando finalmente cheguei ao final fiquei de queixo caído, porque tudo foi tão intenso e tão certo... A trilogia foi encerrada com chave de ouro, não tenho do que reclamar. Aliás, tenho sim: quero mais Karou e Akiva na minha vida, mais caça-tempestades, Eretz e mais Catedral de Brimstone. Feita de Fumaça e Osso tornou-se, sem dúvida alguma, uma das minhas trilogias favoritas. ♥

site: http://www.procurei-em-sonhos.com/2015/02/resenha-sonhos-com-deuses-e-monstros.html
comentários(0)comente



Carol 27/01/2016

ELETRIZANTE...
No primeiro livro somos apresentados ao mundo quimera e aos anjos, a Karou e seus cabelos azuis e a Akiva e seu ódio, (vejam a resenha desse livro AQUI) e com aquele final desesperador. Fiquei completamente apaixonada pelo segundo livro e pela promessa de vingança da nossa deusa quimera, por todas as reviravoltas do livro, apaixonada por Ziri Sorturdo, (leiam a resenha dele AQUI) então era ÓBVIO que estava super ansiosa para ler o encerramento dessa fantasia.

O último livro da trilogia "Feita de fumaça e osso" chegou no começo de 2015 às livrarias e chegou com tudo. Temos um desfecho eletrizante do início ao fim. Em alguns momentos acontecem algumas coisas um pouco clichê, mas o clichê faz bem à alma. Sempre fez.

Karou e Akiva se unem para derrubar o líder dos Serafins. Karou e o Lobo Branco lideram os quimeras, Ziri traz bondade ao corpo que carrega tanto sangue nas mãos; enquanto Akiva e Liraz lideram os anjos.

Acho impossível não se apaixonar por Ziri, impossível não torcer por Liraz, apesar de ter aquele começo difícil de engolir, a mudança que ela foi tendo ao longo da trilogia é emocionante. Também gosto muito de Zuze e Mik, eles são extremamente carismáticos. Sou meio rancorosa quando se trata de literatura e acho que por esse motivo nunca consegui me apaixonar completamente por Akiva hahaha, por outro lado, sou completamente apaixonada por Ziri Sortudo e ao ato de abnegação que teve no final do segundo livro.

O crescimento dos personagens é notável e a escrita de Taylor nos mostra como todos os personagens possuem importância em sua história. Outra coisa que adoro na escrita dela é aquele suspense, que só é revelado ao final do livro.

A capa do livro é linda e, mais uma vez, a Editora Intrínseca caprichou na diagramação.

Confesso que eu gostei MUITO do livro, mas não foi o meu preferido da trilogia. Ele é MUITO bom, mas AMEI o segundo "Dias de sangue e estrelas". Indico a fantasia, ainda mais para quem quer se aventuras em dois mundos tão distintos quanto anjos e demônios.

site: http://nossaressacaliteraria.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Lanny 13/01/2016

Akiva é vida, Akiva é amor...
Se alguém leu minha resenha do segundo livro, sabe o tanto que eu reclamei da Karou, que tinha essa... divindade aos pés dela e se apegava a rancores tolos e falsos pretextos para não ficar com ele. Uma coisa que eu gostei é que ela assumiu os erros dela e pediu perdão por eles. É raro os autores colocarem seus personagens para assumirem suas falhas. Muitas vezes li personagens que fizeram e aconteceram e ainda no fim se acharam justificados em fazer as coisas que fizeram ainda recebendo pedidos de desculpas, quando deveriam ser aqueles pedindo perdão, então ver algo "certo" para variar foi bom.

A única coisa que me incomodou foi a necessidade da autora de manter o casal "junto porém separado" e depois "separado porém junto", não entendo essa incapacidade que alguns autores tem de criar uma história de amor em que o casal fique "junto", enfrentando as dificuldade, crescendo, amadurecendo "juntos". Por que esse "padrão" de "Eles se conhecem, se amam, boom tragédia, eles se separam e só vão ficar juntos lá no fim do livro"? É revigorante quando encontro livros que quebram esse padrão para um de "Eles se conhecem, se amam, boom tragédia, e eles enfrentam tudo juntos."

Uma boa série, mas que não me agarrou pelo coração pelo simples fato de Karou não "fazer por merecer Akiva", enquanto ele lutava contra tudo e contra todos para estar com ela, ela "sabotava" todas as tentativas dele por medo, vergonha, remorso e sabe-se Deus mais lá o que. E assim não me prende, mas definitivamente uma boa leitura que eu vou recomendar sempre.
comentários(0)comente



Blog PL 03/02/2015

Viciante, genial e muito bem escrito!
Veja um trecho da resenha abaixo. PARA LER A RESENHA COMPLETA, ACESSE:
http://palaciodelivros.blogspot.com.br/2015/02/resenha-sonhos-com-deuses-e-monstros.html

O lançamento da conclusão da trilogia Fumaça e Osso foi esperado por mim por diversos meses. Minha ansiosidade pelo terceiro livro da série, assim como minhas expectativas, estavam altíssimas (e como não, após o incrível final do segundo livro?!). Posso dizer, felizmente, que todas minhas expectativas foram supridas — e, na realidade, até mesmo superadas.
Não é de hoje que eu elogio a criatividade e originalidade de Laini Taylor. Acredito que qualquer um que tenha realizado a leitura dessa série concordará comigo; e, se não, isso é por ainda não ter lido "Sonhos com Deuses e Monstros". Dessa vez, a autora leva a complexidade da história a um nível totalmente diferente, explorando de modo inédito cada resquício da história de todos os seus personagens — sim, todos os personagens recorrentes tem algo importantíssimo a contribuir! — e, mais uma vez, impressionando o leitor com sua capacidade de arquitetação.
Como os volumes anteriores, a narração é feita em terceira pessoa, com o foco principal em Karou e Akiva — o qual tem uma participação maior, assim como em Dias de Sangue e Estrelas —, mas também mostrando a história sobre o ponto de vista de diversos outros personagens. Isso, como sempre, contribui em transmitir uma visão mais ampla e concreta sobre todos os acontecimentos da história, e nos deixar a a par do que acontece em diversos lugares; tanto na Terra, quanto em Eretz.
É notável o fato de que a esse livro é sobre decisões e crenças. Dessa vez, os personagens sabem que as chances de sua vitória, e, consequentemente, de sua sobrevivência, são escassas, é que precisam se apoiar nas oportunidades que encontram para tentar lutar. Não é fácil para nenhum dos lados esquecer mágoas do passado e o ódio secular que os cerca, mas a esperança de um mundo melhor é a única coisa na qual eles podem se agarrar.
[...]
Trata-se, mais uma vez, de uma obra envolvente e profunda, que deixa o leitor preso à atmosfera que descreve. Não há como não nos sentirmos nervosos com o ambiente de tensão e batalha iminente que cerca a trama, assim como é inevitável sentir a possibilidade de esperança e mudança. Essa transmissão de sentimentos é apenas uma das coisas que tornam Sonhos com Deuses e Monstros um livro viciante, e uma leitura extremamente rápida, apesar da razoável quantidade de páginas.
Sobre os personagens, é clara a mudança pela qual todos passaram, assim como seu amadurecimento. Lembro-me de comentar na resenha do livro anterior sobre como Karou estava quebrada e quase irreconhecível devido aos traumas pelos quais passou; dessa vez, contudo, a personagem volta a ser ela mesma — indo, na realidade, muito além disso. Ela não é mais apenas Karou, a jovem humana que perdeu a família de monstros, mas também é Madrigal, a quimera que amou o inimigo e sonhou, ao seu lado, sobre um mundo melhor. Finalmente vemos que Karou conseguiu juntar suas duas vidas e moldá-las para ser quem ela desejava ser, e isso é libertador.
[...]
Nesse volume, segredos do passado são revelados, origens são descobertas e a história vai muito além da de Karou, Akiva, e a guerra secular existente entre as duas espécies. Muito disso é mostrado, é claro, mas é extasiante como Taylor soube levar tudo a um nível jamais visto, e, pessoalmente, jamais esperado. Os motivos ocultos e o funcionamento de coisas jamais citadas na série são descobertas, e só posso afirmar o quão abismada e impressionada estou com essa trama, que entrou, sem dúvidas, para minhas lista de favoritos.
Vou sentir falta da história de Karou e Akiva (♥), mas fiquei extremamente satisfeita com o final escolhido pela autora, tanto em relação ao desenvolvimento e encerramento dos fatos, como em relação ao romance entre os protagonistas — apesar de que, confesso, gostaria de ter visto um pouco mais sobre relacionamento dos dois!
Por fim, afirmo que não poderia estar mais feliz com a série como um todo, e que a trilogia Fumaça e Osso fica, com honras, entre as minhas prediletas. Mal posso esperar por mais livros da Laini Taylor, uma autora que me deixou embascada com sua habilidade, e recomendo a série à qualquer bom fã de fantasia e romance.

Resenha por Gabrieli Prates
Blog Palácio de Livros - http://palaciodelivros.blogspot.com

site: http://palaciodelivros.blogspot.com.br/2015/02/resenha-sonhos-com-deuses-e-monstros.html
comentários(0)comente



Yasmin 17/04/2015

Final incrível para uma trilogia surpreendente
Desde o primeiro livro fiquei impressionada com a história e o universo construído por Laini Taylor, por isso a espera por este terceiro livro era mais do que pela simples conclusão, era pelos personagens fascinantes que ela construiu, pelo mundo que a cada capítulo nos trazia uma surpresa. Em Sonhos Com Deuses e Monstros temos o ápice da trama, mas também muitas revelações e novidades que deixarão qualquer leitor querendo que Laini volte ao mundo seu fascinante universo de quimeras e anjos. Conheçam a trilogia e o emocionante desfecho.

Karou para todos era só uma estudante de arte com cabelos azuis e que vivia em Praga ao lado de amigos, mas por trás ela viajava o mundo em busca de dentes e sempre tinha desejos que podia usar. O mundo de Karou vira de cabeça quando ela conhece Akiva, um anjo que estava tentando matá-la. Karou descobre a verdade sobre si, sobre as quimeras, sua outra vida como Madrigal e com Akiva, sua morte e seu renascer. Karou é jogada para a realidade de um mundo em guerra, onde quimeras e anjos travam uma luta incansável e de preços altíssimos. Tudo o que ela e Akiva queriam era a paz, era pensar em um futuro onde quimeras e anjos pudessem coexistir, mas isso é uma missão praticamente impossível, até agora. Quando Jael, o imperador dos anjos chega a Terra arrebatando milhares de humanos, deixando todos maravilhados com seu batalhão de anjos no Vaticano, Karou e Akiva sabe que precisam agir, sabem que precisam unir o exército de quimeras aos Ilegítimos, o batalhão mais feroz dos anjos que ficou ao lado de Akiva. Correndo contra o tempo enquanto veem Jael conquistar os humanos com sua lábia ferina Karou precisa aumentar o exército dos quimeras, Akiva manter seus irmãos calmos e juntos talvez podem vencer Jael, que está atrás de armas potentes com os humanos e é questão de tempo até conseguir. No meio disso tudo Karou guarda um segredo que pode ser trágico para as quimeras e Akiva descobre ser dono de poderes estranhos e incontroláveis. Tão perto e ao mesmo tempo tão distantes, os dois trabalham junto contra o relógio em busca de salvar não só a humanidade, como a si próprios e o futuro que tanto desejaram.

Esse é o ponto de partida da trama deste terceiro e último livro da trilogia. Não quis falar das outras pontas da trama para não estragar a surpresa, mas Laini Taylor construiu uma bela tapeçaria, que encaixa cada pequeno detalhe, dos já conhecidos aos novos em sua trama. A narrativa alterna pontos de vistas importantes da trama sendo os de Karou e Akiva os mais frequentes e capítulo a capítulo somos surpreendidos pelas voltas e rumos que a trama toma. Depois do primeiro livro emocionante, do segundo livro cheio de cenários incríveis e trama intrigante não sabia o que esperar e Laini me surpreendeu mais uma vez, com belas descrições, uma sutil tensão marcada de tristeza entre Akiva e Karou e claro muitas tramas que vieram completar o que já foi dito e finalizar a trilogia com chave de ouro.

De personagens fica difícil citar os que se destacaram mais, claro Karou e Akiva, que em cada cena eletrizava o leitor, e Zuzana e Mik, que foram mais do que alívio cômico, uma ótima dupla de amigos para Karou. Liraz, que me surpreendeu demais nesse desfecho e ainda Eliza que foi um mistério bem resolvido. Laini Taylor amarrou tudo, deixando o leitor apaixonado e suspirando pelo fim de sua história. Não sou de me apegar a casais e a torcer, e essa coisa toda, mas Karou e Akiva definitivamente é meu casal favorito, impossível não ficar feliz com o fim e com o durante, afinal capítulo a capítulo adorei cada cena, cada diálogo, cada detalhe. Um fim para não esquecer.

Leitura rápida, fluída, instigante e marcante. Laini Taylor não é só uma contadora de histórias talentosa, mas uma escritora perspicaz que não caiu no comum. A edição da

Termine o último parágrafo em:

site: http://www.cultivandoaleitura.com.br/2015/04/resenha-sonhos-com-deuses-e-monstros.html


rosita 11/02/2015

Fantástico
Maravilhoso, fantástico, absolutamente criativo e inusitado! Se os outros dois livros já foram incríveis, este é o fecho ideal para coroar uma das melhores trilogias que já li!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Bia 07/05/2015

Resenha - Sonhos Com Deuses e Monstros
Estou chorando litros aqui! Não consigo aceitar que tenha acabado!
Essa trilogia foi uma das poucas melhores que já li. A narração é tão perfeita, rápida e... Te prende do inicio ao fim. Eu demorei bastante pra ler esse livro por causa do medo de acabá-lo rápido demais (afinal é o último livro), e eu queria saborear cada palavra! Também demorei bastante pra escrever a resenha e poder posta-lá aqui no blog, porque eu sempre pensava: ainda não estou pronta para aceitar o fim! Hahaha.

As páginas são amarelas, a fonte é um pouco pequena, e a capa é super top! Têm 84 capítulos e um Epílogo, em alguns momentos no livro aparece uma pena e uma frase contando uma parte de uma historinha, há certos capítulos que tem apenas uma página.

Karou continua no seu casulo de sofrimento e depressão, mas agora não está mais sozinha. Ela e uma certa alma de um Kirin guardão um segredo que pode ser a salvação para um futuro melhor. Ou pelo menos ela acha que esse segredo pode ser o primeiro passo para um futuro sem o foco da vingança e mortes que o Lobo Branco gostaria. Karou e Ziri estão juntos nesse segredo que pode ser o fim deles se descobrirem.
E agora que o Lobo Branco não está mais no caminho, quem sabe não será possível ter a esperança que Karou deixou de sentir?
Mas é claro que não são apenas Ziri e Karou que estão pensando em um futuro sem guerra e sangue. Akiva está determinado a tentar forma uma aliança entre os Ilegítimos e as Quimeras. Uma coisa muito impossível de acontecer. Mas ele está confiante, e acredita que “seu exército” pode acabar cedendo ao plano que Akiva tem em mente. Em um desespero para fazer Jael, o Imperador de Astrae, deixar a Terra e voltar para Eretz sem nenhuma arma.
Será que Karou e Akiva irão conseguir realizar a esperança que eles compartilhavam juntos há muito tempo perdida? Quireras e Serafins juntos pela mesma causa, lutando do mesmo lado?
Karou e Akiva ainda estão em conflito. Na verdade, Karou ainda está em conflito. Porque se fosse pelo Akiva eles já estariam juntos e tudo de ruim que há seria esquecido nem que por poucos segundos. Mas Karou é teimosa e muito orgulhosa, ainda continua a se distanciar de Akiva sendo incapaz de perdoá-lo.
Mas isso, felizmente não durará por muito tempo. Karou finalmente o perdoa deixando seu orgulho de lado e dando lugar a antiga esperança. Mas não fiquem tão felizes... Ela apenas o perdoou e isso não quer dizer que tenham voltado a ficarem juntos!
Karou se pergunta se isso será possível algum dia? Voltar a estar com Akiva, voltar a ter as esperanças que os dois criaram juntos. Mas no meio de tanta guerra, será que vão conseguir encontrar o caminho de volta para o amor?

Minha nossa! Não acho que conseguiria colocar em palavras tudo que sentir durante essa leitura maravilhosa, mas... Medo, angustia (principalmente), raiva, tristeza, surpresa, felicidade... Tudo isso e mais um pouco.

Karou continua a personagem perfeita, tirando as vezes em que ela incistia em ficar longe de Akiva, e um pouco engraçada. No primeiro livro vemos que Karou era uma personagem bem diferente depois de descobrir o que Akiva fez ao seu povo. Ela era alegre, divertida, e até mesmo feliz. A partir do segundo livro ela se fechou completamente para a alegria. Um casulo cheio de dor, angustias e muita tristeza pra dar e vender! No inicio do terceiro livro ela continua a ficar nesse casulo, mas aos poucos ele vai se quebrando até finalmente deixar de existir e revelar uma Karou perdidamente apaixonada um pouco mais alegre (apesar de ainda não ser a mesma alegria que ela tinha no primeiro livro).

Akiva continua sendo o caladão misterioso. Mas comparado ao primeiro livro, ele deixou de ser tão durão e passou a deixar de lado a mascara de sério que ele carregava no rosto. Ele se arrepende do que fez e começa e demonstrar isso a partir do finalzinho do primeiro livro, no segundo livros vemos como ele tenta consertar um pouco as coisa. E no terceiro ele está mais maduro, e começa a explorar um pouco mais esse poder misterioso que ele tem, mal sabe ele que isso seria um problema pra ele...

Zuzana e Mik... Como eu amo esses personagens! São umas figuras! Principalmente a neek-neek (Zuzana) que é como as Quimeras a apelidaram. Mik é um fofo e a voz da rasão, apesar de ele não ser nenhum pouco sério. Zuzana é uma palhaça durona, adoro cada comentário que ela faz! Gosto muito quando Karou está acompanhada de Zuzana, pois é quando Karou fica mais alegrinha e entra nas brincadeiras de Zuzana. Infelizmente ainda não li o conto que a autora criou sobre Zuzana e Mik, ele só tem em E-book e ainda não tive a oportunidade de comprar.

Ziri... Ziri Sortudo hahaha. Também amo demais esse personagem, a maior parte do livro ele não é exatamente o Ziri, a não ser quando ele está sozinho ou quando está somente acompanhado por Karou, nessas horas ele é ele mesmo... Senti falta de sua verdadeira personalidade, mas foi por uma boa causa toda a farsa... Quase no finalzinho do livro, finalmente ele volta a ser ele. Eu estou super mega feliz por ele ter encontrado alguém... Principalmente por ser... Essa certa pessoa (hahaha não irei da spoiler, mas quem já leu o livro sabe de que pessoa estou me referindo). Infelizmente não a muitos detalhes sobre o futuro dele ou como está o tal relacionamento (se é que realmente é, pois a autora não da muitos detalhes), eu gostaria muito que a autora pudesse criar um spi-off só pra Ziri e pra... Ela.

O ultimo livro é cheio de emoções do início ao fim. Foi uma das melhores trilogias com certeza! Entrou pra minha lista de favoritos! Realmente estou super triste pelo fim dessa maravilhosa trilogia. Ainda não bateu a fixa de que acabou... PORFAVOR EU PRECISO DE MAIS!
O final foi... Legal. Não foi os melhores, mas também não foi ruim ou pécimo. Eu queria poder saber mais de Karou e Akiva no final, assim como também queria saber do futuro dos outros personagens, como: Ziri, Zuzana, Mik e Liraz.

site: http://mysecretsbooks.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Manypok 28/04/2015

Meeeh...
Esse livro foi muito esperado por mim, de verdade. Criei muitas expectativas, sim, confesso, e sei que isso não é bom porque a gente tende a se decepcionar.
Me decepcionei?
Sim.
Infelizmente a Laini não me convenceu como nos outros livros.
Sonho com Deuses e Monstros é incompleto, com muitas pontas soltas, assim como no Feita de Fumaça e Osso mas sem a desculpa de tem mais livros pela frente.
O desfecho da história em si é lindo e mágico como toda a série, não esperava mais e nem menos. Mas o desenrolar foi muito enrolado (ironia?), ficava dando voltas desnecessárias e por fim, partes que poderiam ser mais desenvolvidas não foram.
O livro não é dos piores e a trilogia continua sendo uma das minhas favoritas da vida, mas esse não seria um livro da lista dos que eu recomendaria.
Três estrelas ^-^.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



64 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5