Um Plano Quase Perfeito

Um Plano Quase Perfeito Petra Hammesfahr




Resenhas - Um Plano Quase Perfeito


4 encontrados | exibindo 1 a 4


Mariana Eleutério 26/03/2019

Quando penso em livros de terror, é bem isso que me vem em mente...
Haha, que plano longe de ser perfeito.
Bom queridos, se tenho algo a dizer sobre esse livro é: Que bizarro. Que estranho. Que coisa.
Somos apresentados a Krestin, uma cabeleireira um tanto ambiciosa que tem a brilhante ideia de fazer seu namorado, cegamente pau mandado e alguns anos mais novo, se casar com a filha de uma de suas clientes - a única herdeira do pai milionário, e segundo o que acredita, moribundo. O plano é tão desastrado quanto parece e há um enorme porém: A jovem, Regine, está longe de ser comum. Clarividente, desde que nasceu mantém um laço estreito com o irmão natimorto - mas como bem sabemos, não é tão fácil interpretar tais dons.
Acredito que o lançamento original tenha sido em 2007, mas a ambientação e narrativa poderiam muito bem vir de um livro da década de 50. Me lembrou algo como "Menina má" ou "As duas vidas de Audrey Rose".
No mais, o começo do livro é um pouco arrastado, mas lá para metade é difícil não envolver. É tudo muito curioso.
comentários(0)comente



Ca Agulhari @literario_universo 18/03/2019

Macabro!
O plano de Kerstin tinha tudo pra dar certo: casar seu namorado com a filha do ricaço que estava pra morrer e com isso, enriquecer de uma hora pra outra! Richard faz tudo que Kerstin manda, com uma cegueira que chegou a me deixar nervosa! Regine é uma mulher sonhadora demais, diria ate ingênua a um ponto revoltante. Os personagens secundários, em especial "o gordo" são muito importantes pra trama, você verá! Contudo, o nome do livro diz, o plano é quase perfeito e o desenrolar da história foi, na minha opinião, macabro! Não digo que seja um livro de terror, mas sim um livro bem bizarro no sentido de contar com um pano de fundo no qual muita gente pode acreditar. Eu mesma, não desacredito não! Embora em alguns pontos eu tenha sentido a narrativa confusa, o livro como um todo foi bem construído no quesito coerência, ou seja, não ficamos sem respostas! Isso é bom, não? Se você tá procurando um livro pra ficar com o cabelo em pé e ficar rindo ao ver gente se ferrando, esse é o livro. Eu diria que o livro me ensinou que devemos ter muito cuidado com aquilo que desejamos!

Resenha originalmente postada no insta @literario_universo
comentários(0)comente



Lelê 23/12/2013

Resenha:
Surpreendentemente maluco!! Incrivelmente diferente!!




"A cabeça e o tronco da mulher formavam
uma massa sangrenta atravessada por
lascas de ossos. Carne moída, como
o legista comentou casualmente."
Pag. 11


O quote citado acima está no prólogo. Sim, o livro começa com um terrível assassinato. Richard foi pego, preso, mas alegando inocência o tempo todo. E então ele conta sua história.

"Um Plano Quase Perfeito" é narrado em terceira pessoa, pelo ponto de vista de todos os personagens.

Regine é filha única de um homem muito frio, ela o chama de "Papai Geada". A mãe faleceu no parto, junto com seu irmão gêmeo. Por mais incrível que pareça, Regine sempre manteve contato com o irmão morto.

Carla, a babá, sempre entendeu que Regine tivesse um amigo imaginário, já que a garotinha ficava horas e horas conversando com ele.

Tempo depois, Carla se casa com Papai Geada e passa a ser a madrasta da menina.

Carla gosta muito de Regine, cuida dela como uma mãe, e assim os anos vão passando.


"E, se uma mulher adulta aceitava conselhos
de um ser imaginário, do que se poderia
chamá-la? Normal é que não deveria ser."
Pag. 75


Carla costuma frequentar o mesmo salão de beleza. Sua cabeleireira Kerstin Riedke é uma mulher ambiciosa e sem escrúpulos, e vê na família de Carla sua chance de subir na vida.

Acontece que Carla tem um grave problema, não consegue manter a boca fechada. Passa tempo demais contando inverdades no salão, aumentando e inventando. Não sei qual o prazer que ela tinha em falar sobre presentes e viagens para sua cabeleireira.
Ela passava a imagem da mulher extremamente rica e prestes a ficar viúva. Isso mesmo, ela dizia que o marido sofria de uma doença grave e terminal.

Foi aí que Kerstin teve a brilhante ideia!

Bolou um plano. Convenceu seu namorado Richard a conquistar Regine, casar-se com ela, e depois que o pai da moça morresse, ele a mataria e os dois viveriam felizes para sempre. Fácil não? Não.


"Richard deveria pegá-la nos braços por
vontade própria, e não porque ela sentia
falta de um abraço ou de um beijo."
Pag. 295


Só depois de casado é que Richard começou a ver que nem tudo que Carla dizia para a cabeleireira era verdade. E só depois de casada é que Regine começou a enxergar Richard como um homem mentiroso.

E só depois de casados é que muitas verdades vieram à tona.

O livro como eu disse começa no final e depois vem contando todas as motivações de todos os envolvidos nesta trama.

Contando tudo praticamente passo a passo, dia após dia. Até o desfecho final.

E confesso que adorei o final!

A capa é perfeita! Muito sinistra, transmite perfeitamente o clima do livro. Páginas amareladas e fonte com tamanho e espaçamentos ótimos, dão o toque final nesta obra maravilhosa.

A autora é alemã, e no início demorei um pouco para me habituar a sua narrativa, não que seja complicada, só é diferente do que estou acostumada, mas depois fluiu muito bem e gostei dessa diferença. Sair do 'normal' e conhecer novos livros e novas narrativas é uma aventura que todos devemos fazer às vezes. Vale a pena!

Claro que recomendo a leitura!!

E não se esqueça: "O perigo está onde menos se espera".

site: http://topensandoemler.blogspot.com.br/2013/12/resenha-um-plano-quase-perfeito.html
comentários(0)comente



4 encontrados | exibindo 1 a 4