Assassin

Assassin's Creed: Bandeira Negra Oliver Bowden




Resenhas - Bandeira Negra


50 encontrados | exibindo 46 a 50
1 | 2 | 3 | 4


Ronnison 10/08/2014

Homem ao mar!
O livro em forma de diário (provavelmente de bordo) apresenta o cenário e sintua o leitor na cabeça de Edward Kenway, um jovem camponês de Bristol, na Inglaterra no termino século XIX. Edward carrega o nome dos Kenway, um nome honesto e honrado de comerciantes e criadores de ovelhas. Na modesta propriedade do pai que asprira que o filho herde e assuma os negócios da família como tem sido a tradição. Porém, Edward aspira uma vida mais luxuosa e com maiores possibilidades que a vida na fazenda lhe oferecem, suas fugas para as tabernas o acalmavam com mulheres libertinosas e dezenas de canecas de cerveja, juntando isso ao seu pavio curto e sua arrogância juvenil se tornou um imã de brigas e confusões que sempre acabavam com entrar em casa com alguns hematomas e receber boas broncas do pai. Seria um simples arruaceiro e brigão se não fosse um encontro inesperado Caroline Scott, a única filha de rico comerciante de ascendia na vida social e aristocrata. As qualidades, a personalidade e beleza de Caroline o instigam a mudar e se tornar uma "homem de qualidades".

Almejando um nível de vida melhor para si e sua amada, Edward ingressa na vida no mar como corsário a serviço da coroa inglesa em situações conturbadas e conflituosas na velha Bristol. Ele só não imaginavam quanto a busca pelos seus sonhos lhe custariam.

Após um conflito nas propriedades do pai que terminaram com o ódio de seu pai, as lágrimas de sua mãe e a marca em seu rosto deixada pelo golpe de um homem que usava um estranho anel, ver-se acordando desorientado em alto mar abordo do Emperor.

"Nada perturba mais a moral de um homem que o grito de um canhão."

Depois de aprender as obrigações e as necessidades básicas para trabalhar em um navio, é golpeado pelo destino que o faz ter que escolher entre continuar com a vida de de corsário ou levantar a bandeira da pirataria. E é ai que a aventura realmente começa, a batalha eterna entre Assassinos e Templários, a buscar por artefatos antigos de poder, fortunas escondidas, mortes e lugares históricos.

"O momento de maior tensão é a abordagem, demônios sangue nos olhos e dedos nervosos."

Agora farei algumas breves considerações sobre o livro em si.

Belíssimo acabamento editorial, os detalhes em alto relevo e reluzentes criam um efeito quase 3D na capa. A fonte escolhida lembra uma máquina datilográfica bem antiga. Até agora a apresentação está ótima e a história ainda é um mistério.

Texto incrível até aqui, linguagem rica em termos e vocabulário, a fluidez da narrativa em primeira pessoa mergulha a gente mesmo na história. O primeiro da série que leio no formato de diário, muito bom conferiu a obra um ponto forte e inovador.

Sendo franco, o jogo tem gráfico incríveis mais a imaginação boa mesmo fica com o livro. Ao contrário dos títulos anteriores, Oliver Bowden conseguiu uma narrativa que prende o leitor com informações, sentimento, dados históricos e o melhor de tudo, a boa e velha malandragem dos bucaneiros está muito presente no livro, dando a real ideia de que é preciso mais que uma faca, toca, tatuagens, botas é cicatrizes para ser um rufião dos mares. Ah, uma coisa sobre esses patifes de dentes amarelos, quando numa briga se você chama alguém de "bastado gordo". Ele entende!

É o primeiro livro da série que realmente está recheado de ação e espectativas do começo ao fim. Outros livros da série devo dizer, considero-os muito "lentos". Uma coisa que senti falta e seria muito útil seria os mapas da história no livro, coisa que aparece nos primeiros livros da série e aqui foi deixado de lado, onde justamente mais seria proveitoso.

Mas, apesar do pontos fortes, da ação e das inovações de Bowden é um livro que falha em seus desdobramentos, não sendo injusto com o livro nem os leitores (e olha que também finalizei o jogo) é um livro "bonzinho", razoável. Não posso dizer que recomendo à todos, mas à qualquer um fã de histórias no mar, Piratas do Caribe, batalhas navais e é claro, aos fãs do game, é indicadíssimo!

http://umfilosofonaweb.blogspot.com.br/

site: http://umfilosofonaweb.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



petter 21/06/2014

Extraordinário!!
Uma história tão intensa quanto as anteriores e muito bem bolada, envolvendo como sempre fatos históricos e personagens conhecidos de praticamente todas as pessoas, um dos melhores livros dessa série extraordinária, muita emoção, apreensão e um pouco de "tristeza", faz lembrar muito Piratas do Caribe te deixando mais e mais ansioso para saber o desenrolar da história, leitura obrigatória para os fãs.

site: http://s-e-n-t-e-n-c-e-d.tumblr.com/
comentários(0)comente



Aninha 05/04/2014

Assassin's Creed: Bandeira Negra
Assassin’s Creed: Bandeira Negra é o livro mais recente da saga de Oliver Bowden.

Edward Kenway – não dispensa uma briga, muito menos um copo de cerveja – é um daqueles que ninguém iria querer como inimigo.

Numa de suas brigas mais famosas (onde tentou salvar uma moça de um destino quase tão ruim quanto a morte), conheceu sua futura esposa. Essa briga também lhe proporcionou uma proposta de ofício como corsário – tempos depois.

Aceitando a proposta, sua esposa – Caroline Scott – voltou a morar com seu pai. Um homem rico que reprovava seu casamento.

Tempos depois, o capitão do navio onde Edward era corsário, resolveu tornar-se pirata para lucrar mais.

Resolveram roubar um navio onde o comandante era Edward Tatch (futuro Barba Negra). Depois do desentendimento, Tatch resolveu recrutar Edward Kenway para sua tripulação.

Muito tempo depois, houve uma guerra entre dois navios, e poucos sobreviveram.

Alguns fugiram, outros foram para uma ilha. Estes são: Edward Kenway e Duncan Walpole (que estava a beira da morte).

Quando Walpole morreu, Edward resolveu roubar suas vestimentas – e uma parte de sua vida. Pois, Walpole, estava prestes a trair seu Credo para fazer parte dos Templários.

Edward foi no lugar dele.

Em busca do Observatório, Edward descobre muitas coisas. A maior de suas descobertas é que seus grandes inimigos são os Templários, afinal.

Também conhece algumas piratas famosas por sua coragem – que também vão ajudá-lo. Tais quais: Anne Bonny e Mary Read (a verdadeira identidade de James Kidd – nessa aventura).

Edward, depois de vários anos como pirata e (praticamente) Assassino, conseguiu notoriedade. Corre atrás de seus inimigos – que escondiam- se de medo -, fazendo-os pagar por tudo de ruim que tinham feito à sua familia.

Informações

Páginas: 336

Editora: Galera Record

Categoria: Literatura Estrangeira/ Romance

Minha opinião sobre Assassin’s Creed: Bandeira Negra:

O livro é muito bacana, especialmente para quem gosta de livros de aventura e mistério. Sem falar em… piratas!

A leitura desse livro é bem fácil e simples.



site: http://aninhapsd.wordpress.com/
comentários(0)comente



Ramos 01/01/2014

Título: Assassin's Creed - Bandeira Negra
Autor: Oliver Bowden
Páginas: 336
Editora: Galera

"Eu estava sendo testado. Cada pergunta, cada desafio que me lançavam, tudo era uma tentativa de me obrigar a provar meu valor. Até agora, passei no teste. Não com louvor, mas passei" - Estas palavras estão gravadas na parte de trás da capa do livro.

Oliver Bowden vem se comprometendo a transcrever as tramas desta saga, ao longo dos anos em que a Ubisoft (empresa desenvolvedora de games) lança os games de Assassin's Creed. O que antes era apenas uma copia do jogo e seus detalhes, hoje, o autor se dedica a revelar a história de forma mais ampla, para que não se torne repetitivo a reprodução do enredo do jogo.

Os fatos extras que não são contados no game de fato se tornaram empolgantes a cada livro de Assassin's Creed, sendo assim a história dos personagens ganham mais origens e sentido. Nesta obra, você conhecera um corsário chamado Edward Kenway. O tipo de personagem o qual evitaríamos conhecer na vida real. Conhecedor de tabernas e de confusões alheias, Edward não despensa uma boa briga e quanto mesmo uma caneca de cerveja. O personagem é tido como carrancudo no inicio da história, simbolizando um homem problemático, mas com certa honra em tentar fazer o que é certo.

Seu romance com Caroline Scott o que é apresentável no começo do livro, não transpareci claramente no game, onde se passa apenas trechos de alguns curtos momentos ao lado de Caroline, o que mostra principalmente o motivo que o levou ao mar. Dar uma vida merecida a sua amada Caroline. O que Edward não esperava era esbarrar na Irmandade dos Assassinos. A qual ele desconhecia e pouco se importava.

O Fato de Kenway se encontrar com os Assassinos me pareceu bastante comum, pois acidentalmente ele acabou conhecendo o credo, o que poderia sim acontecer há qualquer um na história. Apesar deste episódio de Edward ser o mais longe que já se presenciou dos objetivos do Credo. É bastante compreensível o rumo que a saga adotou, sendo que os Assassinos Altair e Ezio, receberam quatro games e logicamente quatro livros, falando na integra sobre a Irmandade e suas crenças, seus objetivos. O fato de a Ubisoft querer dar uma desviada do assunto era para que o mesmo não se tornasse uma cadeia de histórias repetitivas, sendo assim dando lugar a uma intensa e bela aventura marítima.

Continuando o enredo do livro Bandeira Negra, Kenway acaba conhecendo personagens históricos que existiram durante a era de ouro da pirataria. Do temível Barba Negra, o demônio dos mares, a encantadora, mas perigosa Anne Bonny. Dentre muitos outros personagens.

Há história é narrada pelo próprio Edward Kenway, lembrando-se das aventuras e aflições que já viveu em seu trajeto. Pelo fato da narrativa ser dele, um personagem carrancudo e instável. Não se surpreenda com suas descrições nojentas ou de sua boca suja e sua língua solta.
Mesmo não falando tanto sobre o credo, a aventura em alto-mar é garantida, apesar de alguns capítulos serem curto demais, Oliver (o autor) resumiu bem as partes desnecessárias e já contidas no game, e procurando detalhar mais o fato que não apareci no mesmo, ou seja, ele se dedicou bem aos detalhes no inicio e no fim do livro, pois o desenvolver do conteúdo no meio da historia já é semelhante o suficiente com o jogo.

É isso, eu recomendo, quem é ligado apenas ao credo pode não gostar muito, mas se você tem opiniões mais suaves então não terá problemas com este livro ^^.
comentários(0)comente



50 encontrados | exibindo 46 a 50
1 | 2 | 3 | 4