Fausto

Fausto Goethe
Christopher Marlowe




Resenhas - Fausto


25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Coruja 15/03/2011

“Talvez a graça permita que algo de bom nos venha daquilo que foi criado pelo mal.”
De todos os trabalhos que fiz na faculdade de direito, aquele com que mais me diverti foi um trabalho de teoria dos contratos, e que tínhamos de analisar a questão dos contratos de adesão e cláusulas abusivas à luz do Fausto de Goethe.

Bem, a coisa começou mais ou menos assim: a professora passou uma lista de livros para a turma se dividir em grupos e trabalhar um daqueles. Inicialmente, iria haver sorteio dos livros, mas ninguém - absolutamente ninguém - queria pegar Goethe (que era o único livro de literatura da lista)...

Minto. Havia duas pessoas na sala que adorariam pegar Goethe, mesmo porque, ambas já tinham lido o livro. E as duas pessoas estavam no mesmo grupo. Entre eu e Davi, Guilherme e Carol não tiveram muita escolha.

E todos ficaram felizes da vida que Fausto não estaria no sorteio.

Fizemos a divisão do trabalho de forma que, a cada tema que começássemos, também se aresentasse um trecho da obra. De alguma forma que não sei explicar muito bem, misturamos Goethe com Confúncio, Shakespeare e Al Pacino em O Advogado do Diabo. Fizemos o contrato assinado e selado com "sangue" (e, ao final da apresentação, demos o pergaminho de presente para a professora).

Modéstia à parte, foi o melhor trabalho dos apresentados no ciclo de seminários. Até porque, em nenhuma outra das apresentações, estavam presentes Deus e o Diabo.

Quando dividimos a questão da pesquisa, eu fiquei com a introdução, para falar justamente da parte literária do trabalho. E, qual não foi minha surpresa ao descobrir que Fausto não era exatamente um personagem exclusivo de Goethe...

Por volta de 1540, morreu na Alemanha um mágico errante largamente conhecido à época chamado Jorge Faust, ou, simplesmente, Doutor Faust.

Fausto foi contemporâneo de outros magos conhecidos – tal como Paracelso e Agrippa, numa época em que o estudo da magia interessava aos acadêmicos, que se viam habitantes de um mundo governado por forças invisíveis. Sorte dele, pois, tivesse vivido um pouco mais, teria certamente sido alvo da perseguição empreendida pelos partidários de Lutero e pela própria Inquisição.

Foi Lutero, aliás, juntamente com seus seguidores, que acabou por demonizar a figura do mago, ligando-o a Satã e culpando o mestre infernal por sua morte. A idéia do contrato com data marcada, entretanto, só se tornaria conhecida em 1587, com a publicação do Faustbuch, em Frankfurt.

Essa primeira obra apresenta Mefistófeles (do grego Mefotófiles ou Me to fós files – “a luz não é amiga”, em clara contraposição a “Lúcifer”), um espírito demoníaco, que se compromete a servir a Fausto, obedecendo-o e conseguindo para ele tudo que este desejasse, respondendo todas as suas perguntas sem nunca faltar-lhe à verdade. Em troca, Fausto assinaria um documento dizendo que, após 24 anos de serviço, se todos os seus desejos tivessem sido satisfeitos, o diabo “poderá fazer de mim o que quiser, à sua maneira e conforme à sua vontade, apossar-se do meu corpo, alma, carne, sangue e bens”.

O Faustbuch constitui-se, entretanto, mais em uma comédia farsesca, explorando as situações pelas quais passa Fausto, envolvido pelas artes de Mefistófeles.

Foi depois de ter caído nas mãos do teatrólogo Cristopher Marlowe (contemporâneo de Shakespeare), que a obra ganhou, em 1592, a dimensão trágica que conhecemos hoje. Marlowe conseguiu desenvolver em sua peça os três pilares do mito: a excitação pelo conhecimento, o entusiasmo pela beleza terrena e a danação espiritual. Dois séculos depois, Goethe daria a história um significado ainda mais amplo.

À primeira cena de Marlowe, vamos encontrar Fausto debatendo-se sozinho em seu gabinete de estudo, avaliando todos os ramos do conhecimento com desalento. Começando pela lógica, ele logo se decide que tal ciência tem como finalidade apenas permitir “que se discorra bem” e ele não tem necessidade mais de estudá-la, pois já aprendeu a usá-la e, de qualquer maneira, ele crê que seu “gênio... requer algo maior”.

Avalia então a medicina e, como médico, vê que já alcançou a fama. Apesar disso, “és apenas um homem, Fausto”. De que lhe adianta a medicina, se não pode ressuscitar mortos ou ter a vida eterna? É então que ele se volta para a magia e, a partir daí, liga-se a Mefistófeles.

O Fausto de Goethe é diferente nesse aspecto. Vamos encontrá-lo primeiro passeando por entre as pessoas do povoado onde mora – estamos no meio de um festival e ele se compraz em ver as pessoas se divertindo; mas ele mesmo não se diverte. É um personagem respeitado e admirado por todos, mas permanece isolado em seu próprio mundo – é individualista ao extremo.

Quando Mefistófeles aparece para lhe propor o acordo (acordo esse que começou com uma aposta entre Deus e o Diabo, numa cena que muito lembra o livro de Jó, no Antigo Testamento), não é propriamente ao conhecimento que ele tenta em Fausto, mas à necessidade que este sente em se ver como um homem comum entre os outros:


> Não te é marcado nenhum limite, nenhuma finalidade. Se te agradar experimentar um pouco de tudo, apanhar em vôo o que vier, faz como entenderes. Vamos, liga-te a mim, não tenhas medo!

> Sabes bem que não se trata de divertimentos. Eu consagro-me ao tumulto, aos prazeres mais dolorosos, ao amor que sabe a ódio, à paz que sabe a desespero. O meu coração, curado do ardor da ciência, não ficará daqui em diante, fechado a qualquer dor. E o que é quinhão de toda a humanidade quero-o concentrar no mais fundo do meu ser; quero, pelo meu espírito, alcançar o que ela tem de mais elevado e mais secreto; quero acumular no meu coração todo o bem e todo o mal que ela contém, e inclinando-me como ela, quebrar-me da mesma forma.


O Fausto de Goethe vive em estado de mórbida insatisfação, no tédio de nunca encontrar o que quer que mitigue sua existência, na desesperança de sua vida como acadêmico. Nada jamais correspondeu às suas expectativas, suas esperanças em compreender o mundo se desvaneceram e tampouco chegou ele a conhecer alguma das alegrias normais da existência.

Destarte, diante da oferta de Mefistófeles, Fausto nada vê a perder. A aposta, então, está lançada.


> Não haja dó, não haja mora! E, se um dia eu disser ao momento que passa: “pára, és tão formoso!”, então me faz morrer ao teu contento, pois decerto morrerei bem venturoso. Que toques então o sino derradeiro; que tua obrigação comigo tenha fim; que a hora pare, que caia o ponteiro e que o Tempo termine para mim!


Ou seja... No dia em que alcançasse afinal algum gozo, sua alma estava entregue ao demônio. Goethe transformou o contrato com data certa de expiração, que aparecia em Faustbuch e A trágica história da Vida e da Morte do Doutor Fausto num prazo aparentemente infinito. Tanto é que, se nessas primeiras obras, Fausto não sobrevivia aos 24 anos acertados (e que, à época, era a idade canônica da maioridade, e não os nossos atuais 21 anos), enquanto o de Goethe chega até quase os cem.

Fausto assim, dispõe de sua vida mortal e de sua alma – que pagaria pela eternidade pelo contrato feito. E, com sangue, assina o contrato.

Outra obra que trabalha com essa temática é O Mercador de Veneza, de Shakespeare (um dos meus textos favoritos do bardo). Nessa peça, Antonio, mercador, amigo de Bassanio, um jovem nobre que muito já despendeu suas heranças, faz um contrato com Shylock, judeu e usurário. Para que Bassanio possa cortejar uma rica e formosa senhora, Antonio empresta dinheiro com Shylock, afirmando que, não pagando a dívida até a data aprazada, dará “uma libra de carne” ao seu credor.

Bassanio ainda reflete por algum instante se aquilo seria certo, mas Antonio garante que, muito antes do prazo se vencer, os navios mercantes que a ele pertenciam teriam voltado, e ele teria sua fortuna de volta. O que seriam, então, três mil ducados?

Por ironias do destino, enquanto Bassanio consegue conquistar a bela Pórcia, Antonio descobre que seus navios soçobraram em alto mar. Resta a ele então pedir clemência a Shylock, o mesmo que era chamado de cão e vilipendiado pelos amigos e pelo próprio Antonio por sua condição de judeu e usurário.

Shylock é irascível em sua vingança – sim, porque o contrato que firmara com Antonio nada mais era que uma forma velada de vingar-se. E, embora todos os amigos de Antonio, incluindo aí o próprio duque da cidade, tentem demover Shylock de cumprir o contrato, nenhum deles, por nem um único momento, pensa ser possível ir contra um compromisso tão formal quanto um contrato. E, com pesar, teriam entregado Antonio nas mãos de Shylock, não fosse a intervenção de Pórcia.

Aliás, toda essa idéia foi revisitada or Ariano Suassuna em O Auto da Compadecida.

Eis portanto a grande questão que nos coloca todas estas histórias (e qual a lógica de trabalhar tal tema numa cadeira de teoria dos contratos): seria justo permitir a execução de um contrato a tal ponto imoral?

A verdade é que não estamos tão longe da libra de carne prometida por Antonio a Shylock como garantia, ou da cessão de toda a sua pessoa e alma que Fausto faz a Mefistófeles. Tal ficção tem perfeita validade em nossa História: enquanto predominaram os princípios clássicos do contrato, um acordo para trabalhar em uma fábrica têxtil na Inglaterra do século XIX era como pactuar com o diabo.

Clara fica a malícia de Mefistófeles em Marlowe, quando da morte de Fausto:


> Oh, demônio feiticeiro, a tua tentação foi o que me privou da felicidade eterna.

> De bom grado eu o confesso, Fausto, e me congratulo. Quando tu estavas no caminho do Céu, fui eu quem te barrou a passagem; quando lias as escrituras, fui eu quem virou as páginas do livro e te desviou o olhar. O quê? Choras? É tarde! Desespera! Adeus! Tolo que ri na Terra há de chorar no Inferno.


O Mefistófeles de Goethe, entretanto, é quase humano. Muitas vezes, ao longo do texto, esquecemos de com quem estamos lidando, não à toa, visto ser ele, de acordo com Fausto, “o espírito que nega”.

Talvez seja por isso que, de todas as grandes obras que trataram do mito do pacto faustiano, apenas na de Goethe o fim termina em redenção para o triste doutor. Isso não acontece no Faustbuch, onde os membros de Fausto são encontrados no dia seguinte à sua noite derradeira; em Marlowe, onde os estudantes discípulos dele, escutam as horas de agonia do mestre, ou ainda, em Thomas Mann, que fez um Fausto músico, representando o pacto numa mulher de bordel, que avisa ao seu hóspede que tem uma doença venérea e, mesmo assim, ele deseja possuí-la e, em virtude do contágio, vem a morrer.

A verdade é que a redenção de Fausto não vem apenas do fato de ser Mefistófeles quase humano, mas de outras situações nas quais as duas partes do pacto se vêem envolvidas, em especial na parte primeira da peça, quando conhecemos Margarida.

Embora tenha começado com um desejo despertado pela luxúria, Fausto realmente se apaixona por Margarida. E é Margarida que há de salvar Fausto na cena final.

“Salvar nos é permitido a quem sozinho lutou”, respondem os anjos, que acompanham a moça, quando Mefistófeles tenta impor seu direito a alma de Fausto mostrando o contrato. E aqui se põe a verdade da posição de final do doutor – a aposta que Mefistófeles fez com Deus é que ele deveria levar Fausto ao seu caminho e, apesar do pacto, o demônio não consegue subverter a alma de seu devedor.

(resenha originalmente publicada em www.owlsroof.blogspot.com)
Kazeruta 28/12/2011minha estante
E um livro inspirador depois de ler varios livros obcecado pelo conhecimento(ou pelo menos mostrar que sabia mais do que os outros) como objetivo de vida, comecei a ler Goethe, foi um choque eu tambem não tinha tido nenhuma namorada até então,e o vi com Margarida é incrível ele sabia de tudo mais não sabia viver não conhecia o basico da vida era um ignorante.Depois disso passei a entender que o conhecimento não é uma motivo mas uma ferramenta para a vida.
é obvio que devemos levar em conta que é uma obra de ficção mas as reflexoes de Mefistófeles dão discussões que viram noites.Muito bom




Don Thiago 13/05/2010

Apesar de sombrio um tema para reflexão
Eu sou Mephistópheles. Mephistópheles, é o diabo. E todos vocês são Faustos. Faustos, os que vendem a alma ao diabo.
Tudo é vaidade neste mundo vão, tudo é tristeza, é pop, é nada. Quem acredita em sonhos é porque já tem a alma morta. O mal da vida cabe entre nossos braços e abraços.
Mas eu não sou o que vocês pensam. Eu não sou exatamente o que as Igrejas pensam. As Igrejas abominam-me. Deus me criou para que eu o imitasse de noite. Ele é o Sol, eu sou a Lua. A minha luz paira sobre tudo que é fútil: margens de rios, pântanos, sombras.
Quantas vezes vocês viram passar uma figura velada, rápida, figura que lhe darei toda felicidade. Figura que te beijaria indefinidamente. Era eu. Sou eu.
Eu sou aquele que sempre procuraste e nunca poderá achar. Os problemas que atormentam os Deuses.
Senhores, venham até mim, venham até mim, venham. Eu os deixarei em rodopios fascinantes, vivos nos castelos e nas trevas, e nas trevas vocês verão todo o esplendor.
De que adianta vocês viverem em casa como vocês vivem? De que adianta pagar as contas no fim do mês religiosamente, as contas de luz, gás, telefone, condomínio, IPTU?Todos vocês são Faustos. Venham, eu os arrastarei por uma vida bem selvagem através de uma rasa e vã mediocridade, que é o que vocês merecem.
As suas bem humanas insaciabilidade, terão lábios, manjares, bebidas.É difícil encontrar quem não queira vender sua alma ao diabo.
Joyce 31/01/2011minha estante
Venham, eu os arrastarei por uma vida bem selvagem através de uma rasa e vã mediocridade, que é o que vocês merecem. HAHAHAHAHAHA
Amei o final!!!!




Valério 28/11/2014

Épico
A luta entre o bem e o mal. Somente por isso, já me animei para a leitura.
Fausto, um sábio de seu tempo, em uma disputa entre Deus e o diabo para ver quem ganha a sua alma.
E toda a história contada em forma de poesia. E tão bem escrita, tão perfeitamente contada, que dá vontade de aprender alemão para ler em sua língua original (se já é bom em português, mesmo sabendo que poesia traduzida nunca reproduzirá o texto em toda sua grandeza original, sua musicalidade, suas figuras de linguagem e seu humor característico de cada língua).
Há trechos memoráveis, empolgantes.
Contudo, há que se ter já uma boa bagagem literária, eis que é uma leitura nem um pouco fácil. Muito pelo contrário. Exige um vocabulário vastíssimo e concentração. Só assim para extrair do livro toda a grandeza que o permeia.
Extasiante leitura.
Uma das grandes obras primas da literatura mundial, sem dúvida.

comentários(0)comente



Gláucia 04/12/2016

Fausto - J. W. Goethe
O tema é universal e seus personagens se tornaram simbólicos. Sem ter lido muita gente conhece a história do doutor Fausto que vendeu a alma ao demo Mefistófeles em troca de todo o conhecimento do mundo e juventude, ferrando de quebra a vida da jovem Margarida.
Li por essa edição da Martin Claret, numa famosa tradução de Agostinho D'Ornellas do século 19 e a primeira para a língua portuguesa.
O poema se divide em duas partes, a primera achei bem mais interessante e é onde temos praticamente toda a trama envolvendo os personagens. Na segunda parte há um encontro com várias figuras épicas da mitologia grega.
Tudo é muito interessante e icônico mas tenho grande problema em ler poesia (e aqui temos poesia pura, não texto poético). Quando percebo não estou mais centrada no texto e tenho que reler às vezes mais de duas vezes cada trecho. Sem falar que depois li um resumo da obra pra ver se tinha perdido muita coisa e fiquei surpresa em averiguar que sim, perdi e coisas importantíssimas na história, por exemplo um infanticídio e uma morte acidental causadas por Margarida. Isso me fez perceber minha grande incapacidade de assimilar e compreender poesia. Reli essas partes pois fiquei frustrada ao descobrir que passaram batidas. Teriam sido mesmo traduzidas por Ornellas?
Geórgea 05/12/2016minha estante
Também não me considero uma boa leitora de poesia. :( E acabo não insistindo muito no gênero por esse motivo. Logo, acabo não praticando também. A prosa é tão melhor, né?


Gláucia 05/12/2016minha estante
Muito melhor! Pra mim é como ver filmes musicais, por que não falam de uma forma normal ao invés de sair cantando do nada e por qualquer coisa?


Geórgea 06/12/2016minha estante
Hahaha! Concordo! Gosto de poucos musicais, em alguns a minha atenção vai para o espaço enquanto estão cantando! Gosto dos filmes que conseguem mesclar falas e músicas sem exagero nas músicas, assim facilita a compreensão.




leila.goncalves 15/07/2018

Entre A Luz E As Trevas
Fausto" é um poema dramático, escrito por Goethe (1749-1832) como peça de teatro, singularmente, feito para ser lido e não encenado.

Sua realização ocupou grande parte da vida do autor desde sua juventude até a velhice. Dividido em duas partes, a primeira foi publicada em 1808 e a segunda, logo após sua morte.

Nele, em busca do conhecimento e prestígio, Fausto vende sua alma a Mefistóteles, partindo numa trágica peregrinação que acaba por levá-lo a redenção através do amor.

Seu fio condutor é a luta entre a luz e as trevas, expondo a dualidade humana dilacerada entre o desejo de elevação espiritual e a atração pelos prazeres e bens terrenos.

Trata- se de um clássico da literatura alemã que o tempo não conseguiu apagar o interesse, mas que exige um leitor preparado, pois sua leitura necessita de concentração e um bom vocabulário.

Para finalizar, esse mesmo tema também foi explorado na literatura por Christopher Marlowe, Lawrence Durreil e Thomas Mann, três impecáveis sugestões de leitura, mas não deixe de ouvir a "Sinfonia Fausto" de Liszt.
comentários(0)comente



Marcelo Dakí 22/05/2016

Evitem a edição da Otto Pierre Editores!
A segunda parte de Fausto contida nessa edição não é o texto integral. Contém alguns trechos da obra original, mas na maior parte são apenas comentários do editor/tradutor. Menos de 20% do texto da segunda parte dessa edição foi escrito por Goethe D:
comentários(0)comente



Matheus 09/01/2013

Fausto foi o livro que mais me moldou. Tive o privilégio de lê-lo sob o teto do Goetheanum, obra arquitetônica de Rudolf Steiner, homem que foi guardião dos arquivos de Goethe e seu grande admirador. Steiner desenvolveu toda uma ciência humanística, a antroposofia, - que inclui pedagogia, arquitetura, agricultura, música, desenho e religião - a partir de Goethe, principalmente baseando-se na filosofia contida em Fausto, e tive o imenso prazer de ser educado em uma escola com a pedagogia criada a luz desta filosofia, a pedagogia Waldorf.

Cada página do livro é uma lição de vida ou uma ilustração da natureza humana. Fasto é a obra que melhor descreve o ser humano em sua essência, mostrando nossas tentações, nossos desejos de grandeza, nossos pecados e nossas conquistas. Toda o obra é brilhante. Já no prólogo percebe-se sua grandeza, mas há algo de especial no último ato da peça que faz com que seja impossível não rever sua filosofia de vida ao término do livro. Meu livro de cabeceira, Fausto tourou-se meu código moral. É uma das obras mais influentes no nosso tempo.
comentários(0)comente



Luciano Luíz 30/07/2015

É comum escritores se basearem em fatos históricos (ou seriam lendas em alguns casos) para dar vida a sua ficção. Usando de personagens que realmente existiram em algum século. Geralmente pessoas vivas ou mortas recentemente também entram nesse esquema.
Ao que tudo indica existiu um Dr. Fausto que vendeu a alma ao Demônio em troca de sabedoria, conhecimento profundo e tudo o mais que desejava...
Aí devido a essa história, diversos escritores ao longo do tempo foram criando suas versões faustianas. Mas a que se consolidou de maneira imortal, foi a de GOETHE.
FAUSTO é um poema épico em duas partes. Na primeira, vemos a relação do protagonista (e antagonista?!) com Mefistófeles, um dos muitos demônios. Nosso personagem faz seu acordo (ainda que de forma nada clara) e assim o cotidiano vai indo e nada vemos dele usar a tal sabedoria. Apaixona-se por uma bela moça, e então quer fazer de tudo para com ela viver. Assim pede ao diabinho que lhe dê uma força... e aí me pergunto onde foi parar o pacto...
Ela, Margarida, tem seus segredos, e por isso teme que não possa vir a ter um amor real. Seu irmão não gosta de Fausto logo a primeira vista e então um assassinato ocorre. Mais tarde Margarida é presa devido a maternidade e Fausto aparece junto na cela graças ao poder de Mefis...
Aí termina a parte um.
Depois temos uma quase nova saga, onde visitamos um palácio que de uma forma a dar a melhor interpretação, se oculta no Inferno, e lá, Fausto com seu amigo, está pronto a tecer uma guerra, onde conta até com o apoio de Helena de Troia.
Próximo do fim, três poderosos cavaleiros são convocados para lutar ao lado dos nossos heróis (vilões?!) contra todo aquele poderio...
Até que vemos Fausto velho, e os anjos arrebatando sua alma...
Finis...
Bem, O poema em verdade é uma peça teatral, com um teor de erudição extremo. Não é uma leitura fácil. Exige tempo e dedicação. Não com relação a dicionários, mas sim, a interpretação. A quantidade de informações que as entrelinhas ocultam são muitas, e dessa forma pode deixar leitores e leitoras bem ocupados.
Lembro que em 2009, eu estava indo ao Banco do Brasil, mas tinha uma fila enorme. Aí fui na livraria procurar algo que pudesse me levar pra longe do tédio da espera. Vi a edição de FAUSTO. Já ouvira falar, mas nunca me interessara de fato. Catei o pocket e me mandei pro banco. Mas de alguma forma, a leitura não fluiu com prazer naquele ano. E somente agora em 2015, o fascínio apareceu. Valeu o investimento e a espera na estante.

Nota: 10

L. L. Santos

site: https://www.facebook.com/pages/L-L-Santos/254579094626804?pnref=story
comentários(0)comente



leila.goncalves 15/07/2018

Entre A Luz E As Trevas
Fausto" é um poema dramático, escrito por Goethe (1749-1832) como peça de teatro, singularmente, feito para ser lido e não encenado.

Sua realização ocupou grande parte da vida do autor desde sua juventude até a velhice. Dividido em duas partes, a primeira foi publicada em 1808 e a segunda, logo após sua morte.

Nele, em busca do conhecimento e prestígio, Fausto vende sua alma a Mefistóteles, partindo numa trágica peregrinação que acaba por levá-lo a redenção através do amor.

Seu fio condutor é a luta entre a luz e as trevas, expondo a dualidade humana dilacerada entre o desejo de elevação espiritual e a atração pelos prazeres e bens terrenos.

Trata- se de um clássico da literatura alemã que o tempo não conseguiu apagar o interesse, mas que exige um leitor preparado, pois sua leitura necessita de concentração e um bom vocabulário.

Para finalizar, esse mesmo tema também foi explorado na literatura por Christopher Marlowe, Lawrence Durreil e Thomas Mann, três impecáveis sugestões de leitura, mas não deixe de ouvir a "Sinfonia Fausto" de Liszt.
comentários(0)comente



Valerie 29/07/2013

frustrante...
Sinceramente, muita gente idolatra esse livro e eu achei que iria gostar, até assisti a versão de Murnau, mas achei bem cansativa... e olha que eu gosto de filmes mudos, mas a versão não me cativou... pensei que ao ler o livro, a minha opinião mudaria, mas foi ainda pior. Goethe foi um dos maiores autores da literatura alemã e eu era louca pra ter a chance de ler as obras dele. Escolhi Fausto e Os sofrimentos do jovem Werther. A oportunidade de ler Fausto surgiu numa eletiva que paguei na faculdade, sobre História da literatura gótica e de horror do século XIX. Ganhei a versão da Martin Claret de um amigo meu, e tínhamos que ler pra resenhar e entregar a professora na semana seguinte... Não sei se a pressão de ter que ler em pouco tempo, resenhar e tentar entender obra tão complexa contribuiu pra aumentar minha frustração, mas a verdade é que pensei, pela 1ª vez na vida, em desistir no caminho. A história em verso me pareceu bastante confusa, cansativa e extenuante. Se fosse em prosa, talvez eu tivesse gostado, não sei... eu não tenho hábito de leitura em verso, e com Goethe, minha experiência foi bem insatisfatória.
Vanuza.Dias 19/11/2018minha estante
Também tive uma leitura frustrante da obra...




Fabio Vergara 23/03/2015

Dica de leitura: Fausto (Faust. Alemanha. 1775).
Sinopse: Num passeio, Fausto encontra um cão preto, que o segue até em casa; o cão se transforma em Mefistófeles.

Nota (0-10): 6.

Puxa, vou falar mal de uma das obras mais importantes do mundo... Então, começo justificando por que não simpatizei tanto com “Fausto”. Goethe satiriza a sociedade alemã de sua época, da qual eu não tenho nenhum conhecimento; e há muita influência de Shakespeare, autor que nunca li nada para entender tais referências. Nestes casos, a falha é minha! Mas há muitos pontos em que a continuidade do enredo é “estranha”. Como no “Quadro XIV”, em que Fausto questiona Mefistófeles, em um tom jamais anunciado. O texto sugere essa reviravolta, mas foi abrupto demais. Tais “quebras” narrativas ocorrem várias vezes. O enredo não é ruim, porém. O arrependimento do homem, que fez péssimas escolhas, é bem retratado. Mefistófeles ajuda; divertido, irônico, sagaz, é o personagem mais interessante. Não é a toa que “Fausto” é um clássico. Não gostei tanto, mas a obra tem méritos, e merece respeito.
comentários(0)comente



Erika Daniela 15/01/2017

Você faria um acordo com o Diabo na busca de uma felicidade suprema? Quando se fala de Fausto, logo se pensa nesse acordo. Mas a história não é só isso.
É conhecer o estudioso, sempre insatisfeito, que quer compreender o Universo. É acompanhar o amor juvenil de um homem já adulto. É torcer pelo desenrolar dos fatos e para que ele fuja das armadilhas de Mefistófeles. É um passeio pelo Império Romano, pela mitologia Grega, do Clássico ao Romantismo. É se deparar com a eterna insatisfação humana e essa busca desenfreada para satisfazê-la.
Um livro de muitas leituras e releituras.
Marta 15/01/2017minha estante
É outro encalhado?


Marta 15/01/2017minha estante
Nunca antes me senti entusiasmada com o Fausto. Mas confesso que seu comentário despertou a minha curiosidade.


Erika Daniela 15/01/2017minha estante
Pra falar a verdade esse livro tem minha idade. Ganhei uma coleção de clássicos quando nasci. Esse é um dos últimos a serem lidos. Acho que agora só falta O Vermelho e o Negro, de Stendhal


Marta 15/01/2017minha estante
Então o Desafio está ajudando a movimentar a estante.


Erika Daniela 15/01/2017minha estante
Sim :)




Lilian 01/07/2012

Divertidíssimo
comentários(0)comente



Braguinha 07/08/2014

Bom no teatro, péssimo na literatura
O diálogo entre Mefistófeles e seu cliente. O diabo querendo comprar uma alma. O livro não é atraente literariamente falando porque está todo esquematizado para teatro. É como ler o roteiro de uma peça.
comentários(0)comente



Literatura 19/10/2012

Aqui está o que talvez seja a maior obra literária já vista pela humanidade, trata-se do poema grandiosamente criado por Goethe. A história assustadora e encantadora de Fausto.

Eis aqui um trabalho árduo realizado por Goethe, pois o poema começou a ser trabalhado na juventude do autor, e teve sua primeira parte publicada em 1808. Porém, a segunda parte foi ao público após a morte do poeta. Uma obra onde o grande Goethe trabalhou durante toda a sua vida, não poderia ser menos do que um grande espetáculo.

O livro é todo em versos, contado como uma peça de teatro, apesar da primeira parte ser pequena, a segunda faz com que o livro seja grande. A linguagem é extremamente rebuscada, causando muito desconforto para os que não estão familiarizados com leituras tão antigas, podendo ser necessário o uso de dicionários regularmente durante toda a história. Apesar de difícil, ninguém deveria morrer sem antes ler.

O protagonista, um brilhante homem, dotado de um conhecimento vasto e admirado, o grande Dr. Henrique Fausto. Um homem inteligentíssimo, que desperta o respeito da comunidade em que vive, devido à sua mente incrível. Apesar disso, Fausto sente um enorme vazio, se sente pequeno, sente uma insatisfação terrível com a vida e com o tempo em que vive, achando que seus conhecimentos são poucos e que nada poderá suprir o seu vazio. Certo dia, um demônio aposta com Deus que pode conquistar a alma de Fausto, que até então é tido por Deus como um servo leal. O diabo em questão é Mefistófeles, uma criatura astuta e com um senso de humor único.

O diabo se apresenta e propõe um acordo, que o doutor aceita. Uma aposta que vale a alma de Fausto. Basta que Mefistófeles lhe dê conhecimento, prazeres e tudo o mais, até suprir dele o vazio, então, assim como o demônio serviu ao homem na terra, Fausto deverá servir ao diabo assim que passar para o outro lado.

Veja a resenha completa no site:
http://www.literaturadecabeca.com.br/2012/10/literatura-cult-fausto.html
comentários(0)comente



25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2