Carandiru

Carandiru Drauzio Varella




Resenhas - Estação Carandiru


115 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Su 15/07/2019

Estação Carandiru - Dráuzio Varella
N°20 - Estação Carandiru - @sitedrauziovarella Varella. Pelo amor de Deus, leiam esse livro. Se eu for escrever tudo o que eu queria sobre reflexões e sentimentos que essa obra proporciona, sobre as condições precárias dos agentes penitenciários desprezados pelo estado. O prédio construído na década de 20 degradado pelo tempo, com estruturas caindo, infiltrações e etc. As condições subalternas dos presidiários, suas histórias de vida sofridas, seus crimes horrendos. A visão da população carcerária sobre mulheres, que fazem doer o âmago, que aliás, dentro da cadeia são melhores tratadas do que fora dela. A disposição dos presos em auxiliar o doutor Drauzio em tudo o que precisava, desde cirurgias até organização e atendimento. O respeito e admiração que sentem por aqueles que voluntariam-se. Como ocorreu de fato a chacina em 92 no complexo nove do Carandiru. Se fosse para falar tudo que eu queria esse texto ficaria bem mais extenso. Um ensino de vida, de reflexão sobre o sistema carcerário, policiamento, política e afim, reforçando ainda mais meus conceitos e visões.
Leiam. Por favor.
Termino com duas frases: 1- na placa de cobre da sala da diretoria; "é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar na casa de detenção". 2° - Fala de um detento: No oito (pavilhão) cada qual carrega sua cruz, calado. O sofrimento dos anos de cadeia ensina o sentenciado a se trancar na própria solidão. É uma escola de sábios".

site: https://www.instagram.com/p/BnMgG7jBBsJ/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Edu 10/05/2019

Um livro humanizador
Antes de tudo é preciso destacar como a escrita de Dráuzio é boa. Um livro muito leve e muito bem escrito que te faz se sentir imerso no ambiente e não querer parar de ler. Dá pra ler em um dia tranquilamente, de tão envolvente que são as histórias.

Quanto ao conteúdo, talvez o principal ponto que me tocou foi a forma como Dráuzio retrata o que dá vida ao livro: as pessoas. Mais que presidiários ou bandidos, Dráuzio nos coloca de frente para pessoas de uma forma que poucas vezes estes são retratados. Não é um livro que defende bandidos ou que tenta minimizar seus erros, fazê-los de vítimas. É um livro sobre a realidade como ela é, e a humanidade como ela é. As passagens sobre amor, alegria, brincadeiras e piadas são misturadas com assaltos, assassinatos, uso de drogas e sangue, levando o leitor a um constante refluxo de sensações. Talvez seja um livro imprescindível para juristas, principalmente os que estão no meio do Direito Penal.
comentários(0)comente



naldho 01/05/2019

Livro com boa narrativa, que consegue fazer o leitor entrar no mundo deste lugar inumano. O autor narra de forma impessoal,com olhar de médico,sem discriminar ou julgar a condição de cada ser humano que está na condição de preso. Ótimo para refletir se o método/sistema de 'punição" utilizado ainda hoje é realmente eficaz e saudável,tanto para quem está na condição de punido quanto dos que estão do lado de fora.
comentários(0)comente



Polly 17/02/2019

Estação Carandiru: um relato sobre a realidade mais dura da desigualdade social (#071)
A leitura de Estação Carandiru veio da minha necessidade (recente e urgente) de mudar as estruturas internas aqui dentro da cachola e da alma, sabe? Acho que as fatídicas eleições de 2018, apesar dos pesares, foram uma grande oportunidade de rever conceitos, que para mim eram absolutos e que, depois daquele turbilhão de emoções, talvez não sejam mais. Para ser sincera, é provável que eu jamais volte a pensar de forma absoluta sobre qualquer outra coisa. Dessa forma, posso até falar que, de alguma maneira, as eleições de 2018 até que me trouxeram algum saldo bom.

Estação Carandiru foi uma indicação da maravilhosa @carolburgo (sigam ela, sério!). Tenho que dizer que essa minha conterrânea porreta também foi uma das responsáveis por essa minha necessidade de mudança interna e de quebrar meus próprios preconceitos. Depois de uma sequência de stories que ela fez no ano passado (que estão salvos em seus destaques com o nome “Mudar é Bom”), eu finalmente me dei conta do quão privilegiada eu sempre fui (e sou), e por méritos que não são exatamente meus, como a cor da minha pele ou a sorte de ter nascido numa família estruturada, por exemplo (mesmo vindo de uma realidade de poucos recursos). Assim, resolvi usar a literatura para entender o ambiente no qual estou inserida e, sobretudo, entender realidades que não são a minha. Comecei esse processo pelas indicações da Carol, precisamente pelo livro que vos falo.

Em Estação Carandiru, Dráuzio Varella narra histórias de personagens reais com os quais conviveu durante o tempo em que trabalhou na Casa de Detenção do Carandiru, em São Paulo, onde aconteceu o massacre de 1992 (que, inclusive, é o clímax da obra). Dráuzio nos conta o dia a dia e o funcionamento da cadeia: os diversos grupos que lá existiam, as leis internas, as condições inóspitas, a impossibilidade de recuperação social que tais condições forneciam. O mais incrível da escrita do Varella é que não há romantismo em sua narrativa. Os personagens são reais, são o que são, mas em momento nenhum perdem sua humanidade, suas nuances de luz e trevas que todos temos.

Estação Carandiru escancara e põe por terra o “senso comum” de que as pessoas que se encontram em tal situação o estão por livre escolha. Ninguém, em sã consciência, escolheria tal vida para si. Não é questão de “passar a mão na cabeça de bandido”, mas de perceber que o cerne da violência é a desigualdade, e é sobre ela que se deve agir. É necessário perceber que a sociedade é violenta como um todo, a medida em que enquanto falta o básico a uns, a outros é dado até mais do que o supérfluo. Até por que não é todo mundo que consegue, por si só, transcender à violência e à miséria, não é?

O livro ainda nos desperta muitos outros pensamentos e nos faz chegar a muitas outras conclusões como, por exemplo, a incapacidade do sistema punitivo de fazer o que ele se propõe a fazer: recuperar pessoas; a realidade do racismo estrutural; e a marginalização das pessoas LGBT’s. Mas, discutir tudo o que Estação Carandiru provoca dá pano para mangas, e o espaço do Instagram não é suficiente para isso (tenho certeza que já estou usando o espaço dos comentários nessa parte hahaha). Além do mais, preciso de muito mais bagagem de leitura para discutir minimamente (e satisfatoriamente) sobre esses assuntos. No entanto, estamos trabalhando para mudar essa realidade. Vamos em frente!

Enfim, Estação Carandiru é um livro incrível, e uma leitura super necessária para despertar discussões que nos levem a uma real e efetiva solução do problema da violência. Ele possibilita o contato com experiências diferentes das nossas e, quem sabe, um maior entendimento sobre a realidade do outro. Sem contar que a escrita do Dráuzio é incrível, sem deixar de ser simples, o que faz com que a leitura flua facilmente. Eu, particularmente, já estou louca para ler os outros dois livros da trilogia (Carcereiros e Prisioneiras) e quando o fizer, venho aqui para a gente conversar mais!

site: https://madrugadaliterarialerevida.blogspot.com/2019/02/estacao-carandiru-um-relato-sobre.html#more
Prii 17/02/2019minha estante
Eu também acrescentei à minha lista de desejados por indicação dela!


Sandra Rosa 17/02/2019minha estante
Lê também MULHERES QUE MENSTRUAM


Polly 18/02/2019minha estante
A Carol é maravilhosa, né, Pri? Quero ler todos aqueles livros que ela indicou hahaha


Polly 18/02/2019minha estante
Esse já tá na lista, Sandra! Inclusive ele também foi indicado pela Carol Burgo!


Prii 18/02/2019minha estante
Demais!!! Quero ler tbm




Marcos Vinicius 10/02/2019

Sofrimento a conta-gotas
Narrativa visceral sobre o maior presídio da América Latina, trajado de riqueza de detalhes e escrito sob o ponto de vista do renomado médico Drauzio Varella. O leitor se espanta com os detalhes da hierarquia social existente no presídio, a qual transgride leis cívicas e preceitos formais, transformando o ambiente penitenciário em um espaço dotado de regras únicas e liderado por elementos muitas vezes
autonomeados. Quem lê "Estação Carandiru", depara-se com uma história real, carregada de sentimentalismo dos envolvidos e de detalhes sobre suas vidas e de remakes passados até sua chegada à penitenciária. Ambiente degradante, relações sociais perigosas e maquiavélicas, vícios pulgentes, doenças crônicas, perniciosas e contagiosas, abuso de poder policial e chacina: Carandiru.
comentários(0)comente



Duda 06/01/2019

Incrível
Pra quem se interessa pelo sistema prisional, esse livro é incrível. Traz uma realidade inacessível e desconhecida por muitos.
comentários(0)comente



Fábia Dias 30/11/2018

Estação Carandiru
É um livro documental do sistema penitenciário do Brasil. Apresenta uma linguagem simples, direta, objetiva. Prima pela imparcialidade dos fatos, mas mantendo claramente uma visão lúcida de quem vivenciou os fatos, de quem foi conhecedor dos tipos e pessoas que com compõe esse sistema. Drauzio Varela deixa a critério do leitor se posicionar diante dos fatos. Ao mesmo tempo transmite uma fidelidade ao narrar as histórias que reafirma a assertiva de que ?contra fatos, não há argumentos.? Ler esse livro foi pra mim se aventurar a experimentar sair um pouco, no plano inteligível, da bolha social que me protege.
comentários(0)comente



Cynthia.Guimaraes 29/11/2018

Relatos reais
Embora os nomes dos personagens não sejam os reais - por motivos óbvios - as histórias contadas são. Excelente leitura para quem quer saber mais sobre o sistema carcerário e como era a extinta Casa de Detenção de São Paulo.
comentários(0)comente



Snatch 27/11/2018

Carandiru
Dezenas de histórias de presidiários contadas pelo médico Drauzio Varellaque trabalhou na casa de detenção na década de 90
comentários(0)comente



Marcia 31/10/2018

Amor bandido
Um livro que nos faz sentir muitas emoções contraditórias. Conhecer alguns dos personagens que viveram encarcerados em um lugar tão desumano, e esperar que saiam reabilitados é ser muito ingênuo. Eu, às vezes, os odiava, os amava, mas, sem dúvida, comecei a enxergá-los como seres humanos cheios de erros, que precisam pagar pelo mal que fizeram, porém, são tratados como animais.
Edu 10/05/2019minha estante
Talvez esse seja o ponto que mais me tocou no livro também. Drauzio não os coloca como santos ou bandidos. Os coloca como os homens que são, com amores, ódios, erros e acertos. Ajuda a enxergar os presidiários de forma diferente da que eles geralmente são retratados, não animalizada.




Dominique 28/10/2018

A simplicidade na complexidade
Dr. Drauzio no livro Estação Carandiru veio para nos contar as mais diversas histórias reais de vidas reais brasileiras. Desde as medidas tomadas para conscientizar os chamados "ladrões" sobre a epidemia de AIDS que assolava a casa de detenção nos anos 80 até às histórias que levaram alguns deles até ali, tudo é escrito e descrito primorosamente de maneira em que o leitor é inserido naquela realidade de um jeito único, durante a leitura houveram páginas em que me peguei chorando, sendo envolvida pela empatia do que é estar num sistema totalmente fora daquilo que define humanidade. Em algumas outras me peguei sorrindo e pensando: Poderia ser assim com todo mundo, né?
Bom, o Estação Carandiru é uma obra tocante e envolvente em que o médico mais humano que já vi conta o que viu e ouviu em tempos em que olhar pra dentro daquela instituição numa avenida movimentada e do lado de um estação de metrô na maior metrópole do Brasil era um ato que para a maioria era desnecessário.
Obrigada, Doutor Drauzio, Estação Carandiru tocou a minha história.
comentários(0)comente



Monique 14/10/2018

Merece ser lido!
Em Estação Carandiru, Drauzio Varella consegue, com franqueza imparcial e um respeito sincero, descrever o espaço, o cotidiano e a realidade absurda desses presidiários. No livro, o autor não avalia a índole desses homens, e nem os julga por seus crimes, mas se coloca como médico e porta voz dessas vidas, e dos caminhos que as levaram até ali.

É claro que, olhando mais a fundo, pode-se filtrar nas entrelinhas de cada história o fato de que, na maioria dos casos, esses homens já estavam condenados pelas circunstâncias abusivas de suas próprias vidas. Essa visão me faz pensar no nosso momento atual, quando temos uma população carcerária quase 700% maior que na década do livro e, ainda assim, termos tantas pessoas que acreditam no discurso que defende a prisão, a mão de ferro Estatal e a liberação das armas (em detrimento da educação e da oferta de oportunidades) como solução para os problemas relacionados às drogas e a violência no Brasil.

É desesperador assistir “de camarote” esse momento sádico da nossa história, quando sabemos que ”o buraco da violência crescente” no nosso país está bem mais embaixo. Enfim, esse livro é um documento importante, retrato da nossa sociedade e merece ser lido!
comentários(0)comente



Marcia 14/10/2018

O livro Estação Carandiru do medico escritor drDrauzio Varella . Ele trabalhou por 10 anos nesse presidio nos conta historias e a visão que ele teve desse período.
No ano passado eu li Prisioneiras e ao terminar minha visão era outra, assim como agora.
Dr Drauzio Varela nos mostra uma visão diferente dos presos, não os inocenta, claro, mas nos faz compreende-los, olhar com outros olhos.
Passei a conhecer, através das historias narradas, um mundo que eu achei só existir em filmes. Ao ler um livro bem escrito, como esse foi, o leitor sente as mazelas que muitos seres-humanos são vitimas.
Há algumas historias de arrepiar, que realmente cheguei a duvidar da existência de algum sentimento naquele individuo.
Nos impressiona muito, as vezes pelos crimes, as vezes pela doença, pelo abandono, pela discriminação...Enfim, só lendo para entender.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



115 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |