Estação Carandiru

Estação Carandiru Drauzio Varella




Resenhas - Estação Carandiru


115 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Augusto 01/09/2013

Fiz o caminho inverso e li antes o "Carcereiros" (último livro do autor) e depois o "Estação Carandiru".
O dr. Drauzio Varella já havia chamado minha atenção com o primeiro que me chegou às mãos e o segundo apenas consolidou o que eu já pensava a seu respeito.

Me agrada muito a maneira franca como o autor descreve a própria experiência na Casa de Detenção. Especialmente porque ele não tenta se pintar como um super herói, ou como alguém inatingível, um "bastião da ciência". Neste livro (como também em "Carcereiros"), Drauzio é apenas... humano.
Fala com franqueza do medo que sentiu a princípio no ambiente prisional, da desconfiança inicial com que foi tratado pelos prisioneiros e funcionários, do enorme receio que teve diante da possibilidade real de contrair doenças graves (como a tuberculose) que afetavam inúmeros presos, das vezes em que caiu na lábia dos criminosos que se aproveitavam da sua inexperiência, das vezes em que pensou em desistir e até dos momentos em que sentiu-se limitado no seu conhecimento da Medicina.

Em relação aos apenados, o dr. não adota o discurso (algumas vezes) romantizado dos defensores dos direitos humanos nem tampouco reproduz a fala manjada e preconceituosa do senso comum. O que quero dizer é que Drauzio, procura, a meu ver, ser imparcial. Nem "demoniza", nem "beatifica" os "moradores" do Carandiru. Não generaliza, agregando-os todos à "casta dos monstros desalmados merecedores do lugar que conseguiram" no inferno chamado Sistema Penitenciário brasileiro, nem os faz parecer vítimas inocente do Sistema.
Não me entenda mal, o próprio Drauzio admite a existência de criminosos capazes de crimes tão bárbaros que ele próprio teve, em alguns momentos, dificuldade de tratá-los como exige a ética da profissão.

O autor inicia traçando um panorama geral da cadeia, tanto no aspecto físico (seus pavilhões, cada um com suas peculiaridades, suas celas, as "isoladas", as áreas de lazer, etc) quanto no aspecto organizacional, por assim dizer. Descreve muito bem os "códigos de conduta" que regem o comportamento da "malandragem" (como eles mesmos se autodenominam) dentro da Detenção.
Entender e atender ao que é considerado aceitável (e o que não é) pelos prisioneiros é essencial à sobrevivência dos novatos. A punição aos incautos é exemplar.
Interessantíssimo descobrir que os criminosos também possuem uma espécie de "moralidade" (distorcida em muitos casos, é claro, mas ainda assim moralidade) e que zelam por ela com unhas e dentes. Confesso que me surpreendi, por exemplo, ao saber que "desrespeito à mulher do próximo" é considerado delito gravíssimo. E não interessa se a mulher em questão é "prostituta de profissão" ("isso é lá fora..." - segundo eles), dentro da cadeia, em dia de visita, tem de ser respeitada. Ai de quem ousar sequer olhar pra senhora do outro.

Com maestria Drauzio Varella apresenta o leitor ao universo absurdo de um presídio e depois dessa apresentação inicial passa a uma coletânea de relatos das histórias de vidas de vários apenados. As tais histórias contadas são incríveis (algumas vezes no sentido literal do termo) e progridem até o final do livro, quando é narrada, de forma impressionante, com cores muito vivas e segundo o ponto de vista dos criminosos (sem farda) o já conhecido Massacre do Carandiru. O relato dos três últimos capítulos cumpre muito bem o papel de dar voz àquelas pessoas que, de outra forma, teriam sido emudecidas.

4 estrelas.
Cris 17/12/2013minha estante
Parabéns pela resenha, concordei com vc em tudo.


Augusto 21/12/2013minha estante
Muito obrigado, Cris!


Rosalba Moreira 28/09/2014minha estante
Adorei sua resenha, sintetizou muito bem essa grande obra. Terminei de ler esse livro ontem, e já entrou pra minha lista de favoritos.


Augusto 15/10/2014minha estante
Obrigado, Rosalba. Gosto bastante dos livros do Dráuzio. Parece que há ainda mais um pra chegar abordando o mesmo tema.


Marília 13/08/2015minha estante
Excelente resenha! Também li Carcereiros e sou apaixonada pelo tema abordado. Meus Parabéns!!!


Augusto 19/08/2015minha estante
Muito obrigado, Marília. O tema era novidade pra mim. Fui apresentado a ele pelo Dráuzio e aí não tem como não ficar interessado.




Claire Scorzi 28/08/2010

Uma reunião de lembranças...
Inesperadamente, interessou-me quando fui folhear. Inesperadamente, fui apreciando cada vez mais enquanto ia lendo.
O livro que reúne lembranças, histórias e fatos coletados pelo médico Drauzio Varella faz pensar, rir (humor negríssimo, em geral), interessar-nos: sera´que é possível fazer algum trabalho relevante com essas pessoas - alguma coisa que não seja apenas para acalmar nossa consciência - alguma coisa que não sirva só pra constar - e que perdure?
Como defeito, eu só posso me lembrar da ausência de um glossário com a gíria da prisão. Para mim, fez falta.
Léia Viana 03/04/2011minha estante
Este livro embrulhou meu estômago e senti muito medo. Medo de sentir que em partes concordava com toda aquela barbaridade, e repulsa por sentir pena em alguns momentos daqueles presos.




El Cote 19/05/2010

Um clássico
Este livro é um clássico e expõe o talento de contador de histórias do Dr. Drauzio Varella. Com um texto direto e muitas vezes simples, explora os personagens e os detalhes como forma de prender o leitor. Virou filme e levou a novos livros do autor. Dispõe sobre um assunto que causou comoção e polêmica. Como um grande bastidor, a narrativa é rica e dá ao leitor a oportunidade de formar opinião sobre o tema principal e todos os temas periféricos.
comentários(0)comente



Valéria 10/02/2015

Eu sempre gostei do Dr Drauzio Varella por achar ele simples e humilde, e esse livro provou exatamente isso, onde ele aborda a vida dos detentos em um dos maiores presídios do mundo sem defender ou acusar nada em ninguém, simplesmente narrando a vida dentro da prisão, assim como seus medos e desconfianças.

Com uma linguagem simples e objetiva, o livro é muito triste e retrata o descaso com o sistema penitenciário no geral. Uma leitura que prende o leitor do começo ao fim.
comentários(0)comente



Ligia 02/03/2014

"Mil cairão a teu lado"
O livro de Varella é um retrato cruel, realista e destruidor de muitos mitos que ainda permeiam o imaginário da sociedade brasileira a respeito da vida nas prisões. O grande mérito de Estação Carandiru é a maturidade da narrativa - Drauzio Varella consegue expor com uma imparcialidade chocante a vida na cadeia; não há ingenuidade para uma defesa cega dos direitos dos presos, assim como não há qualquer tipo de aprovação da atitude da polícia durante o massacre. Mais que isso, Varella narra de forma delicada a crueldade absurda do código de leis não escritas que rege a vida das penitenciárias, as desumanidades cometidas pelos presos - seus crimes dentro e fora da cadeia. Por outro lado, também analisa a rotina estressante e inaceitável a que são submetidos aqueles que trabalham no sistema carcerário. Sistema que, aliás, é ineficaz e absurdo em todos os seus aspectos. A maioria dos mortos no massacre, no Pavilhão 9, como explica Varella, eram réus primários, jovens. Os motivos que os levaram ao crime são os mais diversos, e a perspectiva adotada para narrar tudo isso é extremamente interessante. Também tem destaque as possíveis razões que levam a corrupção no sistema prisional, e a sensação que persiste durante todo o livro é de profunda incapacidade de regeneração de qualquer indivíduo exposto a barbárie da Casa de Detenção. A violência está tão arraigada, difundida e difusa, que choca, amedronta, revolta, assusta, entristece. A questão do sistema prisional relaciona-se com tantos elementos históricos, culturais e sociais do Brasil, e o relato de Varella não peca em radicalismos, tem o mérito da lucidez, mesmo que imersa no caos.
Priscilla 09/03/2017minha estante
Parabéns pela resenha, traduziu muito bem o que senti lendo este livro!




Matheus Lopes 19/06/2015

Pesado.
Ao terminar de ler Estação Carandiru sinto como se alguém que eu admirasse muito tivesse acabado de morrer.

É como se eu não me sentisse certo pensando em qualquer outra coisa depois de ler sobre a vida desses homens e mulheres. Como se tivesse alguém cortando todas as minhas ideias, me impedindo de pensar ou sentir.

A única coisa que vem é um mal estar imenso e uma pressão na cabeça.

Se sua dúvida for ler ou não, leia. A pressão vai ser tanta que muitas vezes você só vai querer fechar o livro, apagar a luz e ficar olhando em direção ao teto.

Mas é isso que faz um bom livro. Mexer com as pessoas, gerar pensamentos diferentes, ideias novas, concepções distintas das que até o momento levava consigo.

Brilhante. E pesado.
comentários(0)comente



Taciana 18/08/2012

"Estação Carandiru" foi o primeiro e, infelizmente, o único livro que li de Drauzio Varella. Digo isto porque é invejável a capacidade que este médico tem em ser escritor. Bom escritor! Nesta obra você consegue se emocionar com histórias de bandidos. Como bem alerta o autor, já no prefácio, a intenção não é criticar nosso sistema penal, tampouco tratar sobre criminalidade ou direitos humanos. Aqui há relatos de histórias de pessoas semelhantes a nós; há descrições de histórias fantásticas... Como, por exemplo, no coração de São Paulo, poderia existir uma Casa de Detenção com mais de sete mil homens? Como não ficar intrigado ccom a inteligência do malandro ao fazer "maria louca" no interior da cela? São palavras novas, vícios diversos...É uma realidade que só quem viu de perto pode relatar com tanta fidedignidade. Admiro trabalhos literários assim, que nos retiram dos nossos preconceitos, que nos fazem rir do absurdo, que nos comovem com a miserabilidade e a riqueza da condição humana. A leitura de "Estação Carandiru" permitiu-me ver cenas que não conseguiria. Não tem luta entre bem e mal, certo e errado. Ali consta uma relato de um passado que não deveria ser esquecido, afinal.
comentários(0)comente



Dersch 06/04/2010

Um relato emocionado sobre o funcionamento e a realidade de uma penitenciária, e o testemunho do massacre ocorrido, sob um ângulo humano e "inusitado". Vale muito à pena.
comentários(0)comente

Danilo Silva 07/10/2010minha estante
O aspecto mais fantástico desse livro realmente foi a visão mais humana que o autor tentou passar de um local onde sempre há uma associação negativa, violenta e até mesmo 'monstruosa'... resenha objetiva! Ótima... rsrs Parabéns!




Nath 12/07/2010

Genial!
Drauzio consegue em diversos trechos fazer com que o leitor se sinta no ambiente de uma penitenciária com sua narração genial.
comentários(0)comente



Cris 17/12/2013

Chocante e cruel
Este livro é um relato do Dr. Drauzio Varella sobre a extinta Penitenciária do Carandiru. A história contada pelo Dr.Varella tenta ser o mais imparcial possível, mas sempre mostrando o lado daqueles que estavam presos.
Por mais imparcial que seja contada a história, é impossível não se incomodar com as histórias e não se sentir com os sentimentos aflorados.
Vi o filme primeiro, e achei muito bem feito, embora muitas histórias sejam um pouco diferentes das contadas no livro.
Gostei muito da leitura, é uma parte da história que eu particularmente nunca tive curiosidade, mas que serviu pra pensar bastante a respeito.
O único ponto negativo ao meu foi o final, que terminou muito abruptamente.
comentários(0)comente



Gibson 28/02/2009

Leitura obrigatória
Retrato nú e crú da realidade do nosso sistema prisional que está longe de reabilitar mas sim denegrir o ser humano !
comentários(0)comente



Dalba 02/03/2010

Gostei, porque...
O Drauzio Varella escreve de maneira fácil e compreensível relatos que ele ouviu durante 10 anos em que foi voluntário no maior presídio que já existiu na América Latina, o Carandiru.Claro que ele relata também suas impressões e vivências. Choca um pouco ler sobre a condição desumana em que estes presos eram obrigados a viver.Hoje, depois da desativação do Carandiru, foi construído um prédio que abriga uma biblioteca super moderna. Ainda bem que não mais existe este lugar do horror! Mas gostei do livro, vale a pena ler!
comentários(0)comente

Danilo Silva 07/10/2010minha estante
Ótima resenha! Parabéns!

Mas, dê nota ao livro também... é importante para um melhor aproveitamento do Skoob! rsrs

Bjs...


Dalba 08/10/2010minha estante
Obrigada! vc têm razão, a nota ao livro pode ser um indicador importante para quem quer incentivar a leitura ou procura algo para ler...
Abraços




Duda 06/01/2019

Incrível
Pra quem se interessa pelo sistema prisional, esse livro é incrível. Traz uma realidade inacessível e desconhecida por muitos.
comentários(0)comente



Lidi Cirilo 06/09/2016

Impressões
Drauzio é médico, mas escreve com a imparcialidade que os jornalistas deveriam escrever. Depois de "Carcereiros", fiquei com mais vontade de ler esse, que não me desapontou. Leitura necessária. Destaque para o capítulo "Neguinho", que ilustra, de um jeito cru e emocionante, a realidade da segurança pública atual e a "lei de quem pode mais". "É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar preso na Casa de Detenção."

site: https://www.instagram.com/lidicirilo/
comentários(0)comente



Rodrigo 04/02/2013

Retrato impressionante do nosso desumano sistema carcerário, simbolizado pelo Presídio de Carandirú. Se, por um lado o modo como o sistema se organiza não justifica a criminalidade, por outro lado não podemos ignorar como o fato dele ser desta forma auxilia na perpetuação de um estado caótico em que se encontra esta mesma criminalidade. Este livro mostra que posições maniqueísta e simplista a favor ou contra o tratamento a criminosos não está embasado na complexa realidade das relações humanas e na organização de nossa sociedade. Livro imperdível para quem tem a coragem de um olhar crítico e honesto sobre nossa atualidade.
comentários(0)comente



115 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |