A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar

A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar Esther Earl




Resenhas - A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar


135 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


João 26/04/2017

A vida e as palavras de Esther Grace Earl
A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar conta a história de Esther Grace Earl, que foi diagnosticado com câncer de tireóide aos doze anos, e sua luta é descrita em forma de cartas, textos, conversas e pensamentos de Esther e sua família.
Este é com certeza um livro especial, e não encontramos muitos outros como ele com facilidade em qualquer lugar, pois, além de ser uma história verídica, ela é contada pela própria vítima da doença, o que o torna totalmente pessoal.
Nós sofremos as dores de Esther junto dela, sorrimos com suas alegrias, choramos com seus diagnósticos, e nos emocionamos com o final do livro.
Essa história serve como um exemplo de como devemos viver nossas vidas. Sem medo de errar, vivendo como se não houvesse um amanhã.
comentários(0)comente



Kemmy 11/04/2017

A menina que inspirou o mundo
[...]
Esther teve uma vida boa, apesar de curta. Viajou para inúmeros lugares e foi mais amada do que algumas pessoas com dezenas de anos nas costas.
Foi triste acompanhar o desenvolvimento da doença e o definhar de Esther através das fotos e relatos. Confesso que até a metade o livro estava um pouco chato, bastante repetitivo, pois eram fragmentos do diário de Esther + site que os pais atualizavam + comentários de amigo, focando principalmente no grupo de nerdfighters do qual ela participava.

A importância da Internet, de Harry Potter e dos amigos nos traz uma lição de amizade, amor e esperança, mas, veja bem, ela era só uma menina, seus pensamentos eram bobinhos e, assim, seu diário também era. Acredito que poderiam ter enxugado boa parte dessas quase 500 páginas.

Algo que surgiu ao ler A estrela que nunca vai se apagar é uma admiração pelo autor John Green. O único livro que li dele - A culpa é das estrelas - não é o meu livro favorito, mas ele é uma pessoa realmente maravilhosa.

Esther era uma menina de coração puro e bondoso que sem dúvidas não merecia o sofrimento pelo qual passou, mas se nem ela mesma questionou Deus sobre seus desígnios, quem sou eu para fazer isso?

Esther Grace deixou um legado de amor e altruísmo. Seus pais fundaram a This Star Won't Go Out, que arrecada dinheiro para ajudar a custear tratamentos de crianças com câncer (e outros projetos que Esther teria aprovado).

A diagramação está belíssima, rica em cores e detalhes. Não encontrei erros de revisão e é uma leitura muito fluida, pois são fragmentos de pensamentos, escritos, fotos e afins. Se fosse mais breve, ao meu ver seria melhor, mas isso não impediu de lágrimas e mais lágrimas rolarem pelo meu rosto nas páginas finais. [...]

Resenha completa: http://www.2leitoras.com.br/2017/04/resenha-estrela-que-nunca-vai-se-apagar.html

site: http://www.2leitoras.com.br/2017/04/resenha-estrela-que-nunca-vai-se-apagar.html
Marta 21/04/2017minha estante
Quero muito ler esse livro!!




Teff 31/03/2017

uma lição de vida
uma livro que todos deviam ser,tem uma lição de vida maravilhosa,que apesar das dificuldades sempre e preciso manter a fé e a alegria na vida.
chorei mt com esse livro msm sabendo o final
comentários(0)comente



Pedro 07/03/2017

Emocionante!
"A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar" foi escrito por Esther Earl com seus pais, Lori e Wayne Earl. É um livro carregado de sonhos, desejos, esperança, amor e muitos outros sentimentos que nos faz refletir bastante sobre nossas vidas. Ele não só fala da luta de uma jovem menina contra o câncer de tireoide, mas diz muito de como o amor e a fé de dois pais e 5 irmãos é grande diante de uma doença tão forte. E realmente inspirador!

Confira a resenha completa + fotos no link abaixo!

site: http://www.blogdopedrogabriel.com/2017/03/resenha-estrela-que-nunca-vai-se-apagar.html
comentários(0)comente



Mi 25/02/2017

"Ela não pôde escolher o final, mas a forma como preencheu as páginas torna a história irresistível."
" No entanto, mesmo em seus últimos dias, Esther estava totalmente viva, tão viva quanto qualquer um de nós, e, portanto, mesmo que todos que a amavam entendessem que ela estava morrendo, sua morte ainda foi
um choque terrível para mim. Ela não partiu devagar, mas de repente, porque, mesmo quando não conseguia mais sair da cama, ela encontrava maneiras de desfrutar a vida plenamente"

É uma biografia / diário
que conta a história de uma garota
que passou por uma experiência
transformadora e triste chamada ?câncer da tireoide?.
Garota ela, que foi a inspiração de Jonh Green, pra escrever o livro A Culpa é das estrelas.
O livro A Estrela que Nunca Irá se Apagar, não se resume a um livro só de relatos ,é simplesmente a história sobre Esther Earl, vivendo e convivendo com uma doença assustadora.

Logo no inicio do livro, temos uma introdução feita por Jonh Green.
Falando sobre seu primeiro contato com Esther, como se tornaram amigos, a importância que ela teve, tanto para seu Vlog ( sua vida profissional ), como na vida pessoal.

É ..Não sei o que falar..
É lindo de ler que a amizade deles, mesmo que fosse algo mais virtual, tinha um laço tão forte. Que mesmo que não convivessem tanto no dia -a- dia (não estivessem presente fisicamente ), não diminuia a importância, o valor de cada um na vida de Ambos.

"A medida de uma amizade não tem a ver com presença física, mas, sim, com seu significado."

E ele ainda fala um pouco sobre a relação da Esther, com o seu livro A Culpa é das estrelas. Se é um livro baseado ou não na vida da jovem.
Ele explica que não é sobre a Jovem, porém não havia como não se inspirar em Esther. Ela é um ser completamente extraordinária, não tem como não acha-la um exemplo. Um modelo como ser Humano.

"Fico surpreso que o livro tenha
encontrado um público tão grande, mas a pessoa que eu mais queria que o tivesse lido nunca o fará."

Vamos acompanhar como foi sua infância, a descoberta do Câncer.
O livro ainda é recheado de imagens,
Cartas e desenhos.
Esther, realmente é uma estrela.
Uma inspiração para todos.
Mesmo passando por tudo o que passou , ela nunca se deixou desfalecer, sempre esteve com um sorriso no rosto. Nunca perdendo sua fé, e fazendo de tudo para fazer feliz os que viviam em sua volta.

"Apenas seja feliz, e, se você não conseguir ficar feliz, faça coisas que o deixem feliz. Ou fique sem fazer nada com as pessoas que o fazem Feliz "
comentários(0)comente



Nicolle 10/02/2017

Meu livro favorito
Eu li o livro quase todo. Sim. Quase. Eu pulei uma das histórias que a própria Estee escreveu. Não era chata nem nada é só que eu não gosto de histórias inacabadas. Eu li algumas e achei bem legais, mas ela, infelizmente, não teve a oportunidade de escrever um final, e eu fiquei mega curiosa. E, pra isso não se repetir, eu deixei de ler algumas.

O livro é muito bom, o primeiro que eu releio. Um dos meus favoritos. O jeito como Estee se expressa é simplesmente maravilhoso. Não gostei muito da parte em que ela usa gírias da Internet (vc, tbm, vdd...), mas isso é só um detalhe. O livro é brilhante, com ou sem gírias.

Eu amo esse livro. Recomendo pra todas as pessoas de todas as idades.
comentários(0)comente



Thamyres 07/02/2017

Lágrimas e mais lágrimas
Retomei a leitura de "A estrela que nunca vai se apagar" depois de alguns meses. Até tinha começado antes, mas acabei deixando de lado devido ao cansaço que estava me provocando.
Esther é uma criança linda. Esther é nerd e adora correr e saltar. Esther sorri com os olhos. Esther descobre, aos 12 anos, que tem câncer.
Nesse livro temos acesso às memórias da adolescente que inspirou John Green a escrever "A culpa é das estrelas", Esther Earl. Os capítulos dividem-se entre fragmentos do seu diário, depoimentos de amigos, trechos escritos pelos pais e algumas fotos do dia a dia da jovem.
Durante toda a leitura acompanhamos gradativamente o avanço da doença de Esther, desde a descoberta dos fluidos nos pulmões até sua morte, em 2010.
Acredito que algumas dezenas de páginas poderiam ser descartadas tranquilamente. Não que não fossem relevantes, mas chegou um momento em que os depoimentos se tornaram um tanto repetitivos ou extensos demais. E, na ânsia de querer voltar pras melhores partes, eu pulava alguns deles. Se não fizesse isso, provavelmente teria cansado de novo e abandonado a leitura.
Eu não sei se estava preparada o suficiente pra esse livro - e, sinceramente, não sei se um dia consideraria estar.
Os capítulos em que ela relata no diário sua rotina e as transcrições das cartas enormes que escrevia pros familiares em datas comemorativas são os mais engraçados. Mesmo carregando algo tão pesado dentro de si, a menina gigante não deixa o bom humor de lado e faz piada de tudo.
Essa leitura não me deu tapas. Foram socos mesmo. E fortíssimos.
Quantas vezes acordamos de mau humor, praguejamos em plenas segundas-feiras ou vivemos desmotivados devido ao trabalho que julgamos excessivo?
Quantas vezes somos pessimistas e não enxergamos saída pra aquele problema que consideramos ser o maior do mundo? Quantas vezes esquecemos - ou deixamos - de dizer às pessoas à nossa volta que as amamos?
Inúmeras.
Esther nos mostra, da forma mais simples possível, a preciosidade da vida e o quanto somos tolos perdendo tempo com reclamações corriqueiras e sem sentido. Ela nos faz querer ser melhores. Nos faz querer abraçá-la e não soltar mais.
Estava tão envolvida que, quando senti que sua morte se aproximava, comecei a ficar tensa. No momento em que Wayne, o pai, começou a relatar seu último dia de vida, em parágrafos carregados de sentimento, era como se o meu coração estivesse sendo esmagado pouco a pouco por um martelo. Conforme ele ia contando a forma como Esther se foi, lágrimas desciam sem parar do meu rosto. Sim, eu chorei horrores, molhei as páginas e fiquei com o nariz mega entupido. Nunca chorei tanto lendo uma história antes.
Um nó grosso se formou instantaneamente na minha garganta e, mesmo enquanto relato isso, horas depois, ele ameaça voltar.
Precisei dar uma pausa, respirar fundo, olhar pro teto pra então continuar, já completamente despedaçada.
Esse é o tipo de narrativa que nos faz questionar tudo a nossa volta, o motivo de determinadas coisas acontecerem da maneira que acontecem.
Com os olhos ainda molhados me encaminhei pro fim da leitura, que trazia mensagens positivas de pessoas próximas à ela.
A obra em si é muito bonita, a diagramação impecável. Dá pra perceber o carinho com que foi editada e publicada.
"A estrela que nunca vai se apagar" não apaga mesmo. Ela brilha, mesmo após quase 7 anos. E, acredite ou não, ainda te torna um trilhão de vezes mais humano. Gratidão, Esther.
Nati 08/02/2017minha estante
Eu me senti exatamente assim com a leitura desse livro.




Lohane 20/01/2017

Brilhante
Que livro fantástico
Saber que as palavras de uma jovem menina são tão inspiradoras.
O mundo precisa ler isso, se imaginar no lugar dela e refletir sobre a própria vida e a forma que à aproveita.
Apesar da história ser inspiradora, confesso que a estética da capa não me agrada muito, mas por dentro (tanto o design quanto o conteúdo ) é maravilhoso
É aquele ditado: "Não julgue o livro pela capa" (risos)
As introduções, os depoimentos de parentes e pessoas próximas realmente faz você se imaginar perto de Esther.
Amei !
comentários(0)comente



Tuanny 15/01/2017

Uma guerreira
Depois que li o " A culpa é das estrelas " e procurei saber sobre Esther, fiquei querendo muito esse livro. Logo depois que meu pai faleceu também com câncer, esse livro apareceu como mágica na minha frente, e eu pude ter a oportunidade de ler e conhecer muito mais sobre a nossa estrelinha.
Quem leu " A culpa é das estrelas " sabe que a personagem Hazel Grace foi inspirada na vida de Esther Grace. Porém John Green, em a culpa das estrelas deu ao fim do livro uma história diferente ao que aconteceu na vida real. Nesse livro de " A estrela que nunca vai se apagar", John com ajuda dos amigos e da família Earl, conseguiu contar a verdadeira história da estrelinha que lutou muito contra uma das piores doenças hoje.
Esther Grace foi diagnosticada em dezembro de 2006 com carcinoma papilar da tireoide, já com metástases no pulmão, por isso ela precisou usar tubos de oxigênio para auxiliar na respiração.
Esther conquistou diversos amigos através do seu canal no Youtube chamado “cookie4monster4″, criado no final de 2008.
Foi através dele e do seu fanatismo por Harry Potter que Esther teve a oportunidade de ganhar um lindo desenho de J.K.Rowling e conhecer John Green.
O que mais achei interessante de sua história, além da luta contra a doença, e que ela se esforçava para sempre parecer bem, para ser feliz mesmo com suas limitações. Com tudo que aconteceu com ela, Esther tinha todas as oportunidades de ser uma garota ranzinza e revoltada com a vida, mas ela resolveu ser totalmente diferente. O livro é cheio de fotos de Esther sendo louca e feliz, o melhor jeito de se viver.
O livro conta a história não só do ponto de vista de Esther, mais da família, dos amigos, dos médicos, de John, de todas aquelas pessoas que passaram por sua vida, do jeito que ela mais gostava, tudo colorido, todas as páginas do livro são decoradas. E todos tinha a mesma opinião, como Esther amava seus pais, seus amigos - mesmo que distante - como ela amava cada coisa boa, mesmo que pequena, que acontecia com sua vida.
A morte de Esther levou tristeza para muitas pessoas. Eu não chorei ao ler o livro, quando eu comecei a ler, já conhecendo a história dela, achei que iria me debulhar em lágrimas, já que me lembraria de meu pai, mais a verdade é que sim, o livro me deixou triste, mais nos faz entender como devemos valorizar a vida e lutar por ela, mesmo na pior das situações que estejamos vivendo, meu pai não teve a oportunidade de lutar com a doença, já que descobrimos muito tarde e não existia tratamento, mais que assim como ela, ele lutou no último dia, quando o líquido tomava conta dos seus pulmões e ele se afogava em ânsias. Guerreiros mesmo, são essas pessoas, que lutam contra uma doença incurável, e mesmo assim conseguem levar alegria e ensinamento por onde passam.
Por causa de Esther, a Harry Potter Alliance ganhou um prêmio de $250.000 para ajudar a diminuir as coisas ruins que acontecem no mundo. Por causa de Esther, foi criada a fundação chamada This Star Won't Go Out, que ajuda milhares de pacientes com câncer e suas famílias. Por causa de Esther milhares de pessoas foram tocadas, e quem sabe, isso possa transformar o mundo e quem estiver nela em pessoas melhores.

site: www.omundodatutty.blogspot.com
comentários(0)comente



Debie 09/01/2017

"O amor é forte como a morte"
O mundo precisa ler esse livro !
comentários(0)comente



Eliz 06/01/2017

Licão de vida
Já comecei chorando com a introdução, feita pelo autor John Green, e já sabia que muitas lagrimas me esperavam ao longo do livro.
O livro é o diário da Esther, com algumas anotações, desenhos, pensamentos, e tudo mais que uma adolescente qualquer faria. Porém, a nossa Ester não era uma adolescente qualquer, e seu diário é muito mais que um diário... é um relato da pequena passagem de um anjinho que veio trazer luz e muito amor, então não poderia ser diferente, é um livro cheio de amor, lições, esperança, carinho, sofrimento, compreensão, companheirismo, solidariedade e sorrisos! Uma das histórias mais triste que já li na minha vida, e que eu nunca vou conseguir falar sem chorar (chorando agora), como ela é uma estrela que nunca vai se apagar!
comentários(0)comente



ANINHAPONCE 03/01/2017

A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar
OLÁ... OLÁ... OLÁ... Tudo bem como vocês????
Hoje quero compartilhar minha experiência de leitura do livro A Estrela que nunca vai se apagar.Para quem não sabe, o livro relatam a trajetória de Esther Earl, que inspirou John Green a continuar o livro mais famoso: A Culpa é das Estrelas, mesmo a história de Hazel não sendo a história de Esther.
O livro é um compilado de cartas, posts, e-mails, entre outros escritos da família Earl e amigos de Esther, inclusive John Green, que mostram sua luta durante 4 anos contra o câncer de tireoide, que acabou se espalhando.
A forma como a história é organizada é sensível, sem ser apelativa, mostra vários lados da Esther: sua simplicidade, alegria, seu apego a família; não apenas sua doença. Há vários trechos engraçado, outros tristes, e claro, a história de Esther nos faz refletir sobre várias coisas.

A edição está LINDA... Bem colorida, com muitas fotos e alguns fac-símiles. Realmente foi feito um ótimo trabalho de edição, mas a tradução... senti que algumas frases ficaram truncadas, soando estranhas...
Bom, não vou me estender muito, pois é indescritível os sentimentos experimentado durante a leitura. Então fica muito recomendado o livro. Espero que tenham gostado. Beijos e até a próxima.

site: viajandocompapeletinta.blogspot.com
comentários(0)comente



Amanda 20/12/2016

"O amor é forte como a morte"
Geente... Que LIVRO. Que História!
Esses dias estou muito emotiva, e o nome câncer está muito presente nessa semana.
Escolhi este livro sem nem saber do que se tratava a história, só vi que era bem recomendado. Logo quando comecei a ler sobre o que se referia, já fui me preparando psicologicamente. Em praticamente todos os momentos da leitura eu lembrava da minha tia que não resistiu ao câncer ano passado. Ler o que uma garota sentia e passava em relação a isso tudo me fez sentir-se mal, por não ter feito mais por minha tia quando podia. Como o simples gesto de segurar sua mão quando estava raspando a cabeça. :'(
O livro é a junção dos diários e blogs de Esther Earl, contando suas lutas diárias. É algo emocionante, que toca a gente. Confesso que terminei de lê-lo com medo da morte. Não da minha morte, mas das pessoas mais importantes pra mim. Como Esther mesma disse... "Apenas seja feliz,e , se você não conseguir ficar feliz, faça coisas que o deixem feliz. Ou fique sem fazer nada com as pessoas que o fazem feliz."
comentários(0)comente



Samy 12/11/2016

Estrela Guia
Esther realmente me encantou, primeiramente achava que o livro do John Green era baseado em sua vida até ler a dedicatória de John Green dizendo que sua história não era baseado em Esther pq ela era única e assim segui minha leitura.
Como sou mãe de um bebê atualmente me coloquei no lugar de Lore e chorei cada página de recaída, cada dor que Esther tinha, foi na verdade muito doído ler todo esse sofrimento e como mesmo ela estando muito mal ainda se dava nota 9 diante de tudo isso.
E também vibrei com cada melhora e cada amigo que ela foi fazendo e seu amor pela família.
E com certeza todo dia 3 de agosto eu vou lembrar de você, Feriado Dia de Esther.
Recomendo essa leitura como uma âncora da vida!
comentários(0)comente



Mateus 11/11/2016

"Eu não posso fazer nada para acabar com a dor da minha menininha! E ela é tão perfeita para mim." - Wayne
Nunca fui o tipo de pessoa que é apaixonado por histórias mais emotivas, mas de vez em quando eu me pego interessado por histórias que tem potencial para acrescentar muitas coisas positivas para a minha vida, e foi dessa forma que eu cheguei nesse livro.

Esther teve uma vida dura. Ela teve que crescer mais rápido que as outras crianças, não teve a oportunidade de presenciar muitas coisas que os adolescentes "normais" presenciam, e teve que ser muito forte. "Ser forte" pode parecer uma característica genérica, mas analisando mais de perto fica perceptível que muitas pessoas com mais experiência de vida não conseguiriam lidar com a situação tão bem quanto ela.

Esther não sobreviveu. Ela viveu. E além de ter vivido, deixou um legado que permanecerá eternamente. Eu serei eternamente grato por ter conhecido a sua história, e no meu particular sei o quanto isso acrescentou pra mim. Quantas pessoas tem a oportunidade de fazer a diferença mesmo depois de mortos?
comentários(0)comente



135 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |