O Senhor da Fronteira

O Senhor da Fronteira Sophia James




Resenhas - O Senhor da Fronteira


10 encontrados | exibindo 1 a 10


Cris Paiva 12/08/2014

Para começar esse é o tipo de histórico que eu gosto: histórico com história. E das brabas!
A mocinha, que é gaga e sobre de um problema de pele, tem de casar para honrar um compromisso de família, com um noivo pra lá de grosseirão. O cara chega e quer se casar ali mesmo, no pátio do castelo, colocar sua esposa na garupa do cavalo e se mandar para a Escócia o mais rápido possível, afinal ele está com saudades da amante. Grosso e xucro!! Igualzinho aqueles cavalões da Diana Palmer.

É impossível não sentir simpatia pela mocinho, apesar dela ser um pouco lesada no começo, aos pouquinhos ela vai colocando as manguinhas de fora e se revelando uma mulher de opinião. E o mocinho vai ficando menos grosso (mas ainda é xucro), e até consegue considerar um pouquinho a opinião da esposa.

E em meio as conspirações politicas, intrigas e inimigos que se escondem nas sombras o casal vai se entendendo e por incrivel que pareça, o mocinho xucro começa a enxergar a esposa com outros olhos. Essa foi a parte que mais gostei, e o fato de que ele teve de, literalmente, lutar pelo amor da Grace.
comentários(0)comente



Marcia Pimentel 23/10/2015

Um lindo romance que poderia ter mais suspense.
O romance é bom, principalmente a parte histórica onde a autora teve um trabalho excelente de pesquisa. O romance entre Grace e Lachlan começa morno, mas vai esquentando com o passar da história, principalmente seus momentos de amor. A história em si é um pouco previsível. Se autora quisesse, poderia ter um pouco mais de suspense. E o que foi a história do Malcolm? Eu odiei o homem o livro todo para no final ele acabar como herói. Eu odiei ele pelo o que fez com a Ginny, para no final descobrir que nao foi nada de tão grave o que ele fez. E a Lizzie e a Rebeca, cadê o castigo delas? O romance é legal, mas tem suas falhas.
comentários(0)comente



luzuanon.appromances 28/06/2014

A história começa no ano de 1360... Com uma cerimônia de casamento nada romântica entre Grace e Lachlan. Infelizmente não é uma união por amor, e sim política.

Eu amei cada personagem! Tenho que começar por Lady Grace Stanton, a minha preferida. Ela é uma jovem tímida, órfão que consegue se virar e levar uma vida relativamente normal até que, um dia, foi obrigada a se casar. Apesar de demonstrar fragilidade por ser meio gaga, e ter uma doença de pele quando foi forçada a acompanhar o marido, ela mostrou seu lado forte, determinado.

A falta de beleza da esposa não era um problema para Lachlan, embora ele vá tirar o máximo proveito desse casamento tendo filhos, deixou bem claro que pretendia manter a amante. Grace não bem vinda no início, mas ela ganha lentamente o respeito e a confiança de todos, exceto de seu marido. Quando a paixão por fim os uniu, Lachlan se recusa a abrir o coração. O problema é que nem sempre as coisas saem como esperado.

No entanto, há sabotagem tentando fazer parecer que Grace está tentando derrubar o clã, mas ela não se desesperou, pelo contrário, mostrou coragem e muita maturidade, e confiança diante de todas as dificuldades. Enquanto mentiras e traições cercam o caminho do casal, para Lachlan a pior prova será ter de escolher em quem acreditar a confiar.

O romance entre Grace e Lachlan se desenvolve lentamente e de uma maneira natural que fez eu me apaixonar pelos dois. Minha primeira impressão de Lachlan foi que, considerando que ele foi criado para ser um guerreiro, ele me pareceu imaturo e imprudente. Entretanto, ignorando isso, ele era um líder inteligente, não demora em que perceba que sua esposa é uma mulher doce, que tem medo de se abrir e acabar machucada.

Em alguns momentos se eu estivesse no lugar Lachlan também teria dificuldade para saber em quem poderia confiar. Ele tinha todos os motivos do mundo para ser amargo, mas logo testemunhamos o seu amadurecimento tornando-se compreensivo e carinhoso sem, no entanto perder a sua força e liderança. Apesar da relação conturbada, o casal vivem momentos muito doces e bonitos, mas Lachlan é um daqueles mocinhos turrões, cabeça dura e arrogante que tenta se fechar para os sentimentos.

O casal encontra alguns contratempos, sofrem pressões, mas no final, mantiveram-se firmes e fieis a nos mostrando que o amor quando bate à porta devemos abri-la e desfrutar de tudo aquilo que ele nos pode trazer. Mesmo sendo uma história previsível, Sophia James capturou o meu interesse de uma maneira surpreendente! O Senhor da Fronteira é um romance medieval com uma profundidade que encanta! Depois de ter lido A marca da paixão, já sabia mais ou menos o que me esperava. A capa é linda, a diagramação e a escrita estão boas. E, com uma narrativa fluída a autora nos põe facilmente a torcer pelas personagens a cada página, para que eles encontrassem a felicidade que tanto almejava. Recomendo.

site: http://www.apaixonadaporromances.com.br/2014/06/o-senhor-da-fronteira-de-sophia-james.html
comentários(0)comente



Menina com Livros 15/03/2015

Me perdoem o trocadilho, mas a Grace é uma graça! Não há como não se encantar com essa "mocinha". Com tudo contra, ela demonstra uma força e postura admirável! Os fatos históricos complementam bem a trama... e no finalzinho o mocinho se redime... RECOMENDO!
Domino 15/03/2015minha estante
tbm adorei esse romance... foi lido inclusive numa sentada :)


Menina com Livros 15/03/2015minha estante
eu tbm li numa sentada... amei a Grace!!! e no finalzinho o Lach roubou meu coração... rsrsrsrs


Domino 16/03/2015minha estante
sim... to com saudades de romances assim pela editora :/




neiva 22/06/2014

romance escocês na idade média
Ótimo livro de banca. Superou minhas expectativas. Muito bem ambientado,se passa na Escócia no ano de 1360. Destaque para parte histórica que tem parte relevante na trama.
Grace aceita um casamento de conveniência para salvar sua família e Lachlan (que nome para o mocinho!!)aceita porque precisa de um herdeiro e desesperadamente do dote da "velha" sem graça.
A mocinha está longe de ser uma beldade e ainda por cima somatiza as emoções! Bem, acho melhor assim do que pirar na batatinha, rsrsrs. Ela se sente frágil e insegura, mas se descobre com uma força de quem ama a vida e faz o mocinho suspirar por sua força e bondade.
O mocinho é super desconfiado, acha mais fácil acreditar na falsidade das pessoas, mas se pega gostando de ficar perto de Grace, que é perebenta mas tem um fogo danado!
Gostei bastante e recomendo.
comentários(0)comente



Aline Maziero 27/01/2014

Meu livro de janeiro da Harlequin Books é uma delicinha. Eu adoro históricos, então estava ansiosa para lê-lo e os Correios ainda conseguiram a proeza de perdê-lo. Resultado: tive de ir atrás dele. E valeu a pena. Gostei demais. (Vi nos blogs que são mais entendidos em banca que eu que este é o primeiro livro que chega no Brasil da autora. Espero que logo tenham outros).

Eu adoro um bom romance histórico e isso vai desde as aventuras até os romances de banca, gosto da ideia de conhecer um pouco o passado, los costumes e as crenças de gente de mim. Gosto especialmente, quando falo em romances, dos ambientados durante o período de regência inglesa, e, embora tenha lido outros, nunca fui muito chegada em um mocinho escocês - sei, sou quase uma aberração da natureza. Mas desse livro eu gostei muito, narrativa muito ágil, mal chegou e eu já tinha terminado. Fiquei querendo mais, hehe.


Lachlan Kerr é o escocês da nossa história, ele é obrigado a se casar por ordem de dois reis com a mocinha, Lady Grace Stanton. Isso porque seu irmão mais velho morreu caindo de um penhasco e agora ele é responsável por manter a paz, conquistada anos antes, próximo à fronteira com a Inglaterra. Basicamente, ele deve se casar com um lady inglesa, que acaba sendo Grace.


Apesar do título e das posses, a moça não é nem de longe tão bonita quanto suas primas, tem uma inexplicável doença de pele e manca de um perna, além de aos 26 anos, ser muito velha para casar. Não que Lach deseje uma esposa. Ele já teve sua cota com a infidelidade de Ruth e de seu irmão, Malcolm. Mas, afinal, havia algo que o atraía em Grace: sua fortuna.

O mocinho, a princípio, é um mala-sem-alça. Onde já se viu fazer a esposa dividir as refeições com a amante? Sacanagem! Mas o que eu gostei nesse livro, e acho que o diferencia de muitos que a gente lê é que realmente há contextualização histórica, e não só pano de fundo, sabem como é? E o Lachlan luta pelo seu país e por suas terras, é legal de ver. O amor entre oos dois também é bem explorado, sem aquelas coisas muito abruptas. Para quem gosta desse tipo de romance, bora ler, meu povo. Vale a pena!

site: www.letrasdesonho.com.br
Janaina 12/08/2014minha estante
eu acabei de ler e também gostei muito! No começo Eu não simpatizei com o mocinho...mas depois você vai entendendo o jeito grosso dele rsrs.A mocinha era muito insegura no começo, mas ela vai se mostrando corajosa e confiante no decorrer da história...li rapidinho também.Eu gostei dou 4 estrelinhas.




Janise Martins 29/09/2017

O Senhor da Fronteira
Um livro com história, além do romance dos protagonistas. Tem toda uma questão política que dá movimento e vida ao romance. Esse é o pano de fundo. Uma leitura rápida e de certa forma empolgante, porque a gente quer saber o que está por trás, o que é verdade, o que vai acontecer.
Um casamento arranjado pelo rei entre Grace e Lachlan que precisava de um herdeiro e o do dinheiro do dote. Aí que vem uma coisa que achei meio “forte”, a questão do “hímen mágico”. O cara é lindo, já dormiu com mais mulheres que pode contar e tem uma amante, mas quando dorme com a virgem… pronto… a magia foi lançada.
Tudo bem, magia a parte. Grace, a bichinha coitada, tem problemas de pele, cicatrizes pelo corpo, manca e pra fechar gagueja. Ahh! Não é lá aquelas coisas quanto a beleza. E o que ela tinha de mais bonito que eram os cabelos… acredite, foram raspados. Coitada da mulher. Mas ela é forte, inteligente, doce, e, acima de tudo, tem fé. Uma fé que inclusive contagia Lachlan. E uma série de situações vai provando valor dela, e conquista um povo o qual a rejeitou.
Mas como desgraça pouca é bobagem, Grace e raptada, mas Lachlan acha que ela o abandonou. Ao mesmo tempo em que Lachlan é meio ogro ele é apaixonado por ela. É bonitinho de ver como ele vai se apaixonando por ela, além da “cama”.
Mas ainda tem segredo, revelações, traição, guerra, morte e lógico, amor. Recomendo esse escocês lindo!
E foi assim.
Bjoo.


site: https://janiselendo.blogspot.com.br/2017/09/o-senhor-da-fronteira-sophia-james.html
Nesca 05/12/2017minha estante
Eita ia ler, mais fiquei com dó da bichinha ?




Val 30/07/2014

Não gosto de abandonar minhas leituras, porém foi difícil terminar. Uma mocinha sem nenhum amor próprio, ele então arrogante ao extremo, não dá nem pra torcer pelo casal, adoro romances escoceses, mas este foi péssimo.
Silvana Barbosa 30/07/2014minha estante
Vixe !


Strecht 02/08/2014minha estante
vou passar longe, estive quase para ler




Patrícia 30/04/2016

Fora a capa do livro...
Eu achei a mocinha muito vítima de tudo!
O bonitão lá estava todo envolvido com a amante, mas aí ele dorme com a virgem e pronto! Mágica! Depois ele tem recaída, dorme com a amante mas não sente nada... Aí ele resolve não dormir com a esposa, só para procriar e não consegue! Ele não tinha muita afinidade com seu irmão mas depois que casou com a Grace passou a proteger a honra do homem! Achei muita ladainha! Não gostei muito não!
Lerrânia 01/05/2016minha estante
Ih... a beleza fica só na capa, então =/




Rachel 18/06/2016

Recomendo a leitura, não pensava q fosse tão bom.

“...Jamais, em quaisquer circunstâncias, nos submeteremos ao domínio dos ingleses. Porque não lutamos por glória, nem riqueza, nem honras, mas apenas pela liberdade, que nenhum homem de verdade cederia, a não ser com a própria vida.”

Palavras da Declaração de Arbroath, abril de 1320, afixada com os selos de 40 nobres escoceses.



comentários(0)comente



10 encontrados | exibindo 1 a 10