Valera

Valera Mylena Araújo




Resenhas - Não entre nesta casa


4 encontrados | exibindo 1 a 4


Desenhando em Letras 16/10/2015

Um Mundo Fantástico Real
Outra vez falarei sobre uma obra da Mylena Araújo, que, por sinal, é uma grande amiga e parceira. Agora, convido-os a lerem minha análise sobre O Medalhão Ígnis, o segundo livro da trilogia Valera.

Ao contrário de A Herdeira de Ótavos, o primeiro livro da série, que dá ênfase à vida da Eena, a portadora de uma antiga profecia e que deveria derrotar Barron para que seu reinado de terror chegasse ao fim em Valera, O Medalhão Ígnis nos apresenta mais um pouco à vida do David, o irmão ilegítimo da herdeira. Não posso dizer que a participação desse personagem tenha sido inconstante na primeira obra, afinal foram páginas e mais páginas em que ele demonstrou ser um trunfo na guerra que viria, no entanto nesse outro volume David é mostrado mais nitidamente.

Explico: em A Herdeira de Ótavos, David foi capturado por Barron e, bem, houve uma confluência de fatores que culminou em sua ruína. Sua fama se espalhou pelo reino e, com ela, as pessoas começaram a temê-lo, também. Em O Medalhão Ígnis, contudo, David tenta a todo custo mostrar que as pessoas estavam erradas sobre ele, que, na verdade, tudo o que houve não foi por ter uma má índole e que em sua essência habita algo melhor que aquilo que todos conheceram tempos atrás.
Em contrapartida ao cenário de guerra que se instala em Valera, David acaba conhecendo Elora, uma elfa arrogante, e, então, acompanhamos um romance surgindo aos poucos, que pode ou não terminar em algo bom.

Como dito na análise de A Herdeira de Ótavos, Eena não é uma jovem burra. Em O Medalhão Ígnis, o leitor capta uma garota mais madura e determinada, que já tem noção do quão importante é para Valera e que também tem – quase – todo o conhecimento sobre sua origem e magia.

Raras são as vezes que entro em detalhes sobre o enredo em si, afinal acabo tirando - involuntariamente – o prazer da descoberta, então garanto, apenas, que Valera, sendo um mundo mágico, reúne diversas criaturas fantásticas, todas com seus costumes e, principalmente, mistérios. A maioria dos povos age com tamanha naturalidade quando deparada com algumas questões que muitas vezes o leitor se perguntará até que ponto aquilo é real, ou mesmo se determinado povo sabe o que de fato está acontecendo ao seu redor, ou se esse povo em questão esconde algo.

A Mylena, sem sombra de dúvidas, sabe como conduzir a escrita de forma magistral; o Mundo, tal como seus povos, fora construído tão bem e com uma riqueza de detalhes tão sublime que enquanto lia eu consegui me situar, vivenciar cada situação e até mesmo sentir a aflição dos personagens.
Raras vezes fico sem palavras diante de um livro, em especial quando desejo apresentá-lo a alguém, mas terei que resumir o que O Medalhão Ígnis é: sensacional. Há guerra, há intrigas, há jogos de poder, há aventura e há muito romance. Em suma, tudo o que uma boa obra deve ter e um pouco mais.

Em parágrafos sucintos, Mylena conduz o leitor a um mundo onde a magia em si não é mais importante que o amor, o amor entre irmãos, entre povos, entre pai e filha, enfim, o amor na sua essência mais pura.

site: http://desenhandoemletras.weebly.com/blog/resenha-o-medalhao-ignis
comentários(0)comente



Léo 14/06/2017

Reinos, seres incríveis e muita magia e aventura. Leitura maravilhosa
"sentada sobre uma pedra cinza, na encosta das montanhas verdes de Darud, onde a mais fina poeira some ao encontro do vento, Eena acariciava o alto da cabeça de Garbof, adormecido em seu regaço... O bramir dos dragões cobria toda a Cidade Espelho. As magníficas feras, presas em correntes e ganhos, puxavam catapultas de ferro e imensas prisões para aprisionar os feiticeiros rebeldes..." Livros de fantasia são sempre muito admirados pelo leitor pois mostram ao mundo real, dentre tantos ensinamentos, o quanto de possibilidades há dentro do paralelo que muitos ainda consideram inexistente. A gama de raças, cidades, magias e linguagens, quando bem montada e apresentada, consegue tornar o enredo muito agradável e, ao mesmo tempo, elucidativo. Em Valera, a magia não deve morrer, a autora Mylena Araújo revela um reino lendário cheio de magia e seres apaixonantes. O enredo vai sendo intercalado entre o real contemporâneo e os fortes acontecimentos em Valera. Mylena Araújo evidencia uma história muito envolvente e consegue surpreender a cada capítulo, trazendo a tona uma diversidade de linhagem e curiosidades que agradam em todos os sentidos. "Que as masmorras de Largo sejam pouco para Barron enquanto este artigo é elaborado... Agora, feche os olho, abra os braços e deixe que o mundo te leve para o infinito..."

A descoberta da escrita formidável da autora e de sua técnica primorosa é uma proeza feita logo nos primeiros capítulos da obra, onde o leitor já pode se sentir seguro e muito entendido da base enredatória que encontrará pela frente. Uma sensação de serenidade transborda da escrita da autora, que transmite todos os acontecimentos com harmonia e um capricho indescritível em relação à ortografia, transformando o processo de leitura algo muito gostoso de ser feito. O detalhismo preciso quanto as características das personagens, lugares, acontecimentos e a paciência em transmitir as ideias com muita assertividade, são também traços acentuados da escritora cearense, que usa uma linguagem belíssima em sua composição.

Em um dos capítulos da obra, intitulado "A cidade dos anjos caídos", o leitor é levado direto a ares um tanto sombrios onde é revelado alguns motivos sobre tais maldições que cercam Valera: "Há muito tempo, quando Valera era conhecida pelo mundo humano, um grupo de anjos se revoltou contra a humanidade. Segundo eles, os homens não eram dignos da vida e, por sua vez, decidiram acabar com aqueles que tinham a alma manchada pelos piores pecados... Foram castigados à mortalidade em uma cidade onde o inverno prevalece... seus filhos, netos e bisnetos nasceriam com asas quebradas e imperfeitas".

Em pouco tempo o leitor está convicto de que todos os fatos estão perfeitamente ligados e que há uma coerência incrível no enredo. Como em todas as histórias fantásticas, as reflexões e embates ao mundo real não podem faltar. Neste intervalo a humanidade, seus pecados e condenações ficam em pauta. Dessa forma, pode se usar o termo clichê tanto visto em artigos sobre livros, quando se diz que "o leitor acaba se sentindo realmente dentro da história", pois realmente é o que acontece em Valera, a magia não deve morrer, quando o leitor se vê estimulado a continuar a aventura pelo reino e suas cidades. Isso se dá por razão da ótima prolusão da história, feita com muita atenção e inteligência, usando saídas instigantes para esclarecer algumas situações iniciais e deixando o ápice dos recursos para o momento mais propício.

Ritos de ódio, vingança, traição e imoralidade marcam os confrontos ocasionalmente gerados em busca de poder no reino lendário. Eena, — a garota da profecia e que carrega poderes —, conta com seus aliados e destemidos guerreiros na aventura repleta de segredos obscuros encobertos pelo tempo. A esperança é um fator determinante para o grupo, que acompanhado de dragões cativantes como Raio de Fogo e Garbof e mesclado com seres e heróis memoráveis como Pé de Coelho, chamam a atenção por conquistarem com capricho o leitor. É certo de que muitos leitores se apegarão ao grupo e torcerão por seus finais favoráveis em Valera. "Inúmeras vozes soavam ao mesmo tempo... figuras em armaduras de ouro apareceram. Eram seis arqueiros de Alfena na mais pura glória no mundo mortal. Suas asas apresentavam os anos de castigo, algumas esfarrapadas, outras corroídas...".

"...Deveriam proseguir pela estrada de pedra, sempre em linha reta. Mas se quisessem visitar Dalfena era preciso desviar para a direita, onde os legacs, criaturas de pelagem marrom, vivem em árvores-brancas. Ou à esquerda, lar dos lagos, habitados pelas Guiças... O outro lado era completamente diferente, o sol parecia nunca sumir, as plantas eram diversas. Suas petálas chamuscadas tinham um perfume doce e fascinante...": este trecho é muito interessante e mostra um pouco sobre a localização de uma das cidades em Valera revelando, ao mesmo tempo, um sentido figurado. As direções, mesmo próximas, indicam pólos diferentes. Uma analogia à sociedade moderna e as escolhas da vida pode ser interpretada, quando, num mesmo ambiente, caminhos próximos levam a lugares tão distintos. "...Tudo era perfeitamente encantador e cheio de mistérios, um lugar mágico entre os mundos, escondido dentro do Planeta Terra que ninguém mais sabia. As pessoas não conseguem entender o estranho, o diferente... Mas não é preciso entender, apenas crer sem ver", a autora completa o trecho fazendo menção à fé e a possibilidade da existência de todos os mistérios dentro da vasta criação do Criador

A trajetória de Eena mostra uma protagonista muito graciosa e com um espírito determinado, embora o sofrimento da personagem por razões das investidas de Barron — o vilão —, que não perde tempo em tramar para revogar a poderosa profecia que surge no livro das almas para dar fim à escuridão em Valera, seja visível e assolador.

O enredo de Valera é cheio de surpresas e muito multifacetado, mas inteligível. Há uma divisão curta dos capítulos que facilita, e muito, o entendimento da história, não deixando a sensação massiva. É de se ressaltar, novamente, a grande habilidade de Mylena Araújo em criar os seres mágicos e todo a metodologia em Valera, que durou, segundo informações da autora, cerca de cinco anos. Em conversa com Clayton De La Vie, fundador da Fonzie, editora responsável por esta edição da obra, cito merecidamente a autora como uma brilhante Fantasy Queen. A inclusão dos dragões à história é um ponto que "dá um up" em todo o contexto, pois Mylena faz com que as criaturas vistas como feras cruéis em muitas outras aventuras transmitam, entre tantos ensinamentos, o mais elementar de todos, o amor: "Desculpe, mas eu sou um dragão e gosto do aroma das nuvens. Então, se tem medo de altura, não olhe para baixo. Siga essa regra e tudo ficará bem".

A apresentação do conjunto de personagens vai sendo feita de maneira coesa. A autora deixa o leitor muito satisfeito ao explorar pontos negativos de alguns deles e transformá-los em proveitosos, benéficos para os desfechos. Tópicos como poderes e maldições e também o síncrono de curiosidades sobre as criaturinhas tão peculiares agradam sem deixar motivos sequer para críticas.

O processo duradouro de criação da obra certamente valeu a pena pois o aperfeiçoamento foi sendo empregado e tudo conspirou para um enredo promissor. Motivos, causas, consequências e todo o conjunto de ações e reações de personagens, como a descoberta dos mais esquisitos e inimagináveis segredos, como teias urdidas de muito ódio, inveja e ganância, se entrelaçam e tornam a obra muito mais do que uma simples história de fantasia. O reflexos da realidade se grudam ao fantástico e dão um vasto entendimento sobre as ideologias e igualdade de raças, mesmo em paralelos distintos. Acompanhar a aventura da protagonista em busca de seus objetivos é adquirir altas doses de sabedoria e coragem, extraídas diretamente do modelo de conduta de carismáticos personagens que se permitem evoluir no reino lendário.

"O coração é a chave para a vitória, embora a cabeça tente desvirtuar a verdade"; frases instigantes e repletas de simbolismos figurativos em sua essência, compõem a obra, que é um portal vital ao universo dos verazes seres; a evasão primorosa do mundo real cujo vivem as verdadeiras feras. A experiência em Valera não deve ser passageira. Deve permanecer no leitor até mesmo após o término da aventura no papel. Guerreiros, arqueiros, anjos-negros, elfas, ninfas, fadas, dragões, bruxas e magos devem continuar vivos e tornar-se um pouquinho de cada leitor. Assim como na vértice da grande batalha final onde surgem os verdadeiros heróis, deve surgir no leitor esse lume capaz de apontar o caminho a seguir, pois em cada um mora um grande e insondável segredo: "...Desde o momento em que regressou a Valera, jamais parou para pensar que em seu sangue não havia somente a linhagem do rei...".

É possível, ainda, evidenciar o montante significativo dos sentimentos das personagens que eclodem a cada nova investida e belos romances. A tese sobre o comportamento humano acompanha os indivíduos desde o princípio de sua sabedoria, e no conjunto de criações de Mylena Araújo não é diferente; sejam humanos, demônios ou dragões, o psicológico é apresentado brilhantemente. A prepotência e crueldade de Barron são ótimos exemplos a citar, pois no alto de sua glória conhece o verdadeiro medo.

O arremate final não permite que obra e reino passem desapercebidos. Surpresas aguardam o leitor. Se sentida, entendida e vivenciada, Valera jamais sairá do coração e do mais profundo da alma de cada um. Que os reinos em Valera sejam frutos na vida de todos os leitores que entendem-se como parte do mundo fantástico. À autora, o Marcas Literárias deseja todo o sucesso possível e impossível para que a mesma galgue a cada montanha encontrada, a cada neblina enfrentada, a cada vale ultrapassado, os mais lindos e vastos caminhos, sejam eles já conhecidos ou não.

O nosso mais verdadeiro prestígio e parabenização a autora e obra, digna de um roteiro cinematográfico. E por que, não?

site: http://www.marcasliterarias.com.br
comentários(0)comente



@lua.de.papel 08/12/2018

Um mundo espetacular e envolvente
Me vi imersa em um mundo novo, que me fez questionar se era mesmo apenas um livro.
O reino de Valera foi acessado por uma cidade real. Lugar este que desejo visitar o mais rápido possível. Preciso confirmar se não existe mesmo a passagem, haha!
Imagine a minha surpresa ao me deparar com criaturas amáveis, amigáveis que conquistaram meu coração desde o início. Eu fui jogada de cabeça em um mundo bem descrito, construído e desenvolvido, que já me sinto mal por ter sido obrigada a me despedir... Bom, não foi bem uma despedida, já que estará sempre gravada em minha mente e coração.
Valera é um dos mais lindos lugares que já visitei e sinto vontade de chorar por ter terminado essa história tão linda.

A Guerra não me surpreendeu, pois esperava muito mais, porém esse foi o único ponto fraco dentro das 500 e poucas páginas deste calhamaço.

Super indico! Uma das fantasias mais cativantes que há tive o prazer de conhecer!
comentários(0)comente



Bia 18/02/2021

?
Muiito bom!! Só achei cansativa porque são muiiitas páginas nos capítulos, e capítulos grandes me cansa. Mas eu achei super criativo a história e gostei do novo mundo!!
comentários(0)comente



4 encontrados | exibindo 1 a 4