Play

Play Kylie Scott




Resenhas - Play


79 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


dayukie 29/05/2018

"O livro é apaixonante, com cenas hots, envolvente é sem dúvidas uma leitura maravilhosa, tão maravilhosa que li tudo no mesmo dia e nem percebi o tempo passar.
Fiquei muito feliz com o fato da Editora Universo dos Livros decidiu manter a mesma capa original, que eu na minha opinião é bem bonita, não encontrei nenhum erro ortográfico e a diagramação está impecável.
Sem dúvidas nenhuma recomendo não só a leitura desse livro, como da série inteira!"

Resenha completa no blog.

site: https://goo.gl/yoTKMF
comentários(0)comente



BLOG UMA EM UM MILHÃO 01/02/2018

Mal Ericson, um dos filhos do rock, o baterista mais desejado do mundo, um homem que sempre tem um belo sorriso no rosto onde usa para mascarar todos os seus sentimentos, um homem determinado, alegre, inteligente, animado, lindo, charmoso, sem travas na língua, o sonho de toda mulher, ou não.

” _Pois é. Ele parece um filhotinho que tomou esteroides. Não sabe a força que tem.”

Anne Rollings uma mulher forte que nunca diz não para quem lhe pede ajuda, uma ruiva charmosa mais que se esconde por trás do trabalho e segue sua vida cuidando de todos a sua volta. Depois de ser roubada pela melhor amiga com quem divide apartamento, Anne é obrigada a ir em uma festa no apartamento de uma amiga para esquecer dos problemas. Ate ai tudo bem, tirando o fato que essa amiga era mulher do guitarrista da banda mais adorada do mundo, e o fato de um certo baterista ter sido seu amor de infância estar presente na festa.

“- Você vai morar comigo?- perguntei, interrompendo toda a bratava masculina e a discussão sobre dinheiro. Eu nem iria tocar na suposta questão dos amigos.

– Sim, moranguinho- disse mal, com o rosto muito sério. – Vou morar com você.

Retrai-me ante o apelido horrendo, mas decidi me concentrar na real preocupação por enquanto.

-Quando foi que falamos sobre isso exatamente?

– Acho que, na verdade, você já tinha saído. Mas isso não muda os fatos. Ele se virou para Ben.”

Uma brincadeira.

Um romance.

Descorbertas.

Amizade.

Um namoro falso.

Um amor verdadeiro

O casal mais fofo do mundo que começou de uma forma errada mais de um jeito certo, ele entrou na vida da Anne sem pedir licença, ele chegou com um único proposito: ajudar sua moranguinho e fazer seus dias os melhores possíveis.

Se ele conseguiu? claro que sim, mais do seu jeito Malcolm de ser, com toda sua intensidade, sua alegria, sua determinação, nosso baterista mesmo com todos seus problemas e medos ainda estava lá para todos seus amigos, mesmo quebrado por dentro.

“– Entãooooooo, você não estava só um pouco a fim de mim. Você é minha maior fã. Você me ama.

– Eu não amo você.

– Você me ama muito. Eu sou tudo pra você. Você estaria perdida sem mim.”

Um romance envolvente, apaixonante e viciante, tenho certeza que assim como eu, você vai se encantar pelo nosso baterista e se derreter ou morrer de rir a cada momento.

Play é o segundo livro da série Stage Dive, ela é composta por quatro livros e cada um conta a história de um componente da banda

site: https://umaemummilhaoweb.wordpress.com/2017/06/26/resenha-play/
comentários(0)comente



Elida.Rodrigues 25/04/2018

Play
Meu livro favorito da série... Quem não conhece o Mal, deveria conhecer... O cara mais engraçado e lindo de todos os tempos... É impossível ficar séria a cada tirada dele ?? O apelido q surgiu do nada pra Anne, então... ??? Meu rockeiro favorito!!
comentários(0)comente



Patricia 04/01/2017

Apenas bom
Qdo eu conheci o personagem Mal no primeiro livro, eu o adorei de cara. Engraçado,dinâmico, super de bem com a vida, ele me cativou. Achei que o livro dele iria ser o melhor de todos da série.
Eu ri bastante no livro. Ele e a Ane tem uns diálogos hilários. Eles se são bem, e ele é totalmente maluco. Já ela é pacífica,então o equilíbrio de personalidade funciona.
O que não funcionou para mim é o modo como ele toma suas atitudes. Eu o achei infantil demais para a idade. Eu sei que a autora tentou vender a idéia de que as estrelas de rock são loucas e livres,mas acho que neste livro algumas foram colocadas de um modo tão caricato, que eu me eu me pegava perguntando se alguém na vida real aceitaria ter seu apartamento invadido,por exemplo.
Mas Vale a leitura pelo livro todo,e pelas risadas.
comentários(0)comente



Greice.Fins 25/03/2016

Play
A história é basicamente de uma mocinha pobre batalhadora vindo de uma família desajustada, e um mocinho da pá virada que é um sacana de primeira, no bom sentido é claro, e que faz da sua vida uma eterna brincadeira. Claro que águas tranquilas escondem correntezas, e esse mocinho é uma criatura muito divertida e vale a pena desvendar seus segredos.

Esse é o segundo livro da série, Lick eu li no carnaval e me apaixonei, em Play cai de amores por Mal. A história é simplesmente hilário, teria todos os fatores para eu não gostar mas a autoria conseguiu a minha atenção. Amei. Se eu já gostava dessa banda, depois do Play viciei!!

Agora é torcer para vir o terceiro logo ... pois estou doida para saber a historia do guitarrista ... baixista ... vocalista what ever rs.
comentários(0)comente



Pratelivros 17/11/2015

Mal, meu baterista lindo *----*
OBS: Pra ler essa resenha com seus recursos de imagem completos (gifs, fotos), aceese o link ao fim da resenha

"A vida é uma música, Anne. Vamos tocar." - Mal

Essa série tá boa demais, gente! Romance rockstar de primeira qualidade. O primeiro volume já foi muito bom. E esse aqui é ainda melhor.
Se você já leu Lick, nem preciso recomendar esse livro pra você, porque o Mal já deve ter ganhado seu coração. Em Play ele simplesmente te faz babar.

Anne está ferrada. A menina com quem ela dividia o apartamento meteu o pé, o que a deixou com aluguel pra pagar sozinha, além de ajudar sua irmãzinha com as contas da faculdade. Ela já não sabe o que fazer. Quando sua vizinha a convida pra uma festa, ela acredita que isso será uma boa maneira de desligar a mente dos problemas. Mas quando ela percebe que Mal Ericson, baterista da banda Stage Dive e sua paixoite adolescente está nessa festa, ela vê que acabou de arranjar mais um problema.

"É destino, Anne. Escrito nas estrelas. Deixa essa porra em paz."
Mal

Mal precisa sossegar. Os casos de uma noite só e as tietes tem que parar. Ele tem que achar logo uma boa garota pra namorar. E aí a Anne aparece. Mal sendo o Mal, se muda pro apartamento dela e propõe um acordo que deve beneficiar ambas as partes. Ela finge ser namorada dele e ele a ajuda financeiramente. Eles só não imaginavam que seria tão difícil obedecer as regras que impuseram a esse relacionamento de mentirinha.

"Nós não podemos transar, nós só vamos dormir juntos. O plano todo vai desmoronar se começarmos a transar. O que eu preciso é de uma relação que pareça respeitável e de longo prazo. Nós começamos a transar e você vai ser toda 'Oh, Mal, eu nunca imaginei que tamanho êxtase fosse possível. Eu não posso viver sem você! Me possua, Mal! Por favooooor.' " - Mal

O enredo, a base desse livro, não é original. Pelo contrário. Mas eu não sei como Kaylie conseguiu criar uma estória super interessante e cativante, daquelas que não te deixa entediado por nenhum segundo sequer. Se o enredo foi clichê, os personagens, as cenas e os diálogos foram os grandes destaques aqui. Muito engraçado. Pra começar, toda vez que o Mal abria a boca, você sabia que iria rir.

Mensagens de texto:
"Mal: Ben tá vindo jogar Halo
Anne: Ótimo! Mas você não precisa me contar tudo o q vc faz,Mal
Mal: Davie diz que comunicação é importante.
Mal: Quando é o seu período? Davie disse pra eu descobrir se você vai querer cupcake ou sorvete.
Anne: Eu nunca quero falar sobre isso.
Mal: Entediado. Ben tá atrasado.
Mal: Vamos comprar um cachorro.
Anne: Apartamento tem regras contra animais.
Mal: Bonito sutiã verde de seda.
Anne: Saia das minha gavetas, Mal!
Mal: Tem calcinhas pra combinar?
Anne: SAIA AGORA.
Mal: :)
Mal: sext me
Mal: Vai ser divertido
Mal: Pfvr?
Mal: Alto nível de coodependencia doenteia por ambas as partes. Relação possivelmente quase tóxica.
Anne: WTF?
Mal: Fiz um quiz de revista. Precisamos de ajuda - especialmente vc.
Anne:...
Mal: Marcando terapia pra casal. Terça 4:15 tá bom?
Anne: Nós n vamos pra terapia.
Mal: Ql o problema? Vc n me ama mais?
Anne: Tô desligando o telefone agora."

Mal continua encantador, né? Energético, barulhento, confiante até demais e muito engraçado, eu sou louca por ele desde Lick. E mesmo com esse jeitinho de garoto, malandro e muito divertido, ele é totalmente másculo quando necessário, o que é uma mistura incrível demais.

“Nós quebramos minha cama."
“Na batalha, sacrifícios tem que ser feitos, pumpkin.”

Teimoso, super fofo e GOSTOSO, esse é o Mal Ericson. E esse apelido, pumpkin? (abóbora porque a Anne é ruiva

site: http://pratelivros.blogspot.com.br/2015/11/resenha-play-kaylie-scottl.html
comentários(0)comente



Caroline Dantas 23/03/2016

O Causador de 31 Post-its
Realmente, só de pensar no Malcolm eu já suspiro. Na verdade é uma mistura de suspiro com risada, porque ele é doido! Eu queria marcar, praticamente, tudo que ele falava, pois ele é muuuito engraçado e para poder acompanhar esse baterista precisa raciocinar rápido, gente, porque na minha cabeça ele falava rápido e quase sem respirar!

E ahh, detalhe, eu confesso que, grande parte das vezes, eu não conseguia distinguir se o que ele falava era brincadeira ou se era sério. Nem mesmo a personagem Anne conseguia. Eu sentia que estávamos as duas no mesmo barco: completamente perdidas.

Em relação ao palavreado e físico, o Mal me lembrou um pouco do Zane de 7 Dias Com Você da Aline (livro que eu já resenhei), mas a Anne não me lembrou nenhuma personagem não, na verdade eu nem tenho o que dizer dessa personagem, porque ela não me passou muitos sentimentos (não que ela seja chata, mas é que a narrativa é bem tranquila e sem rodeios mesmo).

Em relação à críticas mesmo, além dessa parte em que eu não conseguia decifrar o Mal, é que as coisas aconteceram muito rápido nesse livro. Num momento o Mal acaba de se mudar pra casa da Anne e no outro eles já estão quebrando a cama! Também tem o problema de que os dois personagens não me passaram muito sentimento. A Anne começa o livro "gostando" de um cara (não conseguiria captar esse "gosto" dela pelo Reece se o Mal não tivesse percebido que ela gosta dele) e depois o cara passa a gostar dela quando a Anne começa a gostar do Mal. Eu não senti nada na parte desses desencontros amorosos, tanto porque aconteceu rápido essa troca de "amores", tanto porque eu realmente não consegui sugar essa parte de sentimentos do livro.
A parte do grande SPOILER do livro também não foi grande surpresa pra mim, dá para descobrir o que é que está rolando antes que o livro te diga a resposta.
A Skye (causadora do problema) não foi mais citada depois das 20 primeiras páginas, o que me incomodou bastante, maaaaas eu já tenho uma boa ideia do que vai rolar no livro do Ben e isso me deixa mais feliz.

Em geral, o livro não é de grande emoções, intrigas ou brigas, mas é ótimo para quem quer dar risadas e trocar ideias consigo mesmo sobre como o Mal é maluco!

site: @fotoliteraria
comentários(0)comente



sarinha 12/10/2017

Amei
Amei.
Adorei.
Apaixonei.

Adorei "Lick" e "Play" não foi diferente. O final foi bem gostosinho assim como a história. Já quero ler "Lead".
comentários(0)comente



Tamiris 10/04/2017

O melhor da série
Play é o segundo livro da série Stage Dive, composto por Lick e seguido por Lead e Deep. Aqui nós temos a história do baterista Mal, no qual temos um leve contato na obra anterior e que me fez ficar bem curiosa sobre essa obra. Ele estava precisando de uma namorada de mentira {por motivos de força maior} e encontra a namorada perfeita em Anne. Ela acaba de levar um pé na bunda de sua colega de apartamento, que a deixa sem móveis, sem dinheiro, com aluguel atrasado e totalmente fodida.

Ele se oferece para ser "colega de apartamento" da Anne e dar tudo que ela precisa se ela fingir ser sua namorada.Tudo pode acontecer perfeitamente bem, se os dois não deixarem o desejo tomar de conta. É difícil, mas os dois têm que tentar.

"A vida é uma música, Anne. Vamos tocar."

Então, eu estava com uma grande expectativa com uma relação a esse livro. Tinha tido contato com o baterista no primeiro livro e ele me conquistou com o seu jeito divertido e sem noção. E encontrei muito disso no livro dele. Preciso dizer que esse é {por enquanto} o livro mais divertido da série. Malcom chega com uma ideia completamente louca para a Anne e ela fica sem reação, afinal ela era na adolescência fã do Mal. Então ela meio que pensa: "Eu já tô na merda né?! Ferrar meu coração com o Mal não pode ser tão ruim assim".

O que mais me encantou com esse livro foi a relação de amizade que foi sendo criada durante o caminho do livro. Embora houvesse muito desejo de ambas as partes e que eles estivessem se segurando para não ultrapassarem o limite, os dois sabiam diferenciar isso do fato de serem colegas de apartamento e as suas cenas eram inteiramente divertidas. Eles zoavam um com o outro,

"Mal: Fiz um teste de revista. Precisamos de ajuda. Você, especialmente
Anne: ...
Mal: Agendei horário com terapeuta de casais. Ter 4h15. Ok?
Anne: Não vamos fazer terapia.
Mal: O q foi? N me ama mais?
Anne: Desligando o telefone agora."

Juro que 90% dos tempo no livro eu estava morrendo de rir. Os outros 10% eu estava apreensiva de algum modo. Fiquei pensando na merda que Mal faria para estragar o relacionamento deles, pensando na merda que aconteceria se eles ultrapassassem a linha amizade X desejo. Por falar em desejo, todos sabem que o livro é erótico então obviamente vai haver pegação. Mas repito o que eu disse no primeiro livro: Kylie conseguiu não trazer só um erótico onde o casal começa a se pegar logo de início. Ela trabalha toda a relação de forma real, toda a história do casal até eles sentirem que está na hora de avançar.

Kylie trouxe um livro hiper engraçado mas ao mesmo tempo dramático e sexy. Ela trabalha a personalidade dos personagens durante o livro e é intenso alguns assuntos tratados no mesmo. Eu gostei de toda a narrativa {que é feita através da nossa Anne}, da construção de personagens, cenário e toda a história.

"A vida, aqui e agora, com Mal, era uma montanha-russa. Assustadora e excitante. Pouco importava se a situação ficasse estranha, eu apreciaria aquele momento."

Eu não tenho o livro físico aqui, porém já dei uma olhada na edição da Universo dos Livros e só posso dizer: uau. Eu amo essas capas desses livros, e essa retrata Mal de forma bem sexy. Adorei a diagramação e a tradução, super coerente. Só preciso firmar que senti falta do verdadeiro apelido da Anne, que é Abóbora e não Moranguinho como eles colocam na tradução.

No geral, para quem gosta de Romance Erótico mas gosta também um pouco mais de romance e dramatização {e não só sexo, sexo, sexo... eu gosto kk}, vai encontrar tudo aqui nessa série. Além de um grau de diversão que me fez amar mais ainda a série Stage Dive. Estou louca para dar continuidade a leitura da série. Ou seja, em breve tem mais resenha dessa série.

site: http://www.bloghittheroad.com/2017/02/play-kylie-scott.html
comentários(0)comente



Lu 14/01/2016

Leitura deliciosa!
Play é a continuação de Lick, e nos conta a história de Anne e Mal, que começa assim:

Malcon Ericson, o charmoso baterista da banda Stage Dive, precisa limpar sua reputação depressa, e para isso, precisa encontrar uma namorada de mentirinha.

Anne foi roubada por sua amiga que dividia o apartamento, que a deixou sem dinheiro e alguns móveis também foram levados.
Quando Lauren, a vizinha de Anne e também amiga de Eve, convida ela pra uma festa na casa de David, o guitarrista da Stage Dive, ela reluta em aceitar, mas acaba a acompanhando. Ao tentar fugir da festa por alguns minutos, ela se encontra com Mal, sua paixão adolescente.
Mal faz uma proposta a ela dias depois. Ela finge ser a namorada dele, e como pagamento ele paga suas dividas. Sem saída, Anne acaba aceitando.

Convivendo juntos, a atração fica mais forte, e o desejo passa a se tornar algo mais. Mas será que isso pode acabar bem?

Narrado por Anne, Play é uma leitura gostosa que te trará muitos risos.

Mais uma vez, a autora nos trás uma história clichê, mas com diálogos divertidos, uma escrita leve e gostosa, que torna a leitura muito mais prazeirosa e faz você querer mais.

Os personagens são o ponto alto dos livros da Kylie. Malcon é arrogante, divertido, sexy e tudo de bom. Anne é encantadora, e faz de tudo para deixar aqueles que ama feliz, o que as vezes faz ela deixar de fazer o que realmente deseja.

O casal tem uma química incrível. Uma delícia ver os dois juntos, e é impossível não rir com as brincadeiras hilárias deles.
A diagramação está simples. Não encontrei erros que incomodam a leitura.

Indico a todos os livros da série. Mas já deixo avisado: quando você começar a ler, não vai conseguir parar.
comentários(0)comente



Amigas dos Livros 05/02/2016

Tunti Tunti Tuntiii Táááááá
Ahhhhhhhhhhh que delícia esse livro!! Que delícia rir das palhaçadas do Mal! O cara tem um excelente humor, sempre uma piada na ponta da língua. E o ego mais inflado que já vi... mas isso nem tira o charme dele, porque tudo que ele diz vem com uma pitada de humor.
Esse também não é um livro que vai mudar sua vida, de deixar horas refletindo sobre sua existência e blá blá blá, mas é um romance gostoso, com uma pitada hot e correndo o risco de ser repetitiva, super engraçado.
Anne é uma mocinha forte, e isso me cativou. Muito! A bicha só se lascou na vida, mas não perdeu a esperança e tem uma frase que leva consigo “Vou dar um jeito”, e logo no inicio do livro, vemos a coitada se lascar sendo traída pela suposta melhor amiga.
Pra fugir da deprê, é convidada pela amiga e vizinha Lauren a ir numa festa na casa do guitarrista da banda Stage Dive, banda essa que ela era fã na sua adolescência. E lá na festa, conhece Mal, baterista da banda.
Ele precisa dela, ela precisa dele. Porque não unir o útil ao agradável, certo? Errado! Ou não...
Será que isso vai dar certo?
Eu super indico a leitura, vale sim a pena se distrair e cair nos encantos de Malcolm.
5/5
Tuty
Instagram: @amigas.dos.livros
comentários(0)comente



Tatiana.Morello 28/04/2018

Não foi um livro que se arrastou, até que gostei da história, embora eu esperava bem mais, não houve tantos acontecimentos até o meio do livro, ficou na mesma, achei que tudo se desenrolou no final e por esse motivo alguns fatos ficaram vagos na minha humilde opinião.
comentários(0)comente



Carla Cássia - @contra.capa 11/09/2018

Resenha: Play
Quando comecei a ler a série Stage Drive, duas amigas minhas que já tinham lido todas as histórias, me vieram falar que Play, de todos era o melhor, e infelizmente tive que descordar delas, e olha que isso é bem raro.

Mal, no primeiro volume, Lick, me foi apresentado como um cara leve, divertido, pau para toda obra, sem contar seu grande carisma e beleza. Entretanto, em sua história, parecia que todos os piores lados dele foram mais explorados do que os bons.

Nosso protagonista, impulsionado por uma pressão psicológica, comete vários erros com Anne. E é aquela coisa, um erro para dar aquela guinada na história, ou aquele famoso momento de separação a gente até entende, mas fracamente, acho que exageraram, me fazendo pensar se ele realmente é bom para ela.

Já Anne, nossa protagonista, se mostra sobre o muro muitas vezes. E tudo bem, ela é envolvida em uma vida louca de astro do rock por uma situação desesperadora. Contudo, em alguns momentos eu fiquei esperando mais atitude da parte dela, quando muitas vezes eu apenas a via se retraindo.

De qualquer forma, Play trouxe assuntos que saíram do foco dos personagens principais, uma carga de drama maior que Lick. Podemos nesse volume ver mais da história e da interação da banda, que é maravilhosa. Outro ponto importante da escrita de Kylie Scott é que os personagens comentem erros coerentes para suas idades, e em parte o universo que vivem. Como todos estão na casa dos vinte, se eu não visse imaturidade nas ações deles todos, acharia até estranho.

Para mais resenhas como essa, link abaixo.

site: http://www.blogcontracapa.com.br/
comentários(0)comente



Alessandra 21/12/2016

Não foi dessa vez
Eu queria dizer que livro erótico não é pra mim, mas não é isso, é que esse gênero é composto por 90% de livro mal escrito ou mal desenvolvido.
Eu me entreti com a história, dei risada, achei a cena da banheira muito boa e a escrita da autora é leve e rápida.
Porém, isso não é o suficiente, desenvolver uma história precisa de muito mais do que desenvolver sexo e drama.

Nesse livro, temos o Mal Ericsson que é baterista de uma banda famosa e precisa de uma namorada falsa, Mal (obviamente) é super gostoso, porém ele fazia tanta piada besta durante o livro que uma hora deixou de ser legal e passou a ser idiota, ele age o livro inteiro como uma criança é isso não funcionou comigo.

Anne Rollins é a garota tonta que precisa de dinheiro e acaba aceitando a proposta de Mal de ser sua falsa namorada em troca de aluguéis pagos. Acho que to cansada desse esteriótipos de menina pobre e cara rico.

O "triângulo amoroso" é patético, acontece em duas cenas depois some.

A tensão sexual criada pela autora é arrastada por tantas páginas que chega uma hora que brocha e cansa.

E, por fim, o que arruinou o livro pra mim, foi o história da mãe da personagem principal.
A autora quis falar sobre uma coisa séria como a depressão e ela não soube explicar, não soube desenvolver, não falou coisa com coisa e ainda tratou a doença como frescura.
Pior ainda, a culpa de muita coisa na vida da Anne era do pai e ela atribui exclusivamente a mãe.
Sinceramente só recomendou esse livro se você quiser ler cenas restrita porque com relação a todo resto a história não vale a pena.
comentários(0)comente



Ana Paula FZ1 16/10/2015

Se o livro do David ( Lick ) eu comecei com Ownnnnnn, esse merece ser começado com muitas, mas muitas, mas muitas risadas..rrss
Mal é o cara.... Com um bom humor muito mas muito fofo, não um fofo no sentido da ¨boiloce¨, não .... ele é macho pracarai....kkkkkk. O cara se acha a bolacha mais gostosa do pacote, mas tudo bem, ele pode ser essa bolacha. Sua auto confiança é contagiante.

Só que nem tudo são flores na sua vida. E é justamento por esses espinhos que a vida põe no seu caminho a bela Anne. Toda lascada, decepcionada, sozinha, Malcolm Ericson é a ¨solição pros seus problemas ¨, ou pelo menos é isso o que ele acha.

Mal se muda para o apartamento de Anne conhecendo-a somente há 48 horas, e faz um acordo com ela, ele a ajuda com sua vida financeira que anda uma merda, e ela o ajuda sendo sua namorada de mentirinha. Mas por quê ???? Ai é que tá, ela não sabe, mas topa.

E é aí que a vida deles começa a ficar hilária. Enquanto estão em casa, a interação deles é fantastica, conversam, brincam, brigam, ai eles saem e o faz de conta é quente, de tremer as pernas. Só que lógicoooooo que isso não ia ser um bom arranjo né, dado o fato de que Mal é o sonho de consumo de Anne desde que ela tinha 15 anos, daqueles sonhos que a gente prega poster na parede e fica imaginando como seria estar ao lado do nosso ídolo lindo e gostoso por toda a adolescência, e agora esse mesmo ídolo dorme no sofá da sua sala.... isso não pode ser boa coisa u dar certo de toda forma.

Claro que o inevitável acontece, o fogo entre eles é quente, e eles se rendem finalmente à esse fogo, só que Mal tem uma historia triste e de jeito nenhum ele quer compartilhar isso com a Anne, só que ela descobre, e isso a corta por ver como seu amigo e agora novo caso quente o afeta.

Claro que não vou contar o que é ( pra quem não leu vale a surpresa rs ), mas Kylie soube fazer um drama sem virar novela mexicana.

So que uma coisa tem me deixado tererê da vida com essas escritoras. Elas escrevem um enredo lindo, com muitos detalhes, ai quando a conta ta pra fechar, elas aceleram a história e logo vem o FIM ou o Epílogo, aí fiquei brava viu..rrrss

Achei que faltou falar mais desse momento que Mal e Anne tiveram que enfrentar antes do Epilogo, precisava ter sido um pouquinho mais explorado, sem dramalhão, mas achei que faltou algo. O que não quer dizer que o livro é maravilhoso.

O melhor de tudo, é que os outros personagens são mencionados o tempo todo, então David e Ev não ficaram esquecidos, só deixaram de ser o foco principal. Bom demais !!!

Ja me disseram que o livro dele é o melhor, ja comecei o do Jimmy ( Leed ) e li que ele é o mais intenso, Mal é o mais divertido, Ben é o mais ogro e David o mais romantico.. vamos la confirmar a teoria e ter novas emoções com essa banda quente e intensa !!!!


site: http://paixaoporleituras.blogspot.com
comentários(0)comente



79 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6