Cartas para você

Cartas para você Duda Razzera




Resenhas - Cartas para você


22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Mari @enquadrandolivros 05/07/2019

@enquadrandolivros
Cartas para Você da autora Duda Razzera, me cativou pela criatividade da narrativa e ensinamentos através de sentimentos reais, mesmo que dolorosos.

No livro vamos conhecer Georgia, uma jovem de vinte e dois anos que acaba de perder o pai, e, que também era seu melhor amigo. Durante a história, vamos acompanhar a busca de Georgia pela aceitação. A única coisa que não mudou na vida da jovem, foi sua paixão pela escrita, por isso, ela escreve diariamente cartas, onde a destinatária, é a denominada "Aceitação".

É através dessas cartas que vamos acompanhando a vida de Georgia após a morte do pai, mas com pequenas passagens onde ela relembra alguns acontecimentos do passado. As cartas não tratam apenas do luto. Georgia entra em depressão, e vamos acompanhando também sua luta com a doença. Além disso, vamos conhecendo mais sobre as relações de Georgia, sua aproximação com a mãe e a irmã, as intrigas com outros membros familiares, sua formatura e seu primeiro emprego, desastre amoroso e a relação com amizades.

É uma leitura intensa, Georgia não nos poupa dos seus reais sentimentos e é angustiante ler sobre o seu sofrimento, mas ao longo das cartas, percebi que o livro não se tratava do luto da Georgia, e sim do amadurecimento dela, a forma como ela vai aprendendo a lidar com a saudade, como ela vai construindo novos laços, se abrindo mais, mostra como ela vai melhorando a cada dia, mesmo tendo algumas recaídas.

A narrativa do livro é crua e dolorosa, mas bem realista, e isso me aproximou muito da personagem. Através do livro, a autora conseguiu passar uma mensagem linda sobre transformação e o ciclo da aceitação . E por mais tocante que a trama seja, o que eu realmente gostei, foi a forma direta e verdadeira que a autora tratou a fase do luto.

Cartas para Você é uma leitura impactante, que recomendo para qualquer pessoa.

site: www.instagram.com/enquadrandolivros
comentários(0)comente



Cassi @livrosdacassi 24/06/2019

Tristeza e a busca por aceitação após uma perda.
Esse livro vai contar, em forma de cartas, a história de superação pela perda de um ente querido e a busca por aceitação após tanto sofrimento.
?
Georgia Castro acabou de perder seu pai, e por meio dessas cartas sentimos todo o sofrimento e a dor que ela está sentindo, com o passar do tempo vamos vendo a transformação dela e a aceitação que ela vem buscando por perder seu, além de pai, melhor amigo.
?
É realmente muito comovente a história dela, e o tanto que ela aprende sobre a vida com essa perda. Porém me incomodou o fato de Georgia estar procurando essa aceitação e substituir o afeto que ela tinha pelo pai por meio de um novo namorado, acabando em se frustrar por conta disso.
?
Recomendo a leitura, mas vá preparado para uma história mais densa e triste.
?
comentários(0)comente



Amigas Entre Livros 23/06/2019

Cartas Para Você
Nesse livro vamos acompanhar a história de Georgia Castro, uma garota de 22 anos, estudante de economia e que tem uma linda amizade com seu pai.
.
Porém, seu pai vem a falecer (isso não é spoiler ?) e Georgia não consegue aceitar isso, pois só seu pai a compreendia, ele era a pessoa que ela mais confiava. Então, é nessa fase ruim, que Georgia entra em depressão.
.
Para superar essa fase de sua vida, sua psicóloga lhe recomenda a escrever um diário, com isso Georgia passa a escrever cartas para Aceitação, para que chegue e passe toda a dor que ela está sentindo.
.
Nessas cartas, Georgia passa a escrever sobre sua perda, sobre o quanto ela está sentindo falta de seu pai, e tenta superar isso, mas não consegue.
.
Além disso, vamos acompanhar sobre sua aproximação com sua irmã e mãe, seu emprego, sua formatura e sua relação amorosa, já que depois de ter perdido seu pai, seu namorado fala que não consegue lidar com essa situação e deixa-a.
.
Cartas para Você já digo que não é uma leitura fácil, pois se trata de um tema difícil, a perda de alguém nunca é fácil. Entretanto, a Duda consegue escrever de uma forma que não fica pesado, muitas vezes até damos risadas dos acontecimentos que acontece com a personagem.
.
Ao longo da leitura vamos acompanhar o crescimento pessoal da personagem, vamos perceber que por mais difícil que foi essa fase de sua vida, Georgia se torna uma mulher determinada e forte.
.
Se a minha mente conseguiu criar todo esse medo, toda essa angústia, ela também é capaz de criar uma bolha de positividade em minha volta e atrair só o que eu mereço.
comentários(0)comente



Nah | @umagarotaentrelivros 22/06/2019

Envolvente e muito inspirador!
O leitor vai se deparar com a árdua necessidade que Geórgia, teve de encontrar a aceitação, após a perda de seu pai. Ela escreve em forma de cartas, relatando sentimentos, conflitos internos, acontecimentos, sua relação entre sua mãe e irmã, após a perda da pessoa que era o elo entre todas elas.
?
Eu pude sentir e refletir, ao ler os pensamentos de Geórgia e a sua batalha diária com o luto e a depressão. É visível como o pai dela, era seu melhor amigo, conselheiro, companheiro e o melhor pai que poderia ser. A relação que existia entre os dois, é algo que até hoje, nunca vi entre um pai e uma filha. Me tocou de uma forma, que pude sentir uma parcela da dor que ela sentia, em não ter mais a presença daquele que era seu alicerce.
?
Durante a leitura, é possível notar que ela está melhor a cada dia, por mais que, alguns dias eram mais difíceis que outros, mas no geral, o leitor pode notar a cada carta lida, que ela está melhorando e está se tornando alguém melhor consigo mesma. Depois de tudo que passou, ela encontra a paz e se encontra.
?
Eu me peguei em várias partes, refletindo, se eu estivesse no lugar dela, como eu reagiria a tudo que aconteceu em sua vida? Não dá pra saber. Cada um tem um jeito de lidar com a perda e com situações difíceis na vida. E o jeito de Geórgia lidar, foi escrevendo.
?
Cada vez que avançava na leitura, senti que me tornava uma amiga para ela. Porque era como se, ela tivesse falando tudo aquilo para mim, por mais que eu soubesse que não era.
?
Para mim, a leitura foi algo diferente do que costumo ler e eu gostei. O livro é baseado em fatos reais, então, torna tudo mais vivo, real, emocionante.
?
A escrita da autora é muito fluída, por mais que trate de um assunto difícil, a leitura transcorreu bem rápido.
comentários(0)comente



Kaly 17/06/2019

Cartas para você
Livro: Cartas para você || Autora: @dudarazzeraauthor || Número de páginas : 216 || Livro cedido pela autora em parceria.

Nota 5 ⭐

Em cartas para você , nossa protagonista, Geórgia acabou de perder o pai, que era seu melhor amigo e porto seguro.

Sofrendo com a maior perca de sua vida, Geórgia desenvolve depressão e ansiedade.

Para lidar com os sentimentos, enquanto espera a chegada da mitológica aceitação, Ge é orientada por sua psicóloga a escrever sobre seus sentimentos.

Ela então, começa a escrever cartas endereçadas justamente á aceitação.
Pelas cartas podemos conhecer um pouco mais sobre sua relação com o pai, podemos acompanhar como a protagonista lida com a perda, acompanhar sua evolução e a descoberta que alguns sentimentos, como a saudade, não vão embora nunca.

Minhas impressões :
Talvez, como a própria Duda me disse, esse livro não tenha a mesma qualidade técnica de #alemdasuperficie, livro que foi melhor editado.
Mas , com toda certeza o que faltou em técnica, foi compensado com emoção e transparência.

@dudarazzeraauthor escreve de maneira crua e direta , sobre como doí perder alguém que amamos. Sobre o quanto nós não estamos preparados para encarar a morte.
Chorei alguns litros durante essa leitura, por saber que a história de Geórgia é a história da própria Duda. Por ter visto o meu próprio pai nos relatos de infância e adolescência da personagem e por ter sentido o medo da perca bem de perto no ano passado, quando o meu pai infartou.

A Duda escreve com uma honestidade crua, duvidando da existência da aceitação, mostrando que não há evolução linear no luto e que alguns dias serão infinitamente mais difíceis que outros.

Mas, mostra também que há espaço para novos sentimentos como a gratidão por ter tido tanto. Que e possível encarar a saudade como coisa boa e se permitir ser amada novamente, de outras formas.
A leitura desse livro não é fácil , podendo as vezes soar um pouco repetitiva, já que a personagem várias vezes fala sobre o como está sendo difícil o que está acontecendo. Mas, acho que foi isso que me permitiu sentir tanto, não há floreios na dor ela é dura.

Eu encerro essa resenha dizendo que recomendo a leitura a todos ! Esse é o tipo de leitura que te agrega algo, que te faz encarar o mundo de forma diferente e a ser grato por cada dia a mais vivido na companhia de quem amamos.

Com certeza estará entre os favoritos do ano.
comentários(0)comente



Amanda.Riselli 13/06/2019

Sobre Cartas Para Você em parceria com a autora Duda Razzera :)
Clarice Lispector escreveu: Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém, que o que mais queremos é tirar essa pessoa de nossos sonhos e abraçá-la.

O dia em que meu pai faleceu, sem dúvida alguma, foi o pior dia dos meus vinte e dois anos (...) Minha psicóloga diz que eu tenho que escrever, por isso estou aqui. Ela diz que ajuda, mas não sinto nada diferente (...) Todo dia meu pai morre de novo e eu passo pela negação, raiva, barganha e depressão. A aceitação ainda não apareceu por aqui (...) Às vezes não parece verdade que ele morreu... Me pergunto como as pessoas conseguem passar por isso sem surtar ou se perder no meio do caminho (...) Não sei mais quem eu sou, não reconheço essa pessoa que estou sendo... Eu não quero viver em uma realidade onde a sensação de ausência preencha todos os meus dias. Eu não quero a ausência de um pai que foi tudo na minha vida, menos ausente (...) Eu não sei existir em um mundo em que meu pai não existe. Não é real.

Cartas para Você é um livro quase autobiográfico, um projeto bem pessoal da Duda escrito em 2012, sete meses após a morte de seu pai. Em uma espécie de diário, a protagonista Georgia Castro escreve cartas bastante sinceras {aconselhada por sua psicóloga}, cujo remetente é a própria aceitação {apesar de nos sentirmos confidentes também} externando todos os seus sentimentos, enquanto vivencia as dolorosas fases do luto e trava uma batalha diária contra a ansiedade, o medo e a depressão. E nesse desabafo podemos ver muito da autora, da sua família e da sua história, mas principalmente de como era a sua relação de carinho, amor e amizade com o pai.
E embora a narrativa se apresente de uma forma crua, bruta, sem muita ambientação e sem um trabalho mais profundo em relação aos personagens secundários, ela não deixa de ser sensível, reflexiva e tocante! Senti uma forte empatia pela Georgia e meu coração se confortou ao saber que a escrita lhe ajudou no processo de superação da dor, onde ela começa a construir pontes ao invés de muros.
Cartas para Você é um livro dramático e especial, que transborda de suas páginas tanto amor quanto saudade.
comentários(0)comente



Talita.Chahine @cutucandoahistoria 01/06/2019

Denso
Acompanhar o luto da Georgia através das suas cartas foi uma experiência única.
Consegui me identificar em vários momentos com as experiências que ela passa durante esse período !
E ver que aos poucos ela consegue entender o significado de tudo isso que ela está passando, e que mesmos sendo uma das coisas mais difíceis da vida, ainda assim da sempre pra encontrar o lado bom de tudo !
comentários(0)comente



Ceci (@umcantinhosomeu) 15/12/2018

Ensinamento
Quais são as 5 fases do luto? Negação, Raiva, Barganha, Depressão e Aceitação, mas e quando você consegui atingir todas as fases menos a última. E isso que vamos descobrir com nossa protagonista.
 Georgia é uma jovem de 22 anos que acaba de perder o pai. Mas ele não era simplesmente um pai, era seu melhor amigo, companheiro, o único que a compreendia. Como seguir em frente após esse tipo de perda? E o que ela também se pergunta. Nesse livro meio diário/cartas acompanhamos a luta diária dela para conseguir superar não só a morte do pai, como também todas as consequências que vieram junto com essa perda. Crise financeira, brigas em família, o sentimento de abandono, tudo demonstrado de uma forma bem transparente. Mas ainda bem que a vida não é só tragedia e ela descobrirá um novo meio de se reencontrar e descobrir que ainda à pessoas maravilhosas a sua volta que nem mesmo ela desconfiava.

A leitura desse livro para mim foi bem impactante.  Como qualquer outra pessoa já sofri perdas em minha vida também,  tive sim meus momentos sombrios, mas consegui sair deles, e vendo a luta dessa personagem me fez ter mais empatia pelo meu próximo. Me vez ver que cada pessoa vai sofre de uma maneira, não que eu já não soubesse, mas me mostrou o que há por trás muitas vezes de um sorriso forçado ou de uma lágrima que teima em cair. Eu pude conhecer a autora, mesmo que virtualmente, então sei como esse livro e especial para ela, e posso dizer sem dúvidas que ela é uma guerreira.
Essa foi a primeira experiência da dudarazzera como autora, e como tal tem suas falhas, em alguns momentos a leitura parece um tanto repetitiva, sem tanta clareza de onde ela quer chegar. Apesar de que isso não chega a ser um empecilho para você apreciar a leitura. Eu super recomendo a leitura desse e de seus outros trabalhos.
comentários(0)comente



cotonho72 10/03/2017

Bom!
Nesse livro vamos conhecer a história de Georgia Castro, uma jovem de 22 anos, bonita, inteligente, determinada, um pouco vaidosa, que adora séries e filmes e que gosta muito de literatura. Ela é uma garota muito divertida e feliz, mas não tem sorte nos seus relacionamentos e seus namoros lhe causaram muita dor e tristeza. Georgia é super apegada ao seu pai, que é mais do que um pai, é um amigo e confidente, agora o que ela menos esperava era perdê-lo, sendo a dor desse evento incomparável e a deixou completamente sem rumo.
Para piorar ainda mais, seu tio que tinha um empresa junto com o seu pai, após o falecimento, deixou todos com uma mão na frente e outra atrás, sendo que o pai de Georgia que reergueu a empresa dele, mas resolveu retribuir desta triste maneira. Assim Georgia começa a escrever, recomendada pela sua psicóloga, para poder lidar com o luto, com as dificuldade, os relacionamentos familiares e amorosos e o pior a depressão, mas principalmente para aceitar a perda do pai.
O livro é escrito em forma de cartas, seus capítulos são curtos e todos direcionados a aceitação a qual questiona constantemente por tudo o que está passando, não é uma leitura fácil e em certos momentos chega a ser cansativa, mas tudo que transmiti no decorrer de sua páginas é muito válido.
A autora Duda Razzera aborda muitos assuntos importantes, a importância da família, da fé e amizade, nem a alegria e a tristeza duram para sempre, a adversidade sempre virá nas nossas vidas para nos ensinar e fortalecer e cada um lida com a perda de uma maneira diferente e no fim vamos ver como Deus trabalha na nossa vida.
O livro não possui só momentos de tristeza, pois algumas situações de Georgia são hilárias e conseguem deixar em certas partes a leitura mais leve, assim como a personagem, a autora perdeu o pai, então sabemos que o livro é praticamente biográfico, outro assunto muito válido citado no livro foi a era virtual em que a autora nasceu onde se conclui que a internet não é má, mas você não pode ficar presa a ela, pois tudo é bonito on-line.
“ A verdade é que ninguém pode dizer que conhece alguém só porque conversa com ela todo dia no Facebook e sabe tudo o que ela faz e deixou de fazer nesse meio-tempo.” página 159.

O livro tem uma capa bem legal e criativa, também está cheio de citações que sãos mencionadas no decorrer da história, não é um livro de autoajuda, mas nos leva a refletir bastante.

“Agradeço por meus amigos não me dizerem “ Eu sei como você se sente”, “ Já passei por algo parecido”, porque isso me deixaria louca. Não, vocês não entendem. E, não, não vão passar por nada que se compare ao que eu estou sentindo.
Primeiro: porque a dor é minha. Segundo: porque, de todos os meus amigos, nenhum pai foi como o meu. Nenhum pai vestiu de verdade a camisa como o meu. Terceiro: nenhum deles teve o meu pai.” páginas 24 e 25.

site: http://devoradordeletras.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Kethlyn Galdino 29/01/2017

Poderia ser melhor esse final...
Resenha:

Georgia é jovem e após a perda do pai ela vê uma barreira enorme em seu caminho que é a aceitação.

Para ela sua vida se acaba a partir do momento em que ele parte...

A vida de seus pais foi sofrida, sempre tiveram problemas familiares e financeiros mas ainda sim existia amor naquela união que para ela sempre foi um grande exemplo.

Tempos se passaram e ela ainda não consegue seguir com sua vida, sempre olhando para trás esperando que isso não seja verdade Georgia deixa de viver. Ela para de sair, não namora, não encontra animo nem para trabalhar. Suas noites são de lágrimas, dor e tristeza.

Após ir a procura de uma terapeuta ela passa um pouco do seu dia escrevendo para a 'Aceitação' sobre os acontecimento recentes, suas dificuldades em voltar a ser e feliz e aceitar tudo que aconteceu em sua vida.





"Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar essa pessoa de nossos sonhos e abraça-la".

-Clarice Lispector

P.S.: Emocionante!
Achei a leitura bem tranquila e envolvente.
A história da Georgia é muito emocionante, são tantos acontecimentos que me deixou bem 'chocada'.
O livro é pequeno o que o torna fácil de ser devorado rs
Esperava um pouco mais do final, gostaria de ver a protagonista tomando mais atitudes, ela esta sempre triste e reclamando da vida sem o pai e quando ela diz 'tchau' para aceitação esperava que ela contasse algo mais sobre não precisar mais disso (escrever para a aceitação).
Sem dúvidas se obra tivesse uma continuação iria ficar louca para ler e ver a evolução da Georgia.
Acho que apenas ficou faltando uma conclusão para tudo isso uma atitude dela que me disse que de fato ela cresceu no decorrer da história e percebeu que pode ser feliz.



site: https://parbataibooks.blogspot.com.br/2016/03/resenha-cartas-para-voce.html
comentários(0)comente



Ani 01/02/2016

Cartas para você é o romance de estreia de Duda Razzera. Nele conhecemos Geogia Castro, uma jovem de 22 anos, estudante de Economia que perde seu pai – e melhor amigo – para o câncer.
A jovem fica devastada e não consegue aceitar isso. Mesmo com sua mãe e sua irmã, ela sente muito a falta de seu pai, já que ele era seu melhor amigo e para tentar superar ela começa escrever cartas para a Aceitação, como uma forma de expor seus sentimentos, e é através delas que a obra é narrada.
Quando a autora entrou em contato comigo, eu já conhecia a obra por resenhas mas não sabia da profundidade da obra. Como citei ela é narrada em forma de cartas onde a personagem central expõe tudo o que pensa e sente nessa fase tão difícil que é o luto.




Confesso que fiquei um pouco dividida em relação a obra, em momentos eu queria chacoalhar a personagem e pedir por favor para seguir em frente, tentar ver o lado bom das coisas. Tentar lembrar do pai e dos momentos bons sem ser uma pessoa triste ou amarga, mas em outros momentos eu tentava imaginar o que ela estava sentindo. Meu pai é tudo para mim, não consigo me ver sem ele, sem os conselhos, brincadeiras e etc, então eu imagino a dor que ela sentiu. Na verdade, não imagino, porque só quem perde alguém que ama, sabe como é ruim e doloroso. Foi nesse misto de sentimento que terminei rapidamente a obra.




Duda tem uma escrita fácil e envolvente que não nos deixa parar a leitura por nenhum momento, os capítulos curtos também facilita na hora da leitura. A parte gráfica da obra é simples e bonita, a capa está uma graça, as folhas são amareladas e a fonte agradável.
Em suma, aconselho a leitura para quem está a procura de um livro com uma temática densa, mas tratada de uma forma mais sensível.

"Como meu pai sempre disse: Fazer sempre a mesma coisa e achar que algo vai mudar é burrice."

site: http://www.entrechocolatesemusicas.com/2016/02/cartas-para-voce-duda-razzera.html
comentários(0)comente



Neyla 29/12/2015

Fico cada vez mais feliz quando leio livros nacionais que, de alguma forma, me tocam e surpreendem. Esse ano tem se mostrado extremamente gratificante em relação a autores nacionais. Tive a sorte de conhecer novos talentos e me encantar com suas diferentes histórias. Algumas alegres, outras tristes, algumas um tanto clichê, mas todas, de certa forma, arrebatadoras.
Cartas Para Você é aquele tipo de livro que você não sabe bem o que esperar. Não porque a sinopse não deixe isso explicado, mas sim por que vamos lidar com um assunto delicado como a perda de alguém que amamos e a forma como cada pessoa encara isso é um verdadeiro mistério. Neste livro conhecemos Georgia, uma jovem de 22 anos que acabou de passar pela maior perda de sua vida. Seu pai, que era um herói para ela, faleceu e levou com ele toda sua alegria e vontade de viver.
Apesar de ter um bom relacionamento com a mãe e a irmã, era o pai seu verdadeiro porto seguro. Ele sempre foi mais que um pai: era amigo, companheiro, conselheiro, a única pessoa com quem ela conseguia se abrir totalmente. E agora restou a ela somente a solidão e uma sensação de vazio enorme que não cabe em seu peito.
Como se não bastasse essa perda, sua vida amorosa está uma bagunça e desde que ela terminou com o Voldemort (aquela que não deve ser mencionado), nunca mais conseguiu se envolver de forma intensa com alguém. Ela até tentou dar uma chance a alguns, mas em todos faltava algo, nenhum deles era o suficiente.
Já um tanto cansada de perceber que por mais que todos digam que "o tempo cura todas as feridas" e nada acontecer para que ela consiga enfim aceitar a perda do pai, decide escrever cartas para ninguém menos que a Aceitação. E as revelações que ela faz a cada nova carta são de enternecer o coração.
Eu não estava preparada para o que encontrei ao longo dessas 216 páginas. Em um dado momento fechei o livro, respirei fundo e fui espairecer. A dor, a tristeza e a solidão pela qual Georgia passa é algo tão forte que muitas vezes me senti como se aquilo que ela estava sentindo fosse algo meu. É algo intenso, palpável, que me arrebatou logo de início e que foi me deixando sem palavras durante toda a leitura. Não é uma leitura triste ou angustiante, mas é algo que realmente nos faz refletir.
A autora escreve sobre um tema delicado como a perda de entes queridos com uma suavidade e sensibilidade incrível. Eu simplesmente me vi envolvida por cada uma das suas descrições impressionantes e pela forma que ela conduziu a história. Por várias vezes fechei o livro com os olhos marejados, sem saber o que pensar ou como reagir. Duda tirou o meu chão em diversas passagens e fez com que as lágrimas rolassem com uma facilidade assustadora.
Confesso que achei Georgia um pouco chata no início da trama, em alguns momentos não suportava ouvi-la falando sem fazer nada, apenas querendo algo que ela se privava. Mas com o tempo, com a leitura mais encaminhada comecei a vê-la com outros olhos. Ela já tinha seus problemas e a perda daquele que ela amava acima de qualquer coisa foi um choque que jamais esperava. Me coloquei em seu lugar e percebi que também me sentiria devastada.
Fiquei feliz em perceber o amadurecimento da personagem no decorrer das páginas. É algo gradativo, que acontece no tempo certo e que nos faz sentir um alívio a cada novo avanço que ela demonstra. Georgia pode não ter sido uma das personagens que mais me cativaram ao longo dessa minha extensa vida literária, mas com certeza me proporcionou uma reflexão com seus pensamentos muitas vezes tumultuados.
A leitura é rápida e bem fluída, mas se você for do tipo chorona (que nem eu) leia com um pouco mais de calma para ir digerindo cada pedacinho da melhor forma possível. Se eu recomendo a leitura? Com toda certeza! Um prato cheio para os amantes de uma boa leitura e para aqueles que, assim como eu, amam conhecer novos talentos da nossa literatura.
comentários(0)comente



Telma 15/11/2015

Da negação à aceitação (e seus muitos tons)
Duda Razzera me fez chorar.... Georgia me fez chorar.

Li que esta é parte da história dela, recheada com sua criatividade, portanto, não é uma obra 100% ficção, assim como não é 100% autobiográfico.

No começo, fiquei tentando separar o que era sentimento real do que era ficção (eu e minha mente analítica) mas, esse processo durou pouco. Me envolvi tanto na história que acho que Duda misturou a história dela com a minha. Cheguei a conclusão de que é tudo real, inclusive o ficcional (porque o ficcional, esteja onde estiver é meu!


Antes de continuar, senti necessidade de rápida visão (para quem ainda não conhece), das fases do luto e nisso há a explicação para todas as cartas da Georgia (nossa personagem principal), terem sido escritas para a Aceitação


O luto/perda normalmente passa por 5 fases:

A negação- Surge a primeira fase do luto, é no momento que nos parece impossível a perda, em que não somos capazes de acreditar. A dor da perda seria tão grande, que não pode ser possível, não poderia ser real.

A raiva – A raiva surge depois da negação. Mas mesmo assim, apesar da perda já consumada negamo-nos a acreditar. Pensamento de “ porque a mim?” surgem nesta fase, como também sentimentos de inveja e raiva. Nesta fase, qualquer palavra de conforto, parece-nos falsa, custando acreditar na sua veracidade

A negociação- A negociação, surge quando o individuo começa a por a hipótese da perda, e perante isso tenta negociar, a maioria das vezes com Deus, para que esta não seja verdade. As negociações com Deus, são sempre sob forma de promessas ou sacrifícios.

A depressão – A depressão surge quando o individuo toma consciência que a perda é inevitável e incontornável. Não há como escapar à perda, este sente o “espaço” vazio da pessoa (ou coisa) que perdeu. Toma consciência que nunca mais irá ver aquela pessoa (ou coisa), e com o desaparecimento dele, vão com ela todos os sonhos, projetos e todas as lembranças associadas a essa pessoa ganham um novo valor.

A aceitação – Última fase do luto. Esta fase é quando a pessoa aceita a perda com paz e serenidade, sem desespero nem negação. Nesta fase o espaço vazio deixado pela perda é preenchido. Esta fase depende muito da capacidade da pessoa mudar a perspetiva e preencher o vazio.

Parte do relato me pareceu o de tantos outros, que sentam na minha frente, numa sessão de terapia e falam de si. Temos tanto em comum! Duda traduziu bem isso em suas cartas à Aceitação (última fase do luto), que nunca chegava.





Outra parte, pareceu mais uma de minhas melhores amigas, articuladas, tentando colocar o que sente em palavras (arte difícil) e o resultado foram lágrimas mútuas.

Uma terceira parte, era a srta. Razzera traduzindo meus pensamentos. Falando por mim. Sendo minha terapeuta. Chorei ao relembrar a morte do meu irmão e o pedaço de mim que foi com ele (e não tem volta). Sorri ao perceber que, nada foi tirado de mim. Ele está aqui comigo mas, a ausência física sempre vai doer. Só aprendemos, cada um a sua maneira, a lidar com ela.





Gargalhei quando ela deu nome de Valdemort ao namorado (vontade de socar Valdemor). Pra quem não sabe, Vademort é o nom do principal vilão de Harry Porter e vi a ironia de tentar passar pelas etapas do luto, como se elas não tivessem muitas sub etapas (Duda fala disso muito bem, de maneira naturalíssima e tão real, que mais uma vez ela falava de nós duas).




Dizer mais é falar do que já está na sinopse... então resolvi deixar esses trechos do livro para você sentir a escrita de Duda, que vem recheada de sensibilidade, inteligência e "dark humor".

Olha um exemplo do senso de humor delicioso da srta. Razzera, mesmo em meio a tantas dificuldades:




Quando fechei o livro, senti vontade de abraçar a Duda. De acalentar a Georgia e de dizer que estou com ambas... e talvez ambas estejam em mim.




Se você está ou não em situação parecida, esse livro é 100% indicado! A leveza e profundidade (paradoxal) com que é escrito me faz endossar muitas vezes minha recomendação. Leia, identifique-se e saiba como ajudar-se e a outros.





PS.: Possíveis erros gramaticais ou ortográficos serão corrigidos em minha releitura
CASO QUEIRA VER AS IMAGENS, VÁ AO LINK ABAIXO:

site: http://surtosliterarios.blogspot.com.br/2015/11/resenha-cartas-para-voce.html
comentários(0)comente



Dryh 28/10/2015

Querida Aceitação
Após perder o pai, Georgia passou a escrever cartas para Aceitação, que, de acordo com os psicólogos e etc, é a última fase do luto. Acontece que Georgia ainda não chegou nessa parte. Ela simplesmente não consegue entender porque seu pai fora tirado dela, quando tantas pessoas ruins no mundo ainda viviam. Por que justamente ele, seu porto seguro?

Seguir a vida não era tão fácil como as pessoas diziam que seria, então ela passa a escrever sobre seus dias e seus sentimentos, contando, além do que acontece em sua vida, as saudades que sente do pai, e os turbilhões de pensamentos que passam por sua cabeça todos os dias, além de sua luta diária para tocar a vida, quando o que ela mais queria era fechar os olhos e sonhar que o pai estava de volta.

Eu não sei existir em um mundo onde meu pai não exista. Não é real. – página 20


Georgia não é uma pessoa fácil de se lidar, e não digo isso somente por ela ser ansiosa ou um pouco exigente, mas por ter prendido a si mesma dentro de um mundo onde ninguém mais conseguia entrar. Todos que acabavam se aproximando, de alguma forma, eram obrigados a se afastar. Sem seu pai, Georgia sentiu que não podia fazer mais nada sozinha, e demorou para que ela percebesse que não era exatamente assim.

Com a ajuda de sua psicóloga, seus amigos, sua mãe e sua irmã (que, muitas vezes, faziam com que a protagonista surtasse um pouquinho), Georgia vai, aos poucos, percebendo que sua vida ainda não acabou e que, a falta que sente de seu pai pode nunca desaparecer, mas vai ser algo suportável com o que viver.

Hoje, com certeza, é um dia cinzento. – página 18

No início achei que Georgia era um pouco dramática e repetitiva demais (e até ela concorda com isso), por mais que perder alguém seja um choque muito grande, mas logo fui me acostumando com seu jeito de ser, e aprendi a gostar dela. Realmente, passar por tudo o que ela passou não deve ter sido nem um pouco fácil (percebemos isso quando passamos a conhece-la melhor), mas ver que ainda assim Georgia conseguia sorrir fez dela minha heroína.

Georgia tem lá seus dias bons e ruins (os ruins parecem mais constantes), e, em cada um desses dias, ela se mostra um pouquinho mais madura, mais independente e mais decidida. Comparando a mulher da primeira página com a da última, percebe-se uma diferença muito grande, e posso dizer que me senti orgulhosa por ter presenciado isso.

E nada nunca mais vai ser como antes. Diga para mim que isso é só um sonho ruim e eu vou acordar! – página 26

Gostei muito de ler Cartas para você, é um livro cheio de sentimentos que nos pegam de jeito, e muitas vezes quis chorar lendo a trajetória de Georgia na superação não só da perda de seu pai, mas de todo o resto também. Ver o quanto ela se sentia desamparada e sozinha foi de partir o coração, no entanto, ver como Georgia foi se reerguendo aos poucos foi incrível.

E, sinceramente, Aceitação, eu nem sei em que fase estou. Você sabe? – página 171

Adorei o desfecho do livro, por mais que quisesse mais algumas cartas até superar que o livro havia acabado. Cartas para você é um livro pequeno, então pode ser lido rapidinho, mas é melhor tomar cuidado com a rapidez, pois os sentimentos de Georgia são um pouco pesados, então é bem possível que você acabe chorando um pouquinho...haha’

O que eu quero dizer, Aceitação, é que acredito que finalmente entendi: o tempo não cura tudo. Na verdade, o empo não cura nada. Não existirão cicatrizes enquanto eu não quiser ser curada. – página 156


site: http://shakedepalavras.blogspot.com.br
comentários(0)comente



22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2