O Deserto dos Tártaros

O Deserto dos Tártaros Dino Buzzati




Resenhas - O Deserto dos Tártaros


138 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Mari 19/06/2021

O deserto dos tártaros
Após a leitura fica facilmente compreensível o porquê Antônio Cândido lia todo ano essa obra. O livro é uma metáfora surpreendente de nossas próprias vidas.
comentários(0)comente



Juliana.Ramos 19/05/2021

sobre o tempo que jogamos fora.
comentários(0)comente



Vivi 17/05/2021

Adorei.
Tive medo de ler por conta de opiniões negativas, mas li e não me arrependo. Muito reflexivo. Para mim esse livro apareceu no momento certo da minha vida. Me ajudou a pensar sobre muitas coisas.
comentários(0)comente



leticia 17/05/2021

O Deserto dos Tártaros
Esse livro é cheio de camadas, pode-se falar muitas delas, mas a que mais me impressionou foi a relação entre tempo e costume. Há de acostumar-se ao bom e ao ruim, e o ruim assim o é por falta de hábito, já o tempo mitiga e condensa todas as escolhas, tudo vira uma massa só tal as areias uniformes do deserto. Gostei, mas já sabe né kkk
comentários(0)comente



Karina Paidosz 14/05/2021

Estou aqui pensativa olhando para o nada. Não sei até que hs
Durante a leitura eu tive um misto de o que vem por aqui, nada acontece e tudo acontece.

Drogo é um retrato de muitas pessoas que ao longo de suas vidas questionam o rumo que sua vida tomou quando decidiu seguir sua carreira.

Valeu a pena? Se pudesse voltar ao tempo tornaria a fazer as mesmas escolhas?

Tô parada aqui olhando para o nada e o tudo que se tornou.

Feliz, sim ?
comentários(0)comente



Guilherme.Stonas 12/05/2021

Clássico Imperdível
O livro é de uma beleza única, pelo fato de tratar de tempo,convivência humana, e morte temas eternos da existência humana, o torna um clássico ao meu ver. O livro é de uma beleza ímpar e final dele é simplesmente um soco no estômago. Fiquei com a cena na memória alguns dias.
comentários(0)comente



Pedro.Constant 02/05/2021

Drogo, um jovem oficial, foi convocado ao posto no Forte na fronteira com o deserto dos tártaros. A leitura fica um pouco lenta, mostrando com vários detalhes a rotina do forte a espera do inimigo. O final é um pouco melancólico. Recomendo para aqueles que gostam de uma leitura mais lenta.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



josefa.duarte.3 22/04/2021

O que você faz com o tempo que acha que tem?
Terminei a leitura e fiquei uns bons minutos olhando pro nada. Foi chocante perceber o quanto de Drogo há em mim. Entrou pro cânone dos livros da vida. Apesar de achar que todo leitor, em algum momento, deveria ler esse livro, ele não é para todas as idades. Pode causar um certo desespero perceber que em você, como em mim, há um tenente Drogo e que o tempo se foi. Doloroso.
"Tudo se esvai, os homens, as estações, as nuvens..."
comentários(0)comente



Luciano.Andrade 11/04/2021

Um livro sobre o tempo e oportunidades perdidas
"Do deserto do Norte devia chegar a sorte, a aventura, a hora milagrosa, que, pelo menos uma vez, cabe a cada um. Para essa vaga eventualidade, que parecia tornar-se cada vez mais incerta com o tempo, os homens consumiam ali a melhor parte de suas vidas."

Escrito por Dino Buzzati, jornalista, escritor e artista plástico, o Deserto dos Tártaros publicado em 1940, é uma das obras mais influentes na literatura italiana contemporânea. No livro somos apresentados a um jovem militar, Giovanni Drogo, que ganhou a incumbência de fazer parte do posto de vigilância no forte Bastiani, uma fortaleza construída no coração das montanhas para proteger as fronteiras do país dos inimigos do Norte, os Tártaros.

Na história, os anos se passam, consomem-se os dias e as vidas dos militares, que nutrem a ambição, o desejo não confesso, mas evidente no coração de todos, de participar de uma guerra contra os tais inimigos. Contudo, não houveram indícios de uma luta iminente, o que não impediu que continuassem sonhando, aguardando seu momento de glória, olhando para o Norte através das montanhas, alimentando as altas expectativas que os consolavam e abrilhantavam seus dias.

Creio que a mensagem do livro esteja focada no alerta sutil de não vivermos a vida apenas sonhando com grandes feitos, esperando o momento certo quando a luz puder iluminar o Norte e nos guiar para um momento de pretensa glória, pois, nesse meio tempo, a vida se esvai, as árvores desaparecem, as casas se tornam distantes, as pessoas se tornam espectros de lembranças vagas, os amores desaparecem e, sem aviso nem meias verdades, encontramo-nos sós frente ao oceano de chumbo do inexorável tempo, a única riqueza com a qual não podemos barganhar.
comentários(0)comente



Frederico 03/04/2021

Livro fabuloso. Impressionante ainda mais por ter sido escrito num período entre guerras. Uma pequena obra prima.
comentários(0)comente



Marcel 24/02/2021

Um clássico que pode te ensinar muito
Um livro que te leva para a vida Giovane Drogo, e te mostra como você pode esperar a vida inteira por um acontecimento e como o tempo pode corroer a esperança.
Livro maravilhoso! Uma lição de vida.
comentários(0)comente



Lista de Livros 22/02/2021

Lista de Livros: O Deserto Dos Tártaros, de Dino Buzzati
“Talvez a questão esteja toda nisso. Talvez nós pretendamos demasiado. Cabe-nos sempre o que merecemos, realmente.”
*
“Justamente naquela época Drogo deu-se conta de que os homens, ainda que possam se querer bem, permanecem sempre distantes; que, se alguém sofre, a dor é totalmente sua, ninguém mais pode tomar para si uma mínima parte dela; que, se alguém sofre, os outros não vão sofrer por isso, ainda que o amor seja grande, e é isso o que causa a solidão da vida.”
*
Mais do blog Lista de Livros em:

site: https://listadelivros-doney.blogspot.com/2020/12/o-deserto-dos-tartaros-de-dino-buzzati.html
comentários(0)comente



rodrigo 18/02/2021

É notável perceber “o tempo” como palavra-chave no livro, a partir desta palavra, o autor buscou descrever um enredo reflexivo sobre os caminhos, nesse caso, passagem do tempo e os impactos nas vidas dos personagens. Assim, iremos Acompanhar Giovani, um jovem que foi designado para assumir um cargo no forte Bastione, localizado no deserto dos tártaros, ao chegar, os sonhos de Giovanni vão desintegrando-se aos poucos, ao tempo, o personagem vai construindo uma falsa esperança de reconhecimento//Vitória. No local, Giovanni vai conhecer pessoas q estão mais de 15 anos no forte, de formar clara, o autor descreve a vida monótona dos soldados, os próprios saldados não questionam o modo de vida deles e seu papel no forte. O forte assume um papel de prisão ao invés de fortaleza, enterrando os soldados no esquecimento de uma vida normal e familiar, alimentando uma falsa esperança de glória.

O problema no livro está relacionado ao ritmo, o livro é meio monótono, tipo de leitura q não vai agradar muitas pessoas, eu até fiquei com sono, mas é uma história profunda.
comentários(0)comente



Josi 16/02/2021

Um tratado sobre o passar do tempo, as expectativas que criamos e as escolhas que fazemos
Tem uma frase do Drummond que resume bem o que poderia ser chamado de "o coração" desse livro: "tudo que poderia ter sido e não foi". A 'pedra no meio do caminho' de Drogo, no fim, eram suas próprias expectativas, norteando escolhas que, ao longo do tempo, cobraram seu preço. E o custo é o próprio tempo. Uma história que transpõe a ficção e nos faz refletir sobre a vida, o estar de coisas nos quais nos encontramos, as escolhs que fizemos... Livro que poderia ser considerado rápido (pouco mais de 250 páginas) mas sua densidade nos impede. A história se desdobra e digeri-la toma tempo. Não à toa é um dos grandes textos da literatura italiana. Vale demais a leitura e a reflexão.
comentários(0)comente



138 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |