Mentiram (e Muito) para Mim

Mentiram (e Muito) para Mim Flávio Quintela




Resenhas - Mentiram e Muito Para Mim


17 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Michael.Rocha 25/05/2019

Argumentações fracas...
Comecei a ler esse livro após terminar o "Mentiram para Mim Sobre o Desarmamento" (este sim um bom livro, inclusive recomendo), acreditando que "Mentiram (e Muito) para Mim" também apresentaria um texto bem embasado e com argumentações coerentes. Logo percebi que Bene Barbosa é o responsável pela essência do segundo livro, enquanto que Flávio Quintela é apenas o responsável pela forma textual em que ela aparece (talvez com exceção do apêndice, que claramente destoa do restante da obra).

Em muitas partes esse livro é um encadeamento de falácias sobre falácias. Cheguei ao fim de vários capítulos que prometiam desconstruir e revelar mentiras e apenas vi um texto apaixonado, recheado de adjetivos malcriados à esquerda, "declarações de verdade", evidente falta de lógica nas argumentações e nada de provar a dita mentira.
comentários(0)comente



Drico 01/07/2018

Mentiram e mentem MUITO para todos nós!
O livro é bom pra ser um ponto de partida pra se aprofundar em cada assunto abordado nele. Os capítulos são curtos, objetivos, concisos e de fácil leitura. Um dos livros que li mais rápido este ano.
Pois cada capítulo tem ampla literatura por trás que fundamentam solidamente cada argumento que o autor utiliza no livro (muito além das referências do próprio livro, inclusive); portanto, não deixando desculpas para o leitor não pesquisar depois e se aprofundar nos estudos.
Tirando o primeiro capítulo, que é realmente ruim, pela falta, basicamente, de argumenção, (apesar das ótimas citações como referência, como a do economista Böhn-Bawerk e sobre a Escola Austríaca de Economia, da qual ele faz parte, juntamente com outros economistas liberais de peso, como F. Hayek, Ludwig von Mises, dentre outros); em compensação, os outros capítulos melhoram bastante, pois vão numa boa crescente até o capítulo final sobre Verdades, onde o autor basicamente aconselha o leitor nos próximos passos do que deve ser feito, abrindo-lhe os olhos contra a inércia e o desânimo de lutar por um país decente, entrando em perfeita simbiose com o capítulo anterior que trata de desmentir o mito tupiniquim que povoa o nosso imaginário de que "Deus é Brasileiro" ? uma idéia estúpida que só nos faz mal em nosso modo de pensar e agir. E que explica parte da forma de como encaramos as dificuldades da vida e porquê estamos tão atrasados em relação a países desenvolvidos ? a mentalidade e o imaginário de um povo moldam seu caráter e determinam o seu futuro ? "pelos frutos os reconhecereis"; bem vindos ao Brasil!
comentários(0)comente



Vitor.Ortiz 25/05/2018

Contraponto excelente ao pensamento coletivisado instaurado na sociedade brasileira pós governo militar.
O autor consegue de forma clara e simples, transmitir e revelar as nuances de como foi criado o pensamento coletivisado que toma conta da sociedade brasileira atual. Com excelência ele explana suas ideias e demonstra argumentos que tornam nítida a enorme quantidade de sofismas introduzidos no inconsciente coletivo do povo brasileiro, desmascarando-os portanto.
comentários(0)comente



Alex 10/04/2018

Cartilha do brasileiro médio, de direita
Como publicitário, costumo dizer que qualquer ideia pode ser defendida ou atacada, dependendo unicamente da narrativa e do interesse do interlocutor. Neste singelo livro, que marca a estreia de Flavio Quintela, temos 20 capítulos que destilam o melhor das refutações conservadoras, ante os argumentos de esquerda.

Desconstrução do conceito de mais-valia, mostrar que o PSDB não representa o pensamento de direita, colocar o nazismo como ideologia socialista, afirmar que todo esquerdista deseja o comunismo, além de trazer à luz alguns conceitos rápidos de porque Lula é uma invenção para promover a divisão da sociedade e fazer com que os incautos se alienem da noção de que o PT deu oportunidades novas aos pobres (como se fosse o condenado ex-presidente, uma espécie de milagreiro): tudo isso está esmiuçado em cada um dos 19 capítulos que retratam as "mentiras", segundo a visão do autor. O vigésimo e último capítulo se encarrega de mostrar as 'verdades', ainda sob a ótica ideológica que o livro pretende vender.

A bibliografia se vale de autores como Olavo De Carvalho, Luiz Felipe Pondé, Rodrigo Constantino, Reinaldo Azevedo e outros nomes conhecidos por seus combates à ideologia progressista. Confesso que já havia lido a maioria das obras usadas como referência, portanto, não encontrei grandes novidades no livro. É um resumão de um senso comum que o brasileiro médio, de direita, já pensa.

Como me simpatizo com as ideias aqui pregadas, indico este livro para todas as pessoas que não gostam de ler. Antes de tudo, é fácil de acompanhar o raciocínio de Quintela. Não há palavras ou expressões técnicas. É um bate-papo de mesa de bar (um bar gourmet, mas um bar). Se você costuma se fechar a olhar só um lado da história, é bom conhecer o antagonismo das suas ideias, só assim poderá chegar à alguma conclusão. 'Mentiram (e muito) para mim' é uma obra que tem seu valor, mas não é nada além do que uma cartilha de ideias simples e amplamente conhecidas.
comentários(0)comente



Danilo 31/03/2018

Recomendo
É um livro de leitura rápida. Mas é um convite a reflexão.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Drico 01/07/2018minha estante
Que pena que vc resumiu sua visão sobre os argumentos do livro desta forma tão apaixonadamente como vc crítica o autor.
Pois a proposta do mesmo é ser um livro simples e objetivo. Sem pretensões de aprofundamento. Tirando o primeiro capítulo, que é realmente ruim, por falta de argumentos (apesar das ótimas citações como referência, como a do economista Böhn-Bawerk e sobre a Escola Austríaca de Economia, da qual ele faz parte, juntamente com outros economistas liberais de peso, como F. Hayek, Ludwig von Mises, dentre outros); em compensação, os outros capítulos melhoram bastante.
Recomendo que pesquise e estude mais sobre cada mentira que o livro se propõe a derrubar.
Pois, o que vejo em seu comentário é um grande preconceito sobre o que você se propõe a criticar, baseada em pura desinformação e paixão. Pois cada capítulo tem ampla literatura por trás que fundamentam solidamente cada argumento que o autor utiliza no livro ? por mais breve que ele tenha sido, isso não justifica uma negativa de se pesquisar mais aprofundadamente sobre os assuntos.
Entendo eu, que este é um livro introdutório, e só. A proposta é para iniciantes no assunto e para que seja um ponto de partida para se aprofundar mais sobre cada tema abordado.
Espero que você me compreenda em minha crítica a sua resenha.
Abraço e paz.




Hiago 20/07/2017

Obrigado, Flávio Quintela!
Quintela conseguiu expor, em poucas páginas, a realidade acerca de alguns mitos contados até hoje.
É o típico livro em que o leitor não sossega enquanto não acabar de ler a obra.
A linguagem simples faz com que qualquer tipo de leitor tenha total acesso ao conteúdo; com certeza seu amigo esquerdista de cérebro de ervilha não terá, por incrível que pareça, dificuldade em assimilar as verdades ditas pelo autor.
Se você se interessa por história/história política/ideologia política e outros, não poderá deixar esse livro de lado.
Em uma palavra, Mentiram e muito para mim é, sem dúvidas, ESSENCIAL!
comentários(0)comente



Ana C. 03/11/2015

Resumo de Olavo de Carvalho
O livro é de leitura bem rápida. Nada rebuscado como a do livro inspirador do Olavo de Carvalho. Quase desisti do livro quando li o primeiro capítulo, que é péssimo e com argumentos fraquíssimos. Mas, insisti e a partir do capítulo 3 deu uma boa engrenada. Não leva em consideração algumas nuances do que critica, mas o Olavo de Carvalho faz a mesma coisa, então deve ser proposital para mostrar que a sua posição que é a "certa".
comentários(0)comente



Ramon 13/09/2015

Direto ao ponto!
O título chama a atenção, e seu conteúdo, apesar de breve, na minha opinião, é bastante coeso e direto. Já conhecia algumas das mentiras, e felizmente já consegui me desinfectar delas. O livro trata do assunto de forma breve, mas direta, demonstrando com argumentos lógicos a falha do pensamento esquerdista. Não sou muito de entrar em debates políticos, mas no atual cenário nacional, vemos claramente uma doutrinação marxista, e uma tentativa (como exatamente diz o livro) de minar quem se declara conservador. O livro é uma porta de entrada para o aprofundamento nos assuntos levantados.
comentários(0)comente



Gustavo 19/01/2015

Simples e objetivo
Flávio Quintela de maneira direta e eficiente desconstrói várias mentiras que nos são impostas desde a infância. Como já disseram por aqui, não é uma obra com rigor acadêmico, mas está respaldado em uma bibliografia de respeito. Enfim, pode até ser um livro um tanto quanto "simples" pra quem tem boa cultura e hábito de estudar e pensar, mas cumpre seu papel de instigar o leitor leigo a se aprimorar e questionar seus pontos de vistas apreendidos em muitos anos de doutrinação.
comentários(0)comente



Valério 18/11/2014

Informação essencial
De forma simples, clara e correta, o livro explica o bê-a-bá do raciocínio político que vigora no Brasil.
Muitos defendem pontos de vistas completamente incoerentes com a ideologia que apoiam, sem saber.
Independente de suas inclinações partidárias, leia este livro.
A leitura é bem rápida, objetiva.
Na pior das hipóteses, você pode discordar.
Mas eu duvido muito.
Tenha a resposta para perguntas como: O que é esquerda? O que é direita? Quais os partidos no Brasil se encaixam em um ou em outro conceito? Como surgiu a ditadura no Brasil?
comentários(0)comente



Fabio 03/11/2014

Interessante porem tendencioso
Nunca me interessei muito por política, ainda mais quando ficam acusando um ao outro e distorcendo os fatos. A gente nunca sabe o que é realmente verdade ou o que esta sendo mascarado, para o bem ou para o mal. Um jogo de mentiras que ninguém diz a verdade.

Mentiram (e muito) para Mim foi um livro sugerido em um podcast que escuto e dou muita credibilidade. Comprei o livro e comecei a ler com grandes expectativas, imaginando que iria me elucidar diversas questões.

Não sei se li o livro em um momento errado (Segundo turno das Eleições), mas achei uma grande propaganda política. Extremamente tendencioso, o autor se utiliza das mesmas armas que tanto critica.

O livro me esclareceu algumas coisas,inclusive informações bem interessantes de cunho histórico que eu não sabia, por outro lado, me criou duvidas de informações que eu JÁ tinha certeza. Instigante e provocativo, o texto do Flavio Quintela me fez levantar as orelhas e despertou a vontade de pesquisar mais sobre o que ele brande com tanta paixão.
Jossi 29/12/2014minha estante
No Brasil atual, são pouquíssimos os livros escritos pela chamada "direita". Eu também nunca me interessei por política, mas depois de tudo o que anda ocorrendo e a doutrinação marxista formidável em TODAS as universidades brasileiras, resolvi aderir ao estudo de tudo o quer for anti-comunista. Assim, esse é um dos livros que estão na minha estante, como próxima leitura. ;)




deborap 07/10/2014

--
Tudo o que Flavio Quintela afirma nesse livro tem uma bibliografia de suporte. Quem leu alguns dos livros que ele indica está familiarizado com as ideias contidas neste volume. Aos que não conhecem nem querem conhecer, a saída é desqualificar como meras opiniões.
comentários(0)comente



André Catapan 31/07/2014

Um convite à reflexão
Esse é um daqueles pequenos grandes livros que dá gosto de ler. O autor foi muito feliz na organização da obra, com capítulos breves e de fáceis compreensão, finalizados sempre com um estímulo à seguir em frente, à aprender mais.
Acredito que a proposta desse livro seja apresentar aos seus leitores uma realidade diferente daquela que nos é ensinada pela escola ou pela imprensa, e por isso mesmo muito mais real. O livro serve como a fagulha que gera a dúvida na mente dos leitores e que os levam à refletir, pesquisar e conhecer.
Cada capítulo renderia um livro distinto. O autor nos apresenta uma espécie de resumo, cabe a nós nos aprofundar.
Recomendo esse livro à todas pessoas. Espero do fundo do coração que os leitores duvidem do que aqui está escrito e sejam honestos na busca pela verdade, deixando de lado ideologias e preconceitos.
Termino esse pequeno comentário com uma das minhas frases favoritas de um dos meus autores favoritos:
"Para responder ao cético arrogante, não adianta insistir que deixe de duvidar. É preciso estimulá-lo a continuar a duvidar, para duvidar um pouco mais, para duvidar cada dia mais das coisas mais novas e loucas do universo, até que, enfim, por alguma estranha iluminação, ele venha a duvidar de si próprio." (G.K. Chesterton)
comentários(0)comente



Silva Júnior 20/07/2014

Não recomendo...
Decidi ler este livro essencialmente pela curiosidade despertada pelo seu título. Adoro obras que mostram uma realidade desconhecida da grande maioria do público. Mas, hoje, após ter lido suas mais de 100 páginas, posso dizer que praticamente foi tempo perdido! O autor, claramente de direita, defende seus pontos de vista mais com paixão do que com argumentos, usando da mesma arma que os esquerdistas tanto se utilizam, ele tenta satanizar os que pensam de maneira contrária, com argumentações recheadas de mentiras, preconceitos, absurdos! Em determinados momentos o autor, que é Engenheiro Elétrico de formação, viaja na maionese!
Pasmem! Em vários momentos ele afirma que a imprensa brasileira é de esquerda! Confesso que não sei em qual país ele vive ao achar que a Globo, Veja, Folha de São Paulo, apenas para citar os maiores em cada área da imprensa, são meios de comunicação de esquerda!?
Entre outras afirmações interessantes feitas pelo autor temos que o PSDB não é um partido de direito, o que até concordo, mas é fato que ele representa hoje representa esse grupo! Mentiras sobre Hitler, o Golpe de 1964 entre tantas outras em vinte capítulos do livro.
Por fim, o último capítulo, quando o autor resolve contar algumas verdades, é o que merece a recomendação da obra. O restante o leitor mais desavisado leia em duas ocasiões: se for de direita irá adorar, já se for de esquerda, você um desgosto profundo ao ler este livreto. Se não for de nenhuma corrente ainda pode ler como livro de humor e dar boas gargalhadas...

P.s. Não sou de esquerda, muito menos de direita!
Tainá 23/12/2014minha estante
Confesso que o título me chamou a atenção, mas para falar de fatos históricos sou muito apegada ao Hobsbawn então a sua resenha me fez desistir da leitura desse livro.
Só confio em dados sobre a história de historiadores. Esse lance de engenheiro, jornalista... sair escrevendo com fontes duvidosas ou ideologias para lá de insensatas já deu. rs
Gosto do Hobsbawn por isso, apesar dele ser marxista e contar a história com esse ponto de vista ele sabia muito bem criticar os extremos de sua ideologia.
E a Veja fez uma matéria horripilante sobre ele, logo, fica evidente que a imprensa brasileira pode ser até de Éris, mas jamais da esquerda.
Obrigada pela resenha.


Jossi 29/12/2014minha estante
Bem, estou com o livro em mãos, e de modo algum deixaria de ler por causa dos motivos citados por você. Em primeiro lugar: Sim, é absolutamente correta a afirmação de que "a imprensa brasileira é de esquerda". É óbvio, mais do que óbvio, que é. Com exceção da revista Veja, o resto é totalmente favorável ao governo esquerdista brasileiro. Basta observar o modo tendencioso como a Globo trata de assuntos ligados à roubalheira da Petrobrás e a omissão quase criminosa sobre notícias da Venezuela e a ditadura horrível de Maduro por lá. É óbvio que a imprensa se omite por motivos financeiros, naturalmente. Com exceção de pouquíssimos apresentadores do SBT (Ratinho, Sheherazade, Paulo Martins), o resto dos jornalistas brasileiros ou é esquerdista ou é conivente. Jô Soares que o diga...


Luiza 23/11/2016minha estante
Só pelo sumário deu p perceber que é um livro bem tendencioso. Eu hein


Clenor Junior 08/02/2017minha estante
Assuma, você é esquerdista.


Drico 01/07/2018minha estante
Uma pena sua visão sobre os argumentos do livro. Pois a proposta do mesmo é ser um livro simples e objetivo. Tirando o primeiro capítulo, que é realmente ruim (apesar da ótima referência a Böhn-Bawerk e a Escola Austríaca de Economia), por falta de argumentos, os outros melhoram bastante. Mentiras, preconceitos e absurdos? Acho que quem viajou na maionese foi você, cara. Recomendo que pesquise e estude mais sobre cada mentira que o livro se propõe a derrubar. Pois, o que vejo em seu comentário são preconceitos sobre o que vc se propõe a criticar, baseados em pura desinformação. Pois cada capítulo tem ampla literatura por trás que fundamentam solidamente cada argumento que o autor utiliza no livro. É um livro introdutório, e só. Para iniciantes no assunto e para que seja um ponto de partida para se aprofundar mais sobre cada tema abordado. Espero que você me compreenda em minha crítica a sua resenha. Paz e bem.


Hellen 05/09/2018minha estante
obrigada por poupar meu tempo




17 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2