Iluminadas

Iluminadas Lauren Beukes




Resenhas - Iluminadas


49 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Henrique 10/05/2014

Se eu acreditasse em demônios, Iluminadas estaria entre os livros mais satânicos que li em minha vida, e não foram poucos. Se eu acreditasse no diabo, Lauren Beukes seria seu sobrenome.
ANÁLISE SEM SPOILERS

Acredito que se queremos nos referir a algo irreal, surreal, podemos recorrer a diversos conceitos, dentre eles, o de "perfeição". Perfeição é uma invenção inalcançável quando estamos falando da vida real, no mundo real. No entanto, Lauren Beukes chegou perigosamente perto do que é pleno.

Enquanto escrevo esta resenha, preciso dominar o impulso de impregná-la de adjetivos. Um pouco constrangido, confesso que esse livro me fez puxar os cabelos meia dúzia de vezes e estagnar a leitura o dobro de vezes, receoso de ler o que viria em seguida ou por estar estupefato com o que essa mulher criou: um livro, acima de tudo, inteligente, com uma complexidade diabólica e psicologicamente destrutivo, perturbador e (naturalmente) divertida. Uma das melhores e mais inteligentes leituras da minha vida. Mereceu o prêmio de melhor livro do ano em seu gênero, recebido em 2013.

A imagem abaixo revela o trabalho, a dedicação e a mente por trás de The Shining Girls (título original) que, dentre outros aspectos, é um livro adulto, repleto de questões da vida adulta, da vida real, nuas e cruas, mesmo com o pano de fundo sobrenatural.
(imagem no blog, não consegui pôr o link aqui)
[http://pilulasliterarias.blogspot.com.br/2014/04/iluminadas-de-lauren-beukes.html]

Uma Importante Ressalva

Alguns leitores vão encontrar dificuldades em situar-se na história, especificamente com relação ao elemento fantástico que permeia toda a história: os saltos no tempo. Eu desejo, com sincera honestidade, que você não seja aquele gênero de leitor que desiste diante do primeiro obstáculo. Que transformam o "eu não estou conseguindo entender isso" em "que trapalhada é essa?". Esteja disposto a vivenciar uma experiência em literatura de fantasia diferente do status quo. Dê um passo mais adiante com a sua mente e seja bem vindo ao mundo dos livros que são como os sete diabos por sua trama bem arquitetada. E, pelo amor de Tolkien, voltem para me dizer se você também foram impulsionados a quase arrancar os cabelos!

Sobre a Obra

Não gosto de incluir sinopses em minhas resenhas. Ultimamente elas tem transformado bons livros em chavões ou 'lugares-comuns' por ressaltarem aspectos que não são relevantes e retirarem a originalidade presente na obra. Assim, na maioria dos casos, faço minha própria adaptação.

1931. Década em que o mundo enfrentou a terrível Grande Depressão.

Harper, um vagabundo doentio, tem uma chave que abre as portas de um casarão abandonado. A 'Casa' que o leva à outras épocas, outros tempos. Ele ouve a Casa, ela o chama.

Harper tem um missão: assassinar brutalmente todas as garotas iluminadas. Sua missão e seu prazer. Ele é bom no que faz. As coisas, no entanto, começam a desandar quando, ao avançar para o ano 1989, Kirby, uma das garotas que ele deveria matar, sobrevive e começa a caçá-lo.*

*Estes elementos compõem a premissa da obra.

Aspectos da Obra a Serem Considerados

+ TRAMA

"Só existe uma certa quantidade de enredos no mundo. É como eles são desenvolvidos que os torna interessantes". - Lauren Beukes, lluminadas

Interessante não é a melhor palavra para transmitir a excelência que essa mulher conseguiu atribuir à sua história, pois sua trama não apenas 'prende' a atenção, como também a 'subjuga', fere, lacera. Quando a Casa entra em cena, sua mente fica presa dentro dela, sedenta de curiosidade, sufocando de tensão. Sair da Casa significa presenciar a morte de garotas pelas mãos de um homem detestável e clinicamente cruel. Tudo se intensifica quando, antes de vê-las morrer, você as conhece, caminha por sua mente, segue seus passos, sabe de seus sonhos, planos, segredos e anseios. É um convite para toda sorte de emoções e sentimentos e o resultado dessa mistura é uma tortura psicológica que beira a histeria.

Lauren Beukes coloca diante de nós pessoas reais, garotas inegavelmente reais, que estão no rastro de um serial killer impiedoso, que sente prazer no ato de matar, que se excita em ferir. Garotas que não fazem ideia de que um andarilho do tempo está caminhando em suas direções.

Os capítulos (e é aqui que reside grande parte da complexidade da trama) são distribuídos sob o ponto vista de alguns personagens, na maioria dos casos envolvendo Harper ou uma de suas vítimas, dentre as quais, a mais abordada é, naturalmente, Kirby. Há diversas tramas secundárias, repletas de ligações entre si e que giram em torno do círculo de assassinatos, que precisa ser fechado. Esses capítulos se passam em diversos momentos do tempo entre 1931 e 1993, repleto de referências históricas e culturais que atribuem uma grande carga de riqueza ao trabalho da Lauren.

Especificamente os capítulos com a Kirby são cheios dos melhores diálogos da trama.

+ ESCRITA

Um elemento que confere a consistência creep à história são seus diálogos mordazes, inteligentes e mórbidos. A escrita de Lauren evoca realidade, é direta, cheia de analogias que esbanjam sagacidade, ironia. Laurem também está ocupada em nos inserir no contexto de cada um de seus personagens, afinal de contas, uma negra que viveu na década de 40 não lida com a mesma realidade que se aplica aos anos 90.

+ ASPECTOS QUE CONSIDERO IMPORTANTES:

--O Sobrenatural--

Iluminadas é um pouco thriller policial, um toque de drama e um escancarado teor sobrenatural, que confere outro aspecto, o de um thriller psicológico.

A Casa é o que nos possibilita transitar entre a vida de pessoas que viveram em diferentes momentos da nossa história. Sua influencia sobre Harper e os eventos que giram em torno dela nos faz sentir a autoridade da natureza do mal, sua mão invisível brincando com vidas dentro do tempo, mudando suas vidas, desenhando suas mortes.

A ideia de um lugar, aparentemente inofensivo, uma casa antiga e caindo aos pedaços, que exerce influencias malignas sobre um indivíduo e que o permite caminhar livremente entre as épocas quando bem entender é perturbadora. Esse elemento fantástico é guiado por Lauren com uma notável maestria. O homem que assassinou uma garota na época da Grande Depressão fez também uma vítima nas vésperas da virada do século, mais de meio século depois. Um psicopata caminhando pelo tempo nas mãos de Lauren é a última pessoa com quem você gostaria de esbarrar um dia.

--Policial--

O peso e a importância do gênero policial ou investigativo está em muitas partes do livro. Temos assassinatos que, apesar de serem cometidos em diferentes momentos do tempo, possuem alguma ligação. Apesar da intervenção da polícia nesses crimes, como não conseguem solucioná-los, ou eles encontram a quem culpar (geralmente gangues) ou arquivam o caso. Logo, teremos personagens que, por estarem envolvidos ou apenas interessados e intrigados com os casos, irão dar uma de detetives. Esse aspecto é bastante animador para mim, pois faz referência ao desejo por justiça e a esperança que precede seu cumprimento.

A quantidade de pesquisas e leituras que a autora realizou para fazer Iluminadas se o que é chega a ser assustadoras. Além disso, o número de apoio que ela recebeu, conselhos, sugestões, dicas, correções e as viagens que ela fez para conseguir informações para sua história só reforçam meu apreço por essa maravilha da ficção.

+ Iluminadas e Sua Aplicação à Vida Real

À parte o seu poder devastador pela tensão e crueza, Iluminadas é um livro sobre a natureza humana. Sobre como somos pequenos e estamos sujeitos à mudanças repentinas e inesperadas. Sobre como a perda pode significar uma vida inteira de solidão, de dor ou de superação, resiliência, aceitação e resignação. Sobre os clichês da humanidade, suas guerras, seus dilemas, seus vícios, seus amores e terrores. Sobre continuar vivendo mesmo quando a morte soprou seu hálito de sangue e excrementos em sua face.

É, também, um retrato da mente cruel, sádica e selvagem que nos recorda do quanto podemos ser perversos. Acredito que todos temos uma versão potencialmente minimizada e, ainda assim, perigosa e destrutiva do "Harper" dentro de nós e que, por vezes, ela se manifesta por meio de palavras, de comentários pejorativos na rede, do desejo insano de agredir alguém, de ver sangue verter. Nossa mente é nossa casa, precisamos mantê-la sob nosso comando.

Por fim...

Gostaria de convencer o mundo a ler esse livro, mas é querer demais. No entanto, espero que tenha feito um ótimo trabalho em convencer você. Penso que você merece ler essa história, todos merecem ler essa história.

Eu estava tentando considerar os aspectos negativos, mas eles devem haver sido tão irrelevantes que me resta apenas citar o ponto facultativo, que é a descrição. Alguns leitores podem achar alguns momentos descritivos acima da conta, o que não torna um livro ruim, já que há outros aspectos que o torna tolerável. Gostei das descrições e as considerei relevantes para contextualizar e familiarizar com o que deveria.

Espero que leia, goste e recomende Iluminadas.

Por Henrique Magalhães

site: http://pilulasliterarias.blogspot.com.br/
Mayah 29/04/2014minha estante
Sua foi tão boa que me deu medo e curiosidade de ler o livro!! rsrs


Henrique 01/05/2014minha estante
Hey, Mayah!
Torcendo para que você não apenas leia, mas sinta toda a tensão e emoções que a trama e a escrita prometem. Acredito que a Lauren Beuekes fará um ótimo trabalho em "atormentar" o leitor e impressioná-lo ao mesmo tempo. ;-)

Abraços!


Mi Monteiro 01/06/2014minha estante
Cara essa é a resenha mais empolgante e complexa que já li...igual ao livro...adorei ?


Priscila 09/10/2014minha estante
Bom, primeiramente gostaria de dizer que adorei sua resenha, segundo, li o livro, e cara, dei graças a Deus não ter desistido, de a cada capítulo eu ter dado uma chance, até que cheguei ao que realmente é o livro e adorei, e vale ressalta pro demais que realmente não desista no primeiro obstáculo.


Aguero 13/03/2015minha estante
Estou ficando louca lendo esse livro, quando terminar não terei mas neurônios.
Vai dar pane no sistema




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Fabricio~Raito 28/05/2014

Faltou me iluminar só mais um pouquinho!
• Eu preciso confessar que tudo em Iluminadas é atrativo: a capa, a sinopse, a chamada na capa destacando-o como ganhador de um importante prêmio. Minha expectativa e ansiedade para lê-lo foi imensa, mas de certa forma, fiquei um pouco frustrado ao término da leitura (o que não quer dizer que o livro seja ruim, é claro).

• A trama é envolvente, complexa e embasada no sobrenatural. Harper Curtis é um assassino que encontra uma casa com um segredo surpreendente: através dela ele consegue viajar no tempo, acessa o passado, o presente ou o futuro. Ele segue uma lista que encontra na casa, que parece trazer sentido em sua vida, onde deve assassinar todas as moças cujo nomes estão na mesma. Estas moças contêm algo em comum, um brilho diferente: são iluminadas. Tudo corria perfeitamente até que Kirby Mazrachi, uma de suas vítimas, consegue sobreviver a seu ataque, o que coloca em jogo (e risco) toda a arquitetura do assassino atemporal.

• Eleito um dos melhores livros de ficção científica de 2013 pelo jornal The Guardian e um dos melhores livros de 2013 na categoria Thriller e Mistério pela Amazon. E confesso que a trama (o seu desenvolvimento) é interessante e incrível. Mas durante a leitura, em todo tempo, senti falta de algo que pudesse me prender mais, algo que eu pudesse mergulhar na história e participar da mesma. Não sei se foi a narrativa e escrita da autora, ou se foi apenas uma experiência/impressão minha, mas creio que este entravamento foi negativom, não me permitindo apreciar mais a história.

• O livro é da Intrínseca, excelente editora, excelente trabalho, como vem mostrando ao longo dos títulos lançados. Sou tiete mesmo.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Adriana 29/03/2016

Um horror
Nossa que livro chato!!!!! Deus Meu....ate agora to tentando entender que coisa foi.
Olha que já li livro ruim, mas esse tá campea.
Tudo nele raso, inclusive a história.....
Bem....o que seria do amarelo se todos gostassem de vermelho.....
comentários(0)comente



Sheylla 03/10/2014

Confuso
Iluminadas não me cativou, não me prendeu. Não vi a hora de acabar esse livro porque estava ficando louca com tantos pulos de tempo e erros cronológicos. Aviso ao leitor que haverá bastantes spoiler na resenha, são necessários e como o livro não segue uma ordem cronológica os spoilers são constantes.

Vi a sinopse de Iluminadas no Skoob e pela promissa do livro parecia ser uma história bem interessante e com otimos comentários. Andando pela Saraiva, achei um único exemplar escondido pelas estantes e como tinha um desconte do Saraiva Plus resolvi comprar. Logo no começo a situação fica um tanto confusa, a autora não se dá ao trabalho de explicar quem é Harper Curtis (o assassino), como ele chegou a Casa e o porque de cometer os assassinatos. Não que esses tópicos fossem muito importantes mas é muita confusão.

Harper é um serial killer e ele mata suas vitimas em epocas diferentes. A Casa tem algum tipo de poder (não sei como isso acontece) e consegue enviar o seu habitante para épocas diferentes de Chicago. Curiosamente ela só consegue enviar Harper de 1929 até 1993, e dentro desse espaço de anos ela mata uma garota diferente. Primeiro ele a encontra no passado e quando ela está mais velha ele a mata. Elas são as Iluminadas, elas brilham e ele serve a Casa, dando em troca a vida dessas garotas, sempre deixando na cena do crime um objeto que pertencia a outra vitima de outra época diferente.

Uma das garotas ilumindas é Kirby, que milagrosamente sobrevive ao ataque de Harper. Recuperada do atentado ela vai trabalhar na redação de um jornal de Chicago como estágiaria de Dan Velasquez, um reporter que largou as noticias criminais logo após o crime de Kirby e agora é repórter esportivo. Ela o instiga e o convence a ajuda-lá a encontrar o crmiminoso que a atacou. Kirby está convencida que o assassino que a atacou já fez outras vítimas e de algum modo consegue escapar ileso.

A autora tentou engatar um romance entre Kirby e Dan, mas não colou. Muita coisa nessa trama não colou. Escrever um enredo que acontece voltas no tempo merece um pouco mais de atenção, e Lauren pecou nesse detalhe.
É um livro confuso e depois de pensar bastante sobre o enredo a conclusão que cheguei é que na verdade o grande vilão da história é a Casa. Harper vive num loop infinito entre 1929 (quando ele encontra a casa) e 1993 (quando ele morre dentro da casa). A partir do momento que ele morre, ele misteriosamente volta até 1929 para começar tudo de novo. Confuso demais. Se ele continua nesse loop então as garotas vão morrer todas de novo e o mundo inteiro acaba nesse loop também? Nossa eu me confundi toda com essas teorias. HAHA


site: http://loucura-literaria.blogspot.com
comentários(0)comente



Dreeh Leal | @dreehleal 22/10/2014

Iluminadas, Lauren Beukes
Harper Curtis era um cara ferrado na vida, até ele pegar o paletó de tweed que tinha a chave para a sua nova vida, a chave que o levaria a Casa. Olhada de fora, ela parece uma casa a muito abandonada, com tábuas fechando suas portas e janelas. Harper ainda não sabe que a Casa esconde mistérios e mudará sua vida para sempre. Pesadas cortinas penduradas, uma lareira acessa, mobilha de décadas passadas e um cara morto com um pedaço de frango congelado na mão. Isso é oque ele encontra ao passar pela porta. No andar de cima, um quarto misterioso contem os itens que ele precisará para enfrentar suas futuras missões, o resto, vem da sua cabeça. A Casa o intui a fazer o que precisa ser feito e o levará ao tempo em que precisa estar. Seja apenas para conhecer suas iluminadas ou para o momento certo de mata-las.

Ele se torna um serial killer, que tem um ciclo a fechar. Ele normalmente conhece as meninas em sua infância; conversa com elas, as vezes, o suficiente para que elas se lembrem dele no momento certo ou também pode deixar um objeto para ser lembrado. Quando chega o momento certo, ele retorna para mata-las de forma cruel e fria, levando com ele algum objeto particular delas e deixando um objeto de outra vitima. Esses objetos viajam no tempo junto com ele, indo parar em épocas muito a frente ou muito antes de poderem existir. Isso sempre passou despercebido pela policia... Afinal de contas, quem ligaria assassinatos acontecidos em épocas totalmente diferentes?

Ele só não contaria que Kirby sobreviveria e viraria o mundo de cabeça para baixo com o intuito de encontra-lo e faze-lo pagar pelas cicatrizes que deixou em seu corpo e sua vida. Após tentarem assassina-la brutalmente, Kirby passou muito tempo internada na UTI. Ninguém pensou que ela pudesse sobreviver após ter uma facada no pescoço e outra na barriga. Quatro anos e muitas cirurgias plásticas depois, ela se torna estagiária do Chicago Sun-Time para trabalhar com o ex-reporte policial Dan Velasquez. Ele cobriu o seu caso e ela tem esperança de que ele possa lhe ajudar na sua busca. Muito a contra gosto e às vezes até sem quere, ele acaba ajudando-a, mas algumas coisas são demais para ele. Ele que sabe o poder que toda a tristeza e desespero presentes por detrás dos assassinatos pode fazer com uma pessoa... Ele que teve a vida destruída por causa disso!

Ninguém acredita em Kirby, mas ela faz um ótimo trabalho. Algumas provas que estão na frente dela passam despercebidas, mas é tudo tão improvável e difícil de relacionar...

O livro é narrado em terceira pessoa e se intercala entre os personagens. Ele é contado através de passagens no tempo, cronológicas ou não. Em alguns momentos é primordial prestar atenção às datas para não se perder na história, em outros nem tanto. Podemos dizer que o presente começa em 1992 e vai até 1993. Esse é o nicho principal da história, onde Kirby aparece fazendo sua busca pelo seu quase assassino. A autora tem uma escrita envolvente e fluida. Ela descreveu cenas me deixam arrepiadas só de lembrar.

A história criada pela autora é fascinante, um mundo complexo, com personagens complexos e muito reais. Porém eu achei que faltaram explicações fundamentais. A única coisa que eu entendi com relação à Casa, é que se você tivesse a chave para entrar, você conseguiria viajar no tempo ao sair de lá. Mas e as garotas? Como elas são selecionadas, qual a lógica de escolhas... É tudo muito intuitivo. Harper está lá dentro e simplesmente sabe que é hora de matar e sabe quem matar, simples assim.

Eu fiquei presa ao livro até bem depois de sua metade. Era fascinante ir com Harper atrás de suas vitimas e observar suas reações, bem como suas mortes eu não costumo ser mórbida assim gente, mas é um thriller realmente instigante. Da mesma forma que gostei de ver Kitby indo atrás das provas. Tive vontade de entrar no livro e ajudá-la a ver coisas que estavam bem diante de seus olhos, mas que ela parecia não querer ver. O indicio de envolvimento com Dan também me agradou, pois ele foi bem sutil, ocupando assim o seu lugar da trama. Infelizmente, conforme o fim foi se aproximando eu desanimei bastante.

Percebi que a maioria das minhas perguntas não teriam respostas e fui ficando cada vez mais frustrada! Em certo momento da história eu pensei que ele falaria um pouco mais sobre o porquê da forma como ele mata o que parecia ser algo importante -, mas ficou no ar, subentendido. Eu gostei bastante do desfecho da história: justo e plausível, mas o epilogo só serviu para me deixar mais confusa ainda sobre tudo que não foi explicado.

Iluminadas é um thriller aterrorizante, que tinha de tudo para entrar para os favoritos, mas que infelizmente deixou a desejar. Todas as respostas que eu não obtive me deixaram frustrada e foram o motivo de apenas 3 estrelas. Se você não se incomodar com isso, com certeza terá uma ótima leitura!

site: http://www.maisquelivros.com/2014/06/resenha-iluminadas-lauren-beukes.html
comentários(0)comente



SakuraUchiha 30/12/2014

Cheio de suspense e emocionante!
"O futuro não é tão ruidoso quanto a guerra, mas é implacável com sua própria e terrível manifestação de fúria."

As Iluminadas são garotas vítimas de um sociopata chamado Harper Curtis, um vagabundo desempregado que tropeça em uma casa em Chicago na década de 1930 e descobre que ele pode vagar no passado ou no futuro. Nunca há qualquer explicação para os poderes desta casa que viaja no tempo, mas ela exerce uma estranha compulsão em Harper, uma que ele não tenta resistir.

Ele visita as garotas que "brilham" com energia e potencial, ainda crianças, e diz-lhes que ele voltará. Em seguida, ele retorna, quando elas estão todas crescidas, e as mata. Ele leva as lembranças de cada uma, e as deixa com alguma outra vítima em uma época diferente.

Matando através das décadas, dos anos 30 aos anos 90, Harper se torna opulento e muito bom no que faz, mas ele sempre está seguindo pistas da casa e de seus próprios impulsos psicopatas, o que pode ser a mesma coisa. Ele é um sociopata bastante unidimensional, mas bem-resolvido: sem remorsos, sem piedade, misógino, desprovido de empatia, mas ainda capaz de ficar chateado, decepcionado, confuso, irritado, e cometer erros.

Suas vítimas são sempre pessoas humanas. O autor realmente se dedicou em pesquisar Chicago em diferentes pontos de sua história, e as vítimas de Harper Curtis variam de uma mãe solteira negra trabalhando em uma fábrica na década de 40 a uma responsável por uma clínica clandestina de aborto ilegal na década de 60, para uma assistente social coreana-americana na década de 90 até sua vítima "final": Kirby Mazrachi, a única que sobreviveu. Cada vítima é retratado em detalhes solidários antes de serem mortas cruelmente.

Kirby a protagonista, deixada para ser morta por Harper em 1993, está determinada a encontrar o assassino que quase a estripou e, em seguida, desapareceu. Lentamente, ela reúne pistas abrangendo décadas passadas. Como um estudante de jornalismo, ela tenta usar os recursos do papel que ela estagia, recebendo a ajuda de um repórter veterano - que, de uma nada surpreendente reviravolta, apaixona-se por ela -, e quase tornando-se uma transtornada quando ela vem a suspeitar da verdade por trás deste misterioso serial killer.

Este é tanto um thriller de crime quanto uma fantasia histórica, pois trata-se de viagem no tempo. Todos os personagens são pessoas normais (exceto, talvez, Harper), e a casa que viaja no tempo é apenas um MacGuffin. A questão do paradoxo não é realmente abordada, e nem há muita "ficção científica" envolvida, mesmo quando Kirby descobre o ângulo de viagem no tempo, ela realmente não pensa muito nisso, embora o 'encerramento do ciclo' acontece de uma forma mais ou menos satisfatória no clímax. Tem de ler para entender.

Iluminadas é uma torção magistral no conto assassino em série: um salto violento que caracteriza uma heroína memorável e atraente em busca de um criminoso mortal.
comentários(0)comente



Raffafust 04/06/2014

Primeiro devo declarar que amo livros de suspense com pitadas de terror, quando vi que a Intrínseca havia lançado esse livro esperei ansiosa para recebê-lo e esperei que a história me prendesse do início ao fim com aqueles finais épicos.
Lamento informar que isso não aconteceu. Gosto de histórias com vai e vem no tempo, acho que acrescentam um quê de especial e fazem o leitor prestar ainda mais atenção para compreender a mesma, no entanto em “Iluminadas” por muitas vezes isso soou confuso, se você não curte histórias de ida e volta no tempo fuja. Demorei um pouco para me situar e o protagonista do mal não me ganhou, Harper é um senhor podre, não faz o bem para ninguém, só pensa em si e na década de 30 – época da maior recessão americana – ele está sem nenhum tostão no bolso, acaba de sair do hospital onde teve que imobilizar o pé por causa do tendão e mancando muito ele chega a Casa,sim com letra maiúscula, claro que ele nem imagina o que a tal Casa significa, ele entra de incherido na casa que lhe parece comum mas que por dentro irá mudar sua vida.
O tal lugar funciona como um portal do tempo, lá uma voz – que só pode ser do Capiroto – lhe dá ordens para que mate algumas mulheres em diferentes épocas, as tais mulheres são as Iluminadas que merecem ser mortas, sabe-se lá porque!
O cara é nojento, parece que foi desenhado para ser amigo do coisa ruim e com isso ele viaja para os lugares e tempos matando mocinhas desavisadas das formas mais horríveis possíveis. Dessas, somente uma delas irá sobreviver para contar história : Kirby.
Kirby será a única que conseguirá se desvencilhar dele, mas a cisma dele com ela não vai terminar e ele vai fazer de tudo para que consiga matar a moça.
Com requintes de suspense, crueldade e histórias paralelas servindo como pano de fundo, o livro é bom mas esperava muito mais, faltou um motivo, uma razão, tudo bem que pelo jeito a casa dominava a pessoa e ela agia de acordo com o que a Casa pedia mas porque aquelas meninas?
Não consegui ter com o livro a sensação que queria : a de thriller que me deixasse pensando após a leitura nos fatos e torcendo para que virasse filme. Esperava mais.
comentários(0)comente



Laís Helena 07/03/2016

Resenha do blog Sonhos, Imaginação & Fantasia
Iluminadas não é um romance policial comum. Possui um elemento fantástico que traz um diferencial à trama e a torna muitíssimo interessante: uma casa que permite que quem entre nela viaje no tempo (mais especificamente, para diversas épocas ao longo do século XX). Mas a casa parece possuir um propósito, e Harper o cumpre, assassinando várias mulheres em diferentes épocas, mesmo sem saber exatamente por quê. Em paralelo, acompanhamos Kirby, que quase se tornou uma das vítimas de Harper e busca desvendá-lo para fazer justiça.

A narrativa no presente, apesar de ter causado no início certa estranheza devido à falta de costume, me prendeu desde o início, envolvendo-me na história sem necessitar de descrições longas e detalhadas. Em terceira pessoa, acompanha diversos personagens além de Harper e Kirby, como Dan, o repórter que ajuda a protagonista com sua busca, e diversas outras vítimas de Harper. Desse modo, a autora consegue dar aos personagens o destaque que eles merecem, por isso todos convencem como pessoas. Todos têm desejos, medos, defeitos; mesmo a Harper a autora conseguiu dar a humanidade necessária para torná-lo convincente. Além disso, algumas vezes é usado o discurso indireto livre, que além de tornar cada ponto de vista único, ainda fortalece a caracterização dos personagens.

Outra coisa muito positiva foi a ambientação. Nota-se um trabalho de pesquisa detalhado e muito bem feito, independente da época a ser mostrada no momento. A cada nova época apresentada no livro, são trabalhados os contextos histórico, social e cultural, e mesmo detalhes de cotidiano estão presentes, por isso o livro realmente convence que determinado acontecimento poderia ter se dado em um determinado ano.

A trama se desvenda aos poucos, mantendo o mistério enquanto revela cada vez mais sobre os principais personagens e os objetivos da Casa e dos assassinatos, culminando em um desfecho satisfatório. Eu não esperava que o elemento fantástico envolvendo a Casa fosse ser explicado, mas no final foi, e se revelou muito mais interessante do que parecia no começo.

Em resumo, Iluminadas, com boa ambientação e excelentes personagens, nos apresenta a uma trama policial bastante inusitada, que certamente vale a leitura.

site: http://contosdemisterioeterror.blogspot.com.br/2016/02/resenha77.html
comentários(0)comente



Taty Vasconcelos 27/06/2016

Todo mundo tem medo
Este é o grande segredo você não sabe? Todo mundo tem medo.
O tempo todo.

Difícil não ter medo quando se passa por uma situação como
Kirby passou, ela foi atacada por um maluco com uma faca, teve várias perfurações na barriga e no pescoço e ficou entre a vida e a morte.
Felizmente ela sobrevive, e agora tudo que quer na vida é achar o culpado e fazer ele pagar.

Sobre o maluco: Seu nome é Harper, ele ouve um chamado, é uma casa que o chama, dentro dela tem objetos de várias mulheres "iluminadas" e sua missão é encontrar cada uma delas e mata-las, e para isso ele pode contar com uma porta que funciona como uma máquina do tempo.

Até ai tudo bem... se não fosse a maneira como a história é contada, o livro se passa de forma bem confusa, entre o presente e o passado, Detalhe: são vários passados e vários presentes, futuros e até tempos "atemporais" e todas essas épocas deu um nó na minha cabeça, é preciso ficar muito atento a todas as datas para não ficar perdida como eu fiquei, e isso consequentemente não deixou a leitura fluir como deveria.

Me apeguei ao livro quando ele já estava no final e fiquei com vontade que ele continuasse, quem sabe umas páginas a mais encaixaria um pouco de sentido em todos esses acontecimentos.

Qual a história por trás dessa casa misteriosa?
Por que Harper foi escolhido como assassino?
Qual o motivo para essas garotas serem mortas?
Por que elas sao chamadas de iluminadas?

Querem saber essas respostas?
Bom, eu também queria!
comentários(0)comente



leila.goncalves 15/07/2018

Diabólico
Iluminadas" é um thriller sobrenatural que reúne ficção científica e psicopatia. Em seu quarto livro, Lauren Beukes mais uma vez surpreende ao apresentar uma trama diabólica e perturbadora.

Essa é a história de Harper, um serial killer que faz seu trabalho sujo, enquanto viaja pelo tempo, indo e vindo entre 1931 e 1993. Sua nave é uma casa assombrada e em ruínas, porém, alguns aspectos paranormais ficam em aberto e cabe a imaginação de cada um resolvê-los. Aliás, um desafio que não costuma agradar a todos e que até mesmo sugere uma provável continuação.

Suas vítimas são "garotas iluminadas", é assim que ele as chama, e são caçadas com todo cuidado através de um estranho ritual. Sem chance de sobreviver, elas são cruelmente executadas, mas surpreendentemente a última da lista, Kirby, consegue escapar e está decidida a encontrá-lo sem imaginar o que irá enfrentar...

A propósito, como essa narrativa é nao linear, o leitor precisa tomar cuidado com os saltos temporais. Outro ponto importante é a condução de cada capítulo que se alterna, ficando a cargo de Harper ou suas vítimas.

Com diversas subtramas ligadas entre si e repleto de referências históricas e culturais, fiquei assombrada com desenrolar da história. Aceite meu convite e embarque nessa aventura. Boa viagem!
comentários(0)comente



Marina 24/08/2020

Achei a premissa desse livro muito interessante! Um serial killer que consegue dar saltos no tempo e assim matar vítimas de épocas diferentes, o que dificulta a solução dos crimes.
Uma das sobreviventes fica obcecada em encontrar o assassino, e assim já sabemos que essa menina de alguma forma vai descobrir quem é o criminoso.

Os capítulos são curtos e vão alternando o foco dos personagens. Achei bem legal de ler, mas confesso que demorei um pouco pra engrenar na leitura. Acho que no começo não achei a narrativa tão fluida e só quando li mais ou menos 1/3 do livro é que consegui me apegar de verdade à história.
Acho que o plot também tem seus furos, o modo como a protagonista chega à conclusão de quem é o assassino força um pouco a barra.
No entanto, é uma leitura divertida pra quem gosta do gênero. Apenas deixando claro que o livro tem umas cenas bem gráficas e descritivas de assassinatos, então, se não é sua praia, melhor não ler!
comentários(0)comente



Gabriele 01/01/2017

Iluminadas
Bom o livro tem uma ideia Central ótima, porém no meu ponto de vista, a autora poderia ter ido muito além só que foi, mais drama, mais suspense. Porém é uma ótima leitura, só precisa ficar bem atento pois o personagem vai e volta no tempo e acontece várias coisas ao mesmo tempo.
comentários(0)comente



Thai 22/12/2014

Macabro!
Quando li a sinopse, imaginava que seria uma espécie de suspense, como tantos outros livros que li e gosto. Mas este é literalmente macabro, e ultrapassa muito, na minha opinião, um suspense. Pra quem gosta talvez seja uma excelente leitura, pra mim foi uma grande decepção.
comentários(0)comente



49 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4