O Cavalariço da Providence

O Cavalariço da Providence Georges Simenon




Resenhas - O Cavalariço da Providence


5 encontrados | exibindo 1 a 5


Fábio Nogueira 16/02/2020

Segundo romance do Inspetor Maigret
Simenon um verdadeiro mestre na criação deste personagem. Vale a pena conferir!
comentários(0)comente



Our Brave New Blog 31/05/2016

RESENHA O CAVALARIÇO DA PROVIDENCE - OUR BRAVE NEW BLOG
A principio achei que a leitura desse livro seria super rápida por ele ser muito curto, apenas 133 páginas, mas me enganei. Como a narrativa não conseguiu me prender muito, demorei mais tempo e tive que intercalar com outros livros.

Esta foi uma resenha difícil de ser feita (de novo, sim, exausta). Terminei a leitura desse livro e somente quase um mês depois consegui sair de duas frases no texto, então desde já peço desculpas caso isso aqui fique muito ruim. I’m trying!!

Não conhecia o autor até O Cavalariço da Providence parar em minhas mãos, e em uma breve pesquisa na internet vi que ele é bastante querido por leitores do gênero policial, o que me deixou curiosa. Conforme fui lendo me senti estranha: não estava gostando nadinha. Procurei por outras resenhas pela internet e só consegui encontrar três, todas positivas, e isso foi o suficiente para eu me questionar: será que tem algo de errado comigo? Mas seguindo em frente... Chega de desabafos e vamos ao que interessa.

O autor consegue fazer uma excelente descrição do cenário em que se passa a história, o que seria muito interessante se o ambiente não fosse tão monótono para mim. Chuva, balsas, bares, quartos e fim. Eu conseguia visualizar tudo muito bem, mas aquilo não me agradava. Na minha concepção não era algo muito emocionante. Um marasmo.

Que os fãs me perdoem agora mas, o protagonista e investigador Comissário Maigret também não é lá muito interessante. Pelo menos não nesse livro. Eu sei que existem milhões de outros e talvez ele seja uma pessoa sensacional em outras situações, mas nessa não fui conquistada. Não vi um traço marcante de personalidade ou algo que o caracterizasse, que fizesse criar uma certa empatia, nada...

RESENHA COMPLETA NO BLOG: http://ourbravenewblog.weebly.com/home/o-cavalarico-da-providence-por-georges-simenon

site: http://ourbravenewblog.weebly.com/home/o-cavalarico-da-providence-por-georges-simenon
comentários(0)comente



Gláucia 23/01/2015

O Cavalariço da Providence - Georges Simenon
Segundo romance publicado nessa reedição da Cia das Letras, publicado em 1931.
Uma mulher é assassinada numa cocheira do vilarejo de Dizy, França e sua aparência de mulher rica distoa do ambiente onde o crime ocorreu.
O comissário Maigret conta com poucas pistas e nada parece se encaixar. Gostei dos personagens decadentes da lancha: o coronel inglês (o marido de Mary Lampson, a morta), seu imediato russo (enigmático), seu fiel secretário e a viúva de um político estrangeiro. Sempre bêbados e ociosos ("festa estranha com gente esquisita"), as melhores partes do livro foram as entrevistas de Maigret tentando tirar alguma conclusão a respeito desses curiosos personagens.
Bom livro, entretem mas não chega a empolgar. É sempre agradável observar o lado humano do comissário se sobressair, ele sempre acaba se condoendo com os dramas de todos os envolvidos.
comentários(0)comente



Ana Paula Laux 09/10/2014

Um clássico de Simenon
O Cavalariço da Providence (Le Charretier de la Providence) é um romance policial de George Simenon sobre o assassinato de Mary Lampson, uma bela mulher encontrada estrangulada em uma cocheira. O caso é investigado pelo comissário Maigret, e seus desdobramentos acontecem entre os canais franceses de Dizy e Vitry-le-François.

O livro é aclimatado num horizonte arenoso e pesado, de dias quase sempre chuvosos entre balsas, rebocadores e eclusas. Mary Lampson é uma mulher rica, e causa estranheza seu corpo ser encontrado num lugar tão incomum, ao lado de cinco cavalos e uma pilha de palha.

O livro descreve o ambiente de balseiros e embarcações. Desde o começo, o desafio de Maigret é compreender as pistas, já que elas se apresentam aos poucos e sem conexão aparente na história. Sua dúvida inicial é: como uma mulher usando vestido de seda, pérolas nas orelhas e sapatos de camurça foi parar numa cocheira?

Partindo daí, a busca por suspeitos se concentra no marido da vítima, um coronel reformado do Exército que perpassa os canais a bordo do iate Southern Cross, bebendo e curtindo a vida, um marujo russo, um secretário e amante da vítima e a viúva de um deputado chileno todos ocupantes do iate. Há ainda os balseiros de embarcações vizinhas, como a Providence e a Eco III, e potenciais suspeitos em terra.

O crime não tem motivo aparente, e ninguém parece muito disposto a falar. Sem respostas, Maigret precisa interrogar fora de seu ambiente de trabalho, no camarote de barcos, em cafeterias e no quarto do pequeno hotel onde se hospeda. Ele também persegue o itinerário das balsas em uma bicicleta alugada, refletindo enquanto tenta entender a reação daquelas pessoas e traduzir seus silêncios. Suas desconfianças se confirmam após detalhes descobertos nos últimos capítulos, e Maigret finalmente consegue resolver o caso com satisfação.

Simenon conheceu o vilarejo de Dizy em 1924, durante uma das primeiras viagens pela França com o pequeno barco Le Ginette. Ele escreveu a história no verão de 1930, e lançou o livro em março do ano seguinte. O Cavalariço da Providence faz parte da recém-lançada coleção Maigret, editada pela Companhia das Letras, e é recomendado para qualquer fã de um bom clássico policial!

site: http://literaturapolicial.com/
comentários(0)comente



Carolina DC 26/06/2014

"O Cavalariço da Providence" é um livro curtinho (com 132 páginas) que discute um caso que é investigado pelo Comissário Maigret.
Narrado em terceira pessoa, o mistério a ser solucionado envolve uma mulher encontrada estrangulada, chamada Mary Lampson.
Como todo bom livro policial, a história começa com a investigação da identidade da vítima, o que levará o Comissário a investigar as pessoas à bordo do iate Southern Cross. O que o Comissário não esperava é descobrir uma teia de mentiras envolvendo não só os moradores do iate, como também a própria vítima e duas barcas que se encontram estacionadas próximas à uma eclusa no canal: Providence e Eco III.
Uma história com direito a múltiplos suspeitos, mentiras, traições e um final realmente surpreendente!
A narração é dinâmica e o enredo bem desenvolvido. Para aqueles leitores que se preocupam em não entender alguma situação por se tratar de um livro de uma grande série, não precisam temer, pois as histórias focam quase que totalmente nos casos e são poucos os detalhes que recebemos sobre o próprio Comissário.
Para os fãs de obras policiais, os livros de Georges Simenon sobre determinado Comissário com um senso apurado e uma inteligência única são leituras obrigatórias.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A capa combina com o clima da obra e traz a sensação de se tratar de um livro policial.

site: http://www.viajenaleitura.com.br/
comentários(0)comente



5 encontrados | exibindo 1 a 5