A Música do Silêncio

A Música do Silêncio Patrick Rothfuss




Resenhas - The Slow Regard of Silent Things


14 encontrados | exibindo 1 a 14


Headfyre 31/07/2020

Um bom livro é diferente.
A música do silêncio é quase um poema, Na verdade é acima de tudo uma estória louca e instigante. Eu achei um ponto positivo ter desenhos, mesmo que eles não sejam detalhados, dá um toque de melancólia! Ps: A nota do autor no final foi perfeita.
comentários(0)comente



Jamerson.Fiorentin 30/01/2020

Há quem entenda a solidão
Um livro minucioso, uma visão detalhada do mundo que está a nossa mãos, uma outra realidade, outros olhos vendo o mesmo caminho. Um livro único e íntimo.
comentários(0)comente



Júlia 30/12/2016

Assim como o autor aconselhou no início, pessoas que iriam gostar e se identificar e pessoas que iriam odiar...bom, fiquei com a segunda parte. Livro totalmente parado, monótono, depressivo...li passando o olho mesmo, só pq era pequeno! Se fosse grande já tinha largado a muito tempo. Enfim...nada a ver com a coleção de livros que é mara. Uma pena...
comentários(0)comente



Jotha 18/09/2016

Ela é fantástica nos pequenos momentos que aparece durante a leitura de "o nome do vento" e "o temor do sábio", e neste livro em particular, ela consegue ser mais surpreendente ainda. Auri, uma garotinha que vive isolada de todos mas adora música, nos deixa perplexos com a forma que vê e lida com o mundo a sua volta. Simplesmente fantástico.
comentários(0)comente



Everton 30/09/2015

Poesia em forma de Conto
Antes de tudo é bom apresentar pra quem não conhece o escritor Patrick Rothfuss autor da série "Crônicas do Matador de Rei", que vale salientar, é um dos melhores autores de literatura fantástica da atualidade e seus livros são exemplos de como um fazer jus ao adjetivo "fantástica" no termo Literatura fantástica rsrs, e se vc ainda não conhece essa série, pare tudo que está fazendo agora e vá ler esses livros.
Enquanto muitos estão desejosos esperando o terceiro livro da série que deve se chamar " the Doors of Stone", o Patrick nos presenteia com esse incrível conto de 135 páginas.
A Música Do Silencio foi escrito como um spin off sobre uma personagem enigmática e muito querida das crônicas, a Auri. Esse livro é provavelmente diferente de tudo que já li até hoje, e o motivo principal é: não há diálogos ao longo das 135 pág! mas aí vc me pergunta, como isso é possivel?... pois é, o Patrick simplesmente deixou fluir poesia em forma de conto. Toda a estória é sobre a vida cotidiana de Auri. A sensação é que vc é um expectador mudo, apenas observando uma alma que esteja aberta para você, é como se observássemos pedaços da vida da garota, e pra quem já conhece a Auri e já achava ela enigmática nos outros livros, agora é que a coisa fica um pouco mais misteriosa. Embora a livro mostre bastante sobre a personalidade da garota, que é um personagem excêntrico por si só, com seus modos requintados, carinha de anjo, seus cabelos em halo sobre sua cabeça captando toda luz da lua ( já que ela só perambula na superfície durante a noite) é muito fácil confundi-la com uma fada ou um elfo (como diria o Kvothe -o protgonista da série - A Auri é a sua pequena fada da lua), se não fosse as roupas maltrapilhas da coitada rs. Na estória a Auri fica ainda mais esquista e mais misteriosa e por vezes obsessiva -quem leu vai saber pq rsrs-. Embora saibamos que ela foi uma aluna na universidade Arcanista, ainda fica toda aquela dúvida sobre quem é ela de verdade (já que até o nome "Auri" foi dado pelo Kvothe), e o que aconteceu para ela morar nas ruínas subterrâneas da Universidade. No entanto, parece que a Auri vai muito bem obrigado, vivendo da forma em que ela vive ou ao menos ela acha que vive muito bem (?). O livro tem uma questão psicológica que acrescente um grau de complexidade para o leitor quando começamos a refletir sobre a solidão da menina. O nome da historia faz muito sentido conforme a o leitor vai sendo levado pelos fatos cotidianos da vida da Auri. Ela mora só nessas ruínas, não fala com ninguém não é vista por ninguém (alem do kvothe) não mantem contato nenhum, além do necessário, com a parte superior da cidade. Como uma pessoa assim conseguiria viver ? Ora dando vida ao inanimado rs. Uma característica da estória que contribui bastante para a dinâmica do conto, é a forma que a Auri trata as coisas inanimadas dando a elas personalidade, sejam elas lugares, como as mais diversas salas que só ela conhece ( e é uma surpresa para o leitor a cada nova descoberta), ou um simples objeto como um frasco um cobertor, até mesmo comida. tudo isso aos olhos dela tem um porque uma função e principalmente um lugar no mundo, que, de forma estranhamente bizarra, a nossa protagonista parece saber. Nós recebemos a todo momento, por meio das ótima narrativa, as impressões, sentimentos, angustias e alegrias da Auri, e isso acontece nos momentos mais simples que a pessoas comuns passariam despercebidos. O fato de subir com os pés descalços em uma escada conhecida pode ser maravilhosamente aconchegante enquanto encostar em uma parede em o local desconhecido pode ser aterrorizante. Tudo isso faz um sentido absurdo na perspectiva dela no conto, e realmente, a sensação do leitor é que ele de fato está ouvindo uma canção única, repleta de um silencio melodioso criado pela escuridão, e modificado pela luz da lanterna que a aura leva para lá e para cá, criando e dando forma aos sentimentos e sensações da protagonista. Em alguns momentos a musica é tensa, envolta em suspense, em outros calma e as vezes cheia de uma alegria repentina.

Além desse evanescente pedaço da vida da Auri neste conto, parece que ela ainda vai desempenhar um papel muito importante na trama no próximo livro pois ela gosta muito do Kvothe de uma forma protetora ( o sentimento é recíproco),e ela parece saber de coisas demais como se possuísse um conhecimento secreto, como um quebra cabeça a ser desvendado. A narrativa deixa leitor se questionando sobre até que ponto ela é apenas ingenua e bizarra ou uma grande sábia.
Em tom premonitório parece que ela sabe de acontecimentos importantes ainda por se realizar na vida de Kvothe (que nao aparece nesse conto). Enfim , o livro além de todas essas informações, é de uma beleza singular, tem ilustrações, a capa está linda, e tenho certeza que muitas pessoas vão se identificar com a Auri, as pessoas solitárias principalmente. talvez a Auri seja uma poesia no silencio das coisas para elas.

Ps: esse livro deve ser lido de preferencia por que ja tenha lido "O Nome do Vento" e "O Temor do Sábio" se não vc fica perdidinho.

Boa leitura a todos

@evertoncruzsantos (instagram eu posto fotos das minhas leituras e coisas interessantes lá )
comentários(0)comente



ArtPhil 10/09/2015

Simples e fantastico
Talvez o livro mais louco que já li e também um dos que mais gostei, mostra a visão de mundo de uma garota que "sabe" a função de cada coisa no mundo e tem como objetivo manter o equilíbrio da existência de uma forma que só ela entende. Loucura ou verdadeira sanidade ninguém saberá.
comentários(0)comente



Eclipsenamadrugada 22/07/2015

Regresso ao passado
Muito bom. Por que (regresso ao passado?)
Porque me arremeteu a meu passado, meus pensamentos quando criança, quantas e quantas vezes ao brincar sozinho, minhas atitudes e pensamentos eram tão parecidas. O fazer de conta que objetos que gostava também tinha vida, falava com ele, e fazia de conta que recebia a resposta.... Nossa que história deliciosa de ler, adorei.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Cris 20/03/2015

E tudo precisa pertencer a algum lugar
Auri é uma menina especial, com um dom especial, e tudo, para ela, pertence a algum lugar. O livro traz a narrativa de como são os dias de uma jovem que vive nos subterrâneos de uma universidade de arcanistas, possui dificuldade de se aproximar das pessoas, mas tem um talento muito peculiar de trato com os objetos. De onde veio e como chegou até aí são perguntas que ficam sem resposta, mas provam que ela está no lugar em que deveria estar. Spin-off da série "As crônicas do matador do rei", traz um pouco de alívio para a ansiedade daqueles que estão aguardando o fim da saga.
comentários(0)comente



Celly Nascimento 29/01/2015

Uma ação diferente
Todo leitor assíduo de Patrick Rothfuss está ansioso pela conclusão d’A Crônica do Matador do Rei. Se isso é segredo? Óbvio que não. Fomos apresentados à história de vida de Kvothe e não podemos voltar para trás. Estamos sedentos, estamos com saudades. Queremos ler de novo sobre a rotina acelerada e cheia de emoção do Sem-sangue na sua juventude. Exímio musicista, calculista arcano. Sempre em movimento, mesmo quando está parado. Há apenas um pequeno contraponto nesta agitação toda: Auri. Enquanto no dia-a-dia vemos um Kvothe impetuoso, cheio de energia e determinado, descobrimos sua outra faceta quando ele se revela àquela habitante dos Subterrâneos que todos aprendemos a amar.

Lendo The Slow Regard of Silent Things descobri que adoro esse tipo de ação lenta, bem como o título sugere. Uma ação bem diferente da qual estamos acostumados vindo de Rothfuss, pois se Kvothe vive aventuras energizantes desde a Universidade até Vintas, passando por Feluriana, Auri também tem as suas próprias que se passam dentro do seu singular e reduzido mundo – os Subterrâneos. Ok, talvez seja um mundo reduzido para mim e para você. Mas estamos falando de Auri, não? Sua mente admirável conseguiu ampliar e tornar complexo aquele universo ali embaixo da Universidade. Cada passo é uma aventura, cada descoberta é excitante.
Rothfuss encontra-se muito mais descritivo e minucioso em seus detalhes, mas porque Auri é desse jeito. Nem mesmo um objeto que passaria despercebido à nossos olhos foge de sua análise e consideração, como uma fivela de cinto. Ela é curiosa, cautelosa e radiante, com personalidade – o que, aliás, é algo que tudo possui de acordo com sua visão de mundo. Isso mesmo, tanto humanos quanto objetos possuem personalidade. As chaves, por exemplo, são muito conhecidas por sua complacência. Eu absolutamente amo a Auri – e podemos ver o quanto ela ama Kvothe. Não de uma forma romântica, mas descobrimos nesta obra o quanto ele lhe é importante.
O livro está repleto de ilustrações maravilhosas de objetos comuns, assim como apresenta algumas imagens de Auri. Não se divide em capítulos, mas no que eu chamaria de “seções”. Cada uma delas se revela como sendo um dia da semana na qual Auri se prepara para o próximo encontro com Kvothe. A minha favorita é a mais sucinta, mas que talvez por isso tenha chamado tanta atenção. A seção tem o título de “Hollow”. Tem apenas uma frase: “No quarto dia, Auri chorou”. E eu chorei com ela. Porque é tanta beleza, tanta delicadeza, e eu simplesmente não aguentei mais.
Acho que nunca vi Rothfuss tão brilhante. Jamais conseguirei descrever e passar a vocês a beleza desta obra majestosa de forma adequada, qualquer tentativa será muito inferior ao real sentimento que temos ao ter contato com ela. Se você é do tipo de pessoa fria, que não se preocupa muito com seus sentimentos e percebe que eles não são muito de aflorar, pode acabar descobrindo que não é toda essa pedra que pensa. Se você não possui qualquer tipo de sensibilidade, trate de achá-la. Encarar essa obra insistindo em manter-se isento de qualquer emoção é uma afronta à genialidade. Tal qual a música clássica, você deve saber apreciá-la. Se notar que está começando a se arrepiar em determinados momentos, posso dizer que está tendo uma experiência satisfatória.
Você conseguiu, Auri, um lugarzinho no meu coração. Kvothe está aqui também, mas a maior parte é sua. Eu a conheci de verdade, conheci seu mundo e absorvi a delicadeza de ser quem você é. Não um animal arredio que temos de tratar com cuidado para não fugir, digno de pena, como me pareceu logo na primeira vez que a vi surgir para Kvothe, mas uma criatura maravilhosa que reserva muitos segredos digna de ser admirada. Você é tão surpreendente quanto o seu modo de olhar ao redor. Nunca imaginei que veria ação na ausência desta, mas você consegue produzi-la. Uma ação lenta, mas tão doce quanto você. Obrigada por isso.
Há mais, pessoal. Uma surpresinha no final, mas não vou estragá-la. Só posso dizer que minha ansiedade para a conclusão da saga de Kvothe/Kote está dez vezes maior, no mínimo.
The Slow Regard of Silent Things, ou A Música do Silêncio, vem aí. Você seria um tolo se não o adquirisse.

Post-scriptum: Fica aqui uma análise sobre Rothfuss que achei extremamente interessante e que a meus olhos é a mais pura e cristalina verdade. Não imaginava que eu tinha esse pensamento até lê-lo:

“Rothfuss me fez lembrar de Ursula K. Le Guin, George R. R. Martin e J. R. R. Tolkien, mas nunca tive a impressão de que ele estivesse imitando alguém. Assim como os autores que ele claramente admira, Pat também é um contador de histórias à moda antiga, que usa elementos tradicionais, mas com voz própria.”
– The London Times.

site: http://melivrandoblog.blogspot.com.br/p/melivrando-01-slow-regard-of-silent.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Rogéria 22/01/2015

Adorável
Adorável: essa é a palavra que descreve essa breve semana da vida da Auri que é descrita no livro. Adorei mergulhar na mente dela e ver como ela enxerga o mundo, cada pequeno detalhe como uma peça de um quebra-cabeça cheio de sentimentos que só ela consegue ver. Concordo com o Pat quando ele diz que não é um livro para todos, mas me agradou bastante. Me deu inclusive vontade de ler novamente os dois volumes da "Crônicas de um Matador de Reis" só para ver a Auri com esse novo conhecimento da personagem.
comentários(0)comente



Newton Nitro 18/11/2014

Um passeio pela insanidade de Auri ideal para os fãs das Crônicas do Matador Rei!
Li o Nome do Vento (The Name of the Wind) e o Temor do Sábio (Wise Man’s Fear) assim que saíram em inglês, ou seja, já tem alguns anos, e já estava seco de vontade de retornar à prosa poética e musical do Patrick Rothfuss. Assim que soube que ele publicou uma noveleta de 150 páginas sobre a personagem Auri, corri para conferir a última obra do barbudão doidimais. E curti muito, mas já aviso, é um conto de pegada mais literária, não vai agradar quem busca uma história mais tradicional, com arco narrativo, clímax etc.

O conto, que será lançado no Brasil com o título de A Música do Silêncio pela Editora Arqueiro, foca no dia a dia da Auri, uma personagem enigmática (e bem doidona) da saga do Matador Rei. Mais uma vez, o texto mostra a habilidade literária de Rothfuss, com metáforas e símiles bem trabalhadas, e uma musicalidade poética que permeia a leitura. O mundo e o ponto de vista peculiar de Auri, ela se relaciona com objetos inanimados como se fossem seres vivos e conscientes, é descrito em muitos detalhes. Pela primeira vez Rothfuss usa a terceira pessoa limitada em sua prosa, e o fez de maneira habilidosa e exemplar. O que mais gostei nessa novela é o modo como a narrativa coloca o leitor dentro da pele e da mente perturbada de Auri.

Como o Patrick avisa na introdução, o ideal é ler esse conto depois da leitura dos dois primeiros volumes da série. Não acontecem revelações importantes para a saga, o máximo que percebi foi um aprofundamento no modo como funciona a alquimia. O texto transborda de sensibilidade e aprofunda muito a personagem Auri (que já era uma das minhas favoritas da série). Como disse, o texto é mais uma exploração literária do mundo e do ponto de vista da Auri e pode ser lenta e chata para alguns leitores, assim, estejam avisados! :)

Fica a recomendação, principalmente para escritores interessados em estudar uma prosa bem feita, uma aula de como fazer uma magnífica descrição e exploração de lugares em terceira pessoa limitada e profunda.

E agora, como acabou de sair o The Empty Throne, oitavo livro das Crônicas Saxônicas do Bernard “Parede de Escudos” Cornwell e eu TENHO que saciar o meu vício saxão de qualquer maneira, vamo que vamo de novo para Nortumbria! :) E vamos ler porque ler é DOIDIMAIS! :)
comentários(0)comente



Caio 07/11/2014

Um novo ver
O Autor, Patrick, começa o livro com a seguinte frase; Você talvez não queira comprar este livro.
Entenda que para conseguir compreender esta resenha por um todo, terá que saber o quão fa eu sou de Patrick Rothfuss e a série The Kingkiller Chronicles.
Então quando li esta primeira frase, estremeci. Este tipo de comentário só pode ter dois significados, o Autor realmente crê que seu livro não será apreciado por todos ou uma jogada de marketing; ambas as opções não me pareceram muito apetitosas.
O livro então começa com Auri, uma personagem misteriosa, sem muitas informações sobre suas origens, mas que é meiga, inocente e bastante fora do conceito de normal. Na saga principal, Auri é sempre vista pelos olhos de Kvothe. Neste livro, nós vemos o mundo pelos olhos dela. Em seus olhos, o conceito do mundo em si tem uma perspectiva completamente diferente.
O livro conta a história de uma semana de Auri, enquanto ela espera por Kvothe. Ela vive só nos subterrâneos da Universidade, e neste livro, descobrimos como ela consegue se manter viva.
Se você leu a frase acima e acreditou que há qualquer tipo de ação relacionada, esqueça. Este livro não é para os que buscam aventuras, lutas e romances épicos. Este livro é sobre a tudo isso, mas dentro da mente de uma garota que não vê o mundo como nós.
Vou explicar melhor, Auri é nossa protagonista. Os personagens secundários são uma luz alquímica criada por ela (a qual ela nomeou de Foxen) e uma roda dentada, parte de uma engrenagem. Não há diálogos, não há música, não há o todo que faz The Kingkiller Chronicles tão épico. Há apenas Auri, e sua busca pelo presente perfeito para Kvothe. A trama do livro é essa, não há ápices. Auri parassa o livro todo buscando a harmonia do mundo a sua volta, mudando objetos de local, entendendo suas emoções e vontades.
Se até este momento o livro não foi vendido, ou a resenha parece ser negativa, é compreensível. O livro não é tao simples, e creio que a quantidade de teorias que serão criadas dele será abismal. Não entrarei em detalhes de como creio que este livro reflete diversos campos estudados pela psicologia, de como por trás das simplicidades exóticas de Auri, conseguimos um diagnóstico de diversas peculiaridades mentais. A escrita de Patrick, como sempre, é fluente, bela e tocante. A escolha de palavras é impressionante e o vocabulário é magnífico.
No final do livro, há uma nota, explicando sua criação e para quem ele é direcionado. Nao acho que um livro deveria ter ou necessitaria tantas notas do Autor, e por isso, lhe dei uma nota menor do que gostaria.
Em suma, o livro é diferente de tudo que as pessoas estão acostumadas a ler. Ele não te prende como uma história, mas como uma sensação. A descrição do Underthing (O subterrâneo dos Arquivos) é bem feita, e conseguimos ter uma pequena nocao de quão belo, selvagem e claustrofóbico deve ser a vida de Auri. O livro é o que é. Não há muito o que ser falado sobre ele. Se você estava esperando um bocado da continuação da The Kingkiller Chronicles ficará desapontado. Se você busca entender o personagem Auri, como ela é, vai se deleitar.

OS: Li todos os livros de Patrick em inglês, por isso não sei os detalhes em português.
comentários(0)comente



14 encontrados | exibindo 1 a 14