Poemas de Alvaro de Campos

Poemas de Alvaro de Campos Fernando Pessoa




Resenhas - Poemas de Alvaro de Campos


11 encontrados | exibindo 1 a 11


Craotchky 06/12/2018

Fragmentos
"O que é a necessidade de escrever versos senão a vergonha de chorar?..."

"O que é fazer versos senão confessar que a vida não basta"

"Eu nunca farei senão copiar um eco das cousas,
O reflexo das cousas reais no espelho baço de mim."

"Viajei por mais terras do que aquelas em que toquei...
Vi mais paisagem do que aquelas em que pus os olhos...
Experimentei mais sensações do que todas as sensações que senti...
Porque, por mais que sentisse, sempre me faltou que sentir
E a vida sempre me doeu, sempre foi pouco, e eu infeliz."

"E preciso querer chorar, mas não sei ir buscar as lágrimas..."

"Amei e odiei como toda a gente,
Mas para toda a gente isso foi normal e instintivo,
E para mim foi sempre a exceção, o choque, a válvula, o espasmo."

"O mundo é para quem nasce para o conquistar
E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão."

"Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido."

"A vida ali deve ser feliz, só porque não é a minha."

"Queria levar ao menos a um outro coração a consciência do meu!"

"Estou cansado da inteligência.
Pensar faz mal às emoções."

"Quanto fui, quanto não fui, tudo isso sou.
Quanto quis, quanto não quis, tudo isso me forma.
Quanto amei e deixei de amar é a mesma saudade de mim."

"Aquece, meu coração!
Aquece ao passado, Que o presente é só uma rua onde passa quem me esqueceu..."

"Pode ser que para outro mundo eu possa levar o que sonhei,
Mas poderei eu levar para outro mundo o que me esqueci de sonhar?"

"Nem me lembro de te ter esquecido senão quanto te vejo,"

"Viver é desencontrar-se consigo mesmo.
No fim de tudo, se tiver sono, dormirei.
Mas gostava de te encontrar e que falássemos.
Estou certo que simpatizaríamos um com o outro.
Mas se não nos encontrarmos, guardarei o momento
Em que pensei que nos poderíamos encontrar."

"Ó coração por sarar! quem me salva de ti?"
comentários(0)comente



Leandro.Bonizi 01/04/2018

O poeta complexo
Meu livro de cabeceira. Quase uma bíblia de emoções intensas ou, como eu chamo, meu "mapa de estados psicológicos complexos". Não há estado de espírito que eu não ache um poema correspondente.

Geralmente em versos livres, seguindo os caprichos do coração. O caos, as angústias do espírito, o desespero... acho difícil alguém não identificar em cada poema algo que já sentiu pelo menos uma vez na vida, pois são emoções comuns a todos os seres humanos, que Fernando Pessoa expressa com uma genialidade fenomenal, encontrando as expressões perfeitas para expressar as tormentas na alma de cada um de nós. Pois a vida é isso: dores, frustrações, desilusões... e disso tudo a arte desse grande poeta floresce.
comentários(0)comente



May 21/08/2017

Incrível
Pessoa é um dos poetas mais admiráveis à quem já tive a oportunidade de ler. Nunca tinha lido uma obra dele, até porque ele escreve poesia e, pelo que eu saiba, não existe um livro elaborado por ele; mas conjuntos de poemas reunidos em livros feitos por pessoas amantes do poeta. Enfim, Álvaro de Campos, como dito por grande parte as pessoas que leem Pessoa, é o seu heterônimo mais sensível e que se atêm a essência humana. E é o ramo, se assim se possa chamar, de poesia que mais me agrada. Achei a maioria dos seus poemas maravilhosos, favoritei vários e com certeza esse é um dos meus livros de cabeceira. Quero sempre tê-lo ao meu lado e desfrutar de toda beleza dos versos de Álvaro de Campos.
comentários(0)comente



Colégio Evolução 22/07/2017

Álvaro de Campos é um dos heterônimos de Fernando Pessoa e como este fez uma biografia para cada um de seus heterônimos, temos que Campos nasceu em Tavira da Serra Grande, estudou engenharia naval e dentre todos os heterônimos foi o único a manifestar fases poéticas.
Neste volume de poesias somos apresentados a um poeta amante efusivo do modernismo e das máquinas. Poeta disposto a sentir tudo de todas as maneiras.
comentários(0)comente



Luciano Luíz 28/05/2016

Mais uma obra de FERNANDO PESSOA, sob o heterônimo de ÁLVARO DE CAMPOS. A edição pocket surpreende pela quantidade enorme de textos. Um melhor que o outro. Sem contar alguns épicos tanto em tamanho quanto em qualidade. Não tem o que dizer. É ler e sentir toda a força desse poeta português insuperável.

Nota: 10

L. L. Santos

site: https://www.facebook.com/L-L-Santos-254579094626804/?fref=ts
comentários(0)comente



isa.dantas 14/01/2016

Complexo
A reunião de poemas de Álvaro de Campos é complexa e incompleta: algumas palavras ou frases foram deixadas em branco pelo próprio autor e outras não foram identificadas. Não foi uma leitura fácil, mas certamente há beleza em suas palavras!
comentários(0)comente



mila 01/08/2012

Através deste livro eu despertei meu interesse de verdade por poesia . Um dos poemas mais interessantes e belos pra mim do heterônimo Alberto de campos foi - poema em linha reta.
"Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?"
comentários(0)comente



Roni 22/07/2012

"Tenho febre e escrevo"
Álvaro de Campos é tudo aquilo que Fernando Pessoa não tinha coragem de ser, não por medo simplesmente por ele ser simples, culto e educado. As poesias do seu maior heterônimo eram escritos ao vômito, a febre, eram versos escritos de uma só vez, sem revisão ou reflexão. Era desabafo, tédio, era punk no sentido anarquista da palavra. É muito comum lermos sobre a influencia Walt Whitman com escritos longos e "barulhentos", ela existe, mas acredito que Álvaro de Campos era mais realista e sutil no modo de escrever, não se limitou a descrever a modernidade, ele a sentiu. O que mais me atrai nesses poemas é a sinceridade e o amor pela realidade, pois Álvaro de Campos era o mais moderno e real entre os demais heterônimos.
comentários(0)comente



Vanne 29/12/2010

Ótimo
Bom, sou suspeita p'ra falar do Fernando Pessoa (Fê para os mais íntimos). De certo modo, me identifico bastante com ele. Talvez pelo fato de ele ter seus heterônimos e tal, e eu "múltiplas personalidades". Ou pelo menos, quase isso.
Li os poemas e fiz minha análise literária de cada um. Bem coisa de nerd! Mas enfim, gosto bastante da Literatura Brasileira e mais ainda do Fê !

É claro que eu recomendo todos os poemas, p'ra que gosta de Fernando P., mas principalmente os seguintes:
- Mestre, Meu Mestre Querido!
- Grandes, São os Desertos, e Tudo é Deserto
- Lisbon Revisited (1923) (MARAVILHOSO, quando se estuda o poema a fundo)
- Aniversário (esse é simplesmente fantástico)


Ahh, o contexto histórico e o modo como ele usou onomatopéias em "Ode Triunfal" me deixou de boca aberta !


Fantástico =]
comentários(0)comente



Franziska 06/08/2009

não tenho palavras
como grande fã de tudo o que Fernando Pessoas escreveu, independentemente se poesia heterónima ou homónima, a minha opinião já é parcial. Se juntarmos a isso que Álvaro de Campos é o meu heterónimo preferido e que sou completamente doida por este livro, então ainda pior.
Ele é um génio e os poemas são brilhantes.
Mais do que recomendar eu digo: LEIAM.
comentários(0)comente



dnl 29/05/2009

"um mestre"
o livro é incrivel, não tem como não se envolver com os poemas...
é cada um melhor do que o outro.Faz um bem danado ler esse livro...eu recomendo! Aprovadissímo!
comentários(0)comente



11 encontrados | exibindo 1 a 11