O Toque da Vampira

O Toque da Vampira Marvel Comics




Resenhas - O Toque da Vampira


28 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Tayane Cristie 29/01/2015

Pra mim, foi mais uma fanfic.
A Trama: Quando comecei a ler esse livro, esperava uma coisa completamente diferente da trama. Não sou uma expert na história da Vampira (apesar de adorá-la), mas conversando com uma amiga que é (e mesmo sem ter conversado com ela eu já tinha percebido isso), eu vi que essa é uma história completamente aleatória, como se a autora tivesse apenas pegado a personagem e inventado todo o resto, sabe? O livro todo é mais como uma fanfic da Vampira, em momento nenhum nos contando sua história real. Mas a "fanfic" que a autora criou tem uma história bem legal e interessante, principalmente quando conhecemos James (e mais pra frente ele ganha outro nome) e sabemos um pouco sobre "o mundo" em que ele vive. Só acho que teve romance de mais.

A Protagonista: Anna Marie fugiu de sua cidadezinha quando deixou seu melhor amigo em coma. Aquela foi a primeira vez em que seu toque feriu alguém. Nisso, ela ganhou suas famosas mechas brancas e algo que ela passou a chamar de seu flagelo - seu toque letal. Ela passou a viver em uma cidadezinha do Mississipi, assando bolos à noite para uma confeitaria, usando couro e luvas - mesmo num calor infernal - para impedir que as pessoas encostassem em sua pele. Tudo muda quando ela conhece James, é demitida e sem querer deixa sua ex-chefe em coma. A partir daí, ela e James embarcam numa road trip pelos EUA, descobrindo mais sobre si mesmos e sobre os perigos que os aguardam em todas as esquinas. Essa Vampira desse livro não me passou nenhuma emoção da Vampira que conhecemos, ela foi simplesmente mais uma protagonista de livros YA (porque é o que parece), com suas doses de desastrada, auto-estima meio baixa e reclamações sobre o modo que tem de viver.

Personagens Secundários: O único com quem temos contato mesmo é James (que pouco depois passa a se chamar Touch). No início ele parece um cara bem ingênuo, mas logo descobrimos suas origens e não tem como não ficar fascinado com tudo o que ele diz sobre de onde veio.

Capa, Diagramação e Escrita: Eu acho legal a capa retratar a Vampira, mas a parte do rosto da modelo que dá para ver não me lembra em nada a personagem que eu imagino. Também não gosto da fonte do título e de como ele está disposto na capa. A diagramação do livro é bem simples, mas boa para ler. Acho que minha única reclamação nesse quesito, são os capítulos muito longos. Não gosto de capítulos longos, me cansa e parecem que não vão acabar nunca. A escrita da autora é bem simples e fluida, só não gostei dela ter mudado completamente a história da Vampira :'(

Concluindo: Não vou dizer que não gostei da trama, porque eu gostei. Mas concluindo a leitura e avaliando tudo, eu percebi que nada daquilo tinha a ver com o que eu esperava e o que livro deveria ser. E o que me deixou com mais raiva ainda, é que o final foi bem aberto e o livro não tem continuação! Eu até recomendo para aqueles que gostam da personagem, mas fiquem sabendo que não é realmente a história dela e sim, digamos, uma história paralela à original.

site: http://www.fomedelivros.com/2015/01/resenha-o-toque-da-vampira.html
Pam 13/03/2015minha estante
fiquei super animada com a sinopse, mas broxei total quando vi a capa :O (sim, sou dessas) e depois de ler a sua resenha to pensado que até posso ler, mas que não é uma prioridade agora.


Rodrigo 23/05/2015minha estante
Não sou muito familiarizado com a Vampira dos quadrinhos, o que conheço da personagem é através dos filmes e animações dos X-Men. Ao pegar o livro, imaginava uma proposta bem diferente, esperava conhecer mais a fundo a personagem, e ver aquela vampira que todos elogiam. Mas não, a imagem de uma adolescente "frágil" atrás do amor prevalece.




Lidia Valverde 20/05/2020

Estou surpresa d+++
Caraca, que livro. Sério me surpreendeu em vários aspectos. Que história incrível.

Noa dois primeiros capítulos eu achava que a história ia ser chata e cansativa, mas quando comecei o terceiro capítulo, eu não consegui parar mais.

Livro sensacional, muuuuito bom mesmo.
comentários(0)comente



Esdras 20/09/2016

O Toque da Vampira
"Aí pegam sua personagem favorita dos X-men(original) e jogam numa trama meio frustrada. Certo. Vampira foi uma escolha bem delicada para isso. Já sabemos o episódio em que ela descobriu ter seus poderes. Já sabemos o quão trágicos eles podem ser e tudo mais. Não há muito o que extrair disso. Mas, se você se propõe, então faça! Porque a monotonia é uma grande rival. MAs o que estragou essa história não foi a personagem. a Vampira não poder ter 'contato' humano é uma coisa bem incômoda e caótica. Você já sabe que ela não pode, mas você não deixa aquela esperança ir embora,. É tenso. Mas a autora nem se deu ao trabalho de mostrar uma outro lado da VAmpira. Sei lá. Que ela vê esses seus poderes como algo desnecessário, já sabemos. Por que não fazer com que ela veja isso como um grande potencial? Nada feito. Ficamos só nas lamentações mesmo. E tudo que envolveu 'poder' foi na base do "foi sem querer". Aí a autora também quis romantizar o negócio. Ok. Vem mais frustração aí. rs. Sempre pus num pedestal a imagem de " poderosa e solitária" que a Vampira teve. Não vou negar que fiquei curioso pra ver no que essa relação ia dar, mas no final das contas volto a me apegar a imagem de sempre que tenho dela. O James/Touch é até legal e tal, mas, aqui eele só serviu pra fazer da Vampira alguém vulnerável demais. Sem contar em toda a trama que envolve o Touch. Que coisa mais maluca! Não gostei. Muito menos dessas viagens no tempo e no que resultou disso. Cotton passando de mão em mão?rs. Como assim, gente? Bom, é isso. Vou esquecer que eu li esse livro. È melhor assim."
Junior 21/09/2016minha estante
Mesmo assim quero ler kkkk


Esdras 21/09/2016minha estante
Kkkkkk.




Kau 18/11/2016

O problema do livro é a vampira rs
A história até é interessante, mas a personagem Vampira é muito infantil na maior parte dele, e as lamurias da vida dela a todo momento irritam bastante até, eu gostei do Touch, mas não é um personagem que me cativou ao mesmo tempo, é superficial demais, no fim acabei lendo mais por que estou querendo ler a série Marvel que está saindo, e ele faz parte, mas é um livro que não recomendaria a ninguém.
comentários(0)comente



juh 15/06/2020

O gene trapaceiro
Uma história surreal, totalmente independente do universo dos X- Men, mas que até poderia se encaixar a ele. A narrativa da vida solitária de Anna Marie, uma garota normal do interior que um dia beija um garoto e o deixa em coma. Desde esse momento, a garota foge e vive muito só, trabalhando de madrugada em uma padadia, assando pães e doces, isolada do mundo. Até que ela conhece um rapaz esquisito, como ela, e sua vida muda para sempre. Uma história nada clichê que mistura distopia, mutação, outros planetas e outras épocas, e que estilhaça seu coração cada vez mais até seu fim.
comentários(0)comente



Dudinha 20/08/2020

O toque da Vampira
De primeira, eu achei o livro bem confuso, devo confessar. Os primeiros capítulos eu não tava compreendendo o enredo que o livro estava levando.
Mas depois de conhecer James (ou Touch), Anna Marie (ou Vampira) embarca numa aventura pelo mundo, e eu amei cada detalhe que lia.
A história de amor de comoveu, foi retratado em cada página o tipo de amor que eu adoro ler, bem intenso.
O livro superou todas as minhas expectativas, eu simplesmente amei.
Thay (@estantedathay) 26/08/2020minha estante
Eu achei confuso ate o final rs


Dudinha 26/08/2020minha estante
menina kkkkk, foi uma viagem! eu adorei, mas tinha hora que eu ficava ?que que tá acontecendo aqui, meu Deus?? kkkkkkkk




Samuel - IG @ModernoLiteral 15/12/2015

Monólogos de Vampira
Pouca ação e muita enrolação.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Claudio Soares 08/09/2016minha estante
Gente que livro ruim, que decepção minha personagem favorita , que so pensa em sexo e bate ciririca


Naty 08/09/2016minha estante
Que pena. Já é a segunda resenha que leio sobre o livro que não é nada boa. Curiosamente, ainda não achei o livro para ler


Thay (@estantedathay) 26/08/2020minha estante
Concordo plenamente




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Ana Alice 15/08/2015

Mais ou menos
A história de criação da Vampira no livro foi alterada. Sim, Cody está lá em coma e ela lembra de tudo o que era recordação dele, mas a semelhança morre aqui.

Está Vampira morava com uma tia Carrie, um tipo de carola/beata, que ficou incumbida da criação da menina após seus pais desaparecerem misteriosamente. O que dá para se entender é que eles faziam parte de uma seita que cultuava discos voadores, mas o ponto não é muito explorado e não fica realmente bem claro o que houve de fato com eles, apenas que ela morou com a tia por conta disso.

Apesar de tudo, é bem interessante acompanhar as lembranças dela sobre a época na qual morava com a tia. Após o que aconteceu com Cody, ela fica desesperada e faz um teste para saber se realmente aquilo foi real (mas não na tia, calma, é em outro ser vivo) e é isso que a faz fugir. Em vias de fato, ela não é expulsa. Mesmo que a tia fosse rígida, ela não chega a saber o que houve e a expulsá-la de fato. A Vampira só faz a arte, atesta que ela fez porcaria e some no mundo. (O interessante é a tal Carrie nunca ter se dignado a procurar, mas vamos entendê-la, não? Afinal os pais da menina também sumiram, deve ser algo genético na cabeça dela, não é? ehehe).

Quando começamos a estória, Vampira já está morando em Jackson, Mississipi, após fugir da casa da tia. Ela trabalha em uma padaria no período noturno, reproduzindo as receitas, deixando bolos prontos para serem vendidos no dia seguinte e limpando o banheiro. Sua chefe, Wendy Lee, vive bem arrumada e é uma ótima cozinheira e apenas a contratou porque nem desconfia do que a garota é capaz.
Embora tenha pouco, ela consegue se sustentar e pagar o aluguel de onde está. Porém, uma noite ela vê um homem a espreita (depois ficamos sabendo que seu nome é “James” e posteriormente Touch) enquanto ela vai trabalhar.

Se você reparar verá que o título original (Rogue Touch) é o codinome dos dois personagens, mas no título nacional o sentido acabou se perdendo um pouquinho. Voltando ao moço, tristemente ele se veste tal qual ela, e na calada da noite dois esquisitões vestindo roupas de frio chama a atenção de alguma vizinha da padaria que comenta com Wendy Lee. A chefe, por sua vez, acaba demitindo a Anne Marie (que vem a ser o nome da Vampira).

Sem eira e nem beira, Vampira está na rua. Sem condições de se alimentar, ela tem que recorrer ao seguro social, mas sabe que em breve não terá aonde morrer, pois não poderá pagar o aluguel.
A vez seguinte em que ela encontra o rapaz é bem tumultuada, mas digamos que logo eles estão em um carro, andando pelos Estados Unidos, fugindo de policiais e algo mais. E, bem, embora o rapaz seja bem esquisito, ele é engenhoso, e é ele quem a chama de Vampira pela primeira vez (aqui pelo menos).

Embora em português o codinome dela seja Vampira, digamos que Caco Ishak deve ter penado muito para tentar transformar a explicação dele plausível. Já que Rogue (do original) é um tipo de “trapaça” nos jogos e não tem nenhum sentido com a tradução adotada para o codinome dela no Brasil. Embora, convenhamos, com o dom de sugar a força vital das pessoas que ela tem, Vampira faz bem mais sentido mesmo.

O modo de agir da Vampira pela maior parte do tempo é o de uma garota apaixonada, que faria de tudo para ficar com quem ama. Mesmo o cara sendo casado com uma loira (Gambit, é tu? Só que não!) e tendo um filho (é não é mesmo). Ela enfrenta um monte de gente e não recebe muitas desculpas plausíveis do rapaz ao longo da trama para justificar o porque de ele estar sendo perseguido. O que me faz crer que a Vampira atrai mesmo os tipos mais complicados para a sua vida, heheh (oh, dó!).

Para quem tem a mente mais e não liga de ler algo que soa uma fan fiction em muitos momentos, o livro é bem bacana. Ele é, com certeza, mais bem aproveitado por quem não tem nenhuma ideia do passado da garota, mas quem gosta da personagem pode tentar encarar isso de outra forma e se divertir um pouco com a leitura também.

site: http://tudooqueeuleio.blogspot.com.br/2015/08/livro-o-toque-da-vampira-de-christine.html
comentários(0)comente



Stefany 10/03/2020

Decepcionante
Não era o que eu esperava.
A história é superficial, a Vampira imatura, e embora tenha boas cenas de ação não vai além disso.
Acho que poderia ter tido um enredo melhor, não curto muito quando a mocinha se apaixona rápido de mais e o cara vira todo o mundo dela.
Me decepcionei bastante.
comentários(0)comente



Lari 07/08/2020

Não era bem o que eu esperava
O livro vai tratar a história de Anne Marie, a vampira. Eu esperava ver ler sobre algumas coisas que eu já sabia sobre ela através dos X-men. Sinceramente, eu adoro a personagem, mas fiquei um pouco decepcionada com essa romance piegas...
comentários(0)comente



Pryh Knuppe 22/01/2016

razoável
Não leia esperando grande coisa ! Muita enrolação , pouca ação , muito mimimi e final chato.
comentários(0)comente



Gleamingcat 30/01/2016

...
Não sabia ao certo o que esperar, mas certamente esperava que fosse diferente.

Tudo bem, tem lá seus méritos: é interesante perceber como uma adolescente Anne Marie precisa aprender a lidar com seu dom/poder/maldição, mas acho que eu já passei da idade de ler romance adolescente. E, infelizmente, é exatamente assim que o livro se desenrola.
comentários(0)comente



Yasmim 12/08/2016

Depositei expectativas demais.
Eu faria um resumo do livro, mas não sei como fazer isso sem dar spoilers do livro, então prefiro não fazer.

Quando fiquei sabendo que a Marvel tinha lançando uma coleção de livros e que entre eles tinha um da Vampira, eu praticamente pirei! Ela é minha personagem favorita os X-men desde criança quando eu assistia os desenhos. Nunca cheguei a ler uma HQ dela - pretendo fazer isso-, mas me baseei um pouco pelos desenhos e filmes que vi. Além de algumas HQ's do X-Men que li. Então peguei o livro sabendo mais ou menos como ela era.

"E daí que eu estava fugindo? Eu estava era viajando! Estava em um estado qualquer no norte do país. E estava nadando. Talvez a vida não tivesse de ser tão solitária e sem prazer no fim das contas. Fiquei boiando de costas, observando as estrelas. Elas piscavam pra mim. “Onde você esteve todo esse tempo, Anna Marie?”, elas pareciam perguntar. Eu sorri."


Christine é uma autora que não conhecia, mas ela tem dois livros nessa coleção... O que me fez pensar: Vale a pena ler esse segundo? Ela tem uma boa escrita e tudo mais, só que em determinados momentos da leitura do livro eu ficava pensando se eu terminaria aquele livro todo ou se largaria ele ali mesmo. Determinadas atitudes da Anna Marie que me davam um louca vontade de entrar dentro do livro e bater com ele na cabeça dela. Atitudes e frases que muitas vezes eram meio desnecessárias demais e imatura demais.

A Vampira desse livro não me lembrou nem um pouco as do desenhos, filmes ou HQ's que li em nada! A história é praticamente totalmente diferente da verdadeira história dela em si e a personalidade também. Era como ver uma outra pessoa e com outras histórias, só que com o mesmo nome que ela. Foi como vi muitos que leram dizendo, está mais para uma fanfic mesmo.

O final também não me convenceu em nada, tamanha foi minha indignação por ele! Achei muito desconexo e vago. É como se houvesse um continuação, mas não terá! Pelo menos não que tenha sido confirmado. Fiquei muito desanimada por esse livro, principalmente pelo fato de ter depositado tantas expectativas nele.

site: https://cantinhodayaah.blogspot.com.br/2016/08/beda-09-resenha-16-o-toque-da-vampira.html
comentários(0)comente



28 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2