A Verdade Sobre Nós

A Verdade Sobre Nós Amanda Grace




Resenhas - A Verdade Sobre Nós


113 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Caro - só troco livro por livro 08/07/2014

Querido Bennet,

Confesso que quando vi sua história, me apaixonei e li no modo mais ofensivo possível. Rápido, os olhos passando pelas letras e minha cabeça tentando desesperadamente absorver as palavras de Madelyn.

Não me leve a mal, eu não queria que essa história acabasse rápido, pelo ao contrário, mas não sei se você sabe que o meu tipo ideal são os professores.

Sim, os professores como você, empenhado e apaixonado no que faz. Um professor que não tem muitas experiências, mas que vivência tudo. Mas você é um homem lindo, elegante e apesar de ter 25 anos é um homem comprometido com o que é certo.

Sabe que quase não acreditei nas palavras da Madelyn, sim a estudante de 16 anos a qual se apaixonou por você. Ela era tão linda. Quem poderia dizer que seria tão inocente a ponto de pensar que não teria consequências mentir a você. Quem imaginaria?

Quando li isso, logo nos primeiros parágrafos de sua história, eu tinha certeza que eu coração estava envolvido em você:
Espero que, de alguma forma, você encontre forças para ler isto até o fim, até a última palavra, pois talvez, caso se lembre de como as coisas aconteceram se vir tudo como eu vejo não consiga me odiar.

Sua história foi tão bonita, tão intensa, tão frágil, que me prendeu, me envolveu. E como disse anteriormente, li em uma ânsia danada de saber A verdade sobre vocês!

E a verdade que encontrei, Bennet, é que você realmente é culpado. Culpado por me deixar com o coração na mão.

E ela sempre foi tudo o que você gostaria, não foi? Com a exceção de ela não ser a pessoa certa e na hora certa.

Desejo o melhor a você e a Madelyn, na verdade desejo o melhor a vocês!

Com amor,

Caro
Aline 26/07/2014minha estante
Terminei a história a pouco tempo e como você, fiquei completamente apaixonada pelo Bennet, não por gostar de professores, mas sim pois ele foi em todos os aspectos apaixonante, ele a respeitou em todos os momentos e a deixou quando percebeu que era um amor impossível, sinto uma pequena lastima por ela ser tão ingenua, como você mesma disse, eu senti que ela só pensava nela e que nunca imaginou que ele seria o mais prejudicado, mesmo assim a história me marcou de forma gratificante e adorei cada minuto em que pude desvendar "A verdade sobre nós", beijos!


Fran 08/10/2014minha estante
Eu também não me conformo com o final, mas pela forma como ele saiu correndo. Ele gostava dela e simplesmente sumiu!E ainda tinha lacunas que precisavam ser preenchidas.


mila 14/10/2014minha estante
nossa também amei esse livro; me envolvi com essa história incrível. O final não foi o que eu esperava; mas acho que foi o justo.


Izadora 13/11/2014minha estante
Amei o livro e também não estou conformada com o final. Acho que a autora poderia escrever uma sequência com alguma reviravolta e um reencontro.


Lari 13/01/2015minha estante
Já sofrendo muito por ele, e olha que não cheguei nem na metade.
:/


Alana Gabriela 16/01/2015minha estante
o final me matou... completamente desapontada!! Segurando-me muito para não chorar...


Thais 18/08/2015minha estante
Me apaixonei por Bennet e no final? Ele me matou.


Drika 21/07/2016minha estante
Vai pra fila!


Julia 06/08/2017minha estante
A história apesar de muito interessante, principalmente pela forma como é escrita, tem um final decepcionante e que deixa muito a desejar!

[Spoiler para quem não leu ainda]


Achei muito injusto o modo como acabou. Ela e o Bennett até poderiam não ter terminado juntos, talvez isso fosse mais realista, mas achei injusto o modo como até no final ele ainda fazia pouco caso dela, como se ela sempre tivesse sido uma garotinha que não sabe de nada, e não a mulher que ela demonstrava ser e que o conquistou. E no dia que ele descobriu sobre ela, ele tinha razão em ficar com raiva, mas depois quando eles se encontraram no futuro, ele deveria se desculpar por dizer coisas horríveis para ela como 'Você não sabe o que é amor'. Fiquei de cara como foi conveniente para ele ver a Madelyn como uma mulher na hora que eles dormiram juntos e horas depois dizer que ela era uma criança.

Por isso o meu final seria assim: Ela e o Bennett se encontrariam naquela trilha 2 anos depois, e teriam a conversa que eles precisavam ter. Depois disso, eles podiam ter uma amizade ou não, mas ele estaria de volta a cidade para uma proposta irrecusável de trabalho lá e solteiro.


Celinha 18/01/2018minha estante
Gostei do livro, mas fiquei frustrada com o final. '-'
Me senti assistindo La La Land de novo. .-.
Esses finais muito reais acabam comigo. -_-




Erika 26/09/2015

A mentira tem seu preço!
O livro apesar de ter um ritmo lento e ser narrado de uma forma diferente é bom.
O livro todo é narrado como uma extensa carta de Maddie para Bennet. Ali ela conta como conheceu, se apaixonou e o desfecho do relacionamento deles. Foi diferente de tudo que já li.
A lição que fica é que ficamos vulneráveis quando omitimos coisas, e assim, corremos nossos riscos, que talvez se tornem irreversíveis. Gostei do final. Foi doído, mas foi real. Nem sempre os relacionamentos tem os esperados finais felizes. Foi bom.
Dynhofran 27/09/2015minha estante
Eubtenho um carinho grande por essa história.


Erika 28/09/2015minha estante
É. Gostei tb. Não é um final óbvio. Achei diferente de tudo que já li. Bjs


Dynhofran 28/10/2015minha estante
Simmmm. Jurava que seria "aquele final" de sempre.Só que não! Me deu até um aperto no coração rs.


Erika 28/10/2015minha estante
Verdade! O final não foi o óbvio. E quem disse que um livro para ser bom, tem sempre que ter final feliz, não é mesmo? rs... Bjs.




Carol D. Torre 20/07/2014

Não sei bem porque quis tanto ler A Verdade Sobre Nós, apesar da capa ser linda eu não sou muito fã de amores impossíveis, acho que não tenho paciência para enrolação, sempre quero que os casais fiquem logo juntos. Mas assim que coloquei as mãos no livro já comecei a leitura e simplesmente não imaginava que poderia gostar tanto como aconteceu. A verdade é que fazia muito tempo que eu não era tão envolvida por uma estória.

Madelyn é a filha perfeita e a estudante perfeita que seus pais sempre exigiram. Por causa de suas notas altas, acabou entrando em projeto onde completa os últimos dois anos do colégio na faculdade, tudo que já estava planejado por seus pais para ela. Então é por isso que com dezesseis anos ela entra na sua primeira aula de Biologia na faculdade e acaba se encantando por seu lindo e jovem professor.
Por coincidência - ou pelo destino, se você acredita em tal coisa - Bennet e Medelyn acabam se esbarrando fora da sala de aula e se envolvendo mais do que esperavam e mais do que era correto. Receoso com a situação de professor e aluna Bennet propõe que escondam tudo até que o semestre acabe, mas, o que Madelyn não contou para ele, foi que mesmo depois disso ele ainda estaria se envolvendo com uma menor de dezesseis anos. Apaixonada demais para arriscar tudo ao contar a verdade ela esconde tudo até que o seu segredo vem a tona da pior forma possível. Agora Madelyn resolve explicar a verdade sobre os dois tanto para salvar Bennet quanto, e principalmente, para pedir seu perdão.

A Verdade Sobre Nós se parece em muitos sentidos com Por Isso A Gente Acabou do Daniel Handler. Assim como no segundo, A Verdade Sobre Nós é basicamente uma carta onde Madelyn conta toda a sua estória para explicar tudo o que fez ao mostrar a todos as suas motivações, ao dividir todos os seus pensamentos e todas as suas emoções. E, em ambos os livros, nós temos esse sentimento agridoce de saber, desde o começo, que não importa o que aconteça no meio do caminho nós já sabemos o final e sabemos que ele não vai ser aquele que nós queremos. Mas A Verdade Sobre Nós se torna completamente diferente de Por Isso A Gente Acabou ao se tornar uma estória muito mais acolhedora, muito mais ingênua.

Eu acredito que muita, mas muita gente mesmo, não vai gostar da Madelyn. É até mesmo possível que muitos não gostem do livro como um todo por causa dela, porque, querendo ou não, o tempo todo estamos presos na sua visão dos acontecimentos. E eu entendo que ela tem muitos defeitos, que ela age de forma errada diversas vezes, mas eu consegui entender a personagem e entender a autora por fazê-la dessa maneira já que A Verdade Sobre Nós é, acima de tudo, uma estória de crescimento pessoal.
Não diria que a Madelyn seja infantil, mas sim muito ingênua em muitos momentos. Ela está apaixonada pela primeira vez e sente tudo intensamente demais, ela faz de Bennet o centro de seu universo e acredita que só se sente segura e madura ao seu redor. E apesar de odiar esse tipo de comportamento eu entendi, entendi que tudo isso foi necessário para que ela desatasse todas as suas amarras criadas pelos seus pais e começasse a crescer e amadurecer. O que estou tentando dizer é que cada uma das ações da personagem tem um embasamento, tem um motivo coerente apontado pela autora. Então, sim, Madelyn tem defeitos, é ingênua e egoísta em muitos momentos, mas eu adoro personagens imperfeitos porque é exatamente assim que somos na vida real. E é incrível poder acompanhar uma estória pela visão de uma personagem tão apaixonada e deslumbrada.

Por outro lado é difícil falar do Bennet, já que só conhecemos ele pela visão da Madelyn e eu não considero essa uma fonte confiável já que ela está apaixonada por ele. E o mais interessante é perceber que apesar dele aparecer o livro todo e ser importantíssimo, o foco não está muito no personagem em si, em sua personalidade e em sua história, mas sim no quanto ele afeta a vida da Madelyn. A Verdade Sobre Nós é um dos raros casos onde o mocinho não rouba o papel da protagonista.

Eu fiquei encantada com a narrativa da Amanda Grace. Desde da primeira página ela conseguiu me conquistar e me envolver completamente na estória, tanto que li o livro inteiro sem pausas e terminei em menos de duas horas. Eu praticamente devorei as páginas, querendo saber o final, mas, ao mesmo tempo, sem querer que acabasse. Acredito que isso aconteceu porque, como já disse, ele conseguiu me envolver, eu me importei com os personagens, senti frio na barriga pelo romance e cheguei até mesmo a derrubar algumas lágrimas no final.
Eu gostei muito dos temas abordados pela autora. Ela falou muito sobre a pressão dos pais sobre os filhos, sobre como é errado quando os pais criam um futuro para seus filhos sem considerar quais são as vontades próprias deles. E, é claro, ela deu muito material para debate sobre relacionamentos entre professor e aluno e, principalmente, sobre a questão da idade, sobre qual é grande diferença real entre, por exemplo, uma garota de dezesseis e outra de dezoito anos. Não vou estender o assunto com as minhas opiniões pessoais porque acredito que cada um vai terminar o livro com sua própria visão sobre o assunto e ter a oportunidade de refletir sobre eles.

Se eu tivesse que achar algo para criticar seria que a Madelyn repete muito algumas coisas, mas, de novo, isso faz sentido porque são coisas que ela precisa frisar para que as pessoas que lerem a carta prestem atenção nelas. E se eu tivesse que apontar o maior acerto seria o final, porque nossa, como eu sinto falta de finais como esse.

Como eu disse, no começo, que não existiu uma explicação para o meu interesse repentino pelo livro também existe um porque exato que explique porque gostei tanto dele. Gostei do formato, do sentimento agridoce de já saber o fim, gostei da veracidade dos personagens com todos os seus defeitos e qualidades, gostei dos sentimentos puros e intensos que transbordam das páginas e gostei de retratar um crescimento pessoal tão visível e tão grande. Eu sei que muitos não vão gostar do livro, mas realmente acredito que todo mundo deveria dar uma chance. Fazia tempo que estava esperando o livro como esse e talvez vocês também estejam.

"Foi assim conosco. Um dia, éramos duas pessoas separadas. No seguinte, nos esbarramos, e nenhum de nós teve a menor chance."

"Dez anos não é muito, sabe? Se eu tivesse vinte e você, trinta, será que alguém se importaria? Parece cruel que quatro aninhos sejam tão importantes, capazes de mudar uma vida. Na verdade, só dois importavam. A diferença entre dezesseis e dezoito. A diferença entre o amor que pode durar uma vida e o amor que nunca pode acontecer."

"Eu só via você e quanto o queria. Sabia, naquele momento, que precisava fazê-lo ser meu, a qualquer preço, apostando para ver o que o futuro nos reservaria. Só queria ter sabido, naquele dia no rio, que não eram minha vida, minha dor, que estavam em jogo. Eram as suas."

" Todo mundo é egoísta, Maddie. Faz parte de ser humano."

site: http://rehabliteraria.blogspot.com.br/
Cecília 22/07/2014minha estante
Esse livro é tão real! O final é tão real! De vez em quando é bom lermos histórias como essa para a gente se dar conta de que nem sempre tudo termina como gostaríamos e como nós somos egoístas sim!


Lara 14/12/2014minha estante
Amei sua visão do livro. É do mesmo modo que eu vejo. Já li Por Isso a Gente Acabou e senti a mesma coisa. Mas nunca conseguiria expor em palavras o que senti, ou o que pensei e achei do livro. Você, o fez perfeitamente! Parabéns.


Erica.Cristina 04/07/2016minha estante
Achei um livro muito bonito, uma estória muito real, fiquei um pouco frustrada confesso, mas ao mesmo tempo emocionada. Ver a verdade que nem sempre há um felizes para sempre torna tudo mais real, nos faz refletir um pouco, mas confesso que gostaria de uma sequência.




primeira viagem 19/03/2019

A verdade sobre nós
Livro: A verdade sobre nós
Autora: Amanda Grace
Editora: Intrínseca
Gênero: Romance
Li a 1 edição
Ano de lançamento 2014
Páginas 208

Será que a diferença de idade pode ser mais importante que os sentimentos? Infelizmente Amanda Grace nos mostra que sim. Essa é uma linda e triste história de amor.
A pedido de seus pais Madelyne participa de um programa para jovens talentos, consegue pular dois anos do Ensino Médio e começa a faculdade cursando algumas matérias. No primeiro dia de aula ela conhece Bennet, seu professor de Biologia e a atração entre eles é mútua.
Maddie está cansada de ser a menina obediente e perfeita, talvez por isso e por sua paixão ela decide se relacionar com Bennet mesmo sabendo da diferença de idade entre eles (ela tinha 16 e ele 25 anos).
Por várias vezes ela pensa em falar a verdade para ele, falar do programa e que ela não era a pessoa que ele pensava, mas, o medo de perder seu amor sempre a impediu. Até o dia em que tudo é descoberto, vemos as consequências surgirem e Maddie resolve escrever cartas a fim de provar que Bennet é inocente e na esperança que ele possa lhe perdoar.
O livro é narrado por essas cartas e assim podemos conhecer profundamente os sentimentos envolvidos, seu arrependimento por ter escondido a verdade e por ter causado tanta dor.

Comentário: Esse foi o primeiro livro com o final triste que li, mesmo já sabendo que era sobre um relacionamento que não deu certo fiquei em muitos momentos aflita e torcendo para que os acontecimentos mudassem.
Adorei o fato de o livro ser narrado em primeira pessoa e por cartas, me senti mais próximo da personagem e pude conhecer melhor seus sentimentos.
Entendo toda a raiva de Bennet pela mentira no primeiro momento, em minha opinião se realmente ele gostasse de Maddie teria esperado ela completar 18 anos (só faltava dois anos) para ficar com seu amor.
Hillary 10/07/2019minha estante
Li esse livro recentemente, e também penso da mesma forma com relação aos sentimentos dele por ela. Não acho que ele estivera tão envolvido quanto ela.


primeira viagem 10/07/2019minha estante
Depois de anos aparecer para falar que estava com outra, aquilo me deixou mal.


Hillary 10/07/2019minha estante
Sim, também senti a mesma coisa. Fiquei numa ressaca literária pesada. Rsrsr




Cris 30/11/2016

Decepcionante
Quando eu vi a capa desse livro, imediatamente quis comprá-lo. E quando comecei a lê-lo, minhas expectativas foram sendo frustradas a cada página lida. A Madelyn, uma garota de 16 anos, se apaixona pelo professor de Biologia, Bennet. Ela está participando de um programa para concluir o Ensino Médio com créditos da Faculdade, e começa a frequentar a Universidade, assim conhecendo Bennet. Logo de cara me irritou bastante o fato daquele amor a primeira vista. Não consegui enxergar em nenhum momento um amor de verdade, apenas devaneios e "platonice". Ela instantaneamente quis "virar" adulta e ser outra pessoa, mas, só demonstrou imaturidade. Sem contar que a Autora não contou a história muito bem... Eu senti falta de alguns detalhes, gostaria de ter podido saber mais sobre algumas situações, alguns conflitos que não existiram... Eu não consegui comprar a ideia desse amor entre Madelyn e Bennet. Existiu apenas a paixonite de uma adolescente por um professor que em nenhum momento pareceu corresponder da forma como a autora tentou descrever.
ana paula 23/01/2017minha estante
Também comprei por causa da capa. Estou no primeiro capítulo e já estou desconfiada de que não vou gostar. Veremos...


Monique 11/02/2017minha estante
Finalmente encontrei alguém como eu, que entre todas as resenhas postadas aqui também deu 02 estrelas.
Não entendo como as pessoas gostam desse livro. Terminei de ler ontem e vou te falar, preciso urgente ler outra coisas para ver se esqueço essa porcaria de estória.
Sem sentido, mal escrita e o final? Pffffff
Poderia ter sido um livro MA-RA-VI-LHO-SO.
Poderia.....




Lanna Victoria 05/01/2015

Vale a pena ler
Tão pequeno, mas com uma narrativa poderosa.
Confesso que quando comecei a ler achei um pouco chata a forma como a historia era só centrada em "tenho 16 anos" ,mas depois de um certo ponto no livro entendi para que tanto foco nisso.
Uma historia REAL, mesmo, mesmo (sem enfeites). Ainda estou em dúvida se isso tudo não aconteceu de verdade, se as cartas não existiram, se aquele final na verdade não fez parte da vida de alguém... É esse o sentimento quando você termina o livro.
Guria87 26/03/2015minha estante
Só li os comentários sobre o livro depois que li, mas tenho essa mesma impressão, de que realmente é uma história que aconteceu, de repente até mesmo com a própria autora...(ela usa um pseudônimo e tem várias características semelhantes a personagem...), mas mesmo não tendo certeza de que tenha acontecido de verdade, gostaria muito que o livro tivesse uma continuação...




Nathalia 30/01/2016

A verdade sobre nós - Amanda Grace
Escrito pelo autora Amanda Grace e publicado pela editora Intrínseca em 2014, o livro "A verdade sobre nós" fala sobre o romance entre Bennett Cartwrigth e Madelyn Hawkins.
Eu preciso começar falando que não sou muito fã desse livro. E já vou lhes dizer o porque.

"Eu só via você e o quanto o queria. Sabia, naquele momento, que precisava fazê-lo ser meu, a qualquer preço, apostando para ver o que o futuro nos reservaria.
Só queria ter sabido, naquele dia no Rio, que não eram minha vida, minha dor, que estava em jogo.
Eram as suas."

Madelyn é uma adolescente extremamente inteligente, aos 16 anos ela conseguiu uma bolsa na faculdade sem nem antes ter concluído o Ensino Médio, ela está adianta com relação a todos os seus colegas de turma. A sua vida é baseada nos estudos, com um objetivo fixado pelos seus pais, ser tão bem sucedida como a sua mãe e não ser uma fracassada como o seu pai. A falta de amigos de verdade e de um relacionamento saudável com a sua família faz de Madelyn uma adolescente solitária. Ela estava cansada de ter seus pais decidindo a sua vida por ela, escolhendo o que ela deveria estudar e tornando uma guerra de quem é o mais inteligente entre ela e o irmão mais velho, Trevor.
Porém, tudo muda quando ela começa a estudar na faculdade. Ninguém imagina que ela tem apenas 16 anos e que ainda não concluiu o ensino médio. E foi na aula de Biologia da faculdade que ela conhece Bennett Cartwright, seu professor.
O livro é narrado por Madelyn em forma de carta. Uma carta endereçada a Bennett. Uma carta que conta como ela o admirava, o que ela sentia e porque não contou para ele que tinha 16 anos quando eles começaram a se relacionar. Sim, é isso mesmo, a menina ficou toda apaixonada pelo professor e o professor também se apaixonou por ela, mas, pra ele, ela tinha 19 anos, então, não era uma coisa totalmente ilegal, mesmo ela sendo sua aluna. Porém Madelyn estava toda apaixonadinha que não ousou contar a verdade para o seu professor.
Bom, minhas considerações sobre esse livro é que: o título é bem mais interessante do que o enredo. Pra mim, Madelyn é só uma adolescente perdida, que teve sua primeira paixão, não mediu as consequencias e se ferrou bastante, e ainda ferrou com o cara que ela gostava. Ela foi boba, ingênua e egoísta e Bennett também foi um pouco burrinho nessa história. E no final, deu um tapa feio na cara dela. O que me deixou um pouco com raiva dele. Por que se ele gosta dela , que diferença faz se ela tem 16 ou 19 anos? De qualquer maneira ela seria mais nova, de qualquer maneira ela era sua aluna e de qualquer maneira os dois se davam bem juntos.
Eu li o livro, que achei monótono, esperando por um final surpreendente. Pena que só fiquei esperando mesmo. Nada demais. No fim das contas, o que eu mais gostei no livro, foi o nome do cachorro de Bennett, ele se chama Voldemort.

site: http://epilogosprologos.blogspot.com.br/2016/01/resenha-verdade-sobre-nos.html
ana paula 26/01/2017minha estante
Também detestei este livro, muito chato




Dynhofran 20/06/2015

"A verdade sobre nós", minhas impressões
Quando vi esse livro na livraria ano passado me apaixonei de cara. o título me convidou e, em seguida, comecei a ler. passei horas na livraria, mas li todo naquela tarde. É uma livro sobre amor "impossível", sobre mentira e sobre recomeço. Uma garota de 16 anos se apaixona pelo professor de biologia alguns anos mais velho que ela e é correspondida. A garota se vê tão encantada por ele que resolve esconder sua idade e viver a paixão em segredo. Mas esse segredo tomará um rumo inesperado e doloroso, comprometendo o futuro dos dois.
É uma história que parece clichê, mas a autora soube contornar a linha da mesmice e nos deu um final surpreendente, triste, mas muito positivo. Vale a pena fazer essa leitura.
Aydil franco 21/06/2015minha estante
Me lembrou um livro que li na época da escola. http://www.skoob.com.br/livro/1456ED1965




Manuella 10/09/2014

Quem já se apaixonou por um professor vai encontrar nesta leitura um bom material para atiçar as lembranças, ainda que a paixão tenha ficado só no sonho adolescente, nos delírios pueris tão comuns para quem acabou de sair da infância.

Madelyn é uma adolescente de 16 anos, mora na pequena Enunclaw e já está na universidade por conta do programa Running Start: com as excelentes notas que sempre teve, pode cursar os dois primeiros anos da universidade, cumprindo créditos que valem tanto para validar seu certificado do ensino médio como para antecipar o curso universitário. Assim como o irmão Travis, Maddie cresceu num ambiente familiar de cobrança por notas altas, os pais planejando e conduzindo todos os passos da vida escolar dos filhos. A mãe é uma engenheira bem sucedida, mas o pai considera-se um fracassado professor, porém determinado a fazer dos filhos profissionais destacados e brilhantes.

No primeiro dia de aula na faculdade, Madelyn conhece Bennett Cartwright, o jovem e bonito professor de Biologia, por quem as alunas suspiram. Começa, então, uma bonita amizade entre ambos, que vira uma paixão arrebatadora e impossível. Pela lei, um professor não pode se envolver com uma aluna. Mas o que Bennett não sabe é que Madelyn só tem 16 anos e uma diferença de dez anos os separa.

Não é fácil para ninguém romper com os costumes. Mas é nesse ponto que você se encontra. (Bennet)

Desde o início do livro ficamos sabendo que algo deu errado. É uma boa estratégia da autora, que deixa o leitor curioso para saber como tudo aconteceu. Por meio de cartas, num testemunho aberto de que tudo fora culpa sua, Madelyn conta sua versão dos dias passados ao lado do professor, da amizade que virou um grande amor.

Como o romance é narrado em primeira pessoa por Madelyn, temos uma visão unilateral, adolescente e intensa. O leitor avalia as atitudes da garota e do professor e, inevitavelmente, embarca nessa paixão proibida, cheia de sonhos e promessas. Não podemos decifrar Bennet, porque é uma Maddie deslumbrada que fala dele, interpretando todas as atitudes do amado como gentis e bem-intencionadas, uma construção tendenciosa própria dos apaixonados. A menina é egocêntrica e ingênua, presa fácil do julgamento dos leitores. Particularmente, aprecio personagens assim, cheios de conflitos, tateando o mundo.

Madelyn repete algumas ideias, convicta de que, assim, faz o leitor entender bem o que ela já disse antes. Isso pode ser cansativo. E para os apreciadores de clímax a cada final de capítulo, devo avisar: aqui o ritmo é bem linear, até o ponto em que as coisas mudarão. Por outro lado, do jeito que a autora construiu a narrativa, só a voz de Maddie funciona muito bem. É nessa parcialidade que o leitor mergulha no universo carente e pressionado da personagem para entendê-la em cada passo mal calculado, cada justificativa imatura. E acaba torcendo pelo casal.

Acho que eu estava no momento ideal para vestir a pele de uma menina coagida, criada para ser perfeitinha, mas que resolve viver de acordo com seu coração e chuta o balde. Quem não teve seu momento libertador, seu grito de independência, ainda que por uma atitude inconsequente? E quem pode condenar uma garota que acredita firmemente no amor que sente?

Numa escrita bem coerente com a idade da narradora-personagem, a autora nos remete às lembranças de nossa própria adolescência. E, a despeito das reclamações que li por aí, o desfecho me deixou muito feliz, porque nem sempre encontro finais tão afinados com a trama.

Resenha publicada no blog Ler para Divertir:
http://www.lerparadivertir.com/2014/08/a-verdade-sobre-nos-amanda-grace.html
Ana Gabriela 22/10/2014minha estante
A verdade sobre nós.

Não sou uma pessoa muito fã de começar um livro já sabendo o final triste e previsível que me aguarda, mas acredito que este livro mudou um pouco minha visão. Inicialmente é angustiante e ao mesmo tempo lindo o primeiro amor, a forma como se poetiza tudo e faz parecer mágico, cheguei até a acreditar que poderia ser mais uma das mil mocinhas com Síndrome de Estocolmo, que tanto me encanta, contudo o final, que aqui não irei revelar, torna as coisas claras e verdadeiras. Gostaria de dizer que foi algo esperado, mas não foi, não sorri, não fiquei feliz, mas acredito que pela moral e pela própria realidade, a autora soube, de forma sintética e realista me surpreender.




Eu Conto Um Conto 29/07/2015

Vai ser difícil superar uma leitura como A verdade sobre nós. Além dessa capa maravilhosa o livro dá vida a um belo romance, uma linda história de amor que teria tudo para dar certo se, desde o começo, não estivesse fadada ao fracasso.
Esse livro me surpreendeu completamente. Não vou mentir, normalmente tenho medo do conteúdo de capas tão perfeitas como essa, mas o livro é bom de verdade e valeu tanto ter lido.

O envolvimento entre aluna e professor abordado pela autora inova por começar a história do fim, por deixar claro o presente da protagonista mas, ainda assim, nos faz ansiar por um final diferente. É impossível não se envolver emocionalmente com essa história, vivi cada sentimento narrado: ódio, amargura, esperança, amor, desejo.

Enfim, um romance com dor e crescimento pessoal, ou seja, tudo o que mais gosto em livros do gênero jovem adulto. O final pode não agradar, até gostaria que fosse diferente, mas não consigo deixar de pensar que foi justamente por esse desfecho que a autora transformou sua história, que nas últimas páginas ganhou ainda mais força pela bela mensagem que o livro carrega.

site: http://eucontoumcontoblog.blogspot.com.br/2015/07/resenha-verdade-sobre-nos.html
Thais 10/08/2015minha estante
quase morri com esse final.




Marcella 27/10/2016

Garotas inteligentes não deveriam fazer coisas estúpidas.
Comprei este livro por uma unica razão plena: minha história tem muitos aspectos parecidos com os dela.
Ler este livro requer paciência para entender cada simples aspecto dessa história tão básica. Provando que nem sempre é necessário um final feliz para um ótimo livro, a autora deu um tapa na cara da sociedade que esta altamente acostumada com o "felizes para sempre".
A verdade sobre nós SUPER merece não só uma continuação, mas também, uma "versão Bennet" da história.
Livro cativante.
Sara 07/11/2016minha estante
Concordo com vc sobre tudo; a coisa do "final feliz" a versão do Bennett... acredito que seria bem interessante.




Mar 18/11/2014

Um enredo clichê, minha narração favorita!
Se você leu a sinopse, deve ter pensado que este seria mais um livro com um enredo clichê. E vou te confessar: Sim, o enredo é clichê! Porém, este livro é especial! Madelyn, nossa protagonista, apaixona-se por Bennet. Este, por sua vez, alimenta o sentimento, mesmo com medo por ser seu professor. O problema maior, porém, não é a profissão do mocinho. A menina passou pelas aulas avançadas do Ensino Médio e está cursando o Básico na faculdade. Madd, tem apenas 16. E Bennet? Bennet tem 26 anos, é um homem feito e além dos dez anos de diferença... É professor da menina! Este relacionamento estava fadado.

Achei que minha carta talvez o ajudasse a ser libertado, porque eles veriam que tudo havia sido minha culpa [...] [ Pág. 192]


Clique em "Continue Lendo" para saber mais.


A construção das personagens foi interessante. Ambos os protagonistas, e até mesmo os coadjuvantes, foram caracterizados como pessoas que facilmente encontramos na vida real. Foi tão fácil eu imaginar os pais controladores de Madd e sua revolta por ter passado tanto tempo aceitando escolhas e sonhos que não eram seus... Que eu simplesmente me peguei entendendo todas as suas atitudes, suas mentiras, suas revoltas e indecisões. Não que tenha enlouquecido e achado que ela estava certa... Mas suas ações eram passíveis de compreensão.


Meu exemplar na cabeceira!

Além de Madd, tinha o Bennet! Acredito que a autora poderia ter desenvolvido mais a estória e ter incorporado algumas páginas a mais. Mas, acho que foi a pitada certa da estória, porque meu coração dilacerou com poucas páginas, mas isso é assunto para outro parágrafo. Voltemos ao segundo protagonista... Eu me apaixonei por Bennet em poucas páginas. Amanda Grace, pseudônimo de Mandy Hubbard, a autora da obra, provavelmente não seria fracassada se desenvolvesse mais o personagem. Ele apareceu como vítima na história. Então, eu sentia mais pena do que amor por ele. Basicamente isso! Não que seja um ponto negativo, mas seria melhor se fosse exposto um pouco mais do lado sedutor, apaixonante ou qualquer outra coisa além da vitimização do cara!

Congelei no caminho entre a porta e a cama, no caminho entre o que nos tornaríamos e o lugar aonde eu sabia que estávamos indo. [Pág. 168]

Quanto a narração, aí está o "X" da questão", foi ela quem fez esta obra ser especial. Tem tanto sentimento naquelas palavras que eu estou me questionando se a autora passou por isso. Se ela juntou em algum momento da vida dela essas cartas e agora resolveu publicar com o intuito de explicar um passado a alguém importante... Eu acreditei muito fácil na história!

Um ponto que eu não devo deixar de citar é o pronome usado, "Você". Em algum momento da minha vida eu li um outro livro com a mesma "pegada". "Stolen - Carta ao meu Sequestrador" também usava o pronome "Você" e, como o subtítulo já diz, era também uma carta. "A verdade sobre nós" foi narrado, assim como "Stolen", através de cartas. Da primeira página até a última a protagonista se desculpa pelas mentiras e por tudo o que fez. A narração, dessa forma, ficou perfeita. A protagonista conversa, de pertinho, no íntimo, com o leitor, e quem está lendo quase responde! Pelo menos foi assim comigo!


Havia concentrado todo o meu tempo, todos os meus pensamentos naquele momento. Depois que ele passou, percebi com uma chocante clareza. Ali, de pé no meio do chalé, percebi que estiver disposta a fazer qualquer coisa durante doze semanas, estivera disposta a mentir e a criar para você uma versão de mim inteiramente nova... [Pág. 164]

Acho que não vou conseguir expressar o que eu senti enquanto eu lia. O livro é fininho, li muito rápido. Durante todas as páginas, desde a primeira!, a autora dá dicas, ou até mesmo fala claramente o que acontece no final. E, ao contrário do que você pensa, isso vai dar mais calor à leitura. Você ao mesmo tempo vai querer que acabe, mas que também não acabe! E, acredite!, só não saiu lágrimas porque eu me forcei para não sair, afinal, eu estava lendo em local público! O livro é bem triste... O que posso dizer sobre as últimas páginas dessa obra sem dar spoiler? Que é tremendamente triste. Facilmente pode acontecer na vida real. Não existe uma heroína, existe um cara querendo viver um amor mas sendo enganado novamente por uma adolescente inexperiente que só quer fugir do controle e expectativas de seus pais.

Antes de finalizar essa resenha falando que eu amei muito este livro e dizendo que a autora, com certeza, entrará para minha listinha de autores prediletos, eu preciso falar uma coisa: Eu preciso de uma continuação! Amanda Grace? Eu preciso que você publique um segundo livro porque aquele final simplesmente deixou um grande vazio em meu coração. De verdade! Parece que eu vivi aquilo tudo na minha pele! Sensacional! Se você tem outros livros como esse... Com certeza um dia serão meus! Porque estou disposta a comprar todos!

Provavelmente eu sabia, não é? Que tudo daria errado. Tinha dezesseis anos, mas não era burra. [Pág.164]

Quanto às minhas recomendações... Leiam, leiam, chorem, deixei o coração apertar! E quando chegarem no final... Não travem as lágrimas, deixe seu coração apertar até o último suspiro. Este livro é tão lindo... Tão lindo... Tão real! Ele é especial! Se tornou um dos meus favoritos!


Resenha publicada no blog LaGarota.com.br

site: www.LaGarota.com.br
Camila 05/12/2014minha estante
Senti as mesmas coisas que você durante a leitura e me apaixonei muito pelos personagens. Entendi o lado da garota e do cara. Fiquei muito triste com o final, mas como você disse, ele é bem real e retratou o que com certeza aconteceria. E sua teoria sobre ser a história da autora é muito boa. Gostei de imaginar desta forma. Muito boa a sua resenha. Você escreve muito bem.




Lendo, Relendo, Encantando 02/01/2017

A verdade sobre nós
O livro conta o relato de Madelyn, uma garota de 16 anos que é muito inteligente, mais tão inteligente, que ela faz cursos na faculdade antes mesmo de estar formada no ensino médio (através do Running Start, um programa que permitia alunos do ensino médio cursarem matérias que valeriam pelo último ano da escola).
Pelo que consegui notar da personagem principal e que fica bem claro é, ela como qualquer pessoa que tem sua idade está enfrentando dilemas sobre o que gostaria de estudar e com o que gostaria de trabalhar, porém tais escolhas não estão sendo feitas por ela e sim pelos seus pais.
Ela descreve como foi sua vida nesse período de faculdade, onde ela se apaixona pelo seu professor de Biologia, que possui 25 anos, o que ela não contava era que ele pudesse se encantar por ela também, mas não deixa que nada "efetivamente" aconteça, afinal é contra a lei se relacionar com alunas, mas essa aproximação não deixa de acontecer.

Obs: Para Bennet (professor), a garota tem no mínimo 18 anos, em nenhum momento ela lhe informou que era menor de idade.

Eu fiquei um pouco incomodada com a forma em que o livro é escrito, mas consegui me acostumar antes dele acabar, eu gostei bastante da leitura, Maddie conseguiu demonstrar que tinha "teoricamente" uma cabeça boa e que era madura pra sua idade, mesmo ela tendo feito o que fez, entretanto o desenrolar da história foi meio triste, na minha reles opinião o livro merecia uma sequência, onde seria mais detalhado o futuro da personagem principal.
Andreza 03/01/2017minha estante
fiquei curiosa pra ler, vou tentar ler esse ano. o.o




Andreza 26/01/2016

Querida leitora,
Eu já me apaixonei por um professor. É sério. Se eu souber contar do jeito certo, a história até vai parecer bonitinha. Estava na escola e de repente a minha professora não veio, mandou um outro em seu lugar. Um cara de camiseta de herói, alto, extremamente branco e de óculos. Clássico. Depois de alguns meses de conversas, encontros casuais pela cidade, me vi completamente apaixonada. Até que então ele realmente começou a dar aulas na minha escola e então agora eu tinha um problema. Ele era inteligente, sagaz e fofo. Um perigo para cancerianas. A gente conversava todos os dias, mais e mais. Até que um dia, eu tive o meu primeiro beijo com ele. Agora lembrando, foi bem esquisito. Tão rápido como começou, foi o jeito que acabou. Quando dei por mim estava no fim, mas tinha ali uma história para a vida inteira: fiquei com o meu professor.

Madelyn é uma menina super desenvolvida de 16 anos, que participa de um projeto de aceleração. Ao invés de cursar o ensino médio regular, Madelyn cursa as matérias comuns em uma faculdade. E em um belo dia, caminhando por aí, ela conhece Bennet. Um cara de quase 30 anos, professor de ciências na faculdade e pai de um cachorro chamado Lorde Voldemort(!!). Como toda adolescente normal de 16 anos, Madelyn começou a forçar pelos encontros espontaneamente planejados e aos poucos foram se conhecendo. Ela, metida a conhecedora superficial dos anos 80, atrai a atenção do professor com suas blusas do Nirvana. E ele, todo recatado, se deixa levar pela boa companhia. Só que Bennet todo inocente não sabe que a Madelyn participa do projeto de jovens talentos e que na verdade ela é uma aluna do ensino médio. A relação deles pode ser considerada criminosa e aí que está a trama do livro.

O enredo é muito bem desenvolvido em forma de cartas e flashbacks, toda essa relação de amor proibido te prende porque provavelmente você: a) já foi apaixonada por um professor b) já foi apaixonada por um professor c) já foi apaixonada por um professor. É um livro com poucos personagens, que te faz grudar ainda mais na história do jovem casal e não te faz viajar tanto assim. Essa inclusive poderia ser a história de uma prima distante.

A parte mais sensacional do livro é quando acontece o maior problema da história e a personagem até então toda ‘sou madura’, ‘sou a adulta’ mostra a sua verdadeira idade e mentalidade(que é de adolescente, né?!). Vale a pena dedicar um dia de leitura para esse livro, principalmente se assim como eu, você já foi uma Maria Giz.

No conceito MEC de livros legais que Andreza já leu, esse livro tem nota: 4.

site: https://docebiblioteca.wordpress.com/2015/11/19/resenhando-a-verdade-sobre-nos-amanda-grace/
comentários(0)comente



Elizabete.Isidoro 02/09/2016

A verdade encoberta
A Verdade Sobre Nós é narrado pela própria Maddie, mas de uma maneira inusitada: o livro inteiro é em forma de carta. Nele não há divisões de capítulos devido a isso, mas apenas as divisões das três cartas escritas, em segunda pessoa, pela protagonista. O fato de a história inteira ser direcionada a Bennett, com Maddie narrando a ele os fatos sob o seu ponto de vista é muito interessante, a apenas deixa o leitor mais e mais interessado na história em si.
A leitura conseguiu me prender de imediato, especialmente devido a essa narrativa diferente, que consegue ser sóbria e coloquial ao mesmo tempo. É algo delicado demais, e ficamos sabendo como a protagonista, que tem, no início do enredo, apenas 16 anos, se sentia descobrindo o primeiro amor. Além disso, algo que me chamou atenção foi o fato de sabermos, desde o início, mais ou menos que rumo a história tomará. Isso geralmente tira um pouco do meu interesse pelo enredo, mas, nesse caso, apenas fiquei mais curiosa e expectante.
comentários(0)comente



113 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |