A Verdade Sobre Nós

A Verdade Sobre Nós Amanda Grace




Resenhas - A Verdade Sobre Nós


113 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8


Dynhofran 20/06/2015

"A verdade sobre nós", minhas impressões
Quando vi esse livro na livraria ano passado me apaixonei de cara. o título me convidou e, em seguida, comecei a ler. passei horas na livraria, mas li todo naquela tarde. É uma livro sobre amor "impossível", sobre mentira e sobre recomeço. Uma garota de 16 anos se apaixona pelo professor de biologia alguns anos mais velho que ela e é correspondida. A garota se vê tão encantada por ele que resolve esconder sua idade e viver a paixão em segredo. Mas esse segredo tomará um rumo inesperado e doloroso, comprometendo o futuro dos dois.
É uma história que parece clichê, mas a autora soube contornar a linha da mesmice e nos deu um final surpreendente, triste, mas muito positivo. Vale a pena fazer essa leitura.
Aydil franco 21/06/2015minha estante
Me lembrou um livro que li na época da escola. http://www.skoob.com.br/livro/1456ED1965




Lica 28/01/2015

(...)
Depois dos acontecimentos, Madelyn escreve uma carta contando como foi que a história aconteceu e é através dessa carta que conhecemos os personagens. Adorei esse estilo e ler uma história através de um angulo diferente do que estou acostumada. Essa diferença fez também com que eu lesse o livro muito mais rápido do que normalmente leio.
(...)
Apesar de algumas falhas, eu entendi Madelyn e assim como ela, gostei do Bennet porém alguma coisa ficou no meio do caminho. Sabe quando tudo parece acontecer como é para acontecer e de repente tudo muda?
(...)

Leia a resenha completa no Amores e Livros

site: http://www.amoreselivros.com.br/2015/01/a-verdade-sobre-nos-amanda-grace.html
comentários(0)comente



Alokadolivro 22/09/2014

Já pela capa fiquei doida para ler, diferente das estórias atuais, foi uma agradável surpresa. Adorei a forma de como a estória é contada, através de cartas que a Madelyn escreve para o Bennet (que ao meu ver foi um verdadeiro Gentleman). O livro me pegou de tal forma que não conseguia parar de lê-lo. Adorei!!!!

site: https://www.facebook.com/alokadolivro
comentários(0)comente



S. T. 11/08/2015

Realista.
Só hoje me dei conta de que a resenha que havia feito meses atrás não chegou a ser publicada por algum erro.
Li o livro com baixas expectativas pois li muitas avaliações negativas sobre o formato. Como o formato da narrativa é muito determinante para eu gostar ou odiar uma leitura, fiquei com o pé atrás. Acabei me surpreendendo positivamente: gostei muito da forma que Madelyn narra a história. As cartas trazem tanto sentimento, a forma que ela se interrompe para se referir a ele, para refletir sobre o que passaram juntos... é tocante e faz com que nos envolvamos com aquela relação. O tempo todo o leitor percebe o que aconteceu, é previsível, mas ainda assim se vai criando uma expectativa e curiosidade para saber como aconteceu.
Muitas pessoas não gostaram do final, mas eu achei totalmente justo. Não consigo imaginar um final diferente depois de tudo, da forma com que tudo aconteceu. Madelyn muitas vezes me passou justamente a imagem da mocinha infantil que negava ser, parecia nutrir um deslumbre totalmente adolescente pelo Bennett. Achei o desfecho coerente.
comentários(0)comente



Ani 04/02/2017

A Verdade Sobre Nós é escrita por Amanda Grace, um pseudônimo da autora Mandy Hubbard e foi lançado no Brasil pela editora Intrínseca. Nele conhecemos a jovem Madelyn Hawkins, ela está cansada se servir como projetor de seus pais. Ela precisa ser melhor que seu pai – que se considera um fracassado – e parecida com sua mãe que vem de uma origem humilde e venceu na vida. Melhor aluna da classe, ela pula dois anos do Ensino Médio e vai para a faculdade, onde ela conhece Bennet Cartwright, seu professor de biologia.




Além de ser lindo e simpático, Bennet é um ótimo professor o que faz com que Maddie se apaixone por ele, o problema é que ela tem 16 anos e ele tem 25. E mesmo consciente de que deve abrir o jogo com o rapaz, ela se deixa levar por sentimento novo e arrebatador.

"Garotas inteligentes não deveriam fazer coisas estúpidas."

Eu já conhecia a história do livro por causa de resenhas, mas nunca tinha me deixado levar para conhecer a obra. Quando a Raíssa – O Outro Lado da Raposa – escolheu esse livro, foi uma forma de eu matar a curiosidade em relação a escrita da autora e saber que ela passou o limite do clichê.
A obra é narrada em forma de carta por Maddie. Ela está lembrando os fatos que aconteceram durante o “relacionamento” com senhor Cartwright, foi uma forma bem interessante de se escrever um livro e acredito que isso tenha dado bastante trabalho para a autora. O fato é que, dessa forma, tudo aconteceu rápido demais. É compreensível, afinal, estamos lendo o ponto de vista de uma única personagem sobre os acontecimentos, mas eu acredito que se a autora tivesse escrito em terceira pessoa ou até mesmo em primeira, mas narrando os fatos no presente, eu conseguiria gostar mais dos personagens.

"Todo mundo é egoísta, Maddie. Faz parte de ser humano."

Maddie tem 16 anos e age como tal, é engraçado pois ela luta para ter sua independência, mas mesmo assim, tem pensamentos e atitudes de uma adolescente por muitas vezes o sentimento que ela nutria pelo professor me deixou um pouco assustada. É nítida a manipulação a que ela o submetia. Durante o decorrer do livro, próximo ao final dele, eu comecei a questionar a saúde mental da jovem. Creio que meu medo da possessividade tenha falado mais alto.




É impossível não comparar história, por isso, eu me lembrei muito do relacionamento Ezra e Aria de Pretty Little Liars. Chegou a ser engraçado a forma como Bennet me lembrou Ezra em alguns momentos.
A escrita da Amanda foi uma grande surpresa para mim, eu que não a conhecia me encantei. Ela escreve bem e conseguiu me prender. Consegui ler o livro 4 horas e meia. Isso foi um novo recorde para mim. Obrigada Mandy!
A Verdade Sobre Nós é um bom livro, com uma dose de clichê que fará você sair de uma ressaca literária. Espero que a editora traga mais livros da autora – seja suas próprias obras ou pelo seu pseudônimo. Leitura aconselhada.




site: http://www.entrechocolatesemusicas.com/2017/01/a-verdade-sobre-nos-amanda-grace.html
comentários(0)comente



Livros e Citações 10/01/2015

Sobrecarregado de sentimentos
Autora: Amanda Grace
Editora: Intrínseca
Páginas: 208
Classificação: 5/5 estrelas

http://www.livrosecitacoes.com/resenha-intrinseca-a-verdade-sobre-nos-amanda-grace/

A verdade sobre nós contará a estória de Madelyn e Bennett. Madelyn sempre foi aquela garota que tirava as melhores notas e seguia os planos que seus pais ditavam, ou seja, uma garota exemplar. Mas ela estava cansada de ser essa garota. Então ela conhece Bennett, um cara simpático, carinhoso, inteligente e engraçado. De uma maneira inevitável, ela logo se apaixona por ele e o sentimento se torna recíproco.

"Nós combinávamos, você e eu, como duas peças que se encaixam perfeitamente."

Claro que tudo parecia ser bom demais, ele era o cara certo para ela. O problema é que ela tem 16 anos e ele 25, além der ser seu professor de biologia. Logo as coisas começam a dar errado e o que deveria ser uma linda história de amor começa a se tornar um tormento.

Somos apresentados a história através das cartas escritas por Madelyn após seu término, explicando o que realmente aconteceu e não as meias verdades que estão rondando sua antiga relação amorosa. Desde as primeiras palavras o leitor sente-se tocado por uma história doce e carregada de sentimentos bons, mas ao mesmo tempo perturbadora porque você tem a plena consciência de que, mesmo uma relação tão bonita como a de Madelyn e Bennett, um final feliz não acontecerá. Para você talvez pareça só mais uma obra sobre um amor impossível, mas garanto que será muito mais que isso.

"Esta carta não pode fazer nada por nós, porque não existe nós… não mais."

Maddie não é uma personagem perfeita. Por mais que todos pensem que ela seja, ela não é. Aos poucos vamos descobrindo que ela é como qualquer outra garota, tentando enfrentar as exigências dos pais — que são cada vez maiores — mesmo que elas ultrapassem suas vontades. Gosto quando os personagens apresentam essas “falhas” porque ninguém é perfeito e aqui isso não é diferente. Quando ela começa a abrir seu coração durante a narrativa, mesmo aqueles erros e defeitos eram facilmente compreendidos. Já Bennett é extrovertido, sensível, leal, justo, simpático, inteligente. Sufocada pelas obrigações e pelo que os pais exigiam dela, Maddie vai encontrar sua válvula de escape em Bennett. É com ele que ela sente que pode ser ela mesma, acima de todas as exigências e erros. Vamos ficando cada vez mais com o coração na mão porque é inevitável não torcer pela relação dos dois mesmo que ela esteja fadada desde o princípio. Por mais que existam mil e uma razões para que eles não fiquem juntos, se ainda assim houver apenas uma, ela valeria a pena.

A autora soube trabalhar bem no desenvolvimento do enredo. Como dito anteriormente, Amanda Grace apresentará a trama através de cartas escritas pela protagonista feminina e ela não se apressa ao apresentar os fatos. Ela começará desde o momento em que ambos se conheceram, o desenrolar da relação até chegar ao seu épico final. Ela consegue cativar o leitor, criando expectativas e utilizando a própria curiosidade como arma para fazer com que ele persista na leitura. Sem contar sua forma poética e cheia de sentimentos, conseguindo gerar no leitor as mesmas sensações e emoções que os personagens sentiam.

"Porque aquele foi o momento em que tudo mudou. O ponto sem retorno, o momento em que olhei para você e pulei do precipício, sabendo que jamais voltaria, que jamais desistiria de meus sentimentos."

E o final é devastador! Na verdade ainda não sei se essa seria a melhor palavra que descreveria o final, mas foi assim que eu me senti ao terminar esta leitura. Por mais que possa parecer um pouco previsível, quando li as últimas páginas desejei um final alternativo. Era muito triste acreditar no desfecho que o destino reservou para Maddie e Bennett. Com certeza este será o ápice da leitura, o momento em que você não conseguirá esquecer tão facilmente e que derramará lágrimas ao lê-lo.

Em suma, foi uma leitura sobrecarregada de sentimentos, alguns bons e outros não tantos, mas posso garantir que será mais do que apenas mais uma leitura sobre um amor impossível. Maddie e Bennett são especiais! Mesmo depois de finalizar a leitura, não consigo tirar a estória da cabeça e penso por quanto tempo ainda refletirei sobre essa doce história de amor. Uma das minhas leituras favoritas no ano.

Resenha por: Emanuel

site: http://www.livrosecitacoes.com
comentários(0)comente



JoyceFerraz 05/11/2017

A verdade sobre nós
Acabei de ler o livro e não me surpreendi nem um pouco com o final levando em conta que a protagonista é uma adolescente idiota, egoísta e irritante.
Começando pelo fato de que ela tem 16 anos, já está na faculdade porém mais parece uma cabecinha de criança de 10 anos.
A forma dela contar a história não me emocionou em nenhum momento... Uma narrativa tão bobinha e infantil como se realmente ela tivesse 10 anos.
Esperava bem mais do livro e outro ponto negativo é a falta de detalhes desse relacionamento: o livro passa voando pelos meses que eles ficaram juntos e o foco são as desculpas esfarrapadas da protagonista por ter destruído a vida de outra pessoa que ela diz amar tanto.
Enfim o ponto positivo na minha opinião é que o livro é curto, então foi mais fácil terminar logo essa história irritante e também a parte boa é que eles não ficam juntos, já que o Bennet não merece uma pessoa fake como a Madelyn na vida dele.
comentários(0)comente



Mirella 19/07/2017

Além de um romance...
A escritora consegue transmitir ao leitor não somente o conflito vivenciado pela adolescente Madelyn mas como lidar de forma madura com as consequências de seus atos. A circunstância vivenciada por Madelyn, a transição para a fase adulta não é simples, como é abordado no livro com clareza certos sentimentos e questões que todos passam na vida. É um livro incrível, recomendo!
comentários(0)comente



Manuella 10/09/2014

Quem já se apaixonou por um professor vai encontrar nesta leitura um bom material para atiçar as lembranças, ainda que a paixão tenha ficado só no sonho adolescente, nos delírios pueris tão comuns para quem acabou de sair da infância.

Madelyn é uma adolescente de 16 anos, mora na pequena Enunclaw e já está na universidade por conta do programa Running Start: com as excelentes notas que sempre teve, pode cursar os dois primeiros anos da universidade, cumprindo créditos que valem tanto para validar seu certificado do ensino médio como para antecipar o curso universitário. Assim como o irmão Travis, Maddie cresceu num ambiente familiar de cobrança por notas altas, os pais planejando e conduzindo todos os passos da vida escolar dos filhos. A mãe é uma engenheira bem sucedida, mas o pai considera-se um fracassado professor, porém determinado a fazer dos filhos profissionais destacados e brilhantes.

No primeiro dia de aula na faculdade, Madelyn conhece Bennett Cartwright, o jovem e bonito professor de Biologia, por quem as alunas suspiram. Começa, então, uma bonita amizade entre ambos, que vira uma paixão arrebatadora e impossível. Pela lei, um professor não pode se envolver com uma aluna. Mas o que Bennett não sabe é que Madelyn só tem 16 anos e uma diferença de dez anos os separa.

Não é fácil para ninguém romper com os costumes. Mas é nesse ponto que você se encontra. (Bennet)

Desde o início do livro ficamos sabendo que algo deu errado. É uma boa estratégia da autora, que deixa o leitor curioso para saber como tudo aconteceu. Por meio de cartas, num testemunho aberto de que tudo fora culpa sua, Madelyn conta sua versão dos dias passados ao lado do professor, da amizade que virou um grande amor.

Como o romance é narrado em primeira pessoa por Madelyn, temos uma visão unilateral, adolescente e intensa. O leitor avalia as atitudes da garota e do professor e, inevitavelmente, embarca nessa paixão proibida, cheia de sonhos e promessas. Não podemos decifrar Bennet, porque é uma Maddie deslumbrada que fala dele, interpretando todas as atitudes do amado como gentis e bem-intencionadas, uma construção tendenciosa própria dos apaixonados. A menina é egocêntrica e ingênua, presa fácil do julgamento dos leitores. Particularmente, aprecio personagens assim, cheios de conflitos, tateando o mundo.

Madelyn repete algumas ideias, convicta de que, assim, faz o leitor entender bem o que ela já disse antes. Isso pode ser cansativo. E para os apreciadores de clímax a cada final de capítulo, devo avisar: aqui o ritmo é bem linear, até o ponto em que as coisas mudarão. Por outro lado, do jeito que a autora construiu a narrativa, só a voz de Maddie funciona muito bem. É nessa parcialidade que o leitor mergulha no universo carente e pressionado da personagem para entendê-la em cada passo mal calculado, cada justificativa imatura. E acaba torcendo pelo casal.

Acho que eu estava no momento ideal para vestir a pele de uma menina coagida, criada para ser perfeitinha, mas que resolve viver de acordo com seu coração e chuta o balde. Quem não teve seu momento libertador, seu grito de independência, ainda que por uma atitude inconsequente? E quem pode condenar uma garota que acredita firmemente no amor que sente?

Numa escrita bem coerente com a idade da narradora-personagem, a autora nos remete às lembranças de nossa própria adolescência. E, a despeito das reclamações que li por aí, o desfecho me deixou muito feliz, porque nem sempre encontro finais tão afinados com a trama.

Resenha publicada no blog Ler para Divertir:
http://www.lerparadivertir.com/2014/08/a-verdade-sobre-nos-amanda-grace.html
Ana Gabriela 22/10/2014minha estante
A verdade sobre nós.

Não sou uma pessoa muito fã de começar um livro já sabendo o final triste e previsível que me aguarda, mas acredito que este livro mudou um pouco minha visão. Inicialmente é angustiante e ao mesmo tempo lindo o primeiro amor, a forma como se poetiza tudo e faz parecer mágico, cheguei até a acreditar que poderia ser mais uma das mil mocinhas com Síndrome de Estocolmo, que tanto me encanta, contudo o final, que aqui não irei revelar, torna as coisas claras e verdadeiras. Gostaria de dizer que foi algo esperado, mas não foi, não sorri, não fiquei feliz, mas acredito que pela moral e pela própria realidade, a autora soube, de forma sintética e realista me surpreender.




Dany 01/12/2017

Confusões de adolescente
A personagem principal esconde um grande segredo, revelando ser muito infantil para assumir as consequências de seu ato. Porém, isso é compreensível pelo fato dela ter apenas 16 anos.
Gostei do desenvolvimento e do formato em que o livro foi escrito.
comentários(0)comente



Raissa 30/04/2016

Vale a pena a leitura!
A verdade sobre nós foi escrito por Amanda Grace, autora de romances e young adult, conhecida nos EUA por escrever histórias de amor polêmicas, contraditórias e às vezes incorretas, dependendo do ponto de vista. Foi publicado no Brasil em 2014 pela editora Intrínseca.

Madelyn Hawkings é a protagonista dessa história, uma adolescente de 16 anos, considerada perfeita por seus pais e o orgulho da família. Sempre tirou notas altas na escola, nunca se meteu em encrencas ou problemas e sempre fez tudo na maneira planejada por seus pais. Porém, ela não era feliz assim e se sente aprisionada e incapacitada de fazer suas próprias escolhas.

Encorajada pelos pais, Madelyn se inscreve no programa Running Star que oferece aos alunos com notas exemplares créditos para avançar o ensino médio e ingressar na faculdade. E não poderia ser diferente, Madelyn é aceita!

Já na faculdade, ela começa a se ajustar na sua nova vida e sente-se feliz por poder estar no comando, mesmo que parcialmente. O que ela não imaginava é que no primeiro momento iria se sentir atraída pelo ser professor de biologia. Bennett Cartwright era tudo o que ela sonhara: inteligente e atencioso, e acima de tudo representava a liberdade que ela tanto almejava. E o fato dele não a tratar como uma criança, como toda sua família, faz a atração ser instantânea.

Bennett também se atraí por Madelyn, mas demora a admitir esse sentimento. Mas o destino sempre acaba os unindo dentro e fora da faculdade. O que ele não imagina é que ela tem 16 e não 18 anos, e mesmo ela sabendo que precisa contar a verdade, acaba omitindo esse fato.

"Na verdade, só dois importavam. A diferença entre dezesseis e dezoito. A diferença entre o amor que pode durar uma vida e o amor que nunca pode acontecer. "

O relacionamento é extremamente complicado, aluno e professor, a diferença de idade, seria um escândalo. Então Bennett decide que eles ficarão juntos quando acabar o semestre, e ele não será mais o professor dela. Mas as coisas só tendem a ficar mais complicadas, pois Madelyn continua na indecisão de contar sobre sua verdadeira idade.

O que será desse amor? Não posso contar muito sem dar spoilers, mas no inicio do livro já temos indícios de como essa história acaba. O livro é todo desenvolvido por cartas escritas por Madelyn e destinadas a Bennett. Foi muito interessante esse tipo de escolha para a história, pois foi muito fácil sentir e se colocar no lugar da personagem.

"Eu só via você e quanto o queria. Sabia, naquele momento, que precisava fazê-lo ser meu, a qualquer preço, apostando para ver o que o futuro nos reservaria. Só queria ter sabido, naquele dia no rio, que não eram minha vida, minha dor, que estavam em jogo. Eram as suas."

O que não me agradou muito foi que Madelyn em alguns momentos foi egoísta em não revelar a sua idade e esquecer das consequências para as outras pessoas. Pela descrição dela é muito fácil se apaixonar por Bennett, eu gostei bastante dele desde o início.

Recomendo o livro A verdade sobre nós, pois apesar de ser um clichê de história de amor, é uma leitura diferente que foge um pouco dos padrões e envolve temas interessantes. Nos leva a pensar sobre a relação de pais e filhos, a cobrança para a perfeição, o amadurecimento, questionamentos sobre quem somos e julgamentos de nossa sociedade.

"É difícil decidir o que ser quando você só se destaca naquilo que não quer ser. Essa era minha vida. Em preto e branco. E eu desejava cor."

A leitura é leve, rápida e descontraída. Não espere um final feliz, mas sim algo completamente real e plausível.

Primeiro parágrafo do livro:

"Querido Bennet,

É possível que você não leia isso, mas talvez eles leiam, o que pode ajudá-lo. Esta carta não pode fazer nada por nós, porque não existe nós... não mais."



site: www.booksimpressions.com.br
comentários(0)comente



kath 01/03/2015

Não sei se choro ou
Eu me apaixonei por esse livro e li em exatos dois dias, chorei e sorri horrores, mas me decepcionei no final. Eu juro, nem eu sei o que eu esperava, mas não era aquilo. Bom, eu super recomendo.
comentários(0)comente



Silviane 04/07/2015

Resenhas :: A verdade sobre nós
Sim, não é legal começar uma resenha dizendo que seu enredo é clichê, mas entenda que ele realmente é clichê onde temos uma garota de dezesseis anos que se apaixona pelo seu professor de vinte e seis.
Maddie é uma garota prodígio que faz parte de um programa estudantil, por isso com dezesseis anos está na faculdade para concluir o ensino médio; Lá conhece Bennet, seu professor de biologia e se sente atraída por ele já no primeiro olhar.
O livro é dividido em três partes, sendo que cada uma representa uma carta que Maddie escreve para Bennet após o desenvolvimento de seu relacionamento. Na carta número um temos Maddie contando sobre como eles se conheceram, não apenas como aluna e professor e sim como uma mulher e um homem, a forma como a amizade entre eles se desenvolve até se tornar, de fato, algo mais.
A primeira carta é a mais longa, também é um pouco chatinha mas é extremamente importante para o leitor compreender quem é Maddie e decidir aceitar ou não a sua mentira.
Na carta número dois temos uma Maddie, aparentemente, sem rumo, tentando entender o que devera ser feito da sua vida. Também é uma carta sincera, pois ela escreveu para Bennet, com a intenção de que apenas ele a leia. A carta número três é a mais linda e triste, acho que posso dizer que é a carta da conclusão. Finalmente temos uma Maddie madura e entendendo as consequências do seus atos, além de estar mais do que pronta para seguir em frente com a vida.

Durante a carta número um eu senti muita raiva da Maddie. Não digo que ela seja uma protagonista chata, apenas infantil e até mesmo egoísta. Confesso que não aceitei muito bem esse amor que ela dizia sentir pelo Bennet, pois durante diversos momentos da narrativa ela fala sobre a diferença de idade entre os dois; O quanto aquela situação é inaceitável (pelos seus pais e pela sociedade); E chega até mesmo a compara-lo com os garotos do ensino médio. A impressão que eu tive é de que ela agiu assim por ser algo atípico de seu comportamento habitual e que no fundo gostaria de fazer algo escondida, ter segredos, desafiar sua família. Agir de forma rebelde.

Entendo que o livro sendo contado em forma de carta é bem óbvio termos apenas os pensamentos da locutora, mas eu fiquei muito triste em não poder me conectar melhor com Bennet. Apesar da personagem sempre falar sobre ele com tanto carinho foi difícil entender exatamente o levou o agir da forma como ele agiu em relação ao seu relacionamento com uma aluna (mesmo sem saber sua verdadeira idade). Maddie não expressou tanto quanto eu esperava sobre ele, entende?
Mesmo não tendo gostado muito do inicio do livro admito que o final me pegou. Demorei para perceber que o quanto ele é lindo e acho que até mesmo sincero, algo longe do que podemos esperar de tantos YA que lemos por ai. Desde o inicio do livro Maddie deixa claro que a relação dos dois não deu certo, por isso não considere como spoiler quando eu digo que gostei por isso não ter acontecido. É uma pena não poder comentar melhor sobre os acontecimentos narrados por ela na carta três, pois é algo que realmente me gostar do livro.

site: http://cantaremverso.com/2015/02/05/averdadesobrenos/
comentários(0)comente



Fernanda Palhari 25/05/2015

Resenha #35 - A Verdade Sobre Nós, Amanda Grace
Esse é mais um livro da minha lista de desejados que consegui dar conta (Alegria extrema)! Ele conta a história de Madelyn Hawkins, uma garota super inteligente que consegue entrar para a faculdade dois anos adiantada. Antes dessa, eu nunca havia lido nenhuma obra da Amanda Grace, e gostei bastante da proposta da autora, que escreve o livro em forma de cartas que a personagem principal escreve para seu professor de biologia, Bennet Cartwright.

Madelyn se encanta com Bennet logo na primeira aula de biologia a que ela assiste na universidade, e o mesmo parece ter acontecido com ele, mas no início tentei não me deixar influenciar pelo texto, pois estava contando com a possibilidade de ser tudo apenas o ponto de vista de Madelyn e não corresponder com a realidade, mas não é isso o que ocorre na obra. Ele realmente começa a se apaixonar por Madelyn e a atração entre eles é inevitável, mas Bennet não se permite beijá-la até que ele não seja mais seu professor, o que ocorreria nove semanas depois. Então, eles combinam que só farão alguma coisa a mais quando chegar o dia 13 de dezembro, quando acaba o semestre. E é nesse mesmo dia que Madelyn promete a si mesma que revelará sua verdadeira idade para Bennet, que pensa que ela já tem 19 anos.

Durante todas essas semanas, eles se encontram principalmente na casa de Bennet, que é localizada em um lugar que não pode ser muito bem visto da rodovia, diminuindo a possibilidade de alguém ver o carro de Madelyn e reconhecê-lo. Quando chega o dia em que eles podem ficar juntos, eles viajam até um chalé de amigos de Bennet e finalmente passam uma noite juntos. E na manhã seguinte, ele descobre a idade de Madelyn, ao por acaso encontrar um folheto em sua mochila sobre o projeto de que ela faz parte, que lhe permite terminar o ensino médio enquanto cursa a faculdade, e não fica nem um pouco feliz com isso.

Ao levá-la de volta para casa, durante a manhã, há policiais os esperando, que o algemam e o levam pra delegacia, enquanto os pais de Madelyn a deixam sozinha no quarto e a incentivam a denunciar Bennet, que eles acreditam ter se aproveitado dela, uma menor de idade. E é aí que Madelyn começa a escrever as cartas, para que eles saibam que Bennet não tem culpa alguma, que ele fez o que era certo de acordo com as informações que tinha, ou seja, esperou que eles não fossem mais professor/aluna para enfim se permitir seguir seus desejos.

O desenlace da história não foi o que eu estava esperando, mas depois que parei para refletir sobre tudo o que tinha acontecido, não consegui nem mais ter certeza se ela realmente o amava, como chega a afirmar, ou se fez o que fez porque viu nisso uma frecha de liberdade que não lhe era permitida em casa, onde seus pais a fizeram planejar sua vida e carreira aos dezesseis anos de idade - aí o motivo para ela estar na faculdade tão cedo, a pressão dos pais. Qualquer que seja o motivo, ao menos ela consegue amadurecer e tomar controle sobre si e sua vida graças a toda essa situação, o que com certeza é um ponto positivo e necessário a qualquer um: perseguir seus próprios sonhos, e não os de outras pessoas - afinal, é a sua vida, não a deles.

Por tudo isso, a leitura foi um aprendizado também para mim. Não que outras histórias não tenham sido, mas cada uma delas reflete em nós de uma forma diferente, e eu gostei do que eu senti depois de terminar a leitura, de ficar pensando pra entender o que tinha acontecido e o que eu penso sobre isso. Me senti passando por um mini processo de amadurecimento. E, afinal, é a partir dessas pequenas coisas que nos tornamos quem somos.

site: http://sobrecontarhistorias.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



113 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8