Indesejadas

Indesejadas Kristina Ohlsson




Resenhas - Indesejadas


38 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Tati.Lima 05/10/2019

Sobre esse livro...
Eu gostei demais deste livro...e pensar q quando comecei a leitura, achei ela lenta e morna, para um livro com a temática envolvendo serial killer, mas para minha total surpresa, a medida q a trama se desenvolve, tanto a história, quanto seus personagens ganham uma força incrível, e finalmente me senti envolvida pela leitura, e então não consegui largar mais, queria muito saber os acontecimentos conforme as coisas iam acontecendo...e termino extremamente satisfeita com o q li...meu primeiro contato com esta escritora, q considerei muito muito muito bom...pretendo com toda a certeza ler os outros dois livros q fecham a trilogia, esperando demais q realmente mantenham o nível alto q este, pelo menos pra mim, teve. Super recomendo a leitura desta obra.
comentários(0)comente



Silvana - Blog Prefácio 23/09/2019

Sara Sebastiansson e sua filha Lilian estavam viajando de trem de Gotemburgo até Estocolmo. Mas antes de chegar ao destino final, o trem fez uma parada em Flemingsberg, onde Sara desceu para fazer uma ligação. Sara está separada do pai de Lilian e como a ligação é para seu novo "amigo", ela não quer que Lilian escute a conversa e deixa a menina dormindo no banco do trem. Antes de se afastar do trem ela pergunta ao fiscal, que diz que eles devem partir em cerca de dez minutos. Sara faz sua ligação e quando está voltando para o trem uma mulher pede que Sara ajude com seu cachorro que está passando mal. Sara que ama cachorros decide ajudar a mulher, mas nesse meio tempo o trem parte da estação.

Sara fica desesperada, mas um dos funcionários da estação de Flemingsberg entra em contato com Henry, um dos fiscais no trem, que diz que Lilian está segura e que ele mesmo vai ficar de olho na menina. Então Sara pega um táxi para encontrar o trem em Estocolmo. Mas faltando poucos minutos para chegar em Estocolmo, começa uma confusão em um dos vagões e Henry deixa Lilian, que ainda está dormindo sozinha por cerca de 4 minutos, e é o que basta para a garota desaparecer. A policia é acionada, mas por mais que procurem eles nada encontram, ninguém viu nada e é como se Lilian tivesse evaporado no ar. A unica pista são marcas de pés tamanho 46 em frente ao banco onde Lilian dormia, o que se deduz que ela foi levada por um homem.

Quem assume o caso é a equipe do inspetor Alex Recht e quem vai ao local colher informações é a analista criminal Fredrika Bergman e o investigador Peder Rydh. Ao interrogar Sara, Fredrika logo percebe sinais de agressão e ela estava certa porque existe um histórico de registros de queixas de Sara contra o ex marido. Com a pegada encontrada e o histórico de violência, logo Alex e Peder deduzem ser o pai o culpado. Mas Fredrika não acredita nisso e quer seguir em outra linha de investigação. Porém desde que entrou para a equipe, Fredrika vem enfrentando o sexismo dos colegas de trabalho, que não acreditam que uma mulher e principalmente uma que era uma acadêmica até então, tenha capacidade para investigar esse tipo de situação. Mas então o caso que era de desaparecimento acaba se tornando de assassinato quando o corpo de Lilian é encontrado com a palavra "Indesejada" escrito em sua testa.

"— Uma menina de seis anos desapareceu ontem de um trem (...) A policia está pedindo que todos que estiveram no trem ...
— Oh, meu Deus — sussurrou, sentindo o coração acelerar. — Ele começou."

Eu sempre tive vontade de conhecer a escrita da autora pois sempre li resenhas positivas dos livros dela e também me chama a atenção os títulos dos seus livros terem apenas uma palavra, mas até então ainda não tinha tido a oportunidade. Então os livros foram relançados pelo selo Gutenberg, do qual o blog é parceiro e assim que tive a chance comecei a ler seus livros, comecei porque com certeza não vou parar nesse. Indesejadas é o primeiro livro de uma série que conta com a analista criminal Fredrika Bergman como sua protagonista. Mas para quem leu série e já vai dar a desculpa de que não quer começar uma série no momento, o livro tem começo meio e fim, sendo assim possível ser lido como livro único.

Quando vi que o livro se passava na Suécia, já me veio a mente Stieg Larsson e sua trilogia Millennium que amei. Mas se compararmos com livros policiais cujas histórias se passam na America, a pegada é bem diferente. Toda a investigação da policia e o andamento do caso segue uma linha diferente do que estamos acostumados a ler. Mas nesse livro em específico eu me decepcionei bastante com os policiais do caso. Primeiro por causa da forma com que tratam a protagonista Fredrika. Como acompanhamos principalmente os três envolvidos no caso, podemos ver claramente a opinião dos dois homens sobre a personagem. É um absurdo a forma como eles se referem a ela e até falam isso na frente da própria, julgando sua competência pelo simples fato dela ser mulher.

E o engraçado é que ela era a unica que conseguia enxergar fora da caixa e foi quem colocou a policia na pista certa. E segundo foi que achei os policiais, com a exceção de Fredrika que basicamente não é uma policial pois está ali apenas de passagem fazendo tipo um estágio na policia e ainda é considerada pelos outros como civil, todos os policiais são muito tapados. Eles não enxergavam um palmo a frente do nariz. E ainda acham que estão certos, que eles sim tem o faro policial, aquele chamado que falta em Fredrika. E por conta disso eu não dei nota máxima para o livro.

Acredito que se eu fosse uma iniciante em livros policiais teria achado o livro maravilhoso. Se tivesse lido ele anos atrás e ainda não fosse "formada" na profissão de detetive pelo tanto de livros policiais que eu já li hehe, teria deixado passar de boa algumas coisinhas que me incomodaram na história. Mas depois que você lê um tanto de livros do mesmo gênero, o nível de exigência vai aumentando e detalhes é que fazem a diferença para determinar o quanto o livro foi bom. Por exemplo, descobri grande parte do mistério bem antes do final, ainda que não tenha descoberto a identidade do assassino em si. Mas com isso não estou dizendo que o livro não é bom, pelo contrário, gostei muito dele, tanto que quero ler os outros livros da série.

Os capítulos são bem curtos, o que tecnicamente deveria dar uma agilidade à história e fazer com que a leitura fosse rápida. Mas como a história toda acontece em praticamente uma semana, a sensação é de que ela é lenta. Eu particularmente li o livro em dois dias, o que está na minha média para o gênero com esse tanto de páginas. E penso que essa sensação de lentidão se deve a autora não focar somente nos fatos, mas também na vida de seus personagens, o que é um recurso que eu gosto bastante. E creio que nos próximos livros vamos saber mais sobre a vida deles. A Fredrika foi uma personagem que gostei bastante e acredito que ela tem muito a oferecer ainda. Já os homens desgostei de todos, mas até tenho que concordar que no final eles começaram a mudar suas atitudes. Enfim, é um livro que recomendo para quem gosta de um bom romance policial. Quanto a edição está muito bem feita e essa capa já dá o ar do que vamos encontrar na história.


site: https://blogprefacio.blogspot.com/2019/08/resenha-indesejadas-kristina-ohlsson.html
comentários(0)comente



Prof. Angélica Zanin 24/08/2019

Vítimas inocentes
Li até o fim, mas não foi fácil. Um bom enredo, porém repleto de personagens que apenas complicam a trama. Não criei laços com nenhum deles, embora a minha preferida tenha sido, claro, a investigadora Fredrika. Crianças são sequestradas e mortas, na Suécia, e uma equipe de policiais se ocupa da investigação. Estavam a procura de um assassino frio e com muitos distúrbios emocionais, já eram duas crianças mortas e duas mães desesperadas. Lento de ler, frio como o espaço onde se passa a ação, tampouco o desfecho me causou surpresa. Difícil abandonar uma leitura, mas essa apesar de não indicar, li até o fim.
comentários(0)comente



Carolina DC 08/08/2019

"Indesejadas" é o primeiro livro da série Fredrika Bergman & Alex Recht, uma série policial que teve um início espetacular com esse livro.
O enredo é dividido em três partes: Parte I - Pistas Falsas; Parte II - Sinais de Fúria e Parte III - Sinais de Recuperação. A história é narrada em terceira pessoa e os capítulos indicam os dias da semana.
O livro apresenta várias perspectivas. Temos uma perspectiva de um homem, chamado de "Ele", que inicia sua história na infância e percorre até os dias atuais da história. Um homem minucioso, brutal e que adora colecionar "bonecas".
Alex Richt é um policial há mais de 25 anos. Com 55 anos de idade, ele já viu de tudo em suas investigações e é reconhecido por seu talento e trabalho árduo. Quando o caso de uma garotinha desaparecida surge, ele acredita que é uma situação simples de resolver, provavelmente um problema de custódia, já que os pais estão se divorciando. Sua equipe, formada por Fredrika Bergman e Pider Rydh acaba entrando em conflito durante o caso. Isso se deve pelo fato de que Fredrika Bergman é uma civil, que tem formação acadêmica e uma mente analítica, mas sem experiência de campo e dificuldades em interagir com as pessoas e Pider é um policial em ascensão que quer impressionar Alex, mas que ao invés de fazer isso trabalhando arduamente, prefere dificultar a vida da colega de trabalho, fazendo comentários depreciativos e reclamando da sua presença na equipe.

"Alex gostava de trabalhar com pessoas que, como ele, tinham um senso particular de vocação no trabalho. Gostava de trabalhar com quem tinha a mesma intuição que ele e um discernimento bem desenvolvido para o que era fato e o que era absurdo.

Frederika sente que não é bem-vinda e também não tem confiança de que lidar com casos tão terríveis seja possível. É uma mulher inteligente de 34 anos de idade que consegue analisar rapidamente detalhes que os demais membros da equipe não enxergam, mas que vai amadurecendo conforme a trama se desenvolve, aprendendo a lidar com algumas nuances do novo trabalho.

"Num momento parece que está tudo bem, que sabemos onde estamos pisando, mas no outro o gelo cede e afundamos na mais insondável escuridão."

O caso é muito bem construído e tem aspectos assustadores. Lilian é uma garotinha que estava no trem expresso de Gotemburgo até Estocolmo, viajando com sua mãe Sara, até que desaparece misteriosamente do trem. Ninguém viu a garotinha ser levada e não conseguem explicar como isso aconteceu. O caso vai ganhando notoriedade conforme os dias passam e não há novidades no caso, além dos investigadores descobrirem que o pai de Lilian é um homem com uma veia agressiva e que Sara estava decidida a se divorciar do marido.

"Ela retirou com cuidado os pedaços de isopor. A princípio, não conseguiu entender o que tinha recebido. Seus olhos procuravam algum tipo de contexto que pudessem compreender. Cabelo. Um monte de cabelo castanho, ondulado e de comprimento mediano. Emudecida, Sara tocou o cabelo, revelando o que havia por baixo. Foi quando instantaneamente entendeu de quem era aquele cabelo e soltou um berro alto e animalesco."

"Indesejadas" é uma trama impactante, com personagens carismáticos e um caso impactante, todos elementos necessários para um livro se tornar inesquecível.

"O telefone escorregou de sua mão e ela fechou os olhos na esperança de que o mal desaparecesse. A última coisa que viu foram os sapatos vermelhos, no chão, ao lado da mala."
comentários(0)comente



Carolina DC 08/08/2019

"Indesejadas" é o primeiro livro da série Fredrika Bergman & Alex Recht, uma série policial que teve um início espetacular com esse livro.
O enredo é dividido em três partes: Parte I - Pistas Falsas; Parte II - Sinais de Fúria e Parte III - Sinais de Recuperação. A história é narrada em terceira pessoa e os capítulos indicam os dias da semana.
O livro apresenta várias perspectivas. Temos uma perspectiva de um homem, chamado de "Ele", que inicia sua história na infância e percorre até os dias atuais da história. Um homem minucioso, brutal e que adora colecionar "bonecas".
Alex Richt é um policial há mais de 25 anos. Com 55 anos de idade, ele já viu de tudo em suas investigações e é reconhecido por seu talento e trabalho árduo. Quando o caso de uma garotinha desaparecida surge, ele acredita que é uma situação simples de resolver, provavelmente um problema de custódia, já que os pais estão se divorciando. Sua equipe, formada por Fredrika Bergman e Pider Rydh acaba entrando em conflito durante o caso. Isso se deve pelo fato de que Fredrika Bergman é uma civil, que tem formação acadêmica e uma mente analítica, mas sem experiência de campo e dificuldades em interagir com as pessoas e Pider é um policial em ascensão que quer impressionar Alex, mas que ao invés de fazer isso trabalhando arduamente, prefere dificultar a vida da colega de trabalho, fazendo comentários depreciativos e reclamando da sua presença na equipe.

"Alex gostava de trabalhar com pessoas que, como ele, tinham um senso particular de vocação no trabalho. Gostava de trabalhar com quem tinha a mesma intuição que ele e um discernimento bem desenvolvido para o que era fato e o que era absurdo.

Frederika sente que não é bem-vinda e também não tem confiança de que lidar com casos tão terríveis seja possível. É uma mulher inteligente de 34 anos de idade que consegue analisar rapidamente detalhes que os demais membros da equipe não enxergam, mas que vai amadurecendo conforme a trama se desenvolve, aprendendo a lidar com algumas nuances do novo trabalho.

"Num momento parece que está tudo bem, que sabemos onde estamos pisando, mas no outro o gelo cede e afundamos na mais insondável escuridão."

O caso é muito bem construído e tem aspectos assustadores. Lilian é uma garotinha que estava no trem expresso de Gotemburgo até Estocolmo, viajando com sua mãe Sara, até que desaparece misteriosamente do trem. Ninguém viu a garotinha ser levada e não conseguem explicar como isso aconteceu. O caso vai ganhando notoriedade conforme os dias passam e não há novidades no caso, além dos investigadores descobrirem que o pai de Lilian é um homem com uma veia agressiva e que Sara estava decidida a se divorciar do marido.

"Ela retirou com cuidado os pedaços de isopor. A princípio, não conseguiu entender o que tinha recebido. Seus olhos procuravam algum tipo de contexto que pudessem compreender. Cabelo. Um monte de cabelo castanho, ondulado e de comprimento mediano. Emudecida, Sara tocou o cabelo, revelando o que havia por baixo. Foi quando instantaneamente entendeu de quem era aquele cabelo e soltou um berro alto e animalesco."

"Indesejadas" é uma trama impactante, com personagens carismáticos e um caso impactante, todos elementos necessários para um livro se tornar inesquecível.

"O telefone escorregou de sua mão e ela fechou os olhos na esperança de que o mal desaparecesse. A última coisa que viu foram os sapatos vermelhos, no chão, ao lado da mala."
comentários(0)comente



Taynara Lima / @taaynaralima 29/06/2019

Vale a leitura!!
Ele é bem diferente dos suspenses que costumo ler. Demorei um pouco pra me acostumar com a narrativa da autora. É um pouco mais lenta do que estou habituada, mas nada que deixe o livro sem graça, muito pelo contrário, dá vontade de descobrir logo o que aconteceu.

Um adendo: nunca vi uns detetives tão tapados quanto nesse livro, misericórdia kkkkk
comentários(0)comente



Denise 02/06/2019

Indesejadas
Gostei. Leitura flui bem rápido eu achei os detetives meio burros, mas gostei da escrita vou ler mais um da autora pra avaliar melhor.
comentários(0)comente



Guynaciria 15/04/2019

Esse é o tipo de thriller que vai te tirar o fôlego, fazendo com que você fique juntando cada peça que é fornecida, no intuído de formar uma teoria válida para o que está acontecendo na história.

Indesejadas é o primeiro volume de uma série de livros da autora sueca Kristina Ohlsson.

A trama se inicia com o sumiço de uma criança de 6 anos, em um trem que estava indo para  Estocolmo. Ninguém sabe como a garota sumiu, se ela saiu sozinha ou foi levada enquanto a sua mãe Sara estava fora do trem, presa em uma situação alheia a sua vontade. 

Alex Recht, inspetor renomado assume o caso, ele inicialmente se prenda ideia de que o sumiço de Lilian tem a ver com uma suposta briga pela guarda da criança, infelizmente essa teoria se mostra invalida. A partir desse ponto a história se bifurca em duas linhas de investigação, que vão prender a atenção do leitor.

A cada novo crime cometido, os investigadores Alex e Fredrika, vão analisando as poucas pistas deixadas por esse assusto criminoso. É interessante observar que a autora não apresenta o criminoso diretamente em nenhum momento, mas temos uma ideia da sua motivação através da observação de seus cúmplices e de seu passado. 

O livro é bem escrito, com uma diagramação confortável, a edição está belíssima, inclusive saiu uma nova capa recentemente para essa obra.

Para quem gosta de um bom suspense policial, esse livro não vai decepcionar. Recomendo à leitura. 



comentários(0)comente



Guynaciria 15/04/2019

Esse é o tipo de thriller que vai te tirar o fôlego, fazendo com que você fique juntando cada peça que é fornecida, no intuído de formar uma teoria válida para o que está acontecendo na história.

Indesejadas é o primeiro volume de uma série de livros da autora sueca Kristina Ohlsson.

A trama se inicia com o sumiço de uma criança de 6 anos, em um trem que estava indo para  Estocolmo. Ninguém sabe como a garota sumiu, se ela saiu sozinha ou foi levada enquanto a sua mãe Sara estava fora do trem, presa em uma situação alheia a sua vontade. 

Alex Recht, inspetor renomado assume o caso, ele inicialmente se prenda ideia de que o sumiço de Lilian tem a ver com uma suposta briga pela guarda da criança, infelizmente essa teoria se mostra invalida. A partir desse ponto a história se bifurca em duas linhas de investigação, que vão prender a atenção do leitor.

A cada novo crime cometido, os investigadores Alex e Fredrika, vão analisando as poucas pistas deixadas por esse assusto criminoso. É interessante observar que a autora não apresenta o criminoso diretamente em nenhum momento, mas temos uma ideia da sua motivação através da observação de seus cúmplices e de seu passado. 

O livro é bem escrito, com uma diagramação confortável, a edição está belíssima, inclusive saiu uma nova capa recentemente para essa obra.

Para quem gosta de um bom suspense policial, esse livro não vai decepcionar. Recomendo à leitura. 



comentários(0)comente



Mariana Helt 23/02/2019

Resenha de Indesejadas - Kristina Ohlsson
Eu amo livros com esses temas e Indesejada não foi diferente. O livro já começa nos deixando louca para entender tudo, e depois no meio da história, quando você já sabe o que está acontecendo é quase impossível parar de ler. A autora não nos dá brecha para saber quem é o responsável pelos assassinatos e nos faz torcer torcer por Fredrika que faz de tudo para descobrir quem é o "Homem".
Dei 4 estrelas por que quando enfim o "Homem" é descoberto, sua história não é contada com detalhes para nos fazer entender o motivo de tudo, e sim corrida, como se ele não fosse super importante na historia. Senti que a autora correu e não deu o devido final para uma história tão boa que tinha tudo para ganhar minhas 5 estrelas.
comentários(0)comente



Monique.Araujo 30/07/2018

Como eu amo livros assim
Escrito em 3 pessoa onde existe um crime, uma criança desaparece em uma viagem de trem. Durante a investigação aparece vários suspeitos e elementos. Pra mim o livro foi otimo pela escrita e pelo fechamento. Porem existem pontos que não são explicados e achei que a autora se perdeu em tantos elementos que ela colocou talvez para confundir mesmo. E tambem muitas coisas repetitivas. Mas no geral e por ser primeiro livro dela achei otimo. Vale muito a leitura
comentários(0)comente



Monica 11/05/2018

Esperava um pouco mais desse livro. Não foi de todo ruim, mas achei a história muito irregular.

Nesse livro, temos a história de duas mães que têm os filhos sequestrados e mortos em questão de dias e não conseguem entender o que motivou esses crimes.

A trama policial foi muito boa de acompanhar. É uma história que realmente instiga e queremos terminar logo pra desvendar todo o mistério por trás dos crimes e durante a leitura do livro ficamos sempre imaginando que mente perturbada seria capaz de cometer crimes tão hediondos com crianças tão novas.

E o psicopata realmente não precisa de motivos para cometer suas atrocidades, mas o fato dele descontar nas crianças os 'crimes' cometidos pelas mães é horrível até de imaginar. Aliás, aí começam os problemas do livro: os tais 'crimes' cometidos pelas mães. Apesar da Sara, a mãe da primeira vítima ter escondido fatos do passado, quem acompanhou a história e leu as mensagens deixadas pelo psicopata, logo vê o motivo dele ter escolhido essas duas mães. Era muito óbvio, mesmo não tendo todos os detalhes da história.

Nesse aspecto, o livro deixou a desejar pois a equipe comandada por Alex Recht era muito desunida, não discutiam o caso de maneira racional, só tentavam crescer em cima de outro membro da equipe, então durante grande parte da história eles se preocupavam mais com as picuinhas entre eles do que em resolver o caso.

Tanto é que, a certa altura do livro, o Alex Recht ressalta esse problema: 'os computadores estavam substituindo o papel, mas seu uso era limitado, porque sempre haveria alguém para guardar as informações importantes na cabeça. Com uma equipe mais unida, o fluxo de informações acontecia de forma natural, mesmo sem a ajuda dos computadores' (p. 288).

Em segundo lugar, a autora utilizou algumas páginas do livro para esmiuçar a vida de três componentes da equipe, cada um mais desinteressante que o outro: Fredrika, que era discriminada pelos membros da equipe por não ser uma policial, e que poderia até despertar torcida, mas era uma personagem completamente apática e sem carisma; Peder, que demonstrou ser um personagem vaidoso e mesquinho, só interessado em aparecer bem na foto e desmerecer a Fredricka, não se preocupando com a investigação; e Ellen, que fazia as vezes de assessora de imprensa da polícia, mas que também estava mais interessada no novo namorado do que na investigação.

No fim do livro, a equipe parece estar mais sintonizada e como é uma série, talvez nos próximos volumes esses problemas estejam solucionados.
Cris Paiva 11/05/2018minha estante
romance policial mal-amarrado é dificil de engolir, estou evitando essas pérolas.


Monica 11/05/2018minha estante
Realmente não recomendo esse Cris, tem livros bem melhores por aí.


Cris Paiva 11/05/2018minha estante
obrigada pelo aviso! Menina to lendo Os homens que não amavam as mulheres, se ainda não leu, faça! O livro é ótimo. Se bem que eu acho que já sei quem é o culpado, ou ao menos desconfio fortemente.


Monica 11/05/2018minha estante
Boa dica!!! Tenho a série toda aqui na biblioteca em que trabalho.


Cris Paiva 12/05/2018minha estante
To agarrada nele! Já rabisquei o livro todo e enchi de post its tentando descobrir o culpado! hehehehe




Leila 11/04/2018

Tenso
Lilian, uma garotinha de seis anos some misteriosamente em um trem. Parece que uma série de coincidências conspirou para que isso acontecesse. A mãe saiu para telefonar, enquanto o trem fazia uma parada, e perdeu o trem. O funcionário que estava de olho na menina teve que afastar-se por alguns instantes para resolver uma confusão em outro vagão e, neste instante, a menina sumiu. Mas não foram meras coincidências. Tudo fazia parte de um plano: sequestrar Lilian.

Nossa heroína é a investigadora Fredrika, que sente o preconceito dos colegas policiais por ser mulher e por ter estudado mais que os outros. Parece que o livro quer mostrar bem esse aspecto do preconceito contra as mulheres. Já no início das investigações, percebemos que Fredrika é mais inteligente e perspicaz que os colegas. A analista criminal percebe detalhes que eles deixaram passar, mas fazem questão de ignorá-la.

Peder é colega de Fredrika. Além de ser um completo idiota, se acha o “fodão”. Trai a esposa deprimida (após dar a luz a gêmeos) com uma colega de trabalho e ainda acha que é o coitadinho da história. Alex é o chefe da equipe. Também é um pouco machista, mas não aprova o comportamento de Peder.

A equipe toda fica chocada quando a criança é encontrada morta e, logo depois, outra criança é sequestrada. No decorrer da investigação, quando passam a ouvir mais o que Fredrika tem a dizer, a equipe fica mais entrosada e a própria história fica mais interessante. As picuinhas iniciais entre os investigadores tornam a leitura chata e cansativa, fazendo com que o livro demore um pouco para "engrenar". O que o leitor quer é saber mais sobre o caso investigado e não sobre as disputas de ego entre os membros da equipe.

Tão importante quanto descobrir quem é o assassino é descobrir o porquê. A partir de uma frase dita pelo assassino, logo deduzi o motivo. Sobre a identidade do assassino, ao longo da narrativa, encontramos várias pistas e algumas nos enganam. Quando você pensa que desvendou o mistério, ocorre uma reviravolta. A autora conseguiu me enganar direitinho...

No final, o caso é resolvido, mas as questões pessoais dos detetives, não. Acredito que os próximos livros, além de trazer um novo caso, continuarão contando sobre a vida dos personagens. Ainda não decidi se lerei outros livros da série. Gostei da leitura, mas não achei tão empolgante, faltou um pouco de ritmo. Talvez o próximo livro melhore nesse aspecto.

Resenha publicada no blog Meus Livros e Sonhos:

site: http://meuslivrosesonhos.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Dani 01/04/2018

Indesejadas - Fredrika Bergman & Alex Recht # 01
Sempre fui muito fã de estórias policiais. Adoro acompanhar investigações, tentar descobrir as soluções de crimes junto com os personagens. Por isso, não hesitei em escolher Indesejadas.
Em Indesejadas, O verão de Estocolmo sempre será marcado por algo terrível: Durante uma simples viagem de trem, uma criança, Lilian Sebastiansson desapareceu.
Não há pistas, não há nenhum vestígio de quem a sequestrou e porquê. Então, cabe á equipe de Alex Recht desvendar este mistério e descobrir quem é o criminoso por trás.
Primeiro, gostaria de ressaltar que a sinopse contém um Spoiler. Como todos podem ler, é dito que "(...) No entanto, quando a menina é encontrada morta no extremo norte da Suécia, com a palavra “indesejada” escrita na testa, o caso se transforma rapidamente no pior pesadelo da equipe de investigadores."
Ok, por causa desta frase, você pode imaginar que este fato, de a menina ser encontrada morta com a palavra Indesejada escrita em sua testa, é um fato inicial, que desencadeia a estória. No entanto, não é. Vou explicar melhor: Acontece que esta simples frase entrega que a criança não será encontrada pelos policias com vida. Então, é um spoiler, visto que, no livro, somente na página 143 ou 144 que os policiais descobrem a criança morta. Então, quem está lendo o livro sem ter lido a sinopse (o que acho bem difícil de acontecer), vai descobrindo junto com os policiais que, enquanto eles estavam desesperados procurando Lilian, ela já está morta.
Assim, quem leu a sinopse, como eu, recebeu spoiler. Sinceramente, eu imaginava, durante a leitura, que a equipe de Alex iria encontrá-la de alguma forma com vida, mas depois caí na real e me lembrei de que a sinopse contava claramente que ela seria encontrada morta. Então, achei uma falha muito grave incluir essa revelação na sinopse.
Porém, isso não fez com que eu diminuísse sequer uma estrela da leitura, pois o livro soube me prender e surpreender como um bom romance policial deve. Mas não falarei mais sobre o enredo, pois os próximos acontecimentos você deve descobrir durante a leitura.
Acompanhar a leitura foi o máximo, pois eu me pegava querendo desvendar cada pista junto aos personagens. Vários momentos de tensão acompanharam a trama, que se desenvolveu não só no desaparecimento de Lilian como em outros crimes brutais. A leitura soube me prender até a última linha.
Outra coisa que achei bem diferente, no entanto, positiva, foi o fato de a autora construir para cada policial encarregado de investigar os crimes uma personalidade única. Algumas vezes, foi "cortado" o momento de tensão e suspense para se iniciar, no novo capítulo, um pouco sobre a vida do outro investigador, deixando o leitor curioso. Pode parecer, sabendo disso, que a leitura acaba "escorregando" pelo caminho errado, mas, ao contrário!
Essa descrição da personalidade de cada um criou o efeito de personagens realmente reais - com problemas, medos, inseguranças - que, pelo meu visto, me cativou e fez com que eu passasse a torcer e distinguir cada um. Essa distinção de personalidades, também, me fez refletir um pouco sobre o trabalho dos policiais e o quanto deve ser difícil, com tanta pressão.
Finalizo com a opinião de que a leitura foi ótima, soube prender e manter a curiosidade o tempo todo. Não retiraria uma única palavra dos textos, o livro todo ficou ótimo e com informações ótimas, bem escritas. Uma leitura pesada? Sim, mas que os adoradores de policiais irão amar. Favoritei, um dos melhores policiais que já li.

site: http://blueunendlichkeit.blogspot.com.br/2018/04/indesejadas-fredrika-bergman-alex-recht.html
comentários(0)comente



criscat 10/12/2017

Mais um autor, no caso, autora policial nórdica publicada aqui no Brasil. Afinal, não existem apenas Stieg Larsson e Jo Nesbø. Há uma variedade de outros autores que, mesmo não sendo tão famosos, produzem literatura policial de qualidade. E Kristina Ohlsson é uma delas. O livro tem, sim, alguns defeitos que acredito que possam ser creditados ao fato de ser a primeira obra da autora. Mas nada que desagrade tanto o leitor a ponto de fazê-lo abandonar a leitura.

site: http://www.cafeinaliteraria.com.br/2017/06/19/indesejadas-de-kristina-ohlsson/
comentários(0)comente



38 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3