Fugitivos

Fugitivos Carlos Barros




Resenhas - Fugitivos


22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Cris 10/09/2014

Que aventura!
Pela sinopse desse livro pensei logo que seria uma aventura. Fiquei com muito medo de ser algo filosófico ou sobre alguma coisa que realmente aconteceu. Felizemente não é. ahahahaha É uma aventura mesmo.

Apesar de Caio e Fernanda serem o casal principal, me senti mais próxima de Gabriel, sem falar que o Jonas me matou de rir. Êta menino sapeca!!!

Os cinco garotos, Caio, Fernanda, Gabriel, Jonas e Bianca precisam enfrentar várias situações dificeis, e algumas perigosas: os ciúmes e a inveja de Edu, um garoto que é apaixonado por Fernanda e não quer ser deixado de lado de jeito nenhum; Renato, o pai de Fernanda que é muito violento com Jonas, mas no meio do livro levamos um choque por descobrir que a motivação dele é outra; Mauro, o irmão marginal de Gabriel, um grande mala que vai perseguir eles de todo o jeito; Wander, o personagem mais desprezível do livro e que quer se vingar de Caio de qualquer jeito; e Paulo, o pai de Gabriel, que apesar de estar preso monta uns planos com Mauro para fazer uma coisa com a Bianca. Enfim, os 5 precisam enfrentar um bocado de coisas, viu!

O que também achei legal no livro é que o autor não descreve apenas diálogos como é a maioria dos livros hoje em dia. Ele conseguiu fazer com que me sentisse dentro da história, como se estivesse assistindo a tudo o que acontecia ao lado do s garotos. É quase como um filme. Tem umas partes que a forma como ele descreveu foi linda demais. Até nas partes mais tristes. Destaque para a parte em que acontece um negócio na banca de jornais, depois na ambulância, a parte do depósito no fim do livro é muito, muito linda!!!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Gio 28/09/2014minha estante
Fugitivos, é um livro que te emociona em todos os momentos. Excelente a forma em que o autor passa cada sofrimento dos garotos, em nenhuma hora nos deixa demonstrar raiva, somente a ansiedade para ler o próximo capitulo e algumas lágrimas deixarmos escapar, porque não somos de ferro....
Estou ansioso em saber como vai continuar este romance.
Parabéns,




Hellen Nobre 06/10/2014

[Resenha] Fugitivos
O livro começa falando de Caio, um garoto de 15 anos que é de Petrópolis (RJ), perdeu os pais numa tragédia e vai morar com a avó em Belo Horizonte (MG). Ele é um garoto bem na dele e que perdeu o brilho dos olhos, ainda por cima tem o fato de ele estar cheio de arranhões pelo corpo (e rosto) por causa dessa tragédia em que perdeu os pais, mas foi salvo. Chegando em BH Caio conhece Jonas, 11 anos, cabelos ruivos e do tipo de garoto bem traquina, logo ficam amigos e por meio dessa nova amizade Caio conhece Fernanda irmã de Jonas, 15 anos, também ruiva e de olhos claros. Já a primeira vista Caio sente algo muito forte por Fernanda, o sentimento é recíproco, mas logo de início eles ficam meio inseguros de confessar o que sentem um pelo outro.

Tem também o Gabriel, 17 anos, e Bianca (irmã de Gabriel), 5 anos; eles são super gente boa e já conhecem Fernanda e Jonas. Esses cinco viram grandes amigos, o fato de cada um viver um drama pessoal os tornam ainda mais próximos. Caio tem de enfrentar a perda dos pais; Fernanda e Jonas tem de aturar o pai bruto que bate apenas em Jonas por qualquer besteira e até por nada (sem esquecer que Fernanda sempre cuida do irmão e tenta defendê-lo); Gabriel tem de dar duro para sustentar a casa e fazer o melhor por Bianca, sua mãe morreu de overdose, seu pai está preso e seu irmão mais velho é do tipo não-quer-nada-da-vida.

Acontecem muitas coisas durante o livro, que eu não posso contar por que seria spoiler, mas que os leva a fugir. Com a cara e coragem, partem numa viagem de mais de 2000 km dentro da Kombi de Gabriel, passando por várias cidades, sentindo uma certa liberdade e podendo esquecer um pouco a vida tão conturbada que viviam. Mas não para por aí, a história continua e eles ainda passam por muita coisa que os deixam cada vez mais unidos como uma verdadeira família. Caio, Fernanda, Jonas, Gabriel e Bianca nos mostram o quanto a amizade pode ser importante na vida de uma pessoa, e eu gosto muito de livros com esse tipo de premissa!

Gente, tenho que confessar que fiquei apaixonada por esse livro, os detalhes, os personagens, os diálogos, enfim, cada parte do livro. Quando peguei para ler não imaginei que iria gostar tanto dessa trama... A amizade dos cinco, o amor de Caio e Fernanda, o modo como cada um protege o outro, é tudo tão lindo! Sem esquecer das críticas sociais que o autor faz durante essa narrativa, que são muito bem elaboradas e, por vezes, até meio implícitas. Não dá para definir Fugitivos como um drama, na verdade o livro tem u pouco de cada gênero (drama, romance, aventura e até comédia). Eu ficava triste por ter que parar a leitura para ir dormir, e ficava ansiosa para retomá-la durante o dia. Realmente achei que demoraria uns 20 dias para concluir a leitura, mas demorei apenas 5. Apesar do livro ser bem grandinho (667 páginas), o leitor é facilmente conquistado pela história e personagens.

Enfim, tenho que parabenizar ao Carlos por esse livro, pelos personagens, até pela capa que ficou muito massa! A leitura é fácil, dá pra entender tudo, os diálogos muito bem organizados e a diagramação muito boa. Seu eu recomendo FUGITIVOS para vocês? Com toda certeza. Dei 5 estrelas pra ele no Skoob e se tivesse mais 100 estrelas eu daria as 100. Ainda to com ressaca literária por causa desse livro, gente, de tão bom que ele é e já estou com vontade de reler!

site: http://aquariodelivros.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Naty Rangel 11/04/2015

Mais um favorito de peso em todos os sentidos
Vou logo avisando que minha resenha pode ser um pouco repetitiva porque eu não consigo parar de dizer o quanto este livro foi maravilhoso. rs
Vou confessar que ele me intimidou por um tempo com suas 634 páginas e o tempo disponível que eu tinha. Eu realmente demorei mais do que eu deveria e gostaria, mas por um lado foi bom porque eu pude curtir cada capítulo, degustar cada detalhe, porque olha... o que o Carlos sabe é descrever os detalhes. Vou falar um pouco da história.

Primeiro conhecemos Caio. Um menino normal de 15 anos com uma vida normal, amigos normais e problemas normais precisa se mudar para Belo Horizonte na casa de sua avó porque acabou de perder seus pais numa tragédia. Ele está passando por um momento muito traumatizante de sua vida, mas todos os seus problemas começam a minimizar quando ele conhece Fernanda. Uma ruivinha que conquistou Caio com apenas um olhar.

"Caio pensou em estender a mão para cumprimentá-la ou aproximar-se para trocarem um beijo no rosto, mas não teve coragem de fazer a primeira coisa e muito menos a segunda. Desejava reparar nos detalhes do rosto dela mas não conseguia olhar diretamente. Era como se um sol brilhasse em sua frente."

Mais um quote porque eu marquei um monte rs

"-Caio, me ajuda aqui - Pediu Fernanda
Quando Caio se virou, congelou. Não conseguia dar um passo. Só queria ficar parado olhando para ela e tentar não deixar seu coração explodir. Fernanda usava um vestido reto, curto, acima dos joelhos, confeccionado em malha e paetês pretos e cinza, de alças finas com um decote canoa. Calçava sandálias pretas de salto médio e tiras delicadas que a deixavam da mesma altura que Caio. Os cabelos soltos misturavam-se ao decote tornando impossível não reparar no contorno dos seios. Os olhos verdes brilhavam mais que o vestido e pareciam iluminar o caminho até ela."



Maravilhoso né? *-*
Fernanda da mesma idade que Caio tem personalidade, é romântica, corajosa, e moveria o mundo por seu irmão Jonas que me apaixonou em dois minutos depois que apareceu. Um tipico menino de 11 anos cheio de vida, bem humorado e assim como a irmã, corajoso apesar de suas limitações de idade e tamanho. Os dois irmãos sofrem com um pai violento e uma mãe conformada. Isso revolta Fernanda todos os dias e não vê a hora de fazer dezoito anos e ir embora com seu irmão daquela casa sem amor. A unica coisa que eles se apegaram é a amizade que tem com Caio, Gabriel e Bianca (que a já falo deles.) Fernanda conheceu Caio a partir das histórias que a avó dele contava e desconfiava ter se apaixonado por ele muito antes de realmente encontrá-lo. Mas vamos combinar? Ele é apaixonante o tempo inteiro!

"Caio: -Não sei, sinto que estou meio perdido.
Fernanda: - Mesmo? Por quê?
Uma menina que conheci me deixou assim.
Novamente ela ficou surpresa. Seu coração acelerou.
- E como ela fez isso?
- Apenas sorrindo.
Fernanda sorriu.
- Viu? Fiquei perdido de novo."

Além de lidar com o pai ela também precisa aturar Eduardo, um amigo do colégio que é apaixonado por ela e tem feito a vida de Caio um inferno desde o dia que se conheceram.

Gabriel é o mais velho dos cinco, tem 17 anos e mora com seu irmão mais velho Mauro. Seu pai foi preso e sua mãe morreu de overdose. Hoje Gabriel é o único que cuida e se preocupa com Bianca, sua irmã caçula de 5 anos que mal sabe que está envolvida nos planos obscuros de seu pai Paulo e seu irmão Mauro. Ele, mesmo sendo menor de idade cuida da irma desde antes da morte da mãe, precisou parar de estudar para trabalhar e pagar a escola da irma e ele também conquistou meu coraçãozinho e emocionou bastante, ele tem um carinho enorme por essas crianças e sente-se como protetor de seus amigos.

Mas porque Fugitivos?
Bom, como eu contei cada um vive uma vida muito difícil com seus próprios problemas, mas juntos chegaram a um nível que não teriam como morar em suas próprias casas e por serem todos menores de idade sua única opção seria fugir para o mais longe possível.

"Dentro de uma ou duas horas faria uma parada para que eles jantassem.
Voltou a prestar atenção na estrada. O caminho era longo, estava escuro e não sabia o que podia encontrar pela frente."

Juntos ele vão em uma jornada para salvar a suas vidas e descobrem o verdadeiro significado do amor e até onde podemos chegar quando temos amigos de verdade ao nosso lado. E claro, a sorte de encontrar pessoas de bom coração nesse meio tempo.

Esta estória entrou para os top dos tops favoritos! Não é uma leitura rápida e não digo só pela quantidade de páginas, mas porque, como disse antes, é rica em detalhes. Você pode achar que ficou cansativo, mas posso dizer? Nem um pouco. Você se apega tanto aos personagens que você se vê desejando os detalhes para que possa apreciar cada centímetro da cena rsrs
Maravilhoso! Maravilhoso e maravilhoso. Uma leitura para todas as idades com muita aventura, ótimos personagens, situações que me fizeram rir, chorar, gritar de animação e de desespero (literalmente gritar, acordei meu filho uma vez kkkk)
Enfim, Fugitivos se tornou aquele livro que sempre irei recomendar e é motivo de orgulho na minha estante.

O livro está para ser lançado ainda este ano e fico muito honrada por ter o Carlos como parceiro do blog e por ter a versão do autor com esta capa gamante na minha estante. *-*


O último quote, prometo kkkk
(Caio para Fernanda)
"Minha cabeça esta confusa... é difícil pensar agora... não sei o que vem pela frente... nem o que vamos fazer, mas sei que quero ficar com você, em qualquer lugar."

*suspiro profundo*


Sigam o Instagram:
@fugitivoslivro

site: http://livrosdanatyrangel.blogspot.com.br/2015/04/resenha-fugitivos-carlos-h-barros.html
comentários(0)comente



Julia G 05/03/2015

Fugitivos
Antes de conhecer o Carlos colunista, conheci o Carlos autor, que me perguntou se eu gostaria de ler Fugitivos e resenhar o livro no blog. Eu sempre fico muito feliz - muito mesmo! - quando o autor entra em contato, e só recuso de conhecer seu trabalho no caso de saber que não terei tempo, ou quando eu acredito que o estilo do livro não me agradará. A partir desse primeiro contato, tive a oportunidade de conhecer esse cara muito legal e que, melhor ainda, escreve muito bem.

Enquanto leio algo, é bastante comum eu me interromper para analisar a escrita do livro, pensar que certa frase ficaria melhor se elaborada de determinada maneira, pois deixaria aquele trecho mais "natural". Quando esses devaneios acontecem, tenho certeza de que é porque não consegui mergulhar no mundo criado pelo autor, não consegui viver a história junto com os personagens. Felizmente, com Fugitivos, aconteceu exatamente o contrário.

No livro, a escrita é impecável e a narrativa, natural, com uso de algumas gírias e da linguagem cotidiana nos diálogos, colocadas no momento certo, o que transformou as cenas em algo possível de visualizar. A descrição dos cenários é minuciosa, e os acontecimentos são contextualizados com precisão. Por isso tudo, a trama se desenrola como se assistíssemos aos personagens, no local exato onde se encontravam, seus modos de falar e seus trejeitos. Carlos conseguiu desenhar seus personagens, perfis bem traçados para cada um deles.

Quando li pela primeira vez a sinopse, acreditei que os fugitivos seriam apenas adolescentes inconsequentes e irresponsáveis, que partiriam para o mundo simplesmente porque seria o mais fácil. Mas não foi assim, e nisso fui surpreendida. A narração se dá em terceira pessoa, e as cenas podem ser vistas não só em seu exterior, já que o autor explorou o aspecto subjetivo de todos os personagens. Por isso, enquanto se "vê" o que acontece, também é possível compreender como cada um dos garotos se sente.

E os personagens não são somente qualidades, ainda que tenham muitas. Como todo mundo, têm fraquezas, medos e dores. Ficou nítida a carga de sofrimento que cada um carregava e, principalmente, o quanto amadureceram por causa dessas experiências. A fuga só aconteceu porque era a única saída, e as muitas páginas de contextualização deixam isso bem claro.

Todo o enredo faz com que seja impossível não se envolver com os cinco garotos: Jonas e sua ingenuidade, apesar de tudo pelo que passou; Fernanda, com força e coragem que eu mesma não sei se teria; Gabriel, um rapaz responsável e maduro, calejado pela vida, mas que não se deixou amargurar; Bianca, a menininha mais doce que eu já "conheci"; e Caio, que perdeu tudo, mas não a si mesmo. A amizade e o amor que nasceu entre eles são quase sólidos, e a forma como Carlos construiu a relação entre eles, que poderia mesmo ser verídica, de tão realista, pode facilmente conquistar a todos.

"[...] Se aprendi alguma coisa, é que não devemos esperar para resolver nossos problemas afetivos. Achamos que as pessoas que amamos vão ficar à nossa esperar para sempre, mas nem sempre isso acontece, e elas partem."

No entanto, ao mesmo tempo em que essas muitas características me fizeram mergulhar na história, é por causa delas que citarei o principal problema do livro, na minha opinião: ele se tornou extenso e, por consequência, muito pesado - fisicamente falando. Toda vez que pegava o livro para ler, as páginas fluíam rapidamente, e não era raro ler 40, 50 páginas em uma hora ou pouco mais. Mas suas mais de 660 páginas não permitiam que eu o carregasse comigo em minha maratona diária, e o livro se tornou meu companheiro apenas de final de semana. Tive de intercalar Fugitivos com outros livros e demorei muito para terminar a leitura.

É preciso ressaltar, porém, que a história não foi, em nenhum momento cansativa. É detalhista, minuciosa, mas a maneira como é escrita nem nos faz perceber que as páginas passam. Até porque, enquanto os garotos viajam pelo país, conhecemos muitos lugares junto deles, e as aventuras são muitas. Existe reviravoltas, romance, cenas de ação, entre muitas outras coisas. Não dá de cansar com isso gente.

Gostei muito de Fugitivos, de conhecer esses personagens tão fofos - e provavelmente esqueci de falar um monte de coisas que deveria sobre eles, mas tudo bem. O livro será lançado em breve pela Editora Giostri, por isso, quem gostar da temática e tiver oportunidade, é uma obra que vale a pena conhecer.

site: http://conjuntodaobra.blogspot.com.br/2015/01/fugitivos-carlos-h-barros.html
comentários(0)comente



Cacau 10/09/2014

Muita emoção
Não sei qual era a intenção do autor, mas ele quase arrancou meu coração. Não vou soltar spoilers, mas ele me fez acreditar que uma coisa ia acontecer, eu acreditei e desatei a chorar! Ainda bem que foi só um susto!!! (risos) Achei muito bem feita essa manobra de iludir o leitor.

O que me surpreender nesse livro, além do romance dos dois personagens principais, tão lindo que queria para mim um igual, foi a sensação de perigo o tempo todo. Fiquei com os nervos À flor da pele. Principalmente quando eles começam a fugir e são perseguidos sem saberem que estão sendo perseguidos. Tem uma parte que acontece na estrada e que inclui um caminhão cegonha que é assustadora.

Fiquei muito sensibilizado pela Fernanda. Achei que ela é muito azarada, mas uma lutadora. E o que Wander faz no fim do livro com ela... enfim, fiquei com ódio!

O Caio é... sei lá... é tudo o que se espera de um namorado. Mas ele é meio inconsequênte e fica dependente demais da Fernanda. Tudo bem que ele passou por situações terríveis... e a parte em que ele conta o que aconteceu com os pais... pôxa, é foda!

O Gabriel é igual o anjo. Protetor, lindo de morrer, ele dá segurança e sempre que ele estava por perto, eu sabia que os meninos não corriam perigo.

O Jonas é fofo demais! É o irmão que não para quieto e enche o seu saco mas que você ama demais! Fiquei com vontade de puxar a orelha dele quando ele... ixi, quase conto! (risos)

E tem a Bianca. O que dizer de uma bonequinha que tem uma das partes mais imoprtantes do livro, bem no finalzinho? Ela, de certa forma, salva todos.

Sabem? Achei muito interessante que todos eles são importantes, apesar de Caio e Fernanda serem um pouquinho mais. Mas todos eles tem seus momentos.

O pior é que quando terminei fiquei com saudades. Queria pegar os cinco e trazer para minha casa, queria que fossem meus amigos... droga!
comentários(0)comente



Fer - Mato Por Livros 09/09/2014

Aprendendo com a vida.
Geralmente ao lermos uma história somos transportados a outro mundo, certo?
Geralmente usamos a expressão viajar.

- Ah eu viajei para determinado lugar, com determinada historia.

Conhecemos vários mundos, a maioria das vezes mundos fictícios, imaginários em nossa mente...

Vamos a vários lugares sem nem ao menos sair do lugar e na maior parte do tempo, adoramos isso, porque são essas histórias que nos fazem sair de nossa realidade. E apesar de ser bom viver, também é muito bom esquecer por algum tempo tudo o que acontece no nosso dia a dia, e ser transportados a algo diferente, a algo novo, e a algo muitas vezes belo e mágico a nossos olhos.



Mas ai vem o contrario de tudo isso:

Aquela historia que faz você ver toda a verdade da vida. Toda a verdade do que realmente é viver.

Você esquece por um momento de que adora viajar para outros mundos, e se apega á aquele fio de realidade.

Aquele fio do qual muitas vezes quer fugir, mas que quando você se depara com histórias assim, você para e pensa que não tem motivos para fugir, que tudo o que você quer é viver essa sua realidade, seja sua vida com mais ou menos problemas do que aquele que está ao seu lado.

E você se lembra que mesmo com as partes tristes, VIVER é a melhor parte da história da vida, principalmente quando você sabe que aquela história que você leu realmente poderia ser a historia de muitas pessoas, e ai vem aquela famosa frase clichê, mas que expressa muito bem, muitas vezes como nos sentimos:

- Ainda existem pessoas em situação muito mais triste que a minha. Então eu tenho que agradecer e lutar pela felicidade.



Enquanto lia Fugitivos, foi assim que me sentia. O tempo todo nessa triste/feliz angustia, de saber que posso ler histórias e sair de minha realidade a qualquer momento. Mas que na maior parte do tempo, é melhor eu me manter presa ao meu fio da realidade e saber que minha vida é um presente, e que sim, tem pessoas com problemas que nem posso imaginar fora do mundo que criei para mim.



Fugitivos me deixou encantada com sua história. Conhecer seus personagens foi como conhecer um pouco mais sobre as crianças que vejo todo dia, sei sobre suas histórias, mas preciso manter um determinado espaço entre o que sei e o que posso fazer quanto a isso.

Fugitivos me apresentou a personagens reais, historias de vida reais, que infelizmente poderia ser com qualquer um. Mas que felizmente também, já que mesmo com todas as dores, e todos os problemas, seus personagens conseguem viver o amor, e da forma mais plena, pois o amor que falo aqui, não é só aquele homem/mulher, e sim o amor pelo ser humano, seja ele seu filho, seu irmão, seu namorado, ou seu amigo, o amor da forma como deveria existir em todos os nossos corações: o amor ao próximo.



Nessa história conhecemos Caio, Gabriel, Bianca, Jonas e Fernanda. E muitos outros personagens importantes e determinantes na trajetória desses cinco.

Vidas que se cruzam pelo amor e pela dor. Cada um com seus problemas, cada um com seu trauma a ser enfrentado e superado. E cada um deles encontrou no outro, o seu porto seguro, a sua vontade de lutar, de viver, de seguir em frente e de encontrar a felicidade.


"Não estou com você para sentir menos dor... eu sinto menos dor , porque eu estou com você. É diferente".




Todos eles com motivos para desistir, se entregar a forma mais fácil (seja ela qual for) de se render a sua dor, a seus problemas, e deixar as coisas acontecerem. Mas não, não eles, essas crianças e jovens nos dão verdadeira lição de vida, verdadeira lição de moral, caráter, superação, amizade e acima de tudo o amor, aquele tipo de amor, já citado anteriormente, o amor desmedido, o amor que não vê sexo, credo, cor ou qualquer outra coisa, o amor que só vê e faz o bem.



Confesso que fui surpreendida por essa história. Esse livro é aquele tipo que a cada capitulo temos uma nova surpresa, algumas boas, outras nem tão boas assim, outras de nos tirar o fôlego, nos fazer rir e chorar.

Você chora, sofre, sente as dores, sente as cicatrizes se curando e sente outras se formando.

Sente a prisão, sente a liberdade, sente o medo e sente a saudade.

Quando eu começava a respirar um pouco, aliviada com alguns acontecimentos, eis que era surpreendida por novos e novamente me via sem ar, na espera de que o pior pudesse acontecer. E torcendo, chorando, rezando para que esses cinco pudessem encontrar a paz, a felicidade e a tranquilidade tão merecida.

Você pensa: - ninguém tão novo deveria sofrer tanto assim.

Mas é assim que acontece em muitos locais, com muitas pessoas. Infelizmente essa é a vida.

Mas como todo o lado ruim, também sempre tem o lado bom. E você pensa que a felicidade, pode aparecer apesar ainda de toda a dor.

Mas o quanto ela pode durar? Quanto de sofrimento, dor e perda um ser humano pode aguentar? O quanto devemos perder para saber o valor da verdadeira felicidade? E como, onde ou com quem, encontrar essa felicidade.


"...mesmo assim...ás vezes a gente não dá a atenção que devia ás pessoas que ama...deixa o tempo passar, achando que elas vão viver para sempre...e aí...acontece alguma coisa e você as perde..."




Não encontro palavras para descrever a beleza dessa história! Uma linda história que com certeza poderia ser real (felizmente ou infelizmente) em todos os seus momentos.



Recebi esse livro do próprio escritor e, diga-se de passagem, foi um maravilhoso presente. Uma obra linda, que deveria ser lida por todos.

A publicação ainda é independente, mas em breve teremos algumas surpresas boas quanto a isso.

A diagramação é simples, mas isso não torna a historia menos interessante.



O único ponto negativo do livro são alguns excessos de detalhes que tornam a história um pouco mais cansativa. Mas o autor é tão receptivo que em nossas conversas ele mesmo disse estar revisando algumas partes para poder melhorar. E que já estava realizando alguns cortes.

Achei isso muito digno da parte dele, afinal é ótimo saber que um escritor está pronto para nos ouvir e reconhecer um pouco nossa opinião como leitores, e isso só me fez ser ainda mais fã dele e de seu trabalho.



Então eu super indico essa leitura, e espero do fundo do meu coração que as pessoas possam gostar como eu gostei, e se sentirem tocadas da forma como eu fui.

site: http://www.matoporlivros.com.br/
comentários(0)comente



Silvana 06/11/2014

Em Fugitivos conhecemos Caio, um garoto carioca de quinze anos, que acaba de perder os pais em uma tragédia e vai para Belo Horizonte morar com sua avó Teresa, que ele não via a nove anos. Caio não consegue nem falar sobre a tragédia que vitimou seus pais, e até parece que ele perdeu a vontade de viver. As feridas pelo seu corpo, não são nada, se comparadas as feridas que oprimem seu coração. Logo Caio conhece Jonas, um menino de onze anos muito engraçado e que fala o tempo todo e parece que não para de falar nem para respirar. Jonas convida Caio para assistir um jogo no campinho ali perto e Caio aceira. Caio tem a impressão de que não existem dias tristes na vida de Jonas. Ele não poderia estar mais enganado.

Jonas não pode fazer quase nada para se divertir, tudo por culpa de seu pai, que por qualquer motivo, age com violência e agressividade. E Jonas é seu alvo favorito. Sua irmã Fernanda de quinze anos, faz de tudo para protegê- lo, sem sucesso a maioria das vezes. Fernanda aparece no campinho atrás de Jonas e acaba conhecendo Caio e alguma coisa muita especial acontece entre eles. Um sentimento que Caio pensou que nunca mais fosse sentir. Fernanda já conhecia a avó de Caio e sempre ouvia ela falar sobre o neto. E quando ela conhece Caio, ela sente algo diferente por ele. Só resta descobrir se esse sentimento surgiu agora ou se ele aconteceu enquanto ouvia as histórias de Teresa sobre Caio.

"Não sei como, mas ela... mesmo que só por alguns segundos... fez com que eu deixasse de pensar nos meus pais... ou no que aconteceu. Ela me fez sentir de uma forma que... não sei explicar. Foi como sentir o Sol depois de passar por muito frio."

Conhecemos também Gabriel, de dezessete anos, que trabalha na banca de Teresa. A um tempo atrás ele namorou com Fernanda e quando ela estava pronta para se entregar, ele terminou com ela. Hoje existe uma grande amizade entre eles. Por ter histórias parecidas de vida, um sempre apóia o outro. Gabriel cuida de sua irmã Bianca, de cinco anos. Eles perderam a sua mãe para as drogas. E seu pai esta preso. E seu irmão mais velho que deveria cuidar dos dois, parece seguir os passos de seu pai. Gabriel e Bianca conhecem Caio quando Teresa liga perguntando se ele sabe o celular de Jonas, pois, Caio saiu com ele e ainda não voltou. Gabriel e Bianca encontram Caio e a empatia entre eles é instantânea.

E assim temos esses cinco personagens, unidos pela perda, pelo sofrimento, mas também pela alegria dos momentos em que passam juntos. E eles irão perceber que o amor e a amizade valem muito mais do que qualquer outro sentimento que possam sentir. E que os problemas de cada um, fica menor quando estão juntos. Só que o amor entre Caio e Fernanda acaba provocando o ódio de muitas pessoas. E quando a situação fica impossível para cada um deles, só a companhia do outro que os mantem em pé. Então eles precisam fugir para salvar as suas vidas. E juntos irão percorrer varias cidades do nosso país, numa jornada onde esperam que seus medos e tudo o que já sofreram, fique para trás.

-x-

Em primeiro lugar o que me chamou a atenção no livro foi a capa. É simples, mas tão forte ao mesmo tempo que nos leva a outros lugares só de olhar para ela. Em segundo lugar foi o tamanho do livro, 638 páginas. Ele é dividido em duas partes. O antes e o depois da fuga. Na minha opinião bem que poderia ser dois livros ao invés de um, tem muito conteúdo para isso. Mesmo esse sendo o primeiro livro de uma serie ou trilogia não sei, poderia já ser o primeiro e o segundo. O livro é daqueles com aquelas histórias fascinantes que já me ganhou no primeiro capítulo. E mesmo sendo enorme, a história não se tornou cansativa em nenhum momento. Pelo contrário, li com mais vontade a cada novo capítulo. Cada hora é a vez de um personagem ficar em evidencia, com isso a história manteve seu ritmo, sempre mudando de personagem nas partes mais interessantes, para nos prender à leitura.

Quanto aos personagens principais, gostei de todos sem exceção. Caio, é um garoto frágil que passou por tantas coisas ruins que dá vontade de pegar ele no colo e dizer que vai ficar tudo bem. E ao longo do livro podemos ver seu amadurecimento, de como as tragédias acaba por transformá-lo em um garoto que consegue sobreviver a qualquer situação. Sem falar na educação, tá raro de ver um garoto de quinze anos pedir benção para os mais velhos. Fernanda é um pouco ciumenta e mandona as vezes, mas tendo que ser mãe do seu irmão desde criança, conseguimos entender seu comportamento. Gabriel é aquele garoto que todo mundo quer ter como amigo. Ele vai até o fim para proteger a quem ele ama.

Bianca é uma fofa. Apesar da pouca idade, já entende tudo o que acontece e faz de tudo para ficar perto do seu irmão. E por ultimo, mas o mais importante para mim, Jonas, o meu personagem preferido. Cai de amores por ele. Ele é a alma do grupo e está sempre de bom humor. Mesmo quando passa por situações em que corre risco de morte, ele não perde a piada. Espero que o personagem continue assim. Enfim, o livro tem de tudo um pouco, romance, aventura, drama, descobertas, suspense, Tem um pouco de cada coisa, para agradar a todos os leitores. Me envolvi tanto na leitura que quando o livro terminou, ficou um vazio no peito. E sem esquecer de mencionar que chorei um monte hehehehe. Mas não foi de tristeza não. Livro mais do que recomendado.

site: http://blogprefacio.blogspot.com.br/2014/11/resenha-fugitivos-carlos-h-barros.html
comentários(0)comente



Nanda 24/03/2017

História longa
Fugitivos conta a história de cinco garotos que cada um com suas dificuldades resolvem juntos fugir dos seus problemas.

Caio é um garoto de 15 anos que por causa de um acidente vai morar com sua avó em Minas Gerais. Lá ele conhece Jonas de 11 anos que o trata como amigo, Jonas o apresenta a sua irmã Fernanda que tem a mesma idade de Caio e os dois se apaixonam perdidamente um pelo outro. Só que Fernanda e Jonas tem uma bagagem na qual se resume em um pai super agressivo e um amigo possessivo.

Os dois começam a namorar apesar dos problemas que os cercam, nesse meio tempo, Caio conhece Gabriel de 17 anos que é ex de Fernanda mas que apoiam os dois. Gabriel tem uma irmã mais nova que se chama Bianca e tem um irmão mais velho, no qual se envolve em coisas ilegais junto com o pai, que este último, por causa de Gabriel se encontra na cadeia.

Por esses e outros motivos os cinco se encontram dentro de uma Kombi a caminho de Caruaru em Pernambuco atrás de uma vida melhor. Só que os problemas que até então achavam terem deixado para trás os acompanham durante a viagem.

Até onde você iria em nome do amor e acima de tudo da amizade?

Esse livro tem uma história que apesar ser de ficção mostra a realidade vivida por vários adolescentes nos dias atuais e gostei bastante do livro. Uma coisa que me incomodou, foi o fato de que achei a Fernanda muito dependente do Caio. O final ficou com algumas pontas soltas, não sei se isso significa que haverá uma continuação ou foi feita para fazer o leitor criar algumas suposições.

site: https://www.instagram.com/minhadesordemperfeita/
comentários(0)comente



Dri 23/09/2015

Primeiras Impressões de Fugitivos
A história é narrada em terceira pessoa, e já adianto para aqueles que assim como eu, preferem livros narrados em primeira pessoa, esse detalhe não interferiu em nada, pelo contrario, acho que deixou a história até mais envolvente.
Alguns livros ficam ótimos em terceira pessoa e esse é um deles ;)

Caio é um garoto de 15 anos que sofreu um acidente e perdeu seus pais. O parente mais próximo que ele tem é uma avó paterna em Belo Horizonte, então após um curto processo de recuperação no hospital, Caio é levado do Rio de Janeiro para junto de sua avó.
Agora, ele está tentando processar tudo o que aconteceu e se adaptar a sua nova vida.
A única lembrança que ele tem dos pais fora os momentos vividos são suas alianças, que ele guarda como um talismã, em uma correntinha pendurada no pescoço.

Na nova cidade, Caio conhece alguns garotos de sua faixa etária, que apesar de estarem sempre cheios de problemas, estão sempre prontos para ajudar.
Jonas e Fernanda são irmão e passam por mau bocados com um pai violento e dominador que eles tem dentro de casa, e a mãe por medo, não defende os filhos.
Gabriel um jovem que sempre se virou sozinho, cuida da irmã mais nova Bianca como se fosse o próprio pai dela, pois apesar de terem um pai é como se não tivessem.

A proximidade de Caio e Fernanda acontece de forma rápida, porém como os dois estão muito fragilizados pelos tristes acontecimentos, isso se mostrou natural. E daí parece que irá surgir uma linda cumplicidade.

É uma história rica em detalhes, mas sem se tornar cansativa. Foi muito fácil me envolver com os personagens, participar das emoções, angustias, medos e aventuras vividas por eles.
A todo momento eu queria que caio revelasse logo o que de fato aconteceu no misterioso acidente e ficava apreensiva a cada oportunidade que aparecia.

Fugitivos é uma história muito bem abordada, que trata de fatos, que infelizmente, acontecem em diversos lares, mas que também consegue nos mostrar um pouco de positividade, nos mostrar que existem pessoas com diversos problemas, e que podem ser ajudadas umas pelas outras.

site: http://livrosleituraseleitores.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Naiara Cristiane (estilodenerd) 05/05/2016

fugitivos
Muito bom, mergulhamos numa história que de ficção não tem nada o autor soube refletir uma realidade de muitos jovens
comentários(0)comente



Mari 17/03/2016

Gente, que livro é esse? (Blog Panda Vermelho)
A leitura desse livro foi maravilhosa!
Esses personagens... você cria um carinho por eles, tão grande, que a situação de cada um te pega de um jeito tão forte e te comove tanto que dá vontade de tira-los do livro e abraça-los.
Fala sobre 5 garotos: Caio (15 anos), Fernanda (15), Jonas (11), Gabriel (17) e Bianca (5).
Caio é do Rio de Janeiro e depois de uma tragédia, que não posso citar, ele vai parar em BH com a avó... onde conhece Fernanda e Jonas, posteriormente conhecendo Gabriel e Bianca. Essas quatro são de BH. E sobre essa tragédia, você vai descobrindo ao longo dos primeiros capítulos.
Fernanda e Jonas são irmãos, assim como são Gabriel e Bianca.
Os cinco criam um laço de amizade muito forte, devido à compreensão que um tem pelo outro, ao carinho e aos problemas que enfrentam, tão fortes para cinco "crianças". Esse livro te faz se perguntar porque a vida é dura com quem nem sabe viver ainda... os cinco passam por dificuldades diferentes, com cada um a situação é uma. Mas você não sabe de quem fica com mais dó. Porém, são tão audaciosos, tão valentes para simples crianças, que você fica boquiaberto em inúmeros momentos.
O livro é uma aventura pela vida dos cinco. Você descobre o mundo junto com eles, enfrenta barreiras, acompanha o dia a dia e o comportamento de cada um diante do que vivem.

Aqui, você vai ter que lidar com abandono, catástrofes naturais, (quase) abuso infantil, espancamento, problemas com drogas, inocência, silenciamento, tráfico infantil, injustiças, ignorância... O livro aborda temas a se pensar muito e tão cotidianos, mas de uma maneira tão sublime e intensa, numa linguagem tão comum e compreensível...

Eu estou simplesmente maravilhada com como o Carlos conseguiu abrir e fechar esse livro, nessas "poucas" páginas. Eu precisaria de tantas mais... e ninguém leria, porque seria confuso hehehe.

Ainda sobre os personagens... eu amei cada um deles. O Caio é um guerreiro, passou por tanta coisa, precisa tanto de cuidados e ainda assim consegue cuidar. A Bianca é uma menina forte, protetora, corajosa. Jonas, me tirou ALTÍSSIMAS gargalhadas... que molequinho sapeca e amável. Bianca é a coisinha mais doce, fofa e inocente que você vai conhecer, mas tão audaciosa e forte quanto um adulto jamais seria. E por fim Gabriel... um anjo, eu diria. Também tem outros personagens, que você pode amar tanto quanto, mas não quero apresentar eles a quem ler essa resenha. A experiência tem que ser pessoal.

Ficaria horas falando aqui... mas acho que seria melhor abrir o livro e ler pra entender o que senti.

site: http://oipandavermelho.blogspot.com.br/2016/03/resenha-fugitivos-carlos-barros.html
comentários(0)comente



Ramon 02/01/2016

De fato, o autor conseguiu deixar a marca de cada personagem do livro sendo os "bonzinhos" ou "maldosos".
O livro é dividido em duas partes, onde a primeira apresenta os problemas de cinco adolescentes cujo as causas e efeitos são provocados pelos seus pais intencionados de forma direta ou não e que se conhecem e forma uma dramática amizade.
A segunda parte, atinge o clímax da história onde acontece uma reviravolta na vida dos principais personagens:
Caio e Fernanda (se conhecem bem no início do livro e vivem um amor intenso, exagerado e bem grudento [um ponto negativo do livro, embora tenha ajudado os dois personagens nos momentos mais difíceis da narrativa]);
O irmão de Fernanda, mais novo, Jonas, este sim, abrilhantou ainda mais o livro. Sendo este, bem humorado, sapeca, tagarela. De fato, Jonas salvou o livro. Sem mais;
Gabriel, mais velhos que os demais, cujo o autor detalhou claramente suas características, embora seus pais que fizeram de tudo, indiretamente, a influenciá-lo para o mundo da criminalidade, porém, Gabriel andou pela contra mão do mundo, o que ajudou sobremaneira no cuidado de sua irmã mais nova, a Bianca, que se amavam incondicionalmente.
A narrativa mostra o contexto e a vida social em que os pais destes adolescentes viviam e como viviam. Não apresentavam um exemplo digno sequer de um adulto responsável incluindo o irmão de Gabriel, o Mauro e seu amigo Wander, ambos marginais, exceto a vó de Caio, seus pais e sua assistente social. Unindo às tragédias como morte, violência, irresponsabilidade, maus tratos e muitas coisas depravantes, foram os fatores que fizeram o grupo de adolescentes que fizeram uma bela amizade fugirem pra bem longe de suas realidades tristes.
Na fuga [já na parte II], acontece muitas reviravoltas boas e ruins [ou na maioria dos casos: ruins]. Não foi fácil para os cincos amigos fugirem percorrendo milhares de quilômetros, cruzando alguns estados para encontrarem uma saída, uma solução pra suas vidas.
Finalmente, se não fossem o bom coração e índole das pessoas que os conheceram, a vida desses meninos teria sido uma "destruição total".
A jornada desta turma é de muita aventura, drama, perdas e ganhos. Apesar de serem adolescentes, em fase de explosão de hormônios a flor da pele, um romance mais do que exagerado entre Caio e Fernando, sim, não se desgrudavam pra nada, a amizade entre os cinco prevaleceu. E por esta amizade é que os salvou do perigo que sempre os seguia, resultando assim, numa nova história, em que tanto lutaram para ter... e conseguiram.
Adriana 15/04/2017minha estante
troca por qual?




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Stephanie Raiany 12/09/2015

Você está pronto para se tornar um fugitivo?
Caio, um garoto de 15 anos que perdeu seus pais recentemente, sai do Rio de Janeiro e vai para Belo Horizonte morar com sua avô, seu único parente.

Fernanda, de 15 anos e Jonas de 11 anos, são irmãos. O pai deles é muito violento, os agridem quase sempre e a mãe deles, fraca, não faz nada para ajudar os garotos ou impedir o marido de cometer tão ato.

Gabriel de 18 anos e Bianca de 5 anos, também são irmãos. Com o pai preso e seu irmão, Mauro, que não liga para eles. Gabriel é o único que trabalha e cuida da sua irmã, não a deixando sem comida e nem estudos.

A vida desses cinco garotos mudam quando eles se encontram. Acontecessem várias barbaridades com cada um deles, todos sofrem muito e com tudo o que aconteceu resolvem fugir. A partir de agora, eles são a única família que tem, um tentando proteger o outro, eles viraram praticamente irmãos, mesmo não sendo todos do mesmo sangue. É um amor tão grande que cada um sente pelo outro, que eles nem pensam em se separar algum dia. Mas, se eles pensaram que fugindo iam resolver todos os problemas, se engaram, porque os problemas foram à procura deles, e não vão deixá-los em paz até conseguir o que querem.

Uma história totalmente emocionante e também com uma realidade enorme. Nos mostra o que pode acontecer dentro da casa de algumas pessoas, mesmo os pais sendo considerados os maiores protetores de seus filhos, nem sempre é assim, vemos que eles mesmos quem agridem seus próprios filhos, fazendo com que a criança fique calada e com medo. Essa história mostra que o amor pode mudar muita coisa, como mudou a vida dos cinco garotos.
Com certeza você vai sentir muita raiva de Renato, Eduardo, Mauro e vários outros personagens, mas também tenho certeza que vai se emocionar muito com os cinco garotos e a história deles, assim como eu me emocionei.

site: http://poeliterar.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2